Arranjos produtivos locais APL e Desenvolvimiento Economico Local Carlo Ferraro

628 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
628
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arranjos produtivos locais APL e Desenvolvimiento Economico Local Carlo Ferraro

  1. 1. 4TO. TALLER DESARROLLO ECONÓMICO LOCAL, Brasília, 2012 CNI - FOMIN ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APL) E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO LOCAL Carlo Ferraro, CEPAL
  2. 2. GUÍA DA APRESENTAÇÃO1. Introdução2. Importancia e evolução dos APL3. Avanços e resultados4. APLs, território e desenvolvimento económico local5. Lições e desafíos
  3. 3. 1. INTRODUÇÃOANTECEDENTESARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS• aglomerações de empresas• localizadas em um mesmo território,• que apresentam especialização produtiva e• mantêm vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais, tais como: governo, associações empresariais, instituições de crédito, ensino e pesquisa.
  4. 4. 2. IMPORTANCIA E EVOLUÇÃO DOS APL’S+ de 950 APLs identificadosGTP APLParcerías institucionaisMetodologías de trabalhoEstudos e pesquisasMapeamento REDESIST - BNDESOportunidade para transferencia à América Latina
  5. 5. 5 Conferências Brasileiras sobre Arranjos Produtivos Locais (CB APL)• 1ª CB APL, Brasília/DF, agosto de 2004.• 2ª CB APL, Rio de Janeiro/RJ, set. de 2005.• 3ª CB APL, Brasília/DF, nov. de 2007.• 4ª CB APL, Brasília, outubro de 2009.• 5ª CB APL, Brasília/DF, nov. de 2011.
  6. 6. Conferências Brasileiras sobre Arranjos Produtivos Locais 2004 BSB1ª. Painéis temáticos 2005 RJ2ª. Crédito e financiamento 2007 BSB3ª. APL como estratégia de desenvolvimento e mesas setoriais 2009 BSB4ª. Novas formas de olhar o espaço produtivo 2011 BSB5ª. Uma nova geração de políticas
  7. 7. 5ta.CB APL: PALAVRAS CHAVE• 2da. Geração de políticas para APL: competitividade e sustentabilidade (MDIC)• Convergencia das prioridades dos planos de desenvolvimento com inclusão produtiva e mitigação de desigualdades (BNDES)• Desenvolvimento sustentavel (B.da Amazonia)• Importancia da micro e pequena empresa (CEF)• Desenvolvimento regional (Min Integração)• Tecnología e inovação, planejamento (outros)
  8. 8. RESULTADO DA 5ª. CB APL:POR UMA NOVA GERAÇAO DE POLÍTICASDAS POLÍTICAS NO APLÀS POLÍTICAS PRO APL
  9. 9. 3. APL: AVANÇOS E RESULTADOS• Mercado• Inovação• Sustentabilidade• Inclusão na agenda política• Intensificação das articulações e esforços de coordenação• Novos critérios: território, chegada a regioes, novos temas
  10. 10. 3. RESULTADOS (2)• Incorporação do território na maioría dos estados• Maior consonancia com às políticas estaduais• Diversificação de atividades produtivas nos APL selecionados POREM…• Apoio a empreas sém visão sistémica que não enraizam suas atividades no local• Desarticulação da produção local comprando fora da região• Conceitos restritos, modelos únicos, descontextualizados, indicadores económicos tradicionais
  11. 11. APL e DEL RESULTADOS DIFERENTES PRECISAM ATIVIDADES DIFERENTESSegundo sua natureza, foco ou ênfase temos atividades centradas em:• Redes: ações coletivas (ac) entre empresas• APL: (ac) entre empresas e instituições de uma mesma cadeia produtiva• Desenvolvimento do sistema territorial: (ac) entre empresas e instituições locais sem foco setorial Existe forte interação entre os 3 níveis. Não são sequenciais.
  12. 12. COMPLEMENTARIEDADE Anéis Concêntricos
  13. 13. DIFERENÇAS E COMPLEMENTARIEDADESA correlação entre as três categorias é fundamental para entender:• Os tipos de resultados• A complexidade dos processos de mudança• A diversidade dos atores envolvidos• A dinâmica• A governança de cada projeto
  14. 14. Anéis ConcêntricosA correlação entre as três categorias é fundamental para entender:• Os tipos de resultados• A complexidade dos processos de mudança• A diversidade dos atores envolvidos• A dinâmica• A governança de cada projeto
  15. 15. CONCLUSOES• Experiências de países desenvolvidos deixam de ser a única referência• Maior consciência da importância do processo• Grande variedade de fórmulas institucionais locais e experiências com novos instrumentos
  16. 16. RE-VALORIZAÇÃO DA POLITICA DE APL• Papel do GTP APL locado no MDIC• Superar limitaçoes de movilização institucional e implementação de açoes• Aprendizajem acumulada• Percepção de uma inserção institucional em nivel hierárquico superior que repercuta em outros interlocutores.• Potencial de APL e MPE como referencial
  17. 17. MAIOR COMPLEXIDADE• É políticamente correto ter políticas de apoio a MPE baseadas em APL com maior inclusao• Variadas e ricas experiencias• Nao sao simples:1. precissan de tempo2. recursos económicos3. RRHH4. Construcao institucional5. Articulacao e LIDERANCA
  18. 18. NAO HA RECEITAS Muito menos receitas simples e únicas para resolver problemas diferentes e complexosARAPIRACA MANDIOCA
  19. 19. Bahia: Camacari e Maragogipinho
  20. 20. NOVA FRIBURGO (RJ)JARDIM DE PIRANHAS (RGN)
  21. 21. APL E DEL• Desenvolver APL estimulando integracao entre atores e agentes• Acoes coletivas e sistémicas• Processo de construcao para desenvolver capacidades, implementar projetos especificos conforme a demanda, ao territorio, à natureza da política desejada pelo estado e o país.
  22. 22. DOS ANUNCIOS... A FAZER ACONTECER!• Visar desenvolvimento enraizado, inclusivo, coeso, sustentavel• Articular dimensao territorial, económica, social, cultural, ambient al, política e institucional ...O BRASIL PODE!
  23. 23. Muito obrigado.... Carlo Ferraro, CEPAL Carlo.ferraro@cepal.org

×