Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Física No
Futebol
Física no Futebol
 Uma bola em movimento no ar está sujeita a forças
aerodinâmicas causadas pela pressão e viscosidade do...
 De um lado da bola, a velocidade do ar fica maior (ponto A) e,
conseqüentemente, a pressão fica menor. Do outro lado (po...
Fa = força de arrasto, que esta relacionada com a
viscosidade do, na realidade é uma força de resistência.
Fm = Quem faz a...
O gol que Pelé não fez
Copa de 1970, no México: Brasil x Tchecoslováquia – Pelé, no meio de campo,
vê o goleiro tcheco adi...
“A Física não permite!” Galvão Bueno
 Na figura abaixo vemos uma simulação do chute de Pelé,
levando em conta a resistênc...
 Podemos investigar a importância da crise do arrasto na
jogada de Pelé tirando-a de ação, ou seja, fazendo a
resistência...
 A importância do efeito Magnus pode ser avaliada da
mesma forma. Se Pelé não tivesse dado nenhuma rotação
à bola, a traj...
 Mas talvez o mais surpreendente é o que ocorreria se
não existissem nem o arrasto nem a força Magnus (ou
seja, se a bola...
Física no Futebol
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Física no Futebol

515 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Física no Futebol

  1. 1. Física No Futebol
  2. 2. Física no Futebol  Uma bola em movimento no ar está sujeita a forças aerodinâmicas causadas pela pressão e viscosidade do meio, como a força de arrasto e a força de sustentação. A força de arrasto é a resistência que o ar oferece à passagem da bola, porém, ao contrário do atrito entre duas superfícies sólidas, a força de arrasto não é constante – ela depende da velocidade com que a bola se move em relação ao ar. A “crise do arrasto” é a súbita redução que a resistência do ar sofre quando a velocidade da bola aumenta além de um certo limite. A velocidade máxima que jogadores profissionais conseguem dar à bola é da ordem de 25 a 30 m/s, podendo atingir os 35 m/s. Portanto, a bola de futebol ultrapassa a velocidade de crise muitas vezes durante uma partida.
  3. 3.  De um lado da bola, a velocidade do ar fica maior (ponto A) e, conseqüentemente, a pressão fica menor. Do outro lado (ponto B), a velocidade fica menor e, portanto, a pressão fica maior. Em outras palavras, onde a velocidade do ar é maior temos pressão menor e vice-versa. Logo, a diferença de pressão em lados diametralmente opostos da bola dá origem a uma força aerodinâmica descrita pelo alemão Heinrich Gustav Magnus (1802-1870), daí o nome Efeito Magnus.
  4. 4. Fa = força de arrasto, que esta relacionada com a viscosidade do, na realidade é uma força de resistência. Fm = Quem faz a "mágica" de provocar a trajetória curva da bola é a FM que é sempre perpendicular à velocidade da bola e ao seu eixo de rotação.
  5. 5. O gol que Pelé não fez Copa de 1970, no México: Brasil x Tchecoslováquia – Pelé, no meio de campo, vê o goleiro tcheco adiantado, e arrisca um chute famoso. O desfecho da jogada foi descrito por Nelson Rodrigues: “E, por um fio, não entra o mais fantástico gol de todas as Copas passadas, presentes e futuras. Os tchecos parados, os brasileiros parados, os mexicanos parados – viram a bola tirar o maior fino da trave. Foi um cínico e deslavado milagre não ter se consumado esse gol tão merecido. Aquele foi, sim, um momento de eternidade do futebol”. Podemos verificar o vídeo desse QUASE gol no link: https://www.youtube.com/watch?v=SMfyVCpQBA0
  6. 6. “A Física não permite!” Galvão Bueno  Na figura abaixo vemos uma simulação do chute de Pelé, levando em conta a resistência do ar e a força de Magnus.  O ponto demarcado na trajetória é onde ocorreu a crise do arrasto.
  7. 7.  Podemos investigar a importância da crise do arrasto na jogada de Pelé tirando-a de ação, ou seja, fazendo a resistência do ar crescer sempre com a velocidade. O que aconteceria com a bola caso a crise não reduzisse a resistência do ar está mostrado na figura abaixo; ela não chegaria nem mesmo à grande área. Portanto, a crise do arrasto desempenhou um papel importantíssimo – sem ela a jogada do Pelé não teria entrado para a historia do futebol.
  8. 8.  A importância do efeito Magnus pode ser avaliada da mesma forma. Se Pelé não tivesse dado nenhuma rotação à bola, a trajetória seria como a mostrada na figura abaixo. Novamente, a bola não chegaria nem perto do gol. Sem a força de sustentação criada pelo efeito Magnus, o chute de Pelé teria sido apenas um belo lançamento para Jairzinho.
  9. 9.  Mas talvez o mais surpreendente é o que ocorreria se não existissem nem o arrasto nem a força Magnus (ou seja, se a bola tivesse sido chutada no vácuo). A trajetória nesse caso seria a parábola de Galileu, mostrada na figura abaixo. Vemos que a bola cairia bem antes do gol, apesar de não haver força de arrasto. Isso mostra que a sustentação aerodinâmica criada pela rotação compensou largamente o efeito da resistência do ar, levando a bola mais longe.

×