Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
PROCEDIMENTO ARBITRAL
THIAGO RODOVALHO
SÃO PAULO, 7 DE MAIO DE 2014
PALESTRA NA ESNS – ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• A utilização da arbitragem vem experimentando forte
crescimento no país, especialmente nos grande...
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Processos arbitrais
Câmara Processos iniciados em
2013
Crescimento em relação a
2012
Centro de Arbi...
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• Algumas Câmaras ilustram bem as áreas em que há maior
procura pela arbitragem:
• No Centro de Arb...
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• Na CAMARB – Câmara de Arbitragem Empresarial
– Brasil, os maiores usuários são:
• 42,10%: setores...
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• Arbitragens em matéria securitária – arbitragens altamente especializadas. Câmaras
Arbitrais cria...
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• No Brasil:
• A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Ciesp/Fiesp possui
em seu rol prof...
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• No tocante aos valores envolvidos, estes variam, em valores
médios, entre R$ 15 a R$ 63 milhões:
...
CONSIDERAÇÕES INICIAIS
• As principais vantagens invocadas pelas empresas
entrevistadas:
(i) tempo
e
(ii) sigilo.
• Acresc...
CELERIDADE/TEMPO
• Números da Justiça Brasileira:
• Cerca de 17 mil magistrados.
• Que julgam, em média, 1.628 processos p...
CELERIDADE/TEMPO
• Situação nos Tribunais Superiores: 5.719 processos por ministro
(cerca de 15 processos/dia ou 1,5 por h...
OUTROS ATRATIVOS
• Sigilo/Confidencialidade (em regra) vs. Publicidade (em regra)
[Recente pesquisa revelou que 62% das em...
PROCEDIMENTO ARBITRAL
• Procedimento Arbitral e o NCPC.
• Procedimento Arbitral e o Poder Judiciário (antes, durante e dep...
PROCEDIMENTO ARBITRAL
• Vencer pelo processo / foco no mérito.
• Nem chicana nem Disneyworld de
processualistas (Prof. L. ...
PROCEDIMENTO ARBITRAL
• Art. 21. A arbitragem obedecerá ao procedimento
estabelecido pelas partes na convenção de
arbitrag...
PROCEDIMENTO ARBITRAL
• English Arbitration Act de 1996, art. 33:
• O árbitro deverá adotar procedimentos
adequados às cir...
PROCEDIMENTO ARBITRAL
• LIMITES:
• Art. 21. § 2º Serão, sempre, respeitados no procedimento arbitral os
princípios do cont...
PROCEDIMENTO ARBITRAL
Cronologia do Procedimento – Fouchard, Gaillard
e Goldman:
• Fase I – Instauração da arbitragem (Imp...
CASUÍSTICA
• O Caso Jirau.
• Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, 6ª
Câmara de Direito Privado, Agravo de
Instrumen...
CASUÍSTICA
• Energia Sustentável do Brasil S/A [Sociedade de Propósito Específico – SPE composta
por GDF Suez (40%), Eletr...
OBRIGADO!
THIAGO RODOVALHO
Doutorando e mestre em Direito Civil pela PUC/SP. Membro do
Instituto dos Advogados de São Paul...
OBRIGADO!
Emails:
trodovalho@basilioadvogados.com.br
t_rodovalho@hotmail.com
Procedimentos e Especificidades Contratuais: Procedimento Arbitral
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Procedimentos e Especificidades Contratuais: Procedimento Arbitral

464 views

Published on

Apresentação de Thiago Rodovalho sobre o Procedimento Arbitral, realizada no Seminário de Resseguro de São Paulo.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Procedimentos e Especificidades Contratuais: Procedimento Arbitral

  1. 1. PROCEDIMENTO ARBITRAL THIAGO RODOVALHO SÃO PAULO, 7 DE MAIO DE 2014 PALESTRA NA ESNS – ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS
  2. 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • A utilização da arbitragem vem experimentando forte crescimento no país, especialmente nos grandes conflitos empresariais (notadamente nos conflitos societários e problemas relativos ao setor de construção e energia), como o demonstram as recentes estatísticas de algumas das principais Câmaras Arbitrais brasileiras. Fonte: Site Migalhas. Disponível em: http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI196385,31047- Conflitos+societarios+e+setor+de+construcao+e+energia+lideram +busca
  3. 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Processos arbitrais Câmara Processos iniciados em 2013 Crescimento em relação a 2012 Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá (CAM-CCBC) 90 40,62% (64 procedimentos em 2012) Câmara FGV de Conciliação e Arbitragem 22 29,5% (17 procedimentos em 2012) Câmara de Arbitragem Empresarial – Brasil - CAMARB 20 65% (12 procedimentos em 2012) Centro de Arbitragem AMCHAM (American Chamber of Commerce for Brazil) 10 - 16,5% (queda) (12 procedimentos em 2012) BOVESPA/Câmara de Arbitragem do Mercado 7 - 56% (queda) (16 procedimentos em 2012)
  4. 4. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • Algumas Câmaras ilustram bem as áreas em que há maior procura pela arbitragem: • No Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá, as áreas de procura estão assim divididas: • 33%: questões societárias; • 32%: conflitos relacionados à contratos comerciais; • 11%: contratos de bens e serviços; • 9%: contratos de construção; • 3%: questões de propriedade intelectual.
  5. 5. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • Na CAMARB – Câmara de Arbitragem Empresarial – Brasil, os maiores usuários são: • 42,10%: setores da construção civil e energia; • 21,05%: contratos empresariais em geral; • 15,78%: matérias societárias; • 15,75%: arbitragens internacionais; • 5,26%: contratos de fornecimento de bens e serviços.
  6. 6. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • Arbitragens em matéria securitária – arbitragens altamente especializadas. Câmaras Arbitrais criadas pela Associação Internacional de Direito de Seguro (AIDA – Association Internationale de Droit des Assurances): • Espanha: Tribunal de Arbitraje de Seguros – TEAS. • UK: The Insurance and Reinsurance Arbitration Society – ARIAS-UK. • França: Centre Français d’Arbitrage de Réassurance et d’Assurance. • EUA: AIDA Reinsurance & Insurance Arbitration Society – ARIAS-US. • Chile: Tribunal Arbitral de Seguros e Resseguros. Ainda no Chile: Centro de Arbitraje Arias Latam Pontificia Universidad Católica de Chile / Centro Latinoamericano de Mediación y Arbitraje del Seguro y del Reaseguro – AIDA.
  7. 7. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • No Brasil: • A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Ciesp/Fiesp possui em seu rol profissionais especializados em seguros e resseguros. • O Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem – CBMA é associado à FENASEG – Federação Nacional de Seguros. • As partes têm ampla liberdade para determinar a Câmara Arbitral que desejarem, independentemente de existir ou não "especialização" em seguro e resseguro. • As duas faces da mesma moeda: Câmara especializada ou não especializada?
  8. 8. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • No tocante aos valores envolvidos, estes variam, em valores médios, entre R$ 15 a R$ 63 milhões: Processos arbitrais Câmara Valores médios Câmara FGV de Conciliação e Arbitragem R$ 63 mi BOVESPA/Câmara de Arbitragem do Mercado R$ 48 mi Centro de Arbitragem e Mediação da Câmara de Comércio Brasil-Canadá R$ 34 mi Câmara de Arbitragem Empresarial – Brasil - CAMARB R$ 15 mi
  9. 9. CONSIDERAÇÕES INICIAIS • As principais vantagens invocadas pelas empresas entrevistadas: (i) tempo e (ii) sigilo. • Acrescentamos: (iii) especialidade do julgador; e (iv) flexibilidade.
  10. 10. CELERIDADE/TEMPO • Números da Justiça Brasileira: • Cerca de 17 mil magistrados. • Que julgam, em média, 1.628 processos por ano. • Isso corresponde a 4,5 processos julgados por dia (365 dias) ou 1 processo a cada duas horas (para uma jornada de 10 horas).
  11. 11. CELERIDADE/TEMPO • Situação nos Tribunais Superiores: 5.719 processos por ministro (cerca de 15 processos/dia ou 1,5 por hora, jornada de 10 horas). • Pior situação: STJ - 8.488 por ministro (cerca de 23 processos/dia ou 2,3 por hora, jornada de 10 horas). • TJSP: 2.172 processos por Desembargador (cerca de 6 processos/dia ou 1 processo a cada duas horas, jornada de 10 horas). Fonte: CNJ – Indicadores de Produtividade dos Magistrados e Servidores no Poder Judiciário.
  12. 12. OUTROS ATRATIVOS • Sigilo/Confidencialidade (em regra) vs. Publicidade (em regra) [Recente pesquisa revelou que 62% das empresas consideram a confidencialidade da arbitragem um ponto muito importante: School of International Arbitration, Centre for Commercial Law Studies, e Queen Mary University of London (com apoio da PwC). Corporate choices in International Arbitration - Industry perspectives, disponível em: www.pwc.com/arbitrationstudy, acessado em 31.5.2013]. Ponto negativo (no Brasil): Não conhecimento da jurisprudência arbitral. • Especialidade do árbitro vs. magistrado generalista. • Possibilidade de escolher a lei aplicável. Usos e costumes. • Flexibilidade procedimental vs. rigidez do CPC.
  13. 13. PROCEDIMENTO ARBITRAL • Procedimento Arbitral e o NCPC. • Procedimento Arbitral e o Poder Judiciário (antes, durante e depois). • Autonomia da vontade ou autonomia privada das partes e flexibilidade do procedimento arbitral. → O Caso British American Tobacco vs. Pall Mall Export Clothing. → O paradoxo do excesso de regulamentação das Câmaras Arbitrais nacionais.
  14. 14. PROCEDIMENTO ARBITRAL • Vencer pelo processo / foco no mérito. • Nem chicana nem Disneyworld de processualistas (Prof. L. O. Baptista). • Liberdade vigiada (Prof. Cahali).
  15. 15. PROCEDIMENTO ARBITRAL • Art. 21. A arbitragem obedecerá ao procedimento estabelecido pelas partes na convenção de arbitragem, que poderá reportar-se às regras de um órgão arbitral institucional ou entidade especializada, facultando-se, ainda, às partes delegar ao próprio árbitro, ou ao tribunal arbitral, regular o procedimento. • § 1º Não havendo estipulação acerca do procedimento, caberá ao árbitro ou ao tribunal arbitral discipliná-lo.
  16. 16. PROCEDIMENTO ARBITRAL • English Arbitration Act de 1996, art. 33: • O árbitro deverá adotar procedimentos adequados às circunstâncias do caso concreto, evitando atrasos ou gastos desnecessários às partes, proporcionando um meio justo para a resolução da controvérsia.
  17. 17. PROCEDIMENTO ARBITRAL • LIMITES: • Art. 21. § 2º Serão, sempre, respeitados no procedimento arbitral os princípios do contraditório, da igualdade das partes, da imparcialidade do árbitro e de seu livre convencimento. » Os Quatro Princípios Cardeais: • Princípio do Contraditório. • Princípio da Igualdade das Partes. • Princípio da Imparcialidade do árbitro. • Princípio do Livre Convencimento (Motivado). → (Princípio do devido processo legal).
  18. 18. PROCEDIMENTO ARBITRAL Cronologia do Procedimento – Fouchard, Gaillard e Goldman: • Fase I – Instauração da arbitragem (Importância da Cláusula cheia). • Fase II – Organização da arbitragem. • Fase III – Desenvolvimento da arbitragem.
  19. 19. CASUÍSTICA • O Caso Jirau. • Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, 6ª Câmara de Direito Privado, Agravo de Instrumento n.º 0304979-49.2011.8.26.0000, j. 19/04/2012, relator Des. Paulo Alcides. Partes: de um lado, Energia Sustentável do Brasil e outros, e de outro Sul América Companhia de Seguros e outros.
  20. 20. CASUÍSTICA • Energia Sustentável do Brasil S/A [Sociedade de Propósito Específico – SPE composta por GDF Suez (40%), Eletrosul (20%), Chesf (20%) e Mizha Participações S/A (20%)], Construções e Comércio Camargo Corrêa S/A, e Enesa Engenharia S/A. • Sul América Companhia Nacional de Seguros S/A, Mapfre Seguros S/A, Allianz Seguros S/A, Companhia de Seguros Aliança do Brasil S/A, Itaú-Unibanco Seguros Corporativos S/A, e Zurich Brasil Seguros S/A. • O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES foi o maior financiador da obra, combinando financiamento direto com repasses através de outras instituições financeiras, quais sejam: Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Caixa Econômica Federal, Banco Bradesco e Banco Itaú-Unibanco. • O orçamento original da obra era de 8,7 bilhões de reais. • O BNDES aprovou, em fevereiro de 2009, um financiamento de 7,2 bilhões de reais para o projeto, o que representou na época o maior valor da história do banco para o financiamento de um único projeto.
  21. 21. OBRIGADO! THIAGO RODOVALHO Doutorando e mestre em Direito Civil pela PUC/SP. Membro do Instituto dos Advogados de São Paulo – IASP, do Instituto de Direito Privado – IDP, e do Instituto Brasileiro de Direito Processual – IBDP. Professor-Assistente de Arbitragem e Mediação na graduação da PUCSP. Professor de Arbitragem na Escola Superior de Advocacia da OAB/SP. Autor de publicações no Brasil e no exterior (livros e artigos). Membro da Lista de Árbitros da Câmara de Arbitragem e Mediação da Federação das Indústrias do Estado do Paraná – CAM- FIEP, do Conselho Arbitral do Estado de São Paulo – CAESP, da Câmara de Mediação e Arbitragem das Eurocâmaras – CAE, da Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem Empresarial – CBMAE, e do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem – CEBRAMAR. Advogado e associado do Basilio Advogados.
  22. 22. OBRIGADO! Emails: trodovalho@basilioadvogados.com.br t_rodovalho@hotmail.com

×