Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Variações Anatômicas e  algumas patologias doSistema Genital Masculino
Grupo:Dulce MourthéIsabele ValentimLuiz Felippe SoaresNatália de Melo
ANATOMIA DO EPIDÍDIMO e    DO TESTÍCULO
FUNÍCULO ESPERMÁTICO:1. ducto deferente2. A.testicular (derivada da A. Aorta)3. A. do ducto deferente (A. Vesical   inf.)4...
Fonte:KIERSZENBAUM, 2008.
EMBRIOLOGIA DO SISTEMA  GENITAL MASCULINO
     ouFERTILIZAÇÃOCARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS MASCULINAS só desenvolverá na 7ª semana
 SistemaGenital se desenvolve intimamente com o Urinário; Início:        sistema genital dos dois sexos é semelhante = e...
 Gônadas   derivam de 3 fontes: -mesotélio (reveste parede posterior do abdome); -mesênquima (tec conjuntivo do embrião) ...
fator                            determinante do                             testículo TDF                  Cordões sexuai...
 Epidídimo: ductos eferentes abrem-se no  ducto mesonéfrico e gera o ducto do  epidídimo; Dorsalmente, o ducto mesonéfri...
APÊNDICE EPIDIDIMÁRIO Resquício do mesonefro do homem,  extremidade cefálica; Ligado a cabeça do epidídimo; restos embr...
APÊNDICE TESTICULAR Extremidade cefálica do ducto  paramesonéfrico; Ligado ao pólo superior do testículo; restos embrio...
Apêndice do epidídimo e do testículopodem sofrer torções no seu pedículo              DOR  semelhantes a dor da torção do ...
ANATOMIA DA PRÓSTATA
Fonte: DRAKE, 2006
Fonte: JUNQUEIRA,2004
Fonte: DRAKE, 2006
Fonte: MOORE, 2003
Fonte: DRAKE, 2006
Fonte: DRAKE, 2006
Fonte:KIERSZENBAUM, 2008.
Câncer de próstata Região periférica da próstata Assintomático Diagnóstico:    ◦ Exame retal → endurecida e consistênci...
Fonte: MOORE, 2003
Fonte: MOORE, 2003
Fonte: DRAKE, 2006
Fonte: DRAKE, 2006
Fonte: DRAKE, 2006
Hiperplasia Benigna da Próstata(HBP) Envelhecimento Zona central Compressão da uretra prostática =>  micção Toque reta...
Fonte: DRAKE, 2006
Fonte: MOORE, 2003
Sintomas da obstrução ureteral: Nictúria Disúria UrgênciaComplicações Cistite Lesão renal
Fonte: MOORE, 2003
Fonte: DRAKE, 2006
HIPERTROFIA DA BEXIGA                 Fonte: MOORE, 2003
CATETERIZAÇÃO TRANSURETRAL E             CISTOTOMIA SUPRAPÚBICAFonte: urologiaperuana.blogspot.com/2011/03/colocacion-de-c...
SONDA VESICAL                                       CATETER                                       SUPRAPÚBICOFonte: balsin...
ANATOMIA DAS GLÂNDULAS       SEMINAIS
Suprimento sanguíneo: artériasderivadas da A. Vesical inferior e daA. retal média                     Fonte: NETTER, 2001 ...
Abscessos nas GlândulasSeminais  Coleção de pus (abscessos) nas   glândulas seminais;  Glândulas seminais aumentadas   p...
AbscessoSe romperPus na cavidadeperitoneal                  Glândulas seminais                  aumentadas                ...
ANATOMIA DA PARTE DISTAL DO PÊNIS
ANATOMIA DO PÊNIS:Consiste em raiz, corpo e glande; Distalmente ao corpo esponjoso ocorre  uma expansão para formá-la; C...
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Gray1120.pn   Fonte: NETTER, 2001
FIMOSE e PARAFIMOSE   Orifício do prepúcio pequeno. Não    permite sua retração normal;Cirurgia: CIRCUNCISÃO             ...
   Causas do orifício pequeno:      1. desenvolvimento anômalo;      2. ataques infecciosos repetidos    que    causam a ...
PÊNIS POR SUASVARIAÇÕES DETAMANHO
   Frequente reclamação nos    consultórios pediátricos;   Preocupação do homem:    ◦ Desempenho sexual;    ◦ Segurança
TAMANHO DO PÊNIS NORMALFonte: Penile anthropometry in Brazilian child and adolescent Jornal dePediatria - Vol. 83, Nº5, 2007
Fonte: J. Pediatr. (Rio J.) vol.83 no.5 PortoAlegre Sept./Oct. 2007
Micropênis   Definição:    ◦ 2,5 desvios padrão abaixo da média da      curva de Shonfeld;   Incidência:    ◦ 1.20000 ho...
Fonte: British Journal of Medicine http://bjo.bmj.com/content/81/5/378.full
Diagnóstico diferencial: pênisoculto (obesidade)
VARIAÇÕES DA RAFEMEDIANA E NO MEATOURETRAL
Rafe mediana ou rafe do escroto:Fonte: Netter, 2000
Desvios da rafe mediana:Fonte: Urologia Fundamental (SBU)
Meato UretralFonte: Netter, 2000
Desvios do meato uretral:Fonte: Urologia Fundamental (SBU)
Relações clínicas do desvio do  meato uretral:     HIPOSPÁDIA:      ◦ Balânica      ◦ Distal      ◦ MédiaFonte: www.media...
VÁLVULA DE URETRAPOSTERIOR
Verumontanum:Fonte: Netter, 2000
Fonte: Netter, 2000.
Válvulas de uretra posterior:             •TIPO 1: 95%             •TIPO 2: 0%             •TIPO 3: 5%Fonte: www.urologia....
Fonte: http://pediatriaenlared.com.ar
Sintomatologia   Recém nascidos:    ◦   Ascite    ◦   Uremia    ◦   Infecção    ◦   Insuficiência renal (em caso de      ...
Referências Bibliográficas   DRAKE, R.L et al.Gray´s Anatomia para Estudantes. 1 ed. Rio de Janeiro:    Ed. Elsevier, 200...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Variações anatômicas e algumas patologias do Sistema Genital Masculino

26,443 views

Published on

Published in: Education
  • If you want to download or read this book, Copy link or url below in the New tab ......................................................................................................................... DOWNLOAD FULL PDF EBOOK here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... Download Doc Ebook here { http://bit.ly/2m77EgH } ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Variações anatômicas e algumas patologias do Sistema Genital Masculino

  1. 1. Variações Anatômicas e algumas patologias doSistema Genital Masculino
  2. 2. Grupo:Dulce MourthéIsabele ValentimLuiz Felippe SoaresNatália de Melo
  3. 3. ANATOMIA DO EPIDÍDIMO e DO TESTÍCULO
  4. 4. FUNÍCULO ESPERMÁTICO:1. ducto deferente2. A.testicular (derivada da A. Aorta)3. A. do ducto deferente (A. Vesical inf.)4. A. cremastérica (A. epigátrica inf. – A.ilíaca externa)5. Plexo pampiniforme6. N. genitofemoral7. Vasos linfáticos Fonte: Fonte: NETTER, 2001 JUNQUEIRA,2004 Fonte:KIERSZENBAUM, 2008.
  5. 5. Fonte:KIERSZENBAUM, 2008.
  6. 6. EMBRIOLOGIA DO SISTEMA GENITAL MASCULINO
  7. 7.  ouFERTILIZAÇÃOCARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS MASCULINAS só desenvolverá na 7ª semana
  8. 8.  SistemaGenital se desenvolve intimamente com o Urinário; Início: sistema genital dos dois sexos é semelhante = estágio indiferenciado do desenvolvimento sexual A genitália externa não se diferencia até a 12ª semana.
  9. 9.  Gônadas derivam de 3 fontes: -mesotélio (reveste parede posterior do abdome); -mesênquima (tec conjuntivo do embrião) -céls germinativas primitivas (formam-se na parede do saco vitelino); Fonte: MOORE, 2003
  10. 10. fator determinante do testículo TDF Cordões sexuais primários Diferenciação da mulher – ñ depende de Hm, ocorre mesmo na ausência de em se diferenciam ovários!! testículo Céls de Leyding – TESTOSTERONA MASCULINIDADETESTÍCULO Céls de Sertoli Hm antimulleriano AMHInibe o desenv. dos ductos paramesonéfricos (deMuller) Fonte:KIERSZENBAUM, 2008.
  11. 11.  Epidídimo: ductos eferentes abrem-se no ducto mesonéfrico e gera o ducto do epidídimo; Dorsalmente, o ducto mesonéfrico é revestido por músculo liso e gera o ducto deferente; Evaginação lateral da extremidade caudal de cada ducto mesonéfrico origina a vesícula seminal; Fonte: MOORE, 2003
  12. 12. APÊNDICE EPIDIDIMÁRIO Resquício do mesonefro do homem, extremidade cefálica; Ligado a cabeça do epidídimo; restos embrionários do ducto mülleriano Fonte: MOORE, 2003
  13. 13. APÊNDICE TESTICULAR Extremidade cefálica do ducto paramesonéfrico; Ligado ao pólo superior do testículo; restos embrionários do ducto mülleriano Fonte: MOORE, 2003
  14. 14. Apêndice do epidídimo e do testículopodem sofrer torções no seu pedículo DOR semelhantes a dor da torção do cordão espermático, porém com menor intensidade;
  15. 15. ANATOMIA DA PRÓSTATA
  16. 16. Fonte: DRAKE, 2006
  17. 17. Fonte: JUNQUEIRA,2004
  18. 18. Fonte: DRAKE, 2006
  19. 19. Fonte: MOORE, 2003
  20. 20. Fonte: DRAKE, 2006
  21. 21. Fonte: DRAKE, 2006
  22. 22. Fonte:KIERSZENBAUM, 2008.
  23. 23. Câncer de próstata Região periférica da próstata Assintomático Diagnóstico: ◦ Exame retal → endurecida e consistência pétrea (irregular) ◦ Exame de sangue → fosfatase ácida e antígenos específico da próstata (PSA)• Biópsia
  24. 24. Fonte: MOORE, 2003
  25. 25. Fonte: MOORE, 2003
  26. 26. Fonte: DRAKE, 2006
  27. 27. Fonte: DRAKE, 2006
  28. 28. Fonte: DRAKE, 2006
  29. 29. Hiperplasia Benigna da Próstata(HBP) Envelhecimento Zona central Compressão da uretra prostática => micção Toque retal: próstata volumosa
  30. 30. Fonte: DRAKE, 2006
  31. 31. Fonte: MOORE, 2003
  32. 32. Sintomas da obstrução ureteral: Nictúria Disúria UrgênciaComplicações Cistite Lesão renal
  33. 33. Fonte: MOORE, 2003
  34. 34. Fonte: DRAKE, 2006
  35. 35. HIPERTROFIA DA BEXIGA Fonte: MOORE, 2003
  36. 36. CATETERIZAÇÃO TRANSURETRAL E CISTOTOMIA SUPRAPÚBICAFonte: urologiaperuana.blogspot.com/2011/03/colocacion-de-cateter-suprapubico.html
  37. 37. SONDA VESICAL CATETER SUPRAPÚBICOFonte: balsiniortopedia.com.br/trauma-abdominal/
  38. 38. ANATOMIA DAS GLÂNDULAS SEMINAIS
  39. 39. Suprimento sanguíneo: artériasderivadas da A. Vesical inferior e daA. retal média Fonte: NETTER, 2001 Fonte: GRAY, 2003
  40. 40. Abscessos nas GlândulasSeminais  Coleção de pus (abscessos) nas glândulas seminais;  Glândulas seminais aumentadas podem ser palpadas durante o exame retal;  se romper pus na cavidade peritoneal • Causa: cistos (caroços) com obstrução dos canais ejaculatórios secundária a infecções/inflamações
  41. 41. AbscessoSe romperPus na cavidadeperitoneal Glândulas seminais aumentadas Palpadas pelo exame retalFonte: NETTER, 2001
  42. 42. ANATOMIA DA PARTE DISTAL DO PÊNIS
  43. 43. ANATOMIA DO PÊNIS:Consiste em raiz, corpo e glande; Distalmente ao corpo esponjoso ocorre uma expansão para formá-la; Cônico, forma a cabeça do pênis; Coroa e colo da glande; Óstio (meato) externo da uretra; Prepúcio; Frênulo do prepúcio:
  44. 44. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Gray1120.pn Fonte: NETTER, 2001
  45. 45. FIMOSE e PARAFIMOSE Orifício do prepúcio pequeno. Não permite sua retração normal;Cirurgia: CIRCUNCISÃO http://pt.wikipedia.org/wiki/Fimose
  46. 46.  Causas do orifício pequeno: 1. desenvolvimento anômalo; 2. ataques infecciosos repetidos que causam a cicatrização do anel prepucial; A fimose: -interfere na limpeza; -permite o acúmulo de secreções e detritos sob o prepúcio; -outras infecções; -possivelmente, o carcinoma
  47. 47. PÊNIS POR SUASVARIAÇÕES DETAMANHO
  48. 48.  Frequente reclamação nos consultórios pediátricos; Preocupação do homem: ◦ Desempenho sexual; ◦ Segurança
  49. 49. TAMANHO DO PÊNIS NORMALFonte: Penile anthropometry in Brazilian child and adolescent Jornal dePediatria - Vol. 83, Nº5, 2007
  50. 50. Fonte: J. Pediatr. (Rio J.) vol.83 no.5 PortoAlegre Sept./Oct. 2007
  51. 51. Micropênis Definição: ◦ 2,5 desvios padrão abaixo da média da curva de Shonfeld; Incidência: ◦ 1.20000 homens Causas: ◦ Genéticas ◦ Endócrinas
  52. 52. Fonte: British Journal of Medicine http://bjo.bmj.com/content/81/5/378.full
  53. 53. Diagnóstico diferencial: pênisoculto (obesidade)
  54. 54. VARIAÇÕES DA RAFEMEDIANA E NO MEATOURETRAL
  55. 55. Rafe mediana ou rafe do escroto:Fonte: Netter, 2000
  56. 56. Desvios da rafe mediana:Fonte: Urologia Fundamental (SBU)
  57. 57. Meato UretralFonte: Netter, 2000
  58. 58. Desvios do meato uretral:Fonte: Urologia Fundamental (SBU)
  59. 59. Relações clínicas do desvio do meato uretral:  HIPOSPÁDIA: ◦ Balânica ◦ Distal ◦ MédiaFonte: www.mediapedia.pt
  60. 60. VÁLVULA DE URETRAPOSTERIOR
  61. 61. Verumontanum:Fonte: Netter, 2000
  62. 62. Fonte: Netter, 2000.
  63. 63. Válvulas de uretra posterior: •TIPO 1: 95% •TIPO 2: 0% •TIPO 3: 5%Fonte: www.urologia.com.br
  64. 64. Fonte: http://pediatriaenlared.com.ar
  65. 65. Sintomatologia Recém nascidos: ◦ Ascite ◦ Uremia ◦ Infecção ◦ Insuficiência renal (em caso de sobrevida) Crianças maiores: ◦ Disfunção miccional (disúria).
  66. 66. Referências Bibliográficas DRAKE, R.L et al.Gray´s Anatomia para Estudantes. 1 ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2006. JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO, J.. Histologia básica. 10ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2004. KIERSZENBAUM, A. L.. Histologia e biologia celular: uma introdução à patologia. 2ed. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2008. MOORE, K. L.;DALLEY, A.F.. Anatomia Orientada para a Clínica. 4ed. Rio de Janeiro: Ed.Guanabara Koogan, 2003. NETTER, F. H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Ed.Artmed, 2000. GABRICH, P. N.; et al. Avaliação das medidas do comprimento peniano de crianças e adolescentes. J. Pediatr. (Rio J.) vol.83 no.5 Porto Alegre Sept./Oct. 2007. DENADAI, E. Urologia, 2005. Acesso ao site http://www.urologia.com.br em 05 de novembro de 2011. FILHO, M. Z.; et al. Urologia fundamental, São Paulo: Planmark, 2010. SCHUCH, T.; et al. Pênis de Comprimento Reduzido em Idade Pré-Puberal: Avaliação Inicial e Seguimento. Arq Bras Endocrinol Metab vol.44 no.5 São Paulo Oct. 2000.

×