17/12/11                  Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.    ...
17/12/11        Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.              ...
17/12/11                      Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display....
17/12/11                 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.     ...
17/12/11                        Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or displa...
17/12/11                Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.NEURÔN...
17/12/11                  Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.   G...
17/12/11                                  Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction...
17/12/11                       Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display...
17/12/11                     Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. ...
17/12/11                       Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display...
17/12/11              Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.        ...
17/12/11                        Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or displa...
17/12/11                         Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or displ...
17/12/11                 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.     ...
17/12/11                Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.      ...
17/12/11                       Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display...
17/12/11                      Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display....
17/12/11                     Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. ...
17/12/11                             Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or d...
17/12/11                    Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.  ...
17/12/11                         Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or displ...
17/12/11                           Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or dis...
17/12/11                     Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. ...
17/12/11                   Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.   ...
17/12/11                      Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display....
17/12/11                        Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or displa...
17/12/11                          Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or disp...
17/12/11                    Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.  ...
17/12/11               Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.       ...
17/12/11                    Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.  ...
17/12/11                        Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or displa...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Capitulo7 sistema nervoso.pptx

1,345 views

Published on

  • Be the first to comment

Capitulo7 sistema nervoso.pptx

  1. 1. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Sistema nervoso  Dois tipos de células no sistema nervoso:   Neurônios. 100 bilhões   Células de suporte ou Neuroglia. 10X o n de o Neurônios  Sistema nervoso é dividido em:   Sistema nervoso central (SNC):   Cérebro.   Medula espinhal.   Sistema nervoso periférico (SNP):   Nervos cranianos.   Nervos espinhais. 1
  2. 2. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. O Sistema Nervoso é dividido anatomicamente em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL Encéfalo Medula SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Nervos espinhais e cranianos Gânglios Sensitivos Sistema nervoso autônomo Receptores Sensoriais Plexo Entérico O tecido nervoso é formado basicamente de dois tipos de células: -  Neurônios -  Gliócitos Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.O estudo dos diferentes níveis de analise requer ferramentas amplificadoras dossentidos humanos: microscopia, ressonância, eletrofisiologia, etc. Estrutura Tamanho Unidade de Medida Aumento Extensão: Encéfalo 1cm = 0,1m 1 15 cm Córtex Espessura 1mm = 0,001m X 10 cerebral 3mm Unidade Corpo celular 0,1mm = 100 µm X 100 Celular 0,1mm Estrutura Axônio e dendrito 0,01mm = 10 µm X 1.000 subcelular 10 µm Terminação sináptica Sinapse 1 µm = 10m X 10.000. 1 µm Fenda Fenda 0,1 µm = 100 m X 100.000 sinaptica 20 m Espessura Membrana 10 m X 1.000.000 5 m Diâmetro do canal Canal iônico 1 m X 10.000.000 0,5 m 2
  3. 3. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Neurônios  Unidades básicas estruturais e funcionais do sistema nervoso.   Não pode dividir-se por mitose.  Respondem a estímulos físicos e químicos.  Produzir e conduzir impulsos eletroquímicos.  Lançamento reguladores químicos.  Nervo:   Feixe de axônios localizados fora do SNC.   A maioria composta de motor e fibras sensoriais. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Ao microscópio eletrônico 3
  4. 4. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Neurônios  Corpo celular (pericário):   "Centro de Nutrição."   Corpos celulares dentro do SNC agrupadas em núcleos, e no PNS em gânglios.  Dendritos:   Facultar uma área de receptivo.   Transmitem impulsos elétricos ao corpo celular.  Axônio:   Conduz os impulsos para longe do corpo celular.   Fluxo axoplasmático:   Proteínas e outras moléculas são transportadas por contrações rítmicas das terminações nervosas.   Transporte axonal:   Emprega microtúbulos para o transporte.   Pode ocorrer em direção anterógrado ou retrógrado Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Neurônios 4
  5. 5. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Classificação Funcional de Neurônios  Com base em impulsos direção conduzida.  Sensoriais ou aferentes:   Conduzem os impulsos dos receptores sensoriais para o SNC.  Motor ou eferente:   Conduzem os impulsos para fora do SNC, para os órgãos efetores.  Associação ou interneurônios:   Localizado inteiramente dentro do CNS.   Atende uma função integrativa. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Classificação estrutural dos Neurônios  Com base no número de processos que se estendem do corpo celular.   Pseudo-unipolar:   Processo único e curto, que se ramificam como um T para formar um par de processos mais longos.   Neurônios sensoriais.   Neurônios bipolares:   Tem 2 processos.   Retina do olho.   Multipolar:   Tem vários dendritos e um axônio.   Neurônio motor 5
  6. 6. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.NEURÔNIOO neurônio possui tipicamente todos oselementos de uma célula eucariótica Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Tipos de Neurônios POLARES Invertebrado Retina Gânglio sensitivo MULTIPOLARES Medula Cortex cerebral Cerebelo 6
  7. 7. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. GLIÓCITOS 1 neurônio para 10 a 50 gliócitos!! Astrócitos: nutrição, sustentação e regulação de Kextral Microgliócitos: defesa Oligodendrócitos: síntese de mielina Células ependimárias (Plexos corioides) Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.Os diferentes tipos de células neurológicas. Bainhas de mielina em torno dosaxônios são formados no sistema nervoso central por oligodendrócitos.Astrócitos têm extensões que cercam ambos os capilares sanguíneos e neurônios.Microglia são fagocíticas, e as células ependimárias linha dos ventrículoscerebrais e canal central da medula espinhal. 7
  8. 8. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. SNP células de Suporte   Células Schwaan:   Embrulhos sucessivos da membrana celular.   Superfície externa envolta em glicoproteína da membrana basal.   Proporcionam isolamento.   Nodos de Ranvier:   Áreas amielínicas entre as células Schwaan adjacentes que produzem impulsos nervosos.   Células satélites:   Apoio dos corpos celulares dos neurônios dentro gânglios. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. SNC Células de Suporte  Oligodendrócitos:   Processo ocorre principalmente após o nascimento.   Cada um tem extensões que formam bainhas de mielina em torno de vários axônios.   Isolamento. 8
  9. 9. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Regeneração do nervo   Células de Schwann:   Agir como fagócitos, como a porção distal degenera neuronal.   Rodeada por membrana basal, tubo de regeneração forma-se:   Servem como guia para axônio.   Envia para fora produtos químicos que atraem os axônios em crescimento.   Axônio ligado a ponta do corpo da célula começa a crescer até o destino. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Regeneração do nervo  SNC tem capacidade limitada de regeneração:   Ausência de membrana basal contínua.   Moléculas oligodendrócitos inibem o crescimento neuronal 9
  10. 10. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Neurotrofinas   Promover o crescimento dos neurônios.   Fatores de crescimento do nervo incluem:   Fator de crescimento do nervo (FCN),   fator neurotrófico derivado do cérebro (FNDC),   fator neurotrófico derivado glial (FNDG), neurotrofina-3, e neurotrofina-4/5.   Feto:   Desenvolvimento embrionário de neurônios sensoriais e gânglios simpáticos (FCN e neurotrofina-3). Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Neurotrofinas  Adulto:   Manutenção de gânglios simpáticos (FCN).   Amadurecer neurônios sensoriais com necessidade de regeneração.   Obrigados a manter os neurônios motores da coluna vertebral (FNDG).   Sustentar os neurônios que usam dopamina (FNDG).  Mielina associada a proteínas inibidoras:   Inibem a regeneração do axônio. 10
  11. 11. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. SNC Células de suporte  Astrócitos:   Mais abundante de células gliais.   Processos vasculares terminar no final de pés que rodeiam os vasos capilares.   Estimular o tight junctions, contribuindo para a barreira hemato-encefálica.   Regular o ambiente externo de K + e pH.   Tome-se K + a partir de FEC, NTs liberado de axônios, e ácido láctico (converter para a produção de ATP).   Outros ramais adjacentes às sinapses. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. SNC Células de Suporte   Microglia:   Fagócitos, migratórias.   Células ependimárias:   Secretam liquido cefalorraquidiano (liquor).   Revestem os Ventrículos.   Funcionar como células-tronco neurais.   Podem se dividir e diferenciar progênie. 11
  12. 12. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Células ependimárias Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Barreira hemato-encefálica  Capilares no cérebro não tem poros entre as células endoteliais adjacentes.   Unidos por junções apertadas.  Moléculas dentro dos capilares cerebrais são movidas seletivamente através de células endoteliais por:   Difusão.   Transporte ativo.   Endocitose.   Exocitose 12
  13. 13. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Atividade elétrica dos axônios  Todas as células mantêm um potencial de repouso da membrana (PRM):   Diferença de tensão potencial através da membrana.   Em grande parte o resultado de carga negativa moléculas orgânicas no interior da célula.   Difusão limitada de carga positiva íons inorgânicos.   Permeabilidade da membrana celular:   Gradientes eletroquímicos de Na+ e K+.   Na+/K+ ATPase da bomba.   Excitabilidade/irritabilidade:   Capacidade de produzir e conduzir impulsos elétricos. 13
  14. 14. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Atividade elétrica dos axônios  Aumento da permeabilidade da membrana para íons específicos pode ser medido colocando dois eletrodos (1 dentro e um fora da célula).  despolarização:   Diferença de potencial reduzido (tornar-se mais positivo).  repolarização:   Voltar ao potencial de repouso da membrana (tornam-se mais negativo).  hiperpolarização:   Mais negativa do PRM. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Canais Iônicos nos Axônios   Mudanças no potencial da membrana causada pelo fluxo de íons através de canais iónicos.   Voltagem Fechada (VF) canais abertos na resposta para carga do potencial da membrana.   Canais fechados são parte de proteínas que integram o canal.   Pode ser aberto ou fechado em resposta à carga.   2 tipos de canais para K : +   1 sempre aberto.   1 fechado na célula em repouso.   Canal para Na : +   Sempre fechado nas células em repouso.   Alguns Na acidentamente entrão na célula. + 14
  15. 15. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Canais Iônicos nos Axônios Canal fechado Canal aberto pela no potencial despolarização de repouso da (potencial de ação) membrana Canal inativado durante o período refratário Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Potenciais de ação (PAs)  Estímulo provoca despolarização ao limiar.  VF Na+ abrem os canais.   Gradiente eletroquímico para dentro.   ciclo de feedback (+).   Rápida reversão do potencial de membrana de -70 a + 30 mV.   VF Na canais são inativados. +  VF K+ abrem os canais.   Gradiente eletroquímico para fora.   Ciclo de feedback (-).   Restaura o potencial de repouso da membrana original. 15
  16. 16. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Potenciais de ação (PAs) Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Permeabilidade da membrana  PA é produzido por um aumento da permeabilidade Na+.  Após pequeno atraso, aumento da permeabilidade K+. 16
  17. 17. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Potenciais de ação (PAs)   Despolarização e repolarização ocorre através de difusão, não necessitam de transporte ativo.   Uma vez concluída PA, Na /K + + ATPase Na+ bomba de extrusão, e recupera K+.   Tudo ou nada:   Quando alcançado o limiar, a carga máximo potencial ocorre.   Amplitude normalmente não se tornar mais positivo do que +30 mV porque VF canais de Na+ se fechar rapidamente, e VF K+ abrem os canais.   Duração é a mesma, aberta apenas por um período fixo de tempo.   Codificação para a intensidade do estímulo:   Aumento da frequência de PA indica a intensidade do estímulo maior.   Recrutamento:   Estímulos fortes pode ativar axônios ainda mais a um limiar mais elevado. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Períodos refratários  Período refratário absoluto:   Membrana do axônio é incapaz de produzir um outro PA.  Período refratário relativo:   VF do canal iônico, altera forma no nível molecular.   VF de canais K+ estão abertos.   Membrana do axônio pode produzir um outro potencial de ação, mas requer fortes estímulo. 17
  18. 18. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Propriedades cabo de Neurônios   Capacidade do neurônio para transmitir carga através citoplasma.   Propriedades do cabo do Axônio são pobres:   Resistência interna elevada.   Muitas acusações de vazamento para fora do axônio através da membrana.   Um PA não percorrem o axônio inteiro.   Cada PA é um estímulo para produzir outro PA na região próxima da membrana com canais VF. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Condução de um Axônio amielínico  E s p a l h a r c a b o d e despolarização com influxo de Na+ despolariza a região adjacente da membrana, propagando a AP.  Taxa de condução é lenta.   PA devem ser produzidos em cada fração micrômetrica.  Ocorre em 1 direção; região anterior está no seu período refratário. 18
  19. 19. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Condução nos axônios mielinizados  Mielina impede o movimento de Na+ e K+ através da membrana.  Interrupção da mielina (Nodes of Ranvier) contêm VF Na+ e canais de K+.  PA ocorre apenas nos nós.   PA nó em uma membrana despolariza para alcançar o limiar no nó seguinte.  Condução saltatória (saltos).   Ritmo rápido de condução. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Sinapse   Conexão funcional entre um neurônio e outra célula ou neurônio efetor.   Transmissão em uma única direção.   Axônio do primeiro (pré-sináptica) para neurônio (pós- sináptica) segundo.   Transmissão sináptica é através de um canal fechado química.   Terminal pré-sináptico (botão) libera um neurotransmissor (NT) 19
  20. 20. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Sinapse Elétrica   Impulsos podem ser regenerados, sem interrupção nas células adjacentes.   Junções:   Células adjacentes acopladas electricamente através de um canal.   Cada junção gap é composta de 12 proteínas conexinas.   Exemplos:   Músculos lisos e cardíacos, cérebro e células gliais. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Sinapse Química  Terminal botão é separada da célula pós-sináptica pela fenda sináptica.  NTs são liberados da vesículas sinápticas.  Vesículas se fundem com membrana do axônio e NT liberado por exocitose.  Quantidade de NTs liberado depende de freqüência de PA 20
  21. 21. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Transmissão Sináptica  NT liberação é rápida porque muitas vesículas formam complexos de fusão de "sítio de encaixe."  PA percorre axônio para botão.  VF Ca2+ canais abertos.   Ca2 entra no botão com baixo gradiente de concentração. +   Difusão interna desencadeia fusão rápida das vesículas sinápticas e a liberação de NTs.  Ca2+ ativa a calmodulina, que ativa a proteína quinase.  Proteína quinase fosforila as sinapsinas.   Ajuda as sinapsinas na fusão das vesículas sinápticas. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Transmissão Sináptica  NTs são liberados e se difundem através da fenda sináptica.  NT (ligante) se liga a proteínas receptoras específicas na membrana da célula pós-sináptica.  Quimicamente regulada a passagem nos canais iônicos abertos.   EPSP (potencial pós-sináptico excitatório): despolarização.   IPSP (potencial pós-sináptico inibitório): hiperpolarização.  Neurotransmissor inativado para acabar com a transmissão. 21
  22. 22. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Chemical Synapses  EPSP (potencial pós- sináptico excitatório):   Despolarização.  IPSP (potencial pós- sináptico inibitório):   Hiperpolarização Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Acetilcolin (ACh) um NT   ACh é tanto um NT excitatórios e inibitórios, dependendo dos órgãos envolvidos.   Causa a abertura de canais iônicos química fechado.   ACh nos receptores nicotínicos:   Encontrada em gânglios autonômicos e fibras musculares esqueléticas.   Receptores muscarínicos ACh:   Encontrada na membrana plasmática de células musculares lisas e cardíacas e em células das glândulas particular. 22
  23. 23. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Ligante-Ativo nos Canais de Ach   Mais direto mecanismo.   Canal iônico funciona através do receptor.   Receptor tem cinco subunidades polipeptídicas que encerram canal iônico.   2 subunidades contêm sítios ACh ligados.   Canal se abre quando ambos os sítios se ligam a ACh.   Permite a difusão de Na e K + + para fora da célula pós- sináptica.   Fluxo interno de Na+ predomina.   Produz EPSPs. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. G Protein-Ativa no canal de Ach  Apenas uma subunidade.  Canais iônicos são proteínas separados localizados longe dos receptores.  Ligação da ACh ativa subunidade G-proteína.  Dissocia subunidade alfa.  Subunidade alfa ou o complexo beta-gama, se difunde através da membrana, até que se liga ao canal iônico, abri-lo. 23
  24. 24. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Acetilcolinesterase (AChE)  Enzima que inativa a ACh.   Presentes na membrana pós-sináptica ou imediatamente fora da membrana.  Impede a estimulação continuada. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Ach no SNC   Neurônios colinérgicos:   Use ACh como NT.   Sinapses com dendritos axônio botão ou corpo celular de outro neurônio.   Canais de primeira VG estão localizados na colina do axônio.   EPSPs espalhados por propriedades do cabo para o segmento inicial do axônio.   Gradações na força da EPSPs acima do limiar determinam a freqüência dos PAs produzido no axônio hillock. 24
  25. 25. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Ach no SNP   Motor somático sinapse os neurônios com fibras de músculo esquelético.   Liberação de ACh a partir de botões.   Produz potencial de placa terminal (EPSPs).   Despolarização abre canais VF adjacente à placa terminal. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Monoaminas NT  NTs monoaminas:   Epinefrina.   Norepinefrina.   Serotonina.   Dopamina.  Liberado por exocitose a partir de vesículas pré- sinápticas.  Difundem através da fenda sináptica.  Interagem com receptores específicos na membrana pós-sináptica. 25
  26. 26. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Inibição das Monoaminas como NT  Recaptação de monoaminas na membrana pré-sináptica.   Degradação enzimática de monoaminas na membrana pré-sináptica pela MAO.  Degradação enzimática de catecolaminas na membrana pós-sináptica pela COMT. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Mecanismo de Ação  NT monoamina não abre diretamente os canais iônicos.  Agir através de mensageiro secundário, como cAMP.  Ligação da norepinefrina estimula a dissociação da proteína G-subunidade alfa.  Subunidade alfa se liga a adenilato ciclase, convertendo ATP em cAMP,  cAMP ativa a proteína quinase, fosforilar outras proteínas.  Abrir os canais de íons. 26
  27. 27. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Serotonina um NT   NT (derivado da L-triptofano) para os neurônios com corpos celulares nos núcleos da rafe.   Regulação do humor, comportamento, apetite, e da circulação cerebral.   ISRS (inibidores específicos da recaptação da serotonina):   Inibem a recaptação de serotonina e destruição, prolongando a ação do NT.   Utilizada como um antidepressivo.   Tratamento reduz o apetite, para a ansiedade, o tratamento para a enxaqueca. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Dopamina um NT  NT para os neurônios com corpos celulares no mesencéfalo.  Axônios projeto em:   Sistema de dopamina nigroestriatal:   Neurônios na substância negra enviam fibras para striatum corpus.   Início do movimento do músculo esquelético.   Doença de Parkinson: degeneração dos neurônios na substantia nigra.   Sistema dopaminérgico mesolímbico:   Neurônios originam no mesencéfalo, enviam axônios para o sistema límbico.   Envolvidos no comportamento e recompensa.   Drogas que causam dependência:   Promover a atividade no núcleo accumbens. 27
  28. 28. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Norepinefrina (NE) um NT   NT em ambos os SNP e do SNC.   SNP:   Músculos lisos, músculo cardíaco e glândulas.   Aumento da pressão arterial, constrição das artérias.   SNC:   Comportamento geral. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Amino Ácidos NT  Ácido glutâmico e ácido aspártico:   Principais NTs excitatórios no sistema nervoso central.  Ácido glutâmico:   Receptor NMDA envolvidos no armazenamento de memória.  Glicina:   Inibitória, produz IPSPs.   Abertura de canais de Cl na membrana pós-sináptica. -   Hiperpolarização.   Ajuda a controlar os movimentos do esqueleto.  GABA (ácido gama-aminobutírico):   NT mais prevalente no cérebro.   Inibitória, produz IPSPs.   Hiperpolariza membrana pós-sináptica.   Funções motoras no cerebelo. 28
  29. 29. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Polipeptídeos NT  CCK (colecistoquinina):   Promover a saciedade refeições seguintes.  Substância P:   NT importante na sensação de dor.  Plasticidade sináptica (efeitos neuromodulador):   Neurônios podem liberar NT clássica ou o NT polipeptídeo. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Polipeptídeos NT  Opióides endógenos:   Cérebro produz a sua própria analgésicos endógenos semelhantes à morfina compostos, bloqueando a liberação de substância P.   Beta-endorfina, encefalina, dinorfina.  Neuropeptídeo Y:   Neuropeptídeo mais abundante no cérebro.   Inibe glutamato no hipocampo.   Poderoso estimulador de apetite.  NO:   Exerce seus efeitos pela estimulação do cGMP.   Macrófagos liberam NO ajuda a matar bactérias.   Envolvidas na memória e aprendizagem.   Relaxamento da musculatura lisa. 29
  30. 30. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Os canabinóides endógenos, Monóxido de Carbono  Endocanabinóides:   Se ligar ao receptor mesma THC.   Agem como analgésicos.   Funcionar como NT retrógrada.  Monóxido de carbono:   Estimular a produção de cGMP dentro dos neurônios.   Promove a adaptação odor em neurônios olfativos.   Podem estar envolvidos na regulação neuroendócrina no hipotálamo. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. 30
  31. 31. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. EPSP - Potencial pós-sináptico excitatório  Sem limite.  Diminui o potencial de repouso da membrana.   Mais próximo do limiar.  Graduada em magnitude.  Não tem período refratário.  Pode somar. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Integração sináptica  EPSPs pode somam, produzindo PA.   Soma espacial:   Botões numerosos convergem para um único neurônio pós- sináptico (distância).  Somação temporal:   Sucessivas ondas de liberação do neurotransmissor (tempo). 31
  32. 32. 17/12/11 Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Potenciação de longa duração   Pode favorecer a transmissão ao longo freqüentemente usados vias neurais.   Neurônio é estimulado em alta freqüência melhorando, excitabilidade de sinapse.   Melhora a eficácia da transmissão sináptica.   Vias neurais no hipocampo usa glutamato, o que ativa os receptores NMDA.   Envolvidas na memória e aprendizagem. Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display. Inibição sináptica  Inibição pré-sináptica:   Quantidade de NT excitatórios liberado é reduzido pelos efeitos de segundo neurônio, cujos axônios fazem sinapse com axônio do neurônio primeiro.  Inibição pós-sináptica  (IPSPs):   Sem limite.   Hiperpolarizar membrana pós- sináptica.   Aumentar o potencial de membrana.   Pode consumar.   Nenhum período refratário. 32

×