Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

CTM2 aula 3 - AÇÃO: Reuniões dinâmicas e atraentes

56 views

Published on

Terceira Aula do CTM2 - Revisão do CTM - Centro de Treinamento Ministerial como forma de atualização do conteúdo aprendido.
Veja mais em: http://imcataguases.com/pagina/784883/ctm2-revisao/

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

CTM2 aula 3 - AÇÃO: Reuniões dinâmicas e atraentes

  1. 1. AÇÃO: ReuniõesDinâmicase Atraentes ■ www.imcataguases.com ■ CTM2 – Reciclagem para líderes (aula 3)
  2. 2. CTM2 Reciclagem para líderes Objetivo: Capacitação contínua dos líderes de Grupos Pequenos. Justificativa: Necessidade de refrescar o conhecimento a respeito do discipulado. Estratégia: quatro encontros: Domingos 4 a 25 de Novembro Abordagem: CTM2 Aula 1 - FUNDAMENTAÇÃO: O discipulado na História CTM2 Aula 2 - MOTIVAÇÃO: A liderança do Grupo Pequeno CTM2 Aula 3 - AÇÃO: Reuniões dinâmicas e atraentes CTM2 Aula 4 - REALIZAÇÃO: Valores da Igreja em Grupos Pequenos Critério de participação: já ter concluído o CTM e participar de todas as aulas. Avaliação: prova com valor de 100 pontos e mínimo de 80 pontos para aprovação.www.imcataguases.com
  3. 3. Elementos norteadores para Grupos Pequenos DINÂMICOS E ATRAENTES CTM2 – Reciclagem para líderes (aula 3)
  4. 4. Os estágios da vida de um Grupo Pequeno É muito importante compreender a fase que o Grupo Pequeno está vivendo para aproveitar o melhor de cada momento. Pág 20, 21
  5. 5. A estrutura do Grupo Pequeno Líder em Treinamento Secretário Membro VISITANTE Membro Pág 21
  6. 6. O ANFITRIÃO ou ANFITRIÃ. O propósito básico do/a anfitrião/ã de Grupo Pequeno é produzir um ambiente físico propício para o fluir de Deus, é ser agradável e hospitaleiro/a para com os irmãos e irmãs. Pág 22
  7. 7. Pág 22
  8. 8. TIPOS DE ANFITRIÕES/ÃS: INDIFERENTE •Não participa da reunião; •Não recebe as pessoas com alegria; •Não se envolve com a reunião nem com os/as membros do Grupo Pequeno; •LEMA: “já faço muito em liberar a minha casa pras reuniões”. FALANTE •Não dá oportunidade para o/a líder e outros/as membros falar; •Tende a monopolizar todas as atenções; •Fala o que não deve; •Torna-se inconveniente; •LEMA: “Só eu falo. Os outros ouvem”. CONSTRANGEDOR •Não dá liberdade para o uso da casa; •Restringe áreas essenciais; •Mostra descontentamento com incidentes durante as reuniões; •LEMA: “as minhas coisas não estão à disposição da Grupo Pequeno”. MAL- HUMORADO •Nunca ou raramente sorri; •Está sempre reclamando de alguma coisa; •Ele/a ainda não conhece a alegria da Salvação; •Tira a liberdade do/a visitante. •LEMA: “No mundo tereis aflições”. CONTROLADOR •“Cuida” da vida dos/as membros da Grupo Pequeno mais que da sua própria vida; •É bisbilhoteiro/a; •Tenta manipular o/a líder; •Expressa postura de superioridade em relação aos outros. •LEMA: “Ajoelhou, tem que rezar”. IDEAL •Gentil no acolhimento às pessoas; •Envolve-se com os/as irmãos/ãs; •Educado para orientar quanto ao uso da casa; •Participa intensamente da reunião; •Inspira outros/as a serem bons anfitriões/ãs. •LEMA: “O Grupo Pequeno também é minha família. Pág 22, 23
  9. 9. Ajudando o/a anfitrião/ã: O Grupo Pequeno precisa deixar a casa, depois da reunião, melhor do que a encontrou antes. • Se sujar, limpe; • Se desarrumou, arrume; • Recolhe o lixo; • Abençoe o/a anfitrião/ã e sua família. Pág 24
  10. 10. A Reunião ou Encontro do Grupo Pequeno. Um Grupo Pequeno jamais será idêntico a outro. Cada encontro é único. O que precisamos que haja sempre no Grupo Pequeno é a presença de DEUS. O atrativo do Grupo Pequeno é a presença de DEUS. Pág 24
  11. 11. Lembretes importantes para encontro: Coloque as cadeiras em círculo; Apresente os/as visitantes e valorize-os/as; Use uma forma de “quebra-gelo”; Testemunhe alguns motivos de louvor a Deus; Ministre a Palavra para a reunião; Facilite o momento de compartilhamento; Compartilhe a “visão do grupo”. Ore pelas necessidades das pessoas; Faça apelo para salvação quando oportuno; Termine com um lanche. Pág 24
  12. 12. Tempo da reunião do Grupo Pequeno Quebra gelo • 15 min Oração e Louvor • 20 min Palavra e compartilhar • 30 min Oração e Ministração • 10 min Avisos, Visão e desafios • 15 min Lanche • 30 min Pág 25
  13. 13. Partes de uma reunião de Grupo Pequeno: 1. Quebra-gelo 2. Louvor 3. Palavra de Deus 4. Compartilhamento 5. Oração e intercessão 6. Desafios, avisos e Visão 7. Tempo de comunhão (lanche) ■ As partes da reunião devem ser revezadas entre os membros do Grupo Pequeno de forma que todos possam participar e o grupo cresça sem dependência de tudo para o líder. Pág 25
  14. 14. a. Deve ser apropriado para cada grupo. Seja criativo. b. Podem ser usados com aplicações diferentes; c. O “quebra-gelo” não é um jogo, disputa ou competição. O alvo é quebrar o formalismo; d. Não espere muito do “quebra-gelo”. Contudo, nunca o despreze. e. Não o prolongue e faça a aplicação; f. Cuidado para não ser triste ou constrangedor; g. Seja sempre positivo/a. Líder é sempre “pra cima” – lembre-se disso!!!! QUEBRA-GELO Pág 26
  15. 15. Louvor a.Cada GP precisa desenvolver o ambiente de adoração; b.O/a líder precisa ser exemplo de espontaneidade. c.Faça tudo o mais suave possível (organize-se); d.Priorize músicas “leves” e conhecidas; e.Não espere por algo extraordinário para ministrar um cântico espiritual; f. Saiba quais cânticos são apropriados; g.Use o CORO como ápice do louvor; h.Procure dirigir o louvor; i. Se o grupo preferir providencia a letra; j. Utilize os recursos disponíveis. Pág 26
  16. 16. Ministração da Palavra Características que o compartilhar da Palavra deve ter: 1. Paixão (faledoqueprocededoseucoração,apaixonadamente,emvida) 2. Praticidade (nuncafalealgoquenãotenhaimplicaçãoprática) 3. Humor (falardefatosquepodemdescontrairaspessoas) 4. Testemunho pessoal (coloque-secomoexemplo) 5. Envolvente (envolvaaspessoas naministração) 6. Preparação (prepare-seantecipadamente) 7. Ilustração (algoqueesclareçaoensinoministrado) 8. Inspiração e Motivação (algodoEspírito) 9. Focalizada em uma ideia central (Umaboapalavrafaladeumassuntosó) Pág 27
  17. 17. COMPARTILHAMENTO Neste momento todos/as irão compartilhar a aplicação da Palavra recebida, o que Deus edificou na vida. Por isso é chave que num Grupo Pequeno o/a líder JAMAIS convide um/a pregador/a de fora (regra). Pág 27
  18. 18. Orientações para o compartilhamento 1. Não pressione ninguém a compartilhar 2. Não deixe que falem de assuntos irrelevantes 3. Estimule falar de questões pessoais (combomsenso) 4. Todo testemunho deve ser para edificar e motivar 5. Nunca permita discussões doutrinárias 6. Não deixe que uma pessoa monopolize 7. Jamais permita que se exponha a falha dos outros 8. Nunca permita inconfidências 9. Esteja sempre alegre e bom humorado nas reuniões 10. A melhor forma de conduzir é fazer perguntas Pág 28
  19. 19. Lanche ■ O lanche precisa ser algo simples e fácil, para não gerar gastos ou constrangimento. ■ Todos devem contribuir. ■ Pode ser feita uma escala. ■ Após o lanche, limpe o local. ■ Caso o GP queira fazer uma festividade especial, deve marcar com antecedência e avisar a todos para não confundir com a rotina normal. Pág 28
  20. 20. Desafios e Avisos ■ O GP deve ser desafiado diante do que aprende e precisa gerar metas para ser alcançadas como a evangelização, consolidação e multiplicação. ■ Avisos a respeito da Igreja e das atividades do GP devem ser enfatizados em cada reunião. Pág 29
  21. 21. Momento Visão A visão de Grupos Pequenos precisa ser guardada, preservada e protegida pra que não se desvirtue, degenere e até morra. CADA LÍDER É UM/A GUARDIÃO DA VISÃO. Pág 29
  22. 22. VISITANTE: 1.Não mude a reunião por causa do/a visitante; 2.Não faça um apelo “apelativo”; 3.Não se apresse em evangelizá-lo/a; 4.Não faça perguntas que o/a deixe embaraçado/a; 5.Não pregue exclusivamente para ele/a; 6.Todos/as devem ser apresentados/as; 8.Anote seu nome e telefone, para fazer contato durante a semana; 9.Faça uma PEQUENA explanação sobre o que é um Grupo Pequeno; 10.Ore TODOS OS DIAS pelo/a visitante! Pág 29
  23. 23. ORAÇÃO e INTERCESSÃO O momento de oração em cada reunião do GP é a oportunidade para apresentar os pedidos especiais. Cada Grupo Pequeno pode criar sua forma de conduzir a oração, escrevendo pedidos em papel, uma caixa ou caderno, etc. Pág 29
  24. 24. Reuniões especiais do Grupo Pequeno ■ Tipos de reuniões especiais do GP: – Reunião de Planejamento – Encontros de Comunhão – Evento Colheita - Dia do Amigo Pág 30
  25. 25. Reunião de Planejamento do Grupo Pequeno ■ O grupo precisa se organizar e planejar. ■ Nunca faça isso durante um encontro do GP. ■ Esta é uma oportunidade para AVALIAÇÃO. Pág 30
  26. 26. Momentos de Comunhão do Grupo Pequeno ■ A comunhão é um objetivo-chave do Grupo Pequeno. ■ Em cada reunião deve sempre haver um tempo de comunhão descontraída entre os/as irmãos/ãs. ■ Evite uma atmosfera de “clube particular”. Pág 30
  27. 27. Evento Colheita – Dia do Amigo Quanto mais o evento colheita for colocado debaixo de oração e organização responsável, mais facilmente os/as visitantes serão atraídos para o Grupo Pequeno. Pág 31
  28. 28. Características de uma reunião dinâmica 1. PLANEJAMENTO 2. ALEGRIA 3. BOA RECEPÇÃO 4. INFORMALIDADE 5. BOM LOUVOR 6. PALAVRA SIMPLES 7. PASSE A VISÃO Pág 31, 32
  29. 29. Tarefa ■Fazer a Atividade da página 33 ■Ler a apostila até a página 42
  30. 30. Faça o seu melhor para Deus!

×