Os Romanos em Portugal

3,671 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,671
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
65
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Os Romanos em Portugal

  1. 1. BREVE INTRODUÇÃO  Pouco se sabe acerca dos povos que terão habitado a Península Hispânica antes da chegada dos romanos (séc. III a. C.). Nesses povos incluem-se, entre outros, os Iberos , os Celtas , os Fenícios , os Gregos e os Cartagineses . A Península fora habitada, em tempos muito remotos, pelos Iberos, povo agrícola e pacífico. Por volta do século VI antes de Cristo, este território foi invadido pelos Celtas, um povo turbulento e guerreiro. E a prolongada permanência provocou o cruzamento entre os dois povos, dando origem à denominação de Celtiberos . Depois, os Fenícios, os Gregos e os Cartagineses estabeleceram colónias comerciais em vários pontos da Península. Como os últimos pretendiam apoderar-se de todo o solo peninsular, os Celtiberos pediram socorro aos Romanos – E a “AVENTURA” começa…
  2. 2. Os Romanos invadem a Península, no século III antes de Cristo, com ointuito de travar a expansão dos seus poderosos inimigos chefiados porAníbal, os Cartagineses, dado que estes constituíam uma séria ameaça ao domínio do mundo mediterrâneo pretendido por Roma. 
  3. 3. ROMANIZAÇÃO DAPENÍNSULA IBÉRICA  Vencidos os Cartagineses, seguiram-se as lutas contra os povos peninsulares. Por volta de 194 a. C. deu-se o primeiro confronto com os Lusitanos. Entre os chefes destes sobressaíam Viriato e Sertório. A conquista da Península iria demorar até 19 a. C., no tempo de Augusto, dada a enorme resistência dos povos peninsulares ao assédio romano. A conquista foi-se estendendo do sul para o norte, mais montanhoso, onde era mais fácil resistir. Os Romanos acabaram por dominar toda a Península, tanto no aspecto político-militar como no aspecto cultural, nomeadamente no que respeita à língua.
  4. 4.  Galba, com esta traição, pensava que a sua vitória seria bem recebida em Roma e que com a violência do seu acto tivesse destruído para sempre a resistência dos Lusitanos. No entanto, esta traição ia contra os conceitos estabelecidos pelas autoridades romanas, que davam muito valor às vitórias militares mas exigiam lealdade e respeito pelos inimigos. Quando souberam que Galba tinha mentido e assassinado homens desarmados que tinham confiado na palavra de um chefe romano, chamaram-no a Roma e julgaram-no em tribunal. Os Lusitanos, ao contrário do esperado por Galba,formaram um exército de milhares de homens vindos de vários castros e desencadearam ataques sucessivos contra os Romanos, alcançando muitas vitórias sobre o comando desse grande herói do povo Lusitano que só à traição seria eliminado - Viriato.
  5. 5. GALBA E OS LUSITANOS1.   Em 151 a.C., os chefes Lusitanos, que se encontravam nos castros (povoações rodeadas por muralhas) nos montes Hermínios, após muitas lutas contra os romanos, decidiram propor a paz. Em troca de terras férteis na planície, abandonariam a luta. As conversações sobre a intenção dos Lusitanos tiveram como interlocutor um chefe romano de seu nome Galba que fingiu aceitar a proposta oferecendo-lhes um local esplêndido. Em troca teriam que entregar as armas.  Quando os lusitanos se encontravam espalhados por uma zona sem hipóteses de defesa, Galba cercou-os, matando milhares de Lusitanos. Aprisionou e enviou para a Gália, como escravos, outros tantos. Porém, alguns conseguiram escapar, entre os quais, Viriato. 1. E 2. ≈ CASTROS 2.
  6. 6. VIRIATO  Chefe militar lusitano do século II a. C. Dedicou-se à pastorícia, como era comum aos homens do seu povo, e veio a assumir a chefia dos Lusitanos contra o exército romano invasor, vencendo-o por sucessivas vezes. Ao fim de oito anos (147-139 a. C.) de resistência bem sucedida, Viriato morreu assassinado por traidores, que se venderam a troco de recompensa.
  7. 7. MORTE DE VIRIATO
  8. 8.  Sobre os lusitanos há que referir que tiveram grande influência celtibera. Eram ágeis, vigorosos e frugais. Dormiam na terra dura, usavam compridos e soltos cabelos, como os das mulheres. Apreciavam muito os sacrifícios e tiravam prognósticos do exame das entranhas das vítimas. Eram disciplinados e hábeis na arte da guerra.
  9. 9.  Em suma, existe uma pequena filiação entre os portugueses de hoje e as tribos que inicialmente habitaram a região, embora os portugueses desde sempre se considerem, eles próprios, descendentes dos Lusitanos, um povo celta que veio para a região depois de 1000 a.C. Os Lusitanos tinham como sua região chave a Serra da Estrela. Sob o comando de Viriato (Século II a.C.) e Sertório (Século I a.C.) resistiram à ocupação romana.
  10. 10.  Após a morte de Sertório, os lusitanos desintegraram-se, o que foi aproveitado por Pompeu para os derrotar. Mas a influência romana já se fazia sentir através de Sertório no ensino, no direito, na educação da juventude e no movimento artístico. A partir daí foi a integração completa.
  11. 11.  Algumas tribos, como os Cónios no Algarve, submeteram-se a Roma mais facilmente. Os habitantes do sul e do sudeste assimilaram prontamente a cultura dos romanos, mas os povos do norte e do interior sofreram uma influência menor. Júlio César e Augustus completaram a conquista da área,nascendo assim a Lusitânia , província romana. A sociedade romana dominou e do Latim derivou a língua portuguesa.
  12. 12. LEGADO POLÍTICO ECULTURAL ROMANO  Durante cerca de 200 anos deu-se a adaptação ao modo de vida romano por parte das sociedades conquistadas – romanização. A romanização supõe uma mudança de vida em aspectos tão elementares como a língua, o ensino, os costumes, a religião, o urbanismo, o comércio, a administração... Consequentemente, a sua língua, o Latim, tornou-se indispensável e obrigatória, suplantando os idiomas já existentes e funcionando como factor de ligação e de comunicação entre os vários povos.
  13. 13.  O latim teve logicamente variantes regionais - em Portugal, o latim vulgar deu origem ao galaico- português que redundou na língua actualmente falada, eliminando os entraves linguísticos que se colocavam ao comércio, à implantação de colonos e à unidade no seio do Império. As línguas românicas derivam do latim (que tem este nome por ser o idioma falado pelos habitantes do Lácio - núcleo inicial da cidade de Roma).
  14. 14.  Após a conquista da Península Ibérica pelos Romanos, estes dividem-na em três grandes províncias: Tarraconense, Lusitânia e Bética. A Lusitânia tinha três conventos jurídicos: Emérita (Mérida), Pax Iulia (Beja) e Scallabis (Santarém).
  15. 15.  As povoações, até aí predominantemente nas montanhas, passaram a surgir nos vales ou planícies, habitando casas de tijolo cobertas com telha. Como exemplo de cidades que surgiram com os Romanos, temos Braga (Bracara Augusta) , Beja (Pax Iulia) , Conímbriga e Chaves (Aquae Flaviae) . A divisão administrativa e judicial foi feita à moda de Roma, com a divisão da Península em três províncias (Tarraconense, Lusitânia, Bética) e com a criação dos conventos jurídicos.
  16. 16. DIORAMAS DA VIDA ROMANA 
  17. 17.
  18. 18.
  19. 19. Messines  Ora, o processo de romanização só era possível devido à existência de uma boa rede de comunicações entre os distintos pontos do Império. Deste modo, e tomando como ponto de partida a própria Roma, começaram a construir-se as primeiras vias ou estradas e as calçadas, elemento chave para o desenvolvimento do Império, e que facilitaram tanto o transporte de mercadorias como o imparável avanço das legiões. Os romanos chegaram a dispor de 85.000 km de Calçadas, que percorriam o Império do Norte a Sul, de Este a Oeste. Daquelas infra-estruturas restam ainda alguns troços. Sobre elas foram sendo construídas muitas das actuais estradas. Fornos de Algodres
  20. 20.  Neste âmbito entra ainda a arquitectura civil e religiosa, desde os aquedutos, as pontes e as represas à estrutura da malha urbana e aos templos. As divisões administrativas romanas estão na origem também das actuais, desde a demarcação de países (então denominados províncias) aos conventus (colónias romanas de província, onde residiam cidadãos). Calçada do Torrão
  21. 21. Ponte Romana de Monforte – Alto Alentejo
  22. 22.  Os Aquedutos garantiam o abastecimento regular de águas às cidades. A sua construção implicava a condução da água desde as fontes fora das cidades. A estrutura, que era em sua maior parte subterrânea, corria com uma ligeira inclinação e era visível somente perto das cidades. O Aqueduto terminava num colector, a partir do qual uma rede de tubos distribuía a água por vários pontos da cidade. A construção dos Complexos Termais reflectia um duplo desejo dos governantes romanos: embelezar a cidade e passarem para a posteridade como benfeitores do povo, uma vez que alguns dos magníficos recintos de banhos e higiene foram disponibilizados àquele e incorporaram-se na vida quotidiana; neles untavam-se com óleos perfumados, recebiam medalhas,faziam exercício ou tomavam alguma bebida.
  23. 23. Termas - Conímbriga
  24. 24. Ruínas de S. Cucufate
  25. 25.  A indústria desenvolveu-se, sobretudo a olaria, as minas, a tecelagem e as pedreiras, o que ajudou a desenvolver também o comércio, surgindo feiras e mercados, com circulação da moeda. A influência romana fez-se sentir também na religião e nas manifestações artísticas. A arte romana subsistiu em diversas vertentes técnicas e temáticas, desde a arquitectura à escultura e pintura, depois de ter criado as suas raízes no ideal da arte praticada pelos helenos.
  26. 26. Mosaicos Romanos - Conímbriga
  27. 27. Conímbriga
  28. 28. DIREITO ROMANO  É uma das mais grandiosas criações do povo romano e, no processo de romanização, uma das suas mais valiosas contribuições para a civilização ocidental. O mais apelativo do Direito Romano, em relação a outros Direitos nacionais, é não ter desaparecido quando desapareceu o poder político de Roma. Desde a Idade Média, onde foi acolhido e assimilado pelos povos bárbaros, passando para a Modernidade, até ao século XIX - com o Código de Napoleão -, o Direito Romano não só sobreviveu como se estendeu a outros continentes. O sistema jurídico deixado por Roma constitui, hoje em dia, o núcleo do Direito de todo o mundo Ocidental.
  29. 29. CIDADES COMTEMPORÂNEAS DOS ROMANOS Aeminium – Coimbra  Aquae Flaviae – Chaves Bracara Augusta – Braga Conímbriga Ebora Liberalitas Julia – Évora Egitânia – Idanha-a-Velha 1. Interamniense-Viseo – Viseu Miróbriga – Santiago do Cacém Myrtilis – Mértola Olisipo Felicitas Julia – Lisboa Ossonoba – Faro Pax Julia – Beja Portucale-Castrum Novum – Porto 2. Salatia – Alcácer do Sal Scallabis – Santarém Sellium – Tomar Tróia 1.≈Coimbra 2.≈Chaves 3.≈Braga 3.
  30. 30. IMPÉRIO ROMANO  ≈ IMPÉRIO ROMANO
  31. 31. PRINCIPAIS ROTASCOMERCIAIS DO IMPÉRIO ROMANO 
  32. 32. PRINCIPAIS ESTRADASDO IMPÉRIO ROMANO 
  33. 33. PLACA COMINSCRIÇÕES EM LATIM 
  34. 34. VÁRIOS TIPOS DEMOEDA ROMANA 
  35. 35.  Investigador: Diogo José Gonçalves Mota Ano/Turma: 7º B Número: 9 Discplina: História Professora: Rosário Miranda Data de realização: Fevereiro de 2011

×