Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Criminologia e Introdução ao Direito Penal 2º semestre - Mackenzie - Alexis Couto de Brito

3,983 views

Published on

Published in: Law
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THAT BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { http://bit.ly/2m6jJ5M } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book that can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer that is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story That Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money That the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths that Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Criminologia e Introdução ao Direito Penal 2º semestre - Mackenzie - Alexis Couto de Brito

  1. 1. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 1 Fábio Peres da Silva Introdução:  A única alternativa ao Direito é a força: e a força é variável (“quem pode, pode”).  Em todos os ramos do Direito, quem responde pela pessoal é o patrimônio; somente no Direito Penal quem responde é a pessoa.  Tudo o que for possível resolver, deve sê-lo fora do Direito Penal.  Se você erra em qualquer ramo do Direito Penal, pode-se reparar o erro; contudo, jamais se pode reparar um erro no Direito Penal.  Daí o princípio: “in dúbio pro reo” (na dúvida, sempre a favor do réu); isso porque ninguém merece uma condenação injusta.  “Não é a quantidade da pena que afasta o criminoso, mas a certeza da punição” (você sabe que vai se safar, por isso pratica a contravenção ou o crime). Conteúdo dessa apostila:  História do Direito Penal.  As escolas penais.  Criminologia.  Parte geral do Direito Penal.  Princípios constitucionais do Direito Penal.  Direito Penal: art. 1º - 12. Efetuado a partir das aulas ministradas pelo prof. Alexis Couto de Brito no 2º semestre de 2012
  2. 2. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 2 Fábio Peres da Silva Histórico do crime nas sociedades  Povos primitivos: interessam pelo aspecto cultural o Não há entre eles uma relação de causalidade (causa e efeito), nem preocupação com os aspectos do crime o Tudo era “questão divina” (totem vs tabu): pelos aspectos primitivos dessa cultura, quando ocorre um “tabu” se faz preciso re-estabelecer a harmonia com o “totem” o Era a questão dos sacrifícios (sacrificar “uma virgem” ou “alguém” para que o deus fulano possa ser satisfeito); ao se efetuar o sacrifício, se fazia uma sanção penal. o A pena: morte, para satisfazer ao “deus” em questão.  Não há contribuição desse período: ressalve-se que há regiões nas quais ainda existem povos com punições desse tipo, que devem ser pensados pela sociedade (“até que ponto aceitar a barbárie?”)  Tribos: são os povos primitivos, que entram em contato com outros povos. o O contato entre esses povos, em geral, é conflituoso. o Persiste o totem vs tabu; porém, há noção de conflitos sociais (contra outra tribo)  Surge a divisão entre o que desagrada ao “deus” e o que desagrada à “sociedade” o Observe-se que crimes que tem impacto social é que interessam ao Direito Penal.  Talião: é a punição pelo crime de forma proporcional (“olho por olho, dente por dente”) o Código de Hamurabi: + ou - 2000 aC. o Código de Manu: + ou – 700 aC. o Pentateuco: o De uma certa forma, é uma evolução em relação ao método primitivo.  A contribuição do período foi a proporcionalidade da pena.  Grego: o O crime começa a deixar de ser tratado como “pecado” para ser ofensa social. o Inicia-se a prática dos julgamentos, realizados publicamente. o Como os julgamentos eram rápidos e públicos, as argumentações dos sofistas eram principalmente retóricas. Não há o uso de provas.  Contribuição do período: Direito Penal passa a ser laico.  Romano: se no Direito Civil a evolução dos romanos foi notável, no Direito Penal Roma “estacionou”; no início o pretor somente interferia na falta de uma vingança privada, em tentativas de conciliação legal baseados nos costumes locais. o O principal fato: a Lei das Doze Tábuas, que, a partir da sétima tábua, continha definições do que era crime e sanção penal. o Como efeito da legalidade das sanções, passa a existir um esforço maior pela composição, e o papel do Estado cresce: os crimes são divididos em privados (delicta privada) e públicos (crimina publica).  Germânico: o a composição torna-se uma constante; ao invés de punir fisicamente, indeniza-se; o é dessa época origem da multa, em geral para crimes contra o patrimônio.  Contribuição principal: o Estado passa a ter o monopólio do jus puniendi, ou seja, só o Estado pode aplicar sanção penal (acaba a vingança privada). Código Penal brasileiro, Art. 345: Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite: Pena - detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à violência. Parágrafo único - Se não há emprego de violência, somente se procede mediante queixa.  Canônico: a Igreja, com a sua influência, passa a incutir nos crimes noções de arrependimento (“ele não queria, foi o pecado que reside nele, mas deixe que cuidamos disso”). o Os criminosos são deixados aos cuidados da Igreja, para que, durante um período, purguem seu sofrimento junto com os celibatários, num período de penitência, até que se obtenha o perdão; o Em consequência, surge a principal sanção penal, a pena de prisão.  Contribuição principal: se antes os crimes eram julgados por critérios objetivos (“matou”) agora se faz necessário definir a responsabilidade subjetiva pelo crime cometido (“matou porque ...”) o Eis aí o conceito de dolo (“matei porque quis”) e culpa (“matei porque fui imprudente”). Observe que não há Direito Penal sem responsabilidade subjetiva.
  3. 3. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 3 Fábio Peres da Silva Autores marcantes e Escolas Penais Três autores foram de grande importância para a consolidação do Direito Penal como o conhecemos hoje:  John Howard, cujas pesquisas evidenciaram a deficiência do sistema penitenciário;  Jeremy Benthan, que desenvolveu idéias sobre a punição e sua efetividade;  e, finalmente, o mais importante deles, Cesare Beccaria. Beccaria, influenciado pelo Iluminismo, escreve “Dos delitos e das penas”, no qual expõe aquilo que são as bases do Direito Penal, como:  não pode haver crime sem lei, nem pena que não esteja prevista em lei  não pode existir pena cruel, que não tenha finalidade de corrigir o cidadão  as pessoas não podem ser mortas, a não ser que sejam inimigas do Estado  a tortura não tem finalidade alguma, a não ser proteger os fortes Essa obra exibiu os princípios que seriam adotados nos Códigos subseqüentes. Princípio da Legalidade: “Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal” Entre o final do Século XVIII e o início do século XIX, surgem as primeiras Escolas Penais, em torno do pensamento de determinado professor ou autor. A primeira foi a Escola Clássica, de Carrara, que analisou o delito e suas implicações extensamente.  Para ele, o crime era “um ente jurídico, moralmente imputável e politicamente danoso”.  A pena tem o caráter de “castigo”, sofrimento (retribuição pelo mal feito).  Somos punidos porque temos livre-arbítrio, e escolhemos livremente praticar o mal. Pode ser refutada considerando-se que o livre-arbítrio pode ser prejudicado, e que a pena precisa ter um caráter mais importante do que simplesmente punir alguém. Escola Positiva: influenciada pelas idéias do positivismo de Comte, que só admitia a ciência como base.  Cesare Lombroso e a antropologia criminal: definição do crime por critérios biológicos.  Enrico Ferri e a sociologia jurídica: o homem pode tanto nascer criminoso como tornar-se um criminoso, “contaminar-se pelo meio” (maus elementos, más influências).  O mais importante: negaram o livre-arbítrio (o elemento está determinado a cometer o crime).  Consequência direta: pena por tempo indeterminado (até que se cure) Embora o determinismo, em certas situações, realmente exista (ex.: o adolescente que comete o crime coagido pelos colegas), não é totalmente verdadeira. Conciliando as duas escolas, surge a Escola Eclética, com duas vertentes: italiana, de B. Alimena, e alemã, de Von Liszt (que prosperou).  Para Von Liszt, algumas pessoas, diante do crime, conseguem se controlar; outras, porém, não resistem à natureza criminosa e cometem o delito.  Nesse ponto, a pena serve a objetivos distintos, dependendo da natureza do indivíduo: para os resistentes, ela serve como prevenção; para os que não resistem, deve ser aplicada a internação.  Até hoje, com algumas variações, usamos esse princípio, principalmente para definir quem é imputável (deve ser punido, sofrer pena) e quem é inimputável (deve ser internado, por medida de segurança). Uma escola merece reflexão, baseada nas teses de Kant, que se inspirou em Kelsen e seu positivismo jurídico (“a única coisa que interessa para o Direito é a Lei”); é a Escola Técnico- jurídica, dedicada a explicar a lei unicamente através da exegese.  Essa escola influenciou de forma marcante o Direito Penal brasileiro, já que Nelson Hungria influenciou o Código Penal que vigorou no Brasil até 1967. Ainda na Escola Positiva, Rafael Garofalo inicia pesquisas a respeito do “crime natural” (a tese de que há crimes que são crimes em qualquer lugar do mundo).  Não dá para dizer que há crimes naturais (todo crime é fabricado); mas há fundamentos sociais que nos permitem dizer quais são os motivos pelos quais existem vítimas e criminosos.  Esse é o objeto da Criminologia.
  4. 4. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 4 Fábio Peres da Silva Criminologia Como visto antes, Rafaelle Garofalo resolveu estudar o “crime por natureza”, aquele que se tornaria crime em qualquer lugar do mundo. Não foi totalmente bem sucedido, visto que o crime é uma invenção da sociedade: seu conceito varia no tempo e no espaço. Na década de 60 a Criminologia adquire status de Ciência, com método e objeto de estudos delimitados:  Método: a Criminologia é multidisciplinar, utilizando-se de ciências naturais conhecidas, como: o Estatística o Matemática o Medicina o Psicologia  Todas as ciências acima são usadas pela Criminologia com um objetivo: estudar o crime, seu aspecto normativo (“se não é crime, não me interessa”)  Objeto: o O crime, em si o O criminoso o A vítima o O controle social. Analisando o crime  Cifras ocultas, ou obscuras: os dados que não aparecem, em comparação com dados oficiais (aquilo que não chega ao conhecimento da autoridade, ou cujo dado é “manipulado”). o A necessidade da Criminologia: encontrar os dados reais, por amostragem própria.  Comportamentos atípicos: é o comportamento que, embora imoral, não é tipificado como crime (ex.: incesto, adultério, prostituição, embriaguez ou entorpecência). o O que é atípico não interessa para o Direito Penal, mas interessa para a Criminologia, já que os crimes típicos muitas vezes se originam dos atípicos (a prostituta que agride para ter seu dinheiro de volta, o drogado que rouba para obter dinheiro para sustentar seu vício ...).  Legitimação de crimes (artigos de Lei): a Criminologia se ocupa também de avaliar os artigos legais conforme sua real aplicação (se serve para o Direito Penal), sob quatro critérios: o incidência massiva: é o que afeta a todos, indistintamente; o incidência afetiva: é o que preocupa profundamente a população (aflige a todos); o perpetuação espaço-temporal: sempre existiu, sempre vai existir e deve ser tratado pelo Direito; o consenso geral: todos entendem que o Direito Penal deve tratar do assunto. Analisando o criminoso: o criminoso é um sujeito normal, que comete um crime; não há teorias genéricas, cada caso é um caso e deve ser analisado isoladamente. Analisando o controle social:  Prevenção: evitar que o crime ocorra (ex.: iluminação pública, semáforos “piscantes”).  Repressão: análise dos casos concretos, sanções e punições pelo Estado. Mecanismos de controle social:  Formal: lei, polícia, M. Público, juiz, prisão.  Informal: sociedade civil (família, escola, Igreja, amigos ...).
  5. 5. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 5 Fábio Peres da Silva Vitimologia Porque uma pessoa é vítima de crimes em geral?  Conceito começou a tomar forma a partir da II Guerra Mundial, com o Holocausto.  Nomes iniciais: Mendelson e Von Hentig. Contribuição da vitimologia: estudo do processo de vitimização e os cuidados que devem ser tomados com as vítimas de crimes em geral. Tipos de vítima  Vítima pura: aquela que é escolhida ao acaso (não há como evitar a diminuição da incidência)  Vítima colaboradora: é aquela que, pela postura passiva, atrai o crime; o papel da criminologia é identificar quem é a vítima, inibindo atitudes que podem facilitar o criminoso.  Vítima participativa: é a que se envolve no processo criminoso, ou porque age de má-fé ou porque está consciente do risco que corre e se insere, deliberadamente, em situação de risco. o Ex.: estelionato (atitude de má-fé), pedir carona para amigo bêbado (situação de risco). o No caso da situação de risco, a culpa pelo crime é dividida entre ambos (não há pena), pois “o Direito Penal não serve para te proteger de seus próprios erros”. o Código Penal, art. 59: “... bem como ao comportamento da vítima ...”  Vítima culpada: é aquela que é a única culpada pelo que ocorreu com ela, pois desde o início agiu dentro da ilegalidade (ex.: a vítima de legítima defesa, morreu porque outro se defendeu). Medidas que podem atenuar o sofrimento da vítima  Prestação pecuniária: conversão de pena em pagamento para a vítima.  Multa reparatória, no caso de acidentes de trânsito.  Reparação inicial, no caso da sentença penal.
  6. 6. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 6 Fábio Peres da Silva Princípios do Direito Penal:  os princípios são as colunas sob as quais se ergue o edifício chamado Direito  eles convivem em harmonia, de tal forma que, quando se diz que tal princípio A “não se aplica”, é porque, naquele caso concreto, a aplicação de um princípio B é mais importante que o princípio A. “o ser humano é condenado a ser livre”: ao contrário dos animais, cujos instintos o orientam a viver durante toda sua vida da mesma forma, o homem procura um sentido para sua vida, atribui valores às coisas e estabelece para si objetivos fundamentais. “cada um tem sua finalidade última, mas somos sócios por natureza”: o homem precisa do outro, desde o começo até o fim da vida. Procuramos sempre o fim último, mas quando todos procuram o mesmo fim, ele se torna um fundamento valioso da sociedade, um bem comum ... e a sociedade está em ordem quando todos podem usufruir de um bem comum. A sociedade se assenta em cima de valores, que são positivados em princípios; e para garantir que os valores sejam cumpridos são expressas as Leis.  A Justiça é inesgotável, e toda lei chega perto da justiça perfeita, sem, contudo, tocá-la; é para isso que a lei se baseia em princípios que refletem valores.  Cada caso é um caso; e por isso, grosso modo, a Lei é genérica, para que o princípio seja utilizado de maneira específica.  Certos princípios são tão consagrados que descem ao nível de Lei; há os que precisam de detalhamento, seja na Constituição ou nos Códigos. Princípio da Legalidade: “Ninguém será obrigado a fazer, ou deixar de fazer, algo senão em virtude de Lei” Segundo Becaria, o governante simplesmente não pode chegar e dizer que eu cometi um crime grave; ele precisa primeiro dizer que tal atitude é crime, e estabelecer a sanção. Assim, eu terei condições de avaliar se vale a pena cometer o crime. Constituição Federal, art. 5º: XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal; Princípio da Lesividade (ou ofensividade, ou proteção de bens jurídicos, ou “ultima ratio”, ou fragmentalidade, ou subsidiariedade): a pena adotada pelo Direito Penal só pode ser adotada como último recurso, por isso somente se usa o Direito Penal quando um bem jurídico está em risco. Por esse motivo o Direito Penal é aplicado somente a um fragmento mínimo das relações sociais (isso porque não tem como devolver o que a pessoa perdeu quando se aplica uma pena). Da lesividade decorre também um subprincípio, o da insignificância (“no caso concreto, ainda que eu cometa algo que está prescrito em lei, se a lesão é insignificante, não se aplica o Direito Penal”) De volta ao princípio da Legalidade: “aquilo que eu não posso fazer tem que estar na lei”, somente se você souber a pena e o crime terá condições de avaliar se “vale a pena” cometê-lo. Cesare Becaria definiu o princípio básico, mas foi Feuerbach, no século XIX, que o sistematizou através da sentença “nullum crimen nulla poena sine praevia lege”, sistematizado depois na Constituição Brasileira e no Código Penal. Constituição Federal, art. 5º, XXXIX; reproduzindo o Código Penal, art. 1º: “não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal.” Decorre desse princípio o subprincípio da taxatividade, no qual “a lei deve definir com clareza qual o crime e a pena”, e o da estrita legalidade, em que “só lei stricto sensu pode definir o que é crime” (entenda-se, ato do Congresso Nacional). Lei penal “em branco”: trata-se da lei complementada por ato do Executivo, “atalho” para que não se ataque a estrita legalidade, devido à dinâmica da sociedade.
  7. 7. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 7 Fábio Peres da Silva Relembrando:  Lesividade (“ultima ratio”)  Legalidade (estrita legalidade, taxatividade, anterioridade)  Anterioridade: a lei deve existir antes do fato existir; tem a ver com o principio da irretroatividade Princípio da irretroatividade: via de regra a lei não alcança fatos passados, a não ser que seja para beneficiar o réu, ou seja, “a lei penal não retroage, salvo em benefício do réu”.  Tempus regit actum: o Direito Penal segue a lei que está em vigor no momento do fato.  Novatio legis in mellius: se a nova lei for melhor, os efeitos retroagem.  Novatio legis in pejus: se a nova lei for pior, os efeitos não retroagem. Crimes de mera conduta vs crimes de resultado:  Crime de resultado: é aquele que está subordinado a uma mudança de estado (ex.: homicídio)  Crime de mera conduta: é o que vem somente da atitude, sem alteração física (ex.: porte de arma) O crime de mera conduta é tratado apenas pela ação. O crime de resultado, pela soma da ação e resultado. Crime instantâneo vs crime permanente:  Crime instantâneo: tem uma duração determinada (atirar e matar).  Crime permanente: a duração do crime se alonga (ex.: seqüestro). Abolitio criminis: o fim do crime, e da pena. Leis excepcionais e leis temporárias:  Leis excepcionais: são leis promulgadas para uma determinada situação; o Direito Penal, nesse caso, fixa uma situação para que a lei termine..  Leis temporárias: leis promulgadas para valer apenas em um determinado período; tem data definida para perder a validade. Excepcionalmente, nesse caso, há uma exceção ao abolitio criminis, prevista no art. 3º do Código Penal; diz-se que a lei tem ultra-atividade. Código Penal, art. 3º A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as circunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência. Princípio de humanidade das penas: a Constituição Federal proíbe penas desumanas, como a pena de morte, prisão perpétua, trabalhos forçados, banimento ou penas cruéis. Nenhum legislador pode efetuar leis nesse sentido, nenhum juiz pode mandar que se aplique tal pena. É decorrente da assinatura de tratados relativos aos Direitos Humanos pelo governo brasileiro. Decorrências do princípio da humanidade das penas:  Pena de morte: proibida no Brasil, salvo para crimes militares (em caso de guerra).  Prisão perpétua: não existe, a pena máxima é de 30 anos (contudo, os benefícios contam a partir do todo da pena e cada novo crime “zera” a contagem, até chegar aos 30 anos em regime fechado).  Trabalhos forçados: não há; existe a prestação de serviços à comunidade, mas não é forçada.  Banimento: não existe.  Execução de penas cruéis: o RDD é uma espécie de pena cruel, mas é constitucional pelo STF; nesse esquema, por critérios subjetivos, o Executivo impõe isolamento de 22h consecutivas. Princípio da individualização das penas: cada envolvido no delito tem uma pena diferente, de acordo com a sua participação no crime e os eventuais atenuantes que existam. Da mesma forma, cada um deles tem direito a um regime específico de progressão. Princípio da transcendência das penas: ninguém cumpre pena no seu lugar, pois a pena não passa da pessoa do condenado; cada um responde pelo que faz.
  8. 8. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 8 Fábio Peres da Silva Aplicação da Lei Penal:  quanto ao tempo (quando?)  quanto ao espaço (onde?)  quanto às pessoas (a quem?) Quanto ao tempo, existem três teorias a respeito:  o crime pode ocorrer apenas com a ação (teoria da atividade),  apenas com o resultado da ação (teoria do resultado)  ou com a soma de ação e resultado (teoria da ubiqüidade). No caso brasileiro adota-se a teoria da atividade, conforme diz o Código Penal, art. 4º: “Considera- se praticado o crime no momento da ação ou omissão, ainda que outro seja o momento do resultado” No caso dos chamados crimes permanentes, aqueles que se mantém durante um tempo, este é contado a partir do momento em que a pessoa é descoberta. Lembrando que flagrante pode acontecer a qualquer momento, basta que o crime esteja em progresso (surpreender a pessoa). Quanto ao espaço, aplica-se a Lei Penal brasileira no Brasil, conforme o princípio da territorialidade. No caso de crime cuja ação iniciou-se num território e terminou em outro, seguem as teorias:  o crime pode ocorrer no território onde houve a ação (teoria da atividade),  pode ocorrer no território onde houve o resultado (teoria do resultado)  ou em qualquer um dos casos, se a ação ou o resultado ocorreu no país (teoria da ubiqüidade). O Brasil adota a teoria da ubiqüidade, conforme Código Penal, artigo 6º: “Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado.” O território, para efeito do Código Penal, pode ser:  real, ou seja, a terra brasileira; o mar territorial, de 12 milhas marítimas; e o espaço aéreo.  ou ficto, de dois tipos: embarcações e aeronaves oficiais; ou embarcações e aeronaves a serviço. Curiosidade: existe o conceito de “passagem inocente” no espaço marítimo, mas não existe isso no aéreo; se o avião entrou, está sujeito a abate. Em determinados casos, aplica-se a extraterritorialidade da lei penal (aplicação das leis de um país fora do seu território), através:  Do princípio de justiça universal (“determinados crimes são tão graves que incomodam a humanidade como um todo, e por isso quem pegar um criminoso tem a obrigação de julgá-lo”, como genocídio e crimes de guerra)  Ou do princípio de defesa real (“certos crimes precisam ser protegidos por defesa a um patrimônio brasileiro”)  Ou do princípio da personalidade (“obrigação de aplicar a lei a uma pessoa ou um grupo, seja de forma ativa – o réu – ou passiva – a vítima”).  Ou do princípio da bandeira, ao qual, se uma embarcação possui determinada bandeira, as regras de Direito Penal que serão aplicadas são as do país daquela bandeira. Observação relevante: as leis do país devem permitir a extraterritorialidade da lei penal.
  9. 9. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 9 Fábio Peres da Silva Casos em que a lei brasileira permite a extraterritorialidade (Código Penal, art. 7º):  Incondicionada (basta que o caso aconteça, é crime para a lei brasileira e exige providência) o Crimes contra a vida (ou liberdade) do Presidente da República o Crimes contra patrimônio público (ou fé pública) o Serviço público o Genocídio (quando for brasileiro ou residente no Brasil)  Condicionada (sob determinadas condições, será crime) o Crimes que por tratado, ou convenção, o Brasil se comprometeu a combater o Cometido por brasileiro o Embarcações e aeronaves brasileiras o Contra brasileiro  Condições para que seja possível usar a extraterritorialidade (art. 7º, § 2º): o O criminoso entrar no território nacional o O crime cometido deve também ser crime no estrangeiro (correspondência penal) o Ser crime passível de extradição o O criminoso não deve ter sido absolvido ou ter cumprido a pena o Não está extinta a punibilidade  Casos do art. 7º, § 3º (estrangeiro que cometeu crime contra brasileiro, fora do Brasil): o Não ter sido pedida ou ter sido negada a extradição o O Ministro da Justiça deve dar a ordem de extradição Código Penal, art. 7º: Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:(Redação dada pela Lei nº 7.209, de 1984) I - os crimes: (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) a) contra a vida ou a liberdade do Presidente da República; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) b) contra o patrimônio ou a fé pública da União, do Distrito Federal, de Estado, de Território, de Município, de empresa pública, sociedade de economia mista, autarquia ou fundação instituída pelo Poder Público; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) c) contra a administração pública, por quem está a seu serviço; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) d) de genocídio, quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) II - os crimes: (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) a) que, por tratado ou convenção, o Brasil se obrigou a reprimir; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) b) praticados por brasileiro; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) c) praticados em aeronaves ou embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, quando em território estrangeiro e aí não sejam julgados. (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) § 1º - Nos casos do inciso I, o agente é punido segundo a lei brasileira, ainda que absolvido ou condenado no estrangeiro.(Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) § 2º - Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasileira depende do concurso das seguintes condições: (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) a) entrar o agente no território nacional; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) b) ser o fato punível também no país em que foi praticado; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) c) estar o crime incluído entre aqueles pelos quais a lei brasileira autoriza a extradição; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) d) não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou não ter aí cumprido a pena; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) e) não ter sido o agente perdoado no estrangeiro ou, por outro motivo, não estar extinta a punibilidade, segundo a lei mais favorável. (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) § 3º - A lei brasileira aplica-se também ao crime cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil, se, reunidas as condições previstas no parágrafo anterior: (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) a) não foi pedida ou foi negada a extradição; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984) b) houve requisição do Ministro da Justiça. (Incluído pela Lei nº 7.209, de 1984)
  10. 10. Criminologia e Introdução ao Direito Penal 10 Fábio Peres da Silva Mais observações sobre a extraterritorialidade:  No caso de extraterritorialidade, deve-se conciliar a pena brasileira com a pena estrangeira, que pode ser igual ou diversa da pena brasileira.  Quando as penas são da mesma natureza, considera-se a pena computada no estrangeiro.  Quando as penas são de natureza diferente, será feita a compensação (ou adaptação) da pena estrangeira para o sistema penal brasileiro, de acordo com o STF. O Código Penal brasileiro não reconhece a homologação de sentença penal, diferente do Código Civil.  Exceção, nesse caso, é a pena de internação.  Existe, contudo, a transferência de presos (sentença é aplicada sob as regras brasileiras). Imunidade: somente os diplomatas são imunes ao Código Penal, pela lei brasileira.  A imunidade dos diplomatas é repassada aos funcionários oficiais da Embaixada, e seus familiares.  Também atinge a casa do diplomata, onde o governo não entra sem autorização (mas não a embaixada, esta é território brasileiro!!).

×