Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Orientações ortográficas

139,876 views

Published on

  • Be the first to comment

Orientações ortográficas

  1. 1. ORIENTAÇÕES ORTOGRÁFICAS
  2. 2. Por quê? • Em português, um mesmo som pode ser representado por mais de uma letra e, igualmente, uma mesma letra pode representar mais de um som. EX.: Expansão OU expanção? expelir OU espelir? hospitalizar OU hospitalisar? pixar OU pichar?
  3. 3. Ouvir, ler, gravar na mente... Estamos acostumados a ouvir a pronúncia de uma palavra e contarmos com nossa memória auditiva, mas na hora de escrever no papel, vem a dúvida sobre sua grafia correta... Em vez disso, devemos “contar” com a nossa memória visual, ou seja, gravar na mente, ler, escrever, isto é, se habituar com a grafia de certas palavras para, na hora de escrever, não errar...
  4. 4. Sendo assim, para treinar, vejamos o emprego das seguintes letras:
  5. 5. Emprego do H a) no final de algumas interjeições: ah!, oh! b) no início de palavras cuja etimologia ou tradição escrita do nosso idioma assim o determine: hábil, habilitação, haver, herói, honesto. c) no interior dos vocábulos, quando: faz parte dos dígrafos ch (com som de x), lh, nh: chapéu, archote, chuva, malha, ninho etc. nos compostos em que o segundo elemento com h etimológico se une ao primeiro hífen: pré-história, super-homem; exceção: coerdeiro.
  6. 6. Ou seja: Algumas interjeições (de surpresa, de espanto ex.: oh!); pela tradição da escrita de algumas palavras, onde o h, no entanto, não é pronunciado (hábil, honesto etc); quando é um dígrafo ch, lh ou nh; e nos palavras compostas onde é etimológico (ex.: pré-história e não preistória*, super-homem e não superomen* etc). ___________________________ * A grafia dessas palavras é incorreta, mesmo pelo conhecimento que temos ela nos soa “estranha”.
  7. 7. Emprego do S a) Escrevemos o s depois de ditongos: coisa, mausoléu, maisena, lousa, Cleusa.
  8. 8. Mas e...
  9. 9. “Maizena” (com inicial maiúscula) é o nome de uma marca tradicional da “maisena“, essa da caixinha amarela. A “maisena“, por sua vez, é um nome que usamos para designar o ”amido de milho“, farinha branca e fininha feita do milho. Disponível em: http://socorronacozinha.com.br/maizena- maisena
  10. 10. Emprego do S b) escreveremos com - s – as palavras derivadas de verbos terminados em –nder e –ndir. pretender = pretensão defender = defesa, defensiva despender = despensa fundir = fusão expandir = expansão
  11. 11. Emprego do S c) escreveremos com – s – as palavras derivadas de verbos terminados em –erter, -ertir e –ergir. perverter = perversão converter = conversão divertir = diversão aspergir = aspersão d) escreveremos –puls – nas palavras derivadas de verbos terminados em –pelir e – curs-, nas palavras derivadas de verbos terminados em –correr. expelir = expulsão impelir = impulso compelir = compulsório discorrer = discurso percorrer = percurso
  12. 12. Emprego do S e) escreveremos com - s – todas as palavras terminadas pelos sufixos em –oso e –osa, com exceção de gozo, e pelo sufixo –ense, indicador de origem ou pertinência: gostosa, glamoroso, saboroso, horroroso, palmerense, rio- grandense, canadense. f) escreveremos com – s- todas as palavras terminadas em –ase, -ese, e –ose, (com exceção de gaze e deslize) : fase, crase, tese, osmose, etc.
  13. 13. Emprego do S g) escrevemos com – s- as palavras femininas terminadas em –isa: poetisa, profetisa, Heloisa, Marisa. h) Igualmente, empregaremos o –s- nos sufixos – ês, -esa indicadores de origem, título, nobreza ou profissão (também valem para os casos de emprego de –isa): camponesa, francês, camponês, burguês, burguesa, marquês, marquesa etc. i) escreveremos com – s – toda conjugação dos verbos pôr, querer e usar: eu pus, ele quis, nós usamos, quando nós quisermos, se eles usassem etc.
  14. 14. Ou seja: Depois de ditongos decrescentes (ex.: coi-sa, mai-se-na, lou-sa etc.); em palavras derivadas de verbos nder e ndir (ex.: pretensão, defesa, despensa); –erter, -ertir e –ergir (aspersão, conversão, reversão, expansão etc.); -puls- nas derivadas de –pelir, –curs- ou verbos terminados em –correr (ex.: expulsão, discurso, compulsório, impulso etc.); todas as palavras terminadas nos sufixos oso, osa, ense (exceção: gozo), , ase, ese, ose(ex.: gasoso, paranaense, saborosa, fase,osmose, tese etc.); palavras terminadas em isa, ês, esa como palavras femininas ou títulos (marquesa, freguês, poetisa etc.) e nas formas dos verbos pôr e usar (ex.: usassem, pusessem, usando, pus etc.) Exceção: rezar, gaze, deslize.
  15. 15. Emprego do Z: a) nas palavras derivadas de uma primitiva gravada com –z: juiz: juizinho, juízo, ajuizar bronze: bronzear, bronzeado, bronzeamento cruz: cruzadinha, cruzeiro, cruzamento
  16. 16. Emprego do Z: b) nos sufixos –ez, -eza, formadores de substantivos abstratos femininos a partir de adjetivos: insensato – [a] insensatez mesquinho - [a] mesquinhez estúpido – [a] estupidez altivo – [a] altivez magro – [a] magreza belo – [a] beleza grande - [a] grandeza
  17. 17. Emprego do Z: c) no sufixo –izar, formador de verbo a partir de substantivo ou adjetivo: hospital - hospitalizar canal - canalizar real – realizar atual - atualizar humano - humanizar
  18. 18. Emprego do Z: d) Nos verbos terminados em –uzir, bem como em suas formas em que ocorre o fonema /z/: aduzir: aduzo, aduz, aduzi conduzir: conduzo, conduziste, conduziu deduzir: deduzo, deduziste, deduzia produzir: produzo, produzi, produzia
  19. 19. Ou seja: Palavras derivadas de uma primitiva com z (ex.: juizo=ajuizar; feliz=felizardo etc.); nos sufixos – ez, eza formadores de substantivos abstratos femininos a partir de adjetivos (ex.: insensatez, estupidez, beleza etc.); no sufixo izar formador de verbo a partir de subst. ou adjet. (ex.: hospitalizar, atualizar, humanizar etc.); em verbos terminados em izir onde o fonema é z (ex.: produzo, deduzir, conduz etc.)
  20. 20. Emprego do J: a) Nas palavras derivadas de outras que já apresentem j: Jeito: ajeitar, ajeitar, ajeitamento Jesuíta: ajesuitizar Varejo: varejista, varejão. b) escreveremos com –j- as palavras derivadas dos verbos terminados em –jar. trajar = traje, eu trajei encorajar = que eles encorajem viajar = que eles viajem
  21. 21. Emprego do J: c) escreveremos com –j- as palavras derivadas de vocábulos terminados em –ja. loja = lojista gorja = gorjeta d) escreveremos com –j- as palavras de origem tupi, africana ou popular: jeca, jibóia, jiló, pajé etc.
  22. 22. Ou seja: Derivadas de palavras que já apresentam o j (ex.: ajeitar, varejista etc.); verbos terminados em jar (ex.: trajar, viajem etc.); palavras derivadas de vocábulos terminados em ja (ex.: lojista, gorjeta etc.); palavras de origem africana ou popular (jeca, jibóia, jiló, pajé etc.)
  23. 23. Emprego do G: a) Nas palavras derivadas, de outras que já apresentem g: Ágio: agiota, agiotagem Gesso: engessar, engessado b) Em geral, depois de a inicial: ágil, agir, agitar, agenciar.
  24. 24. Emprego do G: c) escreveremos com –g- todas as palavras terminadas em –ágio, -égio, -ígio, -ógio, - úgio: pedágio, colégio, sacrilégio, prestígio, relógio, refúgio etc. d) escreveremos com – g- todas as palavras terminadas em –gem, (com exceção de pajem, lambujem e a conjugação de verbos terminados em –jar): a viagem, a coragem, a personagem, a vernissagem, a ferrugem, a penugem etc.
  25. 25. Ou seja: Palavras derivadas de outras que já apresentam g (ágio: agiota, agiotagem; gesso: engessar, engessado etc.); geralmente depois de a inicial: ágil, agiota, agitar etc.); todas as palavras terminadas em –ágio, -égio, -ígio, - ógio, -úgio: pedágio, colégio, sacrilégio, prestígio etc.); todas as palavras terminadas em –gem, (com exceção de pajem, lambujem e a conjugação de verbos terminados em –jar): a viagem, a coragem, a personagem etc.)
  26. 26. ATENÇÃO! Viagem (substantivo feminino= a viagem) Viajem (derivada do verbo viajar , conjugado na 3º pessoa do presente do subjuntivo): Que eu viaje Que tu viajes Que ele viaje Que nós viajemos Que vós viajeis Que eles viajem Ex.: A viagem foi muito tranquila e divertida. Meu desejo é que eles viajem juntos.
  27. 27. giff da telenovela “A viagem”(1994/5)
  28. 28. Emprego do CEDILHA Emprega-se o ç: a) nas palavras de origem árabe, tupi ou africana: açafrão, açúcar, muçulmano, araçá, paçoca, Juçara, Piraçununga, caçula, miçanga etc. b) após ditongos: louça, feição, traição.
  29. 29. Emprego do CEDILHA c) nos sufixos –ação e –ção formadores de substantivos partir de verbos: formar - formação exportar - exportação construir - construção destruir - destruição
  30. 30. Emprego do CEDILHA d) nos sufixos –aça(o), -iça(o), -uça(o): barcaça, ricaço, carniça, caniço, dentuço, dentuça.
  31. 31. Não emprega CEDILHA Nos verbos em que há o grupo nd no radical, ocorre a correlação nd ns (vide emprego do s): apreender: apreensão ascender: ascensão compreender: compreensão suspender:suspensão (vide emprego do s) Dicionário= vide, ae (verbo ver em latim)
  32. 32. Ou seja: Palavras de origem árabe, tupi ou africana (ex.: açafrão, açúcar, muçulmano); após ditongos (ex.: lou-ça, fei-ção, trai-ção); a partir de ação e ção (substantivo verbo) [Ex.: formar=formação, exportar=exportação etc.); nos sufixos –aça(o), -iça(o), -uça(o): barcaça, ricaço, carniça, caniço.
  33. 33. Emprego do x / ch Emprega-se o x: a) normalmente depois de ditongo: caixa, peixe, ameixa, faixa. b) depois da sílaba inicial me: mexer, mexilhão, mexicano, mexerica (MEX) Exceção: mecha e seus derivados escrevem-se com ch. c) em palavras de origem indígena ou africana: xavante, abacaxi, caxambu, orixá, xará, xangô
  34. 34. Emprego do x / ch Emprega-se o ch: a) recauchutar e recauchutagem devem ser grafados com ch, pois derivam de caucho, palavra que designa espécie de árvore de cujo látex se produz borracha de qualidade inferior. b) encher e seus derivados são com ch: enchimento, enchido, enchente, preencher. c) Junção do prefixo en a um radical iniciado com ch: encharcar, encharcado (de charco); enchumaçar, enchumaçado (de chumaço); enchiqueirar (de chiqueiro), enchouriçar (de chouriço), enchocalhar (de chocalho)
  35. 35. Ou seja: X depois de ditongo decrescente (ex.: cai-xa, pei-xe, amei-xa, fai-xa; palavras com MEX (ex.: mexilhão, mexicano, mexerica); origem indígena ou africana (ex.:xavante, abacaxi, caxambu); CH recauchutar e recauchutagem devem ser grafados com ch; encher e seus derivados são com ch (enchimento etc.); en+ch_____ (encharcar, enchada, enxame etc)
  36. 36. Atenção! Pichar= piche (grafitar?!)
  37. 37. Emprego do e: a) nas formas dos verbos terminados em – oar e –uar: Abençoar: abençoe, abençoes Perdoar: perdoe, perdoes Continuar: continue, continues Pontuar: pontue, pontues Obs.: os verbos conjugados estão no presente do modo subjuntivo (que eu... Etc.).
  38. 38. Emprego do e: b) nos ditongos nasais ãe, õe: pães, mãe, põe, casarões Obs.: cãimbra (ou câimbra) escreve-se com i. c) no prefixo ante-, que significa anterioridade: antepasto, antevéspera, antedilúvio
  39. 39. Ou seja: Nas formas dos verbos term. oar e oer (ex.: abençoar=abençoe; perdoar=perdoe); ãe, õe (ex.: pães, mãe, põe, casarões); ante, com sentido de anterioridade (ex.: antepasto, antevéspera, antedilúvio) Não esqueça! R= cãimbra (ou câimbra) escreve-se com i.
  40. 40. Emprego do i a) nas formas dos verbos terminados em – air, -oer e –uir: Sair: sai, sais Cair: cai, cais Moer: mói, móis Doer: dói Possuir: possui, possuis Contribuir: contribui, contribuis Retribuir: retribui, retribuis
  41. 41. Emprego do i b) no prefixo anti-, que significa ação contrária: antiaéreo, antibiótico, antijurídico c) no verbo criar e seus derivados: criar, criação, criatura, malcriado.
  42. 42. Ou seja: Nas formas dos verbos terminados em -air, - oer, -uir (ex.: sai, mói, retribui, dói etc.); no prefixo anti (ex.: antiaéreo, antibiótico, antijurídico); verbo criar e seus derivados (criação, criatura, criatividade etc.).
  43. 43. Emprego do ss a) escrevemos com –cess- as palavras derivadas de verbos terminados em – ceder. anteceder = antecessor exceder = excesso conceder = concessão
  44. 44. Emprego do ss b) escrevemos com –press- as palavras derivadas de verbos terminados em - primir. imprimir = impressão comprimir = compressão deprimir = depressivo
  45. 45. Emprego do ss c) escrevemos com –gress- as palavras derivadas de verbos terminados em – gredir. agredir = agressão progredir = progresso transgredir = transgressor
  46. 46. Emprego do ss d) escrevemos com –miss- ou –mess- as palavras derivadas de verbos terminados em – meter. comprometer = compromisso intrometer = intromissão prometer = promessa remeter = remessa
  47. 47. Ou seja: Com cess derivados de verbos term. em a)ceder (Ex.:anteceder = antecessor, exceder = excesso, conceder = concessão); b) press derivado de primir (imprimir = impressão, comprimir = compressão, deprimir = depressivo); c) –gress- derivado –gredir (agredir = agressão, progredir = progresso, transgredir = transgressor);d) -miss ou -mess derivados de -meter (ex.:comprometer = compromisso,intrometer = intromissão, prometer = promessa,remeter = remessa).
  48. 48. DICA: Em relação aos verbos terminados em –tir, teremos: 1- escreveremos com –ção, se apenas retirarmos a desinência do infinitivo –r, dos verbos terminados em –tir. curtir –r + -ção = curtição
  49. 49. Em relação aos verbos terminados em –tir, teremos: 2 - escreveremos com –são, quando, ao retirarmos toda a terminação –tir, a última letra for consoante. Divertir –tir + são = diversão DICA:
  50. 50. 3 - Escreveremos com –ssão, quando, ao retirarmos toda a terminação –tir, a última letra for vogal. discutir –tir + ssão = discussão. DICA:
  51. 51. DICA:DICA: Ç ou S? Após o ditongo, escrevemos com – ç -, quando houver som de s; e escrevemos com– s -, quando houver som de z. eleição traição Neusa Coisa
  52. 52. Emprego do SC: a)Quando o dígrafo sc representa o fonema s:crescer, crescer, descer... Obs.:não vale para anoitecer, entardecer, amanhecer... PORQUE...
  53. 53. 1- o dígrafo sc representa o fonema s: nascer /n/ /a/ /s/ /e/ /r/, crescer /k/ /R/ /e/ /s/ /e/ /r/, descer. /d/ /e/ /s/ /e/ /r/... (palavras de origem latina); [não se pronuncia o c depois de s, com exceção de desconto, discutir...onde sc não é dígrafo, mas encontro consonantal); b) Obs.:por razões etimológicas, não vale para anoitecer, entardecer, amanhecer... (palavras formadas dentro da LP)
  54. 54. Emprego do SC: c) Em palavras como descentralizar e descapitalizar, temos o sufixo des- acompanhando uma forma verbal iniciada por c. não se trata, pois, de dígrafo.
  55. 55. Referências bibliográficas: TERRA, Ernani. Curso prático de gramática: Ensino médio. São Paulo: Scipione, 2002. HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Minidicionário HOUAISS da Língua Portuguesa. 4 edº rev. e aumentada. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.
  56. 56. ORIENTAÇÕES ORTOGRÁFICAS

×