Leitura em voz alta

17,500 views

Published on

“ Venham soprar nos nossos livros. As palavras precisam de corpo.
Os nossos livros precisam de ter vida”
Daniel Pennac in Como um Romance

Published in: Education, Sports
0 Comments
8 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
17,500
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
109
Actions
Shares
0
Downloads
159
Comments
0
Likes
8
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Leitura em voz alta

  1. 1. Leitura em voz alta <ul><li>“ Venham soprar nos nossos livros. As palavras precisam de corpo. </li></ul><ul><li>Os nossos livros precisam de ter vida” </li></ul><ul><li>Daniel Pennac in Como um Romance </li></ul>
  2. 2. Leitura em voz alta <ul><li>A leitura em voz alta é uma actividade social que permite dar voz e significado a um texto. A articulação das palavras, o ritmo, a entoação, o volume concorrem para dar vida ao texto, de forma a que o ouvinte dê largas à imaginação. </li></ul>
  3. 3. Leitura em voz alta. Porquê? <ul><li>Modelo a seguir. Transmitir o prazer de ler por contágio </li></ul><ul><li>Meio de comunicação. </li></ul><ul><li>Construção de relações . Falar sobre o que se leu favorece as relações e o desenvolvimento da linguagem oral, pois é criado um clima de confiança que motiva a querer falar e a manifestar interesses pessoais. </li></ul>
  4. 4. Leitura em voz alta. Porquê? <ul><li>Respeito pelas opiniões. Ao conversar sobre o lido, os formandos aprendem que não existem interpretações únicas e que devem respeitar as diferentes das suas e aprender com elas. </li></ul><ul><li>Momento de aprendizagem. Introdução de novos conceitos, novo vocabulário e informação acerca do mundo. A leitura em voz alta pode eliminar a falta de concentração e facilitar a compreensão. E, porque facilita a compreensão permite acesso a obras para além das capacidades dos ouvintes. </li></ul>
  5. 5. Leitura em voz alta. Porquê? <ul><li>Desenvolvimento da capacidade de escutar, memória e imaginação. Quando os olhos não estão ocupados, a imaginação está livre para voar. </li></ul><ul><li>Nas crianças, favorece a auto-estima. A criança sente-se segura ao ter um adulto a ler para ela. </li></ul><ul><li>Anima a ler </li></ul>
  6. 6. Selecção de textos <ul><li>Nem todos as obras servem o propósito </li></ul><ul><li>Ter com conta o nível dos ouvintes, os seus interesses, preocupações e problemas. Muitos adultos de hoje abandonaram a leitura porque os primeiros 2 ou 3 livros com que tiveram contacto foram muito difíceis. Ninguém lê por prazer se estiver a fazer um grande esforço e ninguém gosta do que não compreende. </li></ul><ul><li>Que explorem as necessidades fundamentais do ser humano (amor, segurança …) </li></ul><ul><li>Qualidade do texto e o conteúdo </li></ul>
  7. 7. Selecção de textos <ul><li>Ter em conta diversos tipos de texto (poesia, biografias, obras de teatro …) </li></ul><ul><li>A obra deve ser do agrado do professor </li></ul><ul><li>Interesses fundamentais: </li></ul><ul><ul><li>Fantástico, mágico </li></ul></ul><ul><ul><li>Realismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Aspectos intelectuais, sentido moral </li></ul></ul><ul><ul><li>Prazer na linguagem (todos) </li></ul></ul>
  8. 8. Recomendações: <ul><li>Preparação: leitura prévia da história. Quem lê expõe aos outros a sua relação com o texto, o seu conhecimento, mas também a sua ignorância. </li></ul><ul><li>Postura correcta. A postura influencia a comunicação. Postura corporal erecta, confortável, de frente para a plateia. Transmite segurança e vontade de comunicar. </li></ul><ul><li>Preparação do espaço. Os ouvintes devem estar confortáveis. </li></ul><ul><li>Estabelecer uma quebra entre o tempo escolar e o de leitura em voz alta. </li></ul><ul><li>Apresentar o autor ou propor pesquisa sobre o mesmo. </li></ul><ul><li>Comentar o título, falar sobre a época, predizer o conteúdo </li></ul>
  9. 9. Recomendações <ul><li>Duração da leitura: 10 a 15 minutos. </li></ul><ul><li>Imperativo: silêncio. Ainda que seja óbvio, nem sempre é fácil consegui-lo, numa sociedade e escola em que a personalidade se afirma pelos décibeis que debita. </li></ul><ul><li>Trabalhar a articulação das palavras e a dicção. Pede-se precisão com os números, devemos fazê-lo com as palavras. Vaca não é o mesmo que baca. </li></ul><ul><li>Pausas e entoação: Respirar o texto e respeitar os sinais de pontuação. “A pontuação é a escrita do silêncio”(Gerardo Cirianni). A entoação permite enriquecer o significado e a capacidade expressiva do contador de histórias. </li></ul>
  10. 10. Recomendações <ul><li>Entoação linguística e entoação emocional. O entusiasmo de quem conta contagia quem ouve. Da mesma forma, se está num dia não, é melhor adiar a leitura., para não transmitir no texto que lhe vai na alma. Quem ouve capta o desinteresse. </li></ul><ul><li>Voz: imitações e entoações (voz fininha para um leão e voz grossa para um rato) </li></ul><ul><li>Dar tempo às reacções espontâneas </li></ul><ul><li>Expressão: usar contacto visual e expressões faciais. Não contrariar o que dizemos com a linguagem corporal. Manter o contacto visual. Não se trata só do livro, mas também de quem conta. </li></ul><ul><li>“ Una lectora modelo debe ser un instrumento perfectamente neutro y dócil. Una pura herramienta. Éste és sin dua, su límite, pero también su grandeza” (Raymond Jean) A utilização excessiva de mudanças de voz, ritmo podem levar a uma sobre-actuacão, em que o texto “perde” para quem o lê </li></ul>
  11. 11. Recomendações <ul><li>Quando parar: na leitura de capítulos, parar a leitura em pontos realmente atractivos e retomar na sessão seguinte. </li></ul><ul><li>Atenção a decair: pedir previsões sobre o que vai acontecer . </li></ul><ul><li>Formular questões. Valorizar as questões preditivas e de valores. O objectivo é fomentar a participação na discussão e não avaliar os conhecimentos sobre a obra. Não podemos instrumentalizar o livro. (O que faria se estivesse no lugar da personagem, semelhanças entre a obra e a própria experiência …) </li></ul><ul><li>Convidar outros professores, pessoal da escola, personalidades do meio para ler. Contribui para a valorização do acto de ler. O texto deve ser previamente fornecido a quem vai ler, para que se possa preparar. </li></ul><ul><li>Solicitar voluntários de entre os formandos para ler. Não deve ser imposto, assim como a leitura não deve ser avaliada. </li></ul>
  12. 12. Estratégias <ul><li>O objectivo destas estratégias é que cada um vá ganhando confiança na leitura em voz alta, para que não se sinta um estranho ao ler para outros. </li></ul><ul><li>O importante é soltar a voz. </li></ul>
  13. 13. Estratégias trabalhar a articulação, sílabas e velocidade <ul><li>Ler o texto, variando a intensidade de acordo com o tamanho das letras </li></ul><ul><li>Ler, memorizar e recitar trava-línguas. </li></ul><ul><li>Quem continua? Numeram-se as linhas do poemas. Distribuem-se cartões com números do 1 ao X, tantos quantos os alunos. Cada aluno deverá ler a sua linha, na ordem estabelecida. </li></ul><ul><li>Ler textos diversos, de acordo com regras pré-estabelecidas: não ler o “O”, não ler o “R”, subir o tom no “A” </li></ul>
  14. 14. Estratégias trabalhar a articulação, sílabas e velocidade <ul><li>Ler textos sem sentido. Conversar sobre a dificuldade em “ler bem” sem compreender o texto. </li></ul><ul><li>Ler o texto de diferentes formas: alto, baixo, a rir, a chorar, assustado, com soluços, bêbado, a gritar, constipado, com muito sono, com o dedo no nariz, furioso, chique, militar, sem dentes, como um político. </li></ul><ul><li>Ler o texto mudando a velocidade: nos parágrafos pares, ler devagar, nos ímpares, ler rápido . </li></ul>
  15. 15. Estratégias para trabalhar as pausas, volume e entoação <ul><ul><li>Ler textos sem pontuação </li></ul></ul><ul><ul><li>Leitura colectiva de um texto em prosa ou poema. Combina-se previamente onde parar a leitura (sinal de pontuação, linha …). Este tipo de leitura obriga o leitor seguinte a ajustar o tom e ritmo da leitura, para garantir a coerência do texto. </li></ul></ul><ul><ul><li>Escrever palavras que sugiram leveza, peso, calor, frio, triste, alegre. Ler cada uma com o tom que sugere o seu significado. Construir frases com as palavras e repetir o tom. </li></ul></ul>
  16. 16. Estratégias para trabalhar as pausas, volume e entoação <ul><ul><li>Fazer corresponder sons aos sinais de pontuação. Uma pancada na mesa para o ponto final, bater uma palma para as vírgulas, um ohhhhhhhhhhh para as reticências, um ah? para a interrogação, e ler um texto usando estes sons. </li></ul></ul>
  17. 17. Estratégias para recitar poemas e leitura de contos <ul><li>Seleccionar poemas ou contos tradicionais curtos e preparar a sua leitura expressiva, anotando nas margens como se deve ler (calmo, em tom de ameaça, com tom de gozo, olhar o público, etc). Atender aos sinais de pontuação. </li></ul><ul><li>Procurar gestos e movimentos que se escondem nos textos, e que ajudam a transmitir o seu conteúdo. </li></ul><ul><li>Realizar jogos de mímica e expressões(provérbios, poemas …) </li></ul>
  18. 18. Algumas questões <ul><li>Ler em voz alta é estar “em directo” para uma plateia com gostos diferentes e ritmos diferentes, pelo que a leitura pode não agradar a todos. </li></ul><ul><li>Na leitura em voz alta, a imitação tem um papel importante. É necessário dispor de bons modelos para imitar e quanto mais diversos melhor. </li></ul>

×