Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ditadura militar disma

6,068 views

Published on

Ditadura militar disma

  1. 1. Professor: Dismael Sagás
  2. 2. Ditadura no Brasil: 1964-1985 <ul><li>“ Dormia a nossa Pátria mãe tão distraída / Sem perceber que era subtraída / Em tenebrosas transações.” </li></ul><ul><li>CHICO BUARQUE DE HOLLANDA </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=31Whhkr8eFI </li></ul>
  3. 3. Conceito - Ditadura <ul><li>Regimes de governo não-democráticos ou antidemocráticos, isto é, aqueles onde não há participação popular, ou onde isso ocorre de maneira muito restrita. </li></ul>
  4. 4. Ditaduras conservadoras <ul><li>A finalidade é defender o satus quo dos perigos de uma mudança. Esse foi o caso das várias ditaduras militares que se estabeleceram na América Latina nos anos 1960 e 70: Argentina, Brasil, Chile, Uruguai, entre outras. </li></ul>
  5. 5. Ditaduras Revolucionárias <ul><li>Acabar de forma radical, a velha ordem político-social e introduzir uma ordem nova, como foi o governo instaurado pela Convenção Nacional francesa, em 1793, que pôs fim à monarquia, ou ainda o próprio governo cubano, depois de 1959, que instaurou o socialismo no país. </li></ul>
  6. 6. Ditadura Brasileira - Antecedentes <ul><li>Crise Política Jânio – João Goulart; </li></ul><ul><li>Guerra Fria: temor dos EUA com a possibilidade de “novas revoluções cubanas” na América Latina. </li></ul><ul><li>Apoio de setores civis conservadores ao golpe militar (Marcha com Deus pela Família e Liberdade). </li></ul>
  7. 7. Construindo a ditadura <ul><li>Embora o golpe tivesse contado com o apoio de civis – UDN, os militares não pretendiam entregar o poder. </li></ul><ul><li>Os militares optaram pelo alinhamento ao bloco ocidental (EUA) – os estadunidenses prontamente reconheceram o governo militar logo após o golpe. </li></ul>
  8. 8. Atos Institucionais <ul><li>Conjunto de normas superiores, baixadas pelo governo, que se sobrepunham até mesmo à Constituição Federal. </li></ul>
  9. 9. Ato Institucional 1 (A.I. 1) <ul><li>Instituído em 09 de abril de 1964, dava ao Executivo federal, durante seis meses, poderes para cassar mandatos de parlamentares, suspender direitos políticos de quaisquer cidadãos, modificar a Constituição e decretar estado de sítio, sem aprovação do Congresso. </li></ul>
  10. 10. Ato Institucional 2 (A.I. 2) <ul><li>Foi decretado em 1965 e conferia mais poderes ao presidente para cassar mandatos e direitos políticos </li></ul><ul><li>Foi criada a Lei de Segurança Nacional - instrumento jurídico destinado a enquadrar como inimigos da pátria aqueles que se opunham ao regime. </li></ul>
  11. 11. Extinguia todos os partidos políticos existentes, criando apenas 2: - ARENA – ALIANÇA RENOVADORA NACIONAL (Criado para apoiar o governo) - MDB – MOVIMENTO DEMOCRÁTICO NACIONAL ( Criado para fazer oposição dentro dos limites considerados “aceitáveis”) Ato Institucional 2 (A.I. 2)
  12. 12. Partidos Extintos pelo AI 2
  13. 13. Ato Institucional 3 (A.I. 3) <ul><li>Estabeleceu o fim das eleições diretas para governadores e prefeitos das capitais. A partir de então, os governadores, indicados pelo presidente, seriam submetidos à aprovação das Assembléias Legislativas e os prefeitos seriam indicados pelos governadores . </li></ul>
  14. 14. Ato Institucional 4 (A.I. 4) <ul><li>O governo adquiriu poderes para produzir uma nova constituição. Foi elaborada então a Constituição de 1967, que tinha como objetivo fortalecer o poder executivo e enfraquecer o Legislativo e o Judiciário. </li></ul>
  15. 15. Ato Institucional 5 (A.I. 5) <ul><ul><li>Conferia ao presidente da república amplos poderes para perseguir e reprimir as oposições. </li></ul></ul><ul><ul><li>O Congresso Nacional foi fechado por tempo indeterminado. </li></ul></ul><ul><ul><li>Deputados, vereadores e prefeitos </li></ul></ul><ul><ul><li>foram cassados. </li></ul></ul><ul><ul><li>Foi um dos mais terríveis instru- </li></ul></ul><ul><ul><li>mentos normativos lançados pelo </li></ul></ul><ul><ul><li>regime militar. </li></ul></ul>
  16. 16. Presidentes Militares Médici Costa e Silva Geisel Castello Branco Figueiredo
  17. 17. Divisão entre os Militares <ul><ul><li>SORBONNE: oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra – 1948), intelectuais, veteranos da 2ª Guerra, próximos da UDN, alinhados ideologicamente com os EUA, anticomunistas, partidários de um poder executivo forte e soluções econômicas técnicas. </li></ul></ul><ul><ul><li>LINHA DURA: também anticomunistas, sem ligações diretas com os EUA, nacionalistas, avessos a políticos e a qualquer tipo de democracia </li></ul></ul>
  18. 18. Governo Castelo Branco (1964-1967) <ul><li>Repressão aos movimentos sociais – Sindicatos foram fechados e a sede da União Nacional de Estudantes foi invadida. </li></ul><ul><li>Em 60 dias mais de 300 pessoas tiveram seus mandatos cassados e o direito político suspenso, entre eles: Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros e João Goulart. </li></ul><ul><li>Foi elaborado o PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo). </li></ul>
  19. 19. PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo) <ul><ul><li>Combate à inflação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Corte de gastos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento de tarifas e impostos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fim da Lei da Estabilidade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Criação do FGTS (Fundo de Garantia por </li></ul></ul><ul><ul><li>Tempo de Serviço); </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento salarial (1X ao ano) abaixo da inflação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Restrição de crédito; </li></ul></ul><ul><ul><li>Arrocho salarial, recessão e desemprego. </li></ul></ul>
  20. 20. Governo Costa e Silva (1967-1969) <ul><li>Aumentaram as manifestações públicas contrárias à ditadura; </li></ul><ul><li>No Rio de Janeiro, e, 1968, mais de 100 mil pessoas saíram às ruas protestando contra o assassinato de um estudante pela polícia </li></ul>
  21. 21. Manifestações Populares Atritos entre estudantes da USP (oposição aos militares) e MACKENZIE (conservadores e anti-comunistas) Manifestação estudantil Reunião de sindicato
  22. 22. Passeata dos 100 mil Passeata contra a morte do estudante Edson Luis, 18 anos, assassinado por militares.
  23. 23. Governo Emílio Garrastazu Médici (1969-1974) <ul><li>Período conhecido como “anos de </li></ul><ul><li>chumbo”; </li></ul><ul><li>Direitos fundamentais foram </li></ul><ul><li>suspensos. Qualquer um que se opusesse ao governo poderia ser preso. </li></ul><ul><li>- Foi marcado por um período de desenvolvimento econômico que a propaganda oficial chamou de “milagre brasileiro”. </li></ul>
  24. 24. O “Milagre” econômico <ul><li>A economia cresceu a altas taxas anuais, com base no crescimento da produção industrial; </li></ul><ul><li>Utilização de empréstimo de capital estrangeiro; </li></ul><ul><li>Rígida política de arrocho salarial; </li></ul>
  25. 25. O “Milagre” econômico <ul><li>O “milagre” durou pouco... </li></ul><ul><li>A economia brasileira sentiu impacto das transformações externas; </li></ul><ul><li>Aumento da inflação e da dívida externa. </li></ul>
  26. 26. O “Milagre” econômico Aumento da dívida externa Aumento da inflação
  27. 27. O “Milagre” econômico
  28. 28. Ufanismo <ul><li>- Utilizou a televisão para propaganda. </li></ul><ul><li>- Divulgação de uma imagem de um governo sério e competente e de um país próspero e pacífico. </li></ul>
  29. 29. Ufanismo Apoio de grandes empresas e da imprensa
  30. 30. Copa de 1970 Carlos Alberto, Presidente Médici e Zagallo SELEÇÃO TRICAMPEÃ MUNDIAL (1970) Valorização de conquistas esportivas: futebol e automobilismo (associação de vitórias com o sucesso do governo ).
  31. 31. Copa de 1970 Ufanismo A comemoração de Pelé e Jairzinho, saudados por milhares de torcedores no Estádio Asteca, na cidade do México, foi utilizada politicamente pelo governo militar para evitar que levantes populares se articulassem contra as arbitrariedades e a falta de democracia vigentes no Brasil.
  32. 32. “ ANOS DE CHUMBO” <ul><li>Suspensão das liberdades individuais (de expressão, de imprensa...) </li></ul>
  33. 33. “ ANOS DE CHUMBO” – Grupos de esquerda <ul><li>O PCB – resistência no interior do MDB e dos sindicatos. </li></ul><ul><li>O PC do B – iniciou uma campanha de guerrilhas rurais, com escasso apoio camponês. </li></ul><ul><li>Entre 1968 e 1974, a ALN (Aliança Nacional Libertadora); a VAR (Vanguarda Armada Revolucionária), o MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de outubro) e a Ação Popular promoveram a guerrilha urbana. </li></ul>
  34. 34. “ ANOS DE CHUMBO” – caso seqüestro do embaixador <ul><li>Em setembro de 1969, a ALN e o MR-8 seqüestram o embaixador americano Charles Elbrick. </li></ul><ul><li>Em troca da libertação do embaixador, os militantes divulgam um manifesto revolucionário na imprensa e libertam 15 prisioneiros políticos, entre eles, Zé Dirceu. </li></ul>
  35. 35. “ ANOS DE CHUMBO” <ul><li>Combate a grupos políticos de diversas tendências políticas: liberais, socialistas e comunistas: aumento da repressão. </li></ul>
  36. 36. “ ANOS DE CHUMBO” - TORTURA <ul><li>Mais de 100 tipos de tortura foram utilizados durante o período da ditadura (choques, afogamentos, queimaduras, espancamento...) </li></ul><ul><li>Durante o governo militar, mais de 280 pessoas foram mortas - muitas sob tortura. </li></ul><ul><li>Em 1979, o Congresso aprovou a Lei da Anistia, que determinou que todos os envolvidos em crimes políticos - incluindo os torturadores - fossem perdoados pela Justiça </li></ul>Pau de arara
  37. 37. “ ANOS DE CHUMBO” Desaparecidos Ainda hoje existem cerca de 140 desaparecidos políticos do período militar
  38. 38. Governo Ernesto Geisel - (1974-1979) <ul><li>Geisel integrava um grupo de oficiais militares favoráveis à devolução gradual do poder aos civis; </li></ul><ul><li>Diminuiu a severa ação da censura sobre os meios de comunicação; </li></ul><ul><li>Em 1974, autorizou as eleições livres para senador, deputados e vereadores; </li></ul><ul><li>Recuou em 1976, temendo o avanço das forças opositoras </li></ul><ul><li>Em outubro de 1978 extinguiu o AI-5 e os demais atos institucionais. </li></ul>
  39. 39. Governo Geisel – caso Herzog A morte do jornalista Vladimir Herzog, nos porões do DOI-CODI, provocou indignação e fez com que Geisel apressasse a mudança na imagem da ditadura.
  40. 40. Governo Geisel início da abertura política <ul><li>Eleição indireta para os governadores de estado. </li></ul><ul><li>Aumento do mandato presidencial (de 5 para 6 anos). </li></ul><ul><li>As decisões no Congresso passaram a depender apenas de maioria simples. </li></ul><ul><li>Um terço das cadeiras do Senado passaram a ser concedidas aos “Senadores Biônicos”. </li></ul>
  41. 41. Governo João Figueiredo (1979-1985) <ul><li>Aumentou as pressões sociais </li></ul><ul><li>Conclusão do processo de abertura política. </li></ul><ul><li>Novembrada </li></ul>
  42. 42. Governo João Figueiredo Novembrada <ul><li>Manifestação popular contra o Regime Militar ocorrida no movimentado centro de Florianópolis em 30 de novembro de 1979. </li></ul>
  43. 43. Processo de Redemocratização <ul><li>Anistia aos que foram punidos pela ditadura militar; </li></ul><ul><li>Fim do bipartidarismo – forma criados novos partidos para disputar as eleições seguintes. (PDS, PMDB, PT, PDT, PTB) </li></ul><ul><li>Foram restabelecidas eleições diretas para governadores de estado. </li></ul>
  44. 44. Processo de Redemocratização <ul><li>Transição democrática: Paulo Maluf (PDS) X Tancredo Neves (PMDB) </li></ul><ul><li>15 de janeiro de 1985: Tancredo e Sarney são eleitos depois de 21 anos de governos militares. </li></ul><ul><li>Na data da posse, 15 de março, Tancredo é internado – Sarney assume. </li></ul><ul><li>21 de abril: morre Tancredo. </li></ul><ul><li>Começava a conturbada NOVA REPÚBLICA . </li></ul><ul><li>. </li></ul>
  45. 45. “ Amanhã vai ser outro dia” http://www.youtube.com/watch?v=R7xRtSUunEY
  46. 46. Cartuns sobre o período
  47. 47. Cartuns sobre o período
  48. 48. Cartuns sobre o período
  49. 49. Cartuns sobre o período
  50. 50. Cartuns sobre o período
  51. 51. Cartuns sobre o período

×