Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Química Geral 2016/1 Aula 19

1,837 views

Published on

Química Geral 2016/1 Aula 19

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Química Geral 2016/1 Aula 19

  1. 1. QUÍMICA GERAL Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica Universidade Federal Fluminense Volta Redonda - RJ Prof. Dr. Ednilsom Orestes 25/04/2016 – 06/08/2016 AULA 19
  2. 2. ELETROQUÍMICA
  3. 3. LUIGI GALVANI – MEADOS SÉC. XVIII ALESSANDRO VOLTA – FIM SÉC XVIII
  4. 4. REAÇÃO REDOX ESPONTÂNEA PARA PRODUZIR TRABALHO ELÉTRICO FLUXO DE ELÉTRONS DO ÂNODO PARA O CÁTODO
  5. 5. CÉLULAS ELETROQUÍMICAS REAÇÃO REDOX ESPONTÂNEA CORRENTE ELÉTRICA REAÇÃO REDOX NÃO-ESPONTÂNEA
  6. 6. CÉLULAS ELETROQUÍMICAS REAÇÃO REDOX ESPONTÂNEA CORRENTE ELÉTRICA REAÇÃO REDOX NÃO-ESPONTÂNEA
  7. 7. REAÇÕES REDOX ENVOLVE TRANSFERÊNCIA DE ELÉTRONS UMA ESPÉCIE TEM SEU NOX REDUZIDO (GANHA ELÉTRONS) OUTRA ESPÉCIE TEM SEU NOX OXIDADO (PERDE ELÉTRONS) 𝐴+ + 𝑒− ⇌ 𝐴 𝐵 ⇌ 𝐵+ + 𝑒− OCORREM AO MESMO TEMPO NÚMERO ELÉTRONS PERMANECE INALTERADO 𝐴+ + 𝐵 ⇌ 𝐴 + 𝐵+ → Semi-reação de Redução → Semi-reação de Oxidação → Reação de Global
  8. 8. ̶ ... ̶ +10 ̶ +9 ̶ +8 ̶ +7 ̶ +6 ̶ +5 ̶ +4 ̶ +3 ̶ +2 ̶ +1 ̶ 0 ̶ -1 ̶ -2 ̶ -3 ̶ -4 ̶ -5 ̶ -6 ̶ -7 ̶ -8 ̶ -9 ̶ -10 ̶ ...
  9. 9. ̶ ... ̶ +10 ̶ +9 ̶ +8 ̶ +7 ̶ +6 ̶ +5 ̶ +4 ̶ +3 ̶ +2 ̶ +1 ̶ 0 ̶ -1 ̶ -2 ̶ -3 ̶ -4 ̶ -5 ̶ -6 ̶ -7 ̶ -8 ̶ -9 ̶ -10 ̶ ... Substâncias simples (𝐶𝑙2, 𝐹2, 𝐴𝑟, 𝑁𝑒 e etc): 𝑁𝑜𝑥 = 0. Metais alcalinos ( 𝐿𝑖, 𝑁𝑎, 𝐾, 𝑅𝑏, 𝐶𝑠 𝑒 𝐹𝑟 ), 𝐻 𝑒 𝐴𝑔: 𝑁𝑜𝑥 = +1. Nos hidredos metálicos ( 𝑁𝑎𝐻, 𝐶𝑎𝐻2, … ): 𝑁𝑜𝑥 𝐻 = −1. Metais alcalinos-terrosos (𝐵𝑒, 𝑀𝑔, 𝐶𝑎, 𝑆𝑟, 𝐵𝑎 𝑒 𝑅𝑎), 𝑍𝑛 𝑒 𝐶𝑑: 𝑁𝑜𝑥 = +2. Alumínio e Boro: 𝑁𝑜𝑥 = +3. Oxigênio: 𝑁𝑜𝑥 = −2. Nos peróxidos (𝐻2 𝑂2): 𝑁𝑜𝑥 = −1.
  10. 10. EXEMPLOS 𝑀𝑔 𝑠 + 2𝐻𝐶𝑙 𝑎𝑞 → 𝑀𝑔𝐶𝑙2 𝑎𝑞 + 𝐻2(𝑔) 𝑁𝑜𝑥 𝑀𝑔 : 0 → +2 𝑁𝑜𝑥 𝐻 : +1 → 0 𝑁𝑎(𝑠) + 𝐶𝑙2(𝑔) → 2𝑁𝑎𝐶𝑙(𝑠) 𝑁𝑎 → 𝑁𝑎+ + 1𝑒− 𝐶𝑙2 + 2𝑒− → 2𝐶𝑙− MEIAS-REAÇÕES OXIDAÇÃO e REDUÇÃO
  11. 11. NÚMERO DE OXIDAÇÃO CARGA FORMAL (QUANTIDADE DE ELÉTRONS) DE UM ELEMENTO EM UM COMPOSTO
  12. 12. BALACEAMENTO DE REAÇÕES REDOX 1. Dividir em semi-reações de oxidação e redução. 2. Balancear semi-reações. i. Balancear o número de átomos com variação de Nox. ii. Balancear os Oxigênios adicionando 𝐻2 𝑂. iii. Balancear os Hidrogênios adicionando 𝐻+. iv. Balancear as cargas adicionando elétrons. 3. Igualar quantidade de elétrons em cada semi-reação. 4. Se a solução é alcalina, adicionar 𝑂𝐻− para neutralizar os 𝐻+ formando 𝐻2 𝑂. 5. Checar: no. de átomos; quantidade de carga; coeficientes estequiométricos. REGRAS:
  13. 13. 𝐶𝑟(𝑎𝑞) 3+ + 𝐶𝑙(𝑎𝑞) − → 𝐶𝑟(𝑠) + 𝐶𝑙2(𝑔) 1) Separar as semi-reações e balancear as espécies reduzidas e oxidadas. 𝐶𝑟(𝑎𝑞) 3+ → 𝐶𝑟(𝑠) 2𝐶𝑙(𝑎𝑞) − → 𝐶𝑙2(𝑔) 2) Balancear e igualar a quantidade de elétrons para somar as semi-reações . 2 × (𝐶𝑟 𝑎𝑞 3+ + 3𝑒− → 𝐶𝑟 𝑠 ) 3 × (2𝐶𝑙(𝑎𝑞) − → 𝐶𝑙2(𝑔) + 2𝑒− ) 2𝐶𝑟(𝑎𝑞) 3+ + 6𝐶𝑙(𝑎𝑞) − → 2𝐶𝑟(𝑠) + 3𝐶𝑙2(𝑔) EXEMPLO 1: Não pode sobrar 𝑒− . +
  14. 14. 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 𝐹𝑒(𝑎𝑞) 2+ 𝐻+ 𝑀𝑛(𝑎𝑞) 2+ + 𝐹𝑒(𝑎𝑞) 3+ 1) Separar as semi-reações e balancear as espécies reduzidas e oxidadas. 𝐹𝑒(𝑎𝑞) 2+ → 𝐹𝑒(𝑎𝑞) 3+ ; 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − → 𝑀𝑛(𝑎𝑞) 2+ 2) Balancear oxigênios com H2O. 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − → 𝑀𝑛(𝑎𝑞) 2+ + 4𝐻2 𝑂 3) Balancear hidrogênios com H+. 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 8𝐻+ → 𝑀𝑛(𝑎𝑞) 2+ + 4𝐻2 𝑂 4) Balancear e igualar a quantidade de elétrons para somar as semi-reações. 5 × (𝐹𝑒(𝑎𝑞) 2+ → 𝐹𝑒(𝑎𝑞) 3+ + 𝑒− ) 1 × (𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 5𝑒− + 8𝐻+ → 𝑀𝑛(𝑎𝑞) 2+ + 4𝐻2 𝑂) 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 5𝐹𝑒(𝑎𝑞) 2+ + 8𝐻+ → 𝑀𝑛(𝑎𝑞) 2+ + 5𝐹𝑒(𝑎𝑞) 3+ + 4𝐻2 𝑂 EXEMPLO 2: Solução ácida. +
  15. 15. 𝐼(𝑎𝑞) − + 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − 𝑂𝐻− 𝐼2(𝑎𝑞) + 𝑀𝑛𝑂2(𝑠) 1) Separar as semi-reações e balancear as espécies reduzidas e oxidadas. 2𝐼(𝑎𝑞) − → 𝐼2(𝑎𝑞) ; 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − → 𝑀𝑛𝑂2(𝑠) 2) Balancear oxigênios com H2O. 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − → 𝑀𝑛𝑂2(𝑠) + 2𝐻2 𝑂 3) Balancear hidrogênios com H+. 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 4𝐻+ → 𝑀𝑛𝑂2(𝑠) + 2𝐻2 𝑂 4) Adicionar OH- para neutralizar os H+ pois a reação é em meio alcalino. 𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 4𝐻2 𝑂 → 𝑀𝑛𝑂2(𝑠) + 2𝐻2 𝑂 + 4𝑂𝐻− 4) Balancear e igualar a quantidade de elétrons para somar as semi-reações. 3 × (2𝐼(𝑎𝑞) − → 𝐼2(𝑎𝑞) + 2𝑒− ) 2 × (𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 3𝑒− + 4𝐻2 𝑂 → 𝑀𝑛𝑂2(𝑠) + 2𝐻2 𝑂 + 4𝑂𝐻−) 2𝑀𝑛𝑂4(𝑎𝑞) − + 6𝐼(𝑎𝑞) − + 4𝐻2 𝑂 → 2𝑀𝑛𝑂2(𝑠) + 3𝐼2(𝑎𝑞) + 8𝑂𝐻− EXEMPLO 3: Solução alcalina. +
  16. 16. ©2010,2008,2005,2002byP.W.Atkins andL.L.Jones CÉLULAS GALVÂNICAS
  17. 17. PILHA DE DANIELL Zn2+
  18. 18. PONTE SALINA • Conectar duas semi-células. • Solução de um sal inerte (KNO3 ou KCl). • Permitir o intercâmbio de íons: – “Fecha” o circuíto. – Manter a neutralidade das soluções.
  19. 19. • Pilha de Daniel: Zn/Zn2+//Cu2+/Cu • Pilha de Ferro-Iodo: I-/I2// Fe3+/Fe2+ 2Fe3+ + 2e- → 2Fe2+ E0 = +0,77 V 2I- → I2 + 2e- E0 = -0,53 V 2Fe3+ + 2I- → 2Fe2+ + I2 E0 = +0,24 V Comparar quem é mais redutor ou mais oxidante. Analisar a espontaneidade das reações Redox. + NOTAÇÃO 2 PARES REDOX: Ox/Red//Ox/Red Ânodo//Cátodo
  20. 20. FEM 𝑍𝑛2+ + 2𝑒− → 𝑍𝑛 𝐸 = −0,76 𝑉 𝐶𝑢2+ + 2𝑒− → 𝐶𝑢 𝐸 = +0,34 𝑉 𝐶𝑢2+ + 𝑍𝑛 → 𝐶𝑢 + 𝑍𝑛2+ 𝐸 = 1,10 𝑉 Pilha de Daniel Se 𝐸 > 0 então a reação é espontânea. Se 𝐸 < 0 então a reação inversa é espontânea. QUEM OXIDA, PROVOCA A REDUÇÃO (AGENTE REDUTOR) QUEM REDUZ, PROVOCA A OXIDAÇÃO (AGENTE OXIDANTE)
  21. 21. POTENCIAIS PADRÃO
  22. 22. AGENTES REDUTORES E OXIDANTES COMPARAÇÃO potencial de redução 𝐴𝑔+ > potencial de redução 𝐶𝑢2+ 𝐴𝑔+ reduz e 𝐶𝑢2+ oxida 2𝐴𝑔+ + 𝐶𝑢 → 𝐶𝑢2+ + 2𝐴𝑔
  23. 23. AGENTES REDUTORES E OXIDANTES COMPARAÇÃO potencial de redução 𝑁𝑖2+ > potencial de redução 𝑍𝑛2+ 𝑁𝑖2+ reduz e 𝑍𝑛2+ oxida 𝑁𝑖2+ + 𝑍𝑛 → 𝑍𝑛2+ + 𝑁𝑖
  24. 24. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  25. 25. O POTENCIAL DA CÉLULA, 𝐸, MEDE A CAPACIDADE DE UMA REAÇÃO EM FORÇAR A PASSAGEM DE ELÉTRONS (PUXANDO OU EMPURRANDO) ATRAVÉZ DE UM CIRCUITO. ESPÉCIES QUÍMICAS DIFERENTES POSSUEM CAPACIDADES TAMBÉM DIFERENTES DE EMPURRAR OU PUXAR ELÉTRONS.
  26. 26. ̶ ... ̶ + ̶ + ̶ + ̶ + ̶ + ̶ 0 ̶ - ̶ - ̶ - ̶ - ̶ - ̶ ...
  27. 27. ELETRODO PADRÃO DE HIDROGÊNIO 𝟐𝑯(𝒂𝒒) + + 𝟐𝒆− ⇌ 𝑯 𝟐(𝒈) 𝑬 𝟎 = 𝟎, 𝟎𝟎 𝑽 POTENCIAIS DE REDUÇÃO E OXIDAÇÃO = 0,0 V HIDROGÊNIO PODE SER REDUZIDO OU OXIDADO (DEPENDE DA OUTRA ESPÉCIE) ELETRODO DE METAL INERTE (Pt) OU GRAFITE (PERMITE INSERIR ELÉTRONS NO MEIO)
  28. 28. ©2010,2008,2005,2002byP.W.AtkinsandL.L.Jones
  29. 29. POTENCIAIS PADRÃO 2𝐻(𝑎𝑞,1𝑀) + + 2𝑒− → 𝐻2(𝑔,1𝑀) 𝐸 = 0,00 𝑉 Redução de 𝐻+ à 𝐻2 𝑍𝑛2+ + 2𝑒− → 𝑍𝑛 𝐸 = −0,76 𝑉 𝐶𝑢2+ + 2𝑒− → 𝐶𝑢 𝐸 = +0,34 𝑉 𝐶𝑢2+ + 𝑍𝑛 → 𝐶𝑢 + 𝑍𝑛2+ 𝐸 = 1,10 𝑉 Pilha de Daniel Se 𝐸 > 0 então a reação é espontânea. Se 𝐸 < 0 então a reação inversa é espontânea. QUEM OXIDA, PROVOCA A REDUÇÃO (AGENTE REDUTOR) QUEM REDUZ, PROVOCA A OXIDAÇÃO (AGENTE OXIDANTE)
  30. 30. Δ𝐺 ⟶ 𝑤𝑒 Todo trabalho que não resulta de uma expansão (sem alteração de volume) 𝑤𝑒 = 𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 × 𝑑𝑖𝑓𝑒𝑟𝑒𝑛ç𝑎 𝑑𝑒 𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑐𝑖𝑎𝑙 = 𝑛 −𝑒 𝑁𝐴 × 𝐸 𝑁𝐴 = 𝑁 𝑜. 𝐴𝑣𝑜𝑔𝑎𝑑𝑟𝑜 −𝑒𝑁𝐴 = 𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑑𝑒 1 𝑚𝑜𝑙 𝑤𝑒 = −𝑛𝐹𝐸 𝐹 = 1,602 × 10−19 𝐶 × 6,022 × 1023 𝐹 = 96485 𝐶. 𝑚𝑜𝑙−1 = 1 𝐹𝑎𝑟𝑎𝑑𝑎𝑦 ASPECTOS TERMODINÂMICOS
  31. 31. Δ𝐺 = −𝑛𝐹𝐸 𝑛 é coeficiente estequiométrico dos elétrons trocados numa reação REDOX. 𝐸 > 0 ∴ Δ𝐺 < 0 ⟶ 𝐸𝑠𝑝. 𝐸 < 0 ∴ Δ𝐺 > 0 ⟶ 𝐸𝑠𝑝. 𝐼𝑛𝑣𝑒𝑟𝑠𝑎 Δ𝐺 = 0 ⟶ 𝐸𝑞𝑢𝑖𝑙𝑖𝑏𝑟𝑖𝑜 (reação cessou!) ASPECTOS TERMODINÂMICOS
  32. 32. ©2010, 2008, 2005, 2002 by P. W. Atkins and L. L. Jones
  33. 33. O potencial de uma célula de Daniell em determinadas concentrações de íons cobre e zinco é 1,04 V. Qual é a energia livre de Gibbs de reação nessas condições? Δ𝐺𝑟 = −𝑛𝐹𝐸𝑐é𝑙𝑢𝑙𝑎 Δ𝐺 = − 2 𝑚𝑜𝑙 × 96485 𝐶 ∙ 𝑚𝑜𝑙−1 × 1,04 𝑉 Δ𝐺 = −2,01 × 105 𝐶 ∙ 𝑉 A reação que ocorre em uma célula nicad é Cd(s) + 2Ni(OH)3(s)  Cd(OH)2(s) + 2Ni(OH)2(s) e o potencial de célula completamente carregada é 1,25 V. Qual é a energia livre da reação? (Veja a Tabela 13.2.) [Resposta: -241 kJ] A reação que ocorre em uma célula de bateria de prata, usada em algumas câmeras e relógios de pulso, é Ag2O(s) + Zn(s)  2Ag(s) + ZnO(s) e o potencial de célula quando nova é 1,6 V. Qual é a energia livre da reação? (Veja a Tabela 13.2.)
  34. 34. ΔG < 0 ΔE > 0 EnergiaLivredeGibbs,G Extensão da reação, ξ ΔG > 0 ΔE < 0 ΔG = 0 ΔE = 0 Q < K Q > K R P 𝐻2(𝑔) + 𝐼2(𝑔) ⇌ 2𝐻𝐼(𝑔) 𝑄 = 𝐻𝐼 2 𝐻2 [𝐼2] e 𝐾 = 𝐻𝐼 𝑒𝑞 2 𝐻2 𝑒𝑞 𝐼2 𝑒𝑞 Equilíbrio
  35. 35. ΔG0 < 0 ΔE0 > 0 EnergiaLivredeGibbs,G Extensão da reação, ξ ΔG0 > 0 ΔE0 < 0 ΔG0 = 0 ΔE0 = 0 Q < K Q > K R P 𝐻2(𝑔) + 𝐼2(𝑔) ⇌ 2𝐻𝐼(𝑔) 𝑄 = 𝐻𝐼 2 𝐻2 [𝐼2] e 𝐾 = 𝐻𝐼 𝑒𝑞 2 𝐻2 𝑒𝑞 𝐼2 𝑒𝑞 Equilíbrio Concentrações padrão: 1,0 M
  36. 36. Δ𝐺0 = −𝑛𝐹𝐸0 𝑛 é coeficiente estequiométrico dos elétrons trocados numa reação REDOX. 𝐸0 > 0 ∴ Δ𝐺0 < 0 ⟶ 𝐸𝑠𝑝. 𝐸0 < 0 ∴ Δ𝐺0 > 0 ⟶ 𝐸𝑠𝑝. 𝐼𝑛𝑣𝑒𝑟𝑠𝑎 Δ𝐺 = 0 ⟶ 𝐸𝑞𝑢𝑖𝑙𝑖𝑏𝑟𝑖𝑜 (reação cessou!) ASPECTOS TERMODINÂMICOS Estado padrão Gases: 1 atm Solutos: 1 mol.L-1
  37. 37. EFEITO DA CONCENTRAÇÃO • Concentração reagente aumenta ou concentração produtos diminui - Favorece reação espontânea e voltagem aumenta. • Concentração reagente diminui ou concentração produtos aumenta – Favorece reação não- espontânea e voltagem diminui. Δ𝐺0 = −𝑅𝑇 ln 𝐾 ⟹ ln 𝐾 = 𝑛𝐹𝐸0 𝑅𝑇
  38. 38. EQUAÇÃO DE NERNST Δ𝐺 = Δ𝐺0 + 𝑅𝑇 ln 𝑄 Δ𝐺 = −𝑛𝐹𝐸 −𝑛𝐹𝐸 = −𝑛𝐹𝐸0 + 𝑅𝑇 ln 𝑄 𝜟𝑬 = 𝚫𝑬 𝟎 − 𝑹𝑻 𝒏𝑭 𝒍𝒏 𝑸 𝚫𝑬 = 𝚫𝑬 𝟎 − 𝟐, 𝟑𝟎𝟑 × 𝑹𝑻 𝒏𝑭 𝐥𝐨𝐠 𝑸 𝜟𝑬 = 𝚫𝑬 𝟎 − 𝟎, 𝟎𝟐𝟓𝟗𝟔𝟑 𝒏 𝒍𝒏 𝑸 𝜟𝑬 = 𝚫𝑬 𝟎 − 𝟎, 𝟎𝟓𝟗𝟏𝟔 𝒏 𝐥𝐨𝐠 𝑸 T = 298 K
  39. 39. Calcule a FEM, em 25 ̊C, de uma pilha de Daniell na qual a concentração de íons Zn2+ é 0,10 mol.L-1 e a de íons Cu2+ é de 0,0010 mol.L-1. 𝑍𝑛(𝑠) 𝑍𝑛 𝑎𝑞 2+ 𝐶𝑢 𝑎𝑞 2+ 𝐶𝑢 𝑠 𝐶𝑢(𝑎𝑞) 2+ + 𝑍𝑛(𝑠) ⟶ 𝑍𝑛 𝑎𝑞 2+ + 𝐶𝑢(𝑠) 𝑄 = 𝑍𝑛2+ 𝐶𝑢2+ = 0,10 0,0010 ; 𝑛 = 2; 𝐸𝑐𝑒𝑙𝑢𝑙𝑎 = +1,10𝑉 𝐸𝑐é𝑙𝑢𝑙𝑎 = 𝐸𝑐é𝑙𝑢𝑙𝑎 𝑜 − 𝑅𝑇 𝑛𝐹 ln 𝑄 = 1,10𝑉 − 0,025693𝑉 2 ln 0,10 0,0010 = 1,10𝑉 − 0,059 𝑉 = 1,04𝑉 [Resposta: +0,29V] Calcule a FEM da pilha de Zn/Zn2+(1,5 M)//Fe2+(0,10 M)/Fe a 25 ̊C. Calcule a FEM da pilha de Ni/Ni2+(10-3 M)//Ni2+(1 M)/Ni a 25 ̊C. Calcule a FEM da pilha de Ag/Ag+(10-3 M)//Ag+(10-2 M)/Ag a 25 ̊C.
  40. 40. Zn(s) → Zn2+ + 2e- Georges Leclanché, Engenheiro Elétrico inventa a pilha seca em 1866

×