Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do Algarve

3,954 views

Published on

Com base apenas no censo icnológico descoberto, na sua grande maioria por alunos do Grupo de Paleontologia, no Cretácico Inferior do Algarve, concluiu-se que pelo menos os dinossáurios carnívoros seriam muito provavelmente endotérmicos.

Published in: Science
  • Be the first to comment

Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do Algarve

  1. 1. CENSOS DE BIOMASSA DE VERTEBRADOS PARA O CRETÁCICO INFERIOR DO ALGARVE – INFERÊNCIAS SOBRE A DINÂMICA DAS COMUNIDADES E ESTATUTO METABÓLICO Carolina Barata – 10ºano Daniela Tinoco – 10ºano Eduardo Barros – 9ºano Irma Pimenta – 10ºano Jorge Ledesma – 9ºano E.B.I. Dr. Joaquim de Barros – Paço de Arcos – Grupo de Paleontologia
  2. 2. O estatuto metabólico dos animais extintos, especialmente o dos dinossáurios Mesozóicos, é um assunto que continua em aberto. A sua fisiologia é importante para conhecermos melhor a sua ecologia, comportamentos, história de vida. A endotermia e a ectotermia representam os dois extremos da termoregulação.
  3. 3. Por exemplo, os animais endotérmicos são capazes de frequentarem / habitarem regiões com grande espectro de climas, conseguem manter níveis de actividade superiores aos ectotérmicos, apresentam mais frequentemente comportamentos sociais e gregários (mamíferos e aves actuais versus répteis e anfíbios modernos).
  4. 4. São várias as aproximações para inferências sobre o seu estatuto metabólico, incluindo a anatomia dos órgãos respiratórios, a reconstrução da postura, a presença de estruturas integumentares semelhantes a penas, a histologia dos ossos e as taxas de crescimento resultantes deste tipo de análise. Mais recentemente, a investigação centrou-se na estimativa das capacidades aeróbias de dinossáurios bípedes extintos, quando estes animais se deslocam em «corrida lenta», a partir de dados obtidos de pistas fósseis.
  5. 5. Os endotérmicos modernos necessitam de consumir mais energia do que os ectotérmicos de dimensões comparáveis – um leão de 150 kg consome muito mais e muito mais frequentemente do que um crocodilo com o mesmo peso. Assim, a razão entre o número de predadores e o número de potenciais presas para uma dada região e extensão temporal deve variar, conforme os carnívoros sejam endo ou ectotérmicos.
  6. 6. Neste trabalho estimamos inicialmente o número de produtores individuais de pegadas / pistas de vertebrados presentes em vários níveis de um intervalo de tempo limitado – Barremiano (130 M.a. – 125 M.a.), do Barlavento do Algarve – em que não se conhece um único osso.
  7. 7. Utilizamos estes dados porque mais de 90% destas pegadas encontradas foram descobertas por alunos do nosso Grupo, desde 1996 até Janeiro de 2011. Salema oriente – 9 pegadas de teropodes de pequenas dimensões, representando no mínimo três bípedes predadores distintos.
  8. 8. Pista de ornitopode de dimensões médias descoberta na praia da Salema, região ocidental.
  9. 9. Pegadas de ornitopodes da praia Santa
  10. 10. Pegada de teropode, na praia Santa, região oriental – o maior exemplar de dinossáurio carnívoro.
  11. 11. Par de pegadas de pés de sauropode, junto de uma pegada de teropode.
  12. 12. Pegadas de crocodilo – praia da Salema, região oriental.
  13. 13. Pegada de ornitopode gigantesco (comprimento de 79cm, da praia Santa, zona oriental). Pegada de teropode, descoberta em 2008, da praia da Salema, região oriental.
  14. 14. Tendo em conta a grande variação de dimensões de pegadas que se observam em muitas jazidas, a maioria das pistas representa indivíduos diferentes e por isso a explicação mais simples é a de assumirmos que uma pista representa a passagem de um indivíduo. Note-se que esta amostra inclui animais que deixaram pistas / pegadas em vários níveis distintos, numa sequência estratigráfica distinta. Mapa das pegadas do nível 1 da praia Santa, região oriental.
  15. 15. Classe de dimensões das pegadas de ornitopodes (comprimento em cm), encontradas no nível inferior da praia Santa, região oriental. Terão passado no mínimo 8 animais distintos. Pegada de ornitopode com 10 cm de comprimento. Pegada de teropode com 14 cm de comprimento. (Amostras descobertas em 2010)
  16. 16. Animais deixando pistas paralelas, com a mesma direcção e sentido, sem sobreposição e com interespaçamento regular, embora possam estar representados por pegadas de dimensões idênticas, devem ter sido diferentes – comportamento gregário, social de grupo. O que implica que cada pista, mesmo que seja formada por pegadas de dimensão idêntica, corresponde a um animal distinto.
  17. 17. Produzimos assim um censo icnológico em termos de abundância relativa do número de produtores de pegadas que podem ser distribuídos por herbívoros e por carnívoros (vertebrados e apenas dinossáurios). Os icnotaxa podem, com relativa segurança, ser atribuídos a dinossáurios carnívoros (ou melhor, teropodes) e herbívoros (no caso presente, ornitopodes e sauropodes). A pista de crocodiliano descoberta é atribuída a um animal carnívoro (regime alimentar proposto para a maioria dos crocodilianos Mesozóicos).
  18. 18. Mas podemos ir mais longe – modificar estes gráficos circulares para reflectirem estimativas de biomassa, ou seja, o número total de material vivo representado pela população em questão. Ou seja, convertemos números de pegadas / pistas em estimativas de biomassa.
  19. 19. Utilizamos alguns procedimentos standard: . altura de anca igual a 4 x o comprimento da pegada . estimativa da massa corporal deduzida a partir desta dimensão . não tivemos em conta a presença de sacos aéreos em sauropodes e teropodes, que terá influência no peso total destes animais . deduzimos que os teropodes tinham todos hábitos alimentares carnívoros, tal como o único crocodiliano
  20. 20. A razão predador / presa e as biomassas de predadores para as suas potenciais presas, devem ser diferentes, conforme os predadores sejam endotérmicos ou ectotérmicos.
  21. 21. Comparando a biomassa predadores / presas: . se os predadores forem ectotérmicos, então a percentagem de predadores é elevada . se os predadores forem endotérmicos, então a percentagem de predadores é muito baixa (é o caso das comunidades de grandes mamíferos actuais de África)
  22. 22. Os dados obtidos para o Barremiano do Algarve sugerem razões de biomassa de dinossáurios predadores / presas muito semelhantes aos que ocorrem com as grandes populações de mamíferos (endotérmicos) modernos e muito distintos das que se baseiam em comunidades de répteis (ectotérmicos) actuais. Estes resultados estão de acordo com as mais recentes análises publicadas, que sugerem que a endotermia estava amplamente desenvolvida nos dinossáurios. Note-se que para este intervalo de tempo e para todo o Algarve não temos um único osso de vertebrado!

×