Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

DIREITO DIVINO A LEGÍTIMA DEFESA

1,390 views

Published on

Deus criou homens, animais, plantas e toda espécie de seres vivos com capacidade e armas naturais para se defenderem e se necessário matar o agressor e predador. Nem o Estado pode usurpar do indivíduo seu direito divino e sagrado de se armar e se defender. Você pode ter arma de fogo e tem o direito de usa-la para se defender, ainda que o Estado proíba. Toda a natureza criada por Deus foi projetada para se defender, não seria os seres humanos que ficariam sem defesa. São ridículas e dignas de insultos as leis que proíbem o indivíduo de se defenderem. Uma lei maior escrita por Deus em todo o mundo diz que você pode pegar pedra, pau, faca, revólver, torpedo, míssil, bomba nuclear e tudo que estiver ao seu alcance para defender sua vida, sua família e sua propriedade. Matar nem sempre é crime, nem sempre é homicídio. Quando leis provenientes de insanos contraria a Deus e a natureza das coisas, você pode cagar nelas sem pecar.

Published in: Law
  • Be the first to comment

DIREITO DIVINO A LEGÍTIMA DEFESA

  1. 1. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 1 ]
  2. 2. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [2] FINALIDADE DESTA OBRA Os materiais literários do autor não têm fins lucrativos, nem lhe gera quaisquer tipo de receita. Os custos do livro são unicamente para cobrir despesas com produção, transporte, impostos e revendedores. Sua satisfação consiste em contribuir para o bem da educação, uma melhor qualidade de vida para todos os homens e seres vivos, e para glorificar o único Deus Todo-Poderoso. Meus livros estão disponíveis gratuitamente na internet. AUTORIZAÇÃO O livro pode ser reproduzido e distribuído por quaisquer meios, usado e traduzido por qualquer entidade religiosa, educacional ou cultural sem prévia autorização do autor. Todos os meus livros são de domínio público. AUTOR: Escriba de Cristo é licenciado em Ciências Biológicas e História pela Universidade Metropolitana de Santos; possui curso superior em Gestão de Empresas pela UNIMONTE de Santos; é Bacharel em Teologia pela
  3. 3. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 3 ] Faculdade das Assembleias de Deus de Santos; tem formação Técnica em Polícia Judiciária pela USP e dois diplomas de Harvard University dos EUA sobre Epístolas Paulinas e Manuscritos da Idade Média. Radialista profissional pelo Senac de Santos, reconhecido pelo Ministério do Trabalho. Nasceu em Itabaiana/SE, em 1969. Em 1990 fundou o Centro de Evangelismo Universal; hoje se dedica a escrever livros e ao ministério de intercessão. Não tendo interesse em dar palestras ou participar de eventos, evitando convívio social. CONTATO: https://www.facebook.com/centrodeevangelismouniversal/ https://www.facebook.com/escribade.cristo SOLICITAÇÃO AOS LEITORES: Se você encontrar erros gramaticais ou se você fala outro idioma e puder colaborar traduzindo esta obra, em qualquer dos casos entre em contato com o autor pelo facebook.
  4. 4. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [4] Dados Internacionais da Catalogação na Publicação (CIP) CENTRO DE EVANGELISMO UNIVERSAL -CGC 66.504.093/0001-08 M543 Escriba de Cristo, 1969 – Direito Divino a Legítima Defesa Itabaiana/SE, Amazon.com Clubedesautores.com.br, 2017 163 p. ; 21 cm ISBN-13:978-1983982255 ISBN-10:1983982253 1. Direito 2. Legítima Defesa 3. Deus 4. Homicídio I - Titulo CDD 341 CDU 342.7
  5. 5. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 5 ] ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 – A NATUREZA A galinha com suas garras e bicos Os búfalos africanos com seus chifres A girafa com seus cascos O hipopótamo com suas mandíbulas As serpentes com seus venenos As abelhas com seus ferrões As plantas de fumo com suas toxinas A acácia com sua química contra as girafas O peixe-elétrico com sua voltagem As tartarugas com seus cascos Os gnus no seriguetti Formigas e os seus soldados O cachalote com sua cabeça
  6. 6. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [6] Os bandos de chimpanzé com seus músculos Tomate reage a injusta agressão dos insetos 2 – A FISIOLOGIA HUMANA O soco O chute A cabeçada A joelhada O tapa A esganadura pelas mãos A esganadura pelo antebraço O coice Unhada Dentada Pisotear 3 A TEOLOGIA DA AUTODEFESA Cristo ensinou pacifismo
  7. 7. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 7 ] A autodefesa no Antigo Testamento Confiando em Deus O dever do governo Civil Autodefesa versus Vingança Autodefesa no Novo Testamento Bençãos e maldições nacionais A posição da Igreja Católica 4 – HISTÓRIAS DA LEGÍTIMA DEFESA Em Israel Na Grécia No Egito Na Índia No Direito Romano No Direito Germânico No Direito Canônico Modelo de Singapura
  8. 8. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [8] Donald Trump nos EUA Tomou a faca e matou dois agressores Tatuou a testa do ladrão Ângela Diniz e Doca Street Senhora dispara contra assaltante Dona Odete Cunhado de Ana Hickmann Israel, terra da legítima defesa Cangaço nordestino O exemplo americano Solução para o Brasil Conclusão
  9. 9. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 9 ] INTRODUÇÃO Deus criou homens, animais, plantas e toda espécie de seres vivos com capacidade e armas naturais para se defenderem e se necessário matar o agressor e predador. Nem o Estado pode usurpar do indivíduo seu direito divino e sagrado de se armar e se defender. Você pode ter arma de fogo e tem o direito de usa-la para se defender, ainda que o Estado proíba. Toda a natureza criada por Deus foi projetada para se defender, não seria os seres humanos que ficariam sem defesa. São ridículas e dignas de insultos as
  10. 10. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [10] leis que proíbem o indivíduo de se defenderem. Uma lei maior escrita por Deus em todo o mundo diz que você pode pegar pedra, pau, faca, revólver, torpedo, míssil, bomba nuclear e tudo que estiver ao seu alcance para defender sua vida, sua família e sua propriedade. Matar nem sempre é crime, nem sempre é homicídio. Quando leis provenientes de insanos contraria a Deus e a natureza das coisas, você pode cagar nelas sem pecar. Este livro se dividirá em algumas partes que representam os argumentos. 1 – Argumento da natureza. 2 – Argumento da fisiologia humana 3 – Argumento teológico. 4 – Argumento histórico. 1 - A NATUREZA A galinha com suas garras e bicos Os homens têm o direito divino de se defenderem contra agressão contra si, sua família, sua propriedade e
  11. 11. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 11 ] sua nação. Este é um direito inalienável e intransferível. Um cristão pode até abrir mão deste direito como prova da sua abnegação e renúncia as coisas deste mundo, mas mesmo assim continua sendo um direito divino. Quem já criou galinhas no quintal da sua casa ou sítio, pode aprender lições divinas observando o comportamento das galinhas. Estas aves domésticas não hesitam em atacar animais maiores como gato ou cachorro que tente se aproximar dos seus pintinhos. As galinhas possuem bicos e garras fortes para facilitarem em se alimentarem, bem como se defender de agressores. Eu já vi um frango atacando uma serpente venenosa da espécie jararaca e capturando-a pelo rabo e a engoliu viva. A habilidade dos galiformes em lutar com bicos e garras são mais evidentes em raças especializadas em brigas. Os galos em geral possuem esporões maiores e mais afiados que podem ferir gravemente um importunador. As galinhas gostam de andar em bando e já vi inúmeras vezes uma galinha dando sinal sonora de perigo e logo todo o bando fica em alerta e quase sempre o galo chefe do galinheiro vem conferir o alerta dado por algum membro do seu bando. Deus não deixou nenhuma criatura sem armas para se defender, não seria os homens que viveriam sem armas de defesa. Mesmo os seres angelicais são citados na Bíblia como lutando entre
  12. 12. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [12] si, entre anjos do bem e anjos do mal. O Estado não pode tomar dos cidadãos o direito de se armarem para se defenderem. Quem entra em sua casa para matar, roubar ou destruir, você pode e deve se defender com as armas mais eficientes para garantir sua segurança e da sua família. O Estado não pode colocar um soldado ou policial na porta da casa de cada cidadão. Qualquer exagero que um cidadão cometer usando uma arma de fogo, ultrapassando os limites dos seus direitos e ofendendo os direitos do próximo, que responda por seus atos com todo o rigor da lei. Os búfalos africanos com seus chifres
  13. 13. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 13 ] Deus criou todas as coisas e pelas obras de Deus entendemos seus pensamentos e quais as regras universais. Uma das regras universais é o direito de legítima defesa individual. É ridículo acreditar que a policia seja onipresente e assim que um meliante estiver em ação, o cidadão vá mandar uma mensagem telepática e o policial em um passe de mágica vai aparecer à sua frente para protege-lo. Os bandidos devem pensar que toda vez que tentarem entrar em ação, ele pode encontrar um cidadão armado e bem preparado para reagir com violência o matando, fazendo que seus instintos criminosos sejam coibidos. A arma de fogo é maravilhosa porque ela iguala o homem de bem e o do mal, iguala o forte e o fraco, iguala a todos... Desarmando o cidadão, quem prevalece é o bandido que não tem preocupação alguma em adquirir uma arma ilegal. Neste ponto o cidadão de bem já se sente desconfortável tendo que comprar uma arma de fogo ilegalmente, já o tornando criminoso. Portanto, esta lei do desarmamento de Estados idiotas como o Brasil, criminaliza o homem de bem, o constrangendo a ser criminoso, ao mesmo tempo que favorece a ação dos criminosos que sabe que os cidadãos estão desarmados. Quando vejo a civilização moderna brasileira me sinto no meio de gente idiota, inferiores aos animais. Não
  14. 14. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [14] são inteligentes como os búfalos que andam em manadas na qual um ataque de leões seria fatal em caso de um indivíduo sozinho, mas em grupo, quando um leão ataca um búfalo, os demais se juntam para tentar pisotear e chifrar os leões e outros predadores. Como todo confronto, nem sempre os búfalos vencem, mas tem armas que Deus deu para lutar que são os cascos duros, a pele dura, os chifres e a coesão do grupo. A girafa com seus cascos Quando vejo o resultado nefasto da lei do desarmamento, fico desconsolado pela imbecialidade humana, tão inteligentes em fazerem maquinas e
  15. 15. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 15 ] equipamentos, depois a sociedade abre mão destes equipamentos e deixam que somente os criminosos as usem. É ridículo uns merdinhas de 13 ou 15 anos tocando terror em um homem de bem, humilhando, forçando a ajoelhar-se e depois atirando impiedosamente como assistimos todos os dias no mundo. Deus dotou as girafas de algumas armas especiais para a luta da vida, uma delas é sua altura, uma vez que conseguem ter uma visão mais ampla nas savanas africanas, podendo detectar pela visão a presença de predadores a longa distância. Sua altura também evita o ataque dos felinos pelas costas, que é um método muito comum destes predadores. Em geral os felinos quando dão bote nas girafas, só conseguem alcançar o quadril ou as coxas, e isto pode ser fatal para os felinos, porque o coice de uma girafa tem uma potencia enorme que pode desmontar o esqueleto dos felinos. Estes dias vi um vídeo em que um leão matou um filhote de girafa, e quando a mãe viu aquilo, ela perseguiu tenazmente o leão que tentava se esconder entre arbusto, mas a mãe furiosa seguiu perseguindo o leão, até que o acerto com coices com a para dianteira, o leão caiu desacordado, e ela continuo golpeando e pisoteando o leão mesmo morto. Um ato comovente de como uma mãe é capaz de enfrentar o rei das selvas quando este matou
  16. 16. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [16] seu filho. Se ela fosse um rato não teria como reagir contra o leão. A arma de fogo, iguala todos os humanos. As pessoas se respeitariam mais, ou por bem, ou por mal. Defendo não somente o divino direito da legítima defesa, bem como o direito da vingança imediata, um criminoso matou seu parente, se você estiver na cena do crime, ou nas imediações, pode perseguir e matar o agressor. Sem cometer crime algum. Assim como esta girafa fez com o leão. Os patéticos cristãos que tem dois deuses, um bonzinho do Novo Testamento, quase um socialista e outro tirano e cruel, um nazi-fascista, não levam em conta que é o mesmo Deus. Na Lei que Deus deu a Moisés ele instituiu a cidade-refúgio que era justamente para o assassino se esconde da vingança, mas ali ele ficaria até o julgamento e se fosse provocado
  17. 17. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 17 ] que ele agrediu injustamente, matando sua vítima, este seria condenado a morte. Suponho que o delinquente nem para a cidade-refúgio queria ir, porque seria sair da panela da vingança pessoal e cair no fogo da vingança estatal. Justiça é sinônimo de vingança justa, retribuição a justa medida. O hipopótamo com suas mandíbulas
  18. 18. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [18] Andar armado para agredir indiscriminadamente não é o propósito do direito da legítima defesa, porque se usar deste direito para agredir os outros, o tal deverá ser logo eliminado da sociedade. Mas todo tipo de armas você tem o direito de ter para proteger sua vida, sua família e sua propriedade. Ainda que mil pessoas invadam sua propriedade, você tem o direito de matar a todos com uma metralhadora. Mas o Brasil tornou os criminosos dos movimentos sem-terra em entidades legítimas que saqueiam o bem do próximo. Se voltássemos a ser humanos na essência da nossa natureza, as invasões não ocorreria mais do que 3 ou 4 vezes, e quando aniquilássemos todos os invasores (INCLUINDO MULHERES, CRIANÇAS E DEFICIENTES), logo não teria mais um idiota querendo invadir propriedade de ninguém. Falando em propriedade, lembro-me de uma cena de uma hipopótamo com seu bebê no rio em que um veado entrou na água. Aquilo foi fatal, o veado correu para uma parte do rio que tinha lama e ele ficou atolado. A mãe hipopótamo não perdoou a invasão do seu território e com suas mandíbulas poderosas, esmagou o veado.
  19. 19. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 19 ] O ser humano tem que respeitar a propriedade alheia, entrar na casa dos outros sem ser convidado pode ser motivo justificado para que o invasor seja morto ali. Um ladrão que entra na casa alheia pode e deve ser executado ali mesmo pelo dono da casa. Se a policia o detiver, a justiça deve ser rápida e rigorosa. Autoridade se impõe por intimidação. Educação é coisa de socialista. Se educação resolvesse alguma coisa quem tivesse nível educacional superior não cometeria crime. Pura balela. Só o medo constrói. Medo de fazer coisa errada. O nome disso é freio moral. Quem não tem freio moral deve ser aterrorizado por leis que estimulem seus freios interiores.
  20. 20. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [20] Mas alguns têm má índole e não vão se conter, para isto Deus dotou o Estado do poder de executar os criminosos contumaz. As serpentes com seus venenos Todo homem de bem que quiser ter uma arma, deve ter para se defender. Mas com certeza alguns que adquirem armas de fogo não possuem o devido controle moral para usa-la somente em caso de ameaça a vida e por qualquer desentendimento vai querer aterrorizar com uma arma em punho. A liberação de armas de fogo não vai isentar a sociedade de enfrentar dilemas de imbecis matar seu irmão, vizinho ou desafeto. Mas a lei deve regular a sociedade e quando alguém extrapola do seu direito de legitima defesa e passa a agredir os demais membros da sociedade, ai entra o estado para tirar de circulação o imbecil. Se alguém mostrou-se desequilibrado de possuir arma, o estado pode vetar o mesmo de compra-la. Mecanismos de habilitar pessoas ao porte de arma deverá peneirar a sociedade e reter em sua malha aqueles indivíduos que deram amostras de sua incapacidade de manusear armas e o pior, de sua incapacidade de lidar com o poder que uma arma de fogo confere ao seu portador.
  21. 21. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 21 ] Devemos aprender com a natureza, Deus nos mostra milhões de lições por meio de suas criações. Vejamos os exemplos das serpentes peçonhentas. Elas foram dotadas por Deus com uma arma poderosa. Já vi cavalos, cães e humanos sucumbirem ante o poder vigoroso do veneno. Toxinas que destroem as células e o sangue da vítima. Mas até as serpentes foram dotadas por Deus com o dom da razão e da ponderação. Elas sabem que não devem usar seu precioso líquido de qualquer maneira, diante de qualquer presa ou situação. Elas sabem que se desperdiçar munição, pode ser que na hora que precise, não tenha. Aquelas pequenas presas que elas podem deter com pouco veneno, porque iriam usar muito? Algumas presas podem ser simplesmente mordidas e engolidas, sem precisar paralisa-las com veneno. Então as serpentes peçonhentas sabem usar com ponderação sua “arma de fogo”. Espera-se dos humanos o mesmo bom senso. Mas os que não têm bom senso, o Estado deve dar corretivos a proporção da sua insensatez. Se matou alguém por razão banal, ele deve ser julgado, condenado e morto. Menos um pateta insensato pensa assim. O Estado não pode proibir o cidadão de ter armas de fogo, nem que isso gere mais mortos por acidentes de arma de fogo, nem que isso gere desgraças cometidas
  22. 22. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [22] por insensato. O homem tem o direito de errar e pagar pelos seus erros. O que não pode é errar e ficar impune. Na civilização moderna morre mais gente por acidente automobilístico do que com arma de fogo, nem por isso, devemos pensar na insensatez de proibir ter carro, moto, ou caminhão para assim acabar com acidentes de trânsito. Da mesma forma armas de fogo nas mãos dos cidadãos vão gerar mais acidentes e mortes, mas nem por isso o homem deve ser privado deste direito. Com a liberação da arma de fogo, deveremos ter mais suicídios, e dai? Eu sou contra suicídio, acho que os suicidas vão para o inferno pelo seu ato de covardia frente a vida e o seu desprezo ao dom de Deus. Por outro lado, acho que pacientes terminais podem requerer o direito a eutanásia, e acho que mesmo sendo condenado por Deus a prática do suicídio, acho que cada um é dono e senhor das suas escolhas. Se quiser suicidar-se, que se mate e depois enfrente as consequências pós-morte. O Estado deve criar mecanismos evitando que pessoas com problemas psiquiátricos, com problemas de droga e álcool, com antecedentes criminais possam ter acesso a arma com aval do Estado, afinal não queremos um banho de sangue, só queremos que homens de bem e de bom juízo possam se defender de ladrões e assaltantes.
  23. 23. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 23 ] Lembremos das serpentes, que usam o veneno com bom senso, quem não tem bom senso, o estado lhe arranca as presas e as glândulas que armazenam toxinas... As abelhas com seus ferrões Use as armas que você tem. Com o arpão, anzol e redes os homens capturaram peixes, com pedras e estilingues mataram pássaros, com flechas derrubaram mamíferos, a medida que os homens evoluíram técnicas
  24. 24. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [24] de combate também usaram para enfrentar as forças da natureza e de outros grupos humanos. Lógico que usamos as nossas armas para o bem e para o mal. Ninguém é inocente em acreditar que liberando os cidadãos a usarem armas, eles só a usarão para o bem. Lembro-me de um caso em Cubatão, em 2003 em que ladrões invadiram um alojamento de trabalhadores e só um deles estava com revólver, sabendo do poder destruidor da arma de fogo, este ladrão apenas mostrava e apontava para os reféns, mas um dos bandidos estava com um garfo de cozinha, um mero talher e este idiota ficava dando “garfada” nos reféns. Mesmo os bandidos sabem que uma vez que puxam o gatilho, o efeito é devastador. Deus deu as abelhas ferrões, a espécie apis melífera, conhecida como abelha europeia ou africana possui um ferrão na cauda. É uma arma poderosa, já vi homens e até cavalos morrerem por um ataque maciço de abelhas. Mas as abelhas sabem que esta arma poderosa que Deus lhe deu para o combate da vida, deve ser usada somente em último estagio, porque as abelhas apis melífera quando ferroa seu oponente, ela deixa o ferrão enfiado no agressor, ou no animal suspeito de ameaçar sua colmeia. Como consequência deste ataque, aquela abelha morre, porque perde um órgão vital.
  25. 25. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 25 ] O homem que anda armado tem que ter consciência que se ele puxar a arma e atirar, isto pode decretar sua punição com a pena de morte, caso sua ação for reputada como criminosa. Se vai ter uma arma, tenha a consciência de uma abelha, porque esta arma pode ser a sua desgraça. Já vi vários amigos meus pegarem suas armas de fogo e se matarem, ou usarem para matar outro ilegitimamente, assim uns foram para o cemitério e outros para a cadeia. Algumas abelhas são precipitadas e confundem um animal que passa próximo a sua colmeia com um agressor e o ataca... Por seu ato precipitado, morre. Mas repito, Deus nos ensina pela natureza, Deus colocou na natureza de todas as coisas sabedoria para ensinar os burros humanos... Em 2016 fiz curso de apicultura com o senhor Gomes, em Praia Grande, famoso apicultor da baixada santista. Ele nos ensinou coisas maravilhosas sobre o comportamento das abelhas. A primeira coisa que uma colmeia faz quando alguém passa os limites de segurança de uma colmeia é mandar alguns batedores para apenas voar e chocar-se contra o corpo do desavisado, é um alerta que se continuar naquela direção, ele vai ser atacado. Quando o desatento continua em direção ao enxame, logo vem os primeiros kamikazes que vão dar a ferroada fatal. Com as suas mortes, estes
  26. 26. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [26] kamikazes liberam feromônio nos ferrões que exalam um cheiro com substância química, avisando as outras milhares de abelhas que aquele é o alvo do ataque. Se o intruso não for bastante ágil, ele logo sofrerá dezenas, centenas e talvez antes das mil ferroadas, já esteja desacordado e em coma. As abelhas estão dispostas a morrerem aos milhares para proteger a rainha, as princesas e a colmeia. Os homens devem ter o senso de proteger sua família e sua sociedade com tal ímpeto, que a sua vida deve ser relegada para segundo plano. Homens de bem, ao vê um assaltante roubando uma vitima, deve por sua vida em risco, sacar sua arma e atirar quantas vezes
  27. 27. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 27 ] achar necessário na cabeça do ladrão, até que não aja mais vida no intruso que ameaçou a sociedade. Como recompensa o Estado o condecora como herói e dar-lhe uma polpuda recompensa financeira. Rapidamente agindo assim, todas as abelhas em prol da colmeia, nós descartaríamos no lixo séptico todos os bandidos e criminosos que promovem o caos. Estado idiota aquele que quer defender os cidadãos dos bandidos. O Estado deve incentivar cada cidadão a ser policial voluntária em defesa da comedia.
  28. 28. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [28] Em vez de cem soldados, nós só precisaríamos de 4 ou 5 em determinada região. Uma vez que um bandido é decretado inimigo da sociedade, sua cabeça é posta a prêmio. Homens sanguinários e corajosos usariam sua selvageria a serviço da lei e da ordem, eles iriam regularmente a uma delegacia buscar sua recompensa e levar o produto cobiçado do Estado: A cabeça de “lampião” e de outros “cangaceiros”. A questão da segurança pública é muito mais simples do que estes idiotas intelectuais socialistas confabulam. Famílias patriarcais em que o chefe de família serve como policial, promotor e juiz em sua casa, já resolveria boa parte dos casos. Ninguém conhece mais a índole dos parentes do que o velho patriarca. Mas Satanás, por meio dos modismos intelectuais acabaram com a figura do patriarca, a demonizaram por meio de novelas e campanhas midiáticas implacáveis. Agora querem uma solução para a criminalidade... Querem mesmo??? As plantas de fumo com suas toxinas As plantas de fumo selvagem são comumente atacadas por uma praga e quando isto ocorre, Deus capacitou as plantas que são também criaturas
  29. 29. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 29 ] inteligentes, além do que a inteligência não se concentra só no cérebro, mas no organismo como um todo, células não tem cérebro, mas também são inteligentes, porque Deus é inteligente e ele dotou quase todas a sua criação com inteligência, mesmo em formas de vida que desconhecemos. Pois bem, quando o fumo percebe que está sendo atacado, o procedimento que ela adota de autodefesa é liberar substancias conhecidas como toxinas em alta concentração para suas folhas, até que o predador não suporta mais e abandona a planta deixando muito vegetal sem comer. O fumo não tem pernas para correr, mas tem arma química para se defender. Muito mais armas têm os homens para se defender de injusta agressão. Toda forma de autodefesa é legítima, desde golpes físicos de mobilização ou fatais, como escudos balísticos, coletes balísticos, carros blindados, câmeras de monitoramento para antever o ataque. Até granada pode ser usada, foguetes, metralhadoras, tudo absolutamente deve ser disponibilizado pelo estado para que o cidadão tenha o direito de se defender. Imponha requisitos como aptidão física, intelectual e emocional com uma forte dose de advertência sobre as responsabilidades pelo mau uso das armas. O lar é inviolável, a propriedade particular é inviolável, a vida é inviolável, qualquer um que ameaçar o próximo, que arque com os perigos de encontrar um cidadão que está
  30. 30. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [30] disposto a matar e morrer pelo seu direito a sobrevivência. O Estado é incapaz de garantir segurança aos cidadãos, a esta altura, no Brasil, nem os policiais conseguem proteger suas vidas, vai o Estado proteger a vida dos cidadãos? Cada criatura Deus deu armas e inteligência para se defender, não espere que o Estado guarde sua vida. Melhor o risco de ser preso por um tempo do que a certeza da morte. A acácia com sua química contra as girafas Nada que Deus escreveu na Bíblia que primeiro ele não tenha escrito na natureza. Poderia citar milhares de exemplos de como toda a natureza é armada para se defender. A diferença entre ser a presa ou predador é tênue, muitas vezes uma dose de vigilância e atenção pode significa mais um dia de vida. Em todos os reinos biológicos podemos notar isto. Na botânica, sabemos que as plantas não podem correr, como no reino animal, mas Deus não deixa ninguém sem uma 765, ou um três oitão para repelir a injusta agressão. O “trabuco” da acácia africana é uma toxina que ela ao perceber que as girafas estão comendo suas folhas rapidamente libera para as folhas. Experimentos científicos detectaram que as
  31. 31. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 31 ] acácias além de se defenderem envenenando as folhas, ela espalha no ar uma substância que avisa as demais acácias da redondeza que um predador está atacando as folhas. As demais acácias compreendendo o sinal químico, também libera toxina nas folhas e as girafas são obrigadas a partirem dali porque as folhas ficaram intragáveis. O miserável que entra no mundo do crime tem que saber que sua empreitada criminosa deve ser tão perigosa que ele deve conter seus instintos selvagens por medo, porque só o medo constrói... Ao pensar em assaltar um transeunte na rua, o desgraçado deverá avaliar que a vítima pode por reflexo perceber a aproximação perigosa e em um reflexo automático pode sacar uma arma e atirar primeiro e de forma fatal no criminoso e ele vai morrer sangrando ali no asfalto quente. O criminoso tem que antes de roubar pensar que ao
  32. 32. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [32] atacar uma velhinha na rua para roubar, três ou quatro cidadãos de bem que testemunhe o crime podem sacar suas respectivas pistolas e fazer uma bela abertura em seus crânios, fazendo vasar a massa de excremento do seu cérebro. Se legítima defesa de terceiro redundar em recompensa financeira de cinco mil reais, por exemplo, o governo terá milhões de cidadãos patrulhando as ruas. Só vai pagar por “produtividade”. O cidadão tem que ser estimulado a perseguir e neutralizar o criminoso, sendo recompensado por este ato de coragem e bravura. No atual sistema pró-socialismo criminoso, os cidadãos são idiotas que só devem sair de fininho e acionar a merda do telefone 190. Se tentar impedir o crime, usando uma arma sem documento, vai responder por homicídio doloso. O Estado e a mídia podre vão cair matando pedindo sua cabeça. Para começarmos um novo Brasil, teríamos que antes de matar os bandidos, teríamos que eliminar com boa parte da classe dita intelectual e dos formadores de opinião, estes babacas de jornalistas e especialistas em porra e caralho, entendeu???? Por isso que não se consegue estabelecer uma ordem rígida sem uma ditadura (ditar com dureza). Pau é pau e pedra é pedra. É ridículo estes pseudo-intelectuais, juristas filho de uma
  33. 33. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 33 ] puta, OAB do demônio que quer vê os bandidos com mil direitos para poderem pagar os mercenários dos advogados. Uma legislação cheia de liminares, redução de pena e a merda toda. O cidadão é um palhaço que sustenta uma elite de advogados e operadores do direito que lucram muito com a injustiça. Imagine um país quase sem crime??? O que faria os promotores, juízes, defensores públicos e advogados??? Toda a corja do nosso ordenamento jurídico é direta ou indiretamente dependente da existência dos criminosos, porque os bandidos tomam dos cidadãos e os operadores do direito tomam os despojos dos criminosos. Só se estabelece justiça executando a maioria dos que se beneficiam do atual sistema, corrompidos pelos seus interesses econômicos. O Estado não tem que reeducar criminosos, tem que proteger os cidadãos. Mentes criminosas tem que sentir medo, porque o medo é o sentimento sublime que freia os instintos maus dos homens. Ao proibir os cidadãos de terem armas, o Estado esta dizendo aos bandidos: Podem roubar, tenha fé em Deus que vai dar certo, os trouxas não tem como reagir. No dia que você for pego, você gasta tudo o que ganhou com advogados e com toda a trupe de facínoras e abutres que vivem as custas da podridão da sociedade.
  34. 34. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [34] Policiais corruptos adoram uma sociedade cheia de crimes e contravenções para poderem extorquir. Outra classe que também não perdoou. Policial corrupto tem que ser decapitado a golpe de machado. Quando executarem os primeiros dez e com as imagens obrigatoriamente disseminadas na mídia e nas redes sociais, rapidinho converteremos os corruptos em santos. Nenhum policial civil vai querem pegar o dinheiro do jogo do bicho, nenhum policial militar vai fazer vista grossa para as boca de trafico. Vamos... é fácil por ordem e progresso... Mas de fato toda a estrutura do poder se beneficia dos cadáveres. São muitos abutres pelo ar e hienas por terra que precisam do cadáver dos seus amigos e parentes e provavelmente do seu cadáver...
  35. 35. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 35 ] Este livro não vai mudar nada, porque a sociedade toda é de certa forma complacente. Leis rigorosas e punições rigorosas, vão afetar a vida de todos e poucos estão dispostos a largar o seu pedaço de carne... Somos uma sociedade de acácias indefesas... Esperemos algum guarda-florestal nos socorrer... O peixe-elétrico com sua voltagem Armas, armas e armas, Deus é chamado na Bíblia de SENHOR DOS EXÉRCITOS, ou Javé dos Exércitos, por que será??? Deus criou uma engenhoca gigante chamada cadeia alimentar e ele se diverte sim com o toma-lá-da-cá do universo. Um se alimentando do outro em uma corrente sem fim. No jogo da vida criado por Deus vence o que usar as suas habilidades com mais diligência. Deus não suporta os desatentos e os desinteressados. A Bíblia diz que quem se mostrar frouxo na hora da luta suas forças serão poucas. Deus é o Deus dos valentes. O espermatozoide mais ligeiro foi o que fecundou o óvulo. Milhões de outros se arrombaram e viveram poucos minutos. Deus criou o peixe-elétrico e disse para aquela espécie: Dê seus pulos meu filho, Se defenda e ataque
  36. 36. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [36] com descargas elétricas que permiti que fizessem parte de sua estrutura. A humanidade ao longo da sua existência desenvolveu várias armas e logo que outros povos adquiriam a nova tecnologia se armavam para ficar em pé de igualdade com os demais. A Bíblia conta o caso dos filisteus em certo tempo da história que não permitiam que Israel tivesse ferreiros para não desenvolverem armas de guerra e assim ficariam subjugados aos filisteus. Os Estados que proíbem seus cidadãos de terem armas de fogo para se defenderem, estão permitindo que os bandidos e salteadores possam pilhar os cidadãos sem resistência. A pessoa deve ter a opção de ter arma de fogo, e acho sinceramente que muitos não devem ter, por não ter o perfil emocional e destreza para usa-la. Mas cada um faça uma autoanálise para vê o que é melhor para você. Estou de saco cheio de um monte de bosta metidos a intelectuais ditando as regras para mim e para minha família. O peixe-elétrico pode dá uma descarga de até 600 volts e eles graças a Deus não tem um puto de um órgão regulador dizendo o que e como eles devem usar. Liberdade, gente, liberdade, fez merda, vai ter que se lascar e pagar pelo que fez. Lembrei-me de um caso em Nova York em que um atirador estava na praça atirando a
  37. 37. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 37 ] esmo e a polícia quando chegou efetuou diversos disparos contra ele, não o atingiu fatalmente, mas por erro, os policiais mataram com balas perdidas cinco cidadãos. Isso mostra que nem a polícia com todo o treinamento tem 100% de aproveitamento, bem provavelmente o cidadão vai cometer erros, mas é o direito de se armar, os acidentes e tragédias estão incluídos no pacote da tecnologia das armas de fogo. Desde que os homens passaram a produzir energia elétrica e a incorporou em sua civilização, quantos não morreram acidentalmente com choques elétricos? Esta no pacote da vida o imponderável, o trágico, só não esta no pacote da vida a passividade, aonde o ladrão vem e eu com a cara de trouxe recebo a instrução do Estado PARA NÃO REAGIR. Dá licença...
  38. 38. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [38] Há uma lei universal que dita a seguinte regra: toda ação provoca uma reação. Fico irado da vida quando vejo policiais idiotas prendendo camponeses que possuem arma de fogo em suas propriedades. Lembro-me lá pelos anos de 2004 um policial ambiental, soldadinho de chumbo trazendo a delegacia sede de Cubatão um lavrador com facão na cintura e botas enlameadas, trazendo o pobre homem porque tinha uma espingarda sem registro, o coitado foi preso em flagrante pela lei do demônio do Desarmamento implantada no Brasil. Policial de merda, vai prender traficante na biqueira e não lavrador!!! Onde está o bom senso para discernir que aquela espingarda era para autodefesa e não para assaltar??? Leis idiotas são para serem desobedecidas e a justiça é mais importante que a lei. Deus fez a justiça, a lei quem faz é um bando de canalhas... É melhor o risco de ser preso do que a sentença de morte. As tartarugas com seus cascos Sou um eterno fá de Deus, o Senhor dos exércitos. Foi Deus quem criou o caverão (carro blindado
  39. 39. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 39 ] da polícia do Rio de Janeiro), foi Deus quem criou escudos, foi Deus quem criou a blindagem. Uma prova disso são os cascos das tartarugas e jabutis. Os cascos dos jabutis são duros como pedras e diante de ameaças eles entram nos cascos, recolhendo a cauda, os membros e a cabeça. Os predadores não conseguem romper o casco duro e a tartaruga e o jabuti só saem do casco depois que a barra fica limpa. Mas seus cascos também são usados em combates mortais. Um dia vi dois jabutis brigando para acasalar com uma fêmea. Naquele dia eu mudei meu conceito sobre os jabutis. Porque mostraram uma agressividade fora do comum com o intuito de perpetuar a espécie por meio do macho geneticamente melhor. Eles brigavam batendo o casco um contra o outro. Encolhiam a cabeça e batiam
  40. 40. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [40] com uma força terrível. Se você colocasse seu dedo entre os dois, seu dedo iria parar longe. Em dado momento, um deles bateu no outro em um ângulo que o jabuti voo quase um metro de distancia, caindo com as pernas para cima. Se eu não estivesse presente, aquele derrotado poderia ser morto. Porque os jabutis tem outra arma dada por Deus igualmente poderosa, as mandíbulas. Uma dentada pode facilmente arrancar um dedo. Em uma destas brigas por acasalamento tive que enterrar um dos derrotados, porque um mordeu a perna do outro arrancando-lhe um pedaço. Como não vi, aquela ferida infeccionou e ele morreu. Quando o achei estava morto e faltando um pedaço da perda com as marcas das mandíbulas de outro jabuti. Deus nunca disse que a vida seria fácil. Levante o rabo deste sofá e seja homem!!! Largue desta conversa de frouxo e deprimido, em toda a Bíblia a palavra que mais se repete é: TENHA BOM ÂNIMO. Já tive muitos amigos que mataram bandidos em confrontos e eu sempre fiz questão de parabeniza-los e até beijar suas pistolas taurus .40. Dane-se o ladrão... Jesus derramou seu sangue por mim, sempre fui fã dos mártires cristãos da história que corajosamente enfrentaram a morte por perseguição do Estado. Ainda
  41. 41. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 41 ] hoje o Estado continua matando os cristãos, suprimindo toda forma de autodefesa, e o resto deixa que os criminosos executem os homens de bem... Os gnus no seriguetti Este animais parecidos com cavalos, mas de menor porte, foi provido por Deus com uma arma poderosa: a coalisão do bando. Muitas espécies são fortes porque andam em bando, de maneira que o inimigo fica intimidado pela força da coalisão. O maior exemplo do poder desta arma que Deus deu aos gnus, está no momento crítico que os gnus têm que atravessar os rios infestados de crocodilos. Os gnus vão chegando na beira do rio e a manada vai se aproximando e a pressão do grupo atrás vai empurrando o primeiro pelotão para dentro do rio. Quando os primeiros gnus não tem mais como resistir a pressão que vem de trás, eles se atiram no rio infestado de crocodilos famintos. Acontece que na natureza nada é burro, nada é aleatório. A única coisa com lampejos de burrice é a humanidade, cujos “intelectuais” estudam a vida inteira e conclui que é o melhor o cidadão de bem ficar desarmado para enfrentar os criminosos... Os gnus são inteligentes e avançam em bandos de centenas de milhares de uma só vez. Os crocodilos que também são inteligentes, acham melhor saírem da frente, porque por mais que sejam fortes,
  42. 42. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [42] milhares de cascos saltando sobre seus corpos, iriam desmancha-los. Então os gnus atravessam em relativa segurança. Mesmo assim os mais fracos e débeis da manada acabam sendo capturados pelos crocodilos. Alguns gnus desgarram da manada e os crocodilos que fazem um corredor polonês nas águas aguardam a passagem de algum gnu pela lateral da manada que possa ser puxado para fora do bloco vivo de gnus. Imagine agora se todos os vizinhos pudessem fazer coalisão de autodefesa em que se alguém vê um sendo assaltado ou vitima de crime na rua, pudesse interferir e neutralizar o criminoso. Imagine uma sociedade onde os cidadãos de bem fossem treinados
  43. 43. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 43 ] para usar armas de fogo e que um ladrão flagrado roubando pudesse ser abatido pelos demais transeuntes. A chamada legítima defesa de terceiros... Em outro livro tratarei do absurdo do sistema penitenciário. Se o crime é leve, uma bela surra pode resolver o problema da contenção moral do mal no indivíduo, que vai pensar bem antes de cometer um crime leve. Outros crimes podem ser punidos com punição pecuniária, e finalmente a mais perfeita das punições: A morte. Com a morte não há mais possibilidade de reincidência... Quem tem o direito de punir os cidadãos é o Estado, mas em um crime em andamento, não dá para esperar o juiz vir analisar o caso e decretar a pena de
  44. 44. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [44] morte do criminoso. Nestes casos, o bandido tem que ser abatido ali mesmo por qualquer um do povo, e depois o juiz analisará o caso para vê se de fato era um caso de legítima defesa ou estrito cumprimento do dever legal. O Estado deve dá a cada cidadão, após o devido treinamento o poder de polícia, de sacar uma arma e atirar no bandido, se necessário. Imagine milhões de “cascos” avançando sobre os crocodilos da sociedade??? Não é possível que a espécie humana com tanto estudo, acumulando conhecimento de geração após geração, por meio de livros e arquivos de computador não consegue se articular para viver mais seguro que os gnus... Como pode um povo como os brasileiros tolerar 60 mil assassinatos por ano, sendo a maioria deles de vítimas de latrocínio e quase nada de mortes provocada por legítima defesa ou estrito cumprimento do dever legal? Formigas e os seus soldados Ordem e progresso são como as formigas se comportam em um formigueiro. O que diz a bandeira do Brasil é somente uma fábula. As formigas trabalham para um bem comum. A constituição brasileira prioriza os DIREITOS INDIVIDUAIS. Quero que se lasquem os direitos individuais. Se as formigas agissem assim há
  45. 45. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 45 ] muito já teriam sido extintas. Em 2016 escrevi um livro que considero uma das minhas obras-primas: FORMIGAS, MARAVILHAS DE DEUS. São coletâneas de informações biológicas sobre a escandalosa organização social das formigas. Uma rede de informação mais eficaz que a internet, é assim que as formigas se comunicam pelos códigos de sinais químicos de feromônio. Com informações precisas e universais entre todos do formigueiro, e uma disciplina de dar inveja aos exércitos de Hitler e das Falanges de Alexandre Magno, o Macedônio, as formigas trabalham em coesão. São cidadãos especialistas em cuidar de limpeza, cuidar das crianças, batedores soldados, carregadores, cortadores, mordomos da realeza, etc. O formigueiro é um organismo vivo, é a mais perfeita democracia. Quando dois grupos se dividem em uma questão, tipo, que trilha seguir, o que a maioria decidir, a outra parte acata a decisão da maioria expressa pela quantidade de votos (feromônios liberados). Criaturas tão pequenas só conseguem ser poderosas porque são capazes de ter coesão. Deus dotou as formigas com armas assustadoras: Coesão, mandíbulas, exoesqueleto fortíssimo e toxinas. Os cientistas acreditam que a única espécie que rivaliza com os homens pelo domínio do planeta são as formigas.
  46. 46. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [46] Elas estão em todas as casas, espionando os humanos e vendo o que podem carregar deles, nem que seja um grão de açúcar. As poderosas formigas enterram mais de 80% dos cadáveres das criaturas da terra. É impressionante como tanta inteligência pode caber em uma cabeça tão pequena. Deus dotou as formigas com uma espantosa força de vontade. Preguiçosos não existem em sua sociedade. Quando os machos demonstram este comportamento, não raros eles são expulsos em época de vacas magras, ainda que tolerados devido o favor genético que eles prestam a sociedade das formigas. Costumo dizer que a preguiça é a mãe de todos os crimes. O preguiçoso não tem coragem de trabalhar, logo ele procura ganhar a vida furtando, ou engando, ou com grave ameaça. Extirpemos os preguiçosos de nossa sociedade e já poderemos começar a avistar a sociedade das formigas como um padrão a seguir. Na Bíblia, e nos contos infantis elas são lembradas pela sua força de trabalho, resignação. Não foi a toa que escrevi um livro para louvar a Deus por ter feito as formigas. A Bíblia é um livro horroroso, do ponto de vista como ela expõe as vísceras da alma humana. Um irmão matando outro por inveja como Caim. Povos idólatras, exércitos carniceiros, monarcas que abusam dos súditos, traidores vendendo seu mestre. Povo votando pela crucificação do seu salvador, religiosos corruptos, adúlteros e adúlteras, falta
  47. 47. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 47 ] de amor, filhas abusando sexualmente do pai. Mulher incentivando o suicídio do marido agonizante, ingratidão inúmeras de escravos libertos do Egito, meu Deus que sociedade é essa??? As formigas são membros da sociedade mais perfeita da terra. Humanidade tem muito o que aprender com as formigas e não acredito que chegará a ser como
  48. 48. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [48] elas, porque o homem é mau caráter por natureza. Em 2016 escrevi um livro intitulado: FORMIGAS, MARAVILHAS DE DEUS. Ali você pode aprender um pouco como se comportam as formigas em sociedade. Vagabundo e preguiçoso não se cria em formigueiro. OS soldados escoltam os trabalhadores durante o trabalho no campo e tanto nos formigueiros como nas colmeias de abelhas guardiões vigiam a entrada do ninho, não entra preguiçoso nem inimigo. Uma abelha que tenta entrar sem néctar, é segura pelos guardas e jogada do lado de fora, só volta com alimento. Malandro que passou o dia todo passeando e depois quer comer mel, vai se lascar... As formigas-soldados são uns caras bem grandão para intimidar os agressores externos e eventualmente alguma formiga infame. Alias, muito raro, porque por gerações eles eliminaram os geneticamente inferiores, preservando o padrão genético dos seus membros. Hoje colocam mulheres como policiais, kkkkkk. Umas meninas loirinhas e bundudas.... Querem intimidar os bandidos ou deixa-los excitados???? Policia para patrulhar deve ser nos melhores padrões das formigas. Caras feios, mutantes grandões, com dedos grossos como os braços dos homens comuns. Policial deve intimidar por aparência e depois por sua arma, conhecimento, blá, blá, blá, blá...
  49. 49. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 49 ] Os imbecis da mídia e ditos intelectuais ainda reclamam que a policia mata muito... Que policias matam em intervenção... Mas a polícia é o braço forte do Estado, os policiais matam muito pouco em proporção ao número de bandidos. Um bandido que atira em um policial, não precisa nem matar, apenas atirar. O mesmo deve ser de todo jeito contido e evitar que seja capturado morto. Deve servir de exemplo aos demais, deve ser torturado publicamente por longo tempo até que morra lentamente, no melhor estilo do inferno. Ele tem que sofrer tanto antes de morrer que deve desejar morrer e ir para o inferno. Não esqueçamos que a tortura também é divina. Para alguns a morte é uma demonstração de piedade. Se Deus fosse só bonzinho, com a morte o pecador estaria livre de punição. Mas a Bíblia é muito clara sobre o sofrimento eterno. Então quem atira em um policial, não pode ser condenado a morte, mas ao tormento. Sim seu trouxa... A punição por tortura é divina, não há exemplos na natureza. Só Deus tortura seus oponentes. Este sofrimento deve ser aplicado aos que atiram contra um agente do Estado quando em exercício de sua função. Todo dia uma surra em praça pública. Sempre sou a favor da pedagogia do medo, porque só o medo constrói, quando o amor e a educação não dá jeito. Filhos com má índole e alunos indisciplinados devem ser obrigados a assistirem regularmente as torturas para “traumatiza-los.” (Se Deus
  50. 50. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [50] não escreveu na Bíblia e nem na natureza, então este não é um padrão que devemos instituir. Este parágrafo apenas expressa um sentimento de vingança que extrapola). Mas não vamos sair do nosso tema, que é o direito do cidadão de se defender de injusta agressão, apenas quero dizer que isto não pode ocorrer sem pais fortes, professores com autoridade, policiais respeitabilíssimos por ser o braço forte do Estado. A Pátria é a força máxima e o poder máximo que deve reger a vida em sociedade. A este ente jurídico Deus deu o poder de legislar, executar e julgar os homens que vivem em sociedade. O que não pode são governos demagogos com os cães dos brasileiros que desde 1988 diz em sua Constituição que SEGURANÇA É UM DEVER DO ESTADO, e de forma paternalista e demagógica, desarmam os cidadãos, acreditando que uma polícia sem autoridade vai conter o crime. Policial distribuindo flores é ridículo, coisa de espécie a beira da extinção... Lembro-me de uma reportagem na TV Bandeirantes na Copa do mundo de 1994 nos Estados Unidos, em que um babaca da Band disse que os policiais americanos são os mais truculentos
  51. 51. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 51 ] do mundo. Porque colocavam uma fita marcando local que não poderiam os torcedores passar dali, quando alguém forçava a fita, tomava um solavanco tão estúpido que rapidinho a massa de torcedores ficava intimidada. Repita comigo: SÓ O MEDO CONSTROÍ... O cachalote com sua cabeça Deus dotou o cachalote com uma arma poderosa: Sua cabeça. A lenda de Moby Dick foi baseada em um caso verídico de legítima defesa. O animal não deixou barato e afundou baleeiro que queria fisgá-lo. 1. O baleeiro Essex deixou o porto de Nantucket, na costa de Massachusetts (EUA), em 1819, para uma
  52. 52. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [52] expedição de caça no Pacífico Sul. Com 27 metros de comprimento e 238 toneladas, era liderado pelo capitão George Pollard Jr., de 28 anos, e levava a bordo outros 20 marujos. 2. Em novembro de 1820, um ano após a partida, os marinheiros avistaram um grupo de baleias e já foram lançando seus arpões. Entre elas, estava um enorme cachalote de, estima-se, 26 metros e 80 toneladas. Com a cabeça cheia de cicatrizes, ele parecia não temer os caçadores. 3. E não temia mesmo. Subitamente, o cetáceo vingador, que estava a 100 metros, sacudiu a cauda e nadou na direção do Essex, atingindo-o brutalmente na lateral. O barco balançou como se tivesse batido numa rocha, derrubando todos no chão. 4. Após o primeiro choque, o cachalote enfurecido se distanciou uns 600 metros e mirou a embarcação de novo, espancando a água com a cauda. O animal então partiu como um míssil na direção do barco e deu o baque fatal. O Essex rachou e começou a afundar. A baleia desvencilhou-se das tábuas estraçalhadas e nadou para longe, sem nunca mais ser vista. Não sejamos insensatos bobinhos... Jesus mandou seus discípulos venderem a capa que servia de
  53. 53. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 53 ] cama a noite para adquirirem uma espada que era a arma mais eficaz daqueles dias... Se fosse hoje Jesus mandaria os apóstolos comprarem um fuzil AR15 para se defenderem. Os bandos de chimpanzé com seus músculos Os chimpanzés são os primatas mais próximo dos homens em termos de escala criacionista (não evolutiva). Consequentemente Deus os fez parecidos conosco em termos de organização social. Família patriarcal, macho- alfa, hierarquia etc. Quando um bando invade o território de outro, os mesmos dão gritos de advertências, em seguida esmurram o peito dizendo que são valentes e estão dispostos a defenderem seu patrimônio nem que tenha que usar de força. Daí por diante a reação é feroz, os chimpanzés sabem jogar objetos como pedra e pau, se precisar dar paulada no inimigo, mas sua arma biológica está na força. Os chimpanzés foram criados por Deus com uma força que muitas vezes chega a dez vezes mais de um humano. Quando profundamente furioso, eles chegam a atacar o inimigo e arranca-lhe até os membros... Pode ser que os invasores vençam a guerra, mas o direito de se defender e de lutar até a morte é garantido pelo Criador. Os macacos conhecem a lei universal de Deus, mas como diz o filósofo Olavo de Carvalho, vivemos em uma geração de imbecis, que nem mesmo os
  54. 54. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [54] conhecimentos intuitivos e naturais conseguimos processar. Sociedades que proíbem a legitima defesa dos seus cidadãos com as armas à disposição são dignas de extermínio pelos próprios elementos pervertidos destas sociedades. É o que acontece com o Brasil. Tomate reage a injusta agressão dos insetos Por todo lado vejo evidências de um Criador de mente brilhante. Um exemplo é como ele equipou o tomate com capacidade de se defender. Quando um inseto morde a planta do tomate, ela com inteligência dada por Deus começa a produzir uma proteína que bloqueia a digestão do inseto. Se ele continuar atacando aquele pé de tomate, ele vai morrer. Deus quer equilíbrio entre todos os seres. A regra é come um pedaço, mas deixe vivo. Beba o leite da vaca, mas não mate-a seu estúpido!!!! Todas as criaturas estão perfeitamente funcionando. Não podemos atribuir tanta perfeição ao acaso. Há uma mente genial que pensou em tudo e depois executou seus planos. Deus. 2 - A FISIOLOGIA HUMANA Deus fez os humanos como cabeça da natureza e por isso os criou com corpos e mentes para serem capazes de subjugar seus oponentes, mesmo que os
  55. 55. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 55 ] oponentes sejam outros humanos. O corpo humano tem características que apontam que Deus os fez para lutar, se necessário. O intuito é a luta pela sobrevivência. Nenhum ser vivo foi criado para se render, se entregar, deixar-se ser subjugado. Nada e ninguém deve aceitar ser roubado e lapidado sem reagir, se puder reaja, revide e mate o agressor. Deus lhe dá o direito de lutar pelo que é mais sagrado: A sua vida!!!! O SOCO O soco é um golpe dado com a mão fechada, afastando o braço para trás e logo em seguida arremessando o braço com toda força para frente, com a mão fechada, os ossos dos 4 dedos devem impactar no oponente. Um soco na altura do estomago, dos rins ou no queixo pode levar a nocaute. Um soco na boca, nariz ou supercilio pode provocar sangramento. Um soco na nuca pode até quebrar o pescoço. Deus fez nossas mãos com a possibilidade de causar lesão grave ou moderada em um oponente. O soco não se usa para educar, mas é um recurso divino de autodefesa. Deus não fez as mãos com esta anatomia em vão, uma das funções é de nos defender com um golpe de mão fechada. Qualquer criança consegue compreender que a mão é a principal parte da anatomia envolvida num soco.
  56. 56. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [56] Porém, na biomecânica do movimento, o soco nasce nos pés. O lutador, seja o de MMA (Artes Marciais Mistas), boxe ou de outra arte que aplique socos, normalmente posiciona-se numa base, com seus joelhos levemente flexionados. Os pés afastam-se para criar equilíbrio. Os braços ficam flexionados, com as mãos à frente do rosto. Os cotovelos ficam próximos ao tronco e os punhos, estendidos. Essa posição é chamada de guarda nas lutas que contemplam socos. A partir da guarda sai a explosão muscular que dispara um soco. Para manter o equilíbrio, os pés nunca devem perder o contato total com o solo – o deslocamento é feito deslizando-os. Como o peso do
  57. 57. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 57 ] corpo fica concentrado sobre a perna dianteira (quando o lutador está em base de ataque), é o pé traseiro que inicia o movimento do soco. É quando o lutador imprime um impulso visando levar seu corpo à frente. Por esse motivo, é tão importante o trabalho de fortalecimento muscular nas pernas, mesmo no boxe, que não permite chutes. Os músculos extensores do quadril (glúteo máximo e posterior da coxa) e do joelho (quadríceps femoral), além dos flexores da articulação do tornozelo (tríceps sural) são responsáveis pelo equilíbrio durante a aplicação de um soco. O impulso iniciado no pé traseiro é transferido para a linha de cintura do lutador. Ao desferir um soco, o atleta precisa girar rapidamente o quadril a fim de aumentar o impulso que veio dos membros inferiores. Esse movimento é acompanhado pelo tronco (que, por causa da concentração de peso sobre a perna dianteira, estará levemente inclinado para frente) e ombros, utilizando assim as musculaturas abdominais, das costas e dos deltoides, transferindo toda a potência gerada ao braço que aplicará o golpe, gerando a aceleração do punho. A força do soco resultará desta potência muscular gerada e a extensão do braço (lutadores com maior envergadura conseguem aplicar maior força em seus socos). Para manter o equilíbrio e aumentar a potência do golpe, todo esse impulso deve ser seguido de um curto passo em direção ao alvo. Por causa dessa mecânica, existem
  58. 58. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [58] diversos fatores que aumentam a potência de um soco além do tradicional exercício com pesos para os músculos dos braços. Não adianta ter bíceps avantajados se o lutador não souber dividir o peso do corpo adequadamente sobre as pernas, não aplicar impulso com a perna traseira, não rotacionar cintura, tronco e ombros. Mais importante do que ser forte (musculatura anabolizada) é ter a técnica correta e ser rápido. Como dizem os mestres, “primeiro aprenda a socar certo; depois, a socar rápido; finalmente soque forte”. (1) O CHUTE
  59. 59. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 59 ] Deus fez o corpo humano com características peculiares. Somos bípedes, isto é, caminhamos sobre dois membros. Veja que as pernas são mais longas e musculosas que os braços. As pernas tem a incumbência na engenharia divina de manter o corpo em pé, de nos possibilitar caminhar, fazer manobras rápidas, as pernas nos permite tomar impulso e saltar obstáculos. As pernas foram feitas principalmente para caminhar, o homem não foi feito para correr, mas para caminhar. Correr prejudica a saúde. Os que defendem o hábito de correr estão prejudicando a saúde. Correr causa impacto nas articulações desde o alto do fêmur, joelhos, tornozelos e pés. Mas Deus em sua sabedoria nos possibilitou correr, todavia é uma estratégia que deve ser usada somente em situação de estresse e emergência. A função das pernas é 99% para caminhar, foi nisto que Deus pensou, mas necessidades podem nos fazer correr ocasionalmente. No plano divino ainda a perna foi criada com outra habilidade: dar chutes. Chutar é um ato de legítima defesa que pode derrubar e até matar um oponente. Deus não deu esta habilidade para os homens usarem gratuitamente contra o próximo, em competições esportivas, mas para em caso de necessidade se defenderem de uma injusta agressão. Conheci um caso em que um homem enciumado sem razão desferiu um tapa no rosto de outro e em
  60. 60. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [60] seguida pegou uma faca na cintura para mata-lo, o ofendido que estava sentado se levantou e em um golpe rápido deu um chute no braço do agressor que a faca caiu-lhe da mão. O agredido após desarmar o agressor com aquele chute “santo” deu diversos socos no agressor até ele ficar nocauteado no chão, com alguns dentes fora da boca. Em seguida chamou a policia e a ambulância. Com a chegada dos policiais mostrou a faca que havia tomado do agressor. Caracterizando legítima defesa e tudo ficou certo. A CABEÇADA Ao longo dos conflitos humanos que terminaram em briga, os golpes com cabeçadas sempre foram um recurso utilizado. Aos que fazem curso de autodefesa, esta parte do corpo também pode ser utilizada para nocautear o inimigo. Deus nos deu a cabeça com uma estrutura dura para proteger o cérebro em caso de pancada. Mas ela também pode ser usada ocasionalmente para atingir um oponente. E 2015 aproximadamente vi em um vídeo, um homem covardemente dá uma cabeçada em uma mulher que a fez cair no solo desmaiada e como sequela ela teve lesão cerebral pela queda. Cada um responda pelos seus atos... Mas convenhamos nosso corpo já é uma arma.
  61. 61. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 61 ] A JOELHADA As partes duras do corpo são armas biológicas que Deus nos deu para em uma eventualidade nos defendermos. A força de uma joelhada é muitas vezes mais potente que um golpe com os braços. O TAPA Bater com a palma da mão aberta não é letal, geralmente é a forma predileta dos pais darem corretivos nos filhos. Doí, arde a pele, mas de pouco potencial de lesão. O tapa é a mão que educa com rispidez, porque algumas vezes isto é necessário. A ESGANADURA PELAS MÃOS
  62. 62. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [62] A esganadura é a forma de asfixia pela constrição do pescoço com as mãos. Ao longo da história da humanidade este golpe foi utilizado como crime diversas vezes praticado por adultos contra crianças e de homens contra mulheres. Em legítima defesa é raramente utilizado, mas uma vez que a vítima seja mais forte e maior, podendo se aproveitar de um vacilo do criminoso, pode desferir um golpe rápido, logo que desarme o bandido. Dependendo do tempo da esganadura, o esganado desmaia, ou morre por asfixia, sem respirar. A ESGANADURA PELO ANTEBRAÇO Golpe chamado de mata-leão. Esta variação tem as mãos agarradas para apoiar a asfixia, permitindo maior pressão aplicada ao pescoço, mas perdendo um pouco do controle da cabeça. Isso altera um pouco o enforcamento, sendo mais aplicado como um repressor de ar ou um enforcamento que restringe tanto o sangue como o oxigênio, que resulta num enforcamento mais lento e doloroso. Dessa forma, essa variante do golpe é mais usada nos níveis avançados do judô. O COICE
  63. 63. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 63 ] O coice é um golpe característico dos quadrúpedes. Se posicionar atrás de equino, bovino pode ser mais perigoso que enfrentar seus chifres. Mas os humanos também dão chutes de frente e coices para trás que podem ferir gravemente. Quando vemos homens lutando vemos a potência ofensiva do corpo humano. O corpo é uma arma em si. UNHADA Golpes com unhadas são característicos das mulheres, pois elas em geral trazem as unhas maiores do que as dos homens. Unhas cravadas na carne, imobilizam parcialmente o oponente. Toda legítima defesa deve ser calculada para que se tenha sucesso. Todavia muitas mulheres quando sofrem ataque sexual tem como impulso natural enfiar as unhas no agressor, mesmo que sua chance de escapar não seja 100%, muitas vezes o criminoso recua. Ao longo da história da pericia médica legal, muitos crimes foram desvendados porque as mulheres conseguiram ferir com unhadas o seu agressor antes de morrer, restando em suas unhas material genético do salafrário e ele também portará feridas específicas de ataque de legítima defesa, perpetrado pela mulher abusada sexualmente.
  64. 64. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [64] DENTADA Algumas pessoas quando muito nervosas ou quase dominadas por instinto passa a desferir mordidas no oponente, principalmente quando os braços e pernas estão imobilizados. Golpe feroz que pode até amputar partes do adversário. Os felinos são campeões em ataques com a boca. PISOTEAR Algumas pessoas quando em luta corporal e conseguem derrubar o oponente, tende a dar golpes com
  65. 65. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 65 ] os pés. Alguns saltam para cima e enfincam os pés com toda força para pisotear o adversário. Usa-se o peso do corpo, mais o impulso para o alto para aumentar ainda mais o peso sobre o corpo do adversário podendo esmaga-lo e quebrar ossos. 3 – A TEOLOGIA DA AUTODEFESA Eu me converti na Igreja Pentecostal Deus é Amor aos 15 anos. Dou graças a Deus por ter conhecido Jesus ali, mas o líder máximo da Deus é Amor na época era David Miranda, cujo conhecimento bíblico era esquelético. Em seu misticismo transloucado tinha uma teologia das mais pobres da história do cristianismo. Focado em um pietismo sem instrução bíblica, ele pregava contra o cristão usar arma, e caso um cristão portasse arma, ainda que legal, era afastado na comunhão. Não podendo nem mesmo exercer profissão que use arma de fogo. Devemos ter compaixão com os fracos na fé e de mentes fracas, que em tudo vê pecado e isto ou aquilo não pode. Devemos ser respeitosos, pois são pessoas de baixíssimo nível intelectual, guiados por semiletrados. Deus tenha misericórdia deles por suas deficiências.
  66. 66. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [66] As próximas páginas contêm o texto na íntegra de Larry Pratt que é diretor executivo da Gun Owners of America (com 150.000 membros), foi eleito Oficial na legislatura estadual da Virgínia, e é presbítero na Igreja Presbiteriana na América, na dissertação a seguir, Larry faz um apanhado de exemplos bíblicos de porte de arma e que Deus nunca e em nenhuma passagem da Bíblia proibiu os seus servos de se armarem com o que melhor tivesse na civilização para proteger a sua vida, do seu povo e a sua propriedade. O grande legislador Moises especificou regras e caso de legítima defesa que resultasse morte. Davi foi homem guerreiro de Deus, Abraão lutou para libertar Ló. Jesus recomendou seus discípulos a se desfazer de gêneros de primeira necessidade como a capa que servia de cama, para que pudesse adquirir algo mais importante: Uma arma letal. O que parece estar subentendido no argumento para o controle de armas é que a disponibilidade de armas causa o crime. Por extensão, a disponibilidade de qualquer coisa que possa ser usada como arma deve ser vista como uma causa de crime. O que a Bíblia diz sobre esse ponto de vista? É melhor que comecemos do início, ou pelo menos muito perto dele – em Gênesis 4. Neste capítulo, lemos sobre o primeiro assassinato. Caim ofereceu um
  67. 67. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 67 ] sacrifício inaceitável e estava perturbado por Deus insistir que ele fizesse a coisa certa. Em outras palavras, Caim estava irritado por não poder fazer a sua própria vontade. Caim estava mais engajado em matar seu irmão do que em andar corretamente com Deus. Não havia armas disponíveis, embora provavelmente houvessem facas. Mas, se foi uma faca ou uma pedra, a Bíblia não diz. O caso é que, o mal no coração de Caim foi a causa do assassinato, não a disponibilidade de armas mortais. A resposta de Deus não foi banir as pedras ou as facas, ou o quer que fosse, mas, banir o assassino. Mais tarde (ver Gen. 9:5-6) Deus instituiu a pena capital, mas não disse sequer uma palavra sobre proibir armas. Cristo Ensinou o Pacifismo? Muitas pessoas, inclusive Cristãos, assumem que Cristo ensinou o pacifismo. Eles citam em seu favor Mateus 5:38-39. Nesse verso Cristo disse: “Vocês ouviram o que foi dito, ‘Olho por olho e dente por dente.' Porém, eu vos digo, não resistais ao perverso; mas a qualquer que te ferir a face direita, dá também a outra.”
  68. 68. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [68] O Sermão do Monte, onde essa passagem se encontra, trata da correta conduta pessoal. Em nossa passagem, Cristo está esclarecendo uma confusão que as pessoas faziam em pensar que a conduta apropriada para o governo civil – isto é, fazer vingança – era também apropriada para um indivíduo. Até mesmo as palavras que Cristo escolheu indicam que Ele estava aludindo à uma confusão, ou a uma distorção, que era corriqueira. Diversas vezes no restante do Sermão do Monte, Cristo usou: “vocês ouviram dizer isto”, uma figura de discurso para expor o engano e a falsidade ensinada pelos líderes religiosos da época.
  69. 69. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 69 ] Contraste isto ao uso que Cristo faz da frase “está escrito” quando Ele apelava para a autoridade das Escrituras (por exemplo, ver Mateus 4 onde em três ocasiões durante sua tentação pelo Diabo, Cristo respondeu a cada uma das mentiras de Satanás pela Escritura com as palavras: “está escrito”). Para perceber melhor o fato de que Cristo estava corrigindo os líderes religiosos sobre seu ensino do “olho por olho” aplicado à vingança pessoal, considere que no mesmo sermão, Cristo condena veementemente o falso ensino: “Qualquer que quebrar algum destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus...” (Mt. 5:19). Fica claro, então, que Cristo não estava ensinando nada sobre a auto-defesa diferente daquilo que é ensinado em outras partes da Bíblia. Caso contrário, Ele estaria se contradizendo, pois estaria agora ensinando os homens a quebrar um dos mandamentos. A referência “olho por olho” foi extraída de Êxodo 21:24-25, que trata de como o magistrado deve agir em relação ao crime. A saber, a punição acompanha o crime. Os líderes religiosos do tempo de Cristo haviam distorcido a passagem que se aplicava ao governo e, de forma errada, a haviam aplicado como um princípio de vingança pessoal.
  70. 70. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [70] A Bíblia claramente distingue entre os deveres do magistrado civil (o governo civil) e os deveres de um indivíduo. Ou seja, Deus delegou ao magistrado civil a administração da justiça. Os indivíduos têm a responsabilidade de proteger suas vidas dos agressores. Cristo se referiu a esta distinção na passagem de Mateus 5. Vamos agora examinar alguns detalhes do que as Escrituras dizem sobre as normas para os indivíduos e o governo civil. Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento ensinam a auto-defesa pessoal, mesmo que isto implique em tomar a vida do agressor, em determinadas circunstâncias.
  71. 71. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 71 ] A autodefesa no Antigo Testamento Êxodo 22:2-3 nos diz: “Se um ladrão estiver roubando, e, sendo ferido, morrer, quem o feriu não será culpado de seu sangue. Se o sol houver raiado sobre ele, haverá culpa por seu sangue. Ele fará restituição total; se não tiver condições, então, será vendido por seu furto.” Uma conclusão que podemos extrair daqui é que uma ameaça à nossa vida deve ser reprimida com força letal. Depois que “o sol houver raiado” parece referir-se a um julgamento diferente daquele permitido à noite. À noite é mais difícil discernir se o intruso é um ladrão ou um assassino. Além disso, a noite torna mais difícil a tarefa de defender-se e, ao mesmo tempo, evitar matar o ladrão. Durante o dia, seria melhor livrar-se do perigo, caso contrário, a defesa torna-se vingança, e esta é prerrogativa do magistrado. Em Provérbios 25:26, nós lemos: “O homem justo que cede ao perverso é como uma fonte que foi turvada e poluída.” Certamente, cederíamos ao perverso se escolhêssemos estar desarmados e incapazes de resistir ao assaltante que pudesse ameaçar nossa vida. Em outras palavras, não temos o direito de abrir mão de nossa vida -- que é presente de Deus -- para o perverso.
  72. 72. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [72] É um erro grave igualar a sociedade civilizada àqueles que se ocupam em assolá-la com maldade, ao invés de serem pessoas decentes. Confiando em Deus Outra pergunta que os Cristãos fazem é, “Ter uma arma não significa certa desconfiança sobre se Deus irá cuidar de nós?” Realmente, Deus irá cuidar de nós. Ele nos disse também que se nós O amássemos, guardaríamos os Seus mandamentos (Jo. 14:15). Os que confiam que Deus trabalha para que eles vivam, sabem que 1 Timóteo 5:8 nos diz: “Mas se alguém não provê para si próprio, e especialmente para os de sua
  73. 73. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 73 ] casa, abandonou a fé e é pior do que um incrédulo.” Não trabalhar, e ainda esperar comer porque está “confiando em Deus” seria simplesmente estar tentando a Deus. O rei Davi escreveu no Salmo 46:1 que “Deus é nosso refúgio e fortaleza, um grande socorro presente na angústia.” Isto não conflita com a oração ao Deus, “Que treina minhas mãos para a guerra e meus dedos para a batalha.” (Sl. 144:1). A doutrina da Escritura é que nós nos preparamos e trabalhamos, mas deixamos o resultado com Deus. Aqueles que confiam em Deus deveriam também fazer a provisão adequada para a sua própria defesa, assim como somos instruídos nas passagens citadas acima. Pois um homem que recuse suprir defesa adequada para si e sua família estará tentando a Deus. Há um agravante com relação a adotar a posição do “eu não preciso me armar; Deus irá me proteger.” Em um certo ponto, quando Satanás estava tentando a Jesus no deserto, ele desafiou Jesus a jogar- se de cima do templo. Satanás presumiu que os anjos de Deus poderiam protegê-Lo. Jesus respondeu: “Novamente está escrito, ‘Não tentarás ao Senhor teu Deus'” (Mt. 4:7)
  74. 74. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [74] Pode parecer piedoso dizer que confia em Deus para proteção – e todos nós devemos confiar – mas tentamos a Deus se não nos submetemos ao padrão que Ele nos deixou na Bíblia. O Dever do Governo Civil A Bíblia registra o primeiro assassinato em Gênesis 4 quando Caim matou seu irmão Abel. A resposta de Deus não foi registrar as rochas ou listar aqueles que possuíam um arado, ou o que quer que Caim tenha usado para matar seu irmão. Ao invés disso, Deus tratou com o criminoso. Desde Noé, a pena para o assassinato tem sido a morte. Vemos a recusa em se aceitar os princípios que Deus nos deu lá no comecinho de tudo. Hoje vemos crescer a aceitação da ideia de que controlar o arsenal de armas disponíveis aos criminosos irá diminuir o crime, enquanto raramente devemos executar aqueles que são culpados de assassinato. Deus nunca esteve interessado em controlar os meios de violência. O que Ele sempre fez foi punir e, quando possível, restaurar (seja por restituição e excomunhão) o transgressor. O controle de indivíduos deve ser deixado a seu autogoverno. A punição dos
  75. 75. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 75 ] indivíduos pelo governo civil deve ser feita quando acontece algo de errado com esse autogoverno. Em nenhuma parte da Bíblia Deus deixa brecha para tratar dos instrumentos de crime. Ele sempre foca nas consequências que um indivíduo terá de arcar para suas ações. O céu e o inferno só dizem respeito às pessoas, não às coisas. A responsabilidade pertence somente às pessoas, não às coisas. Se esse princípio, que está profundamente arraigado na lei comum, permanecesse ainda hoje, os legisladores contra os fabricantes de armas deveriam banir somente os produtos que funcionassem mal. Autodefesa Versus Vingança Resistir a um ataque não deve ser confundido com fazer vingança, a qual é domínio exclusivo de Deus (Rom. 12:19). Ela tem sido delegada ao magistrado civil, que, como lemos em Romanos 13:4, “...é ministro de Deus para teu bem. Mas se fores mal, teme; pois não é em vão que vem a espada; pois é ministro de Deus, um vingador para castigar o que pratica o mal.” Os meios de vingança pessoal podem tornar alguém um criminoso se agir depois que sua vida não está mais em perigo, ao contrário de quando alguém está se defendendo de um ataque. Esse é o ponto crucial que
  76. 76. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [76] têm sido confundido por cristãos pacifistas que querem tomar a passagem do Sermão do Monte sobre dar a outra face (o que proíbe a vingança pessoal) como um mandamento para anular-se ante o perverso. Consideremos também o que nos diz o Sexto Mandamento: “Não matarás.” Nos capítulos seguintes, Deus dá a Moisés algumas situações que requerem a pena capital. Evidentemente, Deus não está dizendo que nunca se deve matar, mas que não devemos tirar a vida de um inocente. Considere também que o magistrado civil é um terror para aqueles que praticam o mal. Essa passagem não está de modo algum significando que o papel da lei obrigatoriamente é prevenir crimes ou proteger os indivíduos dos criminosos. O magistrado é um ministro que serve como “um vingador para castigar o que pratica o mal” (Rom. 13:4). Este ponto está refletido na doutrina legal dos Estados Unidos. Repetidamente, as cortes mantiveram que o governo civil não tem nenhuma responsabilidade de fornecer segurança individual. Em um caso (Bowers x DeVito) se expressou desta maneira: “Não há nenhum direito constitucional para ser protegido pelo estado contra ser assassinado.”
  77. 77. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 77 ] Autodefesa no Novo Testamento Cristãos pacifistas podem tentar argumentar que Deus mudou Sua mentalidade do tempo em que Ele deu os Mandamentos a Moisés no Monte Sinai. Eles podem, por exemplo, querer que nos convencer de que Cristo cancelou os Dez Mandamentos de Êxodo 20 ou a base para o assassinato justificável de um ladrão em Êxodo 22. Mas o escritor aos Hebreus deixa claro que não é assim, porque “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente” (Heb. 13:8). No Velho Testamento, o profeta Malaquias grava da seguinte maneira as palavras de Deus: “Pois eu sou Javé, eu não mudo.” (Mal. 3:6). Paulo estava se referindo à imutabilidade da Palavra de Deus quando escreveu a Timóteo: “Toda Escritura é dada por inspiração divina, e é útil para o ensino, admoestação, correção, para instrução na justiça, para que o homem de Deus possa ser perfeito, completamente capacitado para toda boa obra” (2 Tim. 3:16-17). Evidentemente, Paulo encarava toda a Escritura, incluindo o Velho Testamento, como útil para instruir os cristãos em cada área da vida. Devemos considerar também que Cristo disse a seus discípulos em suas últimas horas com eles: “...Mas agora, quem tem uma bolsa, tome-a, e faça o mesmo
  78. 78. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [78] quem tiver uma espada; e quem não tiver uma espada, venda sua capa e compre uma” (Lc. 22:36). Tenha em mente que a espada era a mais letal arma ofensiva disponível para um soldado individual – seria o equivalente hoje a um rifle militar. Os pacifistas cristãos provavelmente irão objetar nesse ponto que algumas poucas horas mais tarde, Cristo repreende Pedro por usar uma espada para cortar a orelha de Malco, um servo do sumo sacerdote em companhia de um destacamento de tropas. Vemos ler o que Cristo diz a Pedro em Mateus 26:52-54: Embainha a tua espada, pois todo aquele que usa a espada irá perecer pela espada. Ou você pensa que eu não posso agora orar a Meu Pai, e ele me mandaria mais do que doze legiões de anjos? Como, então, pode ser cumprida as Escrituras dizendo que isto deve acontecer? Na passagem paralela em João 18, Jesus diz a Pedro para guardar sua espada e diz que beberá do copo que Seu Pai lhe tem dado. Não era a primeira vez que Cristo explicava a seus discípulos porquê ele veio à terra. Para cumprir a Escritura, o Filho de Deus teve de morrer pelos pecados do homem, uma vez que o homem era incapaz de pagar por seus próprios pecados, livrando-se
  79. 79. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 79 ] do fogo do inferno. Cristo poderia ter salvado sua vida, mas então os crentes perderiam suas vidas eternamente no inferno. Essas coisas tornam-se claras para os discípulos somente depois de Cristo ter morrido e levantado dos mortos, e depois do Espírito ter vindo ao mundo no Pentecostes (ver Jo. 14:26). Quando Cristo disse a Pedro “ponha sua espada no lugar,” evidentemente ele não disse que a deixasse lá para sempre. Isto contradizeria o que ele havia dito aos discípulos apenas algumas horas antes. A espada de Pedro era para proteger sua própria vida mortal do perigo. Sua espada não era necessária para proteger o Criador do Universo e o Rei dos Reis. Anos depois do Pentecostes, Paulo escreve em uma carta à Timóteo: “Mas se alguém não provê para si próprio, e especialmente para os de sua casa, ele abandonou a fé e é pior do que um incrédulo” (1 Tim. 5:8). Essa passagem se aplica a nosso assunto porque seria absurdo comprar uma casa, abastecê-la com comida e outras necessidades de uma família, e então recusar-se a instalar fechaduras e a prover os meios de proteger a família e a propriedade. Do mesmo modo, seria absurdo não tirar, se necessário, a vida de um ladrão noturno para proteger os membros da família (Ex. 22:2-3).
  80. 80. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [80] Um relato e um conceito até mais amplo é encontrado na parábola do Bom Samaritano. Cristo sintetizou um sumário de todas as leis bíblicas do Velho Testamento em dois grandes mandamentos: “‘Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua força, e com todo o teu entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo'” (Lc. 10:27). Quando perguntaram quem era esse próximo, Cristo contou a parábola do Bom Samaritano (Lc. 10:30- 37). Foi o Bom Samaritano que cuidou da vítima de ataque, o samaritano era o “próximo” da vítima. Os que passaram perto e ignoraram a situação da vítima não agiram como “próximos” dele. À luz de tudo o que vimos a Escritura ensinar sobre este ponto, podemos perguntar: se pudéssemos salvar a vida de alguém das mãos de um agressor por meio de um tiro no agressor com nossa arma deveríamos “dar a outra face”? A Bíblia não fala disto como correto. Fala somente das nossas responsabilidades em face de uma agressão – como criaturas individuais feitas por Deus, como chefes de família, ou diante do nosso próximo. Bênçãos e Maldições Nacionais O Antigo Testamento também nos fala bastante sobre o relacionamento positivo entre a retidão, que
  81. 81. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 81 ] exalta a nação, e a autodefesa. Deixando claro que em tempos de rebelião nacional contra o Senhor Deus, as leis da nação irão refletir a degradação espiritual do povo e o resultado é a rejeição da lei de Deus, a soberba dos oficiais, o desarmamento, e opressão. Por exemplo, o povo de Israel foi oprimido durante o tempo da lei dos juízes. Isto ocorreu em qualquer tempo em que o povo apostatou. Juízes 5:8 nos fala que, “Escolheram-se deuses novos; então, a guerra estava às portas; não se via escudo nem lança entre quarenta mil em Israel.” Considere Israel sob Saul: O primeiro livro de Samuel fala da mudança de rumo de Israel para com Deus. O povo não queria ser governado por Deus; eles queriam ser regidos por um rei como os pagãos, as nações odiadas por Deus em derredor. Samuel advertiu o povo que se eles persistissem em pôr um rei sobre seus ombros e de suas famílias, a decisão recairia sobre eles. Incluindo naquela decisão o levantamento de um exército profissional composto por seus filhos e filhas para as agressivas guerras (1 Sam. 8:11). Essa decisão não é desconhecida nos Estados Unidos. Tudo aquilo que Samuel advertiu ao povo, Saul realizou. Sua reunião de um exército armado foi repetida
  82. 82. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [82] nos Estados Unidos, e não só em termos de forças armadas, mas também com os 650.000 oficiais de polícia contínuos para todos os níveis do governo civil. Saul era o rei que israelitas pediram e tiveram. Ele era bonito aos olhos do mundo, mas um desastre aos olhos do Senhor. Saul não confiou em Deus. Ele se rebelou contra a forma de sacrifício do Senhor. Saul pôs a si mesmo acima de Deus. Ele era impaciente. Ele recusou esperar por Samuel porque o modo de Deus estava sendo um tanto demorado. Saul foi adiante e executou ele mesmo o sacrifício, violando assim os mandamentos de Deus (e, incidentalmente, violando também a separação que Deus ordenou entre os deveres religioso e do estado!). Assim Saul perdeu seu reinado. E, foi sobre ele que os Filisteus puderam derrotar os Judeus e escravizá- los. Quão grande foi a escravidão exercida pelo Filisteus: “Ora, não se encontrava nem um ferreiro em toda a terra de Israel: pois os Filisteus disseram, ‘Para que os Hebreus não façam espadas ou lanças.' Mas todos os israelitas tinham de descer aos filisteus para amolar a relha do seu arado, e a sua enxada, e o seu machado, e a sua foice.... Sucedeu que no dia da batalha, não se achou nem espada, nem lança na mão de nenhum do povo que
  83. 83. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 83 ] estava com Saul e com Jônatas...” (1 Sam. 13:19-20, 22- 23). Hoje, os mesmos objetivos dos Filisteus seriam realizados por um opressor que banisse as armas da terra. A espada de hoje é a pistola, o rifle, ou a espingarda. O controle de espadas dos Filisteus é hoje o controle de armas daqueles governos civis que não permitem que seus cidadãos tenham armas. É importante entender que o que aconteceu aos judeus no tempo de Saul não foi inesperado de acordo com as sanções proferidas por Deus em Levítico 26 e Deuteronômio 28. Nos primeiros versos daqueles capítulos, bênçãos são prometidas à nação que seguirem as leis de Deus. Nas últimas partes daqueles capítulos, as maldições são pronunciadas para uma nação que venha a ser julgada por sua rebelião para com Deus. Deuteronômio 28:47-48 nos ajuda a entender a razão para a opressão de Israel pelos Filisteus durante o reinado de Saul: Porque não serviste ao Senhor, teu Deus, com alegria e bondade de coração, não obstante a abundância de tudo. Assim, com fome, com sede, com nudez e com falta de tudo, servirás aos inimigos que Javé enviará
  84. 84. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [84] contra ti; sobre o teu pescoço porá um jugo de ferro, até que te haja destruído. A Bíblia fornece exemplo de bênçãos de Deus sobre Israel por sua fidelidade. Essas bênçãos incluem uma forte defesa nacional acoplada à paz. Um claro exemplo ocorreu durante o reino de Josafá. 2 Crônicas 17 fala de como Josafá conduziu Israel à fidelidade a Deus que incluía uma forte defesa nacional. O resultado: “E o temor do Senhor sobre todos os reinos da terra que estavam ao redor de Judá, de modo que não fizeram guerra contra Josafá” (2 Cr. 17:10). O exército Israelita era um exército de milícia (Num 1:3ff.) que ia para a batalha com cada homem carregando sua própria arma – do tempo de Moisés, passando pelos Juízes, e além. Quando ameaçados pelos Midianitas, por exemplo, “Moisés falou ao povo dizendo, ‘Armai alguns de vós para a guerra, e que saiam contra os midianitas, para fazerem a vingança do Senhor contra eles'” (Num 31:3). Outra vez, demonstra-se a herança bíblica de carregar e portar armas, durante o tempo de Davi no deserto escondendo-se de Saul, “Davi disse a seus homens, ‘Cada homem cinja sua espada.' Então cada homem cingiu a sua espada, e Davi também a sua” (1 Sm. 25:13).
  85. 85. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 85 ] Finalmente, considere Neemias e aqueles que reconstruíram os portões e os muros de Jerusalém. Eles eram tanto construtores quanto defensores, cada homem – casa servo – armou-se com sua espada: Os carregadores, que por si mesmos tomavam as cargas, cada um com uma das mãos fazia a obra e com a outra segurava a arma. Os edificadores, cada um trazia a sua espada à cinta, e assim edificavam (Ne. 4:17-18). A sabedoria dos que fizeram a Constituição [Americana] é consistente com as lições da Bíblia. Os instrumentos de defesa devem estar espalhados por toda a nação, não concentrados nas mãos do governo central. Em um bom país, cada homem age corretamente por meio do Espírito Santo que trabalha nele. Não há razão para o governo civil querem o monopólio da força; o governo civil que deseja tal monopólio é um perigo à vida, liberdade, e propriedade de seus cidadãos. A simples suposição de que pode ser perigoso que as pessoas carreguem armas é usada para justificar o monopólio da força por parte do governo. A noção de que não se pode confiar que as pessoas mantenham suas próprias armas nos mostra que, como o tempo de Salomão, não só para os muito ricos, é também um tempo
  86. 86. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [86] perigoso para as pessoas simples. Se Cristo não for nosso Rei, nós teremos um ditador a governar sobre nós, justamente como advertiu Samuel. Para aqueles que pensam que Deus tratou Israel de maneira diferente da que irá nos tratar hoje, por favor considere o que Deus disse ao profeta Malaquias: “Pois eu sou o Javé, eu não mudo...” (Mal. 3:6). (7) A POSIÇÃO DA IGREJA CATÓLICA O texto a seguir é do professor Felipe Aquino o qual publicou em um site de notícias sobre a Igreja Católica qual é o pensamento ortodoxo da Igreja Católica sobre a legítima defesa. Felipe Aquino é doutor em engenharia mecânica pela UNESP e Mestre na área pela UNIFEI (Universidade Federal de Itajubá), também foi Diretor da FAENQUIL, atual Escola de Engenharia de Lorena (EEL- USP) durante 20 anos: O que a Igreja Católica diz sobre este assunto? Algumas pessoas me perguntam se matar alguém para se defender, ou para defender a vida de pessoas inocentes, se é pecado. A Igreja ensina que, não havendo outra saída, pode-se matar o agressor injusto para defender a própria vida e a de outras pessoas inocentes;
  87. 87. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 87 ] especialmente isso é válido para os que trabalham nas diversas polícias. Evidentemente que todo esforço deve ser feito no sentido de não matar, mas, se não houver outra saída, paciência… A Igreja Católica ensina que: “Se os meios não sangrentos bastarem para defender as vidas humanas contra o agressor e para proteger a ordem pública e a segurança das pessoas, a autoridade se limitará a esses meios, porque correspondem melhor às condições concretas do bem comum e estão mais conformes à dignidade da pessoa humana” (João Paulo II, enc. EV, 56 (1995); Cat. §2267). O Catecismo da Igreja ensina no §2263 que: “A legítima defesa das pessoas e das sociedades não é uma exceção à proibição de matar o inocente, que caracteriza o homicídio voluntário: “A ação de defender-se pode acarretar um duplo efeito: um é a conservação da própria vida, o outro é a morte do agressor… (S. Tomás de Aquino, S. Th. II-II, 64,7). “Só se quer o primeiro; o outro não” (idem). Neste caso não se deseja matar o agressor, mas defender a própria vida e a de inocentes. Não há a intenção maldosa de matar.
  88. 88. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [88] A Igreja também ensina que: “O amor a si mesmo permanece um princípio fundamental da moralidade. Portanto, é legitimo fazer respeitar o próprio direito à vida. Quem defende sua vida não é culpável de homicídio, mesmo se for obrigado a matar o agressor” (§2264). O que não se pode é usar de violência mais do que necessário. “E não é necessário para a salvação omitir este ato de comedida proteção, para evitar matar o outro; porque, antes da de outrem, se está obrigado a cuidar da própria vida” (idem). O Catecismo chega a dizer que: “A legítima defesa pode ser não somente um direito, mas um dever grave, para aquele que é responsável pela vida de outros, pelo bem comum da família ou da sociedade. Preservar o bem comum da sociedade exige que o agressor se prive das possibilidades de prejudicar a outrem… Por razões análogas os detentores de autoridade têm o direito de repelir pelas armas os agressores da comunidade civil pela qual são responsáveis” (§2265). Isto deixa claro pela Igreja que os profissionais que trabalham com a segurança das pessoas devem defendê-las mesmo usando da violência se for preciso para salvaguardar a vida dos inocentes. Portanto, há que se fazer de tudo para não matar, mesmo ao agressor injusto, mas, se não houver outra
  89. 89. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 89 ] saída para se defender a própria vida e a de pessoas inocentes, a vida a ser sacrificada deve ser a do agressor. Isto é o que a moral católica ensina como “mal menor”. Ele só pode ser alegado quando não se tem outra alternativa para se fazer o bem. (13) 4 – HISTÓRIAS DA LEGÍTIMA DEFESA Os maiores incidentes de legítima defesa ocorrem em países que não tem um estado com braço forte, então o cidadão é obrigado a se defender sozinho. No caso do Brasil o caso é muito grave, porque aqui a legítima defesa é praticamente proibida. Eu quero morrer de raiva quando vejo um filho da p... de um oficial da Polícia alertando a população para não reagir, que é melhor perder os bens do que a vida. Vai para a merda idiota!!! Eu digo o contrário, se for para viver e todo o fruto do seu trabalho é para ser subtraído, é melhor não viver. Se puder mate e enterre o desgraçado do ladrão que vem roubar seus bens. Só não reaja se a possibilidade de sucesso for zero. Ora, o Estado é cumplice do bandido quando garante ao bandido que se a vitima estiver armada, ela já esta cometendo um crime.
  90. 90. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [90] Elias Fernandes dos Santos apresentou um trabalho acadêmico publicado em 2013 intitulado DA LEGÍTIMA DEFESA. Como este livro não tem a pretensão de ser exclusivo dos meus textos, mas sim uma compilação de vários escritores que contribuíram com suas teses, faço questão de cita-los, dando os devidos créditos. Nas páginas a seguir Elias descreve o desenvolvimento jurídico do instituto da Legítima Defesa no Direito de diversas civilizações. Percebemos que os legisladores em todos os tempos e lugares sempre procuraram encontrar os limites da legítima defesa para que assassinatos por motivos fúteis não se acobertasse sobre o manto deste recurso legítimo. Um dos princípios básicos dos legisladores era definir o que era legítima defesa e vingança, bem como o que é legítima defesa e reação desproporcional a uma injusta agressão. Elias Fernandes dos Santos argumenta assim: Para alguns doutrinadores, o instituto da legítima defesa não possui história, o que sempre existiu, foi a ideia de impunidade do agente que pratica um ato "natural" de defesa, presente em todas as épocas, até mesmo nos períodos bárbaros. É possível verificar esse preceito segundo a antiga tradição grega explicada por Cícero, ou através do
  91. 91. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 91 ] direito canônico, explicado pela igreja através do cristianismo, e em tantos outros diplomas, que atribuía a legítima defesa um caráter de direito natural. Entre os povos primitivos não havia legítima defesa como nós a conhecemos hoje, e sim uma reação, muitas vezes até mais violenta do que a própria agressão sofrida, que se estendia desde o causador do dano até, por muitas vezes, à sua família. A legítima defesa nos códigos da Índia, Grécia e Roma eram exercidas para defender o direito à vida e a honra Para os romanos, a ofensa legítima tornou-se uma característica particular derivada do direito de vingança e da privação da paz do agressor injusto. O direito canônico, tirou da legítima defesa o caráter de "direito" e o converteu em necessidade escusável, submetido a penitências religiosas e à exigência de fuga do agredido, muito embora outorgando o dever de defender terceiros. Porém no direito Francês, junto com a revolução, renovou-se a tradição romana, e no art. 5º do CP de 1791, previu que no caso de homicídio legítimo, entendido como o praticado em legítima defesa, não existiria crime ou pena. Essa ideia acabou se aperfeiçoando e sendo transmitida para os códigos de todo o mundo.
  92. 92. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [92] Portanto, podemos dizer que a noção jurídica de legítima defesa somente surgiu quando o Estado passou a intervir nas relações entre "ofensor e agredido" e chama para si o castigo em face da prática de uma ofensa, dessa forma, inicia-se o processo de evolução do direito de punir e o direito de liberdade. Encontramos de um lado, o Estado punindo como forma de repressão ao delito, e de outro lado, a legítima defesa exercida por qualquer particular vítima de uma agressão injusta. Após esta intervenção Estatal, passou o Estado a exigir do ofendido beneficiado com a impunibilidade pelo ato praticado em sua defesa, os requisitos essenciais da legítima defesa, que estão previstos em nossa Legislação Penal, no art. 25, do Código Penal Brasileiro. Mas para tanto, o ofendido ao agir em legítima defesa, deverá ser sempre ser moderado na repulsa, afim de que seja responsabilizado pela possibilidade de agir com excesso. Neste estudo também nos foi possível distinguir algumas espécies de legítima defesa, fazendo um confronto com a tentativa, com os crimes culposos, crimes continuados, permanentes e com a contravenção. Além disso, é possível tratarmos da legítima defesa recíproca e
  93. 93. Direito Divino a Legítima Defesa, por Escriba de Cristo [ 93 ] fazermos um paralelo entre a legítima defesa e o dano causado a bens de terceiros. A impunidade de quem age em legítima defesa, dá-se através de uma concepção natural que é exigida pelo dever que cabe a todos de defender os bens jurídicos indisponíveis e indispensáveis adquiridos naturalmente ou no curso de nossas vidas. Além disso o Estado garante a todos que se encontrarem diante da violação de bens próprios ou de terceiros o direito de intervir a fim de manter o equilíbrio social. O instituto da legítima defesa refletiu em todos os tempos uma necessidade imposta ao homem. O sentimento de justiça que dominava as relações entre os grupamentos, sob a influência de superstições e maldade resultava nas guerras, nascidas do extravasamento da vingança. A legítima defesa caminhou em paralelo com esse sentimento de vingança , tendo como naquela espécie de justiça sua forma de expressão mais primitiva e grosseira. A vingança era largada à vontade da própria família, ainda sob estado natural, só ultrapassou essa fase doméstica ao assumir a feição de vingança pública, regulamentada.

×