Linguagem virtual e linguagem padrão

2,810 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,810
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,193
Actions
Shares
0
Downloads
49
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Linguagem virtual e linguagem padrão

  1. 1. A partir dessas instruções, criou-se o personagemvirtual. E como esse avatar representa a imagem de umser humano, ou seja, alguém que está num diálogo comum interlocutor, certamente poderá, em algummomento da conversa, manifestar sentimentos, reaçõese emoções as mais diversas. Para que isso se concretizeno mundo virtual, temos algumas opções: a utilização desinais de pontuação ou os emotions.
  2. 2. EMOTIONS
  3. 3. Então...Vamos conversar um pouco mais sobre o mundo virtual e sua linguagem
  4. 4. Vamos iniciar nossa reflexãode hoje pensando em como onosso cérebro processa aspalavras que lemos.
  5. 5. 35T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3N45 P4R4 M05TR4R COMO NO554 C4B3Ç4 CONS3GU3 F4Z3R CO15451MPR3551ON4ANT35! R3P4R3 N155O! NO COM3ÇO 35T4V4 M310 COMPL1C4DO, M45 N3ST4 L1NH4 SU4 M3NT3 V41 D3C1FR4NDO O CÓD1GO QU453 4UTOM4T1C4M3NT3, S3M PR3C1S4R P3N54R MU1TO, C3RTO? POD3 F1C4R B3M ORGULHO5O D155O! SU4 C4P4C1D4D3 M3R3C3! P4R4BÉN5!
  6. 6. Sabem por que vocês conseguem ler esse texto?Porque leram com a visão. Quando lemos palavras que nosso cérebro já conhece, não lemos os sons, mas asimagens que estão gravadas em nossa memória, como é o caso de: 1MPR3551ON4ANT35 IMPRESSIONANTES E então, diga, esses signos são semelhantes ou não?
  7. 7. Entretanto, quando lemos Og v6 naum tm 9da10?não estamos lendo imagens, pois essessignos nada tem em comum com asletras cujos lugares estão ocupando
  8. 8. Não ouvimos palavras, ouvimos sonsÁRVORE
  9. 9. 40J3 V0C3S N40 73M N0V1D4D35?Aqui temos a mesma frase, porém, escritacom caracteres cuja imagem nos remetem àsletras do alfabeto. Portanto, ao visualizarmosas imagens, automaticamente, nosso cérebrocapta a mensagem.
  10. 10. Quando teclamos com alguém, queremosreproduzir integralmente a nossa fala. Para isso, criamos uma língua falada-escrita.
  11. 11. O que não podemos deixar que aconteça é...
  12. 12. Isso mesmo!!A linguagem virtual possui os seus suportesapropriados: a página de bate-papo, a janela doMSN, a página do Facebook, etc.Não é nem um pouco interessante que setranscreva as formas abreviadas ou a “escritafonética” que usamos nesse tipo de linguagempara a redação de um texto que exija o uso dalinguagem formal. Vamos refletir um pouco mais sobre essa diferença realizando uma tarefa de transcrição.
  13. 13. Mãos à massa! Vamos criar 2 (dois) personagens que serão protagonistas de umdiálogo. Devemos preencher o quadro de diálogo do bate-papo damaneira como estamos habituados a enviar mensagens no mundo virtual... Boa sorte!
  14. 14. Agora, estamos em um outro tipo de situação. Estamos diante deum outro suporte, não mais no mundo virtual. Temos que mandar a mesma mensagem anterior porém, através de uma carta. Como fazer?
  15. 15. Desenvolvimento: E. E. Joaquim Bartholomeu Pedrosa – 9º ano
  16. 16. Desenvolvimento: E. E. Joaquim Bartholomeu Pedrosa – 9º ano
  17. 17. Desenvolvimento: E. E. Joaquim Bartholomeu Pedrosa – 9º ano
  18. 18. Desenvolvimento: E. E. Joaquim Bartholomeu Pedrosa – 9º ano

×