Egito 6 ano

15,948 views

Published on

Published in: Travel, Technology

Egito 6 ano

  1. 1. Egito Professora: Nayara Oliveira Silva
  2. 2. A civilização egípcia vem sempre envolta numa nuvem mística, quase etérea, resultado da inevitável mistura de deuses, mitos, monumentos e personagens que marcaram a história da humanidade Terra do Nilo e das Pirâmides, o Egito fascina a quem dele se aproxima, envolvendo a todos num clima de mistério e grandiosidade .
  3. 3. Você sabe onde está o Egito?
  4. 4. Localização geográfica <ul><li>O Egito está situado no Nordeste da África em meio a dois imensos desertos: o da Líbia e o da Arábia . </li></ul><ul><li>O Egito Antigo possuía um território estreito e comprido que compreendia duas grandes regiões: o Alto Egito (região do vale) e o Baixo Egito região do Delta do Nilo). </li></ul>
  5. 6. No passado, o Egito era assim..
  6. 7. Atualmente, o Egito chama-se República Árabe do Egito. Sua capital é a cidade do Cairo. Hoje o Egito é um pais bem diferente do que foi no passado.
  7. 8. Cairo atualmente
  8. 9. A língua oficial do Egito é o árabe. A moeda é a libra e 80% da população é muçulmana.
  9. 10. Quem estuda o Egito são os egiptólogos. Estes estudiosos baseiam seus estudos em pesquisas sobre os vestígios deixados por essa civilização. Descobriram que o início da civilização egípcia antiga se deu por volta de 3200 a.C. e foi até, aproximadamente 715 a.C. .
  10. 11. Formação do Egito Antigo <ul><li>Nomos: conjuntos de aldeias governadas pelos nomarcas , nome dado aos chefes mais poderosos. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Por volta do ano 3200 a.C., o rei Menés , do Alto Egito (no vale do Nilo), conquistou o Baixo Egito (no delta do Nilo), unificando os dois reinos. </li></ul><ul><li>Menés tornou-se então o primeiro faraó (nome que se dava ao rei entre os egípcios) e o fundador da primeira dinastia (sucessão de reis pertencentes a uma mesma família). </li></ul>
  12. 13. A coroa era um dos principais símbolos do faraó. Antes da unificação, o soberano do Alto Egito utilizava a coroa branca ; a coroa vermelha era usada no Baixo Egito . Quando o Egito passou a ser governado por um único soberano, o faraó, a coroa tornou-se dupla: vermelha e branca , simbolizando a união dos dois reinos. Ao comandar suas tropas na guerra, o faraó usava a coroa azul .
  13. 14. Periodização da história egípcia
  14. 15. EGITO, dádiva do Nilo <ul><li>O Nilo corta o Egito de sul a norte e deságua no mar Mediterrâneo. </li></ul><ul><li>Anualmente, de junho a setembro, o Nilo transborda e rega a terra, tornando-a favorável à agricultura.A partir de outubro, inicia-se o período de semeadura, que se prolonga até mais ou menos fevereiro.A colheita ocorre de abril a junho. </li></ul>
  15. 18. Organização Econômica <ul><li>A agricultura era a base da economia egípcia e, como já vimos, dependia das águas do Nilo. O trigo, a cevada, os legumes e as uvas constituíam as principais culturas. </li></ul>
  16. 19. <ul><li>Os egípcios dedicavam-se também à criação de bois , asnos, patos e cabritos. Além disso, praticavam também a mineração de ouro, pedras preciosas e cobre, este último muito usado nas trocas comerciais com outros povos. O comércio era feito à base de trocas, mas limitava-se ao pequeno comércio e à permutação de artigos de luxo com o exterior . </li></ul><ul><li>O artesanato do Egito era conhecido no mundo antigo. Com a madeira, o cobre, o ouro, o marfim, o couro, o papiro, o bronze, seus artesãos produziam móveis, brinquedos, jóias, tecidos, barcos, armas, tijolos e uma variedade de outros objetos. </li></ul>
  17. 20. Sociedade
  18. 21. Faraó <ul><li>Era considerado um deus vivo , filho do Sol ( A mon-Rá ) e encarnação do deus-falcão ( Hórus ). </li></ul><ul><li>Para os egípcios, toda a felicidade dependia do faraó e seu poder era ilimitado. Comandava os exércitos, distribuía a justiça, organizava as atividades econômicas. </li></ul><ul><li>O faraó ostentava uma coroa e um cetro, símbolos de sua autoridade. Para os povos do Egito Antigo, o faraó era o pai e a mãe dos seres humanos; um governante com autoridade sobrenatural para recrutar o trabalho em massa necessário à manutenção do sistema de irrigação ao longo do Nilo. </li></ul><ul><li>Além do poder e prestígio, o faraó possuía enorme riqueza. Era considerado o dono de todas as terras do Egito. Por isso, tinha o direito de receber impostos (pagos em produtos) das aldeias. </li></ul>
  19. 23. <ul><li>Vizir: A maior autoridade depois do faraó. Cabia a ele tomar decisões jurídicas, administrativas e financeiras em nome do faraó. </li></ul><ul><li>Nobres:    Descendentes das famílias mais importantes dos antigos nomos cuidavam da administração das províncias ou ocupavam os postos mais altos do exército. </li></ul><ul><li>Sacerdotes: Detinham muito poder, administravam todos os bens que os fiéis e o próprio Estado ofereciam aos deuses e tinham muita influência junto ao faraó. Enriqueciam porque ficavam com parte das oferendas feitas pela população aos deuses, além de serem dispensados do pagamento de impostos. </li></ul>
  20. 24. Escribas Os que dominavam a difícil escrita egípcia, encarregavam-se da cobrança dos impostos, da organização das leis e dos decretos e da fiscalização da atividade econômica em geral.
  21. 25. <ul><li>Soldados: Nunca atingiam os postos de comando, pois estes eram reservados à nobreza.Eles viviam dos produtos recebidos como pagamento e dos saques que podiam realizar durante as guerras de conquista. </li></ul><ul><li>Artesãos: Exerciam as mais diversas profissões. Trabalhavam como pedreiros, carpinteiros, desenhistas, escultores, pintores, tecelões, ourives, etc. Muitas de suas atividades eram realizadas nas grandes obras públicas (templos, túmulos, palácios, etc.). </li></ul><ul><li>Camponeses: Chamados no Egito de felás , constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte dos produtos colhidos. Eram também obrigados a trabalhar na construção de obras públicas grandiosas, como abertura de estradas, limpeza de canais, transportes de pedras necessárias às grandes obras, como túmulos, templos e palácios. </li></ul>
  22. 26. Escravos: G eralmente estrangeiros e prisioneiros de guerra, também compunham a base da sociedade. Trabalhavam, principalmente, nas minas e pedreiras do Estado, nas terras reais e nos templos. Muitas vezes faziam parte do exército em época de guerra eram utilizados como escravos domésticos
  23. 27. Escrita <ul><li>A escrita surgiu no Egito por volta de 3000 a .C.Os caracteres que os egípcios usavam para escrever eram chamados de hieróglifos , usados geralmente em inscrições oficiais e sagradas gravadas em pedra. </li></ul>
  24. 28. <ul><li>Os egípcios desenvolveram também uma forma simplificada dessa escrita hieroglífica chamada escrita hierática (escrita dos deuses), utilizada principalmente pelos sacerdotes sobre madeira ou papiro. </li></ul>
  25. 29. <ul><li>Havia ainda a escrita demótica (escrita do povo), mais popular, que era uma simplificação da hierática, geralmente usada em cartas e registros sobre papiro. </li></ul><ul><li>Eles usavam tinta feita de fuligem e algumas vezes decoravam suas escritas com tinta vermelha. </li></ul>
  26. 30. O papiro Muito da história do Egito nos foi transmitido pelos rolos de papiro encontrados nos túmulos dos nobres e faraós. Foram os egípcios que, por volta de 2200 antes de Cristo, inventaram o papiro, espécie de pergaminho e antepassado do papel.
  27. 31. Papiro é uma planta aquática existente no delta do Nilo. Seu talo em forma piramidal chega a ter de 5 a 6 metros de comprimento. Era considerada sagrada porque sua flor, formada por finas hastes verdes, lembra os raios do Sol, divindade máxima desse povo.
  28. 33. Embarcação feita de papiro muito utilizada pelos pescadores egípcios.
  29. 34. Religião Egípcia
  30. 35. Produtos e instrumentos utilizados para a mumificação Técnicas para retirada do cérebro, preenchimento interno e armazenamento de vísceras
  31. 36. A Mumificação O trabalho de mumificação era caro e demorado, era feito por artesãos especializados. Apenas as pessoas pertencentes as camadas privilegiadas eram mumificadas, as demais eram enterradas na areia do deserto, em cerimônias simples
  32. 37. Os Rituais de Mumificação O coração era lacrado no próprio corpo. Os Egípcios o consideravam como o órgão tanto da inteligência como do sentimento e portanto, seria indispensável na hora do juízo. Somente à alguém com um coração tão leve quanto a pluma da verdade, o deus Osiris permitia a entrada para a vida eterna. A mumificação e os rituais funerários obedeciam regras rígidas, estabelecidas pelo próprio Anúbis e duravam 70 dias. Após a retirada dos órgãos internos, os embalsamadores colocavam as vísceras em vasos sagrados chamados &quot;Vasos Canopos&quot;, cada um sob a proteção de um dos quatro filhos de Hórus.
  33. 38. Os Egípcios não davam nenhuma importância ao cérebro. Após extraí-lo através das narinas do morto, os embalsamadores o jogavam fora. Depois de secar o cadáver com sal de natrão, eles o lavavam e besuntavam com resinas conservadoras e aromáticas. Finalmente, envolviam o corpo em centenas de metros de tiras de linho, entre essas tiras eram colocados diversos amuletos que protegiam o morto contra inimigos e demônios do mundo subterrâneo. Antes de a múmia ser colocada no túmulo, um sacerdote funerário celebrava a cerimônia da abertura dos olhos e da boca, a fim de devolver á vida todos os sentidos do morto.
  34. 39. Arqueólogos da Universidade de Mênfis descobriram uma tumba intacta com cinco múmias no Vale dos Reis, perto da cidade de Luxor no sul do Egito. A identidade das múmias ainda não foi estabelecida.
  35. 40. O Mito de Osíris O deus Osíris foi assassinado e retalhado por Set, seu irmão. Ísis, sua irmã e esposa, auxiliada por Hórus, Totem e Anúbis, recolheu os pedaços do corpo de seu marido e os colou. Aros e Totem sopraram-lhe a boca, devolvendo-lhe a vida. Este mito simboliza a regressão das águas no outono e a volta da inundação na primavera.
  36. 41. O Livro dos Mortos O tribunal de Osíris é um regulador social no mundo da civilização egipcia pois no citado livro dos mortos estavam regras de conduta social que deveriam ser obedecidas, sob pena de sofrimento no pós-vida . Página do livro dos mortos que representa o morto sendo apresentado no tribunal de Osíris. Fora das paredes,a representação é feita em rolos de papiros denominados “O livro dos mortos” que contêm, além de gravuras, orações, feitiços, hinos e suplicas que pretendiam afiançar a passagem segura e curta do falecido ao outro mundo. Esses rolos de papiro eram colocados nos túmulos junto das múmias.
  37. 42. Pirâmides Há no Egito 80 pirâmides, construídas aproximadamente 4000 a.C. distam apenas 10Km da cidade do Cairo. A maior pirâmide, e a mais antiga é a de QUEOPS. Possui 148 metros de altura, 234 metros de base. A área que ocupa é de 54.000 m ². As pedras foram trazidas da Arábia e transportadas em grandes barcaças pelo Rio Nilo. No transporte de terra eram colocadas em enormes pranchas que por sua vez deslocavam sob troncos roliços de grandes dimensões. Trabalharam na construção cerca de 100.000 operários durante 20 anos
  38. 43. Queóps
  39. 44. As pirâmides, grandes construções de blocos de pedras, era o túmulo dos faraós e de seus familiares. Seu interior era decorado, possuía móveis, armas e jóias. Alguns deles passaram toda a vida organizando a construção e a decoração de seus túmulos. Ordenavam aos seus auxiliares e escravos que colocassem alimentos, animais de estimação, roupas e objetos pessoais – acreditando que precisariam de tudo isso na vida após a morte. Os egípcios acreditavam que, após a morte, teriam de passar pelo tribunal dos deuses, que julgaria quem mereceria uma vida. Os premiados com a vida iriam precisar do corpo bem conservado para abrigar sua alma quando ela retornasse. Com esse objetivo, desenvolveram técnicas de mumificação para a preservação dos corpos.
  40. 45. Arte Egípcia A arte egípcia se caracteriza pela &quot;lei da frontalidade&quot;, ou seja, as figuras com rostos de perfil e os olhos de frente. O corpo está de frente e as pernas e pés de perfil. Isto porque eles acreditavam que, com o corpo de frente, a figura poderia receber inteiramente as reverências e a admiração de quem as contemplasse. Os egípcios acreditavam que a vida continuava após a morte, e o morto reviveria tudo aquilo que fosse pintado no túmulo. Costumavam mumificar os faraós, e faziam uma estátua igual ao morto, para que, na volta da alma, o corpo ali estivesse para recebê-la.
  41. 46. Jardim de Nebamun 1400 a.C. Mural de um túmulo em Tebas Os principais temas das gravuras egípcias eram as ações dos deuses, a vida de reis e rainhas, autoridades, vida após a morte, religião e cotidiano. Nas gravuras tumulares, por exemplo, os temas eram sempre a história do morto e a passagem para o mundo dos mortos. Nos templos, os temas eram sempre as ações dos deuses e a divindade do rei, o faraó.
  42. 47. Detalhe do trono de Tutankamon que mostra ele e sua esposa. Trono de Tutankamon
  43. 48. Existe provas arqueológicas que provam que marcas de tatuagens foram feitas em seres humanos no Egito entre 4000 e 2000 a.C. Foi no Egito, também, que a arte da tatuagem viajou o mundo. A história da tatuagem é muito mais antiga do que muitos pensam. A história da tatuagem parece estar ligada com a evolução do homem e do desenvolvimento da consciência do &quot;eu&quot;. Foi no Egito antigo que a tatuagem feita com perfurações introduzindo um pigmento na pele foi praticada. Tatuagem
  44. 51. Sua viagem pelo Egito acaba aqui. Mas não fique triste, na próxima aula, viajaremos para outro lugar.

×