Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.

1,254 views

Published on

Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.
Trabalho em Microsoft Word.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Resumo sobre a a matéria (O iluminismo e as reformas pombalinas) de 8ºano.

  1. 1. 1-O Iluminismo Razão e progresso Foi no Renascimento que o Homem, despertado pela sua curiosidade, foi conduzido à pretensão de querer conhecer o funcionamento de tudo o que estava à sua volta. Na sequência deste espírito crítico, iniciou-se no século XVII, uma revolução científica, em que os conhecimentos só eram considerados corretos depois de confirmados pela experiência e pela Razão, surgindo assimo método experimental. Esta nova mentalidade europeia levou, no século XVIII, ao Iluminismo, que através do ensino e da difusão do saber procurava instruir o Homem e "iluminá-lo" com a luz da Razão, do progresso, da cultura e do conhecimento (Racionalismo). Os ideais iluministas O Iluminismo defendeu inovadoras alterações sociais e políticas, criticando a ordem estabelecida e defendendo os ideais de progresso, liberdade, igualdade, tolerância, direito à felicidade das nações e à justiça social. A crítica iluminista Os filósofos e intelectuais iluministas, com as suas ideias, contribuíram para mudanças sociais e políticas profundas na Europa, que acabarão por enraizar-se em inúmeros países do mundo e estar na base do Liberalismo, que se viria a implantar, sobretudo na Europa, a partir dos finais do século XVIII. Os principais filósofos das Luzes foram:  Rousseau – defendeu, na sua obra O Contrato Social, o princípio da soberania popular e a igualdade de todos os cidadãos perante a lei;  Voltaire – afirmou que o rei devia governar em nome do povo, defendendo os princípios da justiça social, da liberdade, da tolerância religiosa e criticou os privilégios do clero e da nobreza;  Montesquieu – defendeu, na sua obra O Espírito das Leis, a separação de poderes (legislativo, executivo, judicial), e a limitação do poder real. Estas novas ideias difundiram-se rapidamente pela Europa e América do Norte através:  das academias – instituições onde os cientistas e os intelectuais se reuniam, apresentavam e debatiam as suas ideias e descobertas, divulgando-as em jornais e livros especializados;  da Encyclopédie – obra onde se reuniram todos os conhecimentos, tendo sido dirigida pelo filósofo e escritor Denis Diderot e pelo matemático D'Alambert;  dos salões, clubes e cafés – pontos de encontro e de convívio de burgueses, nobres e até de monarcas, onde se trocavam ideias e conhecimentos entre as elites intelectuais;  da maçonaria – sociedade secreta, da qual faziam parte nobres, burgueses, filósofos e cientistas, que tinha como objetivo construir uma nova ordem política baseada nos ideais iluministas; O despotismo iluminado ou esclarecido Alguns iluministas, perante a dificuldade de aplicação de todas as suas ideias, aceitarama existência de reis absolutistas que exercessemo seu poder semo povo, mas também a favor
  2. 2. do povo, ou seja, não eram eleitos pelo povo, mas deviam governar tendo em vista o bem- estar de toda a população. Estes monarcas eram chamados «déspotas esclarecidos» ou «iluminados», pois, embora continuassem a ter o poder absoluto, governavam também a favor do terceiro estado e não apenas das ordens priveligiadas. Assim, alguns monarcas absolutistas adotaram medidas no sentido de melhorar as condições de vida do povo e de promover o desenvolvimento cultural do seu reino. Foram os casos de Frederico II, da Prússia, Catarina II, da Rússia e, emPortugal, de D.José I, através da ação do seu ministro, o marquês de Pombal. 2-As reformas pombalinas Portugal na segunda metade do século XVIII: a ação do Marquês de Pombal Durante o reinado de D. João V, chegaram a Portugal grandes quantidades de ouro provenientes do Brasil, que serviram para o monarca proteger as artes e as letras. Contudo, o ouro contribuiu, também, para paralisar a economia nacional, já que pagava tudo aquilo que não produzíamos. Em 1750, com a subida ao trono de D. José I, Sebastião José de Carvalho e Melo, foi nomeado secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra e obteve o título de Marquês de Pombal. Adepto do despotismo esclarecido ou iluminado, desenvolveu uma política económica inspirada no mercantilismo com o intuito de recuperar a economia portuguesa que dava sinais de crise desde os últimos anos do reinado D. João V. Assim, melhorou a eficácia da administração do Estado com a criação de companhias monopolistas, nomeadamente as Companhias do Grão-Pará e Maranhão, para o comércio brasileiro; e a Companhia das Vinhas do Alto Douro, para controlar a produção e o comércio do vinho do Porto. Mas, o ouro brasileiro que, desde os finais do reinado de D. João V, dava sinais de escassez, sofre uma nova quebra a partir de 1763, assimcomo os diamantes e o açúcar, forçando o Marquês de Pombal a empreender uma política de fomento industrial. Neste período, com a concessão de subsídios e de isenções de impostos, criaram-se ou remodelaram-se cerca de 200 fábricas (têxteis, vidro, papel, louças, chapéus…), contribuindo para o desenvolvimento da burguesia. O reforço do poder do Estado Neste período, o Marquês de Pombal procurou conceber uma sociedade de acordo com os ideais do despotismo esclarecido ou iluminado. Para isso, procurou retirar poder à nobreza tradicional e ao clero, nomeadamente aos jesuítas que dominavam a cultura e o ensino em Portugal e nas colónias. Em contrapartida, promoveu socialmente uma burguesia engrandecida com a atividade comercial. Aproveitando o atentado contra D. José I, em 1758, o Marquês de Pombal acusou alguns elementos da nobreza e do clero de conspirar contra o rei. Vários elementos da família dos Távoras foram presos, julgados, condenados à morte e os seus bens confiscados. Os Jesuítas, também acusados, foram expulsos de Portugal. Desta forma, o poder do rei foi reforçado e os grupos privilegiados submetidos à sua autoridade. Para reforçar o aparelho do Estado foram criados:  o Erário Régio, para controlar as finanças públicas;  a Junta de Comércio, para controlar o fomento industrial e a atividade comercial;  a Real Mesa Censória, para vigiar todo o tipo de publicações;  a Intendência Geral da Polícia, que separava a função judicial da policial.
  3. 3. O desenvolvimento e a laicização do ensino Portugal revelava-se, na primeira metade do século XVIII e à semelhança do século anterior, um país culturalmente atrasado devido à ação do Index e da Inquisição que muito limitaram a entrada de novas ideias. Em meados do século XVIII, as novas ideias e valores iluministas chegam a Portugal através de diplomatas, professores e cientistas portugueses que trabalharam ou estudaram noutros países da Europa – estrangeirados. Estas novas ideias iluministas foramdifundidas por um amplo conjunto de meios de partilha, discussão e divulgação de conhecimentos (livros, jornais, cafés, academias, salões e clubes). O ministro Marquês de Pombal, que também tinha sido estrangeirado e ambicionava modernizar Portugal, segundo os princípios do despotismo esclarecido, com base nas ideias dos estrangeirados, pôs em prática uma reforma no ensino português:  instituiu as escolas de ler, escrever e contar, lançando as bases do ensino primário oficial;  criou escolas régias, para o ensino de Humanidades;  criou o Real Colégio dos Nobres, para a instrução da nobreza;  instituiu a Aula do Comércio, para a educação dos burgueses;  reformou a Universidade de Coimbra, dotando-a de novos estatutos, que permitiram a criação de novas faculdades, onde se desenvolveram novos métodos de ensino;  fundou institutos de apoio ao ensino superior para promover o ensino prático, alicerçado na observação e na experiência. As reformas pombalinas no ensino abriram caminho a uma renovação pedagógica, não só pelos novos métodos de ensino que defendiam, como também pela laicização implementada, isto é, pela libertação do ensino como exclusivo da Igreja, e passando à responsabilidade do Estado. O urbanismo pombalino No dia 1 de novembro de 1755, a cidade de Lisboa foi abalada por um violento terramoto, seguido de um marmoto e um incêndio que destruíram inúmeras habitações da “baixa” lisboeta. De imediato, o Marquês de Pombal ocupou-se de medidas para recuperar a cidade, entregando ao engenheiro Manuel da Maia e aos arquitetos Eugénio dos Santos e Carlos Mardel o plano de reconstrução de Lisboa. A nova Lisboa reflete os ideais do urbanismo da época:  ruas traçadas geometricamente;  avenidas largas para facilitar a circulação de seges e coches;  construção de passeios para peões;  instalação de uma rede de esgotos;  prédios com a mesma altura e com fachadas iguais;  construção mais resistente contra sismos;  andares superiores para residências;  pisos térreos para as lojas dos comerciantes. A cidade passa a ser uma imagem do poder e a Praça do Comércio o símbolo do gracioso urbanismo pombalino.

×