Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Fincor in ve 20-07-2012

288 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Fincor in ve 20-07-2012

  1. 1. Tiragem: 18000 Pág: 38 País: Portugal Cores: Preto e Branco Period.: Semanal Área: 6,82 x 32,01 cm²ID: 42894357 20-07-2012 Âmbito: Economia, Negócios e. Corte: 1 de 1 JOSÉ SARMENTO analista de mercados da FINCOR Abrandamento económico vs. bancos centrais: quem vence o braço de ferro? Os problemas europeus são sobejamente conhecidos pelos investidores, nomeadamente, os problemas dos países periféricos e o seu impacto na zona euro. As perspetivas macroeconómicas dos países do Sul de Europa são bastante negativas, com os países desta região a apresentarem quedas no PIB em 2012 e, provavelmente, também em 2013. Os pacotes de austeridade não têm sido a solução para os problemas devido ao impacto no crescimento. Assim, o PIB europeu deverá cair 0.4% em 2012 e em 2013 não deverá ir além de um crescimento de 0.7%. Como irá a Europa sair deste círculo vicioso? Mas estarão os problemas de crescimento mundiais meramente afetados pela fraqueza europeia? Infelizmente, não. Os dados económicos dos EUA têm vindo a mostrar sinais de fraqueza ao longo dos últimos meses, tendo como expoente máximo os dados apresentados recentemente do ISM (menor que 50, indicador de recessão) e o emprego não agrícola, que se situou novamente abaixo dos 100 mil este mês. A média de novos empregos criados nos EUA no segundo trimestre de 2012 é um terço dos criados no primeiro (75 mil vs. 225 mil ao mês). Dada a agressividade da queda apresentada em diversos dados, assistimos a um corte de estimativas do PIB nos EUA por parte de diversas casas de investimento ao longo do último mês, situando- se, neste momento, o consenso em 2%. Nos principais mercados emergentes assistimos também a diversos dados indicativos de abrandamento económico. O PIB na China cresceu 7,6% no último trimestre, o valor mais baixo dos últimos três anos. O Brasil tem apresentado dados económicos mais fracos que o esperado, o que levou a cortes significativos de estimativas do PIB para 2012. A casa de investimento Morgan Stanley reviu a estimativa de crescimento do PIB do Brasil de 2.7% para 1.6%. Como vai o mundo crescer nos próximos anos? Haverá luz ao fundo do túnel? A resposta para a generalidade dos pedidos dos investidores chamam-se bancos centrais. A sua atuação nos últimos meses tem sido sempre no sentido de estimular as economias. O Banco de Inglaterra aumentou a LTRO em 50 mil milhões de Libras, o FED estendeu a operação Twist, o BCE cortou taxas de juro para mínimos, o Banco Central da China e o da Coreia também cortaram taxas e o Banco Central do Brasil cortou a SELIC para os 8%, nível mínimo histórico. E agora? Será suficiente? Provavelmente não, mas a expectativa é de continuação de implementação de mais medidas de estímulo por parte dos bancos centrais no segundo trimestre. O BCE ainda tem espaço para novo corte de taxas de juro e as declarações de diversos responsáveis sugerem que tal deverá acontecer ainda este ano; o mercado espera que a Reserva Federal implemente o terceiro programa de “quantitative easing” ainda neste trimestre; nos mercados emergentes, o Brasil, a China e a Índia também deverão aumentar as medidas de estímulo às economias, nomeadamente, através de cortes de taxas e intervenção direta nos mercados. Serão as intervenções dos bancos centrais suficientes para fazer face aos problemas estruturais das economias? Serão capazes de vender este difícil braço de ferro? Retomará a economia mundial os níveis de crescimento em 2013? A situação mantém-se delicada e só os próximos desenvolvimentos poderão ajudar a clarificar quem sairá vencedor.

×