Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

ProXXIma Wrap up - 09 de maio

656 views

Published on

Este ano o ProXXIma, entre outras novidades, vai colocar a disposição do mercado resenhas com um resumo dos dois dias do evento, é o nosso Wrap Up, patrocinado pelo UOL AD_LAB.
Confira o resumo do 1º dia, Boa leitura!

Published in: Marketing
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

ProXXIma Wrap up - 09 de maio

  1. 1. Soluções de mídia, conteúdo e tecnologia com a equipe mais completa e preparada do mercado. Saiba Mais
  2. 2. P&G: O MARKETING DIGITAL E AS QUESTÕES VITAIS PARA O MERCADO A P&G tem três décadas de atuação no Brasil, embora possua 180 anos no mundo. Por aqui, é uma jovem empresa que poderia ser classificada como millennial. Justamente por isso é incentivada a agir como startup: com agilidade, tomada de riscos e transparência. Foi assim que Poliana Sousa, Diretora de Marketing, Mídia e Comunicação da P&G, começou sua palestra. A executiva contou que a empresa criou recentemente um hub de mídia que reúne agência, P&G e veículos para otimizar o planejamento e a compra de mídia com transparência, abertura e integração. O modelo transformou a P&G Brasil em referência global na companhia. Dentre os cases apresentados, destaca-se o realizado para a Rio 2016. A estratégia envolveu conteúdo relevante, um aplicativo para estimular o engajamento e ações em real time que ajudaram no resultado do ano: em 2016 a P&G cresceu dois dígitos em vendas. Sobre os cortes de US$ 2 bilhões em marketing anunciados, Poliana explicou que eles têm relação com um plano global que pretende garantir viewability, métricas auditadas, parcerias mais transparentes, além de prevenção de fraudes. “Quando há um relacionamento claro e alinhado, tudo fica equalizado. Temos auditorias e estamos exigindo isso de nossos parceiros. Esse é o foco para 2017”, disse a diretora. Poliana Sousa comentou que a intenção da P&G é crescer e estimular o desenvolvimento dos parceiros, promovendo uma relação ganha-ganha. “O Brasil foi pioneiro não só com o hub de mídia, mas com o modelo de trabalho das agências, o que inspirou a P&G a mudar parâmetros no mundo”, finalizou. Poliana Sousa, P&G 9 de maio Wrap up by Foto:DeniseTadei
  3. 3. “Inovação é a nossa palavra-chave. Há uma expectativa mundial na P&G de que o Brasil seja um local de testes de modelos de negócios e de comunicação, principalmente no digital. Queremos inovar sempre voltados para o nosso propósito” Poliana Sousa, Diretora de Marketing, Mídia e Comunicação da P&G
  4. 4. 9 de maio DATA DRIVEN MARKETING, COMO USAR NA PRÁTICA? Em sua entrevista para Igor Ribero, editor do Meio&Mensagem, João Batista Ciaco, head de marketing da FCA Latam, afirmou que, atualmente, data driven marketing está relacionado com a captação e a análise dos dados em tempo real para agir da melhor e mais rápida maneira na construção de estratégias relevantes. Durante a conversa, Ciaco contou que a companhia criou há um ano uma sala de performance que reúne as sete agências da FCA e o time interno de analistas de dados, CRM e mídia. Em tempo real, os profissionais acompanham a comunicação e tomam as decisões. Quando uma campanha entra no ar, por exemplo, o grupo avalia qual a reação do público, a movimentação no site e nas mídias sociais, os canais e, principalmente, se o conteúdo é relevante. “Muitas vezes fazemos trocas no decorrer da ação”, disse o executivo, ao comentar que existem mais de 200 indicadores de performance, além dos de eficiência. Um dos exemplos de uso dos dados envolve a regionalização das campanhas de varejo. Ciaco também explicou que esse tipo de informação já foi utilizado para mudar questões comerciais, atributos de marca, tom, música e linguagem da comunicação. Como destaque, o executivo citou a campanha do Jeep, que foi testada e experimentada considerando toda essa análise dos dados. João Batista Ciaco, FCA Latam Wrap up by Foto:CelinaFilgueiras
  5. 5. DRONES, ROBÔS, REALIDADE AUMENTADA E REALIDADE VIRTUAL: COMO CRIAR CASES DE RESULTADO USANDO ESSAS COISAS? capacidade de conectar as pessoas certas no momento exato. Ele citou como exemplo um trabalho desenvolvido para a seguradora inglesa DirectLine que envolveu um novo serviço com o uso de drones. Segundo o criativo, que morou nos últimos anos em Londres, a mentalidade de startup está impregnada em todos os lugares daquele mercado, o que permite a construção de ambientes nas agências em que é possível inovar. Outro assunto de destaque na conversa foi a carência de profissionais com mindset tecnológico no setor. Segundo Mugnaini, essas pessoas não estão necessariamente nas escolas de propaganda. “Eles vêm de disciplinas diferentes. Na minha equipe, por exemplo, trabalho com profissionais de perfil diversificado para que eu possa aprender eles”, comentou o criativo. . 9 de maio Foto:DeniseTadei Em bate-papo com Pyr Marcondes, Sergio Mugnaini, Diretor-executivo de criação da DPZ&T, destacou que a curiosidade move os criativos, o que é positivo já que esses profissionais, na maioria dos casos, não são especialistas em tecnologia e, justamente por isso, trazem um olhar diferenciado para o tema. A inteligência artificial, especialmente os bots, tem sido usada para estreitar o relacionamento com o consumidor, contou o diretor. “Os clientes estão curiosos e abertos a inovar”, disse Mugnaini. Para o criativo, a melhor maneira de apresentar uma tecnologia é fazer um protótipo e pequenos testes. Já Ricardo Figueira, Creative Business Transformation da Africa, comentou que a habilidade do criativo em fazer algo acontecer está atrelada com a Ricardo Figueira, Africa e Sergio Mugnaini, DPZ&T Wrap up by
  6. 6. E COMO FICA ESSE PAPO DE QUE ROBÔ FALSEIA A AUDIÊNCIA? Será que a indústria está dedicando a devida atenção aos robôs que tornam falsas as audiências? Esta foi a pergunta com a qual Fernando Tassinari, da Criteo Brasil, começou sua participação no ProXXIma 2017. Publishers, anunciantes e áreas de tecnologia devem atuar juntos no combate às fraudes que possam ocorrer nesse universo. “O problema tem de ser visto em todo o seu ecossistema, por todos os players envolvidos”, afirmou Tassinari. Segundo ele, o IAB Brasil tem feito um trabalho importante nesse sentido. Fernando Tassinari, Criteo Brasil, entrevistado por Pyr Marcondes, M&M Consulting 9 de maio Wrap up by A apresentação trouxe também algumas práticas indicadas aos provedores de conteúdo publicitário digital, como a identificação de robôs. “Todo robô gera um comportamento instável de visitas e de frequência, aspecto que deve ser monitorado. Implementar softwares que bloqueiam usuários com atividades fora do padrão também é uma recomendação. Existe a tecnologia e a ação humana. Para acabar com isso, temos de estar juntos e apoiar o IAB. Não podemos permitir que esse barulho traga resistências ao investimento no digital”, disse o palestrante. Foto:DeniseTadei
  7. 7. 9 de maio UM CASO DE POUCA VERGONHA? Publicado em janeiro de 2017 no ProXXIma, o texto Carta Aberta aos Mídias. E ao Mercado, assinado por Domingos Secco Junior, causou grande repercussão sobre o mercado de mídia programática. O barulho fez com que Pyr Marcondes, da M&M Consulting, o convidasse para falar sobre o tema no evento. “A internet deu empoderamento às pessoas e o consumidor passou a escolher o que deseja ver. Ao mesmo tempo, o dinheiro está raro e as marcas querem saber onde colocá-lo”, disse Secco. Ainda com uso relativamente pequeno no universo do marketing – apenas 2% – a mídia programática apresenta desafios. O principal deles, segundo Secco, é em relação ao investimento para evitar fraudes. Marcas, publishers e agências têm de abraçar imediatamente as auditorias e comprovações de terceiros. “Marcas, não gastem R$ 1 em ações sem auditoria. Agências, abram seus jardins e assumam a responsabilidade”, disse. Mediador da apresentação, Marcondes frisou: “O ProXXIma acredita em programática. Mas ela precisa ser feita de forma consistente e correta.” Domingos Secco Junior, Alright Wrap up by Foto:CelinaFilgueiras
  8. 8. MCDONALD´S E SEU CARDÁPIO INTEGRANDO ON E OFF Vaidades deixadas de lado e união de talentos de duas grandes agências com o objetivo de satisfazer o cliente. Essa foi a história contada por Roberto Gnypek, Vice-presidente de Marketing do McDonald’s, no case de união entre a DPZ&T e DM9DDB para as recentes campanhas on e off da marca. “Para trabalhar com várias agências é fundamental falar em integração. Como não perder o que cada colaborador tem de melhor? É um jogo de gestão contínua e diária”, afirmou Gnypek. Os publicitários Eduardo Simon, da DPZ&T, e Marcelo Passos, da DM9DDB, contaram sobre como treinaram suas equipes para trabalharem juntas. “Começamos a discutir briefing em conjunto com as duas agências no mesmo patamar, no mesmo nível de informação”, conta Passos. E Simon completa: “Juntamos as pessoas dedicadas ao McDonald’s, independente da agência em que trabalhavam. No final, as equipes viraram a ‘agência McDonald’s’, além das fronteiras do business”. Na apresentação, os profissionais relataram os cases do Big Mac, do milk-shake de Ovomaltine e, o mais recente, o lançamento da parceria com o Sonho de Valsa, da Mondelez Brasil, com ações on e off alinhadas. 9 de maio Wrap up by Eduardo Simon, DPZ&T; Marcelo Passos, DM9DDB e Roberto Gnypek , McDonald´s. Foto:DeniseTadei
  9. 9. NO DIGITAL, CONTEÚDO CONTINUA REI. COMO REINAR? Mediado por Pyr Marcondes, do M&M Consulting, o debate entre os representantes de alguns dos principais grupos de comunicação do país – Globo, UOL e Record – abordou a produção de conteúdo no que diz respeito ao aspecto de negócios. De que forma as empresas estão explorando o potencial de rentabilidade da produção de conteúdo de excelência? Responsável pelo UOL, Ricardo Dutra relembrou o histórico da marca, que começou, 21 anos atrás, com o modelo de assinaturas e publicidade. Hoje, a intenção é oferecer o conteúdo como solução para problemas do cliente – a área de branded content, segundo Dutra, é a que mais cresce em faturamento. “As marcas procuram contexto, audiência e a venda é cada vez mais construtiva, sob demanda”, disse. Da Central Globo, Eduardo Becker concordou: “Atualmente, no momento da venda é preciso entender muito mais sobre o cliente. A discussão é mais estratégica. Fazer conteúdo bom custa e dá trabalho. A empresa precisa estar estruturada para isso e assim oferecer soluções relevantes”, explicou. Presente no debate, Antonio Guerreiro, da Record, contou sobre a existência de um laboratório interno de inovações. “Estamos nos reinventando o tempo todo e temos feito negócios com o maior número de players possível”, contou. Antonio Guerreiro, Record; Eduardo Becker, Central Globo e Ricardo Dutra, UOL. 9 de maio Wrap up by Foto:ProXXIma
  10. 10. Saiba Mais Soluções de mídia, conteúdo e tecnologia com a equipe mais completa e preparada do mercado.
  11. 11. evento.proxxima.com.br

×