Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Consumer Trends: Bebês

2,291 views

Published on

Fomos a 69 páginas e grupos de discussão no Facebook e encontramos exatamente o público com quem queríamos falar: as mães millennials. O olhar sobre mães de forma ampla, mergulhado nas conversas e não em buscas, nos permitiu compreender todo o universo de boca a boca ligado à maternidade e é neste mergulho que observamos tendências e oportunidades de negócio.

Published in: Data & Analytics

Consumer Trends: Bebês

  1. 1. CONSUMER TRENDS: BEBÊS Análise de tendências nas conversas sobre bebês em páginas do facebook Jan/2017
  2. 2. E.Life GROUP
  3. 3. O GRUPO 2004/2013 2009 2011 2013
  4. 4. ONDE ESTAMOS A E.life tem mais de 200 projetos concluídos ou em andamento e está presente em países da Am. do Norte, do Sul e Europa. Cidade do México Recife São Paulo MadridLisboa Frankfurt
  5. 5. ALGUNS CLIENTES
  6. 6. A EVOLUÇÃO DO SOCIAL DATA INTELLIGENCE
  7. 7. Social Data Products A EVOLUÇÃO DO SOCIAL DATA INTELLIGENCE 2004 MONITORAMENTO O monitoramento, no início era focado em marcas, produtos ou serviços e suas categorias. Proprietários ou de concorrentes 2005 CONSUMER JOURNEY Analisando os rastros digitais que o consumidor deixa em sua jornada para diferenciais de posicionamento 2009 CONSUMER- CENTERED MONITORING O consumidor vira o centro de nosso monitoramento, o que nos permite a entrega de perfis de comportamento em diversas redes sociais 2009 AI 360 Múltiplas fontes de dados são a base deste mergulho em uma categoria para observarmos comportamentos consolidados, tendências e perfis 2016 SOCIAL DATA EVOLUTION Índice de interesse em redes sociais construído com rastros de buscas e atividade com marcas 2016 CONSUMER TRENDS Metodologia que mistura técnicas de psicografia e exploratórias para encontrar tendências em redes sociais
  8. 8. METODOLOGIA
  9. 9. Psicográfico em redes: separando eventos de vida Um olhar aprofundado: o exploratório em redes Um novo cenário: fechamento dos murais públicos do Facebook METODOLOGIA
  10. 10. Fechamento de coleta dos murais públicos do Facebook Gradual diminuição do uso do Twitter 2015 PONTOS • Conversas por em páginas, grupos ou eventos • Fluxos de informação • Inteligência baseada em temas e papeis no diálogo Um novo cenário • Depoimentos por termo de busca • Opiniões isoladas • Inteligência focada em avaliações DE AGORA FLUXOS
  11. 11. Comportamentos e life events no recorte do público 69 páginas e grupos de questões relativas à maternidade Acúmulo de conversas de 15/11 a 15/12/2016 Database de trabalho Psicográfico em redes
  12. 12. O database foi então submetido a um olhar exploratório 1. Identificação dos grandes temas mais comentados 2. Recorte por segmentos e identificação de subtemas 3. Busca de tendências e oportunidades de negócio Metodologia
  13. 13. O QUE SE FALA SOBRE BEBÊS UM OLHAR MACRO
  14. 14. Buzz no Facebook Páginas especializadas são o canal escolhido por milhares de internautas para falar sobre bebês. No período de um mês: 15/11 a 15/12 de 2016 Eles geraram 107.429 publicações no período 76 mil internautas postaram ou comentaram nesses canais Monitoramos 69 páginas do Facebook O horário preferido para falar sobre bebês é das 20h às 23h.
  15. 15. O buzz é bastante movimentado por notícias e publicações de marcas e veículos especializados. Evolução do buzz Internautas comentam e compartilham lista dos 50 nomes mais populares para bebês, divulgada pela Folha. Acidente doméstico fatal com carregador de celular gera alerta para os pais de bebês e crianças pequenas. Notícia sobre pais que instalaram cama tamanho-família gera piadas e levanta discussão sobre dormir ou não com os filhos.
  16. 16. Marcas e veículos de notícias são grandes responsáveis por geração de buzz, mas perfis também são relevantes. Conteúdo de páginas Páginas publicaram outros 8.596 posts e comentários no período. 1. Marcas De fraldas (como Pampers e Huggies) a lojas (como Materniarte e Bercinho) 2. Veículos de comunicação Revistas (como Crescer) e sites (como Bebê.com.br) 3. Páginas pessoais Páginas de blogueiras, como “Potencial Gestante”, “Macetes de Mãe” e “Mãe com Filhos”
  17. 17. Quem fala sobre bebês As mães movimentam a conversa: 87% dos internautas que falam sobre bebês nesses canais são mulheres. Gênero dos internautas: Internautas que mais publicaram no período:
  18. 18. Quem fala sobre bebês As mulheres que se interessam por bebês no Facebook são, em maioria, casadas e com ensino superior. Uma visão mais geral: pessoas que se interessam por conteúdos ligados a bebês no Facebook Fonte: Facebook Audience Insights Relacionamento: 2m-2,5m pessoas ativas por mês Gênero e idade: Nível educacional:
  19. 19. Elas são conectadas via celular e têm o hábito de clicar em anúncios no Facebook. Quem fala sobre bebês Uma visão mais geral: pessoas que se interessam por conteúdos ligados a bebês no Facebook Frequência de atividades: Dispositivos de acesso: (Últimos 30 dias) Fonte: Facebook Audience Insights
  20. 20. Mais concentradas em São Paulo e Rio de Janeiro Quem fala sobre bebês Uma visão mais geral: pessoas que se interessam por conteúdos ligados a bebês no Facebook Fonte: Facebook Audience Insights Localização:
  21. 21. Essas mulheres envolvem família e amigos na conversa: recomendações de leitura de posts formam grande parte do buzz. Top terms Olha: internautas compartilham com seus companheiros (muitas vezes chamados de “amor”) notícias, alertas e curiosidades sobre bebês. Filho, filha, mãe: mães dividem problemas, dúvidas e levantam discussões acerca da criação e cuidado com os filhos. Silva, Oliveira, Santos: internautas recomendam a seus amigos e parentes a leitura de posts e notícias sobre bebês Pampers, fralda: mães de bebês dividem experiências sobre as fraldas – críticas e recomendações de marcas e modelos, além de relatos de vazamentos e alergias. Base: 107.429 posts e comentários
  22. 22. As páginas são sobretudo locais para trocas de experiências e conselhos relacionados a produtos e aos cuidados com o bebê. Temas mais presentes no buzz*: 1.056 2.272 2.867 4.617 5.803 6.943 8.678 9.087 14.899 Lazer Segurança Alimentação Saúde Enxoval Maternidade Conselhos e dicas Criação dos filhos Experiências e avaliações *Segmentação baseada em termos mais citados nos posts e comentários, podendo haver sobreposições entre os temas. Grandes temas
  23. 23. Grandes temasExperiências e avaliações Mães relatam suas experiências com produtos para bebês, recomendando melhores marcas e criticando falhas. Fraldas são o produto que mais gera discussão nesses canais, sobretudo pela forte presença de marcas do segmento no Facebook. Criação dos filhos Mães comentam publicações e compartilham suas próprias experiências relacionadas à criação dos bebês. São discutidos temas como birras, métodos de disciplinamento, apego a objetos e rotina dos bebês. Conselhos e dicas Mães menos experientes relatam problemas e tiram dúvidas, que são respondidas e discutidas por outras que já enfrentaram situações parecidas. As páginas do Facebook funcionam como fonte de informação e um canal de busca rápida por soluções.
  24. 24. Segurança Notícias sobre acidentes domésticos envolvendo bebês e crianças pequenas movimentam o buzz sobre segurança. Pais compartilham alertas e questionam ou discutem a segurança na rotina de seus filhos. Maternidade As páginas também são usadas para discutir assuntos relacionados à gravidez, ao parto e aos primeiros desafios da maternidade. Nos capítulos a seguir, olharemos com maior profundidade para alguns segmentos de produtos, buscando tendências e oportunidades de negócio. Grandes temas
  25. 25. As páginas são sobretudo locais para trocas de experiências e conselhos relacionados a produtos e aos cuidados com o bebê. *Segmentação baseada em termos mais citados nos posts e comentários, podendo haver sobreposições entre os temas. Temas mais presentes no buzz*: 1.056 2.272 2.867 4.617 5.803 6.943 8.678 9.087 14.899 Lazer Segurança Alimentação Saúde Enxoval Maternidade Conselhos e dicas Criação dos filhos Experiências e avaliações Dentre os grandes temas, selecionamos alguns segmentos para aprofundamento de análise Grandes temas
  26. 26. 1.SAÚDE
  27. 27. Alergias são o problema mais citado nas páginas. A relação com os pediatras é de grande importância para as mães. ↘ Alergias, sobretudo a fraldas descartáveis, são um assunto recorrente quando se trata da saúde dos bebês. ↘ A relação com os pediatras é um tema importante nessa fase: as mães discutem as recomendações médicas e trocam experiências sobre os médicos de seus filhos. Base: 4.337 posts e comentários Termos mais citados Saúde
  28. 28. Saúde EMPODERAMENTO DOS PAIS 1.MENOR INFLUÊNCIA DO MÉDICO 2.MENOS REMÉDIOS As redes sociais mudam a relação dos pais com os pediatras. A confiança nos médicos diminui à medida que os pais ganham novas fontes de informação e assumem o papel de decisores principais – a intuição da mãe pode vencer a razão do médico. A decisão é dos pais:
  29. 29. *Identificados por associação de termos. A decisão é dos pais 742 posts* 280 posts* Saúde Termos mais associados a médicos e medicamentos: Termos mais associados ao parto:
  30. 30.  O pediatra deixa de ser a única fonte de referência  É comum que as mães não obedeçam às recomendações do pediatra e sim à sua intuição: elas desafiam regras e acreditam que podem definir o que é melhor para seus filhos.  Pais buscam pediatras antenados, que falem a língua das redes e entendam que eles vão com informações prévias. A partir daí surge uma relação de investigação e confiança. Essas ‘modernidades’ são apenas para que as mães se empoderem e não fiquem presas nos modelos impostos pela medicina tradicional e possam maternar mais livremente, ter filhos mais felizes e saudáveis. Mas claro, quem quiser continuar seguindo a risca aquela receitinha de cardápio fixo que o pediatra passa igualzinho para 30 crianças por dia, vai de cada uma. Acho o seguinte, pediatra lhe pareceu apegado ao gráfico? Caia fora!! Isso se chama profissional desatualizado. “ ” ” “ MENOR INFLUÊNCIA DO MÉDICO 288 menções a pediatra 1 PEDIATRA
  31. 31. Família, amigos, vizinhos, colegas de trabalho Médicos e publicações especializadas Internet: sites, fóruns, publicações científicas, matérias. Redes sociais Ampliação das fontes de informação Fonte: Estudo Saudabilidade, E.life 2013 Saúde
  32. 32. Saúde Fluxo de informação e ação Fonte: Estudo Saudabilidade, E.life 2013 ! ? GATILHO CONSULTA COM MÉDICO PESQUISAM SOBRE O ASSUNTO E CONFEREM OUTRAS OPINIÕES DECISÃO E TENTATIVA
  33. 33.  Na hora do parto, as mulheres também vão ganhando maior poder de decisão.  Existe troca experiências e conselhos sobre parto normal, cesariana e parto humanizado – e, assim, se sentem mais seguras para decidir a melhor forma de dar à luz.  Profissionais que insistem ou tentam influenciar a mulher grávida sobre um tipo de parto (a não ser que haja algum risco) ganham menor confiança: cada vez mais, as mulheres reivindicam seu poder de escolha. Vou bater o pé até o final. Pq não quero ter cesariana sem necessidade. Só farei se realmente for necessário e não por comodidade do médico. Considero o direito de escolha quando a mulher tem informação para isso. O que acontece com a maioria é que ela é levada a escolher a cesárea pq o médico ou a família a deixa com medo do parto normal. Nesse caso, para mim, ela não escolheu nada! Teve seu parto roubado! “ ” ” “ 1 MENOR INFLUÊNCIA DO MÉDICO OBSTETRA
  34. 34.  Medicamentos são usados para cura e cada vez menos para prevenção de problemas ou alívio de sintomas.  Para as novas mães, menos remédio significa mais saúde.  Na fase de dentição, por exemplo, as pomadas e géis anestésicos são criticados por muitas mães e pediatras. Elas estão sendo trocadas por mordedores, palitos de frutas congeladas e camomila para acalmar o bebê. Tudo pra galera das antigas é nana dente.. não entendem que hoje a vida e evolução são diferentes e que essas ‘pomadinhas do bem’ trazem riscos seríssimos ao bebê. “ ” MENOS REMÉDIOS 2
  35. 35. 2.ALIMENTAÇÃO
  36. 36. Amamentação e introdução alimentar são temas que geram amplas discussões nas páginas do Facebook. ↘ Nas páginas do Facebook, as mães trocam dicas e experiências relacionadas à amamentação: frequência de mamadas, uso de mamadeira, quantidade de leite produzida e momento de interrupção da amamentação são exemplos de temas bastante discutidos. ↘ Mas uma grande preocupação é a introdução de alimentos para os bebês: formas de introdução, tipos de alimentos e uso de produtos são temas que geram discussões entre diferentes perfis de mães. Base: 2.867 posts e comentários Alimentação Termos mais citados
  37. 37. NATURALIZAÇÃO 1.NÃO AO ARTIFICIAL 2.O BEBÊ FAZ ESCOLHAS 3.COMIDA É DIVERSÃO As redes sociais dão força para a tendência de “naturalização” na maternidade – desde o parto natural até o uso de soluções caseiras, mas sobretudo na alimentação dos bebês: são cada vez mais valorizados a amamentação prolongada e os métodos de introdução alimentar que priorizam alimentos naturais. Alimentação O natural é tendência:
  38. 38. 335 posts* *Identificados por associação de termos. Alguns termos associados à tendência natural: O natural é tendência Alimentação
  39. 39. AMAMENTAÇÃO  Não há dúvidas de que o leite materno deve ser o alimento principal dos recém-nascidos.  Mas há um movimento de amamentação pelo maior tempo possível, mesmo após a introdução alimentar, de forma que o bebê receba nutrientes da forma mais natural, garantindo ganho adequado de peso e bom desenvolvimento. Meu filho tem 9 meses, mama (e muito) no peito, não toma nenhum outro leite, e é bem de lua quando ele quer comer. A Lara, a mais velha, depois de superados os problemas, amamentei até aos 18 meses. Eu tenho 2 que mamam: uma de 4 anos e 5 meses e um menino de 3 anos, amamento os dois sim, é cansativo é porém não consigo me ver tirando a mama deles, nem sei quando eles vão enjoar de mamar! “ ” ” “ 1. NÃO AO ARTIFICIAL ” “ Alimentação
  40. 40. 1. NÃO AO ARTIFICIAL Alimentação FÓRMULAS  Mães que optam por fórmulas como complemento ou substituição do leite são criticadas: acredita-se que esses produtos contenham açúcar e conservantes além de se acreditar que a fórmula prejudique o desenvolvimento do bebê.  As fórmulas são associadas ainda a casos de alergias, disfunções alimentares e obesidade infantil.  Há desconfiança em relação a pediatras que indicam o uso de fórmulas, que são acusados de associação comercial entre médicos e empresas “Se eu tivesse um pouco mais de segurança nunca teria introduzido fórmula a minha filha de 1.5 mês!!! Até hoje me culpo por não ter seguido meus instintos! Por conta da introdução precoce da fórmula a minha bebe sofreu mto APLV e até hoje não pode nem chegar perto de leite! ” “Como muitas mães se sentem inseguras porque produzem pouco leite ou sentem dor eles logo vão passando fórmula. Deveria ser obrigação do pediatra estimular e ajudar a mãe a amamentar. Fórmula como último recurso. Mas parece que alguns estão rendidos às empresas produtoras de fórmulas. ” 45 menções a fórmulas Base: 2.867 posts e comentários
  41. 41. 1. NÃO AO ARTIFICIAL Alimentação INDUSTRIALIZADOS  Papinhas prontas e alimentos industrializados são preteridos da introdução alimentar natural. Frutas e legumes in natura e alimentos preparados em casa são seus substitutos.  Quanto mais perto da horta, melhor  Estes alimentos serão evitados ainda que a criança comece a frequentar círculos sociais, como festas de aniversário.  Elas acreditam que alimentos industrializados prejudicam o paladar do bebê, que pode passar a rejeitar o que é natural. Na lancheira da minha filha não vai nada que precise ‘desembalar’ somente ‘descascar’. “ ” Sou dessa linha, mas caí na besteira de oferecer biscoito de maisena pro meu filho quando ele tinha mais ou menos 1 ano e 5 meses e, virou uma luta aqui em casa. Todos os dias ele quer, virou um vício. Então, que sirva de alerta às mães aqui, NADA, NENHUMZINHO, NEM PROVINHA, por que depois fica difícil controlar. “ ”
  42. 42. 1. NÃO AO ARTIFICIAL Alimentação AÇÚCAR  O açúcar, associado a diabetes e obesidade, também é evitado pelo maior tempo possível.  Na busca pelo não consumo de açúcar, até mesmo os sucos naturais se tornam vilões: há preferência por frutas in natura, pois acredita-se que no preparo do suco há perda de nutrientes e liberação de frutose, o açúcar da fruta. Suco é prejudicial sim. As fibras ficam destruídas e a criança toma só o açúcar da fruta. Por isso não deve ser oferecida como rotina. “ ” 61 menções a açúcar Base: 2.867 posts e comentários
  43. 43. 2. O BEBÊ FAZ ESCOLHAS Alimentação LIVRE DEMANDA  A tendência naturalista dá poder de escolha ao bebê: é ele quem define o quanto precisa mamar ou se alimentar.  Muitas mães defendem a amamentação em livre demanda – ao invés de horários definidos para mamadas – permitindo que o bebê mame quando e quanto quiser. A amamentação não prejudica e nem influencia na alimentação. Minha bebê é amamentada em livre demanda e ela é boa de garfo e gosta de comer de tudo. “ ” Meu bb mama SEMPRE que quer... LIVRE DEMANDA SEMPRE !!! “ ”
  44. 44. LIBERDADE DE ESCOLHA  Durante e após a introdução alimentar, os bebês escolhem quando, quanto e o que querem comer.  Os horários das refeições deixam de ser rígidos, e é a própria criança que define a quantidade de comida que necessita para se sentir satisfeita – comer pouco não é mais sinônimo de comer mal.  Nessa linha, vem ganhando espaço o método de introdução alimentar BLW ("Baby-ledWeaning"), ou "desmame guiado pelo bebê", no qual os pais deixam pedaços de alimentos ao alcance da criança, que decide quais irá experimentar e consumir, levando sozinha a comida à boca.  O método BLW vem eliminando o tradicional consumo de papinha em algumas casas. Não demos papinha, e hoje com quase 1 ano ela já sabe se alimentar sozinha e ama comer de tudo. Brócolis, pepino, cenoura, beterraba, pimentão, vagem, arroz, e todas as frutas possiveis, algo que é muito dificil de crianças gostarem. “ ” “Nós ‘adultos’ as vezes n estamos à fim de almoçar na hora do almoço... Pq eles tem que estar, não é? Aqui preparo o almoço, quer comer come... N quer, mais tarde qdo tiver fome come, sem neuras!!!! ” “Depois que eu comecei o metodo BLW com ela, ela nunca mais quis nada com consistência de papinha! ” 2. O BEBÊ FAZ ESCOLHAS Alimentação
  45. 45. 3. COMIDA É DIVERSÃO Alimentação DESCOBERTA DO ALIMENTO  A alimentação deixa de ser vista pelas crianças como obrigação e passa a fazer parte da diversão.  A comida é parte do processo de descoberta do bebê e, sobretudo entre os praticantes do método BLW, comer é uma experiência que estimula todos os sentidos.  O método permite ainda que sua relação com a comida seja mais prazerosa, evitando traumas decorrentes da rigidez dos pais em relação a alimentos. Pois eu conheço uma criança que o pai segurava e a mãe enfiava a papinha goela abaixo. Hoje ele não come quase nada de comida salgada e quando come é papinha batida. Ele tem 2 anos e meio. “ ” Outra dica que funcionou bem com meus dois bebês é de deixar a criança pegar na comida um pouco. deixa-la sentir o cheiro, a textura, levar a mãozinha suja de comida a boca, ir lambendo devagar, no tempo dela, e percebendo que é saboroso, bem devagar. Funciona bastante pra eles entenderem o que é o alimento. “ ”
  46. 46. Alimentação 50 a 60 mil pessoas ativas mensalmente no Facebook com interesse pelo método BLW. Jovens adultos, na faixa dos 25 a 34 anos, são a maioria e se destacam em relação à média de usuários do Facebook nessa faixa etária (áreas cinza do gráfico). Percentual de pós- graduados muito acima da média de usuários do Facebook. Destaque para profissionais de Cuidados Pessoais, Serviços Sociais, Medicina & Saúde e Educação, cuja presença é mais alta do que a média do Facebook. O método BLW vem ganhando espaço nas buscas e conversas online. Fonte: Facebook Audience Insights
  47. 47. Alimentação O método BLW vem ganhando espaço nas buscas e conversas online. O termo BLW está em ascensão nas buscas no Google. Fonte: Google Trends
  48. 48. 3. LAZER
  49. 49. Brinquedos e desenhos animados são os principais temas das conversas sobre lazer. ↘ As brincadeiras são uma ampla fonte de discussão: as formas como os bebês são estimulados a brincar, a participação dos pais no lazer dos filhos e os brinquedos usados pelas crianças são exemplos dos temas de conversas. ↘ Quando se trata de desenhos animados, as mães compartilham não apenas a preferência de seus filhos, mas também discutem a influência que esses desenhos podem exercer sobre a educação. Base: 1.056 posts e comentários Termos mais citados Lazer
  50. 50. SEM BARREIRAS DE GÊNERO 1.MENINOS BRINCAM DE BONECA 2.MENINAS NÃO SÃO PRINCESAS As novas mães buscam a quebra das barreiras de gênero e o fim dos estereótipos machistas. Brinquedos específicos para meninos ou meninas tendem a dar lugar a brinquedos neutros, guiados apenas pela imaginação da criança. O gênero não dita a brincadeira: Lazer
  51. 51. *Identificados por associação de termos. O GÊNERO NÃO DITA A BRINCADEIRA 167 posts* Termos mais associados a bonecas: Lazer
  52. 52. Lazer  A imaginação passa a reinar: meninos que brincam de boneca não são mais femininos; são mais criativos  Nesse sentido, surgem os bonecos neutros – sem gênero, sem profissão, sem estereótipos: é a imaginação da criança que caracteriza as personagens e dita o rumo da brincadeira.  Assim como as bonecas, brinquedos ligados às tarefas domésticas (como panelinhas e vassouras) passam a ser usados para educar meninos e meninas: essas mães esperam que seus filhos entendam que cuidar da casa e das crianças não é tarefa exclusivamente feminina. O importante é que as crianças brinquem com bonecos neutros, aquele conjunto família que vende em lojas educativas, eles não tem estereótipos como heróis e princesas e a criança pode transformar os bonecos em papais, mamães, profissionais diversos, amiguinhos de escola, etc. Isso sim é saudável e auxilia na compreensão da empatia. E pq um menininho n pode brincar q é o pai da boneca? O meu tem uma, tem panelinha, vassoura... Quero comprar um kit daqueles q ensinam a menina a ser dona de casa pra ele. Pq só menina tem ferrinho, mini pia de lavar louça e etc? Vou criar um menino que entenda q tarefa doméstica n tem gênero e que pai tem tanta responsabilidade quanto a mãe na criação dos filhos. Machismo n tem vez aqui em casa. “ ” ” “ 1. MENINOS BRINCAM DE BONECA
  53. 53. Lazer  A imagem da princesa cai e dá lugar à imagem de uma menina que tem opções de escolha que a façam independente  Nesse sentido, o que se espera é a quebra de estereótipos e a apropriação de elementos tradicionalmente ligados ao universo masculino: as princesas dão lugar às heroínas. Que tal os estilistas inovarem em roupas com temas de heroínas (que são poucas...) ah... O sei lá sem fru fru, para as meninas que curtem ação, e não balé, que é o caso da minha filha... E se falarmos de brinquedos... Os ‘de meninos’ dão um show... São os preferidos da minha filha... Essa de boneca que faz cocô, ela fala tô fora! E olha que ela tem 4 anos, mas não consigo manipular os seus gostos pessoais... “ ” 2. MENINAS NÃO SÃO PRINCESAS
  54. 54. RETOMANDO
  55. 55. Retomando Mudança da forma como dados são coletados: de depoimentos a conversas1 Médicos e o uso de medicações passam a ser questionados 2 Acompanhar conversas permite aprendermos sobre influenciadores, fluxos de formação de opinião e tendências em nossa categoria O QUE APRENDEMOS COMO PODEMOS USAR Conteúdos que favoreçam este tipo de diálogo e que ensinem a confortar crianças ajudam a criar este canal e validar a opinião de nossas companhias A alimentação passa a ser mais natural e o bebê passa a conduzir mais de perto este processo 3 Investir em produtos que tornem a refeição lúdica, que tenham composições simples e integrais e que possam interagir com o bebê
  56. 56. Retomando Caem as barreiras de gênero na hora de brincar4 Trabalhar o discurso de crianças que brinca com a imaginação e não com o gênero gera aproximação destas mães.
  57. 57. Breno Soutto negocios@elife.com.br Obrigado ;)

×