Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Debate Automóvel e Consumo - João Alencar

649 views

Published on

A Política Nacional de Mobilidade Urbana, Mudanças Climáticas e os instrumentos de redução do uso do automóvel

Published in: Automotive
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Debate Automóvel e Consumo - João Alencar

  1. 1. Debate Automóvel e Consumo - Mobilidade, Emissões e Eficiência EnergéticaPolíticas Nacionais de Mobilidade Urbana e deMudança do Clima: Desafios para uma Mobilidade Urbanade Baixo Carbono São Paulo/UF, 26 de fevereiro de 2013Ministério das Cidades - MCidadesSecretaria Nacional de Mobilidade Urbana – SeMobDepartamento de Cidadania e Inclusão Social - DECIS Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc Advogado
  2. 2. PRINCÍPIOS – art. 5º, I a IXI – acessibilidade universal;II – desenvolvimento sustentável das cidades,nas dimensões socioeconômicas e ambientais;III – equidade no acesso dos cidadãos aotransporte público coletivo;IV – eficiência, eficácia e efetividade naprestação dos serviços de transporte urbano;V – gestão democrática e controle social doplanejamento e avaliação da Política Nacionalde Mobilidade Urbana;VI – segurança nos deslocamentos das pessoas;VII – justa distribuição dos benefícios e ônusdecorrentes do uso dos diferentes modos eserviços;VIII – equidade no uso do espaço público decirculação, vias e logradouros; eIX – eficiência, eficácia e efetividade nacirculação urbana. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  3. 3. DIRETRIZES – art. 6º, I a VIII – integração com a política de desenvolvimentourbano e respectivas políticas setoriais de habitação,saneamento básico, planejamento e gestão do uso dosolo no âmbito dos entes federativos;II – prioridade dos modos de transportes nãomotorizados sobre os motorizados e dos serviços detransporte público coletivo sobre o transporteindividual motorizado;III – integração entre os modos e serviços detransporte urbano;IV – mitigação dos custos ambientais, sociais eeconômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas nacidade;V – incentivo ao desenvolvimento científico-tecnológico e ao uso de energias renováveis e menospoluentes;VI – priorização de projetos de transporte públicocoletivo estruturadores do território e indutores dodesenvolvimento urbano integrado; eVII – integração entre as cidades gêmeas localizadasna faixa de fronteira com outros países sobre a linhadivisória internacional. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  4. 4. OBJETIVOS – art. 7º, I a VI – reduzir as desigualdades e promover a inclusão social;II – promover o acesso aos serviços básicos e equipamentos sociais;III – proporcionar melhoria nas condições urbanas da população no que se refere àacessibilidade e à mobilidade;IV – promover o desenvolvimento sustentável com a mitigação dos custos ambientais esocioeconômicos dos deslocamentos de pessoas e cargas nas cidades; eV – consolidar a gestão democrática como instrumento e garantia da construçãocontínua do aprimoramento da mobilidade urbana. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  5. 5. Diretrizes da Política Tarifária do Transporte Público Coletivo – art. 8º, I a IX I – promoção da equidade no acesso aos serviços; II – melhoria da eficiência e da eficácia na prestação dos serviços; III – ser instrumento da política de ocupação equilibrada da cidade de acordo com o plano diretor municipal, regional e metropolitano; IV – contribuição dos beneficiários diretos e indiretos para custeio da operação dos serviços;V – simplicidade na compreensão, transparência da estrutura tarifária para o usuário e publicidade do processo de revisão; VI – modicidade da tarifa para o usuário; POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  6. 6. Diretrizes da Política Tarifária do Transporte Público Coletivo – art. 8º, I a IXVII – integração física, tarifária e operacional dos diferentes modos e das redes detransporte público e privado nas cidades;VIII – articulação interinstitucional dos órgãos gestores dos entes federativos por meiode consórcios públicos; eIX – estabelecimento e publicidade de parâmetros de qualidade e quantidade naprestação dos serviços de transporte público coletivo.§ 2o Os Municípios deverão divulgar, de forma sistemática e periódica, os impactos dosbenefícios tarifários concedidos no valor das tarifas dos serviços de transporte públicocoletivo. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  7. 7. Atribuições dos Municípios – art. 18, I a IIII - planejar, executar e avaliar a política de mobilidade urbana, bem comopromover a regulamentação dos serviços de transporte urbano;II - prestar, direta, indiretamente ou por gestão associada, os serviços detransporte público coletivo urbano, que têm caráter essencial;III - capacitar pessoas e desenvolver as instituições vinculadas à política demobilidade urbana do Município; e POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  8. 8. Instrumentos de Gestão do Sistema de Transporte e da MobilidadeUrbana – art. 23, I a IXI - restrição e controle de acesso ecirculação, permanente ou temporário,de veículos motorizados em locais ehorários predeterminados;II - estipulação de padrões de emissãode poluentes para locais e horáriosdeterminados, podendo condicionar oacesso e a circulação aos espaçosurbanos sob controle;III - aplicação de tributos sobre modose serviços de transporte urbano pelautilização da infraestrutura urbana,visando a desestimular o uso dedeterminados modos e serviços demobilidade, vinculando-se a receita àaplicação exclusiva em infraestruturaurbana destinada ao transporte públicocoletivo e ao transporte nãomotorizado e no financiamento dosubsídio público da tarifa de transportepúblico, na forma da lei; POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  9. 9. Instrumentos de Gestão do Sistema de Transporte e da MobilidadeUrbana – art. 23, I a IXIV - dedicação de espaço exclusivo nas vias públicas para os serviços detransporte público coletivo e modos de transporte não motorizados;V - estabelecimento da política de estacionamentos de uso público e privado,com e sem pagamento pela sua utilização, como parte integrante da PolíticaNacional de Mobilidade Urbana;VI - controle do uso e operação da infraestrutura viária destinada àcirculação e operação do transporte de carga, concedendo prioridades ourestrições; POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  10. 10. Instrumentos de Gestão do Sistema de Transporte e da MobilidadeUrbana – art. 23, I a IXVII - monitoramento e controle das emissões dos gases de efeito local e deefeito estufa dos modos de transporte motorizado, facultando a restrição deacesso a determinadas vias em razão da criticidade dos índices de emissõesde poluição;VIII - convênios para o combate ao transporte ilegal de passageiros; eIX - convênio para o transporte coletivo urbano internacional nas cidadesdefinidas como cidades gêmeas nas regiões de fronteira do Brasil comoutros países, observado o art. 178 da Constituição Federal. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  11. 11. Plano de Mobilidade Urbana – art. 24, I a XI, §§ 1º a 4ºInstrumento de efetivação da Política Nacional de Mobilidade UrbanaAtender aos Princípios, Diretrizes e Objetivos da Lei.I - os serviços de transporte público coletivo;II - a circulação viária;III - as infraestruturas do sistema de mobilidade urbana;IV - a acessibilidade para pessoas com deficiência e restrição de mobilidade; POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  12. 12. Plano de Mobilidade Urbana – art. 24, I a XI, §§ 1º a 4ºV - a integração dos modos de transporte público e destes com os privados eos não motorizados;VI - a operação e o disciplinamento do transporte de carga na infraestruturaviária;VII - os polos geradores de viagens; POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  13. 13. Plano de Mobilidade Urbana – art. 24, I a XI, §§ 1º a 4ºVIII - as áreas deestacionamentos públicos eprivados, gratuitos ou onerosos;IX - as áreas e horários deacesso e circulação restrita oucontrolada;X - os mecanismos einstrumentos de financiamentodo transporte público coletivo eda infraestrutura de mobilidadeurbana; eXI - a sistemática de avaliação,revisão e atualização periódicado Plano de Mobilidade Urbanaem prazo não superior a 10(dez) anos. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  14. 14. Plano de Mobilidade Urbana – art. 24, I a XI, §§ 1º a 4º§ 1o Em Municípios acima de 20.000 (vinte mil) habitantes e em todos os demaisobrigados, na forma da lei, à elaboração do plano diretor, deverá ser elaborado oPlano de Mobilidade Urbana, integrado e compatível com os respectivos planosdiretores ou neles inserido.Cedro: 24.538 hab POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  15. 15. Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei nº 12.187/2009): art. 3ºArt. 3o A PNMC e as ações dela decorrentes, executadas sob aresponsabilidade dos entes políticos e dos órgãos da administração pública,observarão os princípios da precaução, da prevenção, da participação cidadã,do desenvolvimento sustentável e o das responsabilidades comuns, porémdiferenciadas, este último no âmbito internacional, e, quanto às medidas aserem adotadas na sua execução, será considerado o seguinte:I - todos têm o dever de atuar, em benefício das presentes e futurasgerações, para a redução dos impactos decorrentes das interferênciasantrópicas sobre o sistema climático;II - serão tomadas medidas para prever, evitar ou minimizar as causasidentificadas da mudança climática com origem antrópica no territórionacional, sobre as quais haja razoável consenso por parte dos meioscientíficos e técnicos ocupados no estudo dos fenômenos envolvidos; MOBILIDADE URBANA E MUDANÇA DO CLIMA: Desafios para uma Mobilidade Urbana de Baixo Carbono Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  16. 16. Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei nº 12.187/2009): art. 3ºIII - as medidas tomadas devem levar em consideração os diferentescontextos socioeconomicos de sua aplicação, distribuir os ônus e encargosdecorrentes entre os setores econômicos e as populações e comunidadesinteressadas de modo equitativo e equilibrado e sopesar as responsabilidadesindividuais quanto à origem das fontes emissoras e dos efeitos ocasionadossobre o clima;IV - o desenvolvimento sustentável é a condição para enfrentar as alteraçõesclimáticas e conciliar o atendimento às necessidades comuns e particularesdas populações e comunidades que vivem no território nacional;V - as ações de âmbito nacional para o enfrentamento das alteraçõesclimáticas, atuais, presentes e futuras, devem considerar e integrar as açõespromovidas no âmbito estadual e municipal por entidades públicas eprivadas; MOBILIDADE URBANA E MUDANÇA DO CLIMA: Desafios para uma Mobilidade Urbana de Baixo Carbono Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  17. 17. Política Nacional sobre Mudança do Clima (Lei nº 12.187/2009): art. 11Art. 11. Os princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos das políticas públicas eprogramas governamentais deverão compatibilizar-se com os princípios, objetivos,diretrizes e instrumentos desta Política Nacional sobre Mudança do Clima.Parágrafo único. Decreto do Poder Executivo estabelecerá, em consonância com aPolítica Nacional sobre Mudança do Clima, os Planos setoriais de mitigação e deadaptação às mudanças climáticas visando à consolidação de uma economia de baixoconsumo de carbono, na geração e distribuição de energia elétrica, no transporte públicourbano e nos sistemas modais de transporte interestadual de cargas e passageiros [...],com vistas em atender metas gradativas de redução de emissões antrópicasquantificáveis e verificáveis, considerando as especificidades de cada setor, inclusive pormeio do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL e das Ações de MitigaçãoNacionalmente Apropriadas - NAMAs. MOBILIDADE URBANA E MUDANÇA DO CLIMA: Desafios para uma Mobilidade Urbana de Baixo Carbono Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  18. 18. Perfil atual do Consumo de Energia no Transporte Rodoviário dePassageiros MOBILIDADE URBANA E MUDANÇA DO CLIMA: Desafios para uma Mobilidade Urbana de Baixo Carbono Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  19. 19. Perfil atual do Consumo de Energia no Transporte Rodoviário dePassageiros MOBILIDADE URBANA E MUDANÇA DO CLIMA: Desafios para uma Mobilidade Urbana de Baixo Carbono Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  20. 20. Perfil atual das Emissões no Transporte Rodoviário de Passageiros MOBILIDADE URBANA E MUDANÇA DO CLIMA: Desafios para uma Mobilidade Urbana de Baixo Carbono Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  21. 21. Cenário Tendencial de emissões de CO2 (Cenário 1)Condição hipotética no qual não ocorreria a implantação de novos projetos deinfraestrutura de mobilidade urbanaEmissões estimadas de CO2 atingirão 135,4 Mt em 2020, representando umcrescimento de cerca de 52% em relação ao ano-base 2010 MOBILIDADE URBANA E MUDANÇA DO CLIMA: Desafios para uma Mobilidade Urbana de Baixo Carbono Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc
  22. 22. Meus Agradecimentos pela Atenção Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc. joao.alencar@cidades.gov.br Fone: (+55 61) 2108 1136 Engenheiro Civil (UNIFOR, 1989) Mestre (1992) e Doutor (2005) em Engenharia de Transportes (COPPE/UFRJ) jalencarjr@yahoo.com Advogado Bacharel em Direito (UniCEUB, 2010) adv.jalencarjr@yahoo.com Celular: (+55 61) 8162 3200 POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA – LEI nº 12.587/2012 Eng. João Alencar Oliveira Júnior, D.Sc

×