Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

O INSTITUTO DIVINO DA PENA DE MORTE

2,443 views

Published on

A pena de morte não é um ato de maldade, mas de bondade. Bondade porque restaura a justiça, equilibrando a balança e vingando a morte do inocente. Quando alguém é assassinado, Deus instituiu o Estado como vingador o inocente. Um vingador não pode ter o braço mole... A pena de morte é um ato de bondade, porque ao se executar um criminoso, ela salva a vida de pelo menos outros cem criminosos que sofrem o efeito pedagógico da pena de morte, pois o receio de ter o mesmo fim faz com que um grande número de pessoas com impulsos criminosos refreie seus instintos selvagens. Por fim, a pena de morte é um ato de bondade porque com a consciência que nos próximos dias o delinquente será executado, ele pode refletir, se arrepender e descansar da sua luta inglória contra seus instintos indomáveis. Como diz o apostolo Paulo: “o morrer é ganho.” Ora, quem não consegue viver sob as regras sociais a morte é um alívio.

Published in: Law
  • Be the first to comment

O INSTITUTO DIVINO DA PENA DE MORTE

  1. 1. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 2 ] FINALIDADE DESTA OBRA Os materiais literários do autor não têm fins lucrativos, nem lhe gera quaisquer tipo de receita. Os custos do livro são unicamente para cobrir despesas com produção, transporte, impostos e revendedores. Sua satisfação consiste em contribuir para o bem da educação, uma melhor qualidade de vida para todos os homens e seres vivos, e para glorificar o único Deus Todo-Poderoso. AUTORIZAÇÃO O livro pode ser reproduzido e distribuído por quaisquer meios, usado e traduzido por qualquer entidade religiosa, educacional ou cultural sem prévia autorização do autor. Todos os meus livros são de domínio público.
  2. 2. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 3 ] AUTOR: Escriba de Cristo é licenciado em Ciências Biológicas e História pela Universidade Metropolitana de Santos; possui curso superior em Gestão de Empresas pela UNIMONTE de Santos; é Bacharel em Teologia pela Faculdade das Assembleias de Deus de Santos; tem formação Técnica em Polícia Judiciária pela USP e dois diplomas de Harvard University dos EUA sobre Epístolas Paulinas e Manuscritos da Idade Média. Radialista profissional pelo Senac de Santos, reconhecido pelo Ministério do Trabalho. Nasceu em Itabaiana/SE, em 1969. Em 1990 fundou o Centro de Evangelismo Universal; hoje se dedica a escrever livros e ao ministério de intercessão. Não tendo interesse em dar palestras ou participar de eventos, evitando convívio social. CONTATO: https://www.facebook.com/centrodeevangelismouniversal/ SOLICITAÇÃO AOS LEITORES: Se você encontrar erros gramaticais ou se você fala outro idioma e puder colaborar traduzindo esta obra, em qualquer dos casos entre em contato com o autor pelo facebook.
  3. 3. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 4 ] Dados Internacionais da Catalogação na Publicação (CIP) CENTRO DE EVANGELISMO UNIVERSAL -CGC 66.504.093/0001-08 M543 Escriba de Cristo, 1969 – O instituto divino da Pena de Morte /Escriba de Cristo, Itabaiana/SE, Amazon.com Clubedesautores.com.br, 2016 143 p. ; 21 cm ISBN-13: 978-1537005492 ISBN-10: 1537005499 1. Pena de morte 2. Deus 3. Abolicionismo 4. Direito Penal 5. Criminologia I - Titulo CDD 365 CDU 340.11
  4. 4. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 5 ] SUMÁRIO I - FILOSOFIA SOBRE A PENA DE MORTE. 1 - A universalidade da pena de morte. 2 - Civilização moderna? 3 - Finalidade da pena. 4 - Toda pena é vindicativa. 5 - A quem se aplica a pena de morte. 6 - Caráter pedagógico da pena de morte. 7 - Na dúvida: pró-réu. 8 - Preocupemo-nos com as vítimas. 9 - Inocentes podem ser condenados. 10 - Um erro para corrigir outro erro. 11 - Direitos humanos. 12 - Pena de morte é cruel. 13 - Religião e política para reprimir. 14 – Muitos são contra a pena de morte. 15 - Ilustres pensadores.
  5. 5. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 6 ] 16 - Penas alternativas. 17 - Repressão inibe o crime. 18 - Pena de morte é retrógrada? 19 - Amputação social. 20 - Tribunais do crime. 21 – Lei de talião. 22 - Quem induta o criminoso é culpado. 23 - Filósofos gregos. 24 - Livre arbítrio. 25 - Pena de morte para traficante. 26 - Sentenciados se chegam a Deus. 27 - Justiça injusta. 28 - Doutores da igreja na antiguidade. 29 - Lobos poupados. 30 - A questão da reincidência. 31 - Hipótese de arrependimento futuro. 32 - Razão sem sentimentalismo.
  6. 6. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 7 ] 33 - Aborto X Pena de morte. 34 - Abolicionistas, advogados do Diabo. 35 - Abolicionistas são criminosos. 36 - Impunidade incentiva o crime. 37 - O medo inibe o instinto mal. 38 - Ditaduras aplicam pena de morte 39 - Não são criminosos, são doentes! 40 - Maçonaria é abolicionista. II – AS NAÇÕES E A HISTÓRIA 1 - Inglaterra. 2 - Estados Unidos. 3 – Alemanha 4 - França. 5 - Cingapura. 6 - Japão 7 - Espanha 8 - Igreja Católica.
  7. 7. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 8 ] III – CRIMINOSOS CONDENADOS 1 – Saddan Hussein. 2 – Timothy James McVeigh. 3 – Albert Hamilton Fish. IV – MÉTODOS DE EXECUÇÃO 1 - Inanição 2 - Desmembramento 3 - Decapitação 4 - Garrote 5 - Asfixia 6 - Fogueira 7 - Crucificação 8 - Esmagamento 9 - Esmagamento por elefante 10 - Apedrejamento 11 – Empalamento
  8. 8. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 9 ] 12 - Esfolamento 13 - Estripação 14 - Fervura 15 - Esquartejamento 16 - Roda da morte 17 - Mil cortes 18 - Afogamento 19 - Eletrocussão 20 - Escafismo 21 - Bestiaria 22 - Serrado ao meio 23 - Águia sangrenta 24 - Touro de bronze 25 - Cinco dores 26 - Injeção letal 27 - Fuzilamento 28 - Enforcamento
  9. 9. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 10 ] V - TEOLOGIA DA PENA DE MORTE 1 - Deus inventou a pena de morte. 2 - Proibido indutar o assassino. 3 – Da mesma forma que matou vai morrer. 4 – Pena de morte e salvação. 5 - Amar o inimigo não exime da pena. 6 - Não matarás. 7 - Aperfeiçoando a lei. 8 - Jesus defendeu a pena de morte. 9 - Ladrão bom é ladrão salvo e morto. 10 - Paulo aceitava a pena de morte. 11 - A outorga divina para o Estado punir com a morte. 12 - Punir os maus. 13 - Pena de morte é caridade. 14 - Pena de morte vem do Alto. 15 – Sentenças rápidas. REFERÊNCIAS
  10. 10. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 11 ] INTRODUÇÃO Este humilde trabalho está divido em cinco partes. Primeiro faço uma análise dos argumentos que se usa contra e a favor da pena de morte, lógico que não analiso de forma imparcial. Nunca fui imparcial em nada, não sou âncora do Jornal Nacional para desempenhar este papel... Repudio veementemente o pensamento moderno abolicionista, e defendo a pena de morte como um dos mais importantes institutos do direito universal. Comento superficialmente sobre a posição de alguns países sobre a pena de morte e sobre algumas histórias de criminosos que foram condenados a morte. A quarta parte do livro é de dá náuseas, uma vez que descrevo 28 métodos de execuções ilustrados com imagens. A pena de morte posta em prática não é moleza, ela causa um trauma no executado, no executor e nos espectadores. A importância moral e o legado da pena de morte é justamente nos espectadores que ao verem o fim do criminoso vão pensar duas vezes em infringir as normas penais. I - FILOSOFIA SOBRE A PENA DE MORTE Nesta secção do livro abordaremos as discussões filosóficas daqueles que é contra e a favor da pena de morte. O cerne da questão da pena de morte não deve ser o que é melhor para o criminoso, mas o que e melhor
  11. 11. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 12 ] para a sociedade. O todo é mais importante que a parte. O organismo mesmo sem um membro como o pé e a mão, ele pode viver, da mesma forma a sociedade humana pode viver sem alguns cidadãos que estão ameaçados infeccionar e levar a desgraça toda a sociedade. 1 - UNIVERSALIDADE DA PENA DE MORTE Toda humanidade e em todos os tempos, tanto os povos civilizados como os bárbaros, tanto as democracias como as aristocracias, os regimes socialistas e os ditatoriais, e até em todas as religiões, foi admitida e legitimada a pena capital. Como diz bem Zelmar Barbosa: "convém assinalar que não tem havido civilização — nem religião — que de alguma maneira não a tenha aceitado. Desde a antiga Grécia até a revolucionária França; desde os egípcios até os modernos norte-americanos; desde os judeus do Antigo Testamento até os Pontífices Romanos, passando pelo Evangelho, todos, sem exceção, têm justificado e legislado sobre a Pena de Morte." (9) Quem acha uma malvadez a vida que sobrevive com a morte alheia, então tente viver sem matar o pé de alface, a cebola, a batata, o peixe. A carne bovina que você gosta de comer... Os bons precisam eliminar os maus pela justiça, ou os maus eliminam os bons pela injustiça.
  12. 12. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 13 ] 2 - CIVILIZAÇÃO MODERNA? A civilização humana a muito tempo aprendeu que devemos fazer o melhoramento genético de animais e plantas. Para que a vida continue existindo e se perpetuando, os saudáveis sobrevivem, e os fracos, doentes e velhos morrem. Somos implacáveis na agropecuária com a questão do melhoramento genético. Da mesma forma a pena de morte é uma forma de melhoramento genético moral da espécie humana. A história mostra que pais alcoolatras geram filhos com tendência ao alcoolismo, pais promíscuos tendem a gerar filhos promíscuos. Pais bandidos tendem a gerar filhos criminosos. Quando executamos um criminoso através do devido processo legal, estamos impedindo que o criminoso continue espalhando seu sêmen sobre a terra. A crescente violência que tem tomado conta dos países abolicionistas é resultado de uma política que deseja criar ovelhas e lobos no mesmo curral, hortaliças e ervas daninhas no mesmo campo. Quem leva a pior são os membros úteis da sociedade. Os abolicionistas argumentam frequentemente contra a pena de morte alegando que vivemos um mundo civilizado e não mais na época da barbárie: “Se no passado ela poderia estar certa, a pena de morte hoje em dia não tem mais cabimento. A tendência do mundo é de acabar com ela, não podemos impedir a evolução das
  13. 13. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 14 ] coisas. A pena de morte não é compatível com um mundo civilizado.” - De acordo com esse raciocínio as tendências do mundo moderno são todas excelentes e inatacáveis. Entretanto, hoje a tendência é de que os partidos neo- nazistas cresçam. Então, esses partidos estariam certos? A tendência é o deficit público aumentar. Então, o deficit é bom? A tendência é o trânsito aumentar, a criminalidade aumentar. "Tendências" não significam nada, podem ser ruins ou boas. Não existe "evolução" para a verdade. É justamente hoje em dia que precisamos mais da pena de morte, porque há mais crimes. Civilizado é um mundo com baixa criminalidade e não um mundo em que se mata por nada. (1) RETRATO DO MUNDO “CIVILIZADO” "Nos primeiros cinco meses deste ano (1986), ocorreram, na Grande São Paulo, 2.406 homicídios — 481 por mês, 16 por dia, um a cada 90 minutos; 42.028 furtos, 18.000 assaltos. Os homicídios aumentaram em 100% ("O Estado de São Paulo", 1/6/86, p, 22). Os que condenam a pena de morte dos criminosos, são ideologicamente responsável pelos crimes dos reincidentes. Além do que, faz parte da natureza humana, conter seus impulsos diante do temor da punição. E o inverso é verdade, sem punição, as
  14. 14. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 15 ] pessoas de índole perversa sentem-se encorajadas a praticar o mal. 3 - FINALIDADE DA PENA Por sua vez, a pena tem uma tríplice finalidade: medicinal, reparadora e exemplar — corrigir o agente, restabelecer a ordem na sociedade e prevenir o crime com o exemplo. Tapparelli D'Azeglio argumentando sobre estas três finalidades diz: Assim, na sociedade doméstica, a principal finalidade da pena é medicinal, porque o pai inflige castigo ao filho para educá-lo; na sociedade política, porém, a principal finalidade da pena é manter a ordem externa, com a reparação do prejuízo causado pelo crime, mediante sua ação exemplar. Evidentemente, a excelência da pena será tanto maior quanto estiverem realizados esses três efeitos. (4) Aplicar a pena última sem verdadeira necessidade, precipitada e indiscriminadamente, pior ainda, a dissidentes políticos, como na Rússia, em Cuba, etc., é algo abominável 4 - TODA PENA É VINDICATIVA Toda a pena é vindicativa. A recuperação do criminoso está em segundo plano. O primeiro dever do Estado é proteger a sociedade, e não recuperar o indivíduo. O todo vale mais que a parte. Ademais, a pena
  15. 15. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 16 ] de morte é extremamente educativa para todo mundo. Toda justiça é vingativa. A justiça visa reparar o erro aplicando uma penalidade ao faltoso, seja uma multa, chicotada, demissão, expulsão, prisão, trabalho forçado, perda de direito ou a morte. Lugar de educação é em casa e em segundo plano na escola. O tribunal é para vingar e reparar injustiça. É tolice querer fazer do sistema judiciário uma escolinha para que os homens aprendam que não podem matar, roubar, mentir, enganar, etc. Todos nós carregamos a lei em nossos corações desde a infância. Ninguém salta de um penhasco acreditando realmente que pode voar. Porque sabemos que não podemos voar batendo os braços, assim da mesma forma, ninguém que rouba ou mata precisa aprender que isso não é correto e aceitável em sociedade. 5 - A QUEM SE APLICAA PENA DE MORTE A pena deve ser aplicada a todos que contribuíram para o homicídio, como diz o filósofo Kant: "Quantos cometeram um assassinato, ou o mandaram, ou com ele cooperaram, todos devem ser punidos com a morte; assim o exige a justiça como ideia que regula o poder judiciário segundo as leis universais.” (16) 6 - CARÁTER PEDAGÓGICO DA PENA DE MORTE
  16. 16. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 17 ] Se podemos conhecer o número daqueles que foram condenados por crimes capitais malgrado a pena de morte, não podemos saber quantos são aqueles que se abstiveram de semelhantes delitos, por medo de tal pena. Muitos assassinos atraíram ou levaram suas vítimas para regiões onde o Estado não punia com a pena de morte, pois temiam a condenação mais severa. Vejamos alguns exemplos: Willian Cofee resolveu matar a esposa e levou-a do Estado de Iowa, onde havia pena de morte, para o de Wisconsin, cuja maior pena era a de prisão perpétua, e lá a executou. Meiko Petrovich levou sua mulher do Estado da Pensilvânia, onde havia pena de morte, para Detroit, e ali a matou, confessando que a havia levado para o Estado de Michigan, porque aqui estava mais seguro, pois ali não havia pena de morte. Menos feliz foi Isaad Swatelle. Resolveu matar seu irmão Iram. Com medo da pena de morte, tratou de atraí-lo, do Estado de Massachussets, onde havia pena de morte, para o de Maine, onde não havia tal pena. Não teve sorte, pois, errou a fronteira e o matou no Estado de New Hampshire, onde foi executado. (6)
  17. 17. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 18 ] Joana Bedoyo, jovem condenada à morte por vários crimes, disse: "Nestes últimos momentos quero que todo o mundo saiba que eu fui condenada à morte com justiça pelos crimes que cometi" (10) Garcia Atadell, responsável com sua "Brigada do Amanhecer" por uns 700 assassinatos e que, detido nas Canárias, fugindo para a América, foi condenado à pena última, e dá prisão escreveu formosas cartas a seu amigo Indalecio Prieto, reconhecendo-se gravemente culpado e exortando o amigo a retroceder em seus passos. O comum dos cidadãos, guiado pela só luz natural, longe de considerar homicidas as autoridades que infligem a pena capital como castigo dos grandes crimes, louva-os e apoia, pois todos veem que com as punições contribuem para que se evitem os delitos, quando mais não seja pelo temor da morte. Todos sabem e a experiência o ensina que, se a autoridade não faz uso da espada da justiça, bem cedo teremos que aguentar os mais abomináveis crimes. 7 - NA DÚVIDA: PRÓ-RÉU Todo Estado que assume a responsabilidade de condenar a morte os crimes mais graves, deve se ater a uma cautela para evitar e condenar inocentes como Pio XII disse em seu discurso, durante o VI Congresso Nacional da União de Juristas Católicos Italianos,
  18. 18. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 19 ] pronunciado em duas etapas — 5 de dezembro de 1954 e 25 de fevereiro de 1955: "O juiz humano, que não tem a onipotência e a onisciência de Deus, tem o dever de formar, antes de pronunciar a sentença, uma certeza moral, que exclua toda dúvida razoável e séria sobre o ato externo e a culpabilidade interna". "Se, apesar de todos os esforços para a perquirição da verdade, permanecer alguma dúvida importante e séria, nenhum juiz, de reta consciência, proferirá uma sentença condenatória, sobretudo se se trata de uma pena irremediável, como é a pena de morte. 8 - PREOCUPEMO-NOS COM AS VÍTIMAS Os pseudos filantropos e humanistas são uns canalhas, advogados do Diabo, porque pensam em defender os criminosos, em vez de pensar em repararem os danos da vítima, ou dos órfãos da vítima. Os canalhas dos abolicionistas deviam está pensando nos traumas das vitimas e não na causa social que levou o criminoso a cometer tal ato. Os positivistas com Comte à frente, que em seu Catecismo Positivista dirige contra os abolicionistas estas duras palavras: "Tão só uma falsa filantropia pode conduzir a prodigalizar aos malfeitores uma consideração e uma solicitude que seriam bem melhor empregadas em
  19. 19. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 20 ] favor de tantas vítimas honestas de nossas imperfeições sociais" (17) A infração grave da ordem social, a vista do assassinato de um inocente excita em todos a animadversão contra o culpável: "Que crueldade! que infâmia!" exclama o homem honrado. "Caía sobre esse malvado a espada da lei!" Este é o comum sentir do pessoal de bem. Sem embargo, a este conceito notável e cristão da justiça opõe-se o abolicionismo, com um sentido humanitarista ou filantrópico que, segundo as severas palavras de Balmes, se reduz "a uma crueldade refinada, a uma injustiça que indigna". Pensa-se no bem do culpável, e esquece-se de seu delito; favorece-se o criminoso e posterga-se a vítima. A moral, a justiça, a amizade, a humanidade não merecem reparação; todos os cuidados é preciso concentrá-los sobre o criminoso; para a moral, a justiça, a vítima, para tudo mais sagrado e interessante que há sobre a terra, só esquecimento. Para o crime, para o mais repugnante que imaginares possa, só compaixão. Contra semelhante doutrina protesta a razão, protesta a moral, protesta o coração, protesta o sentido comum, protestam as leis e costumes de todos os povos, protesta em massa o gênero humano. "Jamais se deixaram de olhar os castigos como expiações." (25) 9 - INOCENTES PODEM SER CONDENADOS
  20. 20. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 21 ] “Não pode haver pena de morte porque podem acontecer erros e acabar matando inocentes.” Dizem os abolicionistas. Resposta: Segundo esse argumento, tudo o que contém algum risco de erro é ilegítimo. Se esse argumento procedesse, deveriam ser proibidos o avião e o automóvel, porque acontecem vários acidentes por ano e muitos inocentes morrem. "Abusus non tollit usum" (o abuso não tolhe o uso), é uma máxima do Direito absolutamente verdadeira. Caso contrário, a vida em sociedade seria impossível. (1) Toda a vida é recheada de perigo de erro, seja uma cirurgia, uma obra de engenharia, uma ação policial, nem sempre o resultado é o desejado. Mas não podemos abolir as cirurgias, as obras arrojadas da engenharia e nem a polícia deve deixar de confrontar os bandidos com risco de inocentes morrerem com “balas perdidas”. 10 - UM ERRO PARA CORRIGIR OUTRO ERRO Um erro não justifica outro. Dizem os abolicionistas. Resposta: a objeção normalmente parte do pressuposto de que a pena de morte é um erro, sem se dar ao trabalho de provar isso.
  21. 21. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 22 ] Se assim fosse, a mãe não poderia bater no filho quando ele faz alguma travessura, já que bater é errado e não poderia ser usado para corrigir outro erro. Dever-se-iam extinguir as cadeias, porque os erros dos criminosos não justificariam outro erro que é o cárcere forçado. E assim por diante... Erro não se corrige com outro, mas fogo, muitas vezes se corrige com uma linha de fogo. Quando o fogo do incêndio encontra a linha de fogo, o incêndio não encontra mais material para combustão e se apaga. 11 - DIREITOS HUMANOS Na Declaração dos Direitos do Homem, falta o artigo do direito do Estado infringir a pena capital, para os que, violenta e injustamente, arrebatam dos outros o primeiro dos direitos, que é a vida. 12 - PENA DE MORTE É CRUEL Toda pena envolve crueldade. Trancar um criminoso na cela é crueldade, mas nem por isso deve acabar. A vida de um requer a morte de outro... Você que se acha contra a pena de morte, quero lembrar-te que todos os dias você mata uma vida para manter a sua vida. Você mata o pé de alface para fazer sua salada, você
  22. 22. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 23 ] mata o pé de cenoura para comer sua saborosa raiz, você mata frango, porco, bovinos, suínos e peixes para completar sua dieta. Infelizmente a vida tem uma certa dose de crueldade, deixemos de lado o mundo de conto de fadas. A vida na Terra exige morte contínua. O agricultor precisa matar as ervas daninhas para garantir que as hortaliças sobrevivam. Da mesma forma para os justos viverem é necessário que os criminosos sejam mortos. Quando a sociedade moderna optou por abolir a pena de morte, ela na verdade optou em preservar as ervas daninhas e sufocar as hortaliças dos homens de bens. Cinquenta mil brasileiros morrer por anos vítimas de homicídios, se executássemos os homicidas, os traficantes, os latrocidas, os assaltantes e sequestradores, que são as escórias da sociedade, estaríamos poupando a vida de boa parte destes cinquentas mil brasileiros assassinados anualmente. Vou mais além, os abolicionistas irão se responsabilizar diante de Deus com o seu quinhão por pouparem os lobos, por pensarem em dar uma chance aos lobos que não deram chances as ovelhas. 13 - RELIGIÃO E POLÍTICA PARA REPRIMIR Senhores — já advertia Donoso Cortês, profeta da história, há mais de um século — não há mais do que duas repressões possíveis: uma interior e outra exterior, a religião e a política.
  23. 23. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 24 ] Os fins a que o Estado há de servir são: a segurança, a justiça e o bem comum. A primeira coisa que uma sociedade pede ao poder público, dizia o catedrático socialista Julião Besteiro, é segurança. Palácio Valdês perguntava a si próprio: Qual é o supremo dever de quem governa? Sem dúvida o de conseguir que seus governados vivam tranquilos e felizes. 14 - MUITOS SÃO CONTRA A PENA DE MORTE A maioria nem sempre está certa. Na Alemanha nazista, Hitler tinha o apoio de mais de 90% da população e não feriu nenhum artigo da Constituição Alemã… Aliás, esse argumento serviu de defesa para os nazistas no Tribunal de Nuremberg. Foram justamente os pensadores modernos que destruíram o Direito. Foi por meio do positivismo que surgiram os regimes mais sórdidos do mundo. O nazismo e o comunismo são filhos do positivismo e do pensamento de vários autores “modernos” do século passado e deste século, Kelsen entre eles. 15 - ILUSTRES PENSADORES Alguns alegam que a pena de morte é errada porque eminentes autoridade e pensadores são contra esta instituição. Mas só porque alguns pensadores
  24. 24. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 25 ] ensinam que a pena de morte está errada, então, ela estaria errada? Ora, essa alegação é frágil. O que vale são os argumentos em si mesmos e não o “nome” do pensador. Mas, se você quiser nomes, há vários ilustres que defenderam a pena de morte, e a lista é enorme, indo desde o apóstolo Paulo, papa Pio X, passando por Tomás de Aquino, um grande doutor da Igreja. Vale a pena estudá-lo e conhecer seus argumentos. 16 - PENAS ALTERNATIVAS Um assassino não mudará seu jeito de ser com “trabalhos para a comunidade”. Já cansamos de ver bandidos que cumprem penas em “albergues” (nos quais se deveria trabalhar de dia e dormir a noite na prisão) sair para roubar de dia e ir dormir na prisão à noite. Já pensou o Pedrinho matador (criminoso que matou mais de 30 pessoas) prestando serviços à sociedade??? Esses conceitos de prestar serviços a comunidade, penas alternativas, penas ressocializadoras, são consequências de uma visão errada do que causa o crime. O que causa a criminalidade é a maldade, e não a pobreza. Caso contrário, a Índia, que é um país miserável, teria os maiores índices de criminalidade, o que não ocorre. Seriam admissíveis penas alternativas apenas para delitos leves, nunca para crimes graves. É justamente esses pensamentos modernos, consubstanciados nestas frases, que estão destruindo a sociedade: “que não se
  25. 25. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 26 ] deve punir”, “a culpa é da sociedade”, “a pena deve ressocializar o indivíduo”, etc. 17 - REPRESSÃO INIBE O CRIME Veja o caso de Nova York, com a “tolerância zero”. Nova York era mais violenta que São Paulo e quando implantou esta política ficou tão segura quanto algumas cidades europeias com baixa criminalidade, como Barcelona. O que causou a mudança? Repressão ao crime, desde o menos ofensivo até os mais violentos crimes, com pena de morte, inclusive. E não precisamos ficar adstritos aos EUA. Se olharmos para Cingapura, que pune com a morte tráfico de drogas, assassinatos e outros delitos graves e com chibata crimes intermediários, veremos um Estado com baixa criminalidade. Poderíamos dar exemplos semelhantes nos países árabes, nos quais a criminalidade é baixa e a repressão é grande. A antiga ex-URSS também era exemplo de baixa criminalidade e alta repressão, em especial em relação a sequestradores. "A necessidade, com efeito, fundamenta a pena capital, pois é indiscutível que sem ela se multiplicariam os crimes ferozes, chegar-se-ia à desorganização política e social de alguns povos e, em definitivo, iria cada vez mais aumentando o número de malfeitores com o grande perigo para a sociedade que isso representa." (26) 18 - PENA DE MORTE É RETRÓGRADA?
  26. 26. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 27 ] Permita-me dizer que a verdade não depende do tempo. O que era verdade, é e sempre será verdade. No caso da pena de morte, ela sempre foi e sempre será certa. E os pensadores não são bons ou ruins porque são “modernos” ou bons ou ruins por serem “antigos”. O maior filósofo da história foi Aristóteles (também defensor da pena máxima) que é do séc. IV a.C. Aliás, o século XX foi pródigo em pensadores medíocres. 19 - AMPUTAÇÃO SOCIAL Condenar e executar alguém a morte, não é nenhuma coisa agradável, mas é um mal necessário, quando o Estado precisa optar por eliminar um delinquente contumaz ou que praticou algo muito grave, como homicídio. Se for necessário à saúde de todo o corpo humano a amputação de algum membro que estiver infeccionado e possa contaminar os demais, tal amputação seria louvável e saudável. Pois bem, cada pessoa singular se compara a um membro; e, portanto, se um homem for perigoso para a sociedade e a corrompe por algum pecado, louvável e saudavelmente se lhe tira a vida para a conservação do bem comum, pois, como afirma Paulo, 'um pouco de levedura corrompe toda a massa' (I Coríntios 5. 6). À pena capital corresponde a simples eliminação do assassino, como se fora erva daninha para que não prejudique os demais na sociedade. Tomemos mesmo o
  27. 27. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 28 ] exemplo da natureza, ao se plantar uma horta, as ervas “boas” por sua natureza são mansas e requerem mais cuidados. As ervas daninhas são mais agressivas, se deixarmos as duas competirem juntos o que vai acontecer??? Será preciso ser filósofo, sábio, intelectual para saber o que vai acontecer? O agricultor precisa erradicar as ervas daninhas caso contrário elas irão sufocar e matar as hortaliças. Da mesma forma o Estado funciona como o agricultor que deve proteger as hortaliças e eliminar as ervas daninhas. Não adianta tentar “ressocializar” as ervas daninhas tentando transformar suas naturezas. Cadeia só serve para ajuntar traste. Pouquíssimos se conscientizam e largam o crime. Além do que, manter um sistema prisional é caro. Ninguém precisa ser reeducado para aprender a não roubar e matar, isso todos já nascem com a lei escrita no seu DNA. Todavia, os maus precisam ser intimidados para conterem seus impulsos. A ameaça da pena de morte é um argumento convincente. Caso o irretratável não se refreie, a execução da pena se faz mais do que necessária. 20 - TRIBUNAIS DO CRIME A pena de morte é uma instituição divina e está encravada no senso moral dos seres humanos. Em muitos lugares do mundo, onde os Estados fracos não
  28. 28. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 29 ] punem com a morte os que cometem crimes bizarros, os próprios criminosos criam tribunais nas quais os acusados de crimes como estupro ou pedofilia são julgados e se condenados pelos chefões, são executados ali mesmo. A fraqueza dos Estados é tão patente que em muitas favelas, em vez das pessoas buscarem a justiça do Estado de Direito, elas procuram o chefe do tráfico para que julguem suas causas contra os acusados de certos crimes como pedofilia e estupro. Há casos de maridos que espancam violentamente suas mulheres que são expulsos da favela. Alguns chefões também não toleram o adultério feminino e tais mulheres são humilhadas publicamente, todavia se for mulher de bandido ocasionalmente é condenada a morte e ainda o seu corpo é retalhado. 21 - LEI DE TALIÃO Conceição Arenal, criminalista, expressa essa convicção universal com estas notáveis palavras: "O Talião, isto é, um castigo igual ao dano que se provocou, está na consciência da humanidade, na do ofendido e na do ofensor, em todos, é a justiça, severa, porém é a justiça." João Crisóstomo, grande teólogo da Igreja na antiguidade, defendia a pena de morte e a Lei de Talião:
  29. 29. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 30 ] "Tu dizes ser Deus cruel por haver mandado tirar olho por olho, pois se a Lei de Talião é crueldade, também o será reprimir o assassino e cortar os passos ao adúltero. Mas isto só um insensato e um louco poderão por remate afirmá-lo. Eu, de minha parte, tão longe estou de dizer que haja crueldade nisso, que melhor afirmo que, em boa razão humana, o contrário seria antes uma iniquidade... Imaginemos, senão, por um momento que toda a lei penal foi abolida, e que ninguém tenha que temer castigo, que os malvados possam, sem temor, satisfazer suas paixões; que possam roubar, matar, ser perjuros, adúlteros e parricidas. Não é assim que tudo se transtornaria de cima a baixo, e que cidades, praças, famílias, a terra, o mar, o universo inteiro se encheria de crimes e assassinatos? Evidentemente, porque se com todas as leis e seu temor e ameaças, os malvados a duras penas se contêm, se essa barreira se deixara, que obstáculo ficaria para impedir o triunfo da maldade? Com que virulência não intentariam contra nossas pessoas e contra nossas vidas? Com isso juntar-se-ia outro mal menor, o deixar indefeso o inocente e consentir que sofra sem razão nem motivo.” (14) 22 - QUEM INDUTAO CRIMINOSO É CULPADO "D. João VI, quando no Brasil, viu diante de si um miserável, que lhe pedia clemência, depois de ter matado um sacerdote. Antes, já havia sido indultado pelo assassínio de uma mulher grávida. 'Não o indulteis —
  30. 30. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 31 ] ponderou o Conde D'Arcos — este homem cometeu um crime infame'. — 'Um? — retrucou o rei — ele cometeu dois!' — 'Não senhor, um só -— atalhou o Conde — o segundo foi Vossa Majestade quem o cometeu, porque não deveria ter perdoado o primeiro a tão grande criminoso'. O criminoso foi enforcado, e o Conde D'Arcos continuou sendo Conselheiro do Rei". (8) 23 - FILÓSOFOS GREGOS Nem todos defendiam a pena de morte, mas alguns deles discorreram teses sobre a necessidade da pena de morte, como Zenão, Séneca e Cícero. Séneca dizia: "O bom juiz, quando dá ordem de decapitar um réu, condena, mas não odeia". 24 - LIVRE ARBÍTRIO A pena de morte deve ser aplicada aos crimes graves cometidos por pessoas plenamente imputáveis, independente da sua idade. Um alienado de 50 anos pode ser absolvido, enquanto um menino de 10 anos que tinha consciência do seu feito pode ser condenado e executado. 25 - PENA DE MORTE PARA TRAFICANTE
  31. 31. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 32 ] Os países que aplicam pena de morte para traficantes tem uma queda drástica no consumo desta porcaria que enlouquece seus consumidores e acabam por conta da necessidade de comprar drogas, matando e roubando. Assim que punir traficantes com a morte é a forma mais eficiente de combater o consumo de drogas. Sábado, 17 de janeiro de 2015, foi uma data marcada por um fato de repercussão internacional e que leva inevitavelmente a uma reflexão para todos nós. Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, foi o primeiro brasileiro, na história recente, a ser executado em um país estrangeiro. A execução ocorreu na Indonésia. Moreira havia sido preso em 2003 e condenado em 2004 por tráfico de drogas. Além dele, outras cinco pessoas foram mortas pelo governo daquele país. Quatorze países, incluindo os Estados Unidos e Cuba, não aplicam a pena na prática. Apenas em seis, na China, no Irã, na Arábia Saudita, no Vietnã, na Malásia e em Cingapura, os infratores da legislação antidrogas são rotineiramente executados, de acordo com a mais recente análise da ONG. A Indonésia deve se juntar em breve nesta lista, devido a suas execuções recentes. No Iraque, na Líbia, na Coreia do Norte, no Sudão, no Sudão do Sul e na Síria, os dados são desconhecidos. Execuções de traficantes de drogas estão se tornando
  32. 32. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 33 ] mais comuns. Entre 1999 e 2014, a Indonésia realizou apenas sete execuções de traficantes de drogas, de acordo com um registro de uma mídia australiana. Desde que tomou posse há seis meses, o presidente Joko Widodo supervisionou 14, como parte de uma luta contra a dependência de drogas no país, não importando se o contrabando é para dentro ou para fora da Indonésia. No Irã, por sua vez, se executou menos de 100 traficantes de drogas em 2008, mas o país condenou 241 indivíduos à morte nos primeiros quatro meses deste ano, de acordo com a Anistia Internacional. A posse de apenas 30g de algumas drogas sintéticas pode significar enforcamento no país. Estima-se que a China seja o país que mais executa infratores da legislação antidrogas. Ela não publica estatísticas sobre a pena de morte, mas nos primeiros cinco meses de 2014, as condenações por drogas eram 27% maiores do que no mesmo período do ano anterior. 26 - SENTENCIADOS SE CHEGAM A DEUS A PENA DE MORTE têm levado muitos condenados a uma profunda reflexão sobre suas vidas e em última instância tem levado muitos deles a se converterem a Deus antes de suas execuções.
  33. 33. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 34 ] Quando se tem da emenda uma concepção espiritualista e se admite, consequentemente, a sobrevivência da alma individual, a pena de morte, enquanto desperta a alma do condenado, coloca-o de fronte às mais altas responsabilidades morais e religiosas, e pode determinar uma 'conversio ad Deum', que ilumina retrospectivamente, nos últimos momentos, toda uma vida. Exemplo expressivo dessa "conversio ad Deum" foi a de Dimas, o bom ladrão, que, no último instante, ganhou o Paraíso, graças à pena de morte... (7) E Hans Von Hentig informa que, segundo o Dr. Squire, médico da penitenciária de Sing Sing, "de cento e trinta e oito condenados à morte, somente cinco recusaram o auxílio do sacerdote: a maioria ia para a morte com o convencimento de que seus pecados haviam sido perdoados" (6) Bonin foi condenado por sodomia e assassinato. Acredita-se que ele tenha feito mais ou menos 36 A poucos quilômetros do litoral da Flórida, tudo o que o brasileiro Osvaldo Almeida vê pela janela são grades e arames farpados. Foi em uma sala da prisão da cidade de Century que ele falou com a equipe do Fantástico, depois de um mês de negociações com as autoridades. “Já paguei”, ele afirma. O brasileiro tem 41 anos e está preso há 21. Ele foi condenado à pena de morte depois de cometer três
  34. 34. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 35 ] assassinatos, todos na região de Fort Lauderdale, perto de Miami, nos anos 1990. Uma história que o fantástico mostrou 18 anos atrás. Em outubro de 1993, ele matou a prostituta Marilyn Leath. Uma semana depois, assassinou com tiros outra prostituta, Chequita Kahn. A última vítima foi Frank Ingargiola, gerente de um bar que se negou a vender bebida para Osvaldo. Fantástico: Por que você cometeu esses crimes? Osvaldo: Eu era uma pessoa muito diferente nessa época, eu não tinha Deus na minha vida. É realmente difícil explicar isso. Até eu mesmo não entendo. Fantástico: Você se arrepende? Osvaldo: Sim. O arrependimento não sensibilizou a Justiça americana nem a família das vítimas. Na época, a viúva do gerente disse que, sim, Osvaldo merecia a pena de morte. Nem ele discordava. “Eu mereço a pena de morte pelos meus crimes”, disse, à época. De lá para cá, muita coisa mudou. Osvaldo foi transferido de prisão várias vezes, já não usa o uniforme laranja dos condenados à morte. É que ele recorreu da sentença e conseguiu o que parecia impossível: reverter a pena para prisão perpétua.
  35. 35. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 36 ] Fantástico: Naquela época, foi como uma vitória para você? Osvaldo: É o que eu pensei naquela época. Na decisão que mudou a sentença, o juiz disse que a polícia cometeu erros que podem ter influenciado no julgamento. Escapar da execução é o sonho de 3.019 detentos que hoje esperam no corredor da morte nos Estados Unidos. Mas 15 anos depois de apelar e sair da lista de condenados à morte, Osvaldo se arrependeu. “Eu pensei que a prisão ia ser melhor, vida é melhor que morte, mas eu não sabia como ia ser a vida na prisão. Não tem nada para fazer. Aqui é exercício, assistir televisão e ler”, ele diz. Fantástico: Entre ser morto e passar o resto da vida na prisão, o que você prefere? Osvaldo: Ser morto, ser executado. A defensora pública Katherine Puzoni, que tem clientes no corredor da morte, diz que nunca ouviu um caso como o de Osvaldo. Ela acha que não é legalmente possível a Justiça fazer o que o brasileiro quer. No máximo, ele pode apelar à Suprema Corte federal pela liberdade e pedir clemência ao governador, mas a defensora pública diz que é muito difícil o brasileiro acabar sendo solto.
  36. 36. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 37 ] Osvaldo teve uma vida confusa. Nasceu em Boston, filho de uma brasileira e de um português. Aos 5 anos, depois que os pais se separaram, foi morar no Recife com o pai. Aos 12, voltou para os Estados Unidos, levado pela mãe, e virou cozinheiro. Em entrevista ao Fantástico, em 1997, Severina Gamboa tentou explicar assim os crimes cometidos pelo filho: “Ele foi abusado sexualmente pelo irmão da madrasta”. Hoje, a cabeleireira aposentada mora perto de Orlando. Ela só quis dar entrevista por telefone. Fantástico: A senhora acha que algum dia ele pode conseguir a liberdade? Severina: Meu filho, só se Deus fizer um milagre. Fantástico: Ele disse que prefere morrer a passar o resto da vida na cadeia. A senhora, como mãe, o que acha disso? Severina: Eu ainda não disse a ele que concordo, mas no fundo, no fundo do meu coração, eu concordo, porque eu não quero ver ele nesse sofrimento. Dezoito anos atrás, Osvaldo teria sido executado na cadeira elétrica. Hoje em dia, nos 32 estados americanos que têm a pena de morte, o método mais comum é a injeção letal. “Eu sou humano, acho que eu ia sentir um pouquinho de medo disso, eu prefiro sofrer
  37. 37. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 38 ] temporariamente uma dor física sabendo que vou estar com Deus, no céu”, diz Osvaldo. Mesmo tendo matado três pessoas? “Sim, porque eu não sou mais essa pessoa no meu coração”, ele afirma. Hoje, Osvaldo tem todo o tempo do mundo. E, para ele, o tempo é o maior inimigo. Fantástico: Você consegue se imaginar daqui a 10,20,30 anos ou você prefere não pensar? Osvaldo: Eu prefiro não pensar. vítimas, todas mortas por estrangulamento. Ele foi executado por injeção letal, em 23 de fevereiro de 1996, em 49 anos. As últimas palavras dele foram: “Eu gostaria de sugerir às pessoas que estiverem pensando em fazer alguma coisa contra a lei, antes de mais nada, devem ir a um lugar tranquilo e refletir sobre isso à sério”. Uma reportagem do Fantástico, da Rede Globo de Televisão trouxe a seguinte entrevista com um condenado a morte que reverteu a pena, mas depois se arrependeu de ter recorrido: A poucos quilômetros do litoral da Flórida, tudo o que o brasileiro Osvaldo Almeida vê pela janela são grades e arames farpados. Foi em uma sala da prisão da cidade de Century que ele falou com a equipe do
  38. 38. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 39 ] Fantástico, depois de um mês de negociações com as autoridades. “Já paguei”, ele afirma. O brasileiro tem 41 anos e está preso há 21. Ele foi condenado à pena de morte depois de cometer três assassinatos, todos na região de Fort Lauderdale, perto de Miami, nos anos 1990. Uma história que o fantástico mostrou 18 anos atrás. Em outubro de 1993, ele matou a prostituta Marilyn Leath. Uma semana depois, assassinou com tiros outra prostituta, Chequita Kahn. A última vítima foi Frank Ingargiola, gerente de um bar que se negou a vender bebida para Osvaldo. Fantástico: Por que você cometeu esses crimes? Osvaldo: Eu era uma pessoa muito diferente nessa época, eu não tinha Deus na minha vida. É realmente difícil explicar isso. Até eu mesmo não entendo. Fantástico: Você se arrepende? Osvaldo: Sim. O arrependimento não sensibilizou a Justiça americana nem a família das vítimas. Na época, a viúva do gerente disse que, sim, Osvaldo merecia a pena de morte. Nem ele discordava. “Eu mereço a pena de morte pelos meus crimes”, disse, à época. De lá para cá, muita coisa mudou. Osvaldo foi transferido de prisão várias vezes, já não usa o uniforme
  39. 39. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 40 ] laranja dos condenados à morte. É que ele recorreu da sentença e conseguiu o que parecia impossível: reverter a pena para prisão perpétua. Fantástico: Naquela época, foi como uma vitória para você? Osvaldo: É o que eu pensei naquela época. Na decisão que mudou a sentença, o juiz disse que a polícia cometeu erros que podem ter influenciado no julgamento. Escapar da execução é o sonho de 3.019 detentos que hoje esperam no corredor da morte nos Estados Unidos. Mas 15 anos depois de apelar e sair da lista de condenados à morte, Osvaldo se arrependeu. “Eu pensei que a prisão ia ser melhor, vida é melhor que morte, mas eu não sabia como ia ser a vida na prisão. Não tem nada para fazer. Aqui é exercício, assistir televisão e ler”, ele diz. Fantástico: Entre ser morto e passar o resto da vida na prisão, o que você prefere? Osvaldo: Ser morto, ser executado. A defensora pública Katherine Puzoni, que tem clientes no corredor da morte, diz que nunca ouviu um caso como o de Osvaldo. Ela acha que não é legalmente possível a Justiça fazer o que o brasileiro quer. No máximo, ele pode apelar à Suprema Corte federal pela liberdade e pedir clemência ao governador,
  40. 40. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 41 ] mas a defensora pública diz que é muito difícil o brasileiro acabar sendo solto. Osvaldo teve uma vida confusa. Nasceu em Boston, filho de uma brasileira e de um português. Aos 5 anos, depois que os pais se separaram, foi morar no Recife com o pai. Aos 12, voltou para os Estados Unidos, levado pela mãe, e virou cozinheiro. Hoje, a cabeleireira aposentada mora perto de Orlando. Ela só quis dar entrevista por telefone. Fantástico: A senhora acha que algum dia ele pode conseguir a liberdade? Severina: Meu filho, só se Deus fizer um milagre. Fantástico: Ele disse que prefere morrer a passar o resto da vida na cadeia. A senhora, como mãe, o que acha disso? Severina: Eu ainda não disse a ele que concordo, mas no fundo, no fundo do meu coração, eu concordo, porque eu não quero ver ele nesse sofrimento. Dezoito anos atrás, Osvaldo teria sido executado na cadeira elétrica. Hoje em dia, nos 32 estados americanos que têm a pena de morte, o método mais comum é a injeção letal. “Eu sou humano, acho que eu ia sentir um pouquinho de medo disso, eu prefiro sofrer
  41. 41. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 42 ] temporariamente uma dor física sabendo que vou estar com Deus, no céu”, diz Osvaldo. Mesmo tendo matado três pessoas? “Sim, porque eu não sou mais essa pessoa no meu coração”, ele afirma. Hoje, Osvaldo tem todo o tempo do mundo. E, para ele, o tempo é o maior inimigo. 27 - JUSTIÇA INJUSTA O símbolo da Justiça é uma balança. Isto quer dizer que a pena tem que ser proporcional ao crime. Matou, tem que morrer. Fora disto é um jeitinho de iludir a justiça com argumentos falaciosos. Sabiamente expunha estes conceitos, já na Idade Média espanhola, o Livro dos Castigos do rei D. Sancho: "Justiça é dar a cada um o seu; dar ao bom galardão do bem, e dar. ao mau galardão do mal.” AABSOLVIÇÃO DO CRIMINOSO É A CONDENAÇÃO DO JUIZ. (Públio Siro, Mimos, 257) 28 - DOUTORES DA IGREJA NAANTIGUIDADE A Igreja moderna está contaminada com o pensamento mundano, com líderes fracos que só pensam
  42. 42. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 43 ] em ter um grande rebanho para ter poder e dinheiro, muitos estão mais comprometidos com a sociedade contemporânea do que com o amor a verdade. Como a sociedade moderna defende os Direitos Humanos dos bandidos, a igreja com medo de confrontar o mundo, também desenvolveu uma teologia contrária a Palavra de Deus. Mas os pensadores cristãos da antiguidade quase unanimemente defendiam a pena de morte, alguns apenas, recomendavam que os cristãos não deviam participar das execuções. Vejamos alguns: CLEMENTE DE ALEXANDRIA: "porém, quando algum se mostra incorrigível e se lança ao crime, então o Governante, que tem o cuidado de todos, deve, com muito justo direito, levá-lo à morte, para que não cause dano aos demais". AGOSTINHO DE HIPONA, no livro: Cidade de Deus: "Não procederão contra este preceito que diz: Não matarás, aqueles que por mandato de Deus fizerem guerras ou, investidos de autoridade pública, ao estilo das leis, isto é, ao estilo do império da justíssima razão, castigarem os criminosos com a morte." LUTERO E CALVINO: “Não é exagero acrescentar que a tradição protestante, desde os chefes da Reforma, Lutero e Calvino, até anos mui recentes, foi unânime na adoção da pena de morte como lícita e plenamente justificada.” (3)
  43. 43. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 44 ] 29 - LOBOS POUPADOS MANÍACO DO PARQUE O maníaco agora recebe cartas de amor de mulheres apaixonadas. Francisco de Assis Pereira, conhecido como o maníaco do parque, foi um assassino e estuprador brasileiro. . O maníaco teve uma vida conturbada. Uma tia materna o teria molestado sexualmente na infância e com isso ele teria desenvolvido uma fixação em seios. Já adulto, um patrão homossexual o teria seduzido, o que levou ao interesse por relações homossexuais, e uma gótica teria quase arrancado seu pênis com uma mordida, fazendo com ele tivesse medo da perda pênis. Thayná, um travesti com quem viveu por mais de um ano, constantemente apanhava de Francisco
  44. 44. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 45 ] recebendo socos no estômago e tapas no rosto, exatamente como algumas das mulheres que sobreviveram relataram. Ele sentia dor durante o ato sexual, segundo fontes e a impossibilidade do prazer é que fez de Francisco o famoso “Maníaco do Parque”. O maníaco encontrava mulheres na rua e dizia ser um caça-talentos de uma revista, oferecia um bom cachê e convidava as moças para uma sessão de fotos em um ambiente ecológico. Dizia que era uma oportunidade única, algo predestinado, que não poderia ser desperdiçado. O maníaco então levava as vítimas para o parque e lá as matava e as estuprava. Preso, o maníaco negou até quando pôde a autoria dos crimes e até foi solto em determinado momento. O maníaco tinha uma falha na arcada dentária que foi encontrada numa mordida dada no corpo de um dos corpos e assim os casos foram solucionados. O maníaco foi condenado a 130 anos de cadeia e tem se entretido na cadeia respondendo as muitas cartas que mulheres apaixonadas o enviam. Cartas de mulheres endereçadas ao maníaco na prisão: “Eu não sei o que fazer para te distrair. Mas eu tenho uma ideia: primeiro quero dizer que te desejo todas as noites. É muito bom. Te acho gostoso, meu fogoso. Você está juntinho
  45. 45. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 46 ] comigo, dentro do meu coração. Depois que chego em casa, queria você de corpo e alma, te amando. Te quero de qualquer jeito. Eu te amo do fundo do meu coração. Não perca a esperança, acredite em Deus, porque algum dia a gente vai se encontrar. Sei de seu comportamento doentio, por isso quero que fique calmo… Por enquanto, nossos beijos são assim. Mas quero te beijar de verdade. Acho que tens saudades. Eu te amo, te amo, te amo etc., te desejo, te quero de corpo e alma. E me perdoe por tudo que estou sofrendo. Sabe Francis, eu não me conformo, e choro. E eu preciso ser forte (…)”(Rita, 27 anos) “Quero te dizer que estou morrendo de saudade, querendo você… Aih meu Deus como te desejo todas as noites. Eu durmo sozinha e querendo você aqui. Mas sei que é impossível. O certo é eu ir te ver. E como posso sentir. Que é meu? Francisco, não deixe a tristeza tomar conta de você e acabar com o brilho do seu olhar. Acredite em Deus, você não está e nunca ficará sozinho. Jesus te ama, sua mãe e seu pai também e, principalmente, eu…”(Adriana, 22 anos) “Depois que tudo aconteceu, tentei dar um fim a minha vida, mais uma coisa super interessante teve que acontecer, eu pensei muito e tive esperanças, acredite o mundo dá voltas, quando a gente menos espera algo de bom sempre acontece.”(Márcia, 18 anos – suposta ex) BANDIDO DA LUZ VERMELHO
  46. 46. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 47 ] João Acácio Pereira da Costa, conhecido como Bandido da Luz Vermelha foi um assassino, estuprador e ladrão que atuou nos anos 60. Ele entrava nas casas das pessoas para roubar e em muitos desses roubos cometia assassinatos. Ele acordava suas vítimas à noite usando uma luz vermelha. Teria estuprado dezenas de mulheres que não teriam prestado queixa. O bandido foi acusado de 4 mortes e 77 assaltos. Há o boato que ele estuprava suas vítimas depois de matá-las. O bandido também recebia cartas de mulheres na prisão. Uma mente doentia que tinha ódio no coração. Vivia uma vida pacata em Santos e só praticava crimes em São Paulo. Demorou 6 anos para ser preso. Após cumprir os 30 anos previstos em lei, foi libertado na noite do dia 26 de agosto de 1997. Já em liberdade, ganhou
  47. 47. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 48 ] fama na cidade onde passou a morar (sua terra natal, Joinville, em Santa Catarina) por sua obsessão em vestir roupas vermelhas e, ao ser solicitado a dar um autógrafo, simplesmente escrevia a palavra “Autógrafo”. Muitos achavam que ele não tinha chance de se sociabilizar depois de seu período na prisão e o tempo provou que eles estavam certos. Bandido foi internado num manicômio e seria morto com um tiro de espingarda, no dia 5 de janeiro de 1998, durante uma briga com um pescador na Cidade de Joinville/SC. Inclusive, o seu algoz foi absolvido na justiça, por apresentar em sua defesa que a morte ocorreu em legitima defesa. SUZANE VON RICHTHOFEN
  48. 48. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 49 ] Suzane no enterro dos pais. Suzana Von Richtoffen matou aqueles que sempre a ajudaram e sempre lhe estenderam a mão. Motivo? Dinheiro! A ganância e a ambição fez que Manfred e Marísia Von Richtofen fossem mortos por sua própria filha, Suzane Von Richthofen, que queria ficar com a herança dos pais. Suzane abriu a porta para que seu namorado e seu irmão entrassem no quarto de seus pais e os golpeassem com barras de metal enquanto eles dormiam. Ela convenceu seu namorado a matar seus pais para que eles pudessem aproveitar a vida com a enorme herança. Suzane ainda teve a coragem de chorar no enterro dos pais. Suzane e Daniel cravinhos condenados a 39 anos e 6 meses de reclusão; Christian Cravinhos condenado a 38 anos e 6 meses de reclusão. (12) 30 - A QUESTÃO DA REINCIDÊNCIA Um apenado com a pena capital não cometerá crimes novamente. Nos países onde ela existiu, no decorrer da história, sempre houve baixa criminalidade. Por exemplo, na França. Em Paris, entre 1749 e 1789 - quarenta anos - aconteceram apenas DOIS assassinatos. E hoje em dia, nos países que aplicam a pena máxima - como é o caso dos países árabes e de Cingapura - há baixíssima criminalidade. (1)
  49. 49. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 50 ] Como disse o deputado federal Jair Bolsonaro em entrevista ao Jô Soares no programa da Rede Globo de TV: “Nunca se ouviu falar que um condenado a pena de morte reincidiu cometendo novo crime..” Números apurados pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) apontam para uma taxa de reincidência de 70% entre os presidiários brasileiros, alertava, em 2009, o então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e do CNJ, ministro Gilmar Mendes. Seu sucessor, o hoje ex- ministro do STF César Peluso, reforçou o alerta dois anos depois, ao dizer que sete em cada dez presidiários brasileiros voltam à cadeia. Imagine se a pena de morte fosse aplicada aos crimes, pelo menos aos bárbaros como homicídio, latrocínio, roubo, extorsão mediante sequestro e estupro de vulnerável o quanto reduziríamos o número de crime, pois é fato que aqueles que tem tendência ao crime, enquanto livres irão reincidir na mesma prática. 31 - HIPÓTESE DE ARREPENDIMENTO FUTURO Quem é contra a pena de morte costuma argumentar assim: “Não se pode abreviar a vida porque existe a possibilidade de uma graça futura ou de um arrependimento futuro.” - Ora, para Deus não existe tempo. Se tal pessoa deveria receber uma graça no futuro, Deus "anteciparia"
  50. 50. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 51 ] tal graça. Por outro lado, a Justiça não pode trabalhar com meras "hipóteses" ou "suposições". Na argumentação de Tomás de Aquino, o perigo de um criminoso para a sociedade é maior do que a chance dele se converter, e por isso deve ser eliminado. (1) 32 - RAZÃO SEM SENTIMENTALISMO Os que são contra a pena de morte usam argumentos emotivos, em vez de argumentos racionais, fazem apelos sentimentais, em vez de fazer justiça friamente, sem dó. Estes falsos piedosos argumentam: “As pessoas que defendem a pena de morte assim o fazem porque não serão elas as executadas. Se um filho dessas mesmas pessoas estivesse no corredor da morte seriam as primeiras a protestarem contra a pena capital.” Se esse raciocínio fosse verdadeiro, teríamos de acabar com todas as penas, porque quem comete um crime não quer ser condenado, mesmo que tenha defendido a pena para esse crime. O argumento equivale a dizer: "As pessoas que defendem a pena de cárcere forçado assim o fazem porque não serão elas as prisioneiras. Se um filho dessas mesmas pessoas estivesse preso seriam as primeiras a protestarem contra a prisão". O símbolo da justiça é uma mulher com olhos
  51. 51. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 52 ] vendados para não ficar olhando para a cara de coitado que os criminosos fazem quando são capturados. (1) 33 - ABORTO X PENA DE MORTE Aborto é oposto a Pena de Morte. O aborto condena a morte seres humanos inocentes; pena de morte condena a morte seres humanos criminosos. Um argumento doentio dos abolicionistas diz: “Quem é contra o aborto, não pode ser a favor da pena de morte.” - Raciocínio torto esse, totalmente "non sense". Somos a favor de punir bandidos, e não inocentes que nunca fizeram nada. Esse raciocínio é o equivalente a dizer: "quem é contra prender uma criança durante 10 anos numa cela, não pode ser a favor de prender um criminoso por 10 anos numa cadeia". A tese contrária é verdadeira "Quem é a favor do aborto não pode ser contra a pena de morte". Se alguém defende o assassinato de uma criança inocente, não poderá ser contra a execução de um bandido. Infelizmente, hoje em dia, há várias pessoas que são favoráveis ao assassinato intra-uterino (aborto) e são contra a pena de morte. É o cúmulo do "non sense". (1) 34 - ABOLICIONISTAS, ADVOGADOS DO DIABO
  52. 52. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 53 ] Na maioria dos países, essa paz, a base da segurança, desvaneceu-se. Em virtude em grande parte das campanhas abolicionistas, impera a impunidade para uma porção considerável de infrações e aumenta gradualmente o abrandamento dos castigos, com o que, à medida que estes desaparecem, ou se tornam mais suaves, cresce a audácia dos malfeitores e o temor e insegurança dos cidadãos. Tal é o ambiente hoje que, se algum governante faz cumprir a lei com rigor e castiga rápida e inexoravelmente as infrações, depressa é qualificado de tirano, fascista e totalitário. Não se pensa que, se a sociedade há de sobreviver, se não quer condenar-se por si própria à destruição, deve sempre castigar os delitos com o rigor que seja necessário para assegurar eficazmente a ordem jurídica e social. Se o delito fica impune e não há expiação, vãs serão as cominações jurídicas, que não passarão de puro espantalho. Com isso, um sentimento de insegurança apoderar-se-á de todos os membros da sociedade; mas quando os crimes são punidos e expiados como merecem, depressa a paz renasce pujante nos povos e o sentimento a segurança tranquiliza-os. 35 - ABOLICIONISTAS SÃO CRIMINOSOS O padre Emílio Silva, em sua obra PENA DE MORTE JÁ, acusa com razão os abolicionistas de serem criminosos:
  53. 53. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 54 ] É este, sem dúvida, em muitos abolicionistas, o recurso inconfessado, que impulsiona suas ativíssimas campanhas contra a pena capital, pois, como disse um jesuíta muito esclarecido, essa pena "é o obstáculo mais entorpecedor e inquietante na carreira para o crime. Abolida, fica expedito o caminho para seguir matando", e, assim, acelerar o triunfo definitivo da Revolução. Não se surpreendam meus leitores com o paradoxo que lhes vou expor: Os maiores abolicionistas da pena de morte foram os mais terríveis executores da mesma. Bastem para prova tão-só três dos mais famosos exemplos: A Revolução Francesa aboliu na primeira constituição republicana a pena de morte; a ela seguiu-se o império da guilhotina em todas as cidades da França. A constituição soviética também a aboliu, e a ela seguiu-se a execução de muitos milhões de cidadãos. Por sua parte, também a República Espanhola na constituição de 1931 aboliu a pena de morte e a ela seguiu-se em poucos anos a execução de multidão imensa de católicos pelo único delito de ser católicos, de 6.549 membros do clero e de 283 monjas, nenhum dos quais era réu de delito comum nem político. Veja-se por aqui aonde pretendem levar-nos os ardorosos abolicionistas. 36 - IMPUNIDADE INCENTIVA O CRIME
  54. 54. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 55 ] Em São Paulo, as belas mansões que se abriam para jardins onde brincavam as crianças ao cuidado das amas-secas, estão agora guardadas por altíssimos muros, em que com frequência não faltam guardas fortemente armados. Todo um refinado sistema de segurança foi adotado nas vivendas paulistas e cariocas. Em pequenas cidades do Norte, as portas, antes abertas de par em par, são agora protegidas por grades que enfeiam as fachadas. "É o medo e a insegurança imperando de Norte a Sul em todas as latitudes. Que nos reservará em sua agenda o ano de 1984? Mais assaltos a bancos e joalherias? Mais assaltos a residências seguidos de violência e de mortes? Mais estupros? Maior ação de patifes e malandros? Maior número de roubos? Mais assaltos nas estradas e nas cidades? O país aguarda, melhor, o país exige providências que minorem essa onda aterradora de crimes provocadora da insegurança do cidadão." (27) Junco Alfonso, escritor mexicano também endossa o pensamento que a impunidade incentiva o crime: "A estatística mais consumada como a experiência mais elementar estabelecem a mesma coisa de modo conclusivo, que a brandura alimenta o delito e a rigorosa repressão, contém." (41) 37 - O MEDO INIBE O INSTINTO MAL
  55. 55. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 56 ] O sentimento de temor é universal. Todo o mundo se afasta do castigo e de qualquer outra punição. Deus que nos fez sabe muito bem qual é sua eficácia, por isso na Sagrada Escritura se cominam constantemente castigos severos aos infratores das leis. Agostinho, escrevendo a Macedônio, condena tudo em uma frase: "Pelo temor se refreiam os maus, e os bons vivem mais tranquilos entre os maus" — coercentur mali; et quietius inter maios vivunt boni.(28) Seja dito isto de qualquer pena, mas com relação à de morte é de toda evidência que o temor que infunde é superior a qualquer outro. Disse Conceição Arenal: "O réu de morte ama a vida, por regra geral ama-a mais que nenhuma outra coisa; sente, ao perdê-la, a maior das dores; está abatido, consternado." (29) "O temor guarda a vinha", reza o adágio popular. Mas quando não há punição dos facínoras, a sabedoria popular expressa-o inversamente, os criminosos dizem entre dentes: "Mata, mata, que o Rei perdoa." (30) "Onde queira — diz Donoso — que a pena de morte foi abolida, a sociedade destilou sangue por todos os poros." (31) Um grande criminoso não se detém ante uma cadeia perpétua que, pelo comum, nunca é perpétua. Sendo assim, por compaixão para com um homem, há que deixar-se indefesa a sociedade inteira? Por "respeito
  56. 56. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 57 ] a um homem indesejável, vai-se deixar de respeitar a enormidade de pessoas decentes?" O padre Emílio Silva foi a quem recorri inúmeras vezes para dar conteúdo a este livro já que o mesmo foi um defensor acirrado da pena de morte para os crimes brutais, nas suas palavras: “Esse medo que o legislador intenta infundir pela cominação das penas não se dirige só ao escarmento do malfeitor, que em caso da pena capital, já não pode surtir efeito, senão aos demais, como severa advertência para não incorrer nos crimes. (...) Negar a eficácia intimidadora do castigo é algo absurdo, vai contra o sentido comum, é contrário às leis psicológicas e anula um dos meios essenciais no processo pedagógico; está em aberta contradição com a experiência universal em todos os tempos e lugares. É simplesmente uma afirmação gratuita que a ninguém convence.” Baste-nos agora dizer que a experiência universal nos mostra que, quando a cominação da pena máxima ostenta seriedade, o efeito intimidativo é imediato. Um caso entre mil: "Chegou o General Obregón ao México, onde por falta de autoridade se haviam desencadeado crimes em grande número, e baixou uma lei prevenindo que o que cometesse um crime seria fuzilado. Bastou que fuzilassem três ou quatro, exibindo seus corpos, para que acabassem os crimes e os roubos." (32)
  57. 57. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 58 ] O psiquiatra britânico Adrian Raine disse recentemente em entrevista a Revista VEJA que o medo é um freio de emergência que nos impede de quebrar as regras: “Quando temos de tomar uma decisão moral e pensamos em quebrar a lei (e todos nós já pensamos em fazer algo errado), ficamos ansiosos, com um pouco de medo. Esse é o freio de emergência que nos impede de quebrar as regras da sociedade. Mas esse freio não funciona direito nos psicopatas. Eles sabem o que é certo e errado, mas não têm o sentimento correspondente. E é esse sentimento, e não o conhecimento, que nos faz frear nosso impulso. Isso traz uma questão que me fascina. Como os psicopatas têm o motor emocional quebrado – e eles não têm culpa de possuírem essa disfunção.” (33) A pena de morte para crimes como estupro, roubo, sequestro, homicídio vai fortalecer o sentimento de medo quando a pessoa pensar em infringir a lei. Quanto aos psicopatas que não tem freio a execução da pena de morte vai ser a cura da sua “doença”. Posto que a tendência moderna defendida por estes pseudocientistas é a todo mau-caratismo rotular de doente. 38 - DITADURAS APLICAM PENA DE MORTE Governos fracos ou demagogos, ou mesmo constituídos de corruptos e desonestos, evitam a pena de morte, principalmente depois do movimento abolicionista
  58. 58. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 59 ] do século XX. A experiência já tem mostrado que todas as nações que aboliram a pena de morte a incidência de crime aumentou drasticamente. O Brasil é um exemplo do caos e da desordem, quando cinquenta a sessenta mil pessoas são assassinadas todos os anos, não precisa dizer mais nada, o regime político está fracassado. As ditaduras de monarquias absolutistas, teocracias e de governos militares costumam tratar sem benevolência os criminosos e transgressores da lei. Veja esta experiência conta pelo Padre Emílio Silva sobre a sua Espanha: “Pela década de sessenta, durante umas férias em Barcelona, dizia-me um professor, sobrinho meu, ali residente, com quem me hospedei: "Olhe tio, aqui hoje reina a mais completa segurança, já não se ouve falar de homicídios ou de assaltos; nem no Paralelo — zona, em tempos anteriores, do império dos malfeitores — se dão crimes e assaltos!" O próprio Barbero Santos reconhece paladinamente essa segurança quando afirma que "desde 1959 não se executou ninguém no âmbito da jurisdição ordinária". E depois de Franco? À vista, e para inquietação de todos, estão os resultados da desaforada propaganda abolicionista, levada a cabo já anteriormente à definitiva abolição, na Constituição de 78. Faz três anos — em 1981 — de volta a Barcelona, encontro a residência de meu sobrinho reforçada com ferrolhos e mais ferrolhos. "Que novidade é esta?" "Já vês, é o perigo, a falta de segurança. Hoje os assaltos a mão armada sucedem-se a
  59. 59. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 60 ] toda hora" Quão diferente hoje do que era na "larga noite" de Franco, em que a paz e o bem-estar reinavam por toda parte!” (40). 39 - NÃO SÃO CRIMINOSOS, SÃO DOENTES! Em uma palavra, destruída a tábua de valores do antigo direito cristão, hoje, de acordo com as novas teorias, a penalidade tem de ser diferente. Nada de duros castigos e menos ainda de morte, que isso é desumano porque os criminosos só são enfermos, os ladrões cleptômanos e os homicidas maníacos e agressivos; para todos eles os abolicionistas clássicos pleiteiam amparo, refúgio e defesa, pois não são eles os culpados senão a Saúde Pública e a Sociedade. Dar outro tratamento aos malfeitores seria incidir no "bárbaro Talião". 40 - MAÇONARIA É ABOLICIONISTA A maçonaria é uma instituição humanista, centrada no homem e não em Deus. A maçonaria orienta seus membros a se oporem contra a pena de morte, como pode ser lido em um Dicionário da Maçonaria: “A pena de morte é um desses velhos erros que se hão de destruir; uma heresia que sem descanso a Maçonaria deve perseguir. Nenhum maçom que, seja juiz, jurado ou governo, pode condenar à morte e tolerar que tal monstruosidade se cumpra." (42)
  60. 60. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 61 ] Não sei se eles querem evitar a pena de morte com medo deles mesmos serem punidos com a sentença pelos seus crimes, ou porque o caos interessa a muita gente. Imagine quantos advogados viveriam a míngua se as pessoas vivessem obedecendo as leis? Então se cria um sistema judicial que favoreça o crime e consequentemente o litígio judicial. Da mesma forma países que ainda mantêm a pena de morte, não conseguem aplica-la com todo o rigor, devido a infinidade de recursos. Uma vez provado o crime, a sentença e execução deveria ocorrem em poucos dias. Nos Estados Unidos chega a demorar mais de 10 anos para um sentenciado ir para o corredor da morte. O excesso de recursos não é para garantir justiça, é puramente protelatório, e assim os advogados, muitos deles maçons podem lapidar o patrimônio do réu, alegando custas processuais. Então penso que organizações como a Maçonaria e a Ordem dos Advogados são abolicionistas porque eles tem interesses NADA HUMANITÁRIOS!!! II – AS NAÇÕES E A HISTÓRIA 1 - INGLATERRA
  61. 61. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 62 ] Em março de 1960 o Instituto Gallup dava a conhecer que 78% da opinião pública era decidida mantenedora da penalidade máxima. Uma sondagem da opinião pública inglesa (em 1975) "mostra que 88% deseja ver restaurada a pena de morte para homicidas". Depois da abolição decretada em 1969, "nove, de cada dez ingleses, opinam no sentido de que a pena de morte deve ser reintroduzida". 2 - ESTADOS UNIDOS Havendo a Suprema Corte, em 1972, declarado inconstitucional a pena de morte, ficou praticamente abolida no país; porém logo se fez ouvir o clamor público pedindo seu restabelecimento. Uma sondagem do Instituto Gallup manifestou que, de cada 5 ianques, quatro eram partidários da manutenção da pena capital. À vista da espantosa "onda de crimes" que se desencadeou depois dessa mitigação de 1972, moveu-se "uma grande campanha nos meios de comunicação nacional e social para que a Suprema Corte de Washington imponha a pena de morte em toda a nação". Nos EUA, se não houvesse pena de morte haveria ainda mais crimes. Além disso, o sistema americano é imperfeito; há poucas condenações e os processos são demorados demais. Em New York a criminalidade está despencando e um dos motivos é a aprovação da pena de morte. (1)
  62. 62. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 63 ] 3 - ALEMANHA Alemanha — Uma importante revista dos advogados alemães "organizou um inquérito entre 17.000 advogados e notários sobre a pergunta: Pró ou contra a pena capital? O resultado foi que 83% dos interrogados se mostraram favoráveis à pena"- Múller Meinungen, desalentado com a pouca correspondência do público com suas ideias abolicionistas, termina sua exposição com este sonho: "Dia virá em que o grande poder da opinião pública deverá ratificar um NÃO, claro e incondicional, à pena de morte." No ano de 1958 — a abolição havia sido decretada em 1949 — diz Garcia Valdês que 80% dos alemães se mostravam a favor da manutenção e aplicação daquela penalidade, como freio da delinquência. Na Alemanha, uma reforma nazista de 1933 cominou a pena de morte para os mais graves delitos, com efeito retroativo. 4 - FRANÇA Em 1975, 83% eram favoráveis, "enquanto só uns 13% eram de opinião contrária". Em 1978 permanece a mesma proporção do ano anterior. Por isso, dizia Pierre Pujo que os abolicionistas encontram em seu caminho um obstáculo: "A afirmação pública, cujas sondagens têm
  63. 63. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 64 ] indicado, até o presente, que ela permanece oposta à supressão da pena de morte." 5 - CINGAPURA “Um militar, com mão de ferro, assumiu o comando de Cingapura. Em seis meses, dos cerca de 500 mil presidiários sobraram somente 50. Todos os outros (criminosos confessos) foram fuzilados”. A frase é de uma corrente de e-mails que circula há anos pela internet. Falso. Porque Cingapura elimina seus condenados por enforcamento. Mas Cingapura tem muitas lições para nos dá. A cidade-Estado tem indianos, mas não tem o caos típico da Índia, tem chineses; mas não é chinesa nem mesmo em Chinatown; tem muçulmanos, mas não é exatamente o mais conservador dos países. Cingapura é o mais limpo e moderno dos países.
  64. 64. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 65 ] Sejamos francos – muita coisa é proibida por lá. Tanto é que Cingapura é conhecida como “fine city”, expressão em inglês que significa “bela cidade”, mas que também pode significar “cidade das multas”. Lá você pode ser multado por se alimentar dentro de qualquer transporte público; fumar fora de locais demarcados para isso; atravessar fora da faixa de pedestres; andar de bicicleta em locais exclusivos para pedestres; levar um durian (uma fruta absurdamente fedorenta) para dentro do metrô; ou cuspir e jogar lixo nas ruas. E sim, você não pode vender ou comprar chicletes sem autorização por lá, mas a goma de mascar é permitida em situações medicinais, por exemplo.
  65. 65. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 66 ] Não gosta de ordem e decência, então não vá para Cingapura. Esse monte de leis faz de Cingapura um lugar ruim? Não, afinal as leis existem por causa da própria condição da cidade-Estado, que tem muitas almas de culturas diferentes. Jogar lixo no chão dá multa porque Cingapura é casa de imigrantes, e muitos deles vieram de países onde isso é um problema. O mesmo explica a proibição de cuspir na rua (uma das coisas que mais me incomodava na Índia. Afinal, não é nada agradável ser atingido pela cusparada alheia).
  66. 66. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 67 ] Explica até a restrição de venda de chicletes: é que, há alguns anos, era comum jovens colocarem chicletes usados nas portas do metrô e em outros lugares. O governo resolveu o problema restringindo a venda do produto. Você pode até falar que foi uma medida radical, mas ninguém dirá que foi ineficiente. Resumindo: obedeça as leis e você nem vai notar que Cingapura é uma fine city. Não está nem aí para as regras do país? Então não espere gostar de lá, afinal você pode ser punido com uma simples multa, uns meses na prisão, por açoitamento (!) ou até a morte. A punição varia de acordo com a gravidade da ação – assassinos e traficantes podem receber a pena máxima. 6 - JAPÃO Número de execuções vai a 16 no governo do primeiro-ministro Shinzo Abe. País usa a forca como método e condenados são notificados horas antes. O Japão enforcou nesta sexta-feira (25/03/2016) dois condenados à morte, um homem e uma mulher - o que eleva para 16 as execuções assinadas pelo governo do primeiro-ministro Shinzo Abe -, informou o Ministério da Justiça do país. As últimas execuções no país ocorreram em dezembro, quando dois homens foram enforcados por assassinatos múltiplos cometidos em 2006 e 2009. O
  67. 67. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 68 ] Japão é o único país industrializado, ao lado dos Estados Unidos, que mantém pena de morte. Um dos executados é Yasutoshi Kamata, um homem de 75 anos condenado pelos assassinatos de quatro mulheres e de uma menina de 9 anos na província de Osaka, no oeste do país, entre 1985 e 1994. O tribunal considerou provado que Kamata estrangulou as quatro mulheres para ficar com o dinheiro delas e que sequestrou e posteriormente assassinou a menina após pedir o pagamento de um resgate por sua vida. A outra executada é Junko Yoshida, uma ex- enfermeira de 56 anos que foi condenada à morte em 2010 pelo assassinato de dois homens em Kurume, na ilha de Kyushu, no sudoeste do país. Neste caso, a Justiça japonesa considerou provado que Yoshida orquestrou, com a ajuda de outras três colegas de trabalho, os assassinatos de dois dos maridos delas para que todas dividissem o dinheiro dos respectivos seguros de vida. A ex-enfermeira injetou primeiro um sonífero nas vítimas e depois ar nas veias para simular um infarto. As execuções de Kamata e Yoshida aconteceram nos centros de detenção de Osaka e Fukuoka, respectivamente. (39)
  68. 68. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 69 ] 7 - ESPANHA O padre Emílio da Silva, autor do livro; “Pena de morte já” descreve como o instituto da pena de morte na época da ditadura acabou com a onde de assassinatos na Espanha: “O anarquismo apresenta na Espanha uma história muito acidentada. Organizou-se à base dos primeiros congressos da Internacional Socialista de 1864 e 1872, em Londres, no primeiro dos quais se iniciou e no segundo se consumou a cisão do Socialismo entre Marx e Bakunin. O primeiro optou por métodos evolutivos para a transformação da sociedade, enquanto Bakunin e seus partidários, que se chamaram coletivistas e comunistas e mais tarde anarquistas, se decidiram pela ação direta e imediata. Os delegados espanhóis, nesses congressos, aderiram a Bakunin, razão pela qual, nos primeiros anos do século, os puramente socialistas ou marxistas foram muito poucos na Espanha, ao passo que os anarquistas conduziram a maior parte do movimento obreiro revolucionário. Organizados no Sindicato Único e na C.N.T., dominaram o campo. Isto ocasionou um fenômeno singular: O anarquismo estruturado na Rússia, propagado amplamente na França, Itália e outros países, é na Espanha onde vem alcançar seu máximo expoente, em número de adeptos, superior ao do mundo inteiro. Seus atentados e assassinatos eram frequentes e terríveis,
  69. 69. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 70 ] particularmente na Catalunha. Pelos anos 1919/1921 a classe operária e a situação social estavam gravemente perturbadas: a segurança do cidadão em Barcelona desvanecia-se; os crimes sucediam-se sem cessar; até o Governador de Barcelona, homem amante da ordem, foi assassinado; em 16 meses houve 230 assassinatos. O Primeiro-Ministro Eduardo Dato, com a intenção de acalmar os ânimos, nomeou Governador, da Cidade Condal, Carlos Bas, homem muito pacífico e moderado. De nada valeu. A violência, longe de diminuir, foi crescendo. A C.N.T. contava com 80% dos operários de Catalunha, e embora houvesse sido posta, meio ano antes, fora da lei, Bas sabia que continuava funcionando secretamente e recebendo as quotas dos filiados. Uma desinteligência entre o Governador e o Cap. Geral Martinez Anido causou a demissão daquele, e, com intervenção do próprio monarca Afonso XIII, foi nomeado Governador Civil o próprio General Martinez Anido. Este chamou para Chefe de Polícia o General Arlegui e ambos empveenderam com bom êxito o combate ao pistoleirismo anarquista, trazendo de novo a tranquilidade a muitos lugares, havendo inclusive merecido o aplauso de Cambo. Não obstante, isto durou pouco, pois por diferenças de critério do Governador com o Chefe do Governo, Sánchez Guerra, aquele foi removido em outubro de 1922. As coisas desenvolveram-se de mal a pior. Com o incremento da ação anarquista, os assassinatos políticos
  70. 70. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 71 ] na Catalunha de 1919 a 1923 ultrapassaram o número de 700. A comoção, até a histeria, cresceu em Barcelona e em toda Espanha. A imprensa e o povo pediam ao Governo se pusesse paradeiro àquela situação angustiosa. Nessas circunstâncias, em 13 de setembro de 1923, o Capitão- General da Catalunha Primo de Rivera toma o poder. Conhecedor perfeito dos problemas de ordem pública e da insegurança em que vivia o povo, dispõe-se a terminar de uma vez com aquela situação caótica e de infausta criminalidade. Leva Martinez Anido ao Ministério da Governação e o General Arlegui à Direção de Segurança; e o próprio Ditador comina com a pena de morte os graves infratores da lei. Não passaram dez dias e uns pistoleiros assaltam a Caixa Econômica de Tarrasa. Os autores são capturados e incontinenti executados. "A repressão do terrorismo foi levada adiante sem vacilações de nenhum gênero. O rigor da lei caiu do mesmo modo sobre os assaltantes do expresso de Andaluzia."129 O golpe foi sentido pelos malfeitores de toda espécie e o efeito intimidativo fulminante. Veja-se como o descreve E. Aunos: "Esta vez nem sequer teve que pôr o General Martinez Anido em prática suas faculdades. Um só castigo bastou, ainda que pareça inverossímil, para acabar como por encanto, com a súcia desmandada por todo o pis. Tem lugar o assalto de Tarrasa, os autores foram alcançados. Imediatamente foram julgados e
  71. 71. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 72 ] executados. Os criminosos de toda laia, que não estavam acostumados ao rigor da justiça, adquiriram o são convencimento de que rebelar-se contra ela equivalia fatalmente a jogar-se a cabeça. A consequência foi que nos sete anos que durou a Ditadura na Espanha houve uma paz otaviana. Assim, de maneira tão simples, com a só aplicação da lei ficou desvanecido o fantasma do terrorismo.” 8 - IGREJA CATÓLICA A Igreja Católica é contra a pena de morte? O catolicismo sempre ensinou que a pena de morte é legítima. Ela não poderia ir contra o que a Bíblia ensina de modo tão explícito. Vários líderes ditos “santos” defenderam a pena capital, entre eles: Jerônimo, o doutor máximo das Escrituras, Agostinho, Pio V, Pio X e Tomás de Aquino, o maior doutor da Igreja. Quem se opõe à pena de morte não é a Igreja Católica, mas alguns padres e bispos. (1) Até o final do século XIX a Igreja católica e seu clero mantinha a posição firme que a pena de morte é um instituto divino, todavia, o século XX foi marcado por uma apostasia generalizada do cristianismo, tanto católicos como protestantes históricos e evangélicos, todos tentando conciliar a fé cristã com o pensamento moderno.
  72. 72. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 73 ] Em 1867, H. Hello publicou um inventário de 104 pessoas e instituições de diversos países que tomaram parte saliente em movimentos abolicionistas da Europa e ao final, desiludido, declara: "É lamentável que o abolicionismo não haja todavia encontrado nem um só representante no clero católico!" (43) Até então havia-se mantido incólume a doutrina católica nesta matéria, porém em nosso século, sobretudo nos anos posteriores ao Concílio Vaticano II, surgiu um bom número de clérigos, em aberta dissidência com a doutrina da Igreja Católica, todos eles mais ou menos adstritos ao neomodernismo ultraliberal e progressismo, de ampla difusão pós- conciliar. O Modernismo filosófico-teológico foi um movimento surgido em começos do século XX, com o vão intento de conciliar a fé cristã com as modernas aberrações filosóficas e teológicas. III – CRIMINOSOS CONDENADOS 1 - SADDAN HUSSEIN Acusado de massacres, de deportação de populações, de exterminar curdos com gases, de execuções sumárias e punições diversas, Saddam Hussein volta a comparecer perante a Justiça pelo
  73. 73. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 74 ] homicídio em 1982 de pelo menos 140 xiitas. O deposto dirigente iraquiano e sete de seus colaboradores próximos, serão julgados, além dos assassinatos, pelo sequestro de 399 famílias, e a destruição de casas e campos agrícolas em Dujail, região localizada a 60 quilômetros ao norte de Bagdá. 1990 - Ano em que o Kuwait foi invadido pelos soldados de Saddam Hussein. Os militares iraquianos são acusados de praticar crimes contra a humanidade, crimes de guerra, e utilizar as Forças Armadas para invadir o país. 1988 - Durante a guerra Irã-Iraque (1980-88), a aviação iraquiana lançou sobre a cidade curda de Halabja (nordeste do Iraque) uma grande variedade de agentes químicos. Esse bombardeio foi o maior ataque com gás de combate contra civis: cerca de 5.000 curdos iraquianos, em sua maioria mulheres e crianças, morreram em poucos minutos e 10 mil pessoas ficaram feridas ou intoxicadas. 1987 -1988 - Entre esses dois anos aconteceu a campanha de Anfal, quando ao menos 182 mil pessoas foram mortas em deportações em massa e matanças realizadas em povoados curdos. 1980 - 1988 - Durante a Guerra Irã-Iraque, soldados de Saddam teriam realizado um genocídio em território iraniano, além de violar regras internacionais e
  74. 74. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 75 ] utilizar armas proibidas. O Irã apresentou uma acusação formal contra Saddam. 1983 - Saddam teria ordenado a execução de cerca de 8.000 membros do clã curdo Barzani, ao qual pertence do chefe do Partido Democrático do Curdistão, e atual líder regional, Massoud Barzani. 1980 - Início das execuções sumárias de religiosos xiitas, que só terminaria em 1999. (34) Dois dias antes da execução, uma carta escrita por Saddam apareceu no site do Partido Socialista Árabe Ba'ath. Na carta, ele pediu que o povo iraquiano para se unir, e não odiar as populações dos países que invadiram o Iraque, como os Estados Unidos, mas em vez disso os tomadores de decisão. Ele afirmou que estava pronto para morrer como um mártir e disse que esta é a sua sentença de morte. Nas horas antes da execução, Saddam comeu sua última refeição de frango e arroz com um copo de água quente e mel. Então proferiu orações e leu os versículos do Alcorão. Saddam foi executado por enforcamento a cerca de 06:00 hora local (03:00 GMT), em 30 de dezembro de 2006, no dia que os iraquianos sunitas começavam a celebrar o Eid al-Adha. Relatos em conflito quanto à hora exata da execução, com algumas fontes relatando 06:00, 06:05, ou algumas, mais tarde às 06:10. ] A execução ocorreu na base militar conjunta
  75. 75. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 76 ] iraquiano-americana Camp Justice, localizada em Kazimain, um subúrbio no nordeste de Bagdá. (35) 2 - TIMOTHY JAMES McVEIGH Timothy James McVeigh (Lockport, 23 de abril de 1968 — Terre Haute, 11 de junho de 2001) foi um ex- soldado estadunidense condenado pelo Atentado de Oklahoma City que realizou em 19 de abril de 1995. Seu ataque deixou 168 mortos e 850 feridos[1]; foi o ato de terrorismo mais letal dentro dos Estados Unidos até os ataques de 11 de setembro. Foi condenado a pena capital e executado em 11 de junho de 2001. McVeigh foi condenado à morte por ter deixado um veículo com cerca de 2.500 quilos de explosivos em frente ao prédio federal Alfred P. Murrah.[2] Ele era um ex-soldado que lutou na Guerra do Golfo (em 1990-1991). A 16 de Janeiro de 2001, McVeigh desistiu de todos os apelos, tendo a execução sido marcada para 16 de Maio de 2001. Seis dias antes da execução, o FBI revelou que 4000 paginas de documentos não tinham sido entregues à defesa pelo que a execução é adiada para o dia 11 de Junho. McVeigh muda de opinião e autoriza os advogados avançarem com o apelo para o adiamento da sentença. Este é recusado e McVeigh declara-se preparado para morrer. Em sua última refeição, McVeigh
  76. 76. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 77 ] escolheu um litro de sorvete de menta com pedaços de chocolate[3].[4] No dia 11 de junho de 2001, Timothy McVeigh recebeu uma injeção intravenosa no braço direito, com três substâncias químicas: uma para o desmaio, outra para o bloqueio da respiração e a terceiro para a parada cardíaca. Tal processo levou 14 minutos para ser completado. O seu corpo foi cremado e as cinzas espalhadas num local desconhecido. GARY MARK GILMORE Gary Mark Gilmore nascido em 04 de dezembro de 1940 foi um americano criminoso e spree killer, que ganhou notoriedade internacional por exigir que a sua sentença de morte fosse cumprida após dois assassinatos que ele cometeu em Utah. Ele se tornou a primeira pessoa a ser executada nos Estados Unidos após o Supremo Tribunal Americano confirmar a nova série de estatutos da pena de morte em 1976. Gilmore foi à última pessoa a ser executada por um pelotão de fuzilamento nos Estados Unidos até John Albert Taylor ser executado em 1996. Gilmore nasceu em Waco, Texas, o segundo de quatro filhos nascidos de Frank e Bessie Gilmore. Gilmore começou a entrar em conflito com a lei ainda na adolescência, com problemas que iam desde furtos , roubo de carros até assaltos a mão armada. Com 14 anos, Gilmore começou a furtar carros com outros amigos, o que resultou em sua primeira prisão. Ele foi
  77. 77. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 78 ] libertado sobre cuidados de seu pai com um aviso para não reincidir. Duas semanas depois ele estava de volta ao tribunal em outra acusação de roubo de carro. The court remanded him, at age 14, to Oregon 's MacLaren Reform School for Boys , from which he was released the following year. O juiz o mandou, aos 14 anos, para a MacLaren Reform School for Boys no Oregon, da qual ele foi libertado no ano seguinte. Ele foi enviado para a Oregon State Correctional Institution em outra acusação de roubo de carro em 1960 e foi libertado no mesmo ano. Em 1962, Gilmore foi preso e enviado à Penitenciária Estadual do Oregon por assaltos à mão armada e roubos. Ele enfrentou acusações de assalto a mão armada e roubo novamente em 1964, e foram dados 15 de prisão por reincidência. Foi concedida a liberdade condicional em 1972 para viver em uma casa de recuperação em Eugene, Oregon, durante os dias da semana, para estudar e praticar arte em uma escola comunitária . Gilmore nunca compareceu e em um mês ele foi preso e condenado por assalto à mão armada . Devido ao seu comportamento violento na prisão, ele foi transferido de Oregon para a prisão de segurança máxima federal em Marion, Illinois em 1975. Ele estava em liberdade condicional em abril de 1976 e foi para Provo, Utah, para morar com uma prima distante, chamada Brenda Nicol, que tentou ajudá-lo a encontrar trabalho. Gilmore trabalhou brevemente na loja de sapato de seu tio Vern Damico e na empresa de gesso Spencer McGrath, mas
  78. 78. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 79 ] logo voltou ao seu estilo de vida anterior, roubar itens das lojas, beber e entrar em brigas. Gilmore conheceu e teve um romance com Nicole Baker, uma viúva e divorciada de 19 anos, com dois filhos, tudo começou bem, mas logo as brigas tornaram-se intensas e tensas devido ao comportamento agressivo de Gilmore e a pressão da família de Nicole para que ela rompesse seu relacionamento com ele por varias razões, incluindo a diferença de idade e o comportamento imprevisível Gilmore. Na noite de 19 de julho de 1976, Gilmore roubou e assassinou Max Jensen, um funcionário do posto de gasolina Sinclair em Orem, Utah. Na noite seguinte, ele roubou e assassinou Bennie Bushnell, um gerente de motel de Provo. Ele matou essas pessoas, mesmo elas respeitando suas exigências. Como ele usava sua pistola calibre 22 em ambos os assassinatos, ele acidentalmente deu um tiro na mão, deixando um rastro de sangue da arma na garagem onde ele deixou seu caminhão para ser reparado, pouco antes do assassinato de Bushnell. O dono da garagem, ao ver o sangue e ouvir em um rádio da polícia sobre um tiroteio no motel próximo, anotou o número da licença de Gilmore e chamou a polícia. A prima de Gilmore, Brenda, o entregou à polícia pouco tempo depois que ele ligou para ela pedindo curativos e analgésicos pelo acidente causado em sua mão. Gilmore tentou fugir de Provo, mas acabou preso.
  79. 79. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 80 ] Ele foi acusado de assassinatos de Bushnell e Jensen, embora nunca o último caso tenha ido a julgamento, porque aparentemente não houve testemunhas oculares. O julgamento de assassinato de Gilmore começou no tribunal Provo em 5 de outubro. Peter Arroyo, um hóspede do motel, testemunhou que viu Gilmore no escritório de registro do motel naquela noite e que Gilmore assaltou Bushnell saqueando a caixa registradora. Depois de tomar todo o dinheiro, Gilmore ordenou Bushnell a se deitar no chão e, em seguida, disparou nele a sangue frio. A testemunha seguinte foi Gerald F. Wilkes, um técnico local do FBI e perito balística, que testemunhou que ele encontrou a cápsula de bala na cena do crime e comparou com a pistola que Gilmore havia deixado lá. Os dois advogados designados para Gilmore, Michael Craig e Esplin Snyder, surpreendentemente ao contrário do procurador Noall T. Wootton e do juiz Robert J. Bullock não falaram com a maioria das testemunhas de defesa. Gilmore queria testemunhar em seu próprio nome, mas de repente retirou o pedido no dia seguinte. Ambos os lados fizeram alegações finais. Em 7 de outubro, às 10:13, o júri retirou- se para chegar ao veredicto. Ao meio-dia, eles voltaram com um veredicto de culpado. Mais tarde naquele dia, o júri também por unanimidade, recomendou a pena de morte devido a circunstâncias especiais do crime. Na época, Utah tinha dois métodos de execução, pelotão de fuzilamento ou enforcamento, por isso o juiz Bullock
  80. 80. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 81 ] permitiu a Gilmore escolher entre os dois. A resposta de Gilmore foi: "eu prefiro ser fuzilado". A execução foi marcada para segunda-feira, 15 de novembro às 08:00. Em novembro de 1976, durante uma audiência do Conselho de Perdões, Gilmore disse: "Eles sempre querem entrar em ação. Eu não acho que eles têm realmente feito nada de efetivo em suas vidas. Eu gosto de todos eles - incluindo nesse grupo de reverendos e rabinos de Salt Lake City, e todos esses bundões. Esta é a minha vida e esta é a minha morte. Foi sancionado pelos tribunais que eu devo morrer e eu aceito isso”. Em favor de Gilmore foram recebidos vários pedidos de clemência de execução, provocadas pelos esforços da American Civil Liberties Union (ACLU), o último dos quais ocorreu apenas algumas horas antes da data prevista de execução em 17 de janeiro. Esse pedido foi anulado as 7:30 na manhã do dia 17, e a execução foi autorizada a prosseguir como planejado. Durante o tempo em Gilmore esteve no corredor da morte à espera de sua execução, ele tentou o suicídio duas vezes, a primeira vez em 16 de novembro e novamente, um mês depois. Enquanto estava preso, Gilmore desenvolveu uma antipatia profunda por dois de seus companheiros de prisão os assassinos e estupradores Pierre Dale Selby e William Andrews, os "Assassinos da Hi-Fi". Os dois acabaram sendo executados pelos seus crimes em 1987 e 1992, respectivamente. Essa história será retratada aqui em breve. Gary Gilmore foi executado por um pelotão de
  81. 81. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 82 ] fuzilamento em 17 de janeiro de 1977, às 08:07. Na noite anterior, Gilmore havia solicitado uma reunião durante toda a noite com amigos e familiares no refeitório da prisão. Na noite antes de sua execução, foi servida uma última refeição composta de um bife, batata, leite e café, que ele consumiu apenas o leite e café. Seu tio, Vern Damico, que participou da reunião mais tarde afirmou ter secretamente levado um pouco de Jack Daniels para Gilmore beber. Gilmore foi então levado para uma fábrica de conservas abandonada atrás da prisão, que serviu para a execução. Ele foi amarrado a uma cadeira, com uma parede de sacos de areia colocados atrás dele para absorver as balas. Cinco homens armados, da polícia local, estavam escondidos atrás de uma cortina, com cinco pequenos furos cortados para que eles colocassem as suas espingardas que foram destinadas a eles. Ao ser convidado a dizer suas últimas palavras, Gilmore respondeu simplesmente: "Vamos fazer isso!" O Reverendo Thomas Meersman, da Igreja Católica Romana capelão da prisão, fez os últimos ritos para Gilmore. Depois que o médico da penitenciária colocou em Gilmore um capuz preto, Gilmore proferiu suas últimas palavras ao padre Meersman: Dominus Vobiscum (do latim, "O Senhor esteja com você.") e Meersman disse: Et cum spiritu tuo ("E com teu espírito"). Gilmore pediu que, após sua execução, seus olhos fossem utilizados para fins de transplante. Poucas horas depois da execução, duas pessoas receberam suas córneas. A maioria de
  82. 82. O instituto divino da Pena de Morte, por: Escriba de Cristo [ 83 ] seus outros órgãos foram utilizados em transplantes. Seu corpo foi encaminhado para uma autópsia e cremado no mesmo dia. No dia seguinte, suas cinzas foram espalhadas ao longo do espaço aéreo de Spanish Fork, em Utah. (37) 3 - ALBERT HAMILTON FISH Albert Hamilton Fish nascido em 19 de Maio, 1870 foi um pedófilo sado-masoquista, serial killer e canibal. Foi também conhecido como Gray Man (Homem Grisalho), Werewolf of Wysteria (Lobisomem de Wysteria), Brooklyn Vampire (Vampiro do Brooklyn) e The Bogeyman (Bicho - Papão). Fish se orgulhava de ter “violado crianças em cada estado que passou” e afirmou que molestou cerca de cem crianças. Durante a sua vida foi suspeito apenas de cinco mortes. Fish confessou cometer três homicídios e ter atacado outras duas outras pessoas. Foi também julgado pelo rapto e assassinato de Grace Budd. Fish foi condenado à cadeira elétrica. Albert Fish nasceu em Washington em 1870. O seu pai tinha quarenta e três anos a mais que sua mãe e vários membros da sua família tinham doenças mentais. Aos 5 anos o seu pai sofreu um ataque cardíaco e veio a falecer, a mãe deixou Fish em um orfanato. No orfanato ele era frequentemente agredido. Fish descobriu que gostava da dor física e começou a ter ereções quando era agredido, o que o influenciou a gostar do sadomasoquismo. Aos 7 anos sua

×