Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Bb dm – extra

412 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Bb dm – extra

  1. 1. DM – Extra 1- Drogas Hipoglicemiantes Orais Classe: Biguanidas Mecanismo de ação: Redução da produção hepática de glicose e ação sensibilizadora da insulina nos tecidos periféricos Droga e formulação disponível: Metformina 500 mg Dose diária: 1.000 – 2.550 mg Frequência de uso: 2 - 3x ao dia Redução da glicemia: 60 – 70 mg/dL Redução na HbA1C: 1,5 a 2% Efeito no peso:  Contra-indicações ao uso da metformina: -Insuficiência renal – Creatinina >1,4 mg/dL (mulheres) ou >1,5 mg/dL (homens). Obs.: em idosos ou outros pacientes com pouca massa muscular, a melhor forma de avaliar a função renal é através da TFG (Taxa de Filtrado Glomerular). Pacientes com TFG < 60 mL/min não devem utilizar a droga. A função renal deve ser avaliada antes do início do tratamento e uma a duas vezes ao ano. -Insuficiência cardíaca descompensada ou instabilidade hemodinâmica -Hepatopatias (transaminases acima de 3x o limite superior da normalidade – avaliar anualmente) -Abuso de álcool -Acidose metabólica -História prévia de acidose lática -Insuficiência respiratória severa. Situações especiais no uso de metformina: -Pré-operatório: suspender a droga no dia do procedimento. -Pacientes que se submeterão ao uso de contraste iodado para realização de exames radiológicos: descontinuar o uso de metformina por 48 horas após o uso do contraste e retornar após a confirmação de que não houve dano renal. Efeitos adversos mais frequentes: diarréia, flatulência, dor abdominal, indigestão, náuseas, vômitos, anorexia, sabor metálico. Classe: Sulfoniluréias Mecanismo de ação: Aumento da secreção de insulina Droga e formulação disponível: Glibenclamida 5mg Dose diária: 2,5 - 20 mg Frequência de uso: 1 - 2x ao dia Redução da glicemia: 60 – 70 mg/dL Redução na HbA1C: 1,5 a 2% Efeito no peso:  Contra-indicações: -Porfiria -Insuficiência hepática grave -Insuficiência renal grave -Gravidez Precauções: -Idosos (pelo maior risco de hipoglicemia) -Pacientes obesos (preferência por metformina Efeitos adversos mais frequentes: hipoglicemia, particularmente em pacientes idosos, distúrbios gastrintestinais, cefaléia e reações cutâneas, como eritema multiforme, dermatite esfoliativa, prurido e urticária.
  2. 2. 2- Complicações agudas Hipoglicemia Condições de risco Sinais/sintomas Exames laboratoriais - Pacientes em uso de insulina; - Pacientes idosos em uso de sulfoniluréias; - Progressão para Insuficiência renal*; - Omissão alimentar; - Realização de exercício não usual; - Educação em diabetes deficiente; - Baixa idade; - Insulinoterapia recentemente iniciada; - Glicemia normal-baixa à noite; - Troca de insulina; - Neuropatia autonômica. - Descarga adrenérgica - Tremores; - Sudorese intensa; - Palidez; - Palpitações; - Fome intensa; - Visão borrada; - Diplopia; - Tonturas; - Cefaléia; - Ataxia; - Distúrbios do comportamento; - Convulsão; - Perda da consciência; - Coma. - A medida da glicemia é necessária para confirmação - (níveis de glicemia abaixo de 60 mg/dl) * Paciente com DM de longa data e hipoglicemia, suspeitar de piora da função renal – principalmente se em uso de hipoglicemiante oral – solicitar avaliação de função renal. Nota - Fármacos que aumentam o risco de hipoglicemia: - Ácido acetil-salicílico (AAS) - Trimetropim; - Anticoagulantes; - Probenecida e alopurinol. Conduta: No paciente consciente: - Oferecer carboidratos de absorção rápida (de preferência líquido), na dose de 10 a 20 gramas (ex. Meio copo de refrigerante comum, suco de laranja ou 01 colher de açúcar em meio copo de água, etc.). Pode ser necessário repetir a dose. No paciente insconsciente: -Glucagon (0,5 a 1,0 mg SC) Cetoacidose Condições de risco Sinais/sintomas Achados laboratoriais - Doença febril aguda (IVAS, GECA, Dermatoses, BCP, ITU, etc) - Uso associado de agentes hiperglicemiantes - Diabetes previamente mal controlado - Diabetes de controle instável - Diabetes + distúrbios psicológicos graves - Poliúria - Polidipsia - Desidratação - Dor abdominal - Rubor facial - Hálito cetônico - Hiperglicemia (>300 mg/dl) - Glicosúria acentuada - Cetonúria - Acidose - Leucocitose IVAS- Infecções de vias aéreas superiores GECA- Gastroenterocolite aguda BCP- Broncopneumonia ITU - Infecção do trato urinário. Conduta: -Hidratação oral e tratamento da doença intercorrente -Pacientes com glicemia > 250mg/dL, cetonúria e hálito cetônico, desidratação ou vômitos: encaminhar para serviço de emergência - Pacientes com glicemia > 250mg/dL e cetonúria, mas sem os agravantes acima: administrar 20% da dose de insulina diária sob a forma de insulina regular e revisar em 4 horas. Repetir a dose se glicemia > 250mg/dL. Se não melhorar no próximo teste ou mostrar agravantes, encaminhar para o serviço de emergência. -Pacientes com glicemia > 250mg/dL, sem cetonúria, mas com manifestações clínicas: administrar 10% da dose total de insulina e observar de 4 em 4 horas até estabilização. Havendo piora do quadro, encaminhar para serviço de emergência.
  3. 3. Coma hiperosmolar Condições de risco Sinais / Sintomas Achados laboratoriais Má adesão ao tratamento Poliúria intensa/ oligúria Glicosúria intensa Diabetes tipo 2 com doença Polidipsia Hiperglicemia extrema (>700 mg/dl) intercorrente ou uso de drogas Desidratação intensa Uremia hiperglicemiantes Hipertermia Sonolência Obnubilação Coma Conduta: - Encaminhar ao hospital (letalidade de 12 a 42%) 3- Mistura de insulinas em uma seringa: - Em alguns pacientes, o uso de misturas de insulina (regular + intermediária) pode levar a um melhor controle da glicemia. - As insulinas de ação rápida ou cristalina e ultra-rápida podem ser misturadas, de preferência com as insulinas NPH. - Este procedimento deve ser feito no momento da aplicação, ou então devem ser utilizadas as pré-misturas disponíveis no mercado. Para preparar uma mistura de insulina de ação rápida e intermediária, os seguintes passos devem ser verificados: - Limpar a tampa dos dois frascos; - Virar o frasco de insulina de ação rápida (regular – cristalina) de cabeça para baixo e aspirar a dose prescrita, remover as bolhas de ar e verificar novamente a dose. Retirar a dose do frasco; - Virar o frasco de insulina de ação intermediária de cabeça para baixo e introduzir a agulha. Lentamente, puxar o êmbolo até o número de unidades correspondentes à dose total; - Ter muito cuidado para não deixar penetrar nem um pouco de insulina de ação rápida no frasco contendo a insulina de ação intermediária.

×