Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Uma reflexão sobre diagnóstico "clínico", Classificações
Internacionais e demanda espontânea.
Um diagnóstico completo cont...
Pois bem, para vc marcar uma consulta com um acupunturista no Centro de Saúde Funcional,
basta ligar e marcar. Nenhuma gui...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Diagnóstico clínico

21,563 views

Published on

  • Be the first to comment

Diagnóstico clínico

  1. 1. Uma reflexão sobre diagnóstico "clínico", Classificações Internacionais e demanda espontânea. Um diagnóstico completo contém, ao menos, 5 pontos: diagnóstico clínico (ou sindrômico), diagnóstico etiológico, diagnóstico patológico, diagnóstico topográfico e diagnóstico anatômico. O diagnóstico clínico (ou sindrômico) é a descrição de sinais e sintomas. O diagnóstico etiológico é a descrição da causa, nem sempre conhecida. O diagnóstico patológico é o resultado do estudo da doença, nem sempre presente. O diagnóstico topográfico identifica a região do corpo onde há o problema. O diagnóstico anatômico identifica exatamente o ponto anatômico onde ocorre o problema, nem sempre presente. Vamos pegar dois exemplos antes de questionar. (1) Se essa guia que precisa do código da CID tem o código M54.2 (Cervicalgia) colocado por um médico: Veja que é um diagnóstico incompleto, pois, diz apenas respeito ao diagnóstico topográfico (cervic{...}) e clínico ({...}algia). Faltam o etiológico, o patológico e o anatômico. Mesmo assim, ele é muito comum e naturalmente aceito. (2) Se a guia que precisa da CID tem o código F80.1 (Transtorno expressivo da linguagem vejam que é o mesmo nível do exemplo anterior, uma letra e três números) colocado por um fonoaudiólogo: Veja que, novamente, é um diagnóstico incompleto, pois, diz apenas respeito ao diagnóstico topográfico (linguagem é uma função mental) e clínico (transtorno expressivo ou "da expressão"). Faltam o etiológico, o patológico e o anatômico. É um código comum em crianças, deve ser naturalmente aceito, mas nem sempre é. Como as pessoas (muitos profissionais fisioterapeutas) não entendem pra quê serve a CID, aceitam ou não a guia por ter sido emitida ou não por um médico. Isso não tem a menor relação com a Classificação Internacional, muito menos, com o diagnóstico em si (certo ou errado/completo ou incompleto). O processamento (não se diz mais "faturamento") exige o código da CID como informação de saúde. O problema está nos profissionais que entendem que a CID é de domínio médico. Aí é que está o equívoco! Em relação à demanda espontânea, como todos sabem, o Decreto Presidencial 7508 (que regulamenta a Lei 8080) define quais são as portas de entrada do SUS, entre elas, a Atenção Primária (vejam o artigo 9°). A atenção secundária não é porta de entrada, necessitando de encaminhamento de um equipamento que seja porta de entrada. Então, para que o fisioterapeuta seja porta de entrada, ele deve estar na ATENÇÃO BÁSICA. Exemplo: Na cidade onde trabalho, há dois serviços de Acupuntura. Um deles funciona no Centro de Saúde Funcional, que é da Atenção Básica. Os especialistas são todos fisioterapeutas (havia um médico até pouco tempo atrás). O outro serviço de acupuntura funciona no ambulatório do hospital municipal, que é uma OSS vinculada à atenção secundária. Os especialistas em acupuntura de lá são todos médicos.
  2. 2. Pois bem, para vc marcar uma consulta com um acupunturista no Centro de Saúde Funcional, basta ligar e marcar. Nenhuma guia de encaminhamento é exigida. A consulta é registrada no processamento (antigo faturamento) da mesma forma que a consulta numa UBS, com pediatra, clínico geral, ginecologista, enfermeiro, psicólogo, assistente social, nutricionista (todos da atenção básica). Mas, para marcar com o acupunturista do hospital (atenção secundária), a guia de encaminhamento é exigida. Conclusão: o que define a necessidade de um encaminhamento é a localização organizacional do equipamento dentro do sistema (atenção primária/secundária/terciária). Jamais a formação profissional de quem atende.

×