Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Treinamento da Musculatura Ventilatória

4,323 views

Published on

Published in: Health & Medicine

Treinamento da Musculatura Ventilatória

  1. 1.  IRpA nas UTI´s = Internação = Evolui VMI; Repercussões Musc. Insp após 24 horas Treinamento Musc. Ventilatória = Pcts Difícil Desmame. VMI prolongada = Força Muscular = Dependência ao Ventilador.
  2. 2.  na força da musculatura inspiratória; da dispnéia; na proporção de fibras tipo I tamanho de fibras tipo II dos mm. intercostais externos; da tolerância ao exercício de alta intensidade em indivíduos saudáveis. BRITO, Raquel. 2009.
  3. 3. Avaliação da Força + Condição Musculatura Ventililatoria ManovacuômetroDirecionamento do tratamento
  4. 4.  PIMAX –90 a –120cmH2O PEMAX + 100 a +150cmH2O Decréscimo anual de 0,5cmH2O após 20 anos de idade. Fraqueza: - 70 a – 45 cmH O 2 Fadiga: - 40 a – 25 cmH O 2 Falencia: Menor que – 20cmH O2
  5. 5.  Instrumentos Utilizados:  Ventilador Mecânico;  Threshold IMT;  Gerador de Fluxo;  Tubo T e Válvula Peep;  Lençol de Contenção abdominal RODRIGUES, Kleber et al.
  6. 6.  10 itens: Escala de Coma de Glasgow; Vol Corrente; FR; FiO2; Saturação; PaO2; PCO2; Pi máx; P.S. e Idade. 1 à 3 pontos; Casse I: 27 – 30 Pontos: Indicado; Classe II: 23- 26 Pontos: Favorável; Classe III: 20 – 22 Pontos: Desfavorável; Classe IV: < 19 Pontos: Contra-indicado. RODRIGUES, Kleber et al.
  7. 7. RODRIGUES, Kleber et al.
  8. 8.  Drive Ventilatório = adição de outras técnicas de Fortalecimento; Lei Laplace: Raio Força: Diâmetro e Raio Grau de Tensão = Estimulando Diafragma Contrair-se, restabelecendo volume e força de contração. Diversos autores comprovaram eficácia; Contra-Indicação: Dreno abdominal; Cirurgia Abdominal ou escaras no Sacro. RODRIGUES, Kleber et al.
  9. 9.  Técnica: Vt < 5mlKg; Período 1 hora; aspirado com antecedência; DD com Elevação 45º cabeceira; Lençol dobrado em volta abdômen 3cm abaixo P.X. e 3cm acima E.I.A.S.; Fixado com uma fita. RODRIGUES, Kleber et al.
  10. 10.  TMV por meio da Sobrecarga=Dois Métodos:1. Carga Resistida Inspiratória; 2. Carga Limiar Inspiratória; Mensuração Pi Máx e Pe Max. = Manovacuômetro. Valor Normal Pimáx = Homens: (20 – 80 anos): 143-0,55x idade; Mulheres: (20-80 anos): 104 – 0,51 x idade . Pemáx= Homens: (20 – 80 anos): 268 – 1,03 x idade; Mulheres: (20 – 80 anos): 170 – 0,53 x idade. PRESTO, Bruno. 2009.
  11. 11.  Classificação: Fraqueza Muscular Respiratória: Pi Max: -70 a -45 cmH2O; Fadiga Muscular Respiratória: Pi Máx: -40 a -25 cmH2O; Falência Muscular Respiratória: Pi Max < 20 cmH2O. PRESTO, Bruno. 2009.
  12. 12.  Inicia-se com Carga entre 40 a 60% Pi Max; Endurance: Cargas eRepetições; Força: Cargas e Repetições; PRESTO, Bruno. 2009.
  13. 13.  Pactes VM prolongada = ajustes de sensibilidade à pressão = 20 pctes com 2 sessões 5x10 intercalando com 1min descanso. PIRES, V.A. et al
  14. 14.  Usado de forma invasiva e não invasiva = Pcte Respira espontaneamente = Pressão positiva constante Ins x Exp.; Segura e Volumes Pulmonares; Indicada: Pcts com Volume Corrente, Fraq. Musc. Vent. Etc.... RIBEIRO, C & Col
  15. 15.  Técnica: Adaptar CPAP com gerador de fluxo e tubo T na TQT, adaptando válvula Peep variando de 5 a 8 cmH2O RODRIGUES, Kleber et al.
  16. 16.  Pcte determina Vt+FR+Vm = Força Musc. Vent.; Tempo: 30 min à 2hrs; Adaptando a máscara de Nebulização a TQT. RODRIGUES, Kleber et al.
  17. 17.  Pcte C.M.L., de 36 anos, sexo Feminino, colaborativa, orientada em BEG. Admitida na UTI 07 de Abril de 2011, transferida para enfermaria ( 7 dias). Com diagnóstico de 2º PO de Duodenopancreatectomia + Colecistectomia + Reconstrução em Y de Roux por tumor de cabeça de Pâncreas. AP: MV (+) AHTX sem RA. SSVV: PA:113x68 (93) mmHg; FR: 18 irpm; T: 35,8ºC.
  18. 18. 1º Valor 2º Valor 3º ValorAntes Treino -10 cmH2O -40 cmH2O -50 cmH2OApós Treino -35 cmH2O -38 cmH2O -44 cmH2O1:30 após -44 cmH20 -65 cmH2O -76 cmH2O.treino Pi Máx 60% de 50cmH2O= 30cmH2O Objetivo Fortalecimento 5x 18rm.
  19. 19.  BRITO, Raquel. Fisioterapia Respiratória. 1° ed. Manole. São Paulo. 2009. PRESTO,Bruno. Fisioterapia na UTI. 2°ed. Elsevier. Rio de Janeiro. 2009. , D; TADINI, R. Índice de desmame Ventilatório Ferrari – Tadini. Revista Intensiva. 2005. 1:7-11; PIRES, V.A.; et al. Comparação de duas tecnicas de treinamento muscular respiratório em pacientes sob ventilação Mecanica com insucesso de desmame. Rev.Bras.Fisio. Vol.4, No. 2 (2002), 93 -104; RODRIGUES, Kleber; et al. Protocolo de treinamento Muscular Ventilatório Baseado no Indice de Desmame Ventilatório – IDV; SANTOS, Alessandra. Aplicação de treinamento muscular ventilatório específico durante o processo de desmame da ventilação mecanica – Relato de Caso.

×