Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Geometria analítica conicas BY GLEDSON

7,934 views

Published on

CÔNICAS É MASSA DE ESTUDAR...APROVEITEM

Published in: Technology, Business
  • Professor no slide 6 a palavra triangulo estar escrito errado
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Geometria analítica conicas BY GLEDSON

  1. 1. Cônicas Elipse – Hipérbole – Parábola
  2. 2.  Considerando, num plano , dois pontos distintos, F1 e F2 , e sendo 2a um número real maior que a distância entre F1 e F2, chamamos de elipse o conjunto dos pontos do plano tais que a soma das distâncias desses pontos a F1 e F2 seja sempre igual a 2a.  Por exemplo, sendo P, Q, R, S, F1 e F2 pontos de um mesmo plano e F1F2 < 2a, temos:
  3. 3. Elementos Observe a elipse a seguir. Nela, consideramos os seguintes elementos:
  4. 4.  Focos : os pontos F1 e F2  Centro: o ponto O, é o ponto médio de  Semi-eixo maior: a  Semi-eixo menor: b  Semi- distância focal: c  Vértices: os pontos A1, A2, B1, B2  Eixo maior: A1A2 = 2a  Eixo menor: B1B2 = 2b  Distância focal: F1F2 = 2c
  5. 5.  Relação fundamental aplicando o Teorema de Pitágoras ao tri6angulo OF2B2 , retângulo em O, podemos escrever a seguinte relação fundamental: a2 =b2 + c2
  6. 6.  Excentricidade  Chamamos de excentricidade o número real e tal que: Pela definição de elipse, 2c < 2a, então c < a e, conseqüentemente, 0 < e < 1. Observação: Quando os focos são muito próximos, ou seja, c é muito pequeno, a elipse se aproxima de uma circunferência
  7. 7.  Elipse com centro na origem e eixo maior horizontal  Sendo c a semi-distância focal, os focos da elipse são F1(-c, 0) e F2(c, 0):
  8. 8.  Elipse com centro na origem e eixo maior vertical Nessas condições, a equação da elipse é:
  9. 9.  Considerando dois pontos distintos, F1 e F2 , e sendo 2a um número real menor que a distância entre F1 e F2 , chamamos de hipérbole o conjunto dos pontos do plano tais que o módulo da diferença das distâncias desses pontos a F1 e F2 seja sempre igual a 2a.  Por exemplo, sendo P, Q, R, S, F1 e F2 pontos de um mesmo plano e F1F2 = 2c, temos:
  10. 10.  A figura obtida é uma hipérbole. Observação:Os dois ramos da hipérbole são determinados por um plano paralelo ao eixo de simetria de dois cones circulares retos e opostos pelo vértice:
  11. 11.  Elementos  Focos: os pontos F1 e F2  Vértices: os pontos A1 e A2  Centro da hipérbole: O ponto O, que é o ponto médio de  Semi-eixo real: a  Semi-eixo imaginário: b  Semi-distância focal: c
  12. 12. •distância focal: •eixo real: •eixo imaginário:
  13. 13.  Excentricidade  Chamamos de excentricidade o número real e tal que: Como c > a, temos e > 1.
  14. 14.  hipérbole com centro na origem e focos no eixo Ox
  15. 15.  hipérbole com centro na origem e focos no eixo Oy
  16. 16.  Uma hipérbole é chamada equilátera quando as medidas dos semi-eixos real e imaginário são iguais:  a = b
  17. 17.  Assíntotas são retas que contêm as diagonais do retângulo de lados 2a e 2b.  Quando o eixo real é horizontal, o coeficiente angular dessas retas é  Quando é vertical, o coeficiente é Assíntotas são retas que contêm as diagonais do retângulo de lados 2a e 2b. Quando o eixo real é horizontal, o coeficiente angular dessas retas é ;quando é vertical, o coeficiente é .
  18. 18.  Eixo real horizontal e C(0, 0)  As assíntotas passam pela origem e têm coeficiente angular ; logo, suas  equações são da forma: As assíntotas passam pela origem e têm coeficiente angular ;logo, suas equações são da forma:
  19. 19.  eixo vertical e C(0, 0)  As assíntotas passam pela origem e têm coeficiente angular  equações são da forma: eixo vertical e C(0, 0) As assíntotas passam pela origem e têm coeficiente angular ;logo, suas equações são da forma:
  20. 20.  Assim, sendo, por exemplo, F, P, Q e R pontos de um plano e d uma reta desse mesmo plano, de modo que nenhum ponto pertença a d.
  21. 21.  A parábola é obtida seccionando-se obliquamente um cone circular reto:
  22. 22. Elementos Observe a parábola representada a seguir, nela, temos os seguintes elementos: Foco: o ponto F Diretriz: a reta d Vértice: o pontoV Parâmetro: p O vértice V e o foco F ficam numa mesma reta, o eixo de simetria e. Assim, sempre temos
  23. 23. •DF = p •V é o ponto médio de
  24. 24.  parábola com vértice na origem, concavidade para a direita e eixo de simetria horizontal Como a reta d tem equação e na parábola temos: y2 = 2px
  25. 25.  parábola com vértice na origem, concavidade para a esquerda e eixo de simetria horizontal y2 = -2px
  26. 26.  parábola com vértice na origem, concavidade para cima e eixo de simetria vertical x2=2py
  27. 27.  parábola com vértice na origem, concavidade para baixo e eixo de simetria vertical x2= - 2py
  28. 28. Jamais subestimem o gigante intelectual adormecido dentro de cada um de nós.

×