Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013

18,703 views

Published on

0 Comments
28 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
18,703
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
753
Comments
0
Likes
28
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Terapêutica medicamentosa e prescrição em cbmf 2013

  1. 1. Prof. Guilherme Terra
  2. 2.  São substâncias ministradas ou prescritas aos pacientes com o intuito de controlar, prevenir ou erradicar a sensação dolorosa, inflamações, infecções, o medo e/ou a ansiedade. (Burke, 1961; Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  3. 3.  Tópica: Efeito local; a substância é aplicada diretamente onde deseja-se sua ação. Enteral: Efeito sistêmico; recebe-se a substância via trato gastrointestinal. Parenteral: Efeito sistêmico; a substância é aplicada por outra forma que não pelo trato gastrointestinal. (Pacca et al., 2000)
  4. 4.  Importante fenômeno biológico para a defesa do organismo. Porém, desconfortável para o indivíduo acometido. Inerente a procedimentos odontológicos, principalmente aos cirúrgicos, sendo sua intensidade relacionada diretamente com a extensão e tempo de exposição ao trauma. (Rossi Jr, 2002)
  5. 5.  Antiinflamatórios esteroidais; Antiinflamatórios não-esteroidais (AINEs); Analgésicos; (Burke, 1961; Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  6. 6.  Os corticóides são definidos como hormônios sintéticos que mimetizam as ações do cortisol endógeno secretado pela glândula adrenal. Seus efeitos terapêuticos são atribuídos à supressão dos mecanismos envolvidos na resposta inflamatória, levando a uma diminuição dos níveis de mediadores químicos pró-inflamatórios no local da injúria. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  7. 7.  Os corticóides estão indicados no controle de processos inflamatórios agudos. Em altas doses e o uso contínuo pode levar distúrbios metabólicos como hiperglicemia e queda na secreção de corticóides endógenos. Pacientes que fazem uso prolongado de corticóide podem, ainda, apresentar maior predisposição a infecções. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  8. 8.  Uma única dose de corticosteróide, mesmo que elevada ou por poucos dias de tratamento não produzirá efeitos nocivos ao paciente. O uso de corticosteróides é contra-indicado em pacientes portadores de:  Doenças fúngicas;  Portadores de herpes simples ocular;  Histórico de doenças psicóticas;  Portadores de tuberculose ou histórico;  Em situações de hipersensibilidade à droga. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  9. 9.  Podem ser utilizados apenas como medicação pré operatória ou como pré e pós operatória. As drogas de eleição seriam a Betametasona (Celestone®) ou a Dexametasona (Decadron®). 4 Mg 1 hora antes para o pré operatório. 4 Mg por dia durante dois ou três dias no pós operatório. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  10. 10.  Agem sobre a cicloxigenase  Não seletivos – inibem totalmente Cox 1 e 2  Diclofenacos – ácido fenilacetico  Nimesulida - nimesulide  Ácido mefenâmico - fenamato  Ibuprofeno – ácido propiônico  Naproxeno – ácido propiônico  Piroxicam - Oxicanas  Meloxicam - Oxicanas  Tenoxicam - Oxicanas  Seletivos – inibem apenas Cox 2  Rofecoxibe – Vioxx 25 mg  Celecoxibe – Celebra 200mg  Valdecoxibe – Bextra 40mg
  11. 11.  Eficácia comprovada; Seguros e muito estudados; Podem levar a distúrbios gastrointestinais; (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  12. 12.  Os mais usados na Odontologia. Dosagem eficaz de 150 Mg por dia em três doses, por três a quatro dias. As Marcas comerciais mais conhecidas são o Voltaren® e o Cataflam®. (Anvisa, 2009)
  13. 13.  Nisulid – 100 mg  Dose diária 200 mg ( 2 x 100 mg)  Dose máxima – 400 mg ( 2 x 200 mg)
  14. 14.  Postan – 500mg  1 comp – 3 vezes ao dia
  15. 15.  Seletividade para inibição da Cox-2 quase 10 vezes maior que dos diclofenacos. Dose única diária de 15mg por três a quatro dias. Marca comercial mais conhecida é o Movatec®. (Anvisa, 2009)
  16. 16.  Dose única diária de 20mg por três a quatro dias. Nome comercial: Feldene® Não deve ser utilizado em pacientes que faz uso de anticoagulantes. (Anvisa, 2009)
  17. 17.  Tilatil - 20 mg Genérico – 20 mg Tilatil injetável – 20 mg  Dose diária – 20 mg  Dose máxima – 60 mg ( 3 x 20 mg)
  18. 18.  Antiinflamatório mais estudado e utilizado nos EUA. Dose de 400 mg, três vezes ao dia, 3 a 4 dias. A marca comercial mais conhecida é o Motrin®. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  19. 19.  Os inibidores seletivos da Cox-2, conhecidos como coxibs, vieram com o objetivo de, teoricamente, reduzir os efeitos colaterais provenientes da inibição da Cox-1, sendo o principal deles, os distúrbios gastrintestinais. Estão caindo em desuso por sua questionada segurança e diminuição de efeitos colaterais. (Rossi Jr, 2002)
  20. 20.  Alguns autores concordam que os inibidores seletivos da Cox-2 não substituem os antiinflamatórios convencionais no tratamento da dor de curta duração e que os coxibs seriam mais indicados em tratamentos longos. (Rossi Jr, 2002)
  21. 21.  Foi o primeiro coxib desenvolvido; Ainda pouco estudado; Custo elevado; (Rossi Jr, 2002)
  22. 22.  É o que apresenta maior especificidade para a Cox-2. Muitos trabalhos determinaram 120 mg de etoricoxib, como sendo a dose mínima eficaz no controle da dor aguda, porém esta dosagem foi recentemente tirada do mercado. (Rossi Jr, 2002)
  23. 23.  São indicados no tratamento de dores leves e moderadas. Deprimem diretamente o nociceptor sensibilizado através do bloqueio da entrada de cálcio nas terminações nervosas livres. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  24. 24.  Elevada atividade analgésica e antipirética. Suas reações adversas, bem como contra- indicações estão relacionadas à hipersensibilidade e discrasias sangüíneas. Lisador®, Anador® e Novalgina®. A dose recomendada é de 2 gramas ao dia, dividida em 4 doses. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  25. 25.  Não causa irritação gástrica, não inibe a agregação plaquetária e não prolonga o tempo de sangramento. Seus efeitos adversos limitam-se aos casos onde há superdosagem. Tylenol®; Dôrico®; A dose indicada é de 3 gramas ao dia, dividida em 4 doses. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  26. 26.  O princípio de ação dos opióides está relacionado com a depressão dos mecanismos centrais envolvidos na nocicepção, ou seja, afetam a percepção e reação aos impulsos que atingem o sistema nervoso central. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  27. 27.  São indicados no tratamento de dores agudas moderadas e intensas, onde os analgésicos de ação periférica não apresentaram resultados satisfatórios. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  28. 28.  Têm efeitos colaterais consideráveis.  Depressão respiratória, constipação intestinal, náuseas e vômitos, boca seca, hipotensão arterial e retenção urinária. A prescrição deve ser feita em receituário controlado.  Seu uso prolongado pode causar dependência. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  29. 29.  Cloridrato de Tramadol (Tramal®). A dose recomendada é de 50mg de 6 em 6 Horas. Cloridrato de oxicodona (Oxycontin®). A dose recomendada é de 10mg a cada 12 horas. Acetaminofeno + Codeína (Tylex®). A dose recomendada é de 30 Mg a cada 4 horas. (ANVISA, 2009; Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  30. 30.  São medicamentos empregados para o tratamento e prevenção de qualquer ocorrência infecciosa. Em Cirurgia, os mais comumente utilizados são os antibióticos e os bochechos. Como prevenção pode ser utilizado no pré e pós operatório. (Burke, 1961; Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  31. 31.  De acordo com os riscos de contaminação, as cirurgias são classificadas em:  Limpas  Potencialmente contaminadas  Contaminadas  Infectadas
  32. 32.  Cirurgias Limpas  Cirurgias em que não ocorrem penetrações nos tratos digestivo, respiratório ou urinário.  São realizadas em tecidos estéreis ou passíveis de descontaminação, na ausência de processo infeccioso local.  Cirurgia cardíaca, Neurocirurgia, Procedimentos cirúrgicos ortopédicos, Mastoplastia, etc...
  33. 33.  Cirurgias Potencialmente Contaminadas  Ocorre penetração nos tratos digestivo, respiratório ou urinário sem contaminação significativa.  São as realizadas em tecidos colonizados por flora microbiana pouco numerosa, em tecidos cavitários com comunicação com o meio externo, ou de difícil descontaminação  Histerectomia, cirurgia do intestino delgado, Cirurgia gástrica e duodenal, Cirurgias cardíacas prolongadas com circulação extracorpórea, etc...
  34. 34.  Cirurgias Contaminadas  Ocorre penetração nos tratos digestivo, respiratório ou urinário sem contaminação significativa.  São as realizadas em tecidos colonizados por flora microbiana abundante, de difícil descontaminação  Cirurgia de cólon, Debridamento de queimaduras, Cirurgia de orofaringe, Cirurgia bucal, etc...
  35. 35.  Cirurgias Infectadas  São as realizadas em qualquer tecido, na presença de processo infeccioso local.  Drenagem de abcesso
  36. 36.  Risco de Infecção  Cirurgia Limpa – 1 à 5%  Cirurgia Potencialmente Contaminada – 3 à 10%  Cirurgia Contaminada – 15%  Cirurgia Infectada – 30% Elevam o Risco  Extremo de Idade  Corpo Estranho  Re-entrada Cirúrgica  Doenças Sistêmicas
  37. 37.  Antibiótico utilizado no pré-operatório. O principal objetivo é prevenir a infecção durante o período de cicatrização inicial da ferida cirúrgica.  Instalação de implantes;  Enxertos;  Sítios previamente infeccionados;  Risco de Endocardite (Dose diferente das demais). (Burke, 1961)
  38. 38.  1 grama de Amoxicilina 1 hora antes do procedimento. 600 Mg de Clindamicina 1 hora antes do procedimento. 1 grama de Cefalexina 1 hora antes do procedimento. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  39. 39.  Prevenção da Endocardite infecciosa; Segundo a AHA os Antibióticos de eleição em profilaxia antibiótica são a Amoxicilina e a Clindamicina. Pode ser utilizado também a Cefalexina; (American Heart Association, 2008)
  40. 40.  Deve ser utilizada em procedimentos cirúrgicos, endodônticos e outros que promovam sangramento abundante. (American Heart Association, 2008)
  41. 41.  2 gramas de Amoxicilina 1 hora antes do procedimento. 600 Mg de Clindamicina 1 hora antes do procedimento. 2 gramas de Cefalexina 1 hora antes do procedimento. (American Heart Association, 2008)
  42. 42.  Antibiótico ministrado somente no pós-operatório. Utilizada sempre em Cirurgia após intervenções cirúrgicas de natureza mais traumática, prolongada e/ou em caso de quebra da cadeia asséptica. As infecções pós-operatórias ocorrem entre o 3º e 4º dia. Os antibióticos mais utilizados são a Amoxicilina, Clindamicina e Cefalexina. (American Heart Association, 2008)
  43. 43.  Amoxicilina 500mg, 1.5 gramas em 3 tomadas diárias durante 7 dias. Clindamicina 300mg, 900 mg em 3 tomadas diárias durante 7 dias. Cefalexina 500 mg, 2 gramas em 4 tomadas diárias durante 7 dias. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  44. 44.  Estudos demonstraram melhora na cicatrização do tecido mole e um adjunto efetivo na redução da placa bacteriana. Bochecho pós-operatório: Clorhexidina 0,12%, 2 vezes ao dia durante 14 dias. (Randolph, Resnik & Misch, 2008)
  45. 45.  Amoxicilina 500 Mg  1 Cápsula de 8 em 8 horas, durante 7 dias. Diclofenaco Sódico 50 Mg  1 Drágea de 8 em 8 horas, durante 3 ou 4 dias. Dipirona Sódica 500 Mg ou Paracetamol 750 Mg  1 Comprimido de 6 em 6 horas, em caso de dor.
  46. 46. RECONHECIDA - PORTARIA MINISTERIAL MEC N 2.376/05 - DOU DE 05/07/05Para Sr. (a) Fulano de TalUSO INTERNO1) Amoxicilina 500 Mg - 21 Cápsulas Tomar 1 Cápsula por via oral, a cada 8 horas, 3 vezes ao dia,durante 7 dias.2) Diclofenaco Sódico 50 Mg – 12 Drágeas Tomar 1 Drágea por via oral, a cada 8 horas, 3 vezes ao dia, durante 4 dias.3) Paracetamol 750 Mg Tomar 1 Comprimido por via oral, a cada 6 horas , em caso de dor. Dr. Guilherme TerraSão Paulo, ______ / _______ / ________. Cirurgião Dentista CRO-SP 85.806 IDENTIFICAÇÃO DO COMPRADOR IDENTIFICAÇÃO DO FORNECEDOR Nome: ___________________________ Ident.: __________ Órg. Emissor: ____ End.: ____________________________ Cidade: _________________ UF: _____ Telefone:_________________________ ________________ ASSINATURA DO FARMACÊUTICO DATA: ______/____/_____ Av. Interlagos, 1329 – Chácara Flora – SP – Tel.: 5694-7900 – Fax.: 5524-8121 – CEP 04661-100
  47. 47.  Podemos lançar mão de medicações benzodiazepínicos ansiolíticos para controlar o medo e ansiedade diante de um tratamento odontológico, principalmente intervenções cirúrgicas. Normalmente deve ser tomado momentos antes da cirurgia. Para pacientes extremamente ansiosos, recomenda-se uma dose na noite anterior. (Misch, Resnik & Dietsh, 2008)
  48. 48.  É o ansiolítico mais empregado em procedimentos ambulatoriais. A dosagem usual para adultos varia de 5 a 10mg, 01 hora antes do procedimento. Os efeitos clínicos desaparecerem de 2 a 3 horas. (Misch, Resnik & Dietsh, 2008)
  49. 49.  A dosagem usual para adultos é de 3 Mg, 01 hora e antes do procedimento. Não deve ser utilizado com outros medicamentos que atuem no SNC. Os efeitos clínicos desaparecerem de 6 a 8 horas. (Misch, Resnik & Dietsh, 2008)
  50. 50.  A dosagem usual para adultos é de 2 Mg, 01 hora antes do procedimento. Os efeitos clínicos desaparecerem de 6 a 8 horas. (Misch, Resnik & Dietsh, 2008)
  51. 51.  A dosagem usual para adultos é de 0,5 Mg, 01 hora antes do procedimento. Os efeitos clínicos desaparecerem de 12 a 15 horas. Pouco estudado em Odontologia. (Misch, Resnik & Dietsh, 2008)
  52. 52.  A dosagem usual para adultos é de 7,5 Mg, momentos antes do procedimento. Os efeitos clínicos desaparecerem de 2 a 4 horas. Não deve ser utilizado com outros medicamentos que atuem no SNC. (Misch, Resnik & Dietsh, 2008)
  53. 53.  A dosagem usual para adultos é de 0,25 Mg, 30 minutos antes do procedimento. Em idosos a dosagem ideal é de 0,125 Mg. Os efeitos clínicos desaparecerem de 2 a 4 horas. (Misch, Resnik & Dietsh, 2008)
  54. 54. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho Terra drguilhermeterra@yahoo.com.br

×