Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
12 de Setembro de 2016
SWSP
45 Main St., Third Floor, Brooklyn, NY / 718 625 4843 / hugeinc.com
Conteúdo Preditivo.
Huge
12 setembro de 2016
1. Sobre a Huge
2. Contexto 3. O problema 4. Solução
5. Na prática 6. Benefícios
Agenda.
Sobre a Huge.
Content Strategist @Huge.
Maristela Vasconcelos
Data Strategist @Huge.
Renan Dayube
O que fazemos:
AHuge é uma agência global que conecta
negócios a usuários através
de experiências digitais.
Nascemos no
Brooklyn.
Fundado como um
estúdio de design
centrado no
usuário.
Mas fazemos
mais que design.
In-Person Observation
Online Community Research
Mobile Qualitative Research
Usability Testing
Market Segmentation
Research...
In-Person Observation
Online Community Research
Mobile Qualitative Research
Usability Testing
Market Segmentation
Research...
Amsterdam · Atlanta · Bogotá · Brooklyn · Detroit · London · Los Angeles · Medellin · Portland · Porto Alegre · Rio
de Jan...
2011 2012 2013 2014 2015
Brasil, LATAM & Cross Office.
Contexto.
O Brasil é um dos países que mais passa
tempo em redes sociais.
Mais de 3 horas por dia.
198minutos por dia é a média de tempo
gasto nas redes sociais.
Source: Statista / GlobalWebIndex
E temos uma preferida.
8 em cada 10 brasileiros conectados estão
no Facebook.
Source: Op Social/2016
Criar contéudo para essa rede faz
parte da estratégia digital de muitas
marcas.
O Facebook (ainda) tem muita representativ...
Uma fanpage é um veículo com
diferentes segmentações.
Ter uma página ativa e com interações
não é fácil.
Não é só “posta algo engraçado aí."
Os três pilares importantes:
Criação. Interação. Mensuração.
Algumas páginas têm equipes trabalhando
mais que 8h por dia.
Dormiu com o celular caso surgisse alguma emergência.
#quemnunca
O conteúdo das páginas é altamente
perecível e o processo de criação
contínuo.
O loop da produção de conteúdo.
Mensurar
Criar
Interagir
Marca
Não é só a marca que cria conteúdo.
Marca. Usuários.
A produção de conteúdo é uma via de mão dupla.
Mas, nem tudo são rosas,
não é mesmo?
O problema.
Junto com o bônus, vem o ônus.
Ter um relacionamento mais estreito com os fãs da marca, mas
também abre espaço para todo t...
Algumas opiniões negativas não são
construtivas e denigrem a marca.
Não controlamos o que os usuários respondem.
Temos que entender quem produz esse
conteúdo que não controlamos.
Focamos nos usuários para encontrar respostas.
Fazendo o que sabemos de melhor.
Identificamos situações onde marcas
recebem alta % de críticas.
Fatores que aumentam a participação negativa.
1. Contexto cultural.
2. Expectativa x entrega.
3. Traumas nos usuários.
Fatores que aumentam a participação negativa.
1. Contexto cultural.
2. Expectativa x entrega.
3. Traumas nos usuários.
Não é (só) o que marca comunica.
Alguns segmentos estão predispostos a
receber mais críticas pelo momento que
vivemos.
Dieta é um assunto que vem ganhando mais
relevância com o passar dos anos.
Produtos de alto valor calórico têm que ser
cautelosos em seus canais.
Fatores que aumentam a participação negativa.
1. Contexto cultural.
2. Expectativa x entrega.
3. Traumas nos usuários.
Problemas com experiências ruins
recorrentes com o produto.
O espaço para comunicação acaba virando
um mural de reclamações.
Fatores que aumentam a participação negativa.
1. Contexto cultural.
2. Expectativa x entrega.
3. Traumas nos usuários.
Uma crise pode se transformar em um
boato e, a longo prazo, se tornar um mito
da marca.
Ou uma mentira contada muitas vezes se
torna uma "verdade".
Fatores que aumentam a participação negativa.
1. Contexto cultural.
2. Expectativa x entrega.
3. Traumas nos usuários.
Resumo da ópera.
Memes “eternos” e piadinhas continuam
reverberando e atingindo a imagem da
marca.
Melhor do que combater esses
comentários negativos é evitá-los.
Como evitar os comentários
negativos?
A pergunta de um milhão de dólares.
Solução.
É preciso identificar quais
são os gatilhos.
Elementos que incentivam as
piadas e críticas.
Não levantar a bola para
os usuários cortarem.
Ou seja.
Não usar piadas de mal gosto é sempre um bom exemplo.
Não usar piadas de mal gosto é sempre um bom exemplo.
Não usar piadas de mal gosto é sempre um bom exemplo.
Em um primeiro momento, parece óbvio e que
só precisa ter bom senso.
Será mesmo?
Muitos usuários questionaram a brincadeira e marca foi acusada de propaganda enganosa.
Fãs da marca se sentiram ofendidos.
Muitos usuários questionaram a brincadeira e marca foi acusada de propaganda enganosa.
Fãs da marca se sentiram ofendidos.
A Vogue recebeu muitas críticas negativas na ação que visava divulgar as Paralimpíadas.
Polêmica sobre o não uso de atleta...
É preciso estruturar e analisar
o cenário.
Usar um método para que a marca não
dependa desse "bom senso.”
Quantificar o bom
senso.
O bom senso da marca será guiado pelo do
usuário.
É um conteúdo que tem uma reação
esperada de acordo com o histórico de
postagens da marca.
Conteúdo preditivo é uma ferram...
#comofaz?
Na prática.
Ciclo de melhoria contínua.
Planejar
Criar
Interagir
Mensurar
Evoluir
InsightImpacto
Onde atuamos com conteúdo preditivo.
Planejar
Criar
Interagir
Mensurar
Evoluir
InsightImpacto
Passo a Passo.
Asolução
Conteúdo preditivo.
Orientações
dos usuários.
Objetivo estratégico ou de negócios
da marca.
Produção de
conteúdo criativo.
Foco no usuário.
A participação nos comentários vai ser
o termômetro de sucesso.
Então é só ver o que os usuários estão
falando e tomar excelentes decisões?
Não.
Devemos tirar inteligência dos dados.
Analisar o que faz mais sentido de acordo
com o contexto.
E, para a alegria da
galera de dados…
Fizemos uma tabela com todas as informações que
ajudam na análise.
Que é popularmente conhecida como banco
de dados.
Quais informações coletar?
1. Elementos.
2. Do post.
3. Dos comentários.
4. De performance.
Quais informações coletar?
1. Elementos.
2. Do post.
3. Dos comentários.
4. De performance.
Coletar tudo que está exposto e buscar um
padrão de comportamento.
• Homem
• Ao ar livre
• Espírito radical
• Sem foco no ...
Quais informações coletar?
1. Elementos.
2. Do post.
3. Dos comentários.
4. De performance.
Todas as características ligadas a forma como a mensagem foi passada.
ID, copy, formato, data e muito mais.
Quais informações coletar?
1. Elementos.
2. Do post.
3. Dos comentários.
4. De performance.
É preciso entender o sentimento e o contexto.
Então, olhamos para todos
os comentários.
E o mais valioso: o motivo de ter despertado esses sentimentos.
Sentimentos positivos, negativos e neutros.
Quais informações coletar?
1. Elementos.
2. Do post.
3. Dos comentários.
4. De performance.
Alcance
Likes
Compartilhamentos
Photo click
Video view
Link click
KPIs regulares dos
posts
Sem se esquecer da relação entre investimento e retorno.
Analisamos a variação dos comentários
de acordo com o que foi coletado nos
posts.
Depois de coletar as informações.
Buscando o padrão negativo.
Nosso objetivo é encontrar, dentro dos posts, os elementos comuns
nas comunicações que tiveram...
Ateoria está entendida, mas agora dá pra
ilustrar?
Trazendo para a realidade.
Pegamos um cliente, que não podemos
revelar, para ilustrar.
Régua de risco para deixar visual.
Comparamos os temas e vimos como
cada um performava.
Alto risco.
Risco dentro do esperado.
Baixo risco.
Como cada tema funcionava para uma marca
específica.
Saúde. Verão. Amig...
É preciso tomar cuidado com elementos na comunicação com associação a vida saudável.
Por exemplo, saúde é um tema arriscad...
Então quer dizer que o tema deve
ser evitado sempre?
Não.
Aprendizados históricos sobre as reações
dos fãs orientam a criação.
• O uso de uma versão light do produto.
• O conceito de que em uma alimentação
balanceada pode-se consumir de tudo.
• O pr...
O conteúdo preditivo é a abordagem
correta em um tema perigoso para
marca.
Benefícios.
Pirâmide de
influenciadores.
Benefícios:
Quanto menos comentários negativos,
maior aceitação entre os fãs da marca.
Impedir que as pessoas propaguem boatos
ou contaminem outros usuários que são
'indiferentes’.
Evitar novos haters.
Advogados
Gostam
Indiferentes
Não gostam
Odeiam
Legado.
Benefícios:
Diminuir o risco de crises causadas pelo
próprio conteúdo postado.
Um guia de do’s e dont’s da marca feita
pela reação dos usuários.
Operação.
Benefícios:
Ganhos para cada pilar da produção:
Criação. Interação. Mensuração.
Ganhos para cada pilar da produção:
Criação.
Briefing mais específico com o que não pode ser feito
dentro de cada tema.
O ...
Interação.
Ganhos para cada pilar da produção:
Mais afinidade com os usuários e um guide de como
interagir com pessoas que...
Mensuração.
Ganhos para cada pilar da produção:
Menos crises causadas pela comunicação, menor
quantidade de menções para c...
Todo mundo feliz: marca, quem faz e PRINCIPALMENTE os usuários.
Questions?
Get in touch.
/in/maristelaabreu
/in/renan-dayube-4343814a
lamartesi@gmail.com
r.dayube@gmail.com
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online

3,433 views

Published on

Na Huge, ao analisar o histórico de interações com uma marca em seus posts, conseguimos auxiliá-la em uma comunicação online mais assertiva e menos arriscada. Nesta apresentação, vamos mostrar como é possível traçar padrões de reações sobre determinados temas e minimizar os riscos para equipes de PR e community management.

Apresentação realizada por Maristela Vasconcelos, Creative Planner, e Renan Dayube, Data Strategist, na Social Media Week SP, em 12 de setembro de 2016.

Published in: Social Media
  • Be the first to comment

Social e conteúdo preditivo: como antever reações de usuários e diminuir riscos na comunicação online

  1. 1. 12 de Setembro de 2016 SWSP 45 Main St., Third Floor, Brooklyn, NY / 718 625 4843 / hugeinc.com
  2. 2. Conteúdo Preditivo. Huge 12 setembro de 2016
  3. 3. 1. Sobre a Huge 2. Contexto 3. O problema 4. Solução 5. Na prática 6. Benefícios Agenda.
  4. 4. Sobre a Huge.
  5. 5. Content Strategist @Huge. Maristela Vasconcelos
  6. 6. Data Strategist @Huge. Renan Dayube
  7. 7. O que fazemos: AHuge é uma agência global que conecta negócios a usuários através de experiências digitais.
  8. 8. Nascemos no Brooklyn.
  9. 9. Fundado como um estúdio de design centrado no usuário.
  10. 10. Mas fazemos mais que design.
  11. 11. In-Person Observation Online Community Research Mobile Qualitative Research Usability Testing Market Segmentation Research. Omnichannel Design Digital In-Store Design Product Creation Responsive, App & Mobile Design UserExperience Design. Integrated Campaigns Copywriting Editorial Services Live-Action Production Motion Graphics & Animation Art Production Design Production Creative. Mobile & Multiplatform Apps E-Commerce Digital In-Store Web Applications Content Management Systems Emerging Platforms Gesture Recognition Technology. Social Media & PR Community Management Influencer Engagement Media Relations Crisis Response Measurement & Analytics Social. On-Page Strategy Competitive Inbound Analysis Search Social Strategy Local Optimization Paid Search Search. Loyalty Initiatives Customer Lifetime Value (CLV) Management Segment Development and Evaluation Marketing Automation Customer Data Management CRM. Market Opportunity Analysis Business & Product Innovation Organization Planning & Development Forecasting & Investment Planning Asset & Service Monetization Partnership Strategy Vendor Selection Management BusinessStrategy. Integrated Marketing Strategy Brand Strategy Digital Brand Translation BrandPlanning. Media Design Analysis Touchpoint Planning Investment Planning Media Activation Media. Brand Publishing Information Strategy Publishing Management Content Development Content. Consumer Data Analytics Strategy & Implementation Marketing, Social & CRM Analytics Data Visualization Data Strategy Statistical Modeling DataScience.
  12. 12. In-Person Observation Online Community Research Mobile Qualitative Research Usability Testing Market Segmentation Research. Omnichannel Design Digital In-Store Design Product Creation Responsive, App & Mobile Design UserExperience Design. Integrated Campaigns Copywriting Editorial Services Live-Action Production Motion Graphics & Animation Art Production Design Production Creative. Mobile & Multiplatform Apps E-Commerce Digital In-Store Web Applications Content Management Systems Emerging Platforms Gesture Recognition Technology. Social Media & PR Community Management Influencer Engagement Media Relations Crisis Response Measurement & Analytics Social. On-Page Strategy Competitive Inbound Analysis Search Social Strategy Local Optimization Paid Search Search. Loyalty Initiatives Customer Lifetime Value (CLV) Management Segment Development and Evaluation Marketing Automation Customer Data Management CRM. Market Opportunity Analysis Business & Product Innovation Organization Planning & Development Forecasting & Investment Planning Asset & Service Monetization Partnership Strategy Vendor Selection Management BusinessStrategy. Integrated Marketing Strategy Brand Strategy Digital Brand Translation BrandPlanning. Media Design Analysis Touchpoint Planning Investment Planning Media Activation Media. Brand Publishing Information Strategy Publishing Management Content Development Content. Consumer Data Analytics Strategy & Implementation Marketing, Social & CRM Analytics Data Visualization Data Strategy Statistical Modeling DataScience.
  13. 13. Amsterdam · Atlanta · Bogotá · Brooklyn · Detroit · London · Los Angeles · Medellin · Portland · Porto Alegre · Rio de Janeiro · Mexico City · Oakland · São Paulo · Singapore · Toronto · Washington DC 2016. +1,000 funcionários pelo mundo; Parte do grupo IPG.
  14. 14. 2011 2012 2013 2014 2015 Brasil, LATAM & Cross Office.
  15. 15. Contexto.
  16. 16. O Brasil é um dos países que mais passa tempo em redes sociais.
  17. 17. Mais de 3 horas por dia. 198minutos por dia é a média de tempo gasto nas redes sociais. Source: Statista / GlobalWebIndex
  18. 18. E temos uma preferida. 8 em cada 10 brasileiros conectados estão no Facebook. Source: Op Social/2016
  19. 19. Criar contéudo para essa rede faz parte da estratégia digital de muitas marcas. O Facebook (ainda) tem muita representatividade.
  20. 20. Uma fanpage é um veículo com diferentes segmentações.
  21. 21. Ter uma página ativa e com interações não é fácil.
  22. 22. Não é só “posta algo engraçado aí."
  23. 23. Os três pilares importantes: Criação. Interação. Mensuração.
  24. 24. Algumas páginas têm equipes trabalhando mais que 8h por dia.
  25. 25. Dormiu com o celular caso surgisse alguma emergência. #quemnunca
  26. 26. O conteúdo das páginas é altamente perecível e o processo de criação contínuo.
  27. 27. O loop da produção de conteúdo. Mensurar Criar Interagir Marca
  28. 28. Não é só a marca que cria conteúdo.
  29. 29. Marca. Usuários. A produção de conteúdo é uma via de mão dupla.
  30. 30. Mas, nem tudo são rosas, não é mesmo?
  31. 31. O problema.
  32. 32. Junto com o bônus, vem o ônus. Ter um relacionamento mais estreito com os fãs da marca, mas também abre espaço para todo tipo de opinião, incluindo as negativas.
  33. 33. Algumas opiniões negativas não são construtivas e denigrem a marca. Não controlamos o que os usuários respondem.
  34. 34. Temos que entender quem produz esse conteúdo que não controlamos.
  35. 35. Focamos nos usuários para encontrar respostas. Fazendo o que sabemos de melhor.
  36. 36. Identificamos situações onde marcas recebem alta % de críticas.
  37. 37. Fatores que aumentam a participação negativa. 1. Contexto cultural. 2. Expectativa x entrega. 3. Traumas nos usuários.
  38. 38. Fatores que aumentam a participação negativa. 1. Contexto cultural. 2. Expectativa x entrega. 3. Traumas nos usuários.
  39. 39. Não é (só) o que marca comunica. Alguns segmentos estão predispostos a receber mais críticas pelo momento que vivemos.
  40. 40. Dieta é um assunto que vem ganhando mais relevância com o passar dos anos.
  41. 41. Produtos de alto valor calórico têm que ser cautelosos em seus canais.
  42. 42. Fatores que aumentam a participação negativa. 1. Contexto cultural. 2. Expectativa x entrega. 3. Traumas nos usuários.
  43. 43. Problemas com experiências ruins recorrentes com o produto.
  44. 44. O espaço para comunicação acaba virando um mural de reclamações.
  45. 45. Fatores que aumentam a participação negativa. 1. Contexto cultural. 2. Expectativa x entrega. 3. Traumas nos usuários.
  46. 46. Uma crise pode se transformar em um boato e, a longo prazo, se tornar um mito da marca.
  47. 47. Ou uma mentira contada muitas vezes se torna uma "verdade".
  48. 48. Fatores que aumentam a participação negativa. 1. Contexto cultural. 2. Expectativa x entrega. 3. Traumas nos usuários.
  49. 49. Resumo da ópera. Memes “eternos” e piadinhas continuam reverberando e atingindo a imagem da marca.
  50. 50. Melhor do que combater esses comentários negativos é evitá-los.
  51. 51. Como evitar os comentários negativos? A pergunta de um milhão de dólares.
  52. 52. Solução.
  53. 53. É preciso identificar quais são os gatilhos.
  54. 54. Elementos que incentivam as piadas e críticas.
  55. 55. Não levantar a bola para os usuários cortarem. Ou seja.
  56. 56. Não usar piadas de mal gosto é sempre um bom exemplo.
  57. 57. Não usar piadas de mal gosto é sempre um bom exemplo.
  58. 58. Não usar piadas de mal gosto é sempre um bom exemplo.
  59. 59. Em um primeiro momento, parece óbvio e que só precisa ter bom senso.
  60. 60. Será mesmo?
  61. 61. Muitos usuários questionaram a brincadeira e marca foi acusada de propaganda enganosa. Fãs da marca se sentiram ofendidos.
  62. 62. Muitos usuários questionaram a brincadeira e marca foi acusada de propaganda enganosa. Fãs da marca se sentiram ofendidos.
  63. 63. A Vogue recebeu muitas críticas negativas na ação que visava divulgar as Paralimpíadas. Polêmica sobre o não uso de atletas.
  64. 64. É preciso estruturar e analisar o cenário.
  65. 65. Usar um método para que a marca não dependa desse "bom senso.”
  66. 66. Quantificar o bom senso.
  67. 67. O bom senso da marca será guiado pelo do usuário.
  68. 68. É um conteúdo que tem uma reação esperada de acordo com o histórico de postagens da marca. Conteúdo preditivo é uma ferramenta.
  69. 69. #comofaz?
  70. 70. Na prática.
  71. 71. Ciclo de melhoria contínua. Planejar Criar Interagir Mensurar Evoluir InsightImpacto
  72. 72. Onde atuamos com conteúdo preditivo. Planejar Criar Interagir Mensurar Evoluir InsightImpacto
  73. 73. Passo a Passo. Asolução
  74. 74. Conteúdo preditivo. Orientações dos usuários. Objetivo estratégico ou de negócios da marca. Produção de conteúdo criativo.
  75. 75. Foco no usuário. A participação nos comentários vai ser o termômetro de sucesso.
  76. 76. Então é só ver o que os usuários estão falando e tomar excelentes decisões?
  77. 77. Não.
  78. 78. Devemos tirar inteligência dos dados. Analisar o que faz mais sentido de acordo com o contexto.
  79. 79. E, para a alegria da galera de dados…
  80. 80. Fizemos uma tabela com todas as informações que ajudam na análise.
  81. 81. Que é popularmente conhecida como banco de dados.
  82. 82. Quais informações coletar? 1. Elementos. 2. Do post. 3. Dos comentários. 4. De performance.
  83. 83. Quais informações coletar? 1. Elementos. 2. Do post. 3. Dos comentários. 4. De performance.
  84. 84. Coletar tudo que está exposto e buscar um padrão de comportamento. • Homem • Ao ar livre • Espírito radical • Sem foco no produto • Imagem P&B • Sem copy na imagem O que está na imagem.
  85. 85. Quais informações coletar? 1. Elementos. 2. Do post. 3. Dos comentários. 4. De performance.
  86. 86. Todas as características ligadas a forma como a mensagem foi passada. ID, copy, formato, data e muito mais.
  87. 87. Quais informações coletar? 1. Elementos. 2. Do post. 3. Dos comentários. 4. De performance.
  88. 88. É preciso entender o sentimento e o contexto. Então, olhamos para todos os comentários.
  89. 89. E o mais valioso: o motivo de ter despertado esses sentimentos. Sentimentos positivos, negativos e neutros.
  90. 90. Quais informações coletar? 1. Elementos. 2. Do post. 3. Dos comentários. 4. De performance.
  91. 91. Alcance Likes Compartilhamentos Photo click Video view Link click KPIs regulares dos posts
  92. 92. Sem se esquecer da relação entre investimento e retorno.
  93. 93. Analisamos a variação dos comentários de acordo com o que foi coletado nos posts. Depois de coletar as informações.
  94. 94. Buscando o padrão negativo. Nosso objetivo é encontrar, dentro dos posts, os elementos comuns nas comunicações que tiveram uma performance pior que as demais. Além disso, entender a razão pelo aumento dos comentários negativos nesses casos.
  95. 95. Ateoria está entendida, mas agora dá pra ilustrar?
  96. 96. Trazendo para a realidade. Pegamos um cliente, que não podemos revelar, para ilustrar.
  97. 97. Régua de risco para deixar visual. Comparamos os temas e vimos como cada um performava.
  98. 98. Alto risco. Risco dentro do esperado. Baixo risco. Como cada tema funcionava para uma marca específica. Saúde. Verão. Amigos. Música.
  99. 99. É preciso tomar cuidado com elementos na comunicação com associação a vida saudável. Por exemplo, saúde é um tema arriscado.
  100. 100. Então quer dizer que o tema deve ser evitado sempre?
  101. 101. Não.
  102. 102. Aprendizados históricos sobre as reações dos fãs orientam a criação.
  103. 103. • O uso de uma versão light do produto. • O conceito de que em uma alimentação balanceada pode-se consumir de tudo. • O produto pode ser visto como uma recompensa pelo esforço. • Utilizar conceitos inspiracionais podem diminuir a repulsa. O tema saúde de uma forma que os fãs aceitem melhor.
  104. 104. O conteúdo preditivo é a abordagem correta em um tema perigoso para marca.
  105. 105. Benefícios.
  106. 106. Pirâmide de influenciadores. Benefícios:
  107. 107. Quanto menos comentários negativos, maior aceitação entre os fãs da marca.
  108. 108. Impedir que as pessoas propaguem boatos ou contaminem outros usuários que são 'indiferentes’.
  109. 109. Evitar novos haters. Advogados Gostam Indiferentes Não gostam Odeiam
  110. 110. Legado. Benefícios:
  111. 111. Diminuir o risco de crises causadas pelo próprio conteúdo postado.
  112. 112. Um guia de do’s e dont’s da marca feita pela reação dos usuários.
  113. 113. Operação. Benefícios:
  114. 114. Ganhos para cada pilar da produção: Criação. Interação. Mensuração.
  115. 115. Ganhos para cada pilar da produção: Criação. Briefing mais específico com o que não pode ser feito dentro de cada tema. O objetivo não é limitar e sim deixar a criação com orientações para que ela seja mais assertiva.
  116. 116. Interação. Ganhos para cada pilar da produção: Mais afinidade com os usuários e um guide de como interagir com pessoas que têm opiniões nocivas para marcas. Menos reclamações para resolver, pois o conteúdo é feito para gerar conversar positivas.
  117. 117. Mensuração. Ganhos para cada pilar da produção: Menos crises causadas pela comunicação, menor quantidade de menções para classificar. Diminuem também os reports e a necessidade de plantões para status updates.
  118. 118. Todo mundo feliz: marca, quem faz e PRINCIPALMENTE os usuários.
  119. 119. Questions?
  120. 120. Get in touch. /in/maristelaabreu /in/renan-dayube-4343814a lamartesi@gmail.com r.dayube@gmail.com

×