Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio" - 12º ano

62,391 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio" - 12º ano

  1. 1. Ricardo Reis Análise do poema “Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio”
  2. 2. Tópicos a abordar Aspetos caraterísticos da poesia de Ricardo Reis; Atividades de pré-leitura; Leitura do poema a abordar; Análise da temática; Análise estilística; Simbologia presente no poema; Conclusão; Resposta a questões de compreensão.
  3. 3. Ricardo Reis Ricardo Reis nasceu em 1887, no Porto, e formouse em Medicina. “[…] é um pouco, mas muito pouco mais baixo [do que Alberto Caeiro], mais forte, mas seco […] Reis de um vago moreno mate […] educado num colégio de jesuítas […] vive no Brasil desde 1919, pois se expatriou espontaneamente por ser monárquico. É latinista por educação alheia, e um semi-helenista por educação própria […].” Fonte: Carta de Fernando Pessoa a Adolfo Casais Monteiro (13 de janeiro de 1935)
  4. 4. Caraterísticas da poesia de Ricardo Reis ■ Horacianismo: ■ ■ ■ Carpe diem: “Aproveita o dia”, vive os prazeres do momento Aurea mediocritas: “ouro medíocre”, a felicidade reside na simplicidade natural Epicurismo: ■ ■ ■ ■ Procura da felicidade relativa Moderação nos prazeres Fuga às sensações extremas Busca do estado de ataraxia (tranquilidade sem perturbação) ■ Estoicismo (conformismo): ■ Indiferença perante as emoções (apatia) ■ Aceitação do poder do destino (fatum) ■ Atitude de abdicação ■ Paganismo: ■ Crença nos deuses clássicos ■ Inspiração na civilização grega ■ Obsessão com a passagem do tempo: ■ Preocupação constante com a efemeridade da vida ■ Questionamento do fluir indiscutível do tempo ■ Medo da morte
  5. 5. Atividade de pré-leitura Crónica “O arroz-doce quente” de Miguel Esteves Cardoso ◙ Segundo o autor, “Adiar prazeres é uma boa estratégia” porque permite “[...] aprender a dar-lhes valor” (l. 11) no momento em que são experimentados. ◙ Considera que “A pressa é uma paixão destrutiva” (l. 13) e que, por isso, pode não permitir desfrutar convenientemente de situações memoráveis. ◙ O adiamento dos prazeres, defendido no poema de Ricardo Reis, prende-se com uma atitude de abdicação e de recusa de esforço face à inexorabilidade da vida e à certeza da morte.
  6. 6. Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos). Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado, Mais longe que os deuses. Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos. Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio. Mais vale saber passar silenciosamente E sem desassossegos grandes. Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz, Nem invejas que dão movimento de mais aos olhos, Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria, E sempre iria ter ao mar. Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos, Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias, Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro Ouvindo correr o rio e vendo-o. Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as No colo, e que o seu perfume suavize o momento – Este momento em que sossegadamente não cremos em nada, Pagãos inocentes da decadência. Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-ás de mim depois Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova, Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos Nem fomos mais do que crianças. E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio, Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti. Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim – à beira-rio, Pagã triste e com flores no regaço. Tema/ filosofia de vida do sujeito poético: - Abdicação consciente face aos sentimentos e gozos da vida. Análise externa ◘ Estrutura da ode ◘ Rima branca ◘ Regularidade estrófica e métrica
  7. 7. Análise interna
  8. 8. Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos). Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado, Mais longe que os deuses. Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos. Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio. Mais vale saber passar silenciosamente E sem desassossegos grandes. Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz, Nem invejas que dão movimento de mais aos olhos, Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria, E sempre iria ter ao mar. Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos, Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias, Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro Ouvindo correr o rio e vendo-o. Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as No colo, e que o seu perfume suavize o momento – Este momento em que sossegadamente não cremos em nada, Pagãos inocentes da decadência. Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-ás de mim depois Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova, Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos Nem fomos mais do que crianças. E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio, Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti. Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim – à beira-rio, Pagã triste e com flores no regaço. 1ª parte: A efemeridade da vida 2ª parte: A inutilidade dos compromissos 3ª parte: A busca da tranquilidade 4ª parte: A ausência de perturbação face à morte
  9. 9. Primeira parte – estrofes 1 e 2 A metáfora do rio e o Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. correr da água Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos (símbolo da passagem Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. inexorável) (Enlacemos as mãos). Depois pensemos, crianças adultas, que a vida A inutilidade de Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, qualquer compromisso Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado, Mais longe que os deuses. A necessidade de predomínio da razão sobre a emoção, como defesa contra o sofrimento Elementos clássicos: o ambiente bucólico, o nome “Lídia” e o papel do fatum
  10. 10. Segunda parte – estrofes 3 e 4 Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos. Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio. Mais vale saber passar silenciosamente E sem desassossegos grandes. Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz, Nem invejas que dão movimento de mais aos olhos, Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria, E sempre iria ter ao mar. O enlaçar e desenlaçar das mãos como recusa de qualquer compromisso A morte como única certeza do percurso existencial A recusa constante de todo e qualquer excesso (amores, ódios, paixões, invejas..) Evitar todos os desassossegos que possam provocar dor
  11. 11. Terceira parte – estrofes 5 e 6 Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos, Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias, Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro Ouvindo correr o rio e vendo-o. Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as No colo, e que o seu perfume suavize o momento – Este momento em que sossegadamente não cremos em nada, Pagãos inocentes da decadência. O estabelecer de um “programa de vida”: a vida deve ser vivida de forma serena e calma; deixemo-la passar à nossa frente, controlando as nossas emoções e sentimentos Valorização do carpe diem: captemos o “perfume” do momento, evitemos o conhecimento das coisas
  12. 12. Quarta parte – estrofes 7 e 8 Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-ás de mim depois Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova, Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos Nem fomos mais do que crianças. E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio, Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti. Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim – à beira do rio, Pagã triste e com flores no regaço. A aceitação pacífica da morte é consequência da demissão do eu perante a vida. Assim, a morte não deve ser motivo de sofrimento, pois ainda não foi presenciada. A vida passa, por isso não devemos assumir compromissos, devemos fazer apenas pela tranquilidade Justificação para o modelo de vivência amorosa definido pelo poeta
  13. 13. Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos). Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado, Mais longe que os deuses. Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos. Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio. Mais vale saber passar silenciosamente E sem desassossegos grandes. Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz, Nem invejas que dão movimento de mais aos olhos, Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria, E sempre iria ter ao mar. Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos, Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias, Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro Ouvindo correr o rio e vendo-o. Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as No colo, e que o seu perfume suavize o momento – Este momento em que sossegadamente não cremos em nada, Pagãos inocentes da decadência. Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-ás de mim depois Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova, Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos Nem fomos mais do que crianças. E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio, Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti. Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim – à beira-rio, Pagã triste e com flores no regaço. Ritmo lento e pausado Aliteração dos sons «v» e «s» com o arrastamento do «e» (sons nasais e fechados) Pontuação e advérbios de modo Palavras de conotação pessimista Enumeração Gradação com assíndeto Comparação Metáforas Perífrase Eufemismo Hipálage Utilização expressiva do presente do indicativo e do gerúndio, e depois do futuro do indicativo e do presente do conjuntivo.
  14. 14. Simbologia presente no poema • O rio sugere passagem; efemeridade (vv. 1 e 10); • O Fado e os deuses pagãos controlam a vida dos homens (vv. 7, 24 e 32); • O enlaçar/desenlaçar das mãos traduz o desejo de aproveitar o momento, de assumir compromissos, contra a sua inutilidade (vv. 3, 4, 9 e 27); • As flores no colo e o seu perfume sugerem o bem efémero (vv. 21, 22); • A perífrase se for sombra antes atua como um eufemismo para «Se eu morrer antes de ti»(v. 25); • O adjetivo sombrio é uma hipálage para o estado de espírito do sujeito poético, esperando a morte.
  15. 15. Simbologia presente no poema • O barqueiro sombrio é uma referência mitológica a Caronte, figura que transportava os mortos pelos rios infernais. A família do defunto colocava-lhe na boca o óbolo, uma moeda grega que simbolizava o seu pagamento.
  16. 16. Conclusão ♦ Ricardo Reis e Caeiro A influência de Alberto Caeiro em Reis sente-se no paganismo de ambos. Além disso, se a natureza era residência, visão em Caeiro, em Reis surge como refúgio, metáfora. Reis vê a natureza Caeiro vê a natureza com a Razão Verbos que traduzem operações mentais, como “aprendamos” e “pensemos” com os sentidos Para Caeiro há apenas sensações
  17. 17. Conclusão ♦ Ricardo Reis e Pessoa Ortónimo Neste poema observam-se vários pontos comuns entre as poesias de Pessoa ortónimo e Ricardo Reis: Lado mais conservador de Fernando Pessoa; - Dicotomia razão/coração; - Gosto pela cultura clássica. -
  18. 18. Resposta às perguntas de compreensão 1. Bucólico; apóstrofe; exorta; metáforas; sereno; físicos. 2.1. O conetor “Depois” insere uma conexão temporal mas, sobretudo, uma oposição face ao conteúdo da primeira quadra. Na primeira estrofe o sujeito poético convida Lídia a contemplar o curso do rio. Já na segunda quadra o sujeito poético recorda a natureza racional do ser humano (“pensemos” (v. 5)), que os obriga a reconhecer que a vida é transitória. 2.2. O modificador do nome apositivo “crianças adultas” destaca a ingenuidade das “crianças” em Lídia e o sujeito poético, não se podendo esquecer que são pessoas “adultas”, e são sujeitas ao raciocínio que as obriga a reconhecer a efemeridade da vida. 3.1. O sujeito poético opta por desenlaçar as mãos de Lídia, por considerar que se trata de um compromisso/emoção intensa, que pode impedir que vivam “silenciosamente” (v. 11), ou seja, sem agitações e em ataraxia. 4.1. A repetição da preposição “sem” (vv. 12-13) e da conjunção “nem” (vv. 13-15) intensificam a ideia de recusa, introduzindo a enumeração de sentimentos e de ações que se rejeitam, a fim de encontrar a tranquilidade desejada. 6. Os seres humanos devem procurar uma existência semelhante à dos elementos naturais. Assim, aceitando-se efémeros, reconhecem-se nas “flores” (v. 21) transitórias e no “rio” (vv. 1, 10, 15, 20) que segue de forma irreversível o seu curso, tal como os humanos devem aceitar o destino que lhes coube.
  19. 19. Trabalho realizado por: Ana Patrícia Pires Filipa Fonseca Pedro Milhano 12º A

×