Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

185 infosemanal23042010

355 views

Published on

Comentário semanal Macrometria

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

185 infosemanal23042010

  1. 1. Macrometria Abril 2010 www.macrometria.pt 23 de Abril de 2010 Comentário semanal: Crise na Grécia acentua-se, Portugal sofre efeito de contágio A revisão em alta do défice Grego voltou a provocar grande agitação nos mercados esta semana, afectando em particular os juros sobre a dívida Grega e Portuguesa e o euro. Os indicadores de actividade voltaram a registar melhorias significativas na Zona Euro em Março e em Abril. Eurostat revê em alta o défice Grego em 2009 e exprime reservas relativamente aos dados publicados pela Grécia Esta semana, os mercados continuaram a ser fortemente abalados pela incerteza relativamente à situação das contas públicas na Grécia, depois do Eurostat rever em alta o défice de 2009 quase 1 ponto percentual (p.p.), ou seja, de 12,7% para 13,6% do PIB. Para além do mais, o Eurostat exprimiu dúvidas sobre a clas- sificação de algumas entidades públicas, sobre o registo de operações de swaps e sobre o superavit dos fun- dos da segurança social. O Eurostat estima que, depois de resolvidas estas questões, o défice poderá vir a subir entre 0,3 e 0,5 pontos percentuais. Esta notícia levou os mercados a castigarem muito severamente a dívida Grega, com as taxas de juro sobre as Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos a atingirem 8,92% no final do dia de ontem. Portugal sofreu também um efeito de contágio e as taxas de juro subiram para 4,99%. A situação acalmou ligeiramente esta manhã, quando o Governo Grego anunciou que irá pedir os 30.000 milhões de euros de empréstimos bilaterais disponibilizados pelos Estados-membros da Zona Euro. As taxas de juro Gregas desceram hoje para 8,6%, mas as taxas Portuguesas mantiveram-se em 4,95%. O euro tem continuado a sofrer com esta crise de confiança nas contas públicas europeias e, só esta semana, desva- lorizou 1,7% relativamente ao dólar. Portugal na linha de mira dos mercados Portugal encontra-se agora na posição muito desconfortável de ser o próximo país na mira dos mercados. Os motivos que levaram a esta situação não são completamente óbvios. Portugal apresenta um nível de dívida e défice inferiores à maioria dos países mais laxistas em termos de finanças públicas. A justificação poderá estar na percepção que o Governo Português não tem feito esforços tão significativos como a Gré- cia, e sobretudo como a Irlanda, para reduzir o défice e a dívida pública. Mas os motivos são secundários. O que interessa é que, se os mercados decidirem punir muito severamente as OT Portuguesas, o efeito de bola de neve sobre a dívida Portuguesa poderá ser muito superior ao dos anos anteriores. Se as taxas de juro se mantiverem próximas de 5% (isto é, cerca de 1 p.p a mais do que a média de 2009), a dívida só estabilizará se o saldo primário subir para cerca de 2,0-2,5%. Actualmente o PEC prevê que a dívida estabilize quando Euro continua a ser afectado pela crise da dívida Spreads da Grécia e Portugal continuam a subir 1.55 7 Diferença entre OT Gregas e Alemãs a 10 anos, % 1.5 6 1.45 5 1.4 Portugal Apreciação 4 Grécia 1.35 Espanha 3 Irlanda 1.3 1.25 2 1.2 1 2/1/09 3/3/09 2/5/09 1/7/09 6/2/10 7/4/10 22/1/09 11/2/09 23/3/09 12/4/09 22/5/09 11/6/09 21/7/09 10/8/09 30/8/09 19/9/09 9/10/09 8/12/09 17/1/10 26/2/10 18/3/10 29/10/09 18/11/09 28/12/09 0 07 08 09 10 Fonte: BCE Fonte: BCE e Bancos Centrais Nacionais , dados de Abril 2010 são de dia 22. 1
  2. 2. Macrometria Abril 2010 a soma do saldo primário e outros factores de ajustamento atinjam 1,7%. Indicadores de actividade melhoram na Europa Para contrabalançar as más notícias nos mercados financeiros, os indicadores de actividade publicados esta semana mostram que a economia da Zona Euro continua a recuperar. Os indicadores Purchasing Managers Indicator (PMI), que se baseiam em inquéritos feitos às empresas da Zona Euro sobre a actividade, voltaram a subir em Abril. O indicador da Indústria subiu de 56,6 para 57,5 em Abril e o indicador dos Serviços de 54,1 para 55,5. Estes indicadores estão agora muito acima de 50, nível consistente com estagnação do PIB, e próximo de valores consistentes com crescimento potencial do PIB. Na Alemanha, o indicador de actividade do Instituto Ifo subiu 3,4 pontos em Abril, graças sobretudo a melhorias no sub-indicador de condições actuais (+4,8 pontos). Finalmente, em Portugal, o indicador coin- cidente mensal de actividade do Banco de Portugal registou, em Março, uma variação homóloga de 0,4% relativamente a Março do ano passado. O indicador tem registado variações positivas desde Janeiro deste ano e sugere que a economia não deverá ter voltado a entrar em recessão no início do ano. É possível que a indústria europeia esteja a beneficiar da queda do euro. Inês Domingos Zona Euro: PMI da Indústria atinge nível mais alto desde Jun 2006 Indicador de confiança nos negócios na Alemanha: situação actual 65 regista melhorias significativas Índice 120 60 Índice 110 55 Crescimento 50 100 Recessão 45 90 40 80 Indústria 35 Serviços 70 30 Ifo Situação actual Expectativas Mar-06 Sep-06 Mar-07 Sep-07 Mar-08 Sep-08 Mar-09 Sep-09 Mar-10 60 Jan-07 Jul-07 Jan-08 Jul-08 Jan-09 Jul-09 Jan-10 Fonte: Markit, Abril é estimativa rápida Fonte: Instituto IFO 2

×