História Da Energia Eólica

57,098 views

Published on

Elaborado por : Dorinda Da Silva
Formadora: Ana Queirós - Gestão Ambiental
A energia eólica é aquela que provém do vento.Os barcos à vela são um exemplo da utilização da energia do vento.

Published in: Education, Business, Technology
2 Comments
13 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
57,098
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
884
Comments
2
Likes
13
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

História Da Energia Eólica

  1. 1. left166370<br /> <br />right52070<br />2 1 <br />1139190205105<br /> <br />left6743700 <br />3<br />4<br />Introdução<br />A energia eólica é aquela que provém do vento. O termo eólico vem do latim aeolicus nome associado a Éolo deus dos ventos da mitologia grega.<br />Esta energia pode ser transformada em energia mecânica e eléctrica. Os barcos á vela são um exemplo da utilização da energia do vento. Também os moinhos de vento utilizam a energia Eólica transformando-a em energia mecânica utilizada na moagem de grãos ou na bombagem de água. Na actualidade utiliza-se energia eólica para mover aerogeradores, que por sua produzem energia eléctrica.<br />História da energia eólica<br />Já há quatro milénios as pessoas usavam a energia eólica para fazer mover os barcos à vela no Egipto. As velas capturavam a energia no vento para empurrar um barco ao longo da água. Os primeiros moinhos de vento, usados para moer grãos, surgiram entre 2 mil a.C., na antiga Babilónia, e 200 a.C. na antiga Pérsia, dependendo de para quem se pergunta. Estes primeiros dispositivos consistiam em uma ou mais vigas de madeira montadas verticalmente, e em cuja base havia uma pedra de rebolo fixada ao eixo rotativo que girava com o vento. O conceito de se usar a energia do vento para moer grãos se espalhou rapidamente ao longo do Oriente Médio e foi largamente utilizado antes que o primeiro moinho de vento aparecesse na Europa. No início do século XI d.C., os cruzados europeus levaram o conceito para casa e surgiu o moinho de vento do tipo holandês com o qual estamos familiarizados. <br />O desenvolvimento da tecnologia da energia eólica moderna e suas aplicações estavam bem encaminhados por volta de 1930, quando estimados 600 mil moinhos de vento abasteciam áreas rurais com electricidade e serviços de bombeamento de água. Assim que a distribuição de electricidade em larga escala se espalhou para as fazendas e cidades do interior, o uso de energia eólica nos Estados Unidos começou a decrescer, mas reviveu depois da escassez de petróleo no início dos anos 70. Nos últimos 30 anos, a pesquisa e o desenvolvimento variaram com o interesse e incentivos fiscais do governo federal. Em meados dos anos 80, as turbinas eólicas tinham uma capacidade nominal máxima de 150 kW. Em 2006, as turbinas em escala de geração pública comercial têm potência nominal comumente acima de 1 MW e estão disponíveis em capacidades de até 4 MW.<br />Algumas das vantagens da energia eólica:<br />Inesgotável.<br />Não emite gases poluentes nem produz resíduos de longa duração.<br />Fonte de energia barata e fácil retorno de investimento.<br />Não necessitam de combustível e tem baixos custos de manutenção.<br />Algumas das desvantagens são:<br />Impacto visual<br />Impacto Ambiental, pode interferir na rota migratória de algumas avesEmissão de ruídos<br />Nas proximidades dos parques eólicos é detectada poluição sonora, devido ao ruído produzido. Há também quem considere que sua silhueta afecta a paisagem. Tem sido estudada, recentemente, a hipótese da construção de parques eólicos sobre plataformas ancoradas no mar, não muito longe da costa, mas situadas de tal forma que não incidam de forma excessiva sobre a paisagem.<br />Os lugares mais apropriados para sua instalação coincidem com as rotas das aves migratórias, o que faz com que centenas de pássaros possam morrer ao chocar contra as suas hélices. <br />Os geradores eléctricos (aerogeradores) não podem ser instalados de forma rentável em qualquer área, já que requerem um tipo de vento constante mas não excessivamente forte.<br />Portugal reúne características naturais únicas que devem ser aproveitadas:<br />É o 5º país da União Europeia com maior potência eólica instalada;<br />Oferece cerca de 2.000Km de costa, com uma das mais favoráveis ondulações no mundo;<br />Beneficia de um número total de horas de sol dos mais elevados da Europa;<br />Dispõe de uma floresta que cobre cerca de 38% do seu território.<br />Durante os próximos 13 anos, Portugal tem como objectivo reduzir em 20% as emissões de Gases de Efeito de Estufa; Até 2020, 20% da energia consumida tem que ser produzida a partir de fontes renováveis.<br />Em 1986, o primeiro parque eólico de Portugal foi construído na Ilha de Porto Santo, Madeira [1]. Nos últimos anos este tipo de energia recebeu um grande impulso. No fim de 2006, Portugal era o nono produtor mundial de energia eólica em termos absolutos, e o quarto em termos relativos, tendo em conta a sua área e população.<br />De acordo com as políticas traçadas pelo Governo português, «em 2015 mais de 20 por cento da electricidade consumida em Portugal terá origem eólica», adiantou Sá da Costa.<br />Como se captura e se transforma esta energia?<br />center173355<br />O vento faz as hélices giraremO eixo movimenta o gerador para produzir electricidadeO transformador converte a energia em alta voltagemA electricidade é transmitida pela rede eléctrica<br />O aproveitamento da energia eólica para produção de electricidade é feito recorrendo aos aerogeradores de grande dimensão, os quais podem ser implantados em terra ou no mar e estar agrupados em parques ou isolados. São constituídos por uma torre metálica com uma altura que pode oscilar entre 25 e 80 m e por turbinas com duas ou três pás, cujos diâmetros de rotação se situam em valores idênticos à altura dos postes. <br />As turbinas de última geração têm uma capacidade de produção de energia de 1.6-2 MW, encontrando-se em fase de teste turbinas de 5 MW. A velocidade mínima do vento necessária para entrarem em funcionamento ronda os 10-15Km/h e a velocidade de cruzeiro é de 50-60 km/h. Em caso de tempestade as pás e o rotor são automaticamente travados quando a velocidade de vento for superior a 90 km/h. Uma vez travado, o aerogerador pode suportar velocidades de 200Km/h sem sofrer danos. Possuem ainda protecção contra raios e microprocessadores que permitem o ajuste continuado do ângulo das pás às condições de vento dominantes e a manutenção de um output de corrente eléctrica uniforme, condição muito importante quando se encontram ligados à rede de distribuição eléctrica.<br />Existem também sistemas híbridos de média dimensão, onde se combinam os aerogeradores eólicos com sistemas fotovoltaicos, diesel ou hídricos, podendo ou não possuir sistema de armazenamento de energia. São apenas usados para pequenas redes ou para aplicações especiais tais como bombagem de água, carga de baterias, dessalinização, etc. A sua capacidade ronda os 10-200 kW.<br />Os sistemas eólicos isolados, com gamas de potência entre 25W e 150W, são dos mais bem sucedidos comercialmente, sendo usados para carga de baterias (utilizados no Reino Unido pela Marinha e caravanas e na China pelas populações semi-nómadas da região da Mongólia), bombagem de água, aquecimento, etc.<br />Energia Eólica no mundo e seus custos<br />Em 2005 a capacidade mundial de geração de energia eléctrica através da energia eólica era de aproximadamente 59 gigawatts, - o suficiente para abastecer as necessidades básicas de um país como o Brasil - embora isso represente menos de 1% do uso mundial de energia.<br />4533901442720Em alguns países, a energia eléctrico gerada a partir do vento representa significativa parcela da demanda. Na Dinamarca esta representa 23% da produção, 6% na Alemanha e cerca de 8% em Portugal (dados de Setembro de 2007) e na Espanha. Globalmente, a geração através de energia eólica mais que quadruplicou entre 1999 e 2005.<br />A energia eólica é renovável, limpa, amplamente distribuída globalmente, e se utilizada para substituir fontes de combustíveis fósseis, auxilia na redução do efeito estufa. O custo da geração de energia eólica tem caído rapidamente nos últimos anos.<br />Em 2005 o custo da energia eólica era cerca de um quinto do que custava no final dos anos 90, e essa queda de custos deve continuar com a ascensão da tecnologia de produção de grandes aerogeradores. No ano de 2003 a energia eólica foi a forma de energia que mais cresceu nos Estados Unidos.<br />A maioria das formas geradoras de electricidade requer altíssimos investimentos de capital e baixos custos de manutenção. Isto é particularmente verdade para o caso da energia eólica, onde os custos com a construção de cada aerogerador podem alcançar milhões de euros, os custos com manutenção são baixos e o custo com combustível é zero. Na composição do cálculo de investimento e custo nesta forma de energia levam-se em conta diversos factores, como a produção anual estimada, as taxas de juros, os custos de construção, de manutenção, de localização e os riscos de queda dos geradores. Sendo assim, os cálculos sobre o real custo de produção da energia eólica diferem muito, de acordo com a localização de cada unidade. <br />Apesar da grandiosidade dos modernos moinhos de vento, a tecnologia utilizada continua a mesma de há 1000 anos, tudo indicando que brevemente será suplantada por outras tecnologias de maior eficiência, como é o caso da turbovela, uma voluta vertical apropriada para capturar vento a baixa pressão ao passar nos rotores axiais protegidos internamente.<br />Esse tipo não oferece riscos de colisões das pás com objectos voadores (animais silvestres). Essa tecnologia já é uma realidade que tanto pode ser introduzida no meio ambiente marinho como no terrestre. <br />Impactes Ambientais<br />Os seus impactos ambientais, eventualmente desfavoráveis, traduzem-se num aumento do ruído nas suas proximidades (perfeitamente dentro dos limites do suportável com a nova geração de aerogeradores, onde é enorme o esforço de minimização do ruído) e no considerável efeito visual e paisagístico proporcionado pelas elevadas dimensões das torres e das pás dos aerogeradores. Contudo, mesmo este eventual senão, pode ser minorado se houver o cuidado de fazer a sua integração com a paisagem envolvente na fase de planeamento e escolha do local mais propício para a instalação do projecto. A maior parte das pessoas que vivem nas imediações dos parques eólicos acham-nos atraentes, tornando-se muitas vezes atracções turísticas e um símbolo elegante e esteticamente reconfortante de um futuro melhor. Outros factores negativos, como interferências electromagnéticas que podem perturbar os sistemas de telecomunicações, efeito de sombras em movimento e mortalidade de aves em zonas de migração causada pelas pás em movimento, podem ser muito atenuados ou inexistentes se for correcta a planificação da sua localização.<br />Estudos realizados na Alemanha, Holanda, Dinamarca e Reino Unido demonstraram que os aerogeradores não representam nenhum problema acrescido para a deslocação das aves quando devidamente localizados (fora das rotas de migração e das áreas preferenciais de nidificação, por exemplo).<br /> Esta constatação é confirmada pela " Royal Society for the Protection of Birds" , que encoraja a viragem em direcção às tecnologias de aproveitamento das energias renováveis, em particular a energia eólica, desde que sensatamente ponderadas a dimensão e localização dos parques. <br />110490437515Será este o futuro da Energia Eólica? Turbina com levitação magnética.<br />A empresa MagLev apresentou na China aquela que poderá ser a solução tecnológica que faltava para a viabilização económica da energia eólica. Com um design totalmente diferente dos tradicionais cataventos, a turbina MagLev utiliza levitação magnética para oferecer um desempenho muito superior em relação às turbinas tradicionais.<br />As pás verticais da turbina de vento são suspensas no ar acima da base do equipamento. Ao invés de se sustentarem e de girarem sobre rolamentos, essas pás ficam suspensas, sem contacto com outras partes mecânicas - e, portanto, podem girar sem atrito, o que aumenta exponencialmente seu rendimento. <br />Viabilização económica da energia eólica<br />Segundo a empresa, a turbina MagLev consegue gerar energia a partir de brisas de apenas 1,5 metros por segundo e consegue suportar até vendavais de até 40 metros por segundo - o equivalente a 144 km/h.<br />As maiores turbinas eólicas actuais geram 5 MW de potência. Já uma única MagLev gigantesca poderia gerar 1 GW, suficiente para abastecer 750.000 residências. Isso acontece porque a nova turbina pode ser construída em dimensões muito grandes, o que não acontece com os tradicionais cata-ventos.<br />Segundo a empresa, a nova turbina gera 20% a mais de energia em relação à turbinas convencionais e tem um custo de manutenção 50% menor. Ainda segundo as estimativas do seu fabricante, uma super-turbina eólica que utiliza levitação magnética poderá funcionar continuamente por… 500 anos.<br />Endereços consultados; <br />http://energiaeolicanomundo.blogspot.com/?zx=e689bd0685517ccb; 08/10/2009<br />Imagem 1; http://www.panoramio.com/photo/7892260 08/10/2009<br />Imagem 2; http://www.spea.pt/index.php?op=grupo_eolicas 08/10/2009<br />Imagem 3; http://artephotographica.blogspot.com/2008/12/agir.html 08/10/2009<br />Imagem 4; http://geografarte.blogspot.com/2008_05_01_archive.html 08/10/2009<br />

×