Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

[GUTS-RS] DevOps pela visão de QA

1,252 views

Published on

DevOps representa o alinhamento do time de desenvolvimento com o time de operações, em relação à processos, ferramentas e responsabilidades, visando acelerar as entregas em produção com um elevado grau de qualidade.

A palestra da Kamilla Queiróz intitulada DevOps pela visão de QA apresenta o papel de DevOps sobre a perspectiva de um QA, trazendo e desmistificando a origem e a relação entre infraestrutura e desenvolvedores. Além disso, mostra como é a atuação do profissional envolvido e os ganhos com o mesmo.

Published in: Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

[GUTS-RS] DevOps pela visão de QA

  1. 1. #gutsrs /@gutsrs DevOps pela visão de QA Kamilla Queiróz http://mihqueiroz.com
  2. 2. Programação • 19h15 às 19h45 Recepção, boas vindas e Coffee para integração • 19h45 às 19h55 Abertura do evento, apresentação do GUTS-RS e expectativas do evento • 19h55 às 20h45 Palestra - DevOps pela visão de QA por Kamilla Queiróz • 20h45 às 21h15 Espaço para perguntas
  3. 3. Sobre o GUTS-RS • GUTS-RS: Grupo de Usuários de Testes de Software do RS • Criado em: agosto/2008 • Objetivo: compartilhar o uso de métodos, processos e ferramentas de Teste de Software e promover discussões sobre a aplicação das melhores práticas de teste e qualidade utilizadas no mercado • Público Alvo: Gerentes, Analistas de Testes, Testadores, Desenvolvedores e demais profissionais e estudantes interessados na área • Coordenação: Diraci Júnior, Eduardo Oliveira e Moisés Ramírez
  4. 4. Canais de Comunicação http://guts-rs.blogspot.com.br/ @gutsrs guts-rs-sucesu@googlegroups.com Grupo de Usuários de Testes de Software do RS Guts RS GUTS-RS http://pt.slideshare.net/GUTS-RS http://guts-rs.eventbrite.com/
  5. 5. Comunicados • Submissão de Palestras 2016 – DOJO – Fishbowl – Palestra – TCC – Testing Games – Workshop – Outros • Assinar a lista de presença • Preencher a Ficha do Evento
  6. 6. Próximos Eventos • Boas práticas com Selenium WebDriver - Indo além do Page Object (Junho)
  7. 7. Sobre a palestrante Kamilla Queiróz é analista de qualidade e teste de software na NeoGrid, articulista e entusiasta de TI. Graduada em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Jornalismo,natural de Fortaleza - CE, sempre em busca de novidades instigantes e desafiadoras. Participante ativa de grupos voltados para a melhoria e disseminação dos tocantes de Teste e Qualidade de Software e Novas Tecnologias. Responsável pelo MihQueiroz.com.br.
  8. 8. Kamilla Queiróz (MihQueiróz) Cearense adotada pelo Rio Grande do Sul Analista de Testes @NeoGrid Tecnóloga em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Pós-Graduando Teste e Qualidade de Software Mantedora do Blog MihQueiroz.com.br En.tu.si.as.ta e hóspede do Mundo Contato: Email: q.kamilla@gmail.com Blog: mihqueiroz.com.br Twitter: twitter.com/MihQueiroz Facebook: facebook.com/kamilla.queiroz LinkedIn: linkedin.com/kamilla.queiroz SlideShare: slideshare.net/kamilla.queirz A B O U T M E !
  9. 9. DevOps pela visão de QA
  10. 10. - Introdução - Um pouco de história - Infra VS Dev - Conflito - Integração de Equipes - Atuação - Ganhos - Desfecho A G E N D A
  11. 11. I N T R O D U Ç Ã O Cenário atual / comum :: SEGMENTAÇÃO DAS EQUIPES
  12. 12. desenvolvedores operacional tester abismo
  13. 13. - Segmenta processos - Dificulta a comunicação - Aumenta o risco das entregas
  14. 14. e para suprir todos os anseios de UNIÃO E COLABORAÇÃO eis que surge, nasce, aparece, um herói, o super, o master, o blaster, o mega power, ultra, supra sumo, o magnífico e único DevOps
  15. 15. Quem em resumo é: - versão amálgama de Desenvolvedor e Operações, - trazido a união entre essas equipes, - promovendo um conjunto de processos e métodos de colaboração, - ampliando a comunicação e interação.
  16. 16. H I S T Ó R I C O
  17. 17. Agora pra valer... não nasceu em lugar específico – o mesmo iniciou a ser citado em meados de 2008 em vários locais simultaneamente
  18. 18. e em 2008 também, começou a ser utilizado o termo INFRAESTRUTURA ÁGIL e surgiram conversas durante a AGILE 2008 sobre: “COMO A METODOLOGIA ÁGIL SERVIRIA PARA A ADMINISTRAÇÃO DE INFRAESTRUTURA?”
  19. 19. apesar da já existência do termo: AGILE – SYSADMIN que foi inicialmente citado e abordado com propriedade por PATRICK DEBOIS e ANDREW SHAFER dando inicio ao a popularização e a criação da ponte necessária entre developers e sysadmins.
  20. 20. mas só efetivamente em 2009 que o termo DEVOPS foi criado e apresentado por meio de um trabalho de JOHN ALLSPAW e PAUL HAMMOND Tradução literal e grosseira: mais de dez deploys por dia – uma colcaboração entre desenvolvimento e operacional no Flickr
  21. 21. DEBOIS ficou ainda mais entusiasmado / empolgado / feliz da vida e nasceu então a ideia de um encontro chamado de DevOpsDays
  22. 22. I N F R A vs. D E V S operações Missão: - manter e garantir que os sistemas estejam funcionado Como: - realizando deploys e rollbacks - monitorando performances - propondo melhorias MANTER O AMBIENTE DE PRODUÇÃO PERFEITAMENTE INTACTO
  23. 23. desenvolvedores Missão: - criar, aprimorar e validar suas aplicações Como: - desenvolvimento novas features - executando testes DESENVOLVER NOVAS VERSÕES DAS APLICAÇÃO QUE PRECISAM SER DISPONIBILIZADAS AOS CLIENTES
  24. 24. C O N F L I T O
  25. 25. DESENVOLVIMENTO OPERAÇÕES Métodos mais eficientes de desenvolvimento Métodos mais eficientes e eficazes de gerenciamento Lançar aplicações em menor tempo possível Ter certeza que a aplicação está estável Aumentar valor de negocio Proteger o valor de negócio
  26. 26. I N T E G R A R E Q U I P E S
  27. 27. Embora sejam áreas diferentes, elas estão interligadas e o profissional DevOps é o responsável por isso.
  28. 28. Os profissionais das duas áreas precisam ter conhecimento de ambas assim: - infra precisa evoluir, e precisa fazer isto rapidamente: começar a trabalhar de forma automatizada e dinâmica, precisa ser mais veloz para subir novos ambientes ou mesmo reconstruir/duplicar os ambientes existentes para suprir as necessidades; - dev precisa ter controle de todas as fases do deploy: conseguir passar para infra suas necessidades de forma clara, e tem que se esforçar para fazer a infra entender isto
  29. 29. • Quanto ao processo de desenvolvimento: - participa desde o nascimento do projeto - oferece recursos para um desenvolvimento mais eficiente - toma precauções sob os aspectos de segurança, monitoramento, eficiência e escalabilidade Á R E A D E A T U A Ç Ã O
  30. 30. • Quanto ao tocantes de infraestrutura - principal agente de mudanças - gerência de configuração e provisionamento - ajudar na mudança de comportamento e cultura
  31. 31. • Em relação à infra: - infraestrutura em código - mais eficiente, rápida e organizada - melhor comunicação - faz mais com menos tempo e menos gente - ambiente de gerência de configuração, orquestração e provisionamento implantado - deploys mais rápidos e seguros - ambiente padronizados e sob-controle - feedback rápidos G A N H O S
  32. 32. • Em relação ao dev: - ambiente mais adequado para trabalhar - ambiente de desenvolvimento continuo - ambiente com testes automatizados - deploys mais rápidos - feedback mais rápidos
  33. 33. DevOps deve atuar como um agente de mudanças, integrando desenvolvimento e operações. D E S F E C H O
  34. 34. Dúvidas? q.kamilla@gmail.com
  35. 35. Tnks !!

×