Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e Mato Grosso do Sul: realidade e preocupações

Check these out next

1 of 52 Ad
1 of 52 Ad

Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e Mato Grosso do Sul: realidade e preocupações

Download to read offline

Palestra proferida no workshop “IRAC International Task Team Meeting”, realizado em Brasília, DF, no período de 3 a 5 de março de 2015.

Palestra proferida no workshop “IRAC International Task Team Meeting”, realizado em Brasília, DF, no período de 3 a 5 de março de 2015.

Advertisement
Advertisement

More Related Content

Advertisement

Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e Mato Grosso do Sul: realidade e preocupações

  1. 1. GERMISON TOMQUELSKI Eng. Agr. Dr. Pesquisador Fund. Chapadão germison@fundacaochapadao.com.br 67 3562.2032 Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e Mato Grosso do Sul: realidade e preocupações.....
  2. 2. CULTURAS Soja – 350 mil ha Milho – 180 mil ha Algodão – 50 mil ha Bovino – 1 milhão de cabeças Feijão 7 mil ha Cana-de-açucar – 110 mil ha
  3. 3. Ações regionais… Ações da Fundação Chapadão • Identificação • E-mails • Notas - Publicações • Reuniões • Dias de Campo • Experimentos
  4. 4. Cenários Safra 14/15 OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO JANEIRO FEVEREIRO MARÇO 01-15 16-30 01-15 16-30 01-15 16-31 01-15 16-31 01-15 16-28 01-15 16-31 Corós Elasmo Heliothis virescens -----------------------------------Helicoverpa----------------------------- Percevejos (marrom – 90%) Chrysodeixis includens Diabrotica speciosa Ácaros Complexo Spodopteras (eridania - frugiperda – cosmioides) Mosca-branca
  5. 5. Watson, 1975
  6. 6. Monitoramento Mariposas Safra 2014/2015
  7. 7. Monitoramento de Pragas – Fundação Chapadão Flutuação populacional de mariposas – Região Fundação Chapadão – Chap.Sul/MS – 2012/2013 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 Helicoverpa spp. Falsa medideira númerodeindividuos Flutuação populacional – armadilha luminosa – safra 2012/2013
  8. 8. Monitoramento de Pragas – Fundação Chapadão Flutuação populacional de mariposas – Região Fundação Chapadão – Chap.Sul/MS númerodeindividuos 0 50 100 150 200 250 300 350 400 Flutuação populacional – armadilha luminosa – safra 2013/2014 Falsa medideira Helicoverpa spp
  9. 9. Monitoramento de Pragas – Fundação Chapadão Flutuação populacional de mariposas – Região Fundação Chapadão – Chap.Sul/MS númerodeindividuos 0 50 100 150 200 250 300 350 9-abr 9-mai 9-jun 9-jul 9-ago 9-set 9-out 9-nov 9-dez 9-jan 9-fev Helicoverpa Spodoptera Chrysodeixis Flutuação populacional de mariposas - armadilha luminosa
  10. 10. Culturas em sucessão a soja ATACADAS POR Helicoverpa spp. Nabo-forrageiro; Girassol; Sorgo; Milheto; Crotalarias; Brachiarias-pastagens; Plantas Daninhas e outras.
  11. 11. Monitoramento de Pragas – Fundação Chapadão-Bayer Flutuação populacional de mariposas – Faz. D – Chap.Céu/GO (Região assentamento Pratinha) 0 100 200 300 400 500 600 700 800 900 NúmerodeMariposas Flutuação de Mariposas (Armadilha Luminosa)-Região D Helicoverpas Heliothis Falsa-medideira Anticarsia Spodopteras
  12. 12. Monitoramento de Pragas – Fundação Chapadão - Bayer Flutuação populacional de mariposas – Faz. D – Chap.Céu/GO (Região assentamento Pratinha) 0 5 10 15 20 25 30 Helicoverpa Heliothis Chrysodeixis Spodoptera Flutuação de Mariposas (Armadilha Feromonio) - Faz. D (região assentamento pratinha)
  13. 13. Monitoramento de Pragas – Fundação Chapadão - Bayer Flutuação populacional de mariposas – Faz. H – Chap.Sul/MS (Região Aeroporto Julio Martins) 0 10 20 30 40 50 60 NúmerodeMariposas Flutuação de Mariposas (Armadilha Luminosa) – Região H Helicoverpas Heliothis Falsa-medideira Anticarsia Spodopteras
  14. 14. Monitoramento de Pragas – Fundação Chapadão - Bayer Flutuação populacional de mariposas – Faz. H – Chap.Sul/MS (Região Aeroporto Julio Martins) 0 5 10 15 20 25 30 35 Helicoverpa Heliothis Chrysodeixis Spodoptera Flutuação de Mariposas (Armadilha Feromonio) - Faz. H – (Região aeroporto Julio Martins)
  15. 15. Conhecemos o sistema de cultivo na região ? CULTURA OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET Soja Feijão Milho Algodão Plantas Daninhas
  16. 16. Pragas Iniciais – Inicio da lavoura........ Nesta fase interrompe ou atrasa o crescimento; Resulta em estresses as plantas; Facilita a penetração de patógenos; Diminuição número de plantas; Diminuição no potencial produtivo.
  17. 17. Lagartas..... Lagartas inicio; Cultivares arquitetura; Problemas no operacional ; Diminuição número de plantas; Diminuição no potencial produtivo.
  18. 18. Chapadão do Sul >80% Plantio direto – Milheto, Crotalarias, Braquiarias, Nabo- forrageiro Chapadão do Céu >70% Plantio direto – Milheto e Crotalarias, Nabo-forrageiro, Braquiarias Sul >90% Plantio direto – Braquiarias, Crotalarias, Milheto, Nabo-forrageiro Rio Verde >80% Plantio direto – Milheto e Crotalarias, Braquiarias
  19. 19. Helicoverpa Safra 2014/2015
  20. 20. Helicoverpa – Helicoverpa armigera • Ampla distribuição • Polifagia: Vários hospedeiros – praga de sistema de produção •Aumento do custo de produção em 10 a 20% safra 13/14 •Condições diferentes nas micro-regiões – Inimigos naturais
  21. 21. Em Helicoverpa sp. temos Tachinideos (moscas) gerando parasitismo de até 60% em determinadas regiões. E ainda outros inimigos naturais como Trichograma, Percevejo Podisus, aranhas entre outros. Seletividade e Controle Biológico Inimigos naturais (IN) Orientação de aplicações seletivas aos inimigos naturais, nas fases vegetativas da cultura - inicio do povoamento de IN na cultura. Detalhe do parasitismo de Tachinideos em Helicoverpa sp.
  22. 22. Lagarta-da-maçã, Heliothis virescens
  23. 23. Qual a sucessão???? Fotos Mignoso 2013 Estratégias de manejo….
  24. 24. Falsa-Medideira Safra 2014/2015
  25. 25. Lagartas Chrysodeixis includens – FALSA-MEDIDEIRA Altas populações – até 100 lag/m; Fase crítica x estádio da praga Tecnologia de aplicação – como é ? Desgaste na eficiência de carbamatos, reguladores de crescimento, diamidas Pontos
  26. 26. Desfolha EMBRAPA Garantir a produtividade – maior rentabilidade
  27. 27. Falsa-medideira • Maiores aumentos de doses • Misturas • Cultivares precoces menores desfolhas
  28. 28. Soja convencional Mais de 40 lagartas por metro Desfolha acima de 30%
  29. 29. Grupo Químico OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET Carbamatos Organofosforados Piretróides Benzoilureas-RCI Oxidiazinas Diacilhidrazina Diamidas Avermectinas Épocas de utilização dos diversos grupos químicos de inseticidas Lagartas Misturas de tanque comuns (Carb+ RC, Organf+RC, Pir+RC, Carb+RC+Diamida e Organof+RC+Diamida) – Representam 70-80%
  30. 30. Tecnologias nas regiões dos Chapadões e número de aplicações de inseticidas para lagartas na cultura - SAFRA 2014/2015 Cultura Tecnologia Grupo de Proteina Bt Segundo Atual Cry1 Cry2 VIP ano 14/15 Milho Yieldgard - Agrisure TL Cry1Ab 1-2 4-5 Herculex Cry1F 1 4-5 Viptera Vip3A 1 0-1 Agrisure Viptera Cry1Ab Vip3A 0-1 Optimum - Intrasect Cry1Ab+Cry1F 2 4-5 VT PRO Cry1A.105 Cry2Ab 0 1-2 Powercore - VtPRO Max Cry1A.105+Cry1F Cry2Ab 0 1-3 Algodoeiro Bollgard Cry1Ac 1-2 8 Bollgard 2 Cry1Ac Cry2Ab 2 Widestrike Cry1Ac+Cry1F 2 4-8 TwinLink Cry1Ab Cry2Ae 0 Soja Intacta RR2 PRO Cry1Ac 1
  31. 31. Pontos  Sistema Soja verão e Milho safrinha responde por 70% das áreas  Sistema com menor investimento e rentabilidade interessante por área
  32. 32. Mosca-branca
  33. 33.  Problema casual e crescente  Adaptação e alta taxa reprodutiva  Sucessão de culturas  Praga do sistema de produção  Principal prejuízo fumagina  45% da produção
  34. 34. Mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B biótipo Q – distribuição no Brasil???
  35. 35. Mosca-branca, Bemisia tabaci “Ciclo total de 15-35 dias” Fêmeas longevidade de 8- 43 dias Machos longevidade de 3- 13 dias 300 ovos/fêmea Mosca Branca Bemisia tabaci biotipo b Temperatura e umidade Mosca Branca  Adulticidas Reaplicação com intervalo 7-10 dias  Juvenóides
  36. 36.  Diversidade de espécies - culturas  Falhas no monitoramento  Falhas no controle  Abamectina (80% das aplicações) estádios de R5.1 em diante
  37. 37. Germison Tomquelski Milho  Problema recente - estudos  Interação Plantas Daninhas x Cultura
  38. 38. Percevejos VELHO DESAFIO
  39. 39. MS e GO – Distribuição das principais espécies
  40. 40. Prejuízos de até 100% Euschistus heros
  41. 41. Ponte verde Foto - Rattes
  42. 42. Percevejos Edessa meditabunda Níveis de controle – alertado o produtor trabalhar com até 1 por metro-Grãos; Monitorar – Pano de batida – uso baixo. Adulto Ninfas 3º ínstar Adulto Ninfas 3º ínstar Dichelops melacanthus
  43. 43. Percevejos Milho média de 1 aplicação Algodoeiro 4 aplicações
  44. 44. Percevejos Experimento UEMS – Cassilandia - Níveis e danos percevejo 2 percevejos/ pano 4 ou + percevejos/ pano E.heros P.guildinii
  45. 45. Bicudo-do-algodoeiro - Anthonomus grandis Principal praga no Cerrado Desgaste da eficiência de inseticidas….PIRETRÓIDES  Poucos inseticidas (grupos quimicos)
  46. 46. Na prática o manejo adotado... 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150 160 DIAS APÓS EMERGÊNCIA Manejo de broca e bicudo 1º botão Intervenções conforme necessário Dessecação e após na soqueira Desgaste da eficiência de inseticidas….Poucas opções para as primeiras aplicações 2004 ± 4 aplicações ---- 2010 ± 7 aplicações ---- 2014 ± 18 aplicações
  47. 47. Figura 9 – Lepidopteros em algodoeiro em função da época (mês e quinzena) na região dos Chapadões. Fundação Chapadão safra 2013/2014 Cenário Safra 13/14 - ALGODOEIRO Dez. Janeiro Fev. Março Abril Maio Junho Julho 01- 15 16- 30 01- 15 16- 30 01- 15 16-31 01- 15 16- 31 01- 15 16- 28 01- 15 16- 31 01- 15 16- 31 01- 15 16- 31 Elasmo Heliothis virescens Helicoverpa armigera Alabama argillacea Chrysodeixis includens Pectinophora gossipiella Complexo Spodopteras (eridania - frugiperda – cosmioides)
  48. 48. Aspectos importantes safra 14/15 • Janela de semeadura (2 meses) • 70% 2a safra Cenário Safra 13/14 - ALGODOEIRO
  49. 49. Fonte: Ampasul
  50. 50. Aonde vamos ???
  51. 51. Tecnologia de aplicação...

×