Gb2013 gilberto marronato_abiclor

667 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
667
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gb2013 gilberto marronato_abiclor

  1. 1. Os cuidados no descarte/recuperação do Ácido clorídrico/Soda Cáustica na Galvanização por Imersão a Quente. Eng. Gilberto Marronato Consultor Técnico da Abiclor 22.10.13
  2. 2. Conteúdo A Abiclor Fábricas no Brasil Visão e Missão Alianças Estratégicas O processo de galvanização por imersão a quente Gerenciamento de riscos na planta Método Informações sobre o produto Informações sobre o processo/tecnologia Leis, Regulamentos e Normas Boas Técnicas e Práticas Resumo
  3. 3. Fábricas no Brasil Produtos Cloro Soda Cáustica Ácido Clorídrico Hipoclorito de Sódio Produção 2013 (10³t) 1.250,1 1.375,2 300,7 70,9
  4. 4. Missão e Visão Atuação no sentido de gerenciamento com pontos fortes e sustentabilidade MISSÃO Atuar no desenvolvimento e competitividade da indústria de cloro-álcalis promovendo a responsabilidade social, o respeito ao meio ambiente, segurança e saúde em benefício do bem estar da sociedade. Atuação no sentido de demonstrar sua atuação às partes interessadas VISÃO “A indústria de cloro-álcalis é reconhecida como um segmento responsável e sustentável do ponto de vista econômico, social e ambiental”
  5. 5. Alianças Estratégicas
  6. 6. O processo de galvanização por imersão a quente Etapa 1 – Soda Cáustica Etapa 3 – Ácido Clorídrico
  7. 7. O processo de galvanização por imersão a quente
  8. 8. Gerenciamento de riscos na planta
  9. 9. Gerenciamento de riscos na planta
  10. 10. Gerenciamento de riscos na planta
  11. 11. Gerenciamento de riscos na planta
  12. 12. Gerenciamento de riscos na planta • É certo que as empresas de galvanização por imersão a quente já realizam o seu gerenciamento de riscos. • Mas elas podem desejar o aprimoramento continuo deste gerenciamento. • O elementos a seguir sempre merecem ser considerados na revisão: – Informações sobre os produtos – Informações sobre o processo/tecnologia – Leis, Regulamentos e Normas – Boas Técnicas e Práticas no gerenciamento (segurança, saúde, meio ambiente, qualidade/produtividade)
  13. 13. Informações sobre o produto 1. Ficha de Informações sobre o Produto Químico (FISPQ) • A FISPQ é a informação gerencial mínima requerida. Outras informações complementares podem ser necessárias para o gerenciamento. • A FISPQ deve ser elaborada, atualizada e fornecida pelo fabricante do produto segundo o GHS (Sistema Harmonizado Globalmente para a Classificação e Rotulagem de Produtos) • Há regulamentos e Norma ABNT sobre o assunto 2. Rótulo do Produto (produto embalado) • O rótulo é informação operacional mínima requerida para realização das tarefas. Ele deve conter símbolo de perigo do produto, informações sobre riscos e medidas de proteção • No caso de produto fornecido a granel a informação deve ser fornecida ao pessoal operacional de outra forma (extraída da FISPQ). • O rótulo deve ser elaborado segundo do GHS.
  14. 14. Informações sobre o processo/tecnologia São relevantes: • As informações sobre as condições operacionais (concentração de produtos, temperatura, tempo, etc). • As possíveis perturbações que podem ocorrer. • As informações sobre as instalações de processo, de controle e de monitoramento. No site da ICZ (www.icz.org.br), a descrição do processo já inclui diversas destas informações.
  15. 15. Leis, Regulamentos e Normas • Inúmeras leis, regulamentos e normas nos campos aqui considerados tem continuamente surgido. – A identificação para uso no gerenciamento nem sempre é fácil. • Boa parte dos regulamentos, sobre segurança química e resíduos, são decorrentes de ações que se iniciaram na Conferência Rio-92. • Exemplo recente, o RETP (Registro de Emissões e Transferência de Poluentes) do Ibama (em curso de implantação). Ações internas são continuamente requeridas: para o gerenciamento. Ações externas são recomendadas: participação na discussão de leis, regulamentos e normas.
  16. 16. Boas Técnicas e Práticas • A tecnologia de galvanização por imersão a quente é utilizado de forma geral segundo um padrão com 6 ou 7 etapas. • Isto favorece a existência, no âmbito do setor, a existência de guias de boas técnicas e práticas em todos os campos, incluindo as ações relacionadas a segurança, saúde ocupacional e meio ambiente. • A experiência das empresas e a bibliografia técnica são a base para estes guias. – Os guias podem ser desenvolvidos por Grupos de Trabalhos do ICZ, por exemplo. A experiência de elaborar e disponibilizar estes guias se mostraram bastante benéficos ao conjunto de empresas, seja para um gerenciamento com pontos fortes, seja para demonstração de sustentabilidade. •
  17. 17. Resumo • No processo de galvanização por imersão a quente: – Cuidados com a soda cáustica e o ácido clorídrico são necessários, tanto com relação a aspectos da qualidade/produtividade, como em relação a aspectos da segurança e saúde no trabalho e meio ambiente (estes produtos são perigosos). – Os cuidados são objeto do gerenciamento que deve ser realizado segundo métodos que identificam e avaliam os riscos, e conduzem a aplicação de boas técnicas e/ou prática de controle e monitoramento que reduzem estes riscos. – A soda cáustica e o ácido clorídrico são apenas dois dos inúmeros aspectos a serem considerados no gerenciamento do processo. – As empresas já realizam o controle destes produtos e de outros aspectos do processo. No entanto as revisões podem ser necessárias ou desejáveis. – As informações sobre os produtos e o processo, sobre as legislações e sobre as boas técnicas e práticas são elementos de base para as revisões no gerenciamento.
  18. 18. Obrigado! Gilberto Marronato Consultor Técnico da Abiclor marronato@uol.com.br www.abiclor.com.br

×