Nascimento da filosofia

7,949 views

Published on

3 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
7,949
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
130
Actions
Shares
0
Downloads
404
Comments
3
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Nascimento da filosofia

  1. 1. O nascimento da filosofia Reflexões Filosofia 10º ano Isabel Bernardo Catarina Vale
  2. 2. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Módulo Inicial – Iniciação à atividade filosófica O nascimento da filosofia Quem foram os primeiros filósofos? Quais foram os seus contributos para uma atitude e questionamento filosóficos? A grande aventura de René Magritte (1930) (pormenor)
  3. 3. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O nascimento da Filosofia Qual a origem histórica da filosofia? Quem foram os primeiros filósofos? De que modo pensamento filosófico se diferencia do pensamento mítico anterior? O que caracteriza a atividade filosófica dos primeiros filósofos? De que forma os primeiros filósofos encarnam a atitude filosófica que caracteriza hoje a filosofia?
  4. 4. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Martin Heidegger diz que “a filosofia fala grego”. Porquê? Porque a filosofia nasceu na Grécia Clássica, aproximadamente nos começos do século VI a. C.. O nascimento da filosofia consistiu na passagem progressiva do mito à razão. A emergência do pensamento racional inaugurou um estilo de pensar e uma atitude perante a realidade que perduraram no Ocidente, e são ainda hoje uma das matrizes que dão forma ao nosso modo de pensar.
  5. 5. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O nascimento da filosofia Do mito ao pensamento racional
  6. 6. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O mito é uma história tradicional, aceite como verdadeira, que incorpora as crenças tradicionais relativamente à criação do universo, aos deuses, aos homens, à vida e à morte. Aos deuses e às divindades míticas são atribuídos sentimentos, emoções e ambições humanas, como a imortalidade e a omnipotência. O pensamento mítico assenta na explicação sobrenatural do mundo como forma de dar resposta aos problemas e às questões que o universo coloca. Por isso constitui-se também como uma atitude intelectual.
  7. 7. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “Mas Zeus acrescenta ou diminui o valor dos homens, conforme lhe apraz, pois ele é o mais poderoso de todos” Tal como todas as culturas antigas, também a cultura grega assentava no mito, transmitido e ensinado pelos poetas educadores do povo. Homero (Homero, Ilíada) Homero (Ilíada) e Hesíodo (Teogonia), são os últimos representantes do pensamento mítico. Hesíodo Homero e Hesíodo, os representantes máximos da poesia grega, registaram por escrito os mitos da antiga Grécia.
  8. 8. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O começo do Mundo Primeiro que tudo houve o Caos, e depois a Terra de peito ingente, suporte inabalável de tudo quanto existe, e Eros, o mais belo entre os deuses imortais, que amolece os membros e, no peito de todos os homens e deuses, domina o espírito e a vontade esclarecida. Do caos nasceram o Erébo e a negra Noite e da noite, por sua vez, o Éter e o Dia. (…) Gerou ainda as altas montanhas, morada aprazível das deusas Ninfas, que habitam os montes cercados de vales. Hesíodo, Teogonia, 116-130
  9. 9. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O mito das cinco idades De ouro foi a primeira raça de homens dotados de voz, que os imortais criaram, eles, que são habitantes do Olimpo. Eram como deuses, com espírito despreocupado, vivendo à margem de penas e de misérias (…) A segunda raça a vir, a de prata, bem pior que a anterior, fizeram-na os deuses que habitam o Olimpo. Não era igual à de ouro, nem de corpo nem de espírito. (…) Depois que a terra encobriu esta raça, Zeus Crónida modelou ainda uma quarta sobre a terra fecunda, mais justa e melhor, raça divina de heróis, chamados de semi-deuses, a geração anterior à nossa na terra sem limites. (…) Quem dera que eu não vivesse no meio dos homens da quinta raça, que morresse antes, ou vivesse depois! Agora é a raça de ferro. Hesíodo, Trabalho e os Dias, 109-201
  10. 10. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O primeiro nascimento da filosofia O período cosmológico e os filósofos pré-socráticos
  11. 11. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale
  12. 12. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A emergência da filosofia no espaço da cultura grega é um acontecimento difícil de datar com precisão absoluta. Nos alvores do século VI a. C., em consonância com profundas alterações de carácter social e cultural, as inteligências mais despertas, espalhadas pelas inúmeras colónias gregas, sentiram a necessidade de substituir as explicações míticas por outro tipo de explicações, de carácter racional. O nascimento da filosofia costuma interpretar-se como um processo de progressiva libertação da consciência racional relativamente às explicações mitológicas.
  13. 13. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A escola de Mileto A escola de Mileto (ou jónica) é representada por Tales, Anaximandro e Anaxímenes (séculos VI e V a. C). São considerados os primeiros filósofos. Procuram o primeiro princípio de todas as coisas, a origem do universo, aquilo de que o mundo é feito, a arquê: a matéria primordial e o elemento permanente, estrutural que tudo explica para lá da mudança e do movimento.
  14. 14. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “A água é o princípio de todas as coisas” Para Tales a água é o princípio (arché) de todas as coisas. Porquê? Porque a água é vida e princípio de vida, é a substância de que provêm todas as coisas e a ela retornam. Tales de Mileto
  15. 15. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “O ilimitado é a origem dos seres” Para Anaximandro o primeiro princípio deve estar para além de toda a realidade, recusando-se a reconhecê-lo num elemento observável. Denomina-o por ápeiron – enorme massa, infinita, indeterminada e inacabada. Anaximenes defende que o princípio de tudo é o ar, elemento invisível, imponderável e infinito. Anaximandro
  16. 16. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “Tudo é número” O pitagorismo foi uma escola de sábios e filósofos que acreditava que os princípios matemáticos explicavam o universo. O número é o modelo originário das coisas e tudo é constituído por proporções matemáticas. Pitágoras de Samos Esta concepção matemática do universo influenciou o pensamento moderno.
  17. 17. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “A ordem do mundo foi sempre, é e será fogo eternamente vivo” O problema transformação preocupações gregos. do movimento e da constitui uma das dos primeiros filósofos Heráclito considera que tudo está em movimento, tudo flui e tudo advém, nada permanece. O fogo é o símbolo da natureza porque é a expressão de que tudo nasce da luta e tudo está em constante devir. Heráclito de Éfeso
  18. 18. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “Porque pensar é o mesmo que existir” Parménides tem opinião contrária a Heráclito. Para ele, o movimento é impossível e toda a realidade consiste numa substância única e imóvel – o ser. Para Parménides mudar significa transformar-se no que não é. Parménides de Élea O movimento é, assim, uma ilusão dos sentidos e o conhecimento apenas se pode alcançar por via racional.
  19. 19. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Os fundadores deste movimento são Leucipo e Demócrito. O seu sistema pode sintetizar-se da seguinte maneira: a realidade é composta por átomos indivisíveis que se movem no vazio. Leucipo de Mileto Os atomistas são precursores da ciência moderna. O atomismo representa uma tentativa prematura, ainda que coerente, para explicar os fenómenos físicos por causas puramente mecânicas. Demócrito de Abdera “Na realidade o que existe são átomos e vácuo”
  20. 20. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A importância dos filósofos pré-socráticos Os filósofos pré-socráticos formularam problemas e forneceram respostas que ninguém antes havia encontrado – interpelação da natureza e formulação de propostas diversificadas de explicação; caráter inovador e plural do questionamento filosófico; afastamento de visões dogmática. Substituíram as explicações míticas por explicações racionais e assumiram uma posição crítica e polémica sobre as diferentes opiniões – procura racional do conhecimento; surgimento duma nova atitude intelectual. Procuraram as explicações na própria realidade e não nos deuses – nova visão da realidade: crítica ao mito.
  21. 21. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A importância dos filósofos pré-socráticos Forjaram conceitos e elaboraram uma linguagem específica que traduzia com rigor o que pensavam da realidade – nascimento de uma atividade conceptual. Adotaram novas atitudes de reflexão: rigor, objetividade, procura da verdade com espírito crítico e autónomo. Abriram caminho ao pensamento abstrato e distinguiram claramente a opinião, ilusória e falsa muitas vezes, do pensamento racional, que nos permite aproximar da verdade – surgimento da distinção entre o conhecimento racional (razão) e o conhecimento sensível (sentidos).
  22. 22. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O segundo nascimento da filosofia O período antropológico Os sofistas, Sócrates, Platão e Aristóteles
  23. 23. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O período antropológico da filosofia grega compreende os sofistas, Sócrates, Platão e Aristóteles. Corresponde a uma deslocação clara dos problemas cosmológicos para os problemas políticos e, através destes, para os problemas antropológicos, éticos e educativos. O homem torna-se o centro de toda a problemática filosófica – «mudança antropológica». Esta transformação da filosofia decorre das próprias mudanças sociais e políticas das cidades gregas, em particular da cidade estado de Atenas.
  24. 24. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale
  25. 25. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A democracia ateniense é instaurada com Péricles no século V a. C., e assenta na igualdade dos cidadãos perante a lei. Péricles foi a personalidade política mais marcante do século V a. C. e a ele se deve um grande desenvolvimento da economia, das letras e das artes – enquadramento cultural favorável ao desenvolvimento da filosofia. Péricles
  26. 26. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O esplendor de cidades como Atenas, o sistema político democrático (o primeiro da História, ainda que muito diferente do atual), proporcionaram o terreno propício para o desenvolvimento de novas correntes de pensamento. A cidade, a organização política, as leis e os cidadãos, são os principais motivos de reflexão. Pártenon, Atenas
  27. 27. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Ânfora, cerâmica Discóbolo, escultura Comédia, teatro A arte grega é uma elaboração intelectual em que predomina o equilíbrio e a harmonia, a busca da perfeição e o amor à beleza. O homem está no centro da criação artística dos gregos.
  28. 28. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “A palavra é um poderoso tirano, capaz de realizar as obras mais divinas, apesar de ser o mais pequeno e invisível dos corpos” A democracia favorece o espírito crítico e as qualidades oratórias. Os sofistas tornam-se mestres do saber, profissionais da educação pagos, que ensinavam a arte da retórica, a arte de bem falar e bem persuadir, condição essencial da carreira política. Desenvolveram estudos sobre a linguagem, as técnicas de discurso e a educação. Górgias de Leontinos
  29. 29. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “O homem é a medida de todas as coisas” Se “o homem é a medida de todas as coisas”, então, as leis, as regras, a cultura, tudo deve ser definido pelo conjunto de pessoas, e aquilo que vale em determinado lugar não deve valer, necessariamente, noutro. Os sofistas foram, assim, os primeiros a defender que o conhecimento é relativo e que não há verdades universais e absolutas. Protágoras de Abdera (à direita). Salvator Rosa, 1663-1664
  30. 30. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “Só sei que nada sei” Apelidado de “o moscardo”, Sócrates usou o diálogo como forma de busca dos conceitos universais que fundamentavam o conhecimento verdadeiro. Sócrates Centrado nos problemas da cidade e do homem, Sócrates procurar definir conceitos universais, como o Bem ou a Justiça. Só neste plano de universalidade se poderia encontrar o verdadeiro saber, ultrapassando o relativismo sofista.
  31. 31. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “Aos filósofos compete dedicarem-se à filosofia e governarem a cidade” Discípulo de Sócrates, Platão viveu no período de decadência moral e política da democracia ateniense. Defendeu a existência de verdades absolutas e universais, alcançáveis través da razão. Defendeu que apenas os filósofos poderiam governar a cidade e torná-la justa. Platão Foi autor de uma vasta obra filosófica, a maioria sob a forma de diálogo.
  32. 32. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Platão fundou a Academia, a primeira escola de Filosofia. A Filosofia passou, então, da ágora para um espaço específico.
  33. 33. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale “O homem é um animal político” Discípulo de Platão, Aristóteles é considerado um dos maiores pensadores de todos os tempos. Escreveu sobre ética, política, física, metafísica, lógica, psicologia, poesia, retórica, zoologia, biologia, história natural e outras áreas do conhecimento humano. Aos quarenta e nove anos fundou a sua própria escola, o Liceu. Aristóteles
  34. 34. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Aristóteles e Platão são os principais fundadores do pensamento ocidental. Rafael, A Escola de Atenas, séc. XVI (pormenor)
  35. 35. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O contributo dos filósofos gregos A filosofia grega equacionou e respondeu de forma decisiva para o destino da filosofia ocidental aos problemas que se punham e ainda se põem em três domínios fundamentais: 1.no domínio da natureza; 2.no domínio do conhecimento; 3.no domínio do homem enquanto cidadão e ser prático que age com outros homens – abordagem globalizante: Ciência, Técnica, Ética e Moral. Os filósofos gregos enunciaram os problemas filosóficos fundamentais que ocuparam a filosofia e a ciência até aos nossos dias – caráter intemporal de muitas questões filosóficas.
  36. 36. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O contributo dos filósofos gregos Os filósofos gregos legaram um vocabulário, a terminologia e as categorias fundamentais com que trabalha o pensamento filosófico e o pensamento ocidental – construção de ferramentas que permitem a fundamentação racional de posições e teorias. A filosofia grega legou ainda um vasto leque de teorias e conceções que viriam a ser sucessivamente retomadas e reelaboradas pelos pensadores subsequentes – legado duma razão como uma razão crítica, filosófica; a ousadia ancestral de se ser capaz de ‘pensar por si’.
  37. 37. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Bibliografia - Abbagnano, N. (1985).História da Filosofia, Vol. I.. Lisboa: Editorial Presença. - Brun, J. (1968). Os pré-socráticos. Lisboa: Edições 70. - Copleston, F. (1994). Historia de la filosofia 1: Grecia e Roma. Barcelona: Editorial Ariel. - Pereira, M. H. da R. (1982). Helade. Coimbra: Instituto de Estudos Clássicos, pp. 82-258.

×