Apres Vale 2009

806 views

Published on

Apresentação do Diretor de RI da Vale - Sr. Castello Branco

Published in: Economy & Finance, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
806
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apres Vale 2009

  1. 1. A Vale e o cenário atual Rio de Janeiro 1º de julho de 2009 1
  2. 2. Disclaimer “Essa apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Vale sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações quando baseadas em expectativas futuras, e não em fatos históricos, envolvem vários riscos e incertezas. A Vale não pode garantir que tais declarações venham a ser corretas. Tais riscos e incertezas incluem fatores relacionados a: (a) países onde temos operações, principalmente Brasil e Canadá, (b) economia global, (c) mercado de capitais, (d) negócio de minérios e metais e sua dependência à produção industrial global, que é cíclica por natureza, e (e) elevado grau de competição global nos mercados onde a Vale opera. Para obter informações adicionais sobre fatores que possam originar resultados diferentes daqueles estimados pela Vale, favor consultar os relatórios arquivados na Comissão de Valores Mobiliários – CVM, na Autorité des Marchés Financiers (AMF), e na U.S. Securities and Exchange Commission - SEC, inclusive o mais recente Relatório Anual - Form 20F da Vale e os formulários 6K.” 2
  3. 3. Agenda A diluição das incertezas Os mercados de minérios e metais A busca pela criação de valor 3
  4. 4. A diluição das incertezas 4
  5. 5. As ações dos bancos centrais e governos diminuíram as incertezas, o que se refletiu em queda de volatilidade de preços de ações e no início do retorno à normalidade dos mercados interbancários VIX¹ Ted spread² 85 5 75 4 65 55 3 45 2 35 25 1 15 5 0 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 ¹ volatilidade implícita dos preços de ações ² diferença entre a Libor 3 meses e o rendimento da US T-bill de 3 meses Fonte: Bloomberg 5
  6. 6. Os preços das ações estão em alta, recuperando parte das perdas sofridas em 2008 MSCI World MSCI Metals & Mining 1.800 800 1.600 700 1.400 600 1.200 500 1.000 400 800 300 600 200 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 Fonte: Bloomberg 6
  7. 7. Neste ano, o preço das ações da Vale está se elevando acima da média da indústria de mineração... 180 Vale MSCI M&M Índice 100 = dezembro 2008 160 140 120 100 80 60 40 dez/08 jan/09 fev/09 mar/09 abr/09 mai/09 7
  8. 8. Houve melhora na percepção de riscos... Brazil 5-year CDS Vale 5-year CDS 600 600 450 450 300 300 150 150 0 0 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 Fonte: Bloomberg 8
  9. 9. … o que também levou à desvalorização do dólar americano em 2009 2,60 94 Cesta de moedas/US$ 2,40 91 2,20 88 2,00 85 1,80 R$/US$ 82 1,60 79 1,40 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 Fonte: Banco Central do Brasil e Bank of England 9
  10. 10. As incertezas se diluíram mas os riscos ainda são elevados. A recuperação da economia global deve ser lenta Recessões causadas por crises financeiras tendem a ser mais prolongadas e a recuperação é em geral mais lenta. A recuperação sustentada da atividade econômica depende em boa parte da volta à normalidade dos mercados financeiros. A recente captação pelos bancos de US$ 66 bilhões via emissão de ações reflete o início da restauração da confiança dos mercados. Entretanto, os bancos ainda tem perdas a realizar e os fluxos de crédito ainda não foram restabelecidos. Parte da estabilização da atividade econômica deve-se a incentivos fiscais, cujo efeito é apenas temporário. 10
  11. 11. Os mercados de minérios e metais 11
  12. 12. Após três trimestres de declínio do PIB global, é provável que a atividade econômica tenha chegado ao fundo do poço. A produção industrial dá os primeiros sinais de recuperação Produção industrial global % m/m, sa¹ 2 1 0 -1 -2 -3 -4 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 ¹ Variação mensal ajustada sazonalmente Fonte: JP Morgan e Vale 12
  13. 13. A expectativa de recuperação é sustentada pelo crescimento das encomendas para a indústria e a estabilização dos estoques Global manufacturing PMI Índice, sa¹ 60 55 50 45 40 35 Novas encomendas Estoques 30 25 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 ¹ ajustado sazonalmente Fonte: JP Morgan e Vale 13
  14. 14. Na China, o programa de gastos em infraestrutura começa a ganhar momento e o investimento em ativos fixos – indicador antecedente do consumo de aço – voltou a se acelerar Investimento em ativos fixos Variação anual 40 36 32 % 28 24 20 16 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 Fonte: CEIC e Vale 14
  15. 15. A forte expansão de crédito e a concessão de diversos incentivos está causando a retomada do ritmo de atividade no mercado imobiliário chinês. Isso é importante porque a construção de imóveis absorve 40% do consumo de aço na China Mercado imobiliário da China % a.a., 3mma¹ 80 70 Área vendida 60 50 40 30 20 10 0 -10 -20 -30 -40 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 ¹ variação anual da média móvel de 3 meses Fonte: CEIC e Vale 15
  16. 16. Após forte contração nos dois últimos trimestres, a produção global de aço volta a crescer Produção mundial de aço bruto % 3mma, sa¹ 5 0 -5 -10 -15 -20 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 ¹ média móvel de 3 meses, ajustada sazonalmente Fonte: World Steel e Vale 16
  17. 17. As importações de minério de ferro da China estão crescendo significativamente, aumentando 26% nos cinco primeiros meses do ano Importação mensal de minério de ferro China¹ 60 milhões de toneladas 55 50 45 40 35 30 25 jan/07 mai/07 set/07 jan/08 mai/08 set/08 jan/09 mai/09 ¹ Volumes ajustados pela sazonalidade 17
  18. 18. Isto tem sido influenciado pela substituição da produção local de alto custo. A China tem ficado cada vez mais dependente de minério de ferro importado Minério de ferro % do consumo da China suprido por importações 68% 59% 51% 50% 50% 51% 43% 41% 39% 33% 27% 28% 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 1T09 18
  19. 19. A Vale tem explorado com sucesso a expansão das importações chinesas com vendas trimestrais recordes e aumento de market share Market share da Vale na China Vendas de minério de ferro da vendas minério de ferro da Vale/importações Vale para China da China milhões de toneladas métricas 26,6% 26,3% 40 recorde 26,0% 24,6% 24,3% 22,0% 30 21,7% 21,0% 20 10 14,1% 0 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 19
  20. 20. As importações chinesas de metais tem crescido substancialmente, o que juntamente com o efeito sobre as expectativas causado pelas boas notícias macroeconômicas produziu impacto positivo sobre os preços de metais LMEX¹ 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 jan-07 mai-07 set-07 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 ¹ Índice de preços de metais base: alumínio, cobre, níquel, chumbo, estanho e zinco Fonte: Bloomberg 20
  21. 21. A recuperação da demanda chinesa por níquel está sendo determinada pelas indústrias de aço inox e “plating”, o que provocou forte aumento de preços nos últimos três meses, a despeito de estoques ainda elevados Níquel 140.000 37.500 Estoques LME - '000 toneladas métricas Preços - US$ por tonelada métrica 120.000 30.000 100.000 Estoques Preços 80.000 22.500 60.000 40.000 15.000 20.000 0 7.500 jan-08 mai-08 set-08 jan-09 mai-09 Fonte: Bloomberg 21
  22. 22. A busca pela criação de valor 22
  23. 23. Nossa resposta à recessão Flexibilidade operacional – gestão da produção de acordo com a evolução da demanda no curto prazo. Redução de custos. Flexibilidade financeira – conciliação entre preservação de caixa e financiamento do crescimento. 23
  24. 24. A transformação da estrutura de custos: combinação de economia de custos com o fortalecimento da competitividade no longo prazo Iniciativas de curto prazo – redução de custos ao longo de 2009. Iniciativas de longo prazo – redução permanente de custos com ganhos de eficiência. 24
  25. 25. Iniciativas de longo prazo Maximização de eficiência das atividades corporativas. Primarização e reestruturação de serviços terceirizados. Redução de custos de desenvolvimento de projetos. Otimização da utilização de plantas e mão-de-obra. Otimização dos fluxos de materiais (níquel). Reestruturação da linha de produtos (níquel). Otimização da matriz energética. Fechamento de unidades operacionais de custo mais elevado. 25
  26. 26. Conseguimos boa redução de custos unitários no 1T09 Variação de custos unitários 1T09 Minério de ferro Níquel -1% -5% -23% -35% variação anual - 1T08 variação trimestral - 4T08 ¹ incluindo subprodutos 26
  27. 27. Fortalecimento da competitividade no minério de ferro: aumento da participação relativa de Carajás no minério de ferro Carajás possui as maiores reservas P&P de minério de ferro e as de melhor qualidade: 7,2 bilhões toneladas @67% teor de ferro¹. Produção de minério de ferro com custo mais baixo do mundo. Melhor qualidade resulta em obtenção de prêmio relativamente aos preços de outros minérios. No 1T09 Carajás foi responsável por 43% de nossa produção contra 32% nos últimos cinco anos. Expansão futura de capacidade será concentrada em Carajás (84% do aumento nos próximos cinco anos). ¹ As reservas totais provadas e prováveis de minério de ferro da Vale somam 14,3 bilhões de toneladas. 27
  28. 28. Fortalecimento da competitividade: política de marketing de minério de ferro Linha de transporte marítimo Brasil/China. Ampliação da base de clientes. Centro de distribuição na Ásia e Oriente Médio para maximizar flexibilidade da oferta. Política mais flexível de precificação do minério de ferro. 28
  29. 29. A busca de crescimento com criação de valor Investimento para 2009 revisado para US$ 9,0 bilhões. Não cancelamos projetos, 77% dos dispêndios direcionados para o crescimento (projetos e P&D). Redução de investimentos causados por custos menores e desaceleração na execução de projetos. 29
  30. 30. A Vale revisou o orçamento de investimentos de 2009 para 9,0 bilhões US$ 9,0 bilhões Por categoria Por área de negócio P&D Logística 11,4% Carvão 20,6% Sustentação 6,4% das operações existentes Energia 23,0% 7,0% Aço 2,9% Outros Minerais não 3,3% ferrosos 34,4% Projetos 65,6% Minerais ferrosos 25,5% 30
  31. 31. 23 grandes projetos em desenvolvimento Greenfield Tubarão VIII Minério de ferro e pelotas Níquel Oman Carvão CSA Cobre Bauxita e alumina Apolo Fosfato Tres Valles Karebbe Logística Onça Puma Estreito Geração de energia Salobo I Siderurgia Barcarena Serra Sul Bayovar Goro Moatize CAP Litorânea Sul Totten Carajás 130 Mtpa Carborough Downs Paragominas III Corredor Sul Salobo (expansão) Carajás 10 Mtpa US$ 1 bilhão Brownfield 31
  32. 32. Os fundamentos de longo prazo para os minérios e metais permanecem inalterados O rápido crescimento da demanda deve retornar, influenciado pela expansão das economias emergentes e as mudanças estruturais associadas. O aumento da oferta será limitado pelas condições financeiras, além dos elementos institucionais e geológicos. A solidez financeira se tornará mais importante para enfrentar os ciclos Empresas globais diversificadas continuarão se beneficiando de grandes vantagens competitivas 32
  33. 33. A Vale tem criado considerável valor para os acionistas nos últimos anos e está muito bem posicionada para continuar a fazê-lo Disponibilidade de ativos de classe mundial de baixo custo e vida longa. Saúde financeira: forte geração de caixa, dívida de baixo risco e alta liquidez. Excelente retrospecto de desenvolvimento de projetos e disciplina na alocação de capital. Amplas oportunidades de crescimento orgânico no curto e longo prazo. 33
  34. 34. www.vale.com rio@vale.com Vale: um líder global 34

×