Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO                          ESSA É A COR DO SEU CADERNO DE PROVAS!                            ...
*ROSA75sab1*                                                                             2010CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNO...
2010                                                                                                                      ...
*ROSA75sab3*                                                                          2010                                ...
2010                                                                                                                      ...
*ROSA75sab5*                                                                              2010                            ...
D D SROtWLFD S~EOLFD KLJLHQLVWD TXH DWUHODYD                                                D1R %UDVLO DV SROtWLFDV S~EOLF...
2010                                                                                                                      ...
$ 5HYROXomR )UDQFHVD OKHV GHX                                                                                          FRQ...
permanente”, trazida pela Revolução Industrial, decorria                                                                  ...
*ROSA75sab7*                                                                                     2010$ SDUWLU GR JUi¿FR D ...
E racionalização.                                                                                                        2...
2010                                                                                                                      ...
*ROSA75sab9*                                                                                        2010Questão 28        ...
EHQH¿FLDPHQWR GR SURGXWR H GR HPSUHJR GH QRYRV WLSRV GH      +LVWyULD GD $PpULFD /DWLQD GD ,QGHSHQGrQFLD DWp , v. III. São...
2 6pFXOR ;;,                                                                                                              ...
SUHFLVD DGPLQLVWUDU                                                 Tinha a dignidade de um mestre-salaDV GLIHUHQoDV HQWUH...
2010                                                                                                                      ...
FRQÀLWR PLOLWDU FXMD FREHUWXUD MRUQDOtVWLFDDOL DYLVWDPRV KRPHQV TXH DQGDYDP SHOD SUDLD REUD                               ...
*ROSA75sab11*                                                                                 2010Questão 35              ...
HQWUH DV TXDLV D ,QWHUQHW R TXH IDFLOLWRX LPHQVDPHQWHLevando em cRQWD R FRQWH[WR SROtWLFRLQVWLWXFLRQDO GRV                ...
2010                                                                                                                      ...
DEULX LQVFULo}HV QD VHPDQD SDVVDGD $ JUDGH                                          UHDOL]DU DWRV SROtWLFRV LOHJDLV H FRP ...
D a insatisfação popular diante da atuação dos partidos2 WH[WR WUDWD GH XPD SROtWLFD S~EOLFD GH DomR D¿UPDWLYD            ...
HQWmR H[LVWHQWHV H IHz avançar a museologia antiga.                                                                       ...
*ROSA75sab13*                                                                                      2010                   ...
Art. 11 – ([FOXHPVH GH TXDOTXHU DSUHFLDomR MXGLFLDO WRGRV RVNo mito Édipo Rei, VmR GLJQRV GH GHVWDTXH RV WHPDV GR         ...
DVFDGXUD 9D] /RER ,UDMiO meu lugar,                                                                                       ...
SROtWLFD Go povo brasileiro.CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 13
Rosa quarta feira-gab
Rosa quarta feira-gab
Rosa quarta feira-gab
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Rosa quarta feira-gab

2,181 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Rosa quarta feira-gab

  1. 1. EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ESSA É A COR DO SEU CADERNO DE PROVAS! MARQUE-A EM SEU CARTÃO-RESPOSTA 1º DIA CADERNO 4 ROSA 2010 2ª APLICAÇÃO PROVA DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS PROVA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES SEGUINTES1 Este CADERNO DE QUESTÕES contém 90 questões numeradas de 1 a 90, 8 O tempo disponível para estas provas é de quatro horas e trinta dispostas da seguinte maneira: minutos. a. as questões de número 1 a 45 são relativas à área de Ciências Humanas e suas Tecnologias; 9 Reserve os 30 minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no CADERNO DE QUESTÕES não b. as questões de número 46 a 90 são relativas à área de serão considerados na avaliação. Ciências da Natureza e suas Tecnologias. 10 Quando terminar as provas, entregue ao aplicador este CADERNO DE2 Marque no CARTÃO-RESPOSTA, no espaço apropriado, a opção QUESTÕES e o CARTÃO-RESPOSTA. correspondente à cor desta capa: 1-Azul; 2-Amarela; 3-Branca ou 4-Rosa. ATENÇÃO: se você assinalar mais de uma opção de cor ou deixar todos os 11 Você somente poderá deixar o local de prova após decorridas duas horas campos em branco, sua prova não será corrigida. do início da sua aplicação. Caso permaneça na sala por, no mínimo, quatro horas após o início da prova, você poderá levar este CADERNO DE3 Verifique, no CARTÃO-RESPOSTA, se os seus dados estão registrados QUESTÕES. corretamente. Caso haja alguma divergência, comunique-a imediatamente 12 Você será excluído do exame caso: ao aplicador da sala. a. utilize, durante a realização da prova, máquinas e/ou4 Após a conferência, escreva e assine seu nome nos espaços próprios do relógios de calcular, bem como rádios, gravadores, CARTÃO-RESPOSTA com caneta esferográfica de tinta preta. headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie;5 Não dobre, não amasse, nem rasure o CARTÃO-RESPOSTA. Ele não poderá ser substituído. b. se ausente da sala de provas levando consigo o CADERNO DE QUESTÕES e/ou o CARTÃO-RESPOSTA antes6 Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 opções, do prazo estabelecido; identificadas com as letras A , B , C , D e E . Apenas uma responde corretamente à questão. c. aja com incorreção ou descortesia para com qualquer participante do processo de aplicação das provas;7 No CARTÃO-RESPOSTA, marque, para cada questão, a letra correspondente à opção escolhida para a resposta, preenchendo todo o espaço compreendido d. se comunique com outro participante, verbalmente, por no círculo, com caneta esferográfica de tinta preta. Você deve, portanto, escrito ou por qualquer outra forma; assinalar apenas uma opção em cada questão. A marcação em mais de uma opção anula a questão, mesmo que uma das respostas esteja correta. e. apresente dado(s) falso(s) na sua identificação pessoal. *rosa75sab0*
  2. 2. *ROSA75sab1* 2010CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIASQuestões de 1 a 45 $V WHQGrQFLDV SRSXODFLRnais QHVVHV SDtVHV HVWmRQuestão 1 relacionadas a uma transformaçãoSe, por um lado, o ser humano, como animal, é parte A na estrutura familiar dessas sociedades, impactada porintegrante da natureza e necessita dela para continuar PXGDQoDV QRV SURMHWRV GH YLGD GDV QRYDV JHUDo}HVsobrevivendo, por outro, como ser social, cada dia mais B QR FRPSRUWDPHQWR GDV PXOKHUHV PDLV MRYHQV TXH WrPVR¿VWLFD RV PHFDQLVPRV GH H[WUDLU GD QDWXUH]D UHFXUVRV TXH imposto seus planos de maternidade aos homens.ao serem aproveitados, podem alterar de modo profundo a C QR Q~PHUR GH FDVDPHQWRV TXH FUHVFHX QRV ~OWLPRVfuncionalidade harmônica dos ambientes naturais. anos, reforçando a estrutura familiar tradicional. ROSS, J. L. S. (Org.). *HRJUD¿D GR %UDVLO. São Paulo: EDUSP, 2005 (adaptado). D no fornecimento de pensões de aposentadoria, em TXHGD GLDQWH GH XPD SRSXODomR GH PDLRULD MRYHPA relação entre a sociedade e a natureza vem sofrendo E QD WD[D GH PRUWDOLGDGH LQIDQWLO HXURSHLD HP FRQWtQXDprofundas mudanças em razão do conhecimento ascensão, decorrente de pandemias na primeira infância.WpFQLFR $ SDUWLU GD OHLWXUD GR WH[WR LGHQWL¿TXH D SRVVtYHOFRQVHTXrQFLD GR DYDQoR GD WpFQLFD VREUH R PHLR QDWXUDO Questão 3A A sociedade aumentou o uso de insumos O crescimento rápido das cidades nem sempre é TXtPLFRV – DJURWy[LFRV H IHUWLOL]DQWHV – e, assim, acompanhado, no mesmo ritmo, pelo atendimento de os riscos de contaminação. LQIUDHVWUXWXUD SDUD D PHOKRULD GD TXDOLGDGH GH YLGDB O homem, a partir da evolução técnica, conseguiu $ GH¿FLrQFLD GH UHGHV GH iJXD WUDWDGD GH FROHWD e tratamento de esgoto, de pavimentação de ruas, H[SORUDU D QDWXUH]D H GLIXQGLU KDUPRQLD QD YLGD VRFLDO de galerias de águas pluviais, de áreas de lazer, deC $V GHJUDGDo}HV SURGX]LGDV SHOD H[SORUDomR GRV iUHDV YHUGHV GH Q~FOHRV GH IRUPDomR HGXFDFLRQDO H UHFXUVRV QDWXUDLV VmR UHYHUVtYHLV R TXH GH FHUWD SUR¿VVLRQDO GH Q~FOHRV GH DWHQGLPHQWR PpGLFRVDQLWiULR é comum nessas cidades. forma, possibilita a recriação da natureza. ROSS, J. L. S. (Org.) *HRJUD¿D GR %UDVLO. São Paulo: EDUSP, 2009 (adaptado).D O desenvolvimento técnico, dirigido para a 6DEHQGR TXH R DFHOerado crescimento populacional recomposição de áreas degradadas, superou os urbano está articulado com a escassez de recursos efeitos negativos da degradação. ¿QDQFHLURV H D GL¿FXOGDGH GH LPSOHPHQWDomR GH OHLV de proteção ao meio ambiente, pode-se estabelecer oE As mudanças provocadas pelas ações humanas HVWtPXOR D XPD UHODomR VXVWHQWiYHO HQWUH FRQVHUYDomR H VREUH D QDWXUH]D IRUDP PtQLPDV XPD YH] TXH RV produção a partir recursos utilizados são de caráter renovável. A do aumento do consumo, pela população maisQuestão 2 SREUH GH SURGXWRV LQGXVWULDOL]DGRV SDUD R HTXLOLEULR da capacidade de consumo entre as classes.Um fenômeno importaQWH TXH YHP RFRUUHQGR QDV ~OWLPDV B GD VHOHomR H UHFXSHUDomR GR OL[R XUEDQR TXH Mi pTXDWUR GpFDGDV p R EDL[R FUHVFLPHQWR SRSXODFLRQDO uma prática rotineira nos grandes centros urbanosQD (XURSD SULQFLSDOPHQWH HP DOJXQV SDtVHV FRPR GRV SDtVHV HP GHVHQYROYLPHQWR$OHPDQKD H ÈXVWULD RQGH KRXYH XPD EUXVFD TXHGD QD C da diminuição acelerada do uso de recursos naturais,WD[D GH QDWDOLGDGH (VVH IHQ{PHQR p HVSHFLDOPHQWH DLQGD TXH LVVR UHSUHVHQWH SHUGD GD TXDOLGDGH GHSUHRFXSDQWH SHOR IDWR GH D PDLRULD GHVVHV SDtVHV Mi vida de milhões de pessoas.WHU FKHJDGR D XP tQGLFH LQIHULRU DR ³QtYHO GH UHQRYDomR D da fabricação de produtos reutilizáveis e biodegradáveis, evitando-se substituições e descartes,GD SRSXODomR´ HVWLPDGR HP ¿OKRV SRU PXOKHU $ como medidas para a redução da degradaçãodiminuição da natalidade europeia tem várias causas, ambiental.DOJXPDV GH FDUiWHU GHPRJUi¿FR RXWUDV GH FDUiWHU E GD WUDQVIHUrQFLD GRV DWHUURV VDQLWiULRV SDUD DV SDUWHVcultural e socioeconômico. mais periféricas das grandes cidades, visando-se à OLIVEIRA, P. S. ,QWURGXomR j VRFLRORgia. São Paulo: Ática, 2004 (adaptado). preservação dos ambientes naturais.CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 1
  3. 3. 2010 *ROSA75sab2* A tirinha mostra TXH R VHU KXPDQo, na busca de atenderQuestão 4 suas necessidades e de se apropriar dos espaços,$ EDQGHLUD GD (XURSD QmR p DSHQDV R VtPEROR GD 8QLmR A adotou a acomodação evolucionária como forma deEuropeia, mas também da unidade e da identidade VREUHYLYrQFLD DR VH GDU FRQWD GH VXDV GH¿FLrQFLDVGD (XURSD HP VHQWLGR PDLV ODWR 2 FtUFXOR GH HVWUHODV impostas pelo meio ambiente.douradas representa a solidariedade e a harmonia entre B utilizou o conhecimento e a técnica para criaros povos da Europa. LVSRQtYHO HP KWWSHXURSDHXLQGH[BSWKWP HTXLSDPHQWRV TXH OKH SHUPLWLUDP FRPSHQVDU DV Acesso em: 29 abr. 2010 (adaptado). VXDV OLPLWDo}HV ItVLFDV$ TXH VH SRGH DWULEXLU D FRQWUDGLomR LQWUtQVHFD HQWUH R TXH C levou vantagens em relação aos seres de menorpropõe a bandeira da Europa e o cotidiano vivenciado HVWDWXUD SRU SRVVXLU XP ItVLFR EDVWDQWH GHVHQYROYLGRpelas nações integrantes da União Europeia? TXH OKH SHUPLWLD PXLWD DJLOLGDGH D dispensou o uso da tecnologia por ter um organismoA $R FRQWH[WR GD GpFDGD GH QR TXDO D EDQGHLUD IRL adaptável aos diferentes tipos de meio ambiente. IRUMDGD H HP TXH VH SUHWHQGLD D IUDWHUQLGDGH HQWUH RV povos traumatizados pela Primeira Guerra Mundial. E sofreu desvantagens em relação a outras espécies, por utilizar os recursos naturais como forma de seB $R IDWR GH TXH R LGHDO GH HTXLOtEULR LPSOtFLWR QD apropriar dos diferentes espaços. EDQGHLUD QHP VHPSUH VH FRDGXQD FRP RV FRQÀLWRV H Questão 6 rivalidades regionais tradicionais. H IDWR TXH DOWHUQDWLYa restava aos portugueses, aoC $R IDWR GH TXH $OHPDQKD H ,WiOLD DLQGD VmR YLVWDV se verem diante de uma mata virgem e necessitando de FRP GHVFRQ¿DQoD SRU ,QJODWHUUD H )UDQoD PHVPR terra para cultivo, a não ser derrubar a mata e atear-lhe DSyV GpFDGDV GR ¿QDO GD 6HJXQGD *XHUUD 0XQGLDO IRJR 6HULD SRLV LQMXVWR UHSURYiORV SRU WHUHP FRPHoDGR dessa maneira. Todavia, podemos culpar os seusD $R IDWR GH TXH D EDQGHLUD IRL FRQFHELGD SRU GHVFHQGHQWHV H FRP UD]mR SRU FRQWLQXDUHP D TXHLPDU DV ÀRUHVWDV TXDQGR Ki DJRUD QR LQtFLR GR VpFXOR ;,; SRUWXJXHVHV H HVSDQKyLV TXH SRVVXHP XPD tanta terra limpa e pronta para o cultivo à sua disposição. FRQYLYrQFLD PDLV KDUP{QLFD GR TXH DV GHPDLV SAINT-HILAIRE, A. Viagem às nascentes do rio S. Francisco [1847]. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1975 (adaptado). nações europeias. 1R WH[WR Ki LQIRUPao}HV VREUH D SUiWLFD GD TXHLPDGDE $R IDWR GH TXH D EDQGHLUD UHSUHVHQWD DV HP GLIHUHQWHV SHUtRGRV GD KLVWyULD GR %UDVLO 6HJXQGR D DVSLUDo}HV UHOLJLRVDV GRV SDtVHV GH YRFDomR análise apresentada, os portugueses católica, contrapondo-se ao cotidiano das nações A evitaram ePLWLU MXt]R GH YDORU VREUH D SUiWLFD GD protestantes. TXHLPDGDQuestão 5 B FRQVLGHUDUDP TXH D TXHLPDGD HUD QHFHVViULD HP certas circunstâncias. C FRQFRUGDUDP TXDQWR j TXHLPDGD WHU VLGR XPD SUiWLFD DJUtFROD LQVX¿FLHQWH D HQWHQGHUDP TXH D TXHLPDGD HUD XPD SUiWLFD QHFHVViULD QR LQtFLR GR VpF ;,; E UHODFLRQDUDP D TXHLPDGD DR GHVFDVR GRV DJULFXOWRUHV 1RYD (VFROD, nº 226, out. 2009. da época com a terra. CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 2
  4. 4. *ROSA75sab3* 2010 2 DXWRU H[S}H XPD WHQGrncia de aumento de produtividadeQuestão 7 DJUtFROD SRU WUDEDOKDGRU UXUDO QD TXDO PHQRV SHVVRDVO mapa mostra a distribuição de bovinos no bioma SURGX]HP PDLV DOLPHQWRV TXH SRGe ser H[SOLFDGDDPD]{QLFR FXMD RFXSDomR IRL UHVSRQViYHO SHOR A SHOD H[LJrQFLD Ge abastecimento das populaçõesGHVPDWDPHQWR GH VLJQL¿FDWLYDV H[WHQV}HV GH WHUUD QD XUEDQDV TXH WUDEDOKDP PDMRULWDULDPHQWH QR VHWRUUHJLmR 9HUL¿FDVH TXH H[LVWHP PXQLFtSLRV FRP JUDQGH primário da economia.contingente de bovinos, nas áreas mais escuras do B SHOD LPSRVLomR GH JRYHUQRV TXH FULDP SROtWLFDVmapa, entre 750 001 e 1 500 000 cabeças de bovinos. HFRQ{PLFDV SDUD R IDYRUHFLPHQWR GR FUpGLWR DJUtFROD3URGXomR GH %RYLQRV (IHWLYRV GH DEHoDV HP C SHOD LQFRUSRUDomR KRPRJrQHD GRV DJULFXOWRUHV jV QR %LRPD $PD]{QLFR VHJXQGR PXQicípios técnicas de modernização, sobretudo na relação ODWLI~QGLRPLQLI~QGLR D pela dinamização econômica desse setor e utilização GH QRYDV WpFQLFDV H HTXLSDPHQWRV GH SURGXomR pelos agricultores. E SHOR DFHVVR jV QRYDV WHFQRORJLDV R TXH IH] FRP TXH áreas em altas latitudes, acima de 66°, passassem a ser grandes produtoUDV DJUtFRlas. Questão 9 LVSRQtYHO HP ZZZLEJHJRYEU $FHVVR HP MXO $ DQiOLVH GR PDSD SHUPLWH FRQFOXLU TXHA RV HVWDGRV GR 3DUi 0DWR *URVVR H 5RQG{QLD GHWrP a maior parte de bovinos em relação ao bioma amazônico.B RV PXQLFtSLRV GH PDLRU H[WHQVmR VmR UHVSRQViYHLV pela maior produção de bovinos, segundo mostra a legenda.C a criação de bovinos é a atividade econômica SULQFLSDO QRV PXQLFtSLRV PRVWUDGRV QR PDSDD o efetivo de cabeças de bovinos se distribui amplamente pelo bioma amazônico.E DV WHUUDV ÀRUHVWDGDV VmR DV iUHDV PDLV IDYRUiYHLV DR desenvolvimento da criação de bovinos. LVSRQtYHO HP KWWSZZZIFWXQHVSEU $FHVVR HP DEU $ LQWHUSUHWDomR GR PDSD LQGLFD TXH HQWUH H Questão 8 D H[SDQVmR WHUULWRULDO GD SURGXomR EUDVLOHLUD GH VRMD ocorreu da região1R VpFXOR ;,;, para alimentar um habitante urbano, eram A Sul em direção às regiões Centro-Oeste e Nordeste.necessárias cerca de 60 pessoas trabalhando no campo. B Sudeste em direção às regiões Sul e Centro-Oeste.(VVD SURSRUomR IRL VH PRGL¿FDQGR DR ORQJR GHVWHV GRLV C Centro-Oeste em direção às regiões Sudeste e Nordeste.VpFXORV (P FHUWRV SDtVHV KRMH Ki XP KDELWDQWH UXUDO D Norte em direção às regiões Sul e Nordeste.para cada dez urbanos. E Nordeste em direção às regiões Norte e Centro- SANTOS, M. 0HWDPRUIRVHV GR HVSDoR KDELWDGR. São Paulo: EDUSP, 2008. Oeste.CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 3
  5. 5. 2010 *ROSA75sab4*Questão 10 A letra da canção apresenta um tema recorrente na história da colonização brasileira, as relações de poderO volume de matéria-prima recuperado pela reciclagem entre portugueses e povos nativos, e representa uma FUtWLFD j LGHLD SUHVHQWH QR FKDPDGR PLWRGR OL[R HVWi PXLWR DEDL[R GDV QHFHVVLGDGHV GD LQG~VWULD A da democracia racial, originado das relações cordiais1R HQWDQWR PDLV TXH XPD IRUPD GH UHVSRQGHU DR HVWDEHOHFLGDV HQWUH SRUWXJXHVHV H QDWLYRV QR SHUtRGRaumento da demanda industrial por matérias-primas e DQWHULRU DR LQtFLR GD FRORQL]DomR EUDVLOHLUDHQHUJLD D UHFLFODJHP p XPD IRUPD GH UHLQWURGX]LU R OL[R B da cordialidade brasileira, advinda da forma comono processo industrial. os povos nativos se associaram economicamente aos portugueses, participando dos negócios 6$5/$72 ) 3217,1 - $ R QLFKR DR OL[R. São Paulo: Atual, 1992 (adaptado). coloniais açucareiros.A prática abRUGDGD QR WH[WR FRUUHVSRQGH QR FRQWH[WR C GR EUDVLOHLUR UHFHSWLYR RULXQGR GD IDFLOLGDGH FRP TXHJOREDO D XPD VLWXDomR GH VXVWHQWDELOLGDGH TXH os nativos brasileiros aceitaram as regras impostas pelo FRORQL]DGRU R TXH JDUDQWLX R VXFHVVR GD FRORQL]DomRA reduz o buraco na camada de ozônio nos distritos D da natural miscigenação, resultante da forma como a PHWUySROH LQFHQWLYRX D XQLmR HQWUH FRORQRV H[HVFUDYDV industriais. e nativas para acelerar o povoamento da colônia.B ameniza os efeitos das chuvas ácidas nos polos E GR HQFRQWUR TXH LGHQWL¿FD D FRORQL]DomR SRUWXJXHVD SHWURTXtPLFRV FRPR SDFt¿FD HP IXQomR GDV UHODo}HV GH WURFD estabelecidas nos primeiros contatos entreC diminui os efeitos da poluição atmosférica das portugueses e nativos. LQG~VWULDV VLGHU~UJLFDV Questão 12D diminui a possibilidade de formação das ilhas de Ó sublime pergaminho calor nas áreas urbanas. Libertação geralE UHGX] D XWLOL]DomR GH PDWpULDVSULPDV QDV LQG~VWULDV A princesa chorou ao receber de bens de consumo. A rosa de ouro papal 8PD FKXYD GH ÀRUHV FREULX R VDOmRQuestão 11 ( R QHJUR MRUQDOLVWDKHgança H MRHOKRV EHLMRX D VXD PmRSou 3DWD[y Uma voz na varanda do paço ecoou:6RX ;DYDQWH H DUULUL ³0HX HXV PHX HXVIanomâmi, sou Tupi*XDUDQL VRX DUDMi (VWi H[WLQWD D HVFravidão”Sou Pancaruru, MELODIA, Z.; RUSSO, N.; MADRUGADA, C. 6XEOLPH 3HUJDPLQKR LVSRQtYHO HP KWWSDULMy 7XSLQDMp ZZZ OHWUDVWHUUDFRPEU $FHVVR HP DEU Sou Potiguar, sou Caeté, O samba-enredo de UHÀHWH H UHIRUoD XPD)XOQL{ 7XSLQDPEi FRQFHSomR DFHUFD GR ¿P GD HVFUDYLGmR DLQGD YLYD HP(X DWUDTXHL QXP SRUWR PXLWR VHJXUR QRVVD PHPyULD PDV TXH QmR HQFRQWUD UHVSDOGR QRVCéu azul, paz e ar puro... estudos históricos mais recentes. Nessa concepçãoBotei as pernas pro ar. ultrapassada, a abolição é apresentada como/RJR VRQKHL TXH HVWDYD QR SDUDtVROnde nem era preciso dormir para sonhar. A FRQTXLVWD GRV WUDEDOKDGRUHV XUEDQRV OLYUHV TXH GHPDQGDYDP D UHGXomR GD MRUQDGD GH WUDEDOKRMas de repente me acordei com a surpresa: B FRQFHVVmR GR JRYHUQR TXH RIHUHFHX EHQHItFLRV DRV8PD HVTXDGUD SRUWXJXHVD YHLR QD SUDLD DWUDFDU negros, sem consideração pelas lutas de escravosDa grande-nau, e abolicionistas.Um branco de barba escura, C UXSWXUD QD HVWUXWXUD VRFLRHFRQ{PLFD GR SDtVVestindo uma armadura me apontou pra me pegar. sendo responsável pela otimização da inclusãoE assustado dei um pulo da rede, social dos libertos.Pressenti a fome, a sede, D IUXWR GH XP SDFWR VRFLDO XPD YH] TXH DJUDGDULD(X SHQVHL ³YmR PH DFDEDU´ RV DJHQWHV KLVWyULFRV HQYROYLGRV QD TXHVWmR/HYDQWHLPH GH %RUGXQD Mi QD PmR fazendeiros, governo e escravos.$t VHQWL QR FRUDomR E IRUPD GH LQFOXVmR VRFLDO XPD YH] TXH D DEROLomRO Brasil vai começar. possibilitaria a concretização de direitos civis e NÓBREGA, A; e )5(,5( : CD 3HUQDPEXFR IDODQGR SDUD R PXQGR, 1998. sociais para os negros. CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 4
  6. 6. *ROSA75sab5* 2010 A vem sendo combatida por diversos grupos sociais,Questão 13 em virtude dos elevados custos para a adaptação e2V ~OWLPRV VpFXORV PDUFDP SDUD D DWLYLGDGH DJUtFROD FRP PDQXWHQomR GH SUpGLRV H HTXLSDPHQWRV S~EOLFRVD KXPDQL]DomR H D PHFDQL]DomR GR HVSDoR JHRJUi¿FRuma considerável mudança em termos de produtividade: B está assumindo o status GH SROtWLFD S~EOLFD EHPchegou-se, recentemente, à constituição de um meio como representa um diferencial positivo de marketingWpFQLFRFLHQWt¿FRLQIRUPDFLRQDO FDUDFWHUtVWLFR QmR institucional.apenas da vida urbana, mas também do mundo rural,WDQWR QRV SDtVHV DYDQoDGRV FRPR QDV UHJL}HV PDLV C UHÀHWH SUiWLFD TXH YLDELOL]D SROtWLFDV FRPSHQVDWyULDVGHVHQYROYLGDV GRV SDtVHV SREUHV YROWDGDV VRPHQWH SDUD DV SHVVRDV GHVVH JUXSR TXH SANTOS, M. 3RU XPD RXWUD JOREDOL]DomR do pensamentR ~QLFR j FRQVFLrQFLD XQLYHUVDO estão socialmente organizadas. Rio de Janeiro: Record, 2004 (adaptado). D DVVRFLDVH D XPD HVWUDWpJLD GH PHUFDGR TXH REMHWLYDA modernização da agricultura está associada ao DWUDLU FRQVXPLGRUHV FRP DOJXP WLSR GH GH¿FLrQFLDGHVHQYROYLPHQWR FLHQWt¿FR H WHFQROyJLFR GR SURFHVVR HPERUD HVWHMD GHVFRODGD GDV PHWDV GD JOREDOL]DomRSURGXWLYR HP GLIHUHQWHV SDtVHV $R FRQVLGHUDU DV QRYDVUHODo}HV WHFQROyJLFDV QR FDPSR YHUL¿FDVH TXH D E UHSUHVHQWD SUHRFXSDomR LVRODGD YLVWR TXH R (VWDGR ainda as discrimina e não lhes possibilita meios deA LQWURGXomR GH WHFQRORJLD HTXLOLEURX R GHVHQYROYLPHQWR integração à sociedade sob a ótica econômica. HFRQ{PLFR HQWUH R FDPSR H D FLGDGH UHÀHWLQGR GLUHWDPHQWH QD KXPDQL]DomR GR HVSDoR JHRJUi¿FR Questão 15 QRV SDtVHV PDLV SREUHV Gregório de Matos dH¿QLX QR VpFXOR ;9,,B WHFQL¿FDomR GR HVSDoR JHRJUi¿FR PDUFD R PRGHOR o amRU H D VHQVXDOLGDGH FDUQDO SURGXWLYR GRV SDtVHV ULFRV XPD YH] TXH SUHWHQGHP 2 $PRU p ¿QDOPHQWH XP HPEDUDoR GH SHUQDV XQLmR GH transferir gradativamente as unidades industriais barrigas, um breve tremor de artérias. para o espaço rural. Uma confusão de bocas, uma batalha de veias, umC FRQVWUXomR GH XPD LQIUDHVWUXWXUD FLHQWt¿FD H UHEXOLoR GH DQFDV TXHP GL] Rutra coisa é besta. WHFQROyJLFD SURPRYHX XP FRQMXQWR GH UHODo}HV TXH 9$,1)$6 5 %UDVLO GH WRGRV RV SHFDGRV Revista de História. Ano1, no 1. Rio de Janeiro: geraram novas interações socioespaciais entre o %LEOLRWHFD 1DFLRQDO QRY campo e a cidade. 9LOKHQD GHVFUHYHu DR VHX DPLJR )LORSRQR QRD DTXLVLomR GH PiTXLQDV H LPSOHPHQWRV LQGXVWULDLV incorporados ao campo, proporcionou o aumento da VpFXOR ;9,,, D VHQVXDOLGDGH QDV UXDV GH 6DOYDGRU produtividade, libertando o campo da subordinação Causa essencial de muitas moléstias nesta cidade é a à cidade. GHVRUGHQDGD SDL[mR VHQVXDO TXH DWURSHOD H UHOD[D R ULJRUE incorporação de novos elementos produtivos da Justiça, as leis divinas, eclesiásticas, civis e criminais. oriundos da atividade rural resultou em uma relação /RJR TXH DQRXWHFH HQWXOKDP DV UXDV OLELGLQRVRV YDGLRV com a cadeia produtiva industrial, subordinando a H RFLRVRV GH XP H RXWUR VH[R 9DJDP SHODV UXDV H VHP cidade ao campo. SHMR ID]HP JDOD GD VXD WRUSH]a. VILHENA, L.S. $ %DKLD QR VpFXOR ;9,,, Coleção Baiana. v. 1. Salvador: Itapuã, 1969 (adaptado).Questão 14A Convenção da ONU sobre Direitos das Pessoas com A sensualidade foi assunto recorrente no BrasilH¿FLrQFLDV UHDOL]DGD HP HP 1RYD RUN WHYH FRORQLDO 2SLQL}HV VH GLYLGLDP TXDQGR R WHPD DIURQWDYDFRPR REMHWLYR PHOKRUDU D YLGD GD SRSXODomR GH GLUHWDPHQWH RV ³ERQV FRVWXPHV´ 1HVVH FRQWH[WRPLOK}HV GH SHVVRDV FRP GH¿FLrQFLD HP WRGR R PXQGR FRQWULEXtD SDUD H[SOLFDU HVVDV GLYHUJrQFLDVDessa convenção foi elaborado e acordado, entre os A D H[LVWrQFia de associaç}HV UHOLJLRVDV TXH GHIHQGLDPSDtVHV GDV 1Do}HV 8QLGDV XP WUDWDGR LQWHUQDFLRQDO SDUD D SXUH]D VH[XDO GD SRSXODomR EUDQFDgarantir mais direitos a esse S~EOLFR B a associação da sensualidade às parcelas maisEntidades ligadas aos direitos das pessoas com abastadas da sociedade.GH¿FLrQFLD DFUHGLWDP TXH SDUD R %UDVLO D UDWL¿FDomR GRWUDWDGR SRGH VLJQL¿FDU DYDQoRV QD LPSOHPHQWDomR GH C R SRVLFLRQDPHQWR OLEHUDO GD VRFLHGDGH RLWRFHQWLVWD TXHOHLV QR SDtV reivindicava mudanças de comportamento na sociedade. LVSRQtYHO HP KWWSZZZEEFFRXN $FHVVR HP PDL DGDSWDGR
  7. 7. D D SROtWLFD S~EOLFD KLJLHQLVWD TXH DWUHODYD D1R %UDVLO DV SROtWLFDV S~EOLFDV GH LQFOXVmR VRFLDO VH[XDOLGDGH D JUXSRV VRFLDOPHQWH PDUJLQDLVapontam para o discurso, tanto da parte do governoTXDQWR GD LQLFLDWLYD SULYDGD VREUH D HIHWLYDomR GD E a busca do controle do corpo por meio de discursocidadania. Nesse sentido, a temática da inclusão social DPEtJXR TXH DVVRFLDYD VH[R SUD]HU OLEertinagem eGH SHVVRDV FRP GH¿FLrQFLD pecado.CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 5
  8. 8. 2010 *ROSA75sab6*Questão 16 Questão 18 O movimento operário ofereceu uma nova resposta ao JULWR GR KRPHP PLVHUiYHO QR SULQFtSLR GR VpFXOR ;,; $ UHVSRVWD IRL D FRQVFLrQFLD GH FODVVH H D DPELomR GH classe. Os pobres então se organizavam em uma classe HVSHFt¿FD D FODVVH RSHUiULD GLIHUHQWH GD FODVVH GRV SDWU}HV RX FDSLWDOLVWDV
  9. 9. $ 5HYROXomR )UDQFHVD OKHV GHX FRQ¿DQoD D 5HYROXomR ,QGXVWULDO WURX[H D QHFHVVLGDGH da mobilização permanente. +2%6%$:0 ( - $ HUD GDV UHYROXo}HV. São Paulo: Paz e Terra, 1977. 1R WH[WR DQDOLVDVH R LPSDFWR GDV 5HYROXo}HV )UDQFHVD e Industrial para a organização da classe operária. (QTXDQWR D ³FRQ¿DQoD´ GDGD SHOD 5HYROXomR )UDQFHVD HUD RULJLQiULD GR VLJQL¿FDGR GD YLWyULD UHYROXFLRQiULD VREUH DV FODVVHV GRPLQDQWHV D ³QHFHVVLGDGH GD PRELOL]DomR LVSRQtYHO HP KWWSLPJLPDJHVKDFNXV DGDSWDGR
  10. 10. permanente”, trazida pela Revolução Industrial, decorria GD FRPSUHHQVmR GH TXH$ PDLRU IUHTXrQFLD QD RFRUUrQFLa do fenômeno A D FRPSHWLWLYLGDGH GR WUDEDOKR LQGXVWULDO H[LJLDDWPRVIpULFR DSUHVHQWDGR QD ¿JXUD UHODFLRna-se a XP SHUPDQHQWH HVIRUoR GH TXDOL¿FDomR SDUD RA concentrações urbano-industriais. enfrentamento do desemprego.B HSLVyGLRV GH TXHLPDGDV ÀRUHVWDLV B a completa transformação da economia capitalista seria fundamental para a emancipação dos operários.C DWLYLGDGHV GH H[WUDWLYLVPR YHJHWDO C D LQWURGXomR GDV PiTXLQDV QR SURFHVVR SURGXWLYRD tQGLFHV GH SREUH]D HOHYDGRV GLPLQXtD DV SRVVLELOLGDGHV GH JDQKR PDWHULDO SDUDE FOLPDV TXHQWHV H PXLWR ~PLGRV os operários. D o progresso tecnológico geraria a distribuição deQuestão 17 ULTXH]DV SDUD DTXHOHV TXH HVWLYHVVHP DGDSWDGRVResponda sem peVWDQHMDU TXH SDtV RFXSD D OLGHUDQoD aos novos tempos industriais.mundial no mercado de etanol? Para alguns, a resposta E a melhoria das condições de vida dos operários seriayEYLD p R %UDVLO $¿QDO R SDtV WHP R PHQRU SUHoR GH FRQTXLVWDGD FRP DV PDQLIHVWDo}HV FROHWLYDV HPSURGXomR GR PHUFDGR DOpP GH YDVWDV iUHDV GLVSRQtYHLV favor dos direitos trabalhistas.SDUD R SODQWLR GH PDWpULDSULPD 2XWURV GLUmR TXH VmR RV Questão 19(8$ GRQRV GD PDLRU SURGXomR DQXDO 1RV SUy[LPRV DQRVHVVD SHUJXQWD QmR GHYH JHUDU PDLV G~YLGD SRLV D GLVSXWDQmR VH GDUi HP SODQWDo}HV GH FDQDGHDo~FDU RX QDVusinas, mas nos laboratórios altamente VR¿VWLFDGRV TERRA, L. RQH[}HV HVWXGRV GH JHRJUD¿D JHral. São Paulo: Moderna, 2009 (adaptado).A biotecnologia propicia, entre outras coisas, a produçãoGRV ELRFRPEXVWtYHLV TXH YrP VH FRQ¿JXUDQGR HPimportantes formas de energias alternativas. QueLPSDFWR SRVVtYHLV SHVTXLVDV HP ODERUDWyULRV SRGHPprovocar na produção de etanol no Brasil e nos EUA?A Aumento na utilização de novos tipos de matérias- primas para a produção do etanol, elevando a DEBRET, J. B.; SOUZA, L. M. (Org.). +LVWyULD GD YLGD SULYDGD QR %UDVLO produtividade. cotidiano e vida privada na América Portuguesa, v. 1. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.B UHVFLPHQWR GD SURGXomR GHVVH FRPEXVWtYHO A imagem retrata uma cena da vida cotidiana dos escravos causando, porém, danos graves ao meio ambiente XUEDQRV QR LQtFLR GR VpFXOR ;,; /HPEUDQGR TXH DV SHOR H[FHVVR GH SODQWDo}HV GH FDQDGHDo~FDU atividades desempenhadas por esses trabalhadores eramC Estagnação no processo produtivo do etanol diversas, os escravos de aluguel representados na pintura EUDVLOHLUR Mi TXH R SDtV GHL[RX GH LQYHVWLU QHVVH WLSR A vendiam a produção da lavoura cafeeira para os de tecnologia. moradores das cidades. B trabalhavam nas casas de seus senhores eD (OHYDomR QDV H[SRUWDo}HV GH HWDQRO SDUD RV (8$ acompanhavam as donzelas na rua. Mi TXH D SURGXomR LQWHUQD EUDVLOHLUD p PDLRU TXH D C realizavam trabalhos temporários em troca de SURFXUD H R SURGXWR WHP TXDOLGDGH VXSHULRU pagamento para os seus senhores. D eram autônomos, sendo contratados por outrosE $XPHQWR GD IRPH HP DPERV RV SDtVHV HP YLUWXGH GD senhores para realizarem atividades comerciais. SURGXomR GH FDQDGHDoXFDU SUHMXGLFDU D SURGXomR E aguardavam a sua própria venda após de alimentos. desembarcarem no porto. CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 6
  11. 11. *ROSA75sab7* 2010$ SDUWLU GR JUi¿FR D VHJXLU UHVSRQGD jV Tuestões 20 e 21. Contrapondo o fenômeno GD KLEULGH] j LGHLD GH ³SXUH]D´ FXOWXUDO REVHUYDVH TXH HOH VH PDQLIHVWD TXDQGRRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÃO E ÁREA PLANTADA NO BRASIL 1980-2008 A criaçõHV RULJLQDLV GHL[DP GH H[LVWLU HQWUH RV JUXSRV GH DUWLVWDV TXH SDVVDP D FRSLDU DV HVVrQFLDV GDV obras uns dos outros. B civilizações se fecham a ponto de retomarem os seus próprios modelos culturais do passado, antes abandonados. C populações demonstram menosprezo por seu SDWULP{QLR DUWtVWLFR DSURSULDQGRVH GH SURGXWRV culturais estrangeiros. D HOHPHQWRV FXOWXUDLV DXWrQWLFRV VmR GHVFDUDFWHUL]DGRV e reintroduzidos com valores mais altos em seus lugares de origem. E intercâmbios entre diferentes povos e campos de LVSRQtYHO HP KWWSZZZLEJHJRYEU $FHVVR HP MXO Questão 20 produção cultural passam a gerar novos produtos e manifestações.2 JUi¿FR PRVWUD D UHODomR GD SURGXomR GH FHUHDLVleguminosas e oleaginosas com a área plantada no Questão 23%UDVLO QR SHUtRGR GH D 9HUL¿FDVH XPDgrande variação da produção em comparação à área 2 DOIDLDWH SDUGR -RmR GH HXV TXH QD DOWXUD HP TXHSODQWDGD R TXH FDUDFWHUL]D R FUHVFLPHQWR GD IRL SUHVR QmR WLQKD PDLV GR TXH UpLV H RLWR ¿OKRVA economia. GHFODUDYD TXH ³7RGRV RV EUDVLOHLURV VH ¿]HVVHPB área plantada. franceses, para viverem em igualdade e abundância”.C produtividade.D sustentabilidade. 0$;:(// . RQGLFLRQDOLVPRV GD LQGHSHQGrQFLD GR %UDVLO 6,/9$ 0 1 2UJ
  12. 12. E racionalização. 2 LPSpULR OXVREUDVLOHLUR . Lisboa: Estampa, 1986.Questão 21 2 WH[WR ID] UHIHUrQFLD j RQMXUDomR %DLDQD 1R FRQWH[WRQue transformação ocorrida na agricultura brasileira, da crise do sistema colonial, esse movimento seQDV ~OWLPDV GpFDGDV MXVWL¿FD DV YDULDo}HV DSUHVHQWDGDV diferenciou dos demais movimentos libertários ocorridosQR JUi¿FR no Brasil porA 2 DXPHQWR GR Q~PHUR GH WUDEDOKDGRUHV H PHQRU necessidade de investimentos. A GHIHQGHU D LJXDOGDGH HFRQ{PLFD H[WLQJXLQGR DB O progressivo direcionamento da produção de grãos propriedade, conforme proposto nos movimentos para o mercado interno. OLEHUDLV GD )UDQoD QDSROH{QLFDC $LQWURGXomR GH QRYDV WpFQLFDV H LQVXPRV DJUtFRODV FRPR IHUWLOL]DQWHV H VHPHQWHV JHQHWLFDPHQWH PRGL¿FDGDV B introduzir no Brasil o pensamento e o ideário liberalD A introdução de métodos de plantio orgânico, altamente TXH PRYHUDP RV UHYROXFLRQiULRV LQJOHVHV QD OXWD SURGXWLYRV YROWDGRV SDUD D H[SRUWDomR HP ODUJD HVFDOD FRQWUD R DEVROXWLVPR PRQiUTXLFRE O aumento no crédito rural voltado para a produção C propor a instalação de um regime nos moldes da de grãos por camponeVHV GD DJULFXOWXUD H[WHQVLYD UHS~EOLFD GRV (VWDGRV 8QLGRV VHP DOWHUDU D RUGHPQuestão 22 socioeconômica escravista e latifundiária.$ KLEULGH] GHVFUHYH D FXOWXUD GH SHVVRDV TXH PDQWrPVXDV FRQH[}HV FRP D WHUUD GH VHXV DQWHSDVVDGRV D DSUHVHQWDU XP FDUiWHU HOLWLVWD EXUJXrV XPD YH] TXHUHODFLRQDQGRVH FRP D FXOWXUD GR ORFDO TXH KDELWDP VRIUHUD LQÀXrQFLD GLUHWD GD 5HYROXomR )UDQFHVD(OHV QmR DQVHLDP UHWRUQDU j VXD ³SiWULD´ RX UHFXSHUDU propondo o sistema censitário de votação.TXDOTXHU LGHQWLGDGH pWQLFD ³SXUD´ RX DEVROXWD DLQGDassim, preservam traços de outras culturas, tradições e E GHIHQGHU XP JRYHUQR GHPRFUiWLFR TXH JDUDQWLVVHhistórias e resistem à assimilação. D SDUWLFLSDomR SROtWLFa das camadas populares,CASHMORE, E. Dicionário GH UHODo}HV pWQLFDV H raciais. São Paulo: Selo Negro, 2000 (adaptado). LQÀXHQFLDGR SHOR LGHiULR GD 5HYROXomR )UDQFHVDCH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 7
  13. 13. 2010 *ROSA75sab8*Questão 24 Questão 26Para os amigos pão, para os inimigos pau; aos amigos $ pWLFD H[LJH XP JRYHUQR TXH DPSOLH D LJXDOGDGH HQWUHVH ID] MXVWLoD DRV LQLPLJRV DSOLFDVH D OHL os cidadãos. Essa é a base da pátria. Sem ela, muitos LEAL, V. N. RURQHOLVPR HQ[DGD H YRWR. São Paulo: Alfa Omega. LQGLYtGXRV QmR VH VHQWHP ³HP FDVD´ H[SHULPHQWDPVH como estrangeiros em seu próprio lugar de nascimento.(VVH GLVFXUVR WtSLFR GR FRQWH[WR KLVWyULFR GD 5HS~EOLFD SILVA, R. R. Ética, defesa nacional, cooperação dos povos. OLIVEIRA, E. R (Org.)9HOKD H XVDGR SRU FKHIHV SROtWLFRV H[SUHVVD XPD 6HJXUDQoD HIHVD 1DFLRQDO da competição à cooperação regional. São Paulo:realidade caracterizada )XQGDomR 0HPRULDO GD $Périca Latina, 2007 (adaptado).A pela força pROtWLFD dos burocratas do nascente Estado Os pressupostos éticos são essenciais para a UHSXEOLFDQR TXH XWLOL]DYDP GH VXDV SUHUURJDWLYDV HVWUXWXUDomR SROtWLFD H LQWHJUDomR GH LQGLYtGXRV HP XPD SDUD FRQWURODU H GRPLQDU R SRGHU QRV PXQLFtSLRV sociedade. De acRUGR FRP R WH[WR D pWLFD FRUUHVSRQGH DB SHOR FRQWUROH SROtWLFR GRV SURSULHWiULRV QR LQWHULRU A valores e costumes partilhados pela maioria da GR SDtV TXH EXVFDYDP SRU PHLR GRV VHXV FXUUDLV sociedade. HOHLWRUDLV HQIUDTXHFHU D QDVFHQWH EXUJXHVLD EUDVLOHLUD B preceitos normativos impostos pela coação das OHLV MXUtGLFDVC SHOR PDQGRQLVPR GDV ROLJDUTXLDV QR LQWHULRU GR C normas determinadas pelo governo, diferentes das %UDVLO TXH XWLOL]DYDP GLIHUHQWHV PHFDQLVPRV leis estrangeiras. assistencialistas e de favorecimento para garantir o D WUDQVIHUrQFLD GRV YDORUHV SUDWLFDGRV HP FDVD SDUD D controle dos votos. esfera social.D SHOR GRPtQLR SROtWLFR GH JUXSRV OLJDGRV jV YHOKDV E SURLELomR GD LQWHUIHUrQFLD GH HVWUDQJHLURV HP LQVWLWXLo}HV PRQiUTXLFDV H TXH QmR HQFRQWUDUDP nossa pátria. HVSDoR GH DVFHQVmR SROtWLFD QD QDVFHQWH UHS~EOLFD Questão 27E SHOD DOLDQoD SROtWLFD ¿UPDGD HQWUH DV ROLJDUTXLDV $ GHSHQGrQFLD regional maior ou menor da mão de GR 1RUWH H 1RUGHVWH GR %UDVLO TXH JDUDQWLULD REUD HVFUDYD WHYH UHÀH[RV SROtWLFRV LPSRUWDQWHV QR uma alternância no poder federal de presidentes HQFDPLQKDPHQWR GD H[WLQomR GD HVFUDYDWXUD 0DV D originários dessas regiões. possibilidade e a habilidade de lograr uma solução DOWHUQDWLYD ± FDVR WtSLFR GH 6mR 3DXOR ± GHVHPSHQKDUDPQuestão 25 ao mesmo tempo, papel relevante.1D DQWLJD *UpFLD R WHDWUR WUDWRX GH TXHVW}HV FRPR )$8672 % +LVWyULD GR %UDVLO. São Paulo: EDUSP, 2000.GHVWLQR FDVWLJR H MXVWLoD 0XLWRV JUHJRV VDELDP GH FRULQ~PHURV YHUVRV GDV SHoDV GRV VHXV JUDQGHV DXWRUHV A crise do escraYLVPR H[SUHVVDYD D GLItFLO TXHVWmR HP1D ,QJODWHUUD GRV VpFXORV ;9, H ;9,, 6KDNHVSHDUH WRUQR GD VXEVWLWXLomR GD PmR GH REUD TXH UHVXOWRXSURGX]LX SHoDV QDV TXDLV WHPDV FRPR R DPRU R SRGHU A na constituição de um mercado interno de mãoo bem e o mal foram tratados. Nessas peças, os grandes GH REUD OLYUH FRQVWLWXtGR SHORV OLEHUWRV XPD YH]personagens falavam em verso e os demais em prosa. TXH D PDLRULD GRV LPLJUDQWHV VH UHEHORX FRQWUD D1R %UDVLO FRORQLDO RV tQGLRV DSUHQGHUDP FRP RV MHVXtWDV VXSHUH[SORUDomR GR WUDEDOKRa representar peças de caráter religioso. B QR FRQIURQWR HQWUH D DULVWRFUDFLD WUDGLFLRQDO TXH(VVHV IDWRV VmR H[HPSORV GH TXH HP GLIHUHQWHV WHPSRV GHIHQGLD D HVFUDYLGmR H RV SULYLOpJLRV SROtWLFRV H RV FDIHLFXOWRUHV TXH OXWDYDP SHOD PRGHUQL]DomRe situações, o teatro é uma forma econômica com a adoção do trabalho livre.A de manipulação do SRYR SHOR SRGHU TXH FRQWUROD C QR ³EUDQTXHDPHQWR´ GD SRSXODomR SDUD DIDVWDU o teatro. R SUHGRPtQLR GDV UDoDV FRQVLGHUDGDV LQIHULRUHVB GH GLYHUVmR H GH H[SUHVVmR GRV YDORUHV H SUREOHPDV e concretizar a ideia do Brasil como modelo de da sociedade. civilização dos trópicos.C GH HQWUHWHQLPHQWR SRSXODU TXH VH HVJRWD QD VXD D QR WUi¿FR LQWHUSURYLQFLDO GRV HVFUDYRV GDV iUHDV função de distrair. GHFDGHQWHV GR 1RUGHVWH SDUD R 9DOH GR 3DUDtED para a garantia da rentabilidade do café.D GH PDQLSXODomR GR SRYR SHORV LQWHOHFWXDLV TXH compõem as peças. E na adoção de formas disfarçadas de trabalho compulsório com emprego dos libertos nos cafezaisE GH HQWUHWHQLPHQWR TXH IRL VXSHUDGD H KRMH p SDXOLVWDV XPD YH] TXH RV LPLJUDQWHV IRUDP WUDEDOKDU VXEVWLWXtGD SHOa televisão. em outras regiões do patV CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 8
  14. 14. *ROSA75sab9* 2010Questão 28 Questão 30Para o Paraguai, portanto, essa foi uma guerra pela Os cercamentos do século ;9,,, SRGHP VHU FRQVLGHUDGRVVREUHYLYrQFLD H WRGR PRGR XPD JXHUUD FRQWUD GRLV FRPR VtQWHVHV GDV WUDQVIRUPDo}HV TXH OHYDUDP jgigantes estava fadada a ser um teste debilitante e consolidação do capitalismo na Inglaterra. Em primeirosevero para uma economia de base tão estreita. Lopez OXJDU SRUTXH VXD HVSHFLDOL]DomR H[LJLX XPD DUWLFXODomR fundamental com o mercado. Como se concentravamprecisava de uma vitória rápida e, se não conseguisse na atividade de produção de lã, a realização da rendavencer rapidamente, provavelmente não venceria nunca. dependeu dos mercados, de novas tecnologias de /1+ - $V 5HS~EOLFDV GR 3UDWD GD ,QGHSHQGrQFLD j *XHUUD GR 3DUDJXDL %(7+(// /HVOLH 2UJ
  15. 15. EHQH¿FLDPHQWR GR SURGXWR H GR HPSUHJR GH QRYRV WLSRV GH +LVWyULD GD $PpULFD /DWLQD GD ,QGHSHQGrQFLD DWp , v. III. São Paulo: EDUSP, 2004. ovelhas. Em segundo lugar, concentrou-se na inter-relação do campo com a cidade e, num primeiro momento, tambémA Guerra do Paraguai WHYH FRQVHTXrQFLDV SROtWLFDV se vinculou à liberação de mão de obra.importantes para o Brasil, pois RODRIGUES, A. E. M. Revoluções burguesas. In 5(,6 ),/+2 $ HW DO 2UJV
  16. 16. 2 6pFXOR ;;, v. I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000 (adaptado).A UHSUHVHQWRX D D¿UPDomR GR ([pUFLWR %UDVLOHLUR FRPR XP DWRU SROtWLFR GH SULPHLUD RUGHP 2XWUD FRQVHTXrQFLD GRV FHUFDPHQWRV TXH WHULD FRQWULEXtGR SDUD D 5HYROXomo Industrial na Inglaterra foi oB FRQILUPRX D FRQTXLVWD GD KHJHPRQLD EUDVLOHLUD sobre a Bacia Platina. A aumento do consumo interno.C concretizou a emancipação dos escravos negros. B FRQJHODPHQWR GR VDOiULR PtQLPR C fortalecimento dos sindicatos proletários.D incentivou a adoção de um regime constitucional PRQiUTXLFR D HQIUDTXHFLPHQWR GD EXUJXHVLD LQGXVWULDO E desmembramento das propriedades improdutivas.E VROXFLRQRX D FULVH ¿QDQFHLUD HP UD]mR GDV indenizações recebidas. Questão 31 O meVWUHVDOD GRV PDUHVQuestão 29 Há muito tempo nas águas da GuanabaraA solução militar da FULVH SROtWLFD JHUDGD SHOD VXFHVVmR O dragão do mar reapareceuGR SUHVLGHQWH :DVKLQJWRQ /XLV HP SURYRFD Na figura de um bravo marinheiroSURIXQGD UXSWXUD LQVWLWXFLRQDO QR SDtV HSRVWR R SUHVLGHQWH $ TXHP D KLVWyULD QmR HVTXHFHX Conhecido como o almirante negroR *RYHUQR 3URYLVyULR
  17. 17. SUHFLVD DGPLQLVWUDU Tinha a dignidade de um mestre-salaDV GLIHUHQoDV HQWUH DV FRUUHQWHV SROtWLFDV LQWHJUDQWHV GD E ao navegar pelo mar com seu bloco de fragatascomposição vitoriosa, herdeira da Aliança Liberal. )RL VDXGDGR QR SRUWR SHODV PRFLQKDV IUDQFHVDV Jovens polacas e por batalhões de mulatas /(026 5 $ UHYROXomR FRQVWLWXFLRQDOLVWD GH 6,/9$ 5 0 $+$38= 3 % 5XEUDV FDVFDWDV MRUUDYDP QDV FRVWDV LAMARÃO, S. (Org). *HW~OLR 9DUJDV H VHX WHPSR. Rio de Janeiro: BNDES. dos negros pelas pontas das chibatas... BLANC, A.; BOSCO, J. 2 PHVWUHVDOD GRV PDUHV LVSRQtYHO HP ZZZXVLQDGHOHWUDVFRPEU1R FRQWH[WR KLVWyULFR GD FULVH GD 3ULPHLUD 5HS~EOLFD $FHVVR HP MDQ YHUL¿FDVH XPD GLYLVmR QR PRYLPHQWR WHQHQWLVWD $ Na história brasileira, a chamada Revolta da Chibata,atuação dos integrantes do movimento liderados por OLGHUDGD SRU -RmR kQGLGR H GHVFULWD QD P~VLFD IRL-XDUH] 7iYRUD RV FKDPDGRV ³OLEHUDLV´ QRV DQRV A a rebelião de escraYRV FRQWUD RV FDVWLJRV ItVLFRVdeve ser entendida como ocorrida na Bahia, em 1848, e repetida no Rio de Janeiro.A a aliança com os cafeicultores paulistas em defesa B a revolta, no porto de Salvador, em 1860, de de novas eleições. PDULQKHLURV GRV QDYLRV TXH ID]LDP R WUi¿FR QHJUHLURB R UHWRUQR DRV TXDUWpLV GLDQWH GD GHVLOXVmR SROtWLFD C R SURWHVWR RFRUULGR QR ([pUFLWR HP FRQWUD R FRP D ³5HYROXomR GH ´ castigo de chibatadas em soldados desertores naC R FRPSURPLVVR SROtWLFRLQVWLWXFLRQDO FRP R JRYHUQR Guerra do Paraguai. provisório de Vargas. D a rebelião dos marinheiros, negros e mulatos, em 1910, contra os castigos e as condições de trabalhoD D DGHVmR DR VRFLDOLVPR UHIRUoDGD SHOR H[HPSOR GR na Marinha de Guerra. H[WHQHQWH /XtV DUORV 3UHVWHV E o protesto popular contra o aumento do custo de vidaE o apoio ao governo provisório em defesa da no Rio de Janeiro, em 1917, dissolvido, a chibatadas, descentralização do poder pROtWLFR pela poltFLDCH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 9
  18. 18. 2010 *ROSA75sab10* A foto revela um momento da Guerra do VietnãQuestão 32
  19. 19. FRQÀLWR PLOLWDU FXMD FREHUWXUD MRUQDOtVWLFDDOL DYLVWDPRV KRPHQV TXH DQGDYDP SHOD SUDLD REUD XWLOL]RX HP JUDQGH HVFDOD D IRWRJUD¿D H D WHOHYLVmR 8Pde sete ou oito. Eram pardos, todos nus. Nas mãos GRV SDSpLV H[HUFLGRV SHORV PHLRV GH FRPXQLFDomR QDtraziam arcos com suas setas. Não fazem o menor casoGH HQFREULU RX GH PRVWUDU VXDV YHUJRQKDV H QLVVR WrP cobertura dessa guerra, evidenciado pela foto, foiWDQWD LQRFrQFLD FRPR HP PRVWUDU R URVWR $PERV WUD]LDP A demonstrar DV GLIHUHQoDV FXOWXUDLV H[LVWHQWHV HQWUHRV EHLoRV GH EDL[R IXUDGRV H PHWLGRV QHOHV VHXV RVVRV norte-americanos e vietnamitas.brancos e verdadeiros. Os cabelos seus são corredios. B defender a necessidade de intervenções armadas CAMINHA, P. V. Carta. RIBEIRO, D. et al. 9LDJHP SHOD KLVWyULD GR %UDVLO documentos. São Paulo: Companhia das Letras, 1997 (adaptado). HP SDtVHV FRPXQLVWDV C denunciar os abusos cometidos pela intervenção2 WH[WR p SDUWH GD IDPRVD DUWD GH 3HUR 9D] GH DPLQKD militar norte-americana.documento fundamental para a formação da identidadeEUDVLOHLUD 7UDWDQGR GD UHODomR TXH GHVGH HVVH SULPHLUR D GLYXOJDU YDORUHV TXH TXHVWLRQDYDP DV Do}HV GRFRQWDWR VH HVWDEHOHFHX HQWUH SRUWXJXHVHV H LQGtJHQDV governo vietnamita.esse trecho da carta revela a E revelar a superioridade militar dos Estados UnidosA preocupação em garantir a integridade do colonizador da América. GLDQWH GD UHVLVWrQFLD GRV tQGLRV j RFXSDomR GD WHUUD Questão 34B SRVWXUD HWQRFrQWULFD GR HXURSHX GLDQWH GDV 1R VpFXOR ;; R WUDQVSorte rodoviário e a aviação civil FDUDFWHUtVWLFDV ItVLFDV H SUiWLFDV FXOWXUDLV GR LQGtJHQD aceleraram o intercâmbio de pessoas e mercadorias,C RULHQWDomR GD SROtWLFD GD RURD 3RUWXJXHVD TXDQWR ID]HQGR FRP TXH DV GLVWkQFLDV H D SHUFHSomR VXEMHWLYD GDV à utilização dos nativos como mão de obra para PHVPDV VH UHGX]LVVHP FRQVWDQWHPHQWH e SRVVtYHO DSRQWDU colonizar a nova terra. XPD WHQGrQFLD GH XQLYHUVDOL]DomR HP YiULRV FDPSRV SRUD RSRVLomR GH LQWHUHVVHV HQWUH SRUWXJXHVHV H tQGLRV H[HPSOR QD JOREDOL]DomR GD HFRQRPLD QR DUPDPHQWLVPR TXH GL¿FXOWDYD R WUDEDOKR FDWHTXpWLFR H H[LJLD DPSORV nuclear, na manipulação genética, entre outros. recursos para a defesa da posse da nova terra. HABERMAS, J. $ FRQVWHODomR SyVQDFLRQDO HQVDLRV SROtWLFRV 6mR 3DXOR Littera Mundi, 2001 (adaptado).E DEXQGkQFLD GD WHUUD GHVFREHUWD R TXH SRVVLELOLWRX D VXD incorporação aos interesses mercantis portugueses, Os impactos e efeitos dessa universalização, conforme SRU PHLR GD H[SORUDomR HFRQ{PLFD GRV tQGLRV GHVFULWRV QR WH[WR SRGHP VHU DQDOLVDGRV GR SRQWR GHQuestão 33 YLVWD PRUDO R TXH OHYD j GHIHVD GD FULDomR GH QRUPDV XQLYHUVDLV TXH HVWHMDP GH DFRUdo com A os valores culturais praticados pelos diferentes povos em suas tradições e costumes locais. B RV SDFWRV DVVLQDGRV SHORV JUDQGHV OtGHUHV SROtWLFRV RV TXDLV GLVS}HP GH FRQGLo}HV SDUD WRPDU GHFLV}HV C os sentimentos de respeito e fé no cumprimento de YDORUHV UHOLJLRVRV UHODWLYRV j MXVWLoD GLYLQD D RV VLVWHPDV SROtWLFRV H VHXV SURFHVVRV FRQVHQVXDLV e democráticos de formação de normas gerais. E RV LPSHUDWLYRV WpFQLFRFLHQWt¿FRV TXH GHWHUPLQDP LVSRQtYHO HP ZZZFXOWXUDEUDVLORUJEU $FHVVR HP DEU FRP H[DWLGmR R JUDu de MXVWLoD GDV QRUPDV CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 10
  20. 20. *ROSA75sab11* 2010Questão 35 Questão 37Os generaLV DEDL[RDVVLQDGRV GH SOHQR DFRUGR FRP R (X QmR WHQKR KRMH HP GLD PXLWR RUJXOKR GR 7URSLFDOLVPRMinistro da Guerra, declaram-se dispostos a promover )RL VHP G~YLGD XP PRGR GH DUURPEDU D IHVWD PDVXPD DomR HQpUJLFD MXQWR DR JRYHUQR QR VHQWLGR GH DUURPEDU D IHVWD QR %UDVLO p IiFLO 2 %UDVLO p XPD SHTXHQDcontrapor medidas decisivas aos planos comunistas VRFLHGDGH FRORQLDO PXLWR PHVTXLQKD PXLWR IUDFDe seus pregadores e adeptos, independentemente VELOSO, C. In: HOLLANDA, H. B.; GONÇALVES, M. A. XOWXUD H SDUWLFLSDomR QRV DQRV .GD HVIHUD VRFLDO D TXH SHUWHQoDP $VVLP SURFHGHP São Paulo: Brasiliense, 1995 (adaptado).QR H[FOXVLYR SURSyVLWR GH VDOYDUHP R %UDVLO H VXDV O movimento tropicalista, consagrador de diversosLQVWLWXLo}HV SROtWLFDV H VRFLDLV GD KHFDWRPEH TXH VH P~VLFRV EUDVLOHLURV HVWi UHODFLRQDGR KLVWRULFDPHQWHPRVWUD SUHVWHV D H[SORGLU $WD GH UHXQLmR QR 0LQLVWpULR GD *XHUUD %21$9,(6 3 AMARAL, R. A j H[SDQVão de novas tecnologias de informação, 7H[WRV SROtWLFRV GD KLVWyULD GR %UDVLO, Y %UDVtOLD 6HQDGR )HGHUDO DGDSWDGR
  21. 21. HQWUH DV TXDLV D ,QWHUQHW R TXH IDFLOLWRX LPHQVDPHQWHLevando em cRQWD R FRQWH[WR SROtWLFRLQVWLWXFLRQDO GRV a sua divulgação mundo afora.DQRV QR %UDVLO SRGHVH FRQVLGHUDU R WH[WR FRPRXPD WHQWDWLYD GH MXVWL¿FDU D DomR PLOLWDU TXH LULD B DR DGYHQWR GD LQG~VWULD FXOWXUDO HP DVVRFLDomR FRP XP FRQMXQWR GH UHLYLQGLFDo}HV HVWpWLFDV H SROtWLFDVA debelar a chamada Intentona Comunista, acabando durante os anos 1960. com a possibilidade da tomada do poder pelo PCB. C à parceria com a Jovem Guarda, também consideradaB reprimir a Aliança Nacional Libertadora, fechando WRGRV RV VHXV Q~FOHRV H SUHQGHQGR RV VHXV OtGHUHV XP PRYLPHQWR QDFLRQDOLVWD H GH FUtWLFD SROtWLFD DR regime militar brasileiro.C GHVD¿DU D $omR ,QWHJUDOLVWD %UDVLOHLUD DIDVWDQGR R perigo de uma guinada autoritária para o fascismo. D ao crescimento do movimento estudantil nos anosD instituir a ditadura do Estado Novo, cancelando as GR TXDO RV WURSLFDOLVWDV IRUDP DOLDGRV QD FUtWLFD DR HOHLo}HV GH H UHHVFUHYHQGR D RQVWLWXLomR GR SDtV tradicionalismo dos costumes da sociedade brasileira.E combater a Revolução Constitucionalista, evitando E j LGHQWL¿FDomR HVWpWLFD FRP D %RVVD 1RYD SRLV TXH RV ID]HQGHLURV SDXOLVWDV UHWRPDVVHP R SRGHU DPERV RV PRYLPHQWRV WLQKDP UDt]HV QD LQFRUSRUDomR SHUGLGR HP de ritmos norte-americanos, como o blues.Questão 36 Questão 38$ $PpULFD VH WRUQDUD D PDLRU IRUoD SROtWLFD H ¿QDQFHLUD Sozinho vai descobrindo o caminhoGR PXQGR FDSLWDOLVWD +DYLD VH WUDQVIRUPDGR GH SDtVGHYHGRU HP SDtV TXH HPSUHVWDYD GLQKHLUR (UD DJRUD O rádio fez assim com seu avôuma nação credora. Rodovia, hidrovia, ferrovia HUBERMAN, L. +LVWyULD GD ULTXH]D GR KRPHP. Rio de Janeiro: Zahar, 1962. E agora chegando a infoviaEm 1948, os EUA lanoDYDP R 3ODQR 0DUVKDOO TXHconsistiu no empréstimo de 17 bilhões de dólares para Para alegria de todo o interiorTXH RV SDtVHV HXURSHXV UHFRQVWUXtVVHP VXDV HFRQRPLDV GIL, G. %DQGD ODUJD FRUGHO LVSRQtYHO HP ZZZXROYDJDOXPHFRPEUUm dos resultados desse plano, para os EUA, foi Acesso em: 16 abr. 2010 (fragmento).A R DXPHQWR GRV LQYHVWLPHQWRV HXURSHXV HP LQG~VWULDV 2 WUHFKR GD FDQomR ID] UHIHUrQFLD D XPD GDV GLQkPLFDV sediadas nos EUA. centrais da globalização, diretamente associada aoB D UHGXomR GD GHPDQGD GRV SDtVHV HXURSHXV SRU processo de SURGXWRV H LQVXPRV DJUtFRODV A evolução da tecnologia da informação.C R FUHVFLPHQWR GD FRPSUD GH PiTXLQDV H YHtFXORV estadunidenses pelos europeus. B H[SDQVmR GDV HPSUHVDV WUDQVQDFLRQDLVD R GHFOtQLR GRV HPSUpVWLPRV HVWDGXQLGHQVHV DRV C ampliação dos protecionismos alfandegários. SDtVHV GD $PpULFD /DWLQD H GD ÈVLD D H[SDQVmR GDV iUHDV XUEDQDV GR LQWHULRUE D FULDomR GH RUJDQLVPRV TXH YLVDYDP UHJXODPHQWDU todas as operações de crédito. E HYROXomR GRV ÀX[RV SRSXODFLRQDLVCH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 11
  22. 22. 2010 *ROSA75sab12* A charge remete aR FRQWH[WR GR PRYLPHQWR TXH ¿FRXQuestão 39 conhecido como Diretas Já, ocorrido entre os anos GH H 2 HOHPHQWR KLVWyULFR HYLGHQFLDGR QDA primeira instituição de enVLQR EUDVLOHLUD TXH LQFOXL GLVFLSOLQDV imagem éYROWDGDV DR S~EOLFR /*%7 OpVELFDV JDV ELVVH[XDLV H A D LQVLVWrQFLD GRV JUXSRV SROtWLFRV GH HVTXHUGD HPWUDQVH[XDLV
  23. 23. DEULX LQVFULo}HV QD VHPDQD SDVVDGD $ JUDGH UHDOL]DU DWRV SROtWLFRV LOHJDLV H FRP SRXFDV FKDQFHVcurricular é inspirada em similares dos Estados Unidos da de serem vitoriosos.$PpULFD H GD (XURSD (OD DWHQGHUi MRYHQV FRP DXODV GH B a mobilização em torno da luta pela democracia frenteH[SUHVVmR DUWtVWLFD GDQoD H FULDomR GH IDQ]LQHV e DEHUWD D ao regime militar, cada vez mais desacreditado.WRGR R S~EOLFR HVWXGDQWLO H WHP FRPR SULQFLSDO REMHWLYR LPSHGLU C o diálogo dos movimentos sociais e dos partidos SROtWLFRV HQWmR H[LVWHQWHV FRP RV VHWRUHV GRa evasão escolar de grupos socialmente discriminados. governo interessados em negociar a abertura. Época MDQ DGDSWDGR
  24. 24. D a insatisfação popular diante da atuação dos partidos2 WH[WR WUDWD GH XPD SROtWLFD S~EOLFD GH DomR D¿UPDWLYD SROtWLFRV GH RSRVLomR DR UHJLPH PLOLWDU FULDGRV QRYROWDGD DR S~EOLFR /*%7 RP D FULDomR GH XPD LQVWLWXLomR LQtFLR GRV DQRV GH HQVLQR SDUD DWHQGHU HVVH S~EOLFR SUHWHQGHVH E D FDSDFLGDGH GR UHJLPH PLOLWDU HP LPSHGLU TXH DV PDQLIHVWDo}HV SROtWLFDs acontecessem.A contribuir para a invisibilidade do preconceito ao Questão 41 grupo LGBT.B copiar os modelos educacionais dos EUA e da $OH[Dndria começou a ser FRQVWUXtGD HP D SRU Europa. $OH[DQGUH R *UDQGH H HP SRXFRV DQRV WRUQRXVH XPC permitir o acesso desse segmento ao ensino técnico. SROR GH HVWXGRV VREUH PDWHPiWLFD ¿ORVR¿D H FLrQFLDD criar uma estratégia de proteção e isolamento gregas. Meio século mais tarde, Ptolomeu II ergueu uma desse grupo. HQRUPH ELEOLRWHFD H XP PXVHX ² TXH IXQFLRQRX FRPRE SURPRYHU R UHVSHLWR j GLYHUVLGDGH VH[XDO QR VLVWHPD de ensino. FHQWUR GH SHVTXLVD $ ELEOLRWHFD UHXQLX HQWUH PLO H 500 mil papiros e, com o museu, transformou a cidade noQuestão 40 PDLRU Q~FOHR LQWHOHFWXDO GD pSRFD HVSHFLDOPHQWH HQWUH os anos 290 e 88 a.C. A partir de então, sofreu sucessivos DWDTXHV GH URPDQRV FULVWmRV H iUDEHV R TXH UHVXOWRX QD destruição ou perda GH TXDVH WRdo o seu acervo. 5,%(,52 ) )LOyVRID H PiUWLU $YHQWXUDV QD KLVWyULD. São Paulo: Abril. ed. 81, abr. 2010 (adaptado). A biblioteca dH $OH[DQGULD H[HUFHX GXUDQWH FHUWR WHPSR um papel fundamental para a produção do conhecimento H PHPyULD GDV FLYLOL]Do}HV DQWLJDV SRUTXH A eternizou o nome de $OH[DQGUH R *UDQGH H ]HORX pelas narrativas dos seus grandes feitos. B IXQFLRQRX FRPR XP FHQWUR GH SHVTXLVD DFDGrPLFD H deu origem às universidades modernas. C preservou o legado da cultura grega em diferentes áreas do conhecimento e permitiu sua transmissão a outros povos. D WUDQVIRUPRX D FLGDGH GH $OH[DQGULD QR FHQWUR XUEDQR mais importante da Antiguidade. E UHXQLX RV SULQFLSDLV UHJLVWURV DUTXHROyJLFRV DWpLVSRQtYHO HPKWWSSLPHQWDFRPOLPDR¿OHVZRUGSUHVVFRP $FHVVR HP DEU DGDSWDGR
  25. 25. HQWmR H[LVWHQWHV H IHz avançar a museologia antiga. CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 12
  26. 26. *ROSA75sab13* 2010 A análise do trecho da canção indica um tipo de interaçãoQuestão 42 HQWUH R LQGLYtGXR H R HVSDoR (VVD LQWHUDomR H[SOtFLWD QDQuando Édipo nasceu, seus pais, Laio e Jocasta, os reis FDQomR H[SUHVVD XP SURFHVso deGH 7HEDV IRUDP LQIRUPDGRV GH XPD SURIHFLD QD TXDO R¿OKR PDWDULD R SDL H VH FDVDULD FRP D PmH 3DUD HYLWiOD A autossegregação espacial.RUGHQDUDP D XP FULDGR TXH PDWDVVH R PHQLQR 3RUpP B H[FOXVmR VRFLRFXOWXUDOpenalizado com a sorte de Édipo, ele o entregou a umFDVDO GH FDPSRQHVHV TXH PRUDYD ORQJH GH 7HEDV SDUD C homogeneização cultural.TXH R FULDVVH eGLSR VRXEH GD SURIHFLD TXDQGR VH WRUQRX D H[SDQVmR XUEDQDadulto. Saiu então da casa de seus pais para evitar a E pertencimento ao espaço.WUDJpGLD (LV TXH SHUDPEXODQGR SHORV FDPLQKRV GD*UpFLD HQFRQWURXVH FRP /DLR H VHX VpTXLWR TXH Questão 44LQVROHQWHPHQWH RUGHQRX TXH VDtVVH GD HVWUDGD eGLSRreagiu e matou todos os integrantes do grupo, sem saber $WR ,QVWLWXFLRQDO Qž GH GH GH]HPEUR GH TXH HQWUH HOHV HVWDYD VHX YHUGDGHLUR SDL RQWLQXRX DYLDJHP DWp FKHJDU D 7HEDV GRPLQDGD SRU XPD (V¿QJH Art. 10 – )LFD suspensa a garantia de habeas corpus, nos(OH GHFLIURX R HQLJPD GD (V¿QJH WRUQRXVH UHL GH 7HEDV H FDVRV GH FULPHV SROtWLFRV FRQWUD D VHJXUDQoD QDFLRQDOFDVRXVH FRP D UDLQKD -RFDVWD D PmH TXH GHVFRQKHFLD a ordem econômica e social e a economia popular. LVSRQtYHO HP KWWSZZZFXOWXUDEUDVLORUJ $FHVVR HP DJR DGDSWDGR
  27. 27. Art. 11 – ([FOXHPVH GH TXDOTXHU DSUHFLDomR MXGLFLDO WRGRV RVNo mito Édipo Rei, VmR GLJQRV GH GHVWDTXH RV WHPDV GR atos praticados de acordo com este Ato Institucional e seusGHVWLQR H GR GHWHUPLQLVPR $PERV VmR FDUDFWHUtVWLFDV GR Atos Complementares, bem como os respectivos efeitos.mito grego e abordam a relação entre liberdade humana LVSRQtYHO HP KWWSZZZVHQDGRJRYEU $FHVVR HP MXO H SURYLGrQFLD GLYLQD $ H[SUHVVmR ¿ORVy¿FD TXH WRPDcomo pressuposta a tese do determinismo é: O Ato Institucional nº 5 é considerado por muitos DXWRUHV XP ³JROSH GHQWUR GR JROSH´ 1RV DUWLJRV GRA ³1DVFL SDUD VDWLVID]HU D JUDQGH QHFHVVLGDGH TXH HX AI-5 selecionados, o governo militar procurou limitar a tinha de mim mesmo.” Jean Paul Sartre atuação do Poder JudiciáULR SRUTXH LVVR VLJQL¿FDYDB ³7HU Ip p DVVLQDU XPD IROKD HP EUDQFR H GHL[DU TXH A a substituição da Constituição de 1967. HXV QHOD HVFUHYD R TXH TXLVHU´ 6DQWR $JRVWLQKR B R LQtFLR GR SURFHVVR GH GLVWHQVmR SROtWLFDC ³4XHP QmR WHP PHGR GD YLGD WDPEpP QmR WHP PHGR C D JDUDQWLD OHJDO SDUD R DXWRULWDULVPR GRV MXt]HV da morte.” Arthur Schopenhauer D D DPSOLDomR GRV SRGHUHV QDV PmRV GR ([HFXWLYRD ³1mR PH SHUJXQWH TXHP VRX HX H QmR PH GLJD SDUD E D UHYRJDomR GRV LQVWUXPHQWRV MXUtGLFRV LPSODQWDGRV SHUPDQHFHU R PHVPR´ 0LFKHO )RXFDXOW durante o golpe de 1964. Questão 45E ³2 KRPHP HP VHX RUJXOKR FULRX D HXV D VXD A gente não sabemos escolher presidente imagem e semelhanoD´ )ULHGULFK 1LHtzsche A gente não sabemos tomar conta da genteQuestão 43 A gente não sabemos nem escovar os dentes 7HP JULQJR SHQVDQGR TXH QyLV p LQGLJHQWHO meu lugar, ,Q~WLOTem seus mitos e seres de luz, $ JHQWH VRPRV LQ~WLOe EHP SHUWR GH 2VZDOGR UX] MOREIRA, R. ,Q~WLO IUDJPHQWR
  28. 28. DVFDGXUD 9D] /RER ,UDMiO meu lugar, O fragmento integra a letra de uma canção gravada emÉ sorriso, é paz e prazer, PRPHQWR GH LQWHQVD PRELOL]DomR SROtWLFD $ FDQomR IRL censurada por estar associadaO seu nome é doce dizer,Madureira, ia, Iaiá. A ao rock naFLRQDO TXH VRIUHX OLPLWDo}HV GHVGH R LQtFLRMadureira, ia, Iaiá da ditadura militar. B D XPD FUtWLFD DR UHJLPH GLWDWRULDO TXH PHVPR HP VXD(P FDGD HVTXLQD XP SDJRGH XP EDU IDVH ¿QDO LPSHGLD D HVFROKD SRSXODU GR SUHVLGHQWHEm Madureira. C j IDOWD GH FRQWH~GR UHOHYDQWH SRLV R (VWDGR EXVFDYDImpério e Portela também são de lá, QDTXHOH FRQWH[WR D FRQVFLHQWL]DomR GD VRFLHGDGHEm Madureira. SRU PHLR GD P~VLFD( QR 0HUFDGmR YRFr SRGH FRPSUDU D à dominação cultural dos Estados Unidos da América3RU XPD SHFKLQFKD YRFr YDL OHYDU VREUH D VRFLHGDGH EUDVLOHLUD TXH R UHJLPH PLOLWDU8P GHQJR XP VRQKR SUD TXHP TXHU VRQKDU pretendia esconder.Em Madureira. E j DOXVmR j EDL[D HVFRODULGDGH H j IDOWD GH FRQVFLrQFLDCRUZ, A. 0HX OXJDU. DisSRQtYHO HP ZZZYDJDOXPHXROFRPEU $FHVVR HP DEU IUDJPHQWR
  29. 29. SROtWLFD Go povo brasileiro.CH - 1º dia | Caderno 4 - ROSA - Página 13

×