Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apostila CTM2 - Revisão

73 views

Published on

Caderno do CTM2 - Revisão do CTM - Centro de Treinamento Ministerial como forma de atualização do conteúdo aprendido.
Veja mais em: http://imcataguases.com/pagina/784883/ctm2-revisao/

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

Apostila CTM2 - Revisão

  1. 1. CTM2 Reciclagem para líderes www.imcataguases.com
  2. 2. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Sumário Sobre o Curso CTM2 Reciclagem para líderes...........................................................................................................2 Introdução........................................................................................................................................................................3 CTM2 Aula 1 - FUNDAMENTAÇÃO: O discipulado na História..........................................................................4 O Modelo de Discipulado de John Wesley..........................................................................................................4 O Discipulado na Igreja Metodista hoje .............................................................................................................12 Atividade 1 .................................................................................................................................................................14 CTM2 Aula 2 - MOTIVAÇÃO: A Liderança do Grupo Pequeno .......................................................................15 A LIDERANÇA de Grupo Pequeno ......................................................................................................................15 7 hábitos essenciais para o/a líder de Grupo Pequeno.................................................................................16 Atividade 2 .................................................................................................................................................................19 CTM2 Aula 3 - AÇÃO: Reuniões dinâmicas e atraentes...................................................................................20 Os estágios de um Grupo Pequeno....................................................................................................................20 Elementos norteadores para Grupos Pequenos DINÂMICOS E ATRAENTES.......................................21 Reuniões especiais do Grupo Pequeno.............................................................................................................30 Atividade 3 .................................................................................................................................................................33 CTM2 – Aula 4 - REALIZAÇÃO: Valores da Igreja com Grupos Pequenos .................................................34 A parábola da Igreja de duas Asas......................................................................................................................35 Valores da Igreja com Grupos Pequenos..........................................................................................................36 Erros que não podemos cometer em relação aos Grupos Pequenos.......................................................39 CONCLUSÃO.................................................................................................................................................................42 BIBLIOGRAFIA..............................................................................................................................................................43
  3. 3. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Sobre o Curso CTM2 Reciclagem para líderes Objetivo: Capacitação contínua dos líderes de Grupos Pequenos. Justificativa: Necessidade de refrescar o conhecimento a respeito do discipulado. Estratégia: quatro encontros: Domingos 4 a 25 de Novembro Abordagem: CTM2 Aula 1 - FUNDAMENTAÇÃO: O discipulado na História CTM2 Aula 2 - MOTIVAÇÃO: A liderança do Grupo Pequeno CTM2 Aula 3 - AÇÃO: Reuniões dinâmicas e atraentes CTM2 Aula 4 - REALIZAÇÃO: Valores da Igreja em Grupos Pequenos Critério de participação: já ter concluído o CTM e participar de todas as aulas. Avaliação: prova com valor de 100 pontos e mínimo de 80 pontos para aprovação. 02
  4. 4. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Introdução O CTM – Centro de Treinamento Ministerial da Igreja Metodista em Cataguases é o ambiente de capacitação de líderes para o discipulado com Grupos Pequenos. Sabemos que líderes saudáveis geram discípulos e grupos saudáveis, por isso precisamos investir no cuidado com os líderes capacitando-os continuamente. Se a liderança parar de crescer e aprender, consequentemente o Grupo Pequeno e a Igreja também vão estagnar. Então devemos continuar aprendendo sempre como verdadeiros discípulos de Jesus. Você aprendeu no CTM que as quatro bases para o discipulado são Ganhar, Consolidar, Treinar e Enviar. Contudo, passamos a usar outros termos como sinônimos dos mesmos: Novo Nascimento, Conversão, Santificação e Missão. Quando uma pessoa nasce de novo, estamos ganhando esta vida para Cristo. Quando busca se converter continuando sua caminhada cristã, está sendo consolidada. Já ao ser treinada para servir a Deus e ao próximo, está em busca da santificação. E ao ser enviada para cumprir o seu chamado, passa a fazer a missão que Deus lhe confiou. Este processo é cíclico, contínuo na vida de um discípulo e da igreja. Esperamos que esta revisão do CTM seja inspiradora e produtiva para sua vida e ministério como discipulador/a de vidas para o Reino de Deus. 03
  5. 5. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ CTM2 Aula 1 - FUNDAMENTAÇÃO: O discipulado na História O Discipulado na história O Retorno ao Discipulado Resgatar o discipulado significa voltar às raízes da Igreja Primitiva e do metodismo. O Modelo de Discipulado de John Wesley “A igreja não muda o mundo quando gera convertidos, mas quando gera discípulos”. John Wesley Discípulo desde sempre O método de discipulado adotado por Wesley se deve, praticamente, à forma que ele foi educado por Suzana Wesley. Ela defendia que o maior problema das pessoas estava no não controle da vontade. A Igreja sai dos lares e vai para os templos passando ser parte do império. Constantino 312 d. C. Início à Reforma Protestante sem, contudo, mudar a estrutura da igreja. Martinho Lutero 1517 Os puritanos queriam continuar a Reforma, reunindo grupos para estudar a Bíblia. Felipe Jacob Spener 1635-1705 João Wesley deu início a reuniões de Grupos Pequenos, denominados classes e sociedades. John Wesley 1738 Chamado "movimento celular“ moderno nasceu em 1964, em Seul, Coreia. David Yonggi Cho século XX 04
  6. 6. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ A mãe discipuladora Todas as noites Suzana sentava em particular com um ou dois filhos para discutir questões religiosas e avaliar seu avanço espiritual. Às quintas-feiras era o dia de Wesley, o qual aguardava ansioso. Acerca da necessidade do discipulado, John Wesley escreveu em seu diário em 13/03/1743: “Pelas terríveis condições que testemunhei aqui (e deveras em todas as partes da Inglaterra), estou cada vez mais convencido de que o diabo não deseja outra coisa senão isto: que o povo em qualquer parte seja meio acordado, e depois deixado para cair no sono novamente. Portanto, estou resolvido, pela graça de Deus, a não iniciar o trabalho em qualquer lugar sem a probabilidade de conservá-lo”. Meio acordado? John Wesley chamava assim as pessoas que ouviam a mensagem e apenas se interessavam. Deixá-las cair no sono significava não despertá-las para o evangelho. Daí sua ênfase em discipular. O primeiro Grupo Pequeno Na Universidade de Oxford, Wesley com seu irmão Charles, formaram um grupo que se reunia quatro noites por semanas para estudar os clássicos e ler o Novo Testamento Grego. O Clube Santo Esse grupo era tratado com desprezo pelos colegas, e era chamado de: "Clube Santo", "Traças da Bíblia" ou "Metodistas". O discipulado na Geórgia Na Geórgia, Wesley dividiu suas congregações em grupos pequenos, segundo o modelo do Clube Santo.A partir dos primeiros grupos, Wesley escolheu alguns "homens fiéis", com os quais passou a se encontrar nas tardes de domingo para treinamento mais intensivo. 05
  7. 7. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ A seleção de discípulos Wesley dividiu os grupos em dois níveis: 1º grupo, "com os mais sérios" formando uma pequena Sociedade. 2º grupo com menos pessoas para maior comunhão. O nível de maturidade D. Michael Henderson afirma que "o estabelecimento de dois níveis de participação marcou o início de um fator-chave no movimento metodista: uma hierarquia de grupos baseada na maturidade de cada discípulo e na lealdade num nível inferior". Aprendendo a Discipular Na Geórgia Wesley pôde aprimorar o Clube Santo. Ele percebeu que o padrão do Clube Santo podia ser adaptado para outros contextos, com algumas modificações. As influências que Wesley recebeu para o Discipulado Thomas de Kempis: Monge que ensinava Santidade e influenciou grupos na França com o monsenhor de Renty. Cristãos Morávios: Wesley conheceu esse grupo de moravianos no navio, no meio da tempestade na viagem da Geórgia. Conde Zinzendorf: Líder morávio na Saxônia que organizava a comunidade em pequenas companhias. 06
  8. 8. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ O discipulador de Wesley Na Inglaterra Wesley procurou um pastor morávio chamado Peter Bohler que o acompanhou e lhe orientou durantes alguns meses antes da Experiência do Coração Aquecido. Grupos Pequenos contemporâneos a Wesley No tempo de Wesley já existiam alguns grupos que visavam o encorajamento pessoal, ao compartilhamento íntimo, confissões e relatos pessoais de experiências espirituais. A Sociedade de Fetter Lane A sociedade de Fetter Lane foi um dos mais importantes experimentos de grupo que Wesley realizou, e que resultou no sistema metodista em sua forma final. A rua Fetter Lane em Londres A Sociedade de Fetter Lane foi um estágio de Wesley na implantação do sistema de grupos. Wesley dividia a liderança desse grupo com o pastor morário Peter Bohler. Um modelo diferente em Fetter Lane • Interdenominacional: Wesley combinou os pontos fortes das sociedades anglicanas com os das companhias morávias. • Público: Composto inicialmente por aproximadamente quarenta pessoas e se reunia nas quartas-feiras à noite. • Normas: 33 artigos normatizavam a admissão no grupo. • Objetivo: As reuniões eram para o ensino. Não havia compartilhamento. • Liderança: Wesley colocou como líder de companhias homens e mulheres leigos e leigas, contrariando a Igreja da Inglaterra. • Compartilhamento: Para "internalização", Wesley dividiu a Sociedade em Companhias de 5 a 10 pessoas do mesmo sexo para se encontrarem duas vezes por semana. 07
  9. 9. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Companhia X Sociedade Através do quadro abaixo compare as diferenças entre uma Companhia e uma Sociedade no tempo de John Wesley: Companhia Sociedade Propósito Mudança comportamental Aquisição cognitiva Líderes Liderança leiga Liderança cleriga Funções Líder como capacitador Líder como instrutor Métodos e técnicas Interação pessoal; Participação ativa; Compartilhar conflitos; Cada pessoa falava; Ênfase subjetiva; Membresia designada. Palestra/sermão; Apenas ouviam; Apresentação bíblica; Somente o líder falava; Ênfase objetiva; Membresia escolhida. Público Alvo 5 a 10 membros; Todos do mesmo sexo; 50 a 100 pessoas; Ambos os sexos; A Sociedade da Fundição Em 1739 Wesley foi pregar numa antiga fábrica de armas chamada de Fundição e pouco depois comprou o local. Surgiu a Sociedade Unida que não era nem morávia e nem anglicana. Em junho de 1741 já tinha 900 membros. A Liderança A partir de então, Wesley criou as classes, compostas pelos seus líderes e pediu que eles visitassem semanalmente os integrantes das sociedades e checassem o comportamento de cada um deles. 08
  10. 10. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Tipos de Grupos Wesleyanos  Classes: para liderança;  Sociedades: grupo maior com todos os membros;  Companhias: grupo menor (bands);  Sociedade seleta: busca de santidade pessoal;  Companhia dos penitentes: para reabilitação. A Fundição – o quartel metodista O Sociedade da Fundição se tornou o modelo do método de Wesley e igreja-mãe do metodismo. Pouca coisa Wesley mudou a partir do modelo da Sociedade da Fundição. O modelo wesleyano de discipulado Os três principais tipos de grupos de Wesley: 1) Sociedades, o grupo maior para comunhão. 2) Classes, para treinar liderança. 3) Bands, grupo menor para discipulado. O objetivo principal de Wesley era SANTIDADE. Portanto, a grande motivação de Wesley era tornar as pessoas discípulos de Cristo e desejosos por uma vida de santidade. Sociedades metodistas “Grupo em busca do poder da piedade, unidos para orarem juntos, receber uma palavra de exortação e cuidado um do outro em amor, para que possam ajudar uns aos outros a desenvolver a sua salvação”. Classes Grupo básico composto de 12 a 20 membros; Encontros semanais à noite, para ter flexibilidade nos horários dos trabalhadores; 09
  11. 11. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Companhias Chamada de ‘bands’, eram grupos mais especializados e auto seletivos, compostos de membros do mesmo sexo. Era uma maternidade de líderes futuros. Regras: Manter extrema confidencialidade; Ter absoluta submissão ao líder em todas as coisas; Vida comunitária intensa com contribuição de dinheiro que sobravam dos seus ordenados. Regras das Sociedades e Bands Na Regra Wesley diz: O projeto do nosso encontro é para obedecer o comando de Deus, "Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados” (Tiago 4.15). Para alcançarmos este fim, pretendemos:  Reunir uma vez por semana, pelo menos.  Chegar pontualmente na hora marcada.  Começar exatamente na hora, com cânticos e oração.  Cada um de nós, em ordem, de forma livre e claramente, deve falar o verdadeiro estado de nossas almas, com as faltas que cometemos em pensamento, palavra ou ação, e as tentações que sentimos, desde nosso último encontro.  Para terminar cada encontro deverá ser realizada uma oração adequada para o estado de cada pessoa presente.  Deixar uma pessoa que deseja falar do seu próprio estado em primeiro lugar, e depois.pedir o resto dos membros para falar a cerca de seu estado da alma: pecados e tentações. Perguntas para novos candidatos: Já recebeu o perdão dos seus pecados? 2. Já tem paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo? 3. Já tem o testemunho do Espírito de Deus com o seu espírito, que você é um filho de Deus? 4. O amor de Deus foi derramado em seu coração? 5. Existe algum pecado, por dentro ou por fora, dominando sua vida? 6. Você deseja ser informado dos seus defeitos? 7. Você deseja ser informado de todas as suas falhas? 8. Você deseja que cada um de nós diga, de tempos em tempos, tudo está em nosso coração que lhe diz respeito? 9. Considere! Você deseja que devamos dizer-lhe tudo o que nós pensamos, tudo o que ouvimos, 10
  12. 12. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ que lhe dizem respeito? 10. Você deseja que, ao fazer isto, devamos chegar o mais perto possível para te ajudar a cortar todo pecado que está no fundo do seu coração? 11. É o seu desejo e projeto ser, em qualquer ocasião, inteiramente aberto, de modo a falar tudo o que está em seu coração, sem exceção, sem disfarce, e sem reserva? Perguntas para todas as reuniões: Qualquer uma das perguntas anteriores podem ser feitas com frequência nas reuniões. Mas as quatro perguntas seguintes têm que ser feitas em todas as reuniões: 1. Você cometeu pecados desde o nosso último encontro? 2.Quais tentações você tem encontrado? 3. Como você enfrentou a tentação? 4. Você tem dúvida de que alguma coisa que você pensou, disse ou fez, pode ser pecado? Com estas perguntas, Wesley sonhava com cristãos curados, maduros, íntegros e perdoados pelo Senhor. Sonhava com crentes aliançados. Wesley x Whitefield João Wesley e Geoge Whitefield trabalhavam como parceiros no movimento metodista, mas havia uma diferença entre eles, que pode nos ensinar sobre a importância do discipulado. João Wesley cuidou dos novos convertidos, tornando os frutos duradouros através do discipulado em Grupos Pequenos. George Whitefield converteu centenas de milhares de pessoas, mas seu fruto não foi permanente. 11
  13. 13. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ O Movimento Metodista Quando John Wesley morreu em 1791, ele deixou uma igreja com 10.000 Grupos Pequenos e 100.000 membros. O Discipulado na Igreja Metodista hoje A Igreja metodista decidiu ser uma Igreja em discipulado com grupos pequenos. O que diz os Cânones “Que acreditamos ser o discipulado nosso estilo de vida em que Cristo é o modelo, ou seja, “caminho, verdade e vida” à luz dos valores da fé cristã e na perspectiva do Reino de Deus; método de pastoreio no qual o pastor e a pastora dedicam maior atenção aos grupos pequenos e promovem dessa forma, relacionamentos mais fraternos e pastoreio mútuo; e estratégia para o cumprimento da missão visando a evangelização e o crescimento” (Cânones da Igreja Metodista 2017, página 234.). O que diz o Colégio Episcopal “O discipulado é o modo de vida, o estilo que caracteriza a vida daqueles/as que estão comprometidos com o Reino de Deus, que fazem da Nova Justiça, ou seja, dos valores éticos e da justiça do Reino uma prioridade na sua vida e que se dedicam integralmente ao serviço cristão, ao evangelismo e ao testemunho, em cumprimento à vontade de Deus (...)”. Colégio Episcopal no Manual do Discipulado, Número 1. Trilho de Formação do Discípulo A Câmara Regional de Discipulado preparou este material: Preparar para o início do discipulado INICIE Aprofundar o conhecimento bíblico dos novos membros. INSPIRE Ensinar os valores e desenvolviment o da célula. PRATIQUE Motivar os líderes com autoridade e paixão. FRUTIFIQUE 12
  14. 14. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Primeiros Passos A cartilha dos Primeiros Passos é um material de consolidação dos novos convertidos, um requisito para se tornar membro da igreja. Bases para o Discipulado Alvos Regionais 2018-2019 5.000 (cinco mil) Grupos Pequenos. 50.000 (cinquenta mil) discípulos. 26 novas igrejas emancipadas (2 em cada Distrito). Conclusão Como vimos Wesley criou grupos diferentes e trabalhava com esses grupos de forma interligada. A Igreja Metodista decidiu retornar aos princípios do discipulado com pequenos grupos entendendo que este é o modelo original do metodismo. SUPERVISÃO Acompanhamento aos líderes Escola de Líderes Centro de Treinamento Ministerial EMPacto Retiro para conversão Células Grupos pequenos Lares de Paz Evangelizar nas casas. 13
  15. 15. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Atividade 1 De acordo com a lição responda: 1. João Wesley aprendeu com os seus erros organizando Grupos Pequenos. Que erros você e seu grupo cometeram e hoje aprenderam a fazer melhor? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 2. A influência da família de João Wesley para o discipulado foi muito importante. Como você envolve sua família no GP? As famílias dos membros são atingidas pelo GP? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 3. O movimento metodista nasceu em um Grupo Pequeno alcançando milhares de vidas e até nós hoje. Qual o sonho de seu GPs para alcançar a cidade? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 4. O trilho de formação do discípulo traz materiais como os Primeiros Passos. Você foi consolidado com este material? Tem usado este recurso para consolidar outras vidas? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 5. Nos grupos Wesleyanos era exigida a confidencialidade. Você confia em abrir-se para os membros do GP? O que pode ser feito para melhorar a confiança entre as pessoas? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 14
  16. 16. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ CTM2 Aula 2 - MOTIVAÇÃO: A Liderança do Grupo Pequeno A influência dos supervisores como discipuladores de líderes de GP O supervisor/a é líder de uma rede formada por vários GPs. A LIDERANÇA de Grupo Pequeno Líder é a pessoa estratégica em uma igreja com Grupos Pequenos, pois é quem está verdadeiramente na linha de frente. É ele quem dá atenção personalizada aos membros de sua Grupo Pequeno. Os líderes de Grupo Pequeno, em vez de ensinar uma lição bíblica, dirigem o processo do discipulado, oram pelo grupo, visitam os membros do Grupo Pequeno e alcançam pessoas perdidas para Cristo, juntamente com seus auxiliares. Responsabilidade do/a Líder de Grupo Pequeno Sua responsabilidade principal é gerar novos líderes: perceber a potencialidade das pessoas, envolvendo-as no dia-a-dia do Grupo Pequeno, acompanhando-as e treinando-as para transformá- las em novos líderes. Para ser um líder de Grupo Pequeno é preciso:  Ser nascido de novo  Ter bom testemunho  Ser membro da igreja  Estar comprometido  Capacitar-se pelo CTM GRUPOS Supervisão Pastoreio Pastores Supervisores GP GP Supervisores GP GP 15
  17. 17. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 7 hábitos essenciais para o/a líder de Grupo Pequeno 1º hábito: VIDA DEVOCIONAL CONSISTENTE O tempo com Deus é o princípio mais importante por trás de um líder de Grupo Pequeno bem- sucedido. Um líder cheio do poder e do amor de Jesus Cristo sabe como ministrar a um membro de Grupo Pequeno problemático 2º hábito: VIDA FAMILIAR EQUILIBRADA Na vida de um líder de Grupo Pequeno bem sucedido, a família tem primazia. Deus deseja maximizar nosso trabalho como líderes de Grupo Pequeno, mas não às custas da vida de nossa família. O ministério da Grupo Pequeno é um assunto da família e isso significa aproximar a sua família . O melhor é colocar sua família dentro do propósito do Grupo Pequeno e vice-versa. 3º hábito: DESENVOLVER A LIDERANÇA Sim, é excitante liderar um Grupo Pequeno. Mas, como será seu grupo quando você o deixar nas mãos de seu atual auxiliar? Ele continuará a existir ou terminará? O sucesso da liderança de uma Grupo Pequeno é claro: quantos líderes têm sido destacados, treinados e iniciado um trabalho? O Senhor tem trazido futuros líderes ao seu grupo. Você os está desenvolvendo? 4º hábito: CONVIDAR PESSOAS A maneira de ganhar pessoas é convidando para a reunião e continuar sempre convidando. Não permita que a rejeição o desencoraje. Convide pessoas novas constantemente. Líder: você deve responsabilizar-se, pessoalmente, pelo convite de novas pessoas. A composição certa de pessoas para o seu grupo está bem diante de seus olhos. Sangue novo no Grupo Pequeno lhe traz vida nova. Novatos revigoram o grupo com sua presença. Continue convidando e não desista. 5º hábito: ACONSELHAMENTO Se você deseja que sua Grupo Pequeno cresça e se multiplique, uma chave fundamental para o evangelismo eficaz é o contato imediato com os visitantes. Quando alguém novo vier para o grupo, agende uma conversa logo em seguida. O/a líder deve estar aberto para ouvir as pessoas e ajudar quando precisarem de um conselho. O ditado é verdadeiro: “As pessoas não se importam com o quanto você sabe, até que elas saibam o quanto você se importa”. 16
  18. 18. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 6º hábito: EVANGELISMO NATURAL Você deseja atrair não-cristãos ao seu grupo? O evangelismo no Grupo Pequeno não tem uma abordagem programática e limitada. Evangelizar é um processo pessoal de compartilhar as Boas Novas sobre o perdão dos pecados e a nova vida em Jesus. Devido à atmosfera de intimidade e cuidado dos pequenos grupos, o evangelismo acontece naturalmente. 7º hábito: DELEGUE RESPONSABILIDADES Grupos Pequenos que se multiplicam, são formados por pessoas participativas e que têm oportunidade de colaborar. A liderança do Grupo Pequenos deve ser compartilhada, para se tornar leve, engajando pessoas, de forma que todos possam ajudar. As tarefas precisam ser divididas de forma clara onde cada um saiba qual é o seu papel. Requisitos da liderança de Grupo Pequeno: - Ter um forte compromisso com o seu Grupo Pequeno, não faltar às reuniões, ser pontual e diligente no cuidado dos membros (telefonemas, visitas e discipulado). - Participar dos encontros pastorais e do seu GD – Grupo de Discipulado, cumprindo os desafios que forem colocados, repassando-os aos membros de seu Grupo Pequeno. Responsabilidades do/a líder de Grupo Pequeno:  Orar pelos membros do Grupo Pequeno.  Participar das reuniões de discipulado.  Discipular o líder em treinamento.  Motivar ao evangelismo.  Orientar a consolidação de novos convertidos.  Planejar atividades com o Grupo Pequeno.  Envolver todos delegando responsabilidades.  Enviar o relatório do Grupo Pequeno  Comunicar-se com todos do Grupo Pequeno.  Enviar pessoas para o CTM. 17
  19. 19. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Dicas práticas para liderar o Grupo Pequeno:  Sonhe em liderar um Grupo Pequeno saudável que cresce e se multiplica  Ore diariamente pelos membros do Grupo Pequeno  Convide semanalmente pessoas novas para visitar o Grupo Pequeno  Prepare-se para o encontro do Grupo Pequeno  Mentoreie um líder em treinamento  Planeje atividades de comunhão do Grupo Pequeno  Comprometa-se com o crescimento pessoal de cada discípulo. Líder de Grupo Pequeno, lembre-se:  Você trabalhará melhor, se planejar. Planeje as atividades de sua Grupo Pequeno no começo de cada mês. Planeje os alvos do Grupo Pequeno.  Ame os membros do seu Grupo Pequeno! Jamais fale de seu grupo de forma negativa ou desdenhosa; trate-os como vencedores e eles responderão como tais!  O seu sucesso como líder de Grupo Pequeno não depende do que você é, mas do que você faz. Quem visita e consolida, se multiplica.  Valorize a reunião do seu Grupo Pequeno! Ore para que seja forte e inspiradora. Reuniões vivas são explosivas e tocam no coração dos visitantes. Concluindo... Delegue funções e responsabilidades para cada membro de seu Grupo Pequeno, mesmo que seja algo bem simples! Isto produz compromisso e seriedade entre todos. A maneira de treinar um auxiliar é simples. Você faz e ele vê. Depois você o ensina a fazer. Depois ele faz e você observa. Por fim, você o envia para fazer sozinho. Líderes de Grupo Pequeno eficazes procuram conhecer cada pessoa que entra no Grupo Pequeno. Ele dá atenção a todos, indistintamente, e não se limita a um pequeno grupo. Não se preocupe em primeiro lugar com a reunião do Grupo Pequeno; antes, priorize as vidas. Alimente-as e proteja-as, e o seu Grupo Pequeno crescerá saudável. Prossiga o caminho da liderança! 18
  20. 20. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Atividade 2 De acordo com a lição responda: 6. A supervisão é uma chave essencial para o fortalecimento do GP e do líder. Você tem contato com seu líder e presta contas do trabalho de discipulado? Em que situação a supervisão te ajudou? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 7. O GP precisa dividir as tarefas entre todos os participantes. Seu grupo tem organizado isso de forma que todos participem? O que pode melhorar neste sentido? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 8. O evangelismo deve ser algo natural em seu GP. O que você e seu grupo tem feito para trazer novas pessoas? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 9. O mentoreamento da liderança é essencial para a continuação do discipulado. Se você é líder, tem preparado alguém a liderança? Ou você estaria pronto para assumir a liderança? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 10.Em sua opinião, qual seria o principal papel de uma liderança de Grupo Pequeno? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 19
  21. 21. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ CTM2 Aula 3 - AÇÃO: Reuniões dinâmicas e atraentes Os estágios de um Grupo Pequeno É muito importante compreender a fase que o Grupo Pequeno está vivendo para aproveitar o melhor de cada momento. Normalmente, um Grupo Pequeno passará por quatro fases: comunhão, edificação, evangelismo, e multiplicação. A duração média para que esse ciclo ocorra é entre seis meses e um ano, quando, naturalmente, terá de se multiplicar. Após a multiplicação, as duas células resultantes são considerados células novas. E como tais, talvez tenham de passar novamente por esses quatro estágios. Contudo, há casos em que não será necessário. 1 . Estágio da comunhão (primeiras 4 ou 6 semanas) O alvo neste período é produzir vínculos e relacionamentos de comunhão. O líder deve ser um facilitador para que as pessoas se conheçam e criem intimidade entre si. Será necessário dedicar pelo menos um mês inteiro para isso, até que haja afinidade entre os irmãos. 2. Estágio de edificação (do segundo ao quarto mês) Esse é o estágio de conflito na vida da célula, no qual os relacionamentos terão de passar do nível social para o pessoal. Nesse momento, é natural a ocorrência de conflitos nos relacionamentos. Não pense que, com isso, a célula está decaindo; na verdade, é um grande avanço, pois mostra que já não são indiferentes uns aos outros. Espera-se que nessa fase o grupo esteja razoavelmente vinculado, com pessoas ministrando a Palavra, pois cada crente é um ministro; e haja boa participação em compartilhar. O líder deve levar o líder em treinamento para as reuniões periódicas de discipulado e pastoreio de líderes. 20
  22. 22. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 3. Estágio de evangelismo (depois do quinto mês) Nessa fase os membros da célula se tornam livres para se expressar, se comprometer e falar abertamente. Nesse tempo a célula se torna um verdadeiro purê de batata, o relacionamento sai do nível pessoal para o comunitário. Nesse estágio a célula corre o risco de ficar embriagada consigo mesma. Se não for enfatizada a visão da multiplicação, a célula pode se estagnar. Se acontecer de a célula não sofrer uma crise de multiplicação, é porque a visão não foi assimilada apropriadamente. Projetos de oração e jejuns devem ser comuns nessa fase. Os eventos-ponte precisam ser centralizados na vida da célula! É intolerável uma célula sem um líder em treinamento nesse período. A bênção da multiplicação deve ser enfatizada. 4. Estágio de multiplicação (ou finalização) Geralmente, o tempo de vida de uma célula será de 6 meses a um ano. Qualquer célula, que não se multiplica depois de 12 meses, poderá se estagnar, perder seu dinamismo e, eventualmente, morrer. Toda célula deve ter uma finalização de algum tipo, e cada membro deve estar atento para isso, desde o início. Consideramos que uma célula se encerra ao se multiplicar. As duas células resultantes da multiplicação são consideradas, então, duas novas células. E como tais, talvez se torne necessário passarem novamente por todas as fases. Elementos norteadores para Grupos Pequenos DINÂMICOS E ATRAENTES. A estrutura do Grupo Pequeno Líder Líder em Treinamento Secretário Anfitrião Membros Visitantes 21
  23. 23. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ O ANFITRIÃO ou ANFITRIÃ. O propósito básico do/a anfitrião/ã de Grupo Pequeno é produzir um ambiente físico propício para o fluir de Deus, é ser agradável e hospitaleiro/a para com os irmãos e irmãs. O anfitrião ou anfitriã receberá a Grupo Pequeno em sua casa uma vez por semana procurando gerar um ambiente apropriado, facilitando o ambiente para que a Grupo Pequeno aconteça. Um dos grandes desafios deste tipo de discipulado é ter pessoas com disposição para ceder sua casa para sediar as reuniões de Grupo Pequeno. RESPONSABILIDADES DO/A ANFITRIÃO/Ã: Estar sempre presente na reunião, resguardando possíveis eventualidades; Convidar pessoas para ir à sua casa participar do GP. Receber bem os/as membros dp GP — com alegria e satisfação — sem formalidades e exageros; Preparar o ambiente com oração, desligando antes a televisão, organizando os assentos, etc; Informar ao líder sobre eventuais problemas de abuso de liberdade na casa ou quaisquer prejuízos de ordem material causados por membro do Grupo Pequeno; Auxiliar e motivar, junto com o/a líder, o surgimento de novos/as anfitriões/ãs; TIPOS DE ANFITRIÕES/ÃS: • INDIFERENTE • Não participa da reunião; • Não recebe as pessoas com alegria; • Não se envolve com a reunião nem com os/as membros do Grupo Pequeno; • LEMA: “já faço muito em liberar a minha casa pras reuniões”. • FALANTE • Não dá oportunidade para o/a líder e outros/as membros falar; • Tende a monopolizar todas as atenções; • Fala o que não deve; • Torna-se inconveniente; • LEMA: “Só eu falo. Os outros ouvem”. 22
  24. 24. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ • CONSTRANGEDOR • Não dá liberdade para o uso da casa; • Restringe áreas essenciais; • Mostra descontentamento com incidentes durante as reuniões; • LEMA: “as minhas coisas não estão à disposição da Grupo Pequeno”. • MAL-HUMORADO • Nunca ou raramente sorri; • Está sempre reclamando de alguma coisa; • Ele/a ainda não conhece a alegria da Salvação; • Tira a liberdade do/a visitante. • LEMA: “No mundo tereis aflições”. • CONTROLADOR • “Cuida” da vida dos/as membros da Grupo Pequeno mais que da sua própria vida; • Tenta manipular o/a líder; • Expressa postura de superioridade em relação aos outros. • LEMA: “Ajoelhou, tem que rezar”. • IDEAL • Gentil no acolhimento às pessoas; • Envolve-se com os/as irmãos/ãs; • Educado para orientar quanto ao uso da casa; • Participa intensamente da reunião; • Inspira outros/as a serem bons anfitriões/ãs. • LEMA: “O Grupo Pequeno também é minha família. 23
  25. 25. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Ajudando o/a anfitrião/ã: O Grupo Pequeno precisa deixar a casa, depois da reunião, melhor do que a encontrou antes. Se sujar algo, que seja limpo; Se desarrumou algo, deve ser arrumado antes de partirem; Se foi produzido algum lixo, que seja recolhido e descartado; Agindo assim estamos abençoando o/a anfitrião/ã e sua família. A Reunião ou Encontro do Grupo Pequeno. Um Grupo Pequeno jamais será idêntico a outro. A reunião de um Grupo Pequeno jamais será idêntica a reunião de outra. O que precisamos que haja sempre no Grupo Pequeno é a presença de DEUS. A prioridade de uma reunião de Grupo Pequeno é desenvolver fome de Deus. O Grupo Pequeno não tem nenhum atrativo natural em si mesmo, provavelmente não vai ter um/a grande pregador/a, não terá um louvor efusivo de muita gente cantando e muito barulho. O atrativo para quem participa do Grupo Pequeno deve ser a presença de DEUS. Cultive a presença de Deus e estimule as pessoas a buscá-la e você verá uma reunião calorosa, agradável, atrativa onde os frutos estarão sempre presentes. Lembretes importantes para encontro:  Coloque as cadeiras em círculo;  Apresente os/as visitantes e valorize-os/as;  Use uma forma de “quebra-gelo” (libera o ambiente do formalismo);  Testemunhe alguns motivos de louvor a Deus (não é história, é uma frase);  Ministre a Palavra para a reunião;  Facilite a conversa no momento de compartilhamento (oportunidade a todos/as);  Compartilhe a “visão do grupo”: importância da aliança, o alvo da multiplicação, a visão de ser família, lembrar que a idéia não é ser só um culto doméstico e sim ser vida em comunidade — tais coisas devem ser lembradas sempre  Ore pelas necessidades das pessoas em toda reunião;  Faça apelo para salvação quando oportuno; 24
  26. 26. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ O Tempo da reunião do Grupo Pequeno O Grupo Pequeno deve se reunir e combinar sobre o horário de iniciar e terminar a reunião, bem como vai administrar o tempo em cada parte do encontro. Abaixo sugerimos uma forma de aproveitar o tempo: • Quebra gelo: 15 min • Oração e Louvor: 20 min • Palavra e compartilhamento: 30 min • Oração e Ministração: 10 min • Avisos, Visão e desafios: 15 min • Lanche: 30 min Partes de uma reunião de Grupo Pequeno:  Quebra-Gelo (seja criativo)  Louvor (feito com os recursos que a Grupo Pequeno tiver);  Palavra (uma mensagem do coração de Deus);  Compartilhamento (todos/as podem falar).;  Intercessão (orar pelos pedidos apresentados);  Desafios, avisos e Momento Visão (comunicar as atividades e objetivos do GP)  Lanche (deve ser algo simples). As partes da reunião devem ser revezadas entre os membros do Grupo Pequeno de forma que todos possam participar e o grupo cresça sem dependência de tudo para o líder. Podem acontecer mudanças, de acordo com o mover do Espírito Santo. 25
  27. 27. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ QUEBRA-GELO Deve ser apropriado para cada grupo. Seja criativo. Podem ser usados muitas vezes com aplicações diferentes; O “quebra-gelo” não é um jogo, disputa ou competição. O alvo é quebrar o formalismo, descontrair as pessoas e preparar o ambiente; Não espere muito do “quebra-gelo”; ele é sempre superficial. Contudo, nunca o despreze. Use-o em cada reunião. Não o espiritualize; Não o prolongue por mais de dez minutos e faça a aplicação; Cuidado para não ser triste, melancólico ou constrangedor; Seja sempre positivo/a. Líder é sempre “pra cima” – lembre-se disso!!!! Ministre fé, intensidade, firmeza. Vista-se com “vestes de louvor” e lembre-se que vivemos por fé e não por vista. Deus ainda é Deus!! LOUVOR Cada Grupo Pequeno precisa desenvolver um ambiente de adoração; As pessoas tendem a ser frias e superficiais. O/a líder precisa, então, ser exemplo de espontaneidade, incentivando os/as irmãos/ãs a fazer o mesmo. Faça tudo o mais suave possível (organize-se com antecedência); Priorize músicas “leves” e conhecidas; Não espere por algo extraordinário para ministrar um cântico espiritual; Saiba quais cânticos são apropriados e aperfeiçoe-se neles; Use o CORO da música para chegar ao ápice do louvor. Procure dirigir o louvor e não apenas anunciar os cânticos; Se o grupo preferir providencia a letra com os cânticos; Utilize os recursos disponíveis para levar os cânticos, como celular, pen drive, caixa de som ou TV e faça o seu melhor para Deus. 26
  28. 28. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ MINISTRAÇÃO DA PALAVRA O/a líder de Grupo Pequeno não tem que ser um/a pregador/a, mas um/a facilitador/a. Ele/a está na reunião para facilitar o acontecimento e comunhão da/na Grupo Pequeno. Apesar de não ser exigido que o/a líder de Grupo Pequeno seja um/a grande pregador/a, esta pessoa pode e deve se aprimorar. Características que o compartilhar apropriado da Palavra deve ter: Paixão (fale do que procede do seu coração, apaixonadamente, em vida) Praticidade (nunca fale algo que não tenha implicação prática) Humor (falar de fatos que podem descontrair as pessoas, sem quebrar o “clima”) Testemunho pessoal (coloque-se como exemplo, fale sobre você no que edificará) Envolvente (envolva as pessoas trazendo para dentro da ministração) Preparação anterior (prepare-se antecipadamente com oração e leitura da Palavra) Ilustração (algo que esclareça o ensino ministrado – conte o que você ouviu do pastor) Inspiração e Motivação (aqui é algo do Espírito, resultado de oração e busca) Focalizada em uma ideia central (sua mensagem não dever ser uma “metralhadora” que atira para todos os lados. Uma boa pregação fala de um assunto só. COMPARTILHAMENTO Neste momento todos/as irão compartilhar a aplicação da Palavra recebida, o que Deus edificou na vida deles/as, o que Deus tem falado com eles/as, como a vida deles/as tem sido mudada, em que aspecto aquela Palavra tocou na sua vida diária. Isso é compartilhamento e o/a líder deve zelar para que não seja outra coisa. Por isso é importante que num Grupo Pequeno o/a líder JAMAIS convide um/a pregador/a de fora (regra). Outra coisa perigosa é quando alguém que não é do Grupo Pequeno, mas vai visitá-la sendo crente de outra igreja e, não tendo esta oportunidade na igreja dele/a, encontra no Grupo Pequeno a oportunidade de falar, e falar de doutrinas ou práticas que nos são estranhas ou inválidas. O papel do/a líder é ser carinhoso/a, porém firme. 27
  29. 29. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Orientações úteis para um bom compartilhamento: Não pressione ninguém a orar, falar ou compartilhar (estimule as pessoas e tenha paciência). Não deixe que as pessoas falem de assuntos irrelevantes (Traga o assunto para o eixo principal. Não deixe que a direção do assunto se perca) Estimule o compartilhamento de lutas e problemas pessoais (com bom senso) Todo testemunho deve ser para edificar e motivar (cuide para que as coisas sejam positivas. O testemunho valoriza a transformação, a nova vida, o milagre e a capacidade de Deus agir) Nunca permita discussões doutrinárias Não deixe que uma pessoa monopolize todo o tempo Jamais permita que uma pessoa exponha a falha da outra (o confronto deve ser feito de forma privada e com amor) Nunca permita inconfidências (nunca deixe que o que foi comentado se torne “conversinha” em outros lugares; deve haver o pacto da discrição, da confidência) . Esteja sempre alegre e bom humorado nas reuniões A melhor forma de conduzir o compartilhamento é fazer perguntas (As pessoas estão mais interessadas no que elas têm a dizer do que no que elas têm a ouvir). LANCHE O lanche precisa ser algo simples e fácil de ser levado, para não gerar gastos ou constrangimento com quem tiver menos condições. Todos devem participar do lanche e ter oportunidade de contribuir. Pode ser feita uma escala de revezamento. Após o lanche, o local deve ser limpo. Caso o GP queira fazer uma festividade especial deve marcar com antecedência a avisar a todos para não confundir com a rotina normal do grupo. 28
  30. 30. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ DESAFIOS E AVISOS O grupo deve ser desafiado diante do que aprende e precisa gerar metas para ser alcançadas como a evangelização, consolidação de vidas e multiplicação. Avisos a respeito da Igreja e das atividades do GP devem ser enfatizados em cada reunião. MOMENTO VISÃO A visão de grupos pequenos precisa ser guardada, preservada e protegida para que não se desvirtue, degenere e até morra. Há algumas sugestões práticas para guardar a visão, e cada líder é um/a guardião da visão. Se desejamos manter a direção precisamos ser radicais na prática dos nossos valores. O/a VISITANTE: É evidente que o/a visitante é bem-vindo/a. Mas devemos saber como lidar com ele/a. Devemos tratar adequadamente esta pessoa, pois nosso desejo é que se converta e seja salvo/a, tornando-se nosso/a irmão/ã em Cristo. Não mude a reunião por causa do/a visitante (deixe que veja o funcionamento); Não faça um apelo “apelativo”, principalmente se houver apenas 1 visitante; Não se apresse em evangelizá-lo/a. Deixe que ele/a estabeleça amizades na Grupo Pequeno, sinta-se seguro/a, acolhido/a e sinta-se amado/a; Não faça perguntas que o/a deixe embaraçado/a; Não pregue exclusivamente para ele/a; Todos/as devem ser apresentados/as ao/à visitante; Anote seu nome e telefone, para fazer contato durante a semana; Faça uma PEQUENA explanação sobre o que é um Grupo Pequeno; Ore TODOS OS DIAS pelo/a visitante! 29
  31. 31. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Reuniões especiais do Grupo Pequeno “Tudo tem o seu tempo determinado e há tempo para todo propósito debaixo do céu!” (Eclesiastes 3.1) O Grupo Pequeno não pode alterar a rotina da reunião do GP para atender emergências e resolver problemas. Quando precisar fazer um encontro diferente avise antecipadamente. Tipos de reuniões especiais do GP:  Reunião de Planejamento  Encontros de Comunhão  Evento Colheita - Dia do Amigo Reunião de Planejamento do Grupo Pequeno O grupo precisa se organizar e planejar suas atividades. Para isso é preciso reunir todos os participantes para conversar a respeito da rotina do GP. Nunca faça isso durante um encontro do GP. Marque um dia especial para essa conversa avisando antecipadamente o propósito para todos. Esta é uma oportunidade para AVALIAÇÃO do andamento do GP de forma madura visando o melhor para todos. Momentos de Comunhão do Grupo Pequeno A comunhão é o objetivo-chave do Grupo Pequeno. Tudo é ocasião, tudo é motivo para exercitar a comunhão. Seja almoço juntos, um aniversário, até filme ou jogo de futebol, por exemplo. Em cada reunião deve sempre haver um tempo de comunhão descontraída entre os/as irmãos/ãs. Este momento pode ser antes ou depois da reunião (normalmente o que funciona bem é depois). É muito bom que sempre haja um tipo de lanche. Os/as membros do grupo devem se revezar no preparo desse lanche. Evite uma atmosfera de “clube particular”. Isso vai constranger o/a novo/a convertido/a e o/a visitante. Seja inclusivo e abrace todos/as os/as presentes. 30
  32. 32. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Evento Colheita – dia do Amigo Estes eventos não podem ser feitos de qualquer forma. Tudo que é feito de forma planejada motiva os/as participantes, pois o cuidado e o amor é percebido nos detalhes. Tudo o que fizermos deve demonstrar excelência e para ganhar vidas. Quanto mais o evento colheita for colocado debaixo de oração e organização responsável, mais facilmente os/as visitantes serão atraídos para o Grupo Pequeno. Características de uma reunião dinâmica PLANEJAMENTO O/a Líder precisa planejar a reunião semanal. Ele/a não precisa fazer isso sozinho/a. Deve contar com o auxílio, opiniões, envolver membros ativos/as da Grupo Pequeno; Toda ministração deve ser acompanhada de perguntar para motivar o compartilhamento e a aplicação do ensino; O planejamento não pode ser feito de “última hora”. ALEGRIA O/a Líder, o/a Líder em Treinamento, o/a anfitrião devem ser pessoas alegres. Muitas pessoas chegam às reuniões de Grupo Pequeno cansadas, fatigadas... tenham sempre uma palavra de ânimo e uma postura receptiva e motivadora. BOA RECEPÇÃO Uma boa recepção é algo esperado e até exigido numa reunião. Preferencialmente é o/a anfitrião/ã, mas pode ser outra pessoa e tem que estar antes de todos/as no local da reunião. Todos/as devem ser chamados pelo nome. Esforce-se nisso! O/a visitante não deve ser mais um/a. É convidado especial!! 31
  33. 33. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ INFORMALIDADE As pessoas devem se sentir à vontade para falar, perguntar, compartilhar algo e se abrir. Não pode ser um “mini-culto”, pois é uma reunião informal. Acomode as pessoas da melhor forma possível (cadeira, banco, banqueta, almofada, tapete, esteira ou chão limpo). Surpreenda as pessoas de seu Grupo Pequeno a cada reunião. Procure desenvolver criatividade e dinamismo. Busque sabedoria no Senhor e Ele a concederá a você (Tg 1.5). BOM LOUVOR Bom louvor é aquele que envolve as pessoas na letra da canção para que esta cumpra seu propósito (adoração, fé, comunhão...). Use músicas que toquem o coração das pessoas e as levem a tocar o coração de Deus. Deixe que o louvor flua e gere efeitos nas pessoas. PALAVRA SIMPLES, MAS EFICAZ Ministre a mensagem com o alvo de acrescentar fé às pessoas, que motive-as a sair da reunião com o propósito de mudarem suas ações para melhor. PASSE A VISÃO Mantenha os/as discípulos/as informados sobre os compromissos e atividades da Igreja. Convide SEMPRE todos/as para os Cultos de Celebração (domingos) — procure inserir todos/as na Igreja e nos diversos ministérios locais, grupos societários e Escola Dominical. 32
  34. 34. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Atividade 3 Faça uma “leitura” de seu Grupo Pequeno: 11.Seu Grupo Pequeno divide as tarefas e organiza o tempo da reunião? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 12.Quando foi a última multiplicação deste GP? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 13.Se você não fosse o/a Líder (ou Líder em Treinamento), você participaria ativamente de sua Grupo Pequeno? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 14.A reunião de seu Grupo Pequeno é atraente? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 15.O que pode melhorar em seu GP? ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 33
  35. 35. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ CTM2 – Aula 4 - REALIZAÇÃO: Valores da Igreja com Grupos Pequenos O ministério pastoral numa igreja com GPs O trabalho dos pastores é treinar os líderes e cuidar de todo o rebanho. Os pastores:  Alimentam a visão e os princípios da igreja com GPs;  Estabelecem metas para os GPs;  Reúnem-se com cada supervisor de GP para examinar o desenvolvimento dos GPs. Os quatro Cs do Discipulado em Grupos Pequenos A Igreja Metodista em Cataguases, uma Igreja com GPs será representada pelos quatro C’S:  CRESCIMENTO: A prioridade é gerar filhos/as para Deus; o mais importante é que cada membro do GP se comprometa a conquistar vidas para Cristo. Cada crente assuma o ministério de buscar novos discípulos e discípulas. Principal foco: Testemunho, Evangelismo, EMpacto e Integração nos GPs.  CUIDADO: O propósito é ajudar as pessoas a crescerem na sua fé e em seu relacionamento com Deus e a experimentarem uma vida transformada e frutífera. Principal foco: Discipulado, Edificação, Integração na igreja, Trilho de Formação: INICIE/INSPIRE e Batismo.  COMUNHÃO: O projeto é edificar uma igreja viva, renovada e acolhedora; é encorajar as pessoas a viverem em união e a perseverarem na comunhão da igreja e do GP. Principal foco: Comunidade, Relacionamento, Família e Amor.  CELEBRAÇÃO: A firme intenção é multiplicar os GPs a cada ano, capacitando as pessoas a servirem a Deus e a compartilharem sua fé em Cristo aqui e por todo o mundo. Marca o começo de novos GPs e novos líderes se levantam. Principal foco: Festa da Multiplicação, CTM, Capacitação e Compromisso. 34
  36. 36. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Objetivo principal do Grupo Pequeno O Grupo Pequeno existe para a multiplicação. O alvo do GP é a multiplicação. A multiplicação deve ser a principal motivação de todo GP. Um GP saudável se desenvolve e multiplica. O GP tem como propósito se reproduzir em tantos outros GPs com o mesmo DNA. O GP pode e deve ter outros objetivos, mas eles não podem desfocar da multiplicação. Tipos de GPs que desejamos Par – GPs de casais, podendo ter um GP de crianças paralelo. Homogênea – somente homem ou somente mulher, por faixa etária: GP de homens, GP de mulheres, GP de rapazes, GP de Moças, GP de crianças. A parábola da Igreja de duas Asas Era uma vez uma igreja criada com duas asas. Uma asa era para a celebração em grupos grandes e a outra era para a comunidade dos grupos pequenos. Utilizando ambas as asas, a igreja conseguia voar alto e se aproximar da presença de Deus e ainda sobrevoar graciosamente toda a terra, preenchendo o propósito do criador. Um dia, uma enciumada e malvada serpente, que não tinha asa alguma, desafiou a igreja a voar apenas com a asa do grupo grande. A serpente aplaudiu efusivamente quando a igreja conseguiu levantar vôo, mesmo que de forma desajeitada, e a convenceu de que, com muito exercício, ela conseguiria voar utilizando apenas uma asa. Enganada desde aquele dia, a igreja de duas asas começou a se satisfazer com apenas uma asa. A asa do grupo pequeno se tornou cada vez mais fraca por falta de exercício até atrofiar e tornar- se um apêndice sem vida e sem utilidade ao lado da asa exagerada do grupo grande. A igreja de duas asas que havia planado nas maiores alturas se tornou agora uma igreja de uma asa, um pouco melhor do que a serpente malvada, que não tinha asa alguma. 35
  37. 37. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ O Criador da igreja ficou muito triste. Ele sabia que o projeto das duas asas permitia a igreja a voar aos céus, até a sua presença e obedecer os seus comandos na terra. Agora, com apenas uma asa, a igreja tinha de fazer um esforço extra para conseguir levantar vôo. Mesmo dando um jeito de permanecer alada, ela tendia a voar em círculos não muito longe do seu ponto de partida. Gastando mais e mais tempo na segurança e no conforto da sua gaiola, ela ficou gorda, preguiçosa e satisfeita com sua vidinha terrena. De vez em quando, a igreja lembrava que já havia voado com duas asas e sonhava com a possibilidade de fazê-lo novamente. Mas agora, a poderosa asa do grupo grande se tornou tão dominante que não aceitava nenhum tipo de auxílio da parte mais fraca. Era tarde demais. O Criador finalmente construiu uma nova igreja de duas asas. Ele tinha, outra vez, uma igreja que podia voar até a sua presença e sobrevoar a terra cumprindo os propósitos dele. Valores da Igreja com Grupos Pequenos Uma igreja com Grupos Pequenos não é caracterizada apenas pelas reuniões menores nos lares, ela segue valores espirituais. Os valores espirituais definem como vemos a vida da Igreja. Passaremos agora ao valores de uma igreja com Grupos Pequenos: 1. Cada crente é um ministro Esse é o primeiro valor inegociável. O sacerdócio universal dos crentes foi restaurado desde a reforma protestante, mas ainda hoje o vírus do clericalismo tem mantido pessoas anestesiadas e improdutivas no corpo de Cristo. Não edificamos membros, mas discípulos. Não queremos apenas ter uma multidão de convertidos, mas almejamos transformá-los em discípulos comprometidos. Somente um discípulo pode ser um ministro com realidade. A realidade do discípulo é a sua disposição para liderar um Grupo Pequeno. Cada crente é um produtor e não um mero consumidor ou cliente Porque há tantos consumidores nas igrejas hoje. Primeiro, porque em muitas não há nenhum senso de Corpo de Cristo no qual os membros possam estar envolvidos de maneira funcional. Segundo, é que muitos, por decisão pessoal, escolhem sentar-se nos bancos dispostos a não se envolverem. 36
  38. 38. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ Quando um crente compreende que ele deve produzir, e não simplesmente consumir, uma verdadeira revolução acontece em sua postura em relação à igreja local. Ele não se preocupa mais em saber o que aquela igreja pode lhe oferecer; antes, preocupa-se em saber como ele pode ser útil ali. Ele não responsabiliza mais o pastor ou algum líder pelo seu crescimento espiritual, porque sabe que pode e deve ter intimidade com Deus sem intermediário algum. Ele tem disposição para dar apoio e socorro aos novos convertidos nas guerras deles. Se tiver que se mudar para outra cidade, ele sabe que a igreja vai junto com ele. Ele sabe que mesmo distante do prédio, a igreja acontece onde ele está. 2. Deus não habita no prédio da Igreja Não consideramos o nosso prédio único lugar sagrado (Salmo 19.1), porque o nosso corpo é o lugar onde Deus habita (I Coríntios 3.16). Nossa casa é uma extensão da Igreja. Há pessoas que restringem a sua vida cristã aos contornos do prédio da Igreja, quando saem dali vivem uma outra vida com outras regras. A vida da igreja não é algo que acontece só aos domingos, nos templos. Numa igreja de vencedores ser cristão é um estilo de vida. Não esperamos que pessoas venham ao prédio, mas vamos até onde elas estão. O mover de Deus diz: “ide”, mas nossos prédios nos dizem: “fiquem”. O mover de Deus diz para “buscarmos os perdidos”, mas os prédios nos dizem: “deixa que eles venham até nós”. Membros de igreja não podem alcançar muito para Deus, discípulos, porém, conquistam nações. Se você é um ministro aonde você for a igreja irá junto com você. 3. A visão é conquistar a nossa geração Dependemos de Deus, mas rejeitamos a passividade. Não estamos esperando a vinda do Espírito Santo, pois cremos que ele já veio e está em nós. O Espírito está se movendo há dois mil anos. Cremos na multiplicação dos Grupos Pequenos. É algo inquietante, mas verdadeiro: o inferno existe e muitas pessoas estão indo para lá agora mesmo. Precisamos gastar cada vez mais tempo, dinheiro e energia para alcançar as vidas. Nossa geração será conquistada por Grupos Pequenos que se multiplicam uma vez ao ano. 37
  39. 39. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 4. Caminhamos em unidade de linguagem, propósito e obra. Em Gênesis 11.6 a conclusão do Senhor foi: “Eis que o povo é um, e todos têm a mesma linguagem. Isto é apenas o começo; agora não haverá restrição para tudo que intentam fazer.” Aqui podemos ver os três níveis de unidade:  A unidade de linguagem;  A unidade de propósito, pois o povo era um e  A unidade de obra pois não haveria limites para o que intentassem fazer. Essa é a unidade que abalará os fundamentos do inferno. 5. Grupos Pequenos são um odre, mas a unção é o vinho novo (Mt 9:16-17). O vinho aponta para o mover do Espírito O vinho novo de Deus é sempre melhor que o velho. Os odres existem em função do vinho, se não há vinho os odres perdem o sentido. O odre aponta para as estruturas que devem conter o vinho Todo mover de Deus vem acompanhado de uma estrutura para contê-lo. Nesses dias Deus está derramando do seu Espírito numa nova onda, um novo vinho sobre a igreja. Creio firmemente que os Grupos Pequenos são o odre de Deus para conter esse vinho. Não podemos colocar o vinho novo em odres velhos Os odres velhos são as estruturas denominacionais e as igrejas de programa. Quando tais igrejas tentam colocar o vinho novo do Espírito em odres velhos elas perdem ambos. O vinho novo de Deus pode ser fatal para odres velhos e inflexíveis. Não podemos remendar o pano velho com veste nova Muitas pessoas tentam colocar os Grupos Pequenos nas estruturas antigas para remendá-las, mas isso não é possível. Uma coisa é ser uma igreja com Grupos Pequenos e outra coisa é ser uma igreja com Grupos Pequenos. 38
  40. 40. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 6. Valorizar a presença de Deus em vez de rituais e tradições Não queremos apenas fazer coisas, queremos desfrutar da vida de Deus em Cristo e da presença do Espírito entre nós. Valorizamos reuniões vivas e cheias de unção. Buscamos a revelação da Palavra que resulta em impacto e mudança em nossas vidas. 7. Somente um povo apaixonado trará impacto a esta geração Precisamos cultivar uma fome genuína da presença de Deus. É a nossa fome que atrai a presença manifesta de Deus. Rejeitamos os rituais mortos e as tradições vazias, mas buscamos o poder e a unção do Espírito Santo. Erros que não podemos cometer em relação aos Grupos Pequenos Todas as pessoas cometem erros, porém alguns trazem sérias consequências. O propósito é ajudar a superar os obstáculos que possam paralisar o sistema celular. Uma coisa é saber que errar é humano; e outra bem diferente é acomodar-nos ao erro. 1 - Líder que faz todo o trabalho no Grupo Pequeno Ficará cansado e não treinará novos membros que poderiam ser líderes. Aprenda a delegar e ensine adequadamente. Delegue aos membros dos Grupos Pequenos as tarefas mais variadas como preparar o louvor, o lanche, telefonar, visitar, convidar, ministrar o estudo, orar etc. 2 - Líder que não participa das reuniões do seu GD nem acata orientações dadas pelo seu discipulador Liderar Grupo Pequeno requer comprometimento e responsabilidade, por isso é inadmissível que um líder deixe de participar das reuniões do seu GD, pois nelas é que será orientado com relação às diretrizes e à caminhada da Igreja. 3 - Quando um líder ou discipulador se afasta ou se recusa a seguir as orientações dadas pela liderança Um Grupo Pequeno deformado não se desenvolve, porém Grupos Pequenos saudáveis multiplicam-se. Por isso, reveja continuamente os princípios do sistema de Grupo Pequeno. Não invente coisas que, em sua opinião, podem funcionar. Siga sempre as orientações dadas pelo seu discipulador. 39
  41. 41. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ 4 - Aconselhar inadequadamente Saiba reconhecer seus limites para aconselhar. Seja humilde e reconheça seus limites, não tenha medo, as pessoas irão respeitá-lo por ser sincero. Se o problema for muito difícil de resolver, leve-o ao discipulador do seu setor. 5 - Deixa de desafiar e preparar novos líderes Um líder que não se preocupa em delegar tarefas, em dar oportunidade para outros, em mentorear novos líderes, dificilmente multiplicará seu Grupo Pequeno. Portanto, é muito importante procurar identificar líderes em potencial entre os membros do Grupo Pequeno e desafiá-los a crescer, enviando-os ao CTM para que sejam capacitados. Um bom líder acompanha bem de perto o seu liderado. Na ocasião oportuna, o líder deverá encorajá-lo a assumir um novo Grupo Pequeno. 6 - O discipulador ou o líder impõe metas exageradas As metas estabelecidas para o Grupo Pequeno devem ser razoáveis para que não tragam desânimo e sim estímulo e desafio para todo o Grupo Pequeno. As pessoas reagem melhor quando são motivadas do que quando são obrigadas a fazer algo que está acima de suas forças. 7 - Não direciona os membros do Grupo Pequeno para a igreja Se os membros participam somente do Grupo Pequeno, perdem sua identificação, e, além de ficarem isolados, tornam-se vulneráveis. Para evitar isto, esforce-se para trazê-los à igreja. Organize uma forma de despertar neles o interesse de participar da grande celebração. Na Igreja ele receberá um alimento mais sólido que no Grupo Pequeno. 8 - Aproveita a intimidade que o Grupo Pequeno proporciona para alcançar objetivos Um líder que se envolve pecaminosamente com algum membro do Grupo Pequeno, ou que usa o Grupo Pequeno para ganhar qualquer tipo de vantagem, causa um mal terrível. Se as pessoas notarem um interesse mesquinho ficarão desanimadas e não voltarão mais. 9 - Mente ou omite os dados para aparentar que está tudo bem Isso proporciona uma falsa base de dados, o que prejudica as projeções feitas pela igreja. Mentir impede que seja ajudado. Ao dizer a verdade é possível saber em que o líder pode ser ajudado. “Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao seu próximo, pois todos somos membros de um mesmo corpo” (Efésios 4.25). 40
  42. 42. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ MANDAMENTOS QUE PROTEGEM A VISÃO DOS Grupos Pequenos 1. Os Grupos Pequenos são a base da igreja. 2. O Grupo Pequeno com 12 membros deve se multiplicar. 3. O Grupo Pequeno não deve se embriagar consigo mesmo. 4. O Grupo Pequeno não deve ficar mais de um ano sem se multiplicar. 5. Não queremos fechar Grupos Pequenos, mas trabalhar pela multiplicação. 6. Para multiplicar Grupos Pequenos apenas, precisamos multiplicar líderes. 7. Um único Grupo Pequeno não deve se transformar em congregação. 8. Outras atividades não podem concorrer com os Grupos Pequenos. 9. Os Grupos Pequenos não podem ficar sem supervisão. 10.Não permitiremos pregadores de fora nos Grupos Pequenos. 41
  43. 43. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ CONCLUSÃO “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século” Mateus 28.19,20 Na Igreja Primitiva o povo era chamado de “a comunidade dos discípulos”. Isso revela que o que estava no coração dos apóstolos não era apenas pregar o Evangelho e salvar pessoas, mas sim, fazer discípulos de Jesus. Em nossa igreja, a célula é o lugar de formar discípulos, afinal somos “UMA IGREJA EM DISCIPULADO POR MEIO DOS GRUPOS PEQUENOS”, este é o nosso grande desafio. Cada pessoa tem seu estilo de vida e muitos seguem a moda de pessoas famosas ou tendências do momento. Mas tudo isso passa. Jesus veio ao mundo e deixou sua marca na vida das pessoas que mudaram completamente seu jeito de viver. Até hoje milhares de vidas são transformadas pelo poder do evangelho de Cristo (Romanos 1.16,17). Jesus quer mudar nosso estilo de vida para melhor e nos dar vida abundante (João 10.10). Para isso precisamos seguir os passos de nosso Mestre, ter sempre a certeza de seu grande amor para conosco que é maior do que tudo, viver pela fé enxergando de forma espiritual e também servir ao nosso próximo demonstrando amor. Desejamos que sua vida seja transformada para ser líder alcançando vidas para Cristo através do Grupo Pequeno. Esta revolução não será somente em sua vida, mas através da Igreja alcançando a comunidade e o mundo para Deus. 42
  44. 44. CTM2 – Reciclagem para líderes Anotações: __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________________ BIBLIOGRAFIA João Wesley, Sua Vida e Obra. de Mateo Lelievile (Ed. Vida); A Perfeição Cristã de John Wesley (Imprensa Metodista); A Nova Criação: A Teologia de João Wesley Hoje de Theodore Runyon (Editeo); Um modelo para fazer discípulos - A reunião de classe de John Wesley. Michael Henderson. Editora MIC. Carta Pastoral Testemunhar a Graça e fazer discípulos e discípulas, 2008 e 2009. PRAM – Plano Regional de Ação Missionária. Igreja Metodista 4RE. 43

×