Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Do Webdesign ao Mediadesign: idéias para repensar o branding na internet

718 views

Published on

Apresentação feita para o 8o forum de comunicação da UNIFRA/Santa Maria.

Published in: Education, Technology, Business

Do Webdesign ao Mediadesign: idéias para repensar o branding na internet

  1. 1. Vídeo Did you Know 4.0
  2. 2. Internet Web Design Webdesign Mídia Interfaces Branding
  3. 3. A evolução da computação está ligada ao cálculo e armazenamento.
  4. 4. O computador realiza operações. Essa faceta de máquina de processar, calcular, buscar resultados é fundamental para pensarmos a Internet.
  5. 5. Computadores contém dados. Computadores são organizáveis em redes. Internet conecta redes de computadores com dados.
  6. 6. Professor at the Visual Arts Department, University of California - San Diego (UCSD). 2008
  7. 7. anterior A tela é uma tecnologia muito às possibilidades recentes que tomamos contato hoje, da Renascença ao cinema do século XX.
  8. 8.  A cultura visual do período moderno é caracterizada por um intrigante fenômeno – a existência de um outro espaço virtual, um outro mundo tridimensional fechado por uma moldura e situado dentro do nosso espaço normal.
  9. 9. A moldura (frame) separa dois espaços absolutamente diferentes que de alguma forma coexistem.
  10. 10.  Herança da pintura: pensar nas proporções e nas nomenclaturas portrait e landscape usadas hoje.
  11. 11.  A tela que disponibiliza uma imagem que muda no tempo. A tela do cinema, tv, vídeo.  Impõe uma outro protocolo de visualização entre a imagem e o espectador.
  12. 12.  Já aparecia na tela clássica, mas agora aumenta a noção de “preenchimento completo da tela pela imagem”, descarte do espaço “ao redor” da tela pelo foco que a mesma requisita. Imersão.
  13. 13. A tela é agressiva. Ela filtra o entorno.
  14. 14.  Esta relação-protocolo de visualização (tela é desafiada quer sua atenção total) com a chegada da tela do computador.
  15. 15.  Ao contrário da fotografia e do cinema (imagens estáticas, ou imagens estáticas em seqüência), vemos pela 1ª vez uma tela cuja imagem pode mudar em tempo real, mostrando mudanças no referente (posição de objeto ou mudança nos dados do computador).
  16. 16. A tela de tempo real é o terceiro tipo de tela, inaugurada pelo radar.
  17. 17.  Janelas coexistentes no lugar de uma única imagem, princípio da Graphical User Interface (GUI).
  18. 18.  A concentração da visualização deixa de ser em apenas uma imagem.  Blocos de dados de texto, imagem, vídeo sugerem que a tela do computador tem mais a ver com design gráfico e janelas.
  19. 19.  A informação processada passa a ser representada na tela de tempo real: lugar de inserir e retirar informação de um computador.
  20. 20.  Aomudar algo na tela, mudamos algo na memória do computador
  21. 21.  Clássica Dinâmica – Real time – Interativa
  22. 22.  Sistema que faz a mediação de um usuário solicitante com um sistema pré-programado que busca atendar as demandas do primeiro.  Duas áreas gostam de lidar muito com a interface: Design + estudos de HCI (Human-computer Interface)
  23. 23. Quando estamos diante de uma tela clássica+dinâmica+realtime +interativa provavelmente temos uma interface digital na nossa frente.
  24. 24.  Criada em 1991 por Tim-Berners Lee espaço hipertextual global e aberto, no qual qualquer informação pudesse ser acessada através de um único Universal Document Identifier (Identificador Universal de Documentos).  A web fez pela Internet o que o Windows fez pelo computador, tornou a interface “amigável”.
  25. 25. Os softwares chamados navegadores, permitem que se acesse os documentos HTML que universalizam a forma de “recepção” do conteúdo que se desejasse fazer circular pela Internet. Textos, imagens, sons, vídeos começam a aparecer nas interfaces digitais da web. O usuário ao requisitar uma página, faz um “pedido” ao servidor que a disponibilize.
  26. 26. GRIDS
  27. 27. O [uso do] grid é a manifestação mais vívida do desejo de ordenar no design. (Vinh e Boulton, 2007)
  28. 28. Ordem total na experiência? Nunca terão.
  29. 29. Ainda assim, a web é o lado mídia da Internet. Mas...o que é mídia?
  30. 30.  QUANTO MAIS O HOMEM DESEJA ATINGIR O REAL, MAIS “MÍDIAS” CRIA PARA CHEGAR LÁ.  TÉCNICAS, FORMAS E SIGNIFICADOS SÃO LEVADOS, REMIXADOS, ABSORVIDOS DE UMA MÍDIA PARA O OUTRA. DA ANTIGA PARA A NOVA E VICE-VERSA.
  31. 31.  Atos de remidiação:  empréstimo, arquivamento, remodelagem, absorção.
  32. 32.  As chamadas mídias digitais podem ser melhor compreendidas pelas formas pelas homenageiam, quais rivalizam e revisam a pintura em perspectiva, fotografia, filme, televisão e impresso. O que é novo sobre as “novas mídias” seria a forma particular com que estes aspectos são tratados entre as mídias novas e antigas.
  33. 33. Tudo isso está acontecendo nas experiências que se passam nas interfaces, que carregam o lado mídia da internet na web, ou agora nos…
  34. 34. …APPs
  35. 35. Ou touch sites
  36. 36. Photo: Woodlywonderworks (Flickr)
  37. 37. Internet Web Design Webdesign Mídia Interfaces Branding
  38. 38. Não conte para os colegas do curso de Design, mas eu vou resumir 8 semestres em uma frase.
  39. 39. DESIGN É PROJETO. #prontofalei
  40. 40. E se o publicitário pensasse MENOS em peça/formato/veiculação e MAIS em projetar experiência/engajamento e conteúdo?
  41. 41. Mediadesign seria projetar a comunicação nas telas pensando que a experiência está acontencendo antes, durante e depois delas.
  42. 42. Objetivo disso tudo: BRANDING “Atividade de associação do nome da marca à significados, emoções, imagens que são relevantes para o processo decisório dos consumidores e stakeholders em geral” (Keller e Machado, 2006).
  43. 43. CASES, EXEMPLOS
  44. 44.  We choose the moon  Let´s Colour (Dulux)
  45. 45.  Google TV  IAd
  46. 46.  As telas digitais misturaram as mídias e acrescentaram os softwares  Projetar experiências é pensar para além da zona de segurança dos menus, colunas e “sacadinhas”.  Projetar a mídia como participante da experiência, se a web estiver junto, tudo bem.  Acompanhar o Google Labs e não só os TTs do Twitter ou o que disseram no festival de publicidade de gramado.
  47. 47. Twitter/gusfischer Slideshare.net/gusfischer fischer.gustavo@gmail.com Unisinos.br/design

×