Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1

3,363 views

Published on

Propriedades ópticas e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,363
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
183
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Propriedades ópticas e restaurações anteriores em resinas compostas 2012 1

  1. 1. Prof. Ms. Guilherme TerraDentística Operatória Aplicada
  2. 2.  Se refere ao comportamento de um corpo frente a incidência da luz. Sem a luz não existem cores, sendo ela a fonte de todas as cores. (ISAAC NEWTON apud HEGENBARTH, 1992)
  3. 3.  As cores são classificadas com base em três dimensões. ◦ Matiz. ◦ Croma. ◦ Valor. Terra, G.
  4. 4.  Antigamente se utilizava uma disposição de escala, a qual era baseada nas iniciais das palavras em inglês. U ( U n i v e r s a l ); Y ( Ye l l o w ); B ( B r o w n ); G ( G r a y ). ◦ A tendência foi a de não mais se utilizar esta forma de classificação.  Resultava em menos possibilidades estéticas.
  5. 5.  Distingue uma A B C D família de cor de outra. Vermelho de amarelo ou verde de azul, por exemplo. Matiz é a primeira idéia, ou a mais genérica, ao se escolher uma cor qualquer. Terra, G.
  6. 6.  ESCALA VITA ◦ Matiz A  Corresponde ao amarelo–amarronzado  Representa a maioria dos casos ◦ Matiz B  Corresponde ao amarelo com um pouco de marrom ◦ Matiz C  Corresponde ao cinza com pequena quantidade de marrom ◦ Matiz D  Corresponde ao rosa avermelhado com um pouco de marrom.
  7. 7.  Característica que descreve a saturação ou intensidade de um determinado matiz. Simplificando, seria o quão forte ou fraca é uma determinada cor. Na escala de cores Vita Classical, o Identificado em pela croma é o número que segue a letra do numeração gradual matiz. da escala VITA. Terra, G.
  8. 8.  Nos dentes naturais o croma é uma característica relacionada essencialmente à dentina. O esmalte age como um filtro, atenuando a percepção da cor dentinária. O croma aumenta de forma progressiva à medida em que a espessura de esmalte diminui. Terra, G.
  9. 9.  Representa a luminosidade da cor. É a qualidade pela qual distinguimos uma cor clara de uma cor escura. O valor está relacionado à quantidade de pigmento branco existente. ◦ Se refere à quantidade de opacidade e/ou translucidez. Quanto mais branco o objeto, maior será o valor, pois uma maior quantidade de luz será refletida. Não está discriminado na escala Vita. ◦ Nos obriga a conhecer o comportamento dinâmico de cada marca e tipo de resina. Terra, G.
  10. 10.  Translucidez Opacidade Fluorescência Opalescência Terra, G.
  11. 11.  Translucidez e Opacidade ◦ Efeito que mede a quantidade de luz que passa pelo objeto. Terra, G.
  12. 12.  Fluorescência: ◦ Capacidade de uma superfície emitir luz quando exposta a radiações do tipo raios ultravioleta (UV), raios catódicos ou raiosX. ◦ As radiações absorvidas (invisíveis ao olho Humano) transformam-se em luz visível. ◦ Característica natural da dentina. ◦ Sob luz de baixo comprimento de onda, o dente reflete cor azul-claro ou branco intenso. Terra, G.
  13. 13.  Opalescência: ◦ Característica específica do Esmalte. ◦ Sob luz de alto comprimento de onda o esmalte reflete luz cinza azulado. Terra, G.
  14. 14.  Profilaxia; Escala seca; Dentes úmidos; Não isolar dentes; Luz ◦ Sem luz do refletor. ◦ Ideal – luz natural.  MATIZ  SATURAÇÃO  LUMINOSIDADE
  15. 15.  ESCALA VITA ◦ MATIZ  A, B, C e D. ◦ SATURAÇÃO  1 – 2 – 3 - 3,5 – 4 ◦ LUMINOSIDADE  CLAROS-B1, A1, B2, D2, A2  MÉDIOS-C1, C2, D4, A3, D3  ESCUROS-B3, A3.5, B4, C3, A4, C4
  16. 16.  Espectrofômetro digital. ◦ Vita Easyshade
  17. 17.  Cavidades menores que os dentes posteriores. Fator C mais favorável. ◦ Maior influência dos iluminantes. ◦ Maior exigência estética. Terra, G.
  18. 18.  Aumento da área de esmalte no ângulo cavo- superficial. Proporciona uma melhor estética. A extensão deve ser de cerca de 0,5mm do limite de esmalte sadio. Apenas na vestibular. Terra, G.
  19. 19.  Profilaxia. Seleção da cor. Isolamento da campo operatório. Remoção da cárie e preparo cavitário. Limpeza da cavidade. Terra, G.
  20. 20.  Proteção do complexo dentino-pulpar. Aplicação de ácido fosfórico 37% por 15 seg. Lavagem e secagem. Aplicação do sistema de matriz ou fita de teflon. Aplicação do sistema adesivo e fotopolimerização. Terra, G.
  21. 21.  Confecção da porção palatina com resina composta. ◦ Em restaurações do tipo classe III a sequencia de confecção da restauração pode ser invertida. Confecção dos lóbulos de desenvolvimento. Confecção da porção vestibular. Acabamento e polimento. ◦ Idealmente após 48 horas. Terra, G.
  22. 22.  Preferencialmente antes do início do procedimento. Sempre há o risco de exposição pulpar acidental.
  23. 23. Cavidade preparada e isoladaÁcido fosfórico 37 % Sistema adesivo
  24. 24. Tipos de lesão ErosãoAbrasão Abfração
  25. 25. AbrasãoPerda de estrutura causada por um processo mecânicorepetitivo ErosãoProcesso de descalcificação e dissolução por substância química Abfração Micro fratura da estrutura dentária, causado pela deflexão do elemento dentário
  26. 26.  Fatores a considerar ◦ Presença de esclerose dentinária  Adesão comprometida ◦ Qual material restaurador utilizar?  Amálgama, R.C. ou CIV ◦ Ausência de esmalte cervical  Adesão comprometida ◦ Causa da lesão  Se não removido o fator causador a lesão irá voltar Restaurar ou acompanhar???
  27. 27. PRIMERBOND
  28. 28. Terra, G.
  29. 29. Terra, G.
  30. 30. Terra, G.
  31. 31. Terra, G.
  32. 32. Terra, G.
  33. 33. Terra, G.
  34. 34. Terra, G.
  35. 35. Terra, G.
  36. 36. Ácidofosfórico 37% Terra, G.
  37. 37. Aplicar duascamadas deadesivo.Nãofotopolimerizarentre ascamadas.Leves jatos dear entre ascamadas. Terra, G.
  38. 38. Terra, G.
  39. 39. Terra, G.
  40. 40. Terra, G.
  41. 41. Terra, G.
  42. 42. Terra, G.
  43. 43.  Intuito de promover lisura e diminuir a rugosidade superficial. ◦ Diminui o acúmulo de placa. ◦ Diminui a possibilidade de micro infiltração marginal. ◦ Melhora o contorno. ◦ Melhora o brilho e a estética final.
  44. 44.  Devem ser realizados após o término completo da restauração. ◦ Idealmente após 48 horas. A necessidade do acabamento está ligada a qualidade doa escultura e do contorno da restauração. ◦ Deverá ser realizado caso haja qualquer excesso.  Na sessão da restauração realizar apenas o acabamento mais grosseiro que possa interferir na função.
  45. 45.  Podem ser realizados com a utilização de pontas multilaminadas e/ou pontas diamantadas F e FF. ◦ Alta rotação com irrigação abundante. Podem ser utilizadas também pontas de silicone (as mais abrasivas) - (Kit Viking – KG Sorensen / Enhance - Dentsply). ◦ Baixa rotação com a superfície umedecida. Para as proximais o acabamento pode ser feito com lixas abrasivas com centro neutro.
  46. 46.  Pontas diamantadas F e FF Tiras de lixa
  47. 47.  Pontas Mutilaminadas
  48. 48.  Pontas de silicone
  49. 49.  Pontas de Silicone (As menos abrasivas). ◦ Baixa rotação com a superfície umedecida. Escova de Robinson + pasta de polimento diamantada. Discos de feltro. ◦ Com pasta de pasta de polimento diamantada ou sem pasta.
  50. 50.  Pontas de silicone
  51. 51.  Escova de Robinson
  52. 52.  Discos de feltro
  53. 53.  Pontas diamantadas F e FF Pontas multilaminadas Borrachas abrasivas Discos e lixas Discos de feltro Escovas de robinson Pastas de polimento
  54. 54. Prof. Ms. Guilherme Teixeira Coelho TerraMestre em Odontologia – Universidade Ibirapuera Especialista em Implantodontia e Dentística drguilhermeterra@yahoo.com.br

×