Mapas Mentais - enriquecendo inteligências

11,230 views

Published on

Mapas Mentais - origem, uso, ferramenta de aprendizagem e exemplos.

Published in: Education
1 Comment
23 Likes
Statistics
Notes
  • porque não postaram o livro todo....
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
11,230
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
82
Actions
Shares
0
Downloads
1,867
Comments
1
Likes
23
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mapas Mentais - enriquecendo inteligências

  1. 1. 2MAPAS MENTAIS Enriquecendo Inteligências Manual de Aprendizagem e Desenvolvimento de Inteligências: captação, seleção, organização, síntese, criação e gerenciamento de conhecimentos Walther Hermann & Viviani Bovo 2005 “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro“MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  2. 2. 3 APRESENTAÇÃOO material apresentado a seguir constitui o terceiro capítulo do livro “MAPAS MENTAIS –Enriquecendo Inteligências”, disponibilizado gratuitamente na Internet, sobre o uso de mapasmentais como ferramenta de gerenciamento de informações e desenvolvimento de habilidadescognitivas (ferramentas da inteligência, tais como: análise, comparação, organização, classificação,generalização, síntese, memorização, criação, raciocínio, criatividade, etc.). Dando prosseguimentoas propostas dos capítulos anteriores, este material visa enriquecer a compreensão sobre aabrangência de uso dessa simples e poderosa técnica de gestão do conhecimento.Esse material constitui parte do livro sobre o assunto lançado em maio de 2005. Se você recebeuobteve este arquivo é porque se cadastrou em nosso site quando solicitou o download gratuito doprimeiro capítulo. Eventualmente você pode estar recebendo o arquivo de algum amigo, nesse caso,se quiser fazer parte de nossa comunidade, cadastrando-se para receber outros materiais sobre oassunto, você poderá fazer isso no link:www.idph.com.br/loja/mapasmentais.shtmlCaso você queira adquirir o livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências”, você poderásolicitar o seu exemplar no link www.idph.net/loja/pedidos.shtml.O livro tem as seguintes características:Formato 16cm x 23cm346 páginas de conteúdo (quantidade total de páginas: 372)Papel couché, colorido e ilustradoValor de venda da edição impressa: R$ 75,00Valor de venda da edição eletrônica (pdf): R$ 34,00Os assuntos tratados nesse empreendimento estão divididos nas seguintes seções:Primeira Parte – FundamentosIntrodução (disponível para download gratuito no link: www.idph.com.br/loja/mapasmentais.shtml)Aprendendo a AprenderMapas Mentais – Apresentação e ExemplosSegunda Parte – Desenvolvendo HabilidadesMemorizaçãoComparação, Classificação, Analogias e MetáforasOrdenação e Hierarquia de InformaçõesRefinando sua Capacidade de SínteseIlustraçõesResgatando sua Criatividade (download gratuito em www.idph.net/download/criatividade.pdf)Elaborando Mapas Mentais – Técnicas, Método e SugestõesTerceira Parte – Conteúdos ComplementaresApêndice 1 – Para pais, professores e educadoresApêndice 2 – Software de Mapas MentaisApêndice 3 – Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI)Apêndice 3 – Inteligências MúltiplasApêndice 5 – Focalizando sua Mente – Autocinética “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  3. 3. 4 MAPAS MENTAIS – Apresentação e ExemplosAgora que você já está um pouco familiarizado com os mapas mentais, vamos tratar maisdetalhadamente deste assunto: Mapa Mental é essencialmente um diagrama hierarquizado deinformações, no qual podemos facilmente identificar as relações e os vínculos entre as informações.Neste capítulo, vamos repetir algumas idéias já propostas, não somente porque são muitoimportantes, mas também para permitir que a leitura desta seção possa ser feita fora da ordemseqüencial do livro. Assim, durante a revisão de alguns conceitos, apelos e evidências, você poderáfixar melhor esses princípios.Há diferentes formas de mapearmos ou registrarmos graficamente as informações, desde as menosestruturadas, como os mapas ou aglomerados (cachos) de idéias e informações (“Clustering”) até asmais complexas, tais como os fluxogramas. Veja a seguir alguns exemplos. A primeira ilustração édo “Clustering” (cachos) conforme a seguir: “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  4. 4. 5Um outro método gráfico de registro de informações são os mapas de memória, nos quais é possívelrepresentar uma seqüência de operações (Roteiro da Estratégia de Aprendizagem de LínguasEstrangeiras, conforme proposto pelo método OLeLaS apresentado no livro “Domesticando oDragão”): “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  5. 5. 6Outra possibilidade é a paisagem mental, como no exemplo abaixo, que apresenta um resumo dolivro “O Pequeno Príncipe”: “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  6. 6. 7Um sistema mais organizado, conforme mencionamos, é composto pelos fluxogramas. Eles contêmsímbolos e formas determinadas que representam procedimentos, além de opções de tomada dedecisão (O fluxograma é um gráfico que demonstra a seqüência operacional do desenvolvimento deum processo, o qual pode caracterizar: um trabalho a ser realizado, as definições de tempo de cadaetapa, distâncias, quem está realizando o trabalho e como ele flui entre os participantes desteprocesso. A descrição de cada operação é inserida em uma caixa de texto que, de acordo com oseu formato e/ou cor, indica o tipo de procedimento. Isso permite ao leitor obter uma vistapanorâmica do processo e compreendê-lo globalmente, inclusive as tomadas de decisão. “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  7. 7. 8 Há também os mapas conceituais. Eles podem conter mais de um centro e as relações podem ser expressas por linguagem, de acordo com a necessidade. Esse método possui grande flexibilidade de expressão, sendo que as próprias técnicas de anotação dependerão do conteúdo a ser tratado:Adaptação feita de IMS/SOLS Teaching Assistant Orientation, 1992 “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  8. 8. 9Os Diagramas de Ishikawa, originários de metodologias de gestão da qualidade (Qualidade Total,Six Sigma, etc) constituem uma “ferramenta” de solução de problemas bastante eficaz. Observando-os com cuidado, podemos notar uma grande semelhança estrutural com os mapas mentais, emboragraficamente a disposição das informações não irradiem de um centro nem se usam cores, símbolosou ilustrações. Veja a seguir um exemplo que pretende comparar as diversas formas de registrográfico de informações: “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  9. 9. 10E, por fim em nossa apresentação, há os mapas mentais, cujo exemplo a seguir mostra os objetivosdessa seção:Comecemos então por uma avaliação bastante simples para que você possa concluir por si mesmoo valor deste método. Desejamos que você julgue qual das duas formas de registro de informaçõesoferece mais informação com menos ocupação de espaço e de forma mais simples. Nós vamosapresentar a seguir uma descrição por itens e tópicos, das mesmas informações disponíveis nomapa imediatamente anterior (por uma questão de praticidade, utilizamos apenas as palavras-chave, sem completá-las com frases inteiras e estruturadas). Compare as duas formas deapresentação das mesmas informações; qual delas parece conter informações mais acessíveis? Objetivos deste Livro1. CONHECER 1.1 Mapas Mentais 1.1.1 Origem 1.1.2 Aplicações2. APRENDER 2.1 Funcionamento 2.2 Aplicações 2.2.1 Estudos 2.2.2 Pessoal 2.2.3 Profissional 2.3 Exemplos “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  10. 10. 113. ESTIMULAR 3.1 Criatividade 3.2 Memorização 3.3 Organização de Informações 3.3.1 Registro 3.3.2 Classificação 3.3.3 Hierarquia4. DESENVOLVER 4.1 Inteligência 4.2 "Ferramentas" Cognitivas 4.3 Substituir Velhos Paradigmas 4.4 Superar Bloqueios5. APRIMORAR 5.1 Gerenciamento 5.1.1 Dados 5.1.2 Informações 5.1.3 Tempo 5.2 Habilidade 5.2.1 Síntese 5.2.2 Estratégias 5.2.2.1 anotação 5.2.2.2 pensamento 5.3 Competências de Aprendizado 5.3.1 mais 5.3.1.1 Flexibilidade 5.3.1.2 Eficácia 5.3.1.3 Velocidade 5.3.2 menos esforçoCremos que seja desnecessário repetir tais informações num texto em forma de prosa para quevocê faça ainda mais uma comparação, pois tais idéias já foram exploradas anteriormente e aindaserão esmiuçadas adiante. Se você desejar, pode agora experimentar elaborar um texto fluente comas idéias contidas neste mesmo mapa. Evidentemente, os mapas mentais não contêm todas asinformações de um texto corrido, mas servem para nos fazer lembrar o encadeamento dasinformações ou servem como “esqueletos” para a construção de textos. “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  11. 11. 12Vamos supor que você deseje montar um quebra-cabeça daqueles que possuem 2.000, 3.000 ou5.000 peças (ou mesmo de 1.000 peças, se for um iniciante nesse “hobby”)... Que resultados vocêimagina obter se não lhe for mostrada a imagem que deverá montar? Pois bem, a imagem oupaisagem a ser montada funciona como um guia para que você possa orientar-se melhor durante abrincadeira.Assim como o guia de ruas e avenidas que compramos para economizar tempo e dinheiro quandoestamos procurando um novo local; ou como um mapa da cidade, do estado ou do país, que nospermite localizar aquilo que desejamos, os mapas mentais oferecem uma visão global de extremovalor para que possamos transitar mais facilmente através das informações – eles não contêm todasas informações, mas possuem as mais importantes. Eles também nos oferecem uma imagem queutilizamos para compreendê-las de forma simples e rápida, revelando algumas de suas relações esua hierarquia.Além disso, as principais ruas e avenidas de uma cidade, também são vias de ligação entre locais,tais como as linhas e sinalizações de um mapa mental servem para relacionar conhecimentos. Semencionarmos algo sobre a dinâmica de nossa memória, será mais fácil compreender a importânciadesses vínculos: quando estamos entre amigos contando piadas, cada nova piada nos faz lembrarde outras, assim o divertimento continua...Se alguém muda de assunto para contar uma tragédia qualquer, então cada um dos amigos terá umcaso para contar, como se nossa memória fosse estruturada em “cachos” (pastas ou diretórios) ecada conteúdo fossem as “uvas” (os arquivos) – uma informação pode ativar um grupo de memóriassemelhantes ou relacionadas de alguma forma.Por exemplo, quando adolescente fiz minha primeira viagem aos EUA em uma excursão. Durante aviagem, um frasco inteiro de colônia vazou em minha mala... Ainda hoje, mais de trinta anos depois,quando sinto aquele perfume, lembro-me imediatamente daquela viagem. Adiante vamos tratarbrevemente do desenvolvimento da memória. Ela nos interessa muito, pois os mapas mentaisajudam a desenvolvê-la; tanto a capacidade quanto a estrutura, que parecem muito semelhantes.Alguns dos mais modernos modelos de explicação do funcionamento da memória em nossocérebro, evocam as ligações elétricas e neuroquímicas (sinapses) entre os axônios e dendritos(terminações nervosas dos neurônios, células nervosas de nosso cérebro). Utilizando um pouco suaimaginação, quando você vir uma foto de um grupo de neurônios, poderá facilmente lembrar-se deum conjunto intrincado de mapas mentais, pois é assim que se parecem.As setas indicam o sentido da propagação do impulso nervoso. “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  12. 12. 13Pensando sobre a memória, podemos facilmente recordar duma época em que ter conhecimento oucultura significava ter a habilidade de memorizar fatos e informações, dos mais diversos, e repeti-lossempre que nos fosse solicitado – havia uma grande ênfase no armazenamento do conteúdo.Porém, no mundo em que vivemos, há uma enorme quantidade de informações sendo produzida esendo descartada a cada segundo: não haveria nem tempo para obtermos todas elas, e casohouvesse, seriam pouco significativas, pois muito rapidamente elas já teriam se tornadodesatualizadas.Dessa forma, atualmente temos nossa memória armazenada em computadores, agendaseletrônicas, livros, etc. Já não é mais tão importante ter informações – o mais valioso no presente ésaber onde encontrá-las atualizadas. Assim, podemos nos concentrar em realizar aquelas atividadese tarefas que as máquinas não podem fazer: criar, intuir e planejar, além de desenvolver o sensocrítico, a percepção e a sensibilidade para processarmos os conhecimentos.Tendo em conta tal cenário, este método de anotações chamado de mapeamento mental pode serum valioso recurso no gerenciamento de informações. Sugere-se que os mapas sejam elaboradosem folhas de papel deitadas (na disposição de paisagem), com algumas canetas coloridas e umpouco de tempo e imaginação, ou com o auxílio de um computador (veja no Apêndice 2 maisinformações sobre softwares para elaboração de mapas mentais) – como foi feito em vários dosmapas apresentados neste livro.O valor de tal “ferramenta” pode ser avaliado mais uma vez, caso você se lembre das últimas vezesem que tentou anotar informações em uma palestra ou seminário... Em várias dessas ocasiões, oesforço de tomar notas do que é dito nos priva da lucidez de processar as informações e despertardúvidas, especialmente quando o palestrante fala rapidamente. E após isso, quantas vezes vocêrecorreu às suas anotações? É uma tarefa um tanto cansativa e pouco produtiva principalmenteporque, ao revermos nossas anotações, descobrimos que muitas podem não fazer sentido algum,da forma como foram anotadas. Os mapas mentais podem ser muito úteis para estas ocasiões emque temos que anotar muitas informações rapidamente.Também podem ser muito úteis para o caso da elaboração de relatórios, aulas, palestras,planejamentos de negociações, agenda, etc. Basicamente, em quaisquer situações, nas quais asinformações possam ser referenciadas pelas suas palavras-chave, desenhos, diagramas ousímbolos. Mapa Mental é um valioso sistema de expressão escrita: rápido, eficaz e divertido – muitoútil para registrar informações nos casos de anotações de aulas ou de idéias que fluem em grandequantidade, velozmente, como no processo criativo, e que podem ser perdidas no esquecimentocaso tentemos registrá-las em um texto seqüencial. Enfim, os Mapas Mentais constituem-se numapoderosa técnica de registro visual e conceitual de informações e podem ser elaborados porqualquer pessoa, em praticamente qualquer idade.Evidentemente, caso você considere o uso de ilustrações em seus mapas, certamente a suaelaboração poderá parecer muito mais demorada do que simplesmente utilizar a linguagem verbalescrita, afinal de contas, ela foi construída para substituir a escrita pictográfica e a ideográfica (aforma de escrita pictográfica é observada em culturas que utilizavam ilustrações para representarinformações, como pinturas na pedra; a escrita ideográfica, mais adiantada, utilizavam símbolos edesenhos para representar idéias abstratas e fatos). No caso do uso desses recursos maisdemorados, devemos considerar que eles podem ser preteridos em condições de anotação rápida eresgatados nos momentos mais oportunos em que reconstruímos nossos diagramas com afinalidade de organizarmos, processarmos, sintetizarmos e memorizarmos seus conteúdos. Pois ouso desses recursos permite uma fixação mais sólida e duradoura dos conhecimentos na memória.Além disso, você já deve ter notado como as formas lineares de redação de textos, muitas vezesobscurecem a visão global e a importância de algumas informações, que ficam perdidas num mundode palavras. Também não estimulam o estabelecimento de novas conexões e descobertas, excetoaquelas reveladas no próprio texto. Sem a percepção geral, muitas vezes não conseguimosdistinguir o que é relevante das informações acessórias... “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  13. 13. 14É o caso típico daquelas pessoas cujas mensagens importantes contêm uma quantidade muitogrande de informações supérfluas. Quem não conhece alguém que, quando deseja dizer algo muitoimportante, perde-se nos detalhes expressando-se de forma confusa e obscura e não consegue sersimples e objetivo(a)?De fato, esta seção não contém muitas novidades, comparando-se com o que já foi visto, porémservirá para mostrar em detalhes alguns recursos e qualidades dos mapas mentais que possam terpassado despercebidos. Por mais complexo que seja o conjunto de informações abordado naconstrução de um mapa, como no exemplo a seguir, os procedimentos para sua organização sãobastante simples. Manual técnico de aviação da Boeing Aircraft condensado em um mapa de aproximadamente oito metros de comprimento! Essa iniciativa possibilitou uma economia de quase onze milhões de dólares e várias semanas de dedicação no treinamento de novos engenheiros. Foto autorizada do livro The Mind Map Book de Tony Buzan.Outra característica interessante dessa “ferramenta” é que ela pode ser elaborada por váriaspessoas conjuntamente, desde que os símbolos, códigos e palavras-chave sejam de conhecimentode todos. Pois, em geral, os mapas mentais são diagramas de uso pessoal, já que contêm símbolose informações dispostas na ordem e hierarquia que o usuário faz delas, exceto quando suaarquitetura é previamente comunicada – como no caso dos mapas em forma de resumo queincluímos neste livro. Pessoas diferentes podem selecionar informações diferentes e organizá-las deformas diversas, a partir de sua compreensão e encadeamento de memória.Não obstante, essa forma de anotação parece ser muito mais familiar e natural para uma criança,principalmente quando essa ainda não foi adestrada nos formatos lineares de disposição dasinformações em textos. A utilização de palavras-chave e de recursos de vinculação de informaçõestorna os mapas mentais mais simples, mais claros e mais práticos, principalmente antes de dominarbem a sintaxe da linguagem de textos e a habilidade de interpretá-los. Nesse caso, eles também sãoimportantes aliados na educação especial, como no caso de disléxicos, surdos ou portadores dedesabilidades.De fato, a menor quantidade de regras de sintaxe do método de mapeamento mental proporcionamuito mais liberdade para criar, recriar ou adaptar informações, além de induzir à descoberta denovas relações entre os dados aparentes, a identificação de novas informações ou permitir re-inserções em categorias mais gerais. As únicas regras, que mais se parecem com dicas esugestões, são: 1) O uso de um conceito central, que possa preferencialmente ser também representado por uma ilustração ou imagem; 2) A utilização da menor quantidade possível de palavras; restringindo-se, de preferência às palavras-chave (escritas na horizontal, para facilitar a leitura), símbolos, códigos ou ilustrações, todos ligados por linhas de vinculação de informações, de acordo com sua relação; “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  14. 14. 15 3) O uso de cores, realces, caixas de texto, setas, agrupamentos de informações, e mesmo espaços vazios, especialmente em áreas que possam receber posteriormente mais informações devido à sua importância; 4) O aproveitamento do espaço visual para estruturar melhor a compreensão das idéias e a sua importância, de modo que informações mais gerais estejam mais próximas do centro do mapa e os detalhes sejam apresentados à medida que caminhamos para a periferia dele.De um modo geral, conforme comentamos, estas sugestões constituem-se num conjunto de regrasobservadas como sendo os procedimentos mais comuns utilizados por aquelas pessoas comextraordinário desempenho de aprendizagem e retenção de conhecimentos. Muitos deles descobriramtais métodos ao acaso, ou identificando quais eram as ações de melhor resultados: tais como o uso deesquemas, diagramas, indicações, etc. A pesquisa e a organização desse conjunto de estratégias foramempreendidas por Tony Buzan, um dos mais conhecidos pesquisadores do assunto.Não obstante, há alguns outros métodos, criados por outros autores, cuja natureza é bastantesemelhante às propostas de Tony Buzan. Colin Rose apresentou em seu livro Accelerated Learningum modelo chamado de “Mapas de Memória”, que funciona como roteiros ilustrados de informaçõesseqüenciadas. Michael Gelb, americano, palestrante e autor de vários livros, desenvolveu umaforma de ensinar o mapeamento mental, sendo pioneiro na utilização dos mapas mentais como uminstrumento para o desenvolvimento da inteligência e de estratégias de pensamento.Entre várias habilidades que constituem as nossas inteligências (veja o Apêndice 6 sobreInteligências Múltiplas, segundo Howard Gardner), o mapeamento de informações desenvolve umagrande flexibilidade de raciocínio, proporcionando aos seus usuários uma grande agilidade nodetalhamento e na generalização de informações.As habilidades exercitadas nos mapas mentais contêm essencialmente cinco dos catorzeinstrumentos de desenvolvimento cognitivo do Programa de Enriquecimento Instrumental (PEI)criado pelo romeno radicado em Israel, Dr. Reuven Feuerstein: comparação, classificação,percepção analítica, relações transitivas e ilustrações – veja mais detalhes no Apêndice 5 sobre oPEI. No passado, a aplicabilidade do PEI foi avaliada com o uso de sistemas psicométricos jáobsoletos e testes de Quociente de Inteligência (QI) que, ainda assim, puderam diagnosticar umaumento de até 15 pontos no QI dos candidatos, após a aplicação do PEI.Tratando do desenvolvimento dessas habilidades cognitivas, uma das quais, também conhecidacomo pensamento radial (que se assemelha a um sistema de busca de vínculos entre grupos deinformações armazenados em nossa memória, mecanismo valioso no uso da criatividade de 2ªordem – aquela cujo processo criativo é elaborado a partir de distorções de conhecimentos préviosou re-contextualizações de estruturas observadas em outros campos do conhecimento), é evidenteque o uso dos mapas mentais auxiliará no desenvolvimento dessas competências de forma lenta egradativa, enquanto alteramos nossas estratégias de anotação e organização do pensamento.Isto é, enquanto o mapeamento é uma “ferramenta” veloz de registro de informações (pois abreviasignificativamente os textos ao utilizar-se apenas das palavras-chave, símbolos e sistemas gráficosde vinculação de informações – lembre-se da lei 80% da informação útil está registrada em apenas20% das palavras de um texto em prosa), constitui-se num mecanismo lento e gradual dedesenvolvimento cognitivo, porém poderoso, simples e natural. Assim, será tanto melhor quanto forexercitado desde a mais tenra idade, de modo que seja percebido, desde o início, como umaestratégia complementar na organização e estruturação do pensamento.Portanto, considerando o que expusemos até agora sobre as descobertas da ciência a respeito dasespecialidades do processamento cerebral, os mapas mentais apresentam-se como uma dasmelhores “ferramentas” para manipular informações (anotação e organização de pensamento) àmedida que induzem o processamento coordenado de ambos hemisférios cerebrais, isto é, além deutilizarmos palavras, números, ordenações, cronologia (seqüenciamento no tempo), seqüências elinhas, tudo em preto e branco; incluímos e associamos cores, imagens, ilustrações, dimensões,símbolos, referências globais e simultâneas. “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  15. 15. 16 AplicaçõesA natureza dos mapas mentais, conforme já dissemos, está intimamente relacionada com asfunções e operações da mente de encadear, relacionar, comparar, classificar, etc., ou seja,processar, de uma forma geral, as informações coletadas tanto do universo exterior (objetivas)quanto do interior (subjetivas). Dessa forma, o mapeamento mental pode ser utilizado em quasetodas as atividades, nas quais o pensamento, a memória, o planejamento e a criatividade estejamenvolvidos. Vamos agora relacionar algumas das principais situações em que os mapas mentaispodem ser utilizados, oferecendo seus benefícios e sua simplicidade: “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  16. 16. 17• Telefonemas: registrando assuntos, detalhes, datas e acompanhamentos; pois é freqüente as pessoas que receberam uma ligação de alguém que solicitou providências para três assuntos diferentes, esquecerem-se de um ou dois, ou pelo menos de algum detalhe;• Entrevistas de candidatos, dividindo a parte acadêmica com cores frias, e a parte da personalidade e atitudes com cores quentes, e ainda fazer o roteiro das perguntas a serem feitas;• Análise de contratos: separar por cláusula com os assuntos a serem discutidos ou separar o que é negociável do que não é negociável, ou o que é desnecessário;• Perfil de clientes: tempo de relacionamento com detalhes importantes para mostrar que você conhece e se lembra bem do cliente, como eventos importantes relatados por ele, nomes de esposa ou filhos, datas de comemorações, preferências. O cliente se sentirá extremamente diferenciado e importante se, após um ano sem encontrá-lo, você lembrar-se do nome de seus filhos ou de sua comida favorita ou bebida predileta;• Resumo de livros: em três passos, o primeiro é folhear o livro procurando o índice, letras em itálico, tópicos principais, negritos, fotos, desenhos ou gravuras, isso deve levar cerca de 5 minutos. O segundo passo é montar o mapa mental com os capítulos ou divisões do índice nos troncos principais e as seções e subseções nas ramificações (ramos). O terceiro passo é ler o livro e completar o mapa com os detalhes que você considerar relevantes, de acordo com os seus objetivos prévios da leitura;• “Brain storming”: é uma estratégia muito utilizada para a criação de novas idéias; nesse caso, os mapas mentais funcionam simplesmente para anotar as idéias livremente numa primeira etapa. A seguir, pode-se refazer o mapa agrupando idéias semelhantes em categorias, no caso de algumas dessas idéias serem subcategorias de outras, utilizando-se o recurso de hierarquização de informações próprio dos mapas mentais (raiz, tronco, ramos, galhos e folhas);• Reuniões: para fazer uma pauta ou a ata, um plano de ação, ou ainda, durante uma negociação, trocar informações confidenciais com algum outro membro da própria equipe (caso no qual se combina, previamente, um código de comunicação utilizando-se diferentes cores de canetas com os colegas, por exemplo: se a cor verde for utilizada para indicar a opinião de uma negociação boa e a cor azul para sinalizar que a negociação não está se encaminhando conforme o esperado).Podemos ainda incluir uma lista bem mais detalhada, que inclua muito mais situações nas quais osmapas mentais podem ser úteis, entretanto, se avaliarmos os contextos acima como se fossemcategorias, podemos generalizar o uso dos mapas para todas aquelas classes de atividades. Aoutilizarmos os itens anteriores para construir o mapa seguinte, observe que a inclusão de muitasinformações em um único mapa pode congestioná-lo, tornando-o menos interessante. Por outrolado, enquanto recurso de resgate de informações, talvez seja conveniente incluirmos maisconteúdo em algumas ocasiões.Essa é uma das limitações do uso dos mapas: eles aceitam o que colocarmos neles! Logo, caso asidéias, relações e hierarquia não estejam bem definidas previamente, possivelmente tenhamos quereelaborá-los algumas vezes, até alcançar o grau de compactação ideal das informações do assuntotratado. Essa é uma das maiores vantagens do uso de softwares para elaboração de mapas, já quepodemos alterá-los e simulá-los quantas vezes forem necessárias antes ou depois de utilizá-los. “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  17. 17. 18 “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro“MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  18. 18. 19 Benefícios “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro“MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  19. 19. 20Já comentamos muitas vezes os inúmeros benefícios obtidos com a utilização regular dos mapasmentais, por isso, não vamos nos alongar muito nesta seção. De um modo geral, é uma excelente“ferramenta” que complementa nossa linguagem escrita, enriquece nossa expressão criativa edesenvolve mais flexibilidade e recursos mentais. Outros Exemplos “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  20. 20. 21O mapa acima é um resumo do livro “Domesticando o Dragão – Aprendizagem Acelerada deLínguas Estrangeiras”; e o seguinte é um mapa mental de resumo do livro “O Pequeno Príncipe”.A seguir temos um exemplo escolar bastante simples do estudo de geografia: “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  21. 21. 22 “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro“MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005
  22. 22. 23Para finalizar esta seção, apresentamos um mapa completo de resumo do que foi aqui tratado: “Mapas Mentais – Apresentação e Exemplos” capítulo extraído do livro “MAPAS MENTAIS – Enriquecendo Inteligências” de Viviani Bovo e Walther Hermann – 2005

×