Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Idoso: relações familiares

5,759 views

Published on

Idoso relação com a família

Published in: Science

Idoso: relações familiares

  1. 1. ESCOLA BAHIANA DE MEDICINA E SAUDE PÚBLICA Enfermagem – 5º Semestre Saúde do Idoso – Prof. Amélia de Oliveira Envelhecimento: Relações Familiares. • Araceli Moreira; • Carla Felzemburgh; • Douglas Tedesco; • Isis Britto; • Felipe Hordonho; • Thais Magalhães. Salvador - 2014
  2. 2. Conceitos sobre apoio familiar  A família;  Importância das relações familiares para o bem estar de idosos;  Ambiente familiar;  Ciclo vital da família.
  3. 3. Redes sociais de apoio " São grupos hierarquizados de pessoas que mantém entre si laços e relações de dar e receber." (Neri e Sommerhalder, 2002)
  4. 4. A influencia da história familiar:  Relação familiar x dependência  “ A relação afetiva entre os membros de uma família, é um dos principais aspectos que favorecem o equilíbrio e o bem-estar dos idosos” (Assis, 1998)  As dificuldades de relacionamento entre o idoso e seus familiares podem influenciar negativamente o apoio oferecido.
  5. 5. Arranjos familiares  Tipos de arranjos:  Nuclear: Aquela que se limita a relação conjugal e aos filhos desse casamento e eventualmente um avô ou um outro familiar.  Estendida: Aquela que integra membros que possuem laços consanguíneos mais diretos, mas fazem parte de diversas gerações.  Composta: Encontra-se pessoas com laços de parentesco ou laços parciais.
  6. 6. Arranjos familiares  Estudos apontam que 56% dos idosos entrevistados em pesquisa, vivia em domicilio com duas ou mais gerações, contra 32% que co-habitavam apenas com moradores da mesma geração e 12% que vivia sozinho. 12% 32% 56% Duas Gerações Mesma Geração Sozinhos
  7. 7. O estresse entre cuidadores familiares de idosos Tipos:  Físico;  Financeiro;  Ambiental;  Social ;  Emocional.
  8. 8. Qualidade do relacionamento idoso-familiares • Irritação; • Raiva; • Medo; • Angústia; • Esperança; • Vergonha; • Culpa; • Tristeza; • Remorso; • Preocupação.  Sentimentos:
  9. 9. O cuidador de idosos:  Segundo Papaléo Netto (1996, p.154), “Cuidar é o ato de assistir alguém ou prestar-lhe serviços quando este necessita. É uma atividade complexa, com dimensões éticas, psicológicas, sociais, demográficas, e que também tem seus aspectos clínicos, técnicos e comunitários.”
  10. 10. Tipos de cuidadores :  Cuidador principal ou primário: é aquele responsável por prestar o maior número de cuidados ao idoso dependente;  Cuidadores secundários: são outros familiares, voluntários e profissionais que prestam o mesmo tipo de ajuda ou se engajam em tarefas complementares nos cuidados do idoso;  Cuidadores terciários: são coadjuvantes e não possuem responsabilidades no papel de cuidar, substituindo de forma ocasional ou esporádica os demais cuidadores em situações específicas.  Cuidadores informais;  Cuidadores Formais.
  11. 11. Níveis de apoio familiar:  Segundo Cirelli (1993 apud Neri & Silva, 1993), os tipos de assistência oferecidos aos idosos fragilizados são divididos em: Primários Secundários  Para Neri & Sommerhalder (2002), existem diversos critérios para classificar os cuidados oferecidos. Esses critérios podem estar relacionados: - ao domínio de ajuda; - à intensidade, grau de esforço físico/emocional, dificuldades envolvidas ou quantidade da ajuda; - à periodicidade; - à duração; - se o início foi súbito ou gradual; - o local onde a ajuda ocorre; - o envolvimento de outras pessoas na ajuda.
  12. 12. Tipos de cuidadores :  Stephens (1990 apud Neri & Silva, 1993), organiza as atividades desempenhadas para atender às necessidades dos idosos em quatro domínios: - apoio material; - apoio prático (AVD's e AIVD's) - apoio sócio-emocional; - apoio cognitivo-informativo.
  13. 13. Os cuidadores categorizam as tarefas em três domínios: 1) tarefas que refletem as necessidades dos idosos; 2) tarefas relativas ao manejo de tempo; 3) tarefas que refletem as redes de apoio de que dispõe o cuidador.
  14. 14. Dependência do idoso • O ENVELHECIMENTO AUMENTA A DEPENDÊNCIA AO AMBIENTE FAMILIAR E DOMÉSTICO; • DEPENDÊNCIA PARCIAL; • DEPENDÊNCIA TOTAL; • INDEPENDENTE; • DEPENDÊNCIA FÍSICA: • Perda parcial ou total da capacidade funcional. DEPENDÊNCIA ESTRUTURADA • Perda do papel produtivo (Aposentadoria/Perda Trabalho) • DEPENDÊNCIA COMPORTAMENTAL • Ambiente superprotetor • 98% dos idosos recebem ajuda familiar • Família: responsável pela manutenção e promoção da qualidade de vida dos idosos.
  15. 15. Qualidade do relacionamento idoso x cuidador familiar • ESTAR SUJEITO A QUALIDADE DO RELACIONAMENTO ANTES DO ENVELHECIMENTO OU DA DEPENDÊNCIA; • QUALIDADE DO RELACIONAMENTO PESA MAIS DO QUE O PARENTESCO; • QUANTO MAIOR QUALIDADE MAIOR É A PROMOÇÃO E MANUTENÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA; • RELAÇÃO INTERPESSOAL CONFLITUOSA => MAUS TRATOS, AGRESSÃO, ABANDONO; • RELACIONAMENTO DE BOA QUALIDADE DEPENDE: • Boa comunicação; • Boa troca afetiva; • Intimidade • Grau de interdependência (Influência); • Necessidades psicológicas de cada indivíduo; • Vínculo emocional.
  16. 16. Considerações Finais “Em suma, compreender a relação interpessoal do cuidador familiar com o seu parente idoso parece ser um caminho promissor para melhorar a qualidade do cuidado, uma vez que, informações desta natureza mostraram-se, importantes para o planejamento de intervenções adequadas para: rever expectativas e crenças em relação a idosos e papel de cuidador, para tornar mais realísticos os padrões usados para avaliar a satisfação de idosos e cuidadores com a vida e melhorar estratégias de comunicação interpessoal, que tanto afetam a qualidade do relacionamento e podem influenciar a qualidade de vida dessas pessoas e de outros familiares” Bianco (2003, p. 230)
  17. 17. REFERÊNCIAS M. A. BIANCO - RELAÇÃO DE AJUDA: UM ESTUDO SOBRE IDOSOS E SEUS CUIDADORES FAMILIARES - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIASÃO CARLOS - SÃO PAULO DEZEMBRO DE 2003; Disponível em: <http://www.ufscar.br/~bdsepsi/151a.pdf> Acesso em 14/02/2014.

×