Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Noite na taverna - roteiro de leitura

2,088 views

Published on

Um roteiro para trabalhar a leitura da obra literária Noite na Taverna de Álvares de Azevedo. Trata-se de uma obra do Romantismo brasileiro.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Noite na taverna - roteiro de leitura

  1. 1. Roteiro de Estudo e Leitura Elaine Ap. Campideli Hoyos Ensino Médio (Romantismo)
  2. 2. Quer saber mais?  "Certa noite, um grupo de jovens se reúne em uma taverna. Durante a conversa, enquanto se embriagam de vinho, decidem revelar uns aos outros experiências marcantes e inusitadas que viveram no passado, cujas consequências ainda lhes perseguem...“ (Noite na Taverna; Macário, 3 ed. Editora Martin Claret, 2011)
  3. 3. Um pouco sobre Álvares de Azevedo  “Foi poeta – sonhou– e amou na vida.”  Nasceu em 12 de setembro de 1831, em São Paulo, e faleceu em 1852 (pouco antes de completar 21 anos) de tuberculose e de complicações de uma queda de cavalo;  Dizem que nasceu na biblioteca da casa de seu avô;  Estudou no Rio de Janeiro desde pequeno e retornou para estudar Direito em São Paulo, em 1848;
  4. 4.  De 1848 a 1851, período que passou em São Paulo, escreveu toda sua obra;  Foi poeta, dramaturgo, contista e ensaísta, mas não desfrutou do prestígio de ser o mais importante poeta da geração ultrarromântica;  Ao perder uma amigo, em uma ocasião, disse: "Cada ano uma vítima se perde nas ondas, e a sorte escolhe sorrindo os melhores dentre nós“;  Dirigiu a seu pai, as suas últimas palavras. Beijando sua mão, exclamou: "Que fatalidade, meu pai!"
  5. 5.  Joaquim Manuel de Macedo discursou em seu funeral;  Todos o reconheceram como gênio;  É patrono da cadeira número 2 da Academia Brasileira de Letras (Para cada uma das quarenta cadeiras, os fundadores escolheram os respectivos patronos, homenageando personalidades, antes da fundação da Academia);  Era estudioso e introvertido, mas sabia ser sarcástico e erótico;  Recebeu influência de importantes filósofos.
  6. 6. O estilo de Álvares de Azevedo  Não apresenta preocupações nacionalistas evidentes;  Obra de cunho pessoal e abrangente;  Tom de espontaneidade;  Não visava a perfeição formal;  Só escreveu uma obra com intenção de publicar: Lira dos vinte anos;  Imagético: predomínio da imaginação e do visual com a descrição detalhada de cenas e ambientes;
  7. 7.  Antítese: jogo de extremos (luz X escuridão; o amor casto e irrealizável X desejo carnal, o sublime X grotesco e vulgar; sonho X realidade)  A literatura é libertação: constrói, na imaginação, a vida que não pode ter;  Influência do poeta Lord Byron: um gênio poético e um dos principais representantes do romantismo inglês. Seus poemas apresentam fantasias extravagantes, crítica social e violenta, tristeza e melancolia.
  8. 8. Noite na Taverna – a Obra  7 capítulos;  Capítulo 1: apresenta os personagens e o contexto em que estão inseridos;  Capítulo 2 a 6: cada um dos personagens assume o papel de narrador e conta sua história aos demais;  Capítulo 7: final – chega uma misteriosa personagem feminina que participou de uma das narrações anteriores, interligando o presente com o passado.
  9. 9. Características da obra:  Temática byroniana (mal-do-século);  Juventude sem futuro e sem esperança, entregue ao ócio e aos vícios;  Fuga da realidade na bebida e na fantasia;  Sexualidade pervertida (necrofilia, incesto, abuso sexual);  Morte, crime;  Tom grotesco e macabro, humor negro;  Atmosfera de sonho e estranheza;  Supervalorização do amor;  Idealização da mulher;
  10. 10. Intertextualidade na obra  Há muitas referências a filósofos e obras de outros escritores;  Cada capítulo é iniciado por um pensamento de um poeta/escritor e se relaciona com a história a ser contada;  Don Juan (Bertram): referência ao personagem lendário que é sempre retratado como libertino e sedutor de mulheres de todas as idades;  Édipo Rei (Johann): Édipo mata o próprio pai sem saber e se casa com sua própria mãe. Quando a mãe descobre que Édipo é seu filho, suicida-se e Édipo fura os olhos.
  11. 11. Noite na Taverna - Resumo  A cena inicial da obra traz uma cena corriqueira: amigos reunidos em um bar, conversando em voz alta, com risos e discussões. Com muita bebida, cada personagem, sonolento ou semiconsciente, conta sua história de assuntos diversos.  As histórias são trágicas, impregnadas de vícios, de crimes hediondos (desde assassinatos a incesto).  Relações pervertidas, delirantes, absurdas e pouco reais.
  12. 12. Vamos rever cada uma das histórias? Quero saber a sua opinião:  Os fatos narrados realmente aconteceram?  Os fatos são frutos da embriaguez?  Ou são frutos da imaginação?
  13. 13. Os personagens  Solfieri  Bertram  Gennaro  Claudius Hermann  Johann Vamos escrever as características de cada personagem e dos outros que aparecem em cada história.
  14. 14. Temática por capítulos:  1. imortalidade X mortalidade; a existência de Deus X a inexistência de Deus (muitas citações filosóficas);  2. necrofilia, morte, catalepsia e amor obsessivo;  3. amor obsessivo, adultério, ciúme, assassinato do marido, miséria de uma vida desregrada, o amor carnal;  4. desencontro, ingratidão, aborto, adultério, sonambulismo, amor obsessivo, suicídio e o arrependimento;  5. amor obsessivo e perversão e abuso sexual;  6. incesto e fratricídio;  7. vingança do destino, fatalidade da ignorância, suicídio.
  15. 15. O tempo  Não há indicação de tempo como datas e duração de cada história.  Tempo cronológico (aquele que ocorre dentro da taverna) e psicológico (flash back - lembranças do passado ao contarem as histórias)  A obra é marcada pela alternância entre os dois tipos de tempo.
  16. 16. O espaço  o ambiente inicial: uma taverna;  através da histórias, o leitor é transportado a um ambiente muito diferente do que está acostumado.
  17. 17. Narrador  A narração se inicia em terceira pessoa: narrador observador;  As histórias são narradas em primeira pessoa (cada personagem conta sua história).
  18. 18. Último beijo de amor: a surpresa final  O retorno de uma das personagens para o ambiente da taverna: a única mulher que não morreu ainda. Essa volta pode ser uma mostra da veracidade dos contos que antes pareciam não passar de ilusões criadas pelos “bêbados”;  A "volta" de Artur, supostamente morto no duelo com Johann. Ele se salvou do tiro e, com o nome de Arnold, se encontra na taverna com Johann, que por estar embriagado não o reconhece.
  19. 19. Considerações finais  O mundo retratado na obra é totalmente diferente à vida levada pelo autor;  O texto não tem a intenção de incutir susto ou medo no leitor (como na literatura de horror), e, sim, provocar o estranhamento e a repulsa;  Uma das suas qualidades é que prende a atenção, página a página, através do emaranhado das situações descritas;  As noites de vícios e devassidão narradas chamaram a atenção e chocaram o público leitor da década de 1850;  Há, contudo, belas declarações em meio a tanto “horror”...
  20. 20. “Não sei que palavras se vaporavam daqueles lábios. Eram perfumes, porque as rosas do céu só têm perfumes; eram harmonias, porque as harpas do céu só têm harmonias; e o lábio da mulher bela é uma rosa divina, e seu coração é uma harpa do céu” (Álvares de Azevedo, Noite na Taverna, p. 54)
  21. 21. Referências bibliográficas:  AZEVEDO, A. de Noite na taverna; Macário. 3 ed., São Paulo: Martin Claret, 2011.  https://www.algosobre.com.br/resumos- literarios/noite-na-taverna.html  http://pt.slideshare.net/Kauan_ts/noite- na-taverna-13272431  http://www.coladaweb.com/literatura/n oite-na-taverna-analise

×