Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Neoplasias foliculares tireóide

3,348 views

Published on

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Neoplasias foliculares tireóide

  1. 1. WAGNER IARED NEOPLASIAS FOLICULARES DA TIREOIDE
  2. 2. Sumário Contexto Neoplasias foliculares da tireóide Benignas Malignas Tentativas de prever malignidade em NF da tireóide Papel do US - Doppler
  3. 3. Nódulos benignos e malignos Nódulos Benignos: 95% Nódulos Malignos: 5% Burch HB. Endocrinol Metab Clin North Am. 1995; 24:663-710
  4. 4. Nódulos benignos e malignos Nódulos Benignos: 95% Nódulos hiperplásicos Nódulos coloides Áreas focais de tireoidites Cistos Adenomas Nódulos Malignos: 5% Burch HB. Endocrinol Metab Clin North Am. 1995; 24:663-710
  5. 5. Nódulos benignos e malignos Nódulos Benignos: 95% Nódulos hiperplásicos Nódulos coloides Áreas focais de tireoidites Cistos Adenomas Nódulos Malignos: 5% Carcinoma Papilífero Carcinoma Folicular Carcinoma Medular Carcinoma Anaplásico Metástases / Linfomas Burch HB. Endocrinol Metab Clin North Am. 1995; 24:663-710
  6. 6. Nódulos malignos Carcinoma Papilífero (75% - 80%) Carcinoma Folicular (10% - 20%) Carcinoma Medular (3% - 5%) Carcinoma Anaplásico (1% - 2%) Metástases / Linfomas (4%) Burch HB. Endocrinol Metab Clin North Am. 1995; 24:663-710
  7. 7. Nódulos malignos Carcinoma Papilífero (75% - 80%) Carcinoma Folicular (10% - 20%) Carcinoma Medular (3% - 5%) Carcinoma Anaplásico (1% - 2%) Metástases / Linfomas (4%) Burch HB. Endocrinol Metab Clin North Am. 1995; 24:663-710
  8. 8. Carcinoma Papilífero 98% Carcinoma Folicular 92% Carcinoma Anaplásico 13% Prognóstico Sobrevida em 10 anos Gilliland FD, et al. Cancer.1997;79(3):564-73
  9. 9. Punção aspirativa por agulha fina Benignos Suspeitos Malignos Sem diagnóstico Gharib H. Mayo Clin Proc. 1994; 69:44-9 Hegedus L. et al. Endocr Rev.2003;24(1):102-32
  10. 10. Punção aspirativa por agulha fina Benignos Suspeitos Neoplasias foliculares Células de Hürthle Malignos Sem diagnóstico Gharib H. Mayo Clin Proc. 1994; 69:44-9 Hegedus L. et al. Endocr Rev.2003;24(1):102-32
  11. 11. Zona cinzenta da PAAF Neoplasias foliculares  Nódulo adenomatoso – não neoplásico  Adenoma folicular – benigno  Carcinoma folicular – maligno Células de Hürthle  Adenoma  Carcinoma Baloch ZW, et al. Diagn Cytopathol.2002;26(1):41-4
  12. 12. Zona cinzenta da PAAF Impossível diferenciação citológica É necessário que se remova ao menos parte da tireoide para o diagnóstico histológico  Invasão vascular  Invasão das margens da lesão Baloch ZW, et al. Diagn Cytopathol.2002;26(1):41-4 Pradeep PV, Vissa S. Ir J Med Sci. 2012 Apr 11. [Epub ahead of print]
  13. 13. Risco de malignidade Maia FF, et al. Endocr Pathol. 2011;22(2):66-73 Theoharis CG et al. Thyroid, 2009;19: 1215 – 23 Bethesda III  5 – 15% Bethesda IV  15 – 30%
  14. 14. Tentativas de predizer malignidade em neoplasias foliculares da tireoide Testes imunohistoquímicos  Galectina – 3  HBME-1  Citoqueratina Expressão de receptores tirosinaquinase  (RET/PTC, NTRK) Proteínas sinalizadoras  (RAS, BRAF).  Outras (HRAS, NRAS, KRAS, PAX-8-PPARγ ) Franco C, et al. Appl Immunohistochem Mol Morphol 2009;17(3):211–5 Adeniran AJ, et al. Am J Surg Pathol 2006;30(2):216–22
  15. 15. Parâmetros clínicos Idade < 40 anos > 60 anos Sexo ♂ ♀ Nódulo endurecido Nódulo solitário TSH elevado (> 1,8 um/ml) Anticorpos antitireoidianos elevados Trimboli P, et al. Clinical Endocrinology.2008.69:342-346 Sorrenti S, et al. Thyroid.2009.19(4):355-360 Rago T, et al. 2007. Clinical Endocrinology;66:13-20 Maia FF, et al. Endocr Pathol. 2011;22(2):66-73
  16. 16. Diagnóstico por Imagem Medicina Nuclear  18F-FDG  99mTc-Sestamibi Ultrassonografia  Características do nódulo (modo B)  Padrões de fluxo (Doppler)  IR (Doppler)
  17. 17. Medicina nuclear 18F-FDG Incidentalomas 50% malignos 99mTc-Sestamibi Elevado valor preditivo negativo para malignidade em nódulos tireoidianos com citologia inconclusiva Cohen MS, et al. Surgery.2001.130(6):941-6 Giovanella L, et al. Head Neck.2010.32(5):607-11
  18. 18. Medicina nuclear 99mTc-Sestamibi Giovanella et al 2010 74 pacientes S: 100% * E: 88% VPP: 27% VPN: 100% Prevalência 4% 3 nódulos malignos * Giovanella L, et al. Head Neck.2010.32(5):607-11
  19. 19. Sólido Hipoecogênico Margens irregulares ou mal definidas Ausência de halo hipoecóico Presença de microcalcificações Frates MC. et al. Radiology. 2005;237(3)794-800 Parâmetros US associados a malignidade em nódulos da tireóide
  20. 20. Tamanho do nódulo Contornos irregulares Microcalcificações Padrões de vascularização (Doppler) IR (Doppler) Parâmetros US associados a malignidade em NF da tireóide Maia FF, et al. Endocr Pathol. 2011;22(2):66-73 Rago T, et al. Clinical Endocrinology.2007.66:13-20 De Nicola H, et al. J Ultrasound Med.2005;24(7):897-904 Trimboli P, et al. Clinical Endocrinology.2008.69:342 –346
  21. 21. Tamanho do nódulo Contornos irregulares Microcalcificações Padrões de vascularização (Doppler) IR (Doppler) Parâmetros US associados a malignidade em NF da tireóide Maia FF, et al. Endocr Pathol. 2011;22(2):66-73 Rago T, et al. Clinical Endocrinology.2007.66:13-20 De Nicola H, et al. J Ultrasound Med.2005;24(7):897-904 Trimboli P, et al. Clinical Endocrinology.2008.69:342 –346
  22. 22. Carcinoma folicular Fukunari et al. 2004. World J. Surg.28(12):1261–1265
  23. 23. Carcinoma folicular Fukunari et al. 2004. World J. Surg.28(12):1261–1265
  24. 24. De Nicola et al. 2005 Universo de 1454 Nódulos submetidos à PAAF e US Doppler 187 Neoplasias foliculares 86 com Biópsia Doppler Padrões de fluxo IR De Nicola H, et al.2005.J Ultrasound Med.24:897–904
  25. 25. De Nicola et al. 2005 Doppler - IR IR > 0,75 De Nicola H, et al.2005.J Ultrasound Med.24:897–904
  26. 26. De Nicola et al. 2005 Doppler - Padrões de fluxo Tipo 0 – Sem vascularização visível Tipo 1 – Vascularização somente periférica Tipo 2 – Vascularização periférica e pobre fluxo central Tipo 3 – Vascularização rica central e periférica Tipo 4 – Vascularização exclusivamente central De Nicola H, et al.2005.J Ultrasound Med.24:897–904
  27. 27. De Nicola et al. 2005 Doppler - Padrões de fluxo Tipo 0 – Sem vascularização visível Tipo 1 – Vascularização somente periférica Tipo 2 – Vascularização periférica e pobre fluxo central Tipo 3 – Vascularização rica central e periférica Tipo 4 – Vascularização exclusivamente central De Nicola H, et al.2005.J Ultrasound Med.24:897–904
  28. 28. De Nicola et al. 2005 Doppler - Padrões de fluxo Tipo 3 e Tipo 4 Sensibilidade: 80% Especificidade: 89% De Nicola H, et al.2005.J Ultrasound Med.24:897–904
  29. 29. Medicina Baseada em Evidências Revisão Sistemática de Estudos de Acurácia 4 estudos incluídos 457 nódulos 67 carcinomas Prevalência de câncer 14,7% Critério “presença de fluxo intranodular predominante” vs. “qualquer fluxo intranodular” para a predição de malignidade Iared W, et al. Sao Paulo Med J. 2010; 129(4):250-60
  30. 30. Critério “presença de fluxo intranodular predominante” para a predição de malignidade Sensibilidade 85% (IC 95% 74% a 93%) Especificidade 86% (IC 95% 82% a 89%) Valor Preditivo Positivo 51% Valor Preditivo Negativo 97% Medicina Baseada em Evidências
  31. 31. Critério “presença de qualquer fluxo intranodular” para a predição de malignidade Sensibilidade 96% (IC 95% 88% a 100%) Especificidade 14% (IC 95% 11% a 18%). Valor Preditivo Positivo 15% Valor Preditivo Negativo 96% Medicina Baseada em Evidências
  32. 32. Possível impacto clínico 100 doentes com NF à PAAF Opção 1 – operar todos Opção 2 – operar Lagalla III Opção 3 – operar Chammas IV e V Opção 1 – 100 cirurgias e 14 Ca Opção 2 – 87 cirurgias, 13 Ca, 1 Ca em observação Opção 3 – 24 cirurgias, 12 Ca, 2 Ca em observação
  33. 33. Conclusão Parâmetros associados a maior risco de malignidade em NF e células de Hürthle Nódulo endurecido à palpação Idade < 40 e > 60 anos Contornos irregulares ao US Predomínio de fluxo central ao Doppler IR elevado ao Doppler
  34. 34. Fato: “Até o momento, a única maneira realmente segura para diferenciar as NF benignas e malignas é a biópsia da peça cirúrgica”
  35. 35. Tema para discussão Os carcinomas foliculares são geralmente insidiosos e tem bom prognóstico quando tratados na fase inicial Conduta conservadora como opção em casos onde não há parâmetros associados a maior risco de malignidade
  36. 36. Perspectivas futuras Marcadores moleculares Rastreamento de mutações genéticas na amostra de PAAF

×