Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17

535 views

Published on

juventude, movimentos sociais, precariedade

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17

  1. 1. Elísio Estanque* Jornal PÚBLICO, 18.05.2017 Juventude bloqueada? Velhas causas e novos desafios (I) Se é verdade que “rebeldia” e “precariedade” rimam com a condição juvenil talvez seja oportuno propor uma reflexão onde se questiona qual desses termos se mostra, hoje em dia, mais pertinente para definir a atual juventude. Por outras palavras, será pela irreverência e rebeldia ou antes pela capacidade adaptativa que o chamado “precariado” pode deixar a sua marca na sociedade? É essa a questão que procuro discutir neste e num próximo artigo. No plano substantivo, a juventude emergiu como sujeito quando começou a participar na definição do seu próprio futuro. Até meados do século passado, pode dizer-se que as gerações se sucediam sob a tutela dos mais velhos e submetidas à moral dominante, em geral sob a pressão normativa (ou repressiva) das instituições e do Estado, como foi o caso do período salazarista. Na geração dos meus pais – que foram adolescentes e “jovens” nos anos 1920-1930 –, os filhos da classe trabalhadora tornavam-se trabalhadores mal saíam da escola primária, e até antes disso. Em idade precoce assumiam as tarefas domésticas (raparigas) ou eram mandados atrás do gado e a tratar da terra (rapazes), que para isso não era preciso saber ler nem escrever. Só muito mais tarde a «juventude» portuguesa ganhou expressão enquanto tal, justamente quando o sistema de ensino começou a expandir-se e a guerra colonial surgiu como um espectro ameaçador. Até então, pode dizer-se que não existia juventude, mas antes adultos em estado embrionário (mesmo na infância e adolescência). Por cá ou lá fora, a juventude nasceu, pois, em tempos convulsivos, tempos de viragem, e só foi reconhecida como força social quando protagonizou ruturas marcantes na história moderna. Seja como for, os jovens do século XXI merecem a atenção das ciências sociais, tal como as gerações dos anos sessenta e setenta do século passado inspiraram estudos incontornáveis da sociedade contemporânea. Os jovens são o barómetro das tendências futuras. É verdade que “juventude não é senão uma palavra” (como afirmou P. Bourdieu), mas na sua diversidade construiu «Culturas juvenis» e tornou-se um veículo de novas formas de assalariamento, tais como os «Ganchos, Tachos e Biscates» (títulos conhecidos de J. Machado Pais). Dizer que a «juventude» é uma construção social significa assumir que as linhas-limite da condição juvenil se tornaram cada vez mais porosas e indefinidas. Por outras palavras, o critério “idade” não é suficiente para definir a juventude. E mesmo que o fosse, as próprias balizas etárias têm sido progressivamente ampliadas e mostram-se hoje em dia cada vez mais instáveis. Em geral, atribuímos ao «jovem» uma posição ambivalente, meio-dependente meio-autónoma, um ser humano que já não é criança e que acaba de deixar para
  2. 2. trás a curta fase da adolescência; alguém que ainda não é independente, que está a consolidar qualificações e em busca de uma posição no campo profissional; no seu estatuto “transitório”, o jovem não constituiu ainda uma família nem possui uma independência financeira, mas apesar disso pode usufruir de meios para gerir a sua relativa autonomia. Para as estatísticas oficiais, o critério etário continua a ser o mais importante, mas isso só tem sentido se atendermos a que o nível mínimo de escolaridade obrigatória está hoje no 12º ano e que só a partir dos 15 anos de idade é permitido ter um trabalho assalariado. Isto sem esquecer o caso dos “nem-nem” (os que não trabalham nem estudam), que em Portugal rodam os 300 mil e cujo número se agravou na última década. Atualmente, é-se jovem entre os 15 e os 34 anos e o que é ainda mais preocupante é que mesmo aos 40, muitos continuam com empregos precários (ou desempregados de longa duração) e nessa altura torna- se demasiado tarde para conquistarem um emprego decente e iniciar uma carreira profissional. Esse, aliás, é talvez o fator de maior angústia da atual geração que tem sido chamada de «Millennials» ou «Geração Y». Desde os tempos dos baby boomers, nascidos no pós-II Guerra, lado a lado com as novas correntes culturais e estilos musicais, a estética de irreverência, o sentido de evasão (os “Rebeldes sem causa” que James Dean representou), a rejeição do velho modelo de família, etc., tiveram lugar múltiplas ruturas geracionais que se acentuaram nos sixties, enfrentando velhos tabus. Com a ostentação do corpo no espaço público, a liberdade sexual e a exibição da sensualidade (feminina em particular), floresceram novos padrões de gosto, expressões de “contracultura” e estilos de vida alternativos que atingiram amplos segmentos juvenis da classe média e daí irradiaram para os setores populares. No terreno do radicalismo político, multiplicaram-se os grupos armados e as brigadas revolucionárias de diversos tipos, e em vários continentes, da Europa central e do Leste à guerrilha da América Latina. Numa linha diferente, podemos ainda exaltar a coragem dos protestos massivos contra os tanques soviéticos em Budapeste e em Praga, as ocupações nas universidades americanas e francesas, culminando com o Maio de 68 em Paris (sem esquecer as lutas estudantis de 62 e 69 em Portugal). Poucos anos depois, o 25 de Abril português ainda atraiu, como sabemos, milhares de revolucionários europeus de 68. Antes e depois disso, as lutas contra a ameaça nuclear e a corrida ao armamento das superpotências; os movimentos pacifistas, ecologistas e feministas; a violência dos grupos autonomistas e a guerrilha urbana do IRA e da ETA, etc. tornaram-se ícones incontornáveis na linguagem de sucessivas gerações. Talvez o sentido de aventura, a atração pelo risco e a busca de adrenalina, ajudem a explicar a facilidade com que os comportamentos juvenis podem cair no extremismo. Na esfera da política identitária, muitos jovens entregam-se a militâncias radicais, de natureza diversa, movidos por ideologias, endoutrinados por líderes fanáticos ou atraídos por rituais poderosos e ideias esotéricas. Os mais radicalizados tanto podem abraçar a extrema-esquerda como a extrema-direita. Os Black Bloc, de um lado, e o Daesh, de outro, são exemplos desse extremar de opções: os seus ativistas são predominantemente jovens ou “adultos-jovens” e, apesar de serem ínfimas minorias, uns e outros já fizeram sentir a sua presença com imenso aparato. Já no terreno da política partidária, diga-se que a grande maioria dos jovens se coloca de fora, seja por falta de consciência social e formação cívica, seja por um excesso de lucidez quanto às características da atual “classe política”. Entre os que se posicionam nesse campo, muitos iniciam-se nos núcleos estudantis,
  3. 3. prosseguem a carreira ao encontro de uma “Jota” e, com sorte, atingem o Parlamento ou alguma assessoria num ministério; depois podem alcançar, ou não, o sucesso individual. Em geral, adaptam-se ao mainstream e incorporam plenamente a atitude seguidista que impera nos partidos políticos e nas instituições. Quer pela formatação e adesão ao status quo, quer pela indiferença e individualismo generalizados vive-se neste domínio um clima de pacificação. A grande massa dos jovens portugueses evidencia uma ampla capacidade adaptativa e isso, lado a lado com o gosto pela vida, o conhecimento técnico avançado (sobretudo entre os mais qualificados) ou a aposta num projeto empreendedor, leva-os a aceitar trabalhar com dedicação, mesmo em condições de grande precariedade e de desrespeito pelos seus direitos. Mas para muitos milhares a emigração é a alternativa. (continua…) __ * Sociólogo, professor da Faculdade de Economia e investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

×