Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
LUBRIFICAÇÃO
Introdução
Atrito
Tipos de lubrificantes, suas características e mecanismos
Classificação dos lubrificante...
LUBRIFICAÇÃO
Graxas lubrificantes
• CONSIDERAÇÕES GERAIS
• COMPONENTES
• ESPESSADOR
• LUBRIFICANTE FLUIDO
• ADITIVOS
• CON...
LUBRIFICAÇÃO
Considerações gerais
A graxa é um lubrificante fluido engrossado a uma consistência de gel pela
adição de vár...
LUBRIFICAÇÃO
Desvantagens das graxas em relação aos óleos:
Dissipam menos calor.
Não lubrificam tão bem em altas velocid...
LUBRIFICAÇÃO
Espessantes
•argilas
•sabão, ou mistura de sabões
•cálcio,
•hidróxido de sódio
• lítio.•sabões complexos
•neg...
LUBRIFICAÇÃO
Principais espessantes utilizados na formulação das graxas:
Sabão de cálcio:
resistente ao ataque da umidade...
LUBRIFICAÇÃO
Tipo de Resistência à Resistência à Bombea- Custo
Espessante ação da água ação do calor bilidade
Cálcio Alta ...
LUBRIFICAÇÃO
As graxas podem ser subdivididas em:
 graxas de sabão metálico,
 graxas sintéticas,
 graxas á base de argi...
LUBRIFICAÇÃO
Graxas de sabão metálico
São as mais comumente utilizadas. São
constituídas de óleos minerais puros e sabões
...
LUBRIFICAÇÃO
Graxas sintéticas
São as mais modernas. Tanto o óleo mineral, como o sabão, podem ser
substituídos por óleos ...
LUBRIFICAÇÃO
Graxas á base de argila
São constituídas de óleos minerais puros e argilas especiais de granulação
finíssima....
LUBRIFICAÇÃO
Principais características das graxas:
Consistência (mole/dura)  padronizada pela NLGI (National Lubricatin...
LUBRIFICAÇÃO
Consistência
Resistência da graxa a penetração. Quanto mais fácil de ser penetrada, menor é
a consistência.
P...
LUBRIFICAÇÃO
PENETRÔMETRO
LUBRIFICAÇÃO
Classificação de consistência NLGI para graxas
Baseado nos valores de penetração trabalhada, o NLGI (National...
LUBRIFICAÇÃO
Ponto de gota (ASTM D566-42)
Denomina-se “ponto de gota”de uma graxa lubrificante, a temperatura na qual o
pr...
LUBRIFICAÇÃO
Procedimento de ensaio de ponto de gota
Consiste em se untar internamente com graxa um copo de metal com um
...
LUBRIFICAÇÃO
Aparelho para ensaio de ponto de gota
LUBRIFICAÇÃO
Resistência a água e estabilidade ao trabalho das graxas
Alguns tipos de graxa tem que exercer a sua tarefa ...
LUBRIFICAÇÃO
LUBRIFICAÇÃO
Como o lubrificante trabalha?
Entra limpo, claro e, ao ser drenado, sai sujo, contendo impurezas, mas
satisfe...
LUBRIFICAÇÃO
Em resumo, o óleo lubrificante, para sair vencedor neste vasto campo de
combate, tem que possuir pelo menos a...
LUBRIFICAÇÃO
Quando congela?
– baixo ponto de
fluxão
Saúde e segurança
baixo nocividade
Boa fluidez a
baixas temperaturas
...
LUBRIFICAÇÃO
Devem ser compatíveis
-entre eles
-com a aplicação
Os aditivos permitem adaptar o óleo :
-às suas condições...
LUBRIFICAÇÃO
 Óleos Industriais.....................................................: 0,01%
 Óleos Hidráulicos /Engrenag...
LUBRIFICAÇÃO
Exigências dos aditivos
Devem ser completamente solúveis nos óleos básicos a que serão
adicionados.
Devem p...
LUBRIFICAÇÃO
Aditivos
LUBRIFICAÇÃO
Aumentador de índice de viscosidade
O indice de viscosidade caracteriza a variação da viscosidade em função d...
LUBRIFICAÇÃO
Lubrificante com elevado I.V. garante
Isto traduz-se em:
Prevenção contra o desgaste
Baixo consumo de óleo
Me...
LUBRIFICAÇÃO
Viscosidade - Efeitos da escolha incorreta do lubrificante para motores.
Viscosidade superior à adequada
Difi...
LUBRIFICAÇÃO
Abaixador de ponto de fluidez
Ao se usar o aditivo abaixador do ponto de fluidez, modifica a forma de
cristal...
LUBRIFICAÇÃO
Detergentes
Tem a função de limpar, mantendo partes internas de maquinários, isentas de
impregnações.
Exemplo...
LUBRIFICAÇÃO
Dispersante
Mantêm em suspensão, finamente dividida, todas as impurezas formadas no
interior do sistema ou qu...
LUBRIFICAÇÃO
Inibidores de oxidação
Os anti-oxidantes são usados em quase todos os tipos e óleos industriais e
automotivos...
LUBRIFICAÇÃO
Anti-espumante
Pela redução da tensão superficial do óleo, permitem que as bolhas de ar , já em
tamanho maior...
LUBRIFICAÇÃO
Inibidores de ferrugem
Por interação física ou química na superfície do metal, forma-se uma película
continua...
LUBRIFICAÇÃO
Inibidores de corrosão
São compostos químicos alcalinos. Protegem as partes metálicas de uma
corrosão. Muitos...
LUBRIFICAÇÃO
Agentes anti-desgaste
Atuam em condições de lubrificação limite.
Podemos considerar dois tipos de aditivos an...
LUBRIFICAÇÃO
Extrema pressão
Aditivos que conferem aos lubrificantes uma maior capacidade de suportar altas
cargas.
Na lub...
LUBRIFICAÇÃO
Agente de oleosidade
Seu mecanismo de ação é mais importante nos casos de lubrificação limítrofe.
São, habitu...
LUBRIFICAÇÃO
LUBRIFICAÇÃO
LUBRIFICAÇÃO
Componentes Problemas Típicos Funções Aditivos
Sistema
Hidráulico
Temperatura
Contaminação Ar
Condensação Águ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Lubrificação industrial

6,061 views

Published on

Aula sobre Lubrificação Industrial

Published in: Education
  • DOWNLOAD THAT BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book that can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer that is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story That Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money That the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths that Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Lubrificação industrial

  1. 1. LUBRIFICAÇÃO Introdução Atrito Tipos de lubrificantes, suas características e mecanismos Classificação dos lubrificantes Lubrificantes líquidos e suas propriedades Análise de lubrificantes Aditivos Graxas Lubrificantes sólidos Método de aplicação de lubrificantes Seleção de lubrificantes para equipamentos específicos
  2. 2. LUBRIFICAÇÃO Graxas lubrificantes • CONSIDERAÇÕES GERAIS • COMPONENTES • ESPESSADOR • LUBRIFICANTE FLUIDO • ADITIVOS • CONDIÇÕES QUE EXIGEM USO DE GRAXA • CLASSIFICAÇÃO EM GRAU NGLI • PONTO DE GOTA • RESISTÊNCIA À AGUA • ESTABILIDADE • CARACTERÍSTICA E USO SEGUNDO OS SABÕES.
  3. 3. LUBRIFICAÇÃO Considerações gerais A graxa é um lubrificante fluido engrossado a uma consistência de gel pela adição de vários agentes espessantes. A consistência semi-sólida é a característica básica, pois reduz a tendência do lubrificante a fluir ou vazar da área em que está sendo lubrificada. A maioria das graxas é feita, atualmente, pelo espessamento de um óleo de petróleo com sabão básico. Componentes de uma graxa lubrificante As graxas lubrificantes, como as que hoje conhecemos, são produtos complexos, consistindo primordialmente de um “espessante”, um “lubrificante fluido”e quase, sempre, de materiais de adição para realçar certas propriedades da graxa, ou seja, os aditivos. GRAXA = ESPESSANTE + FLUIDO LUBRIFICANTE + ADITIVOS
  4. 4. LUBRIFICAÇÃO Desvantagens das graxas em relação aos óleos: Dissipam menos calor. Não lubrificam tão bem em altas velocidades. Resistem menos à oxidação. Muitas vezes para relubrificar é necessário abrir o mancal para retirar a graxa usada. Vantagens das graxas em relação aos óleos: Promovem melhor vedação contra a água e impurezas. Maior economia nos locais onde o óleo escorre. Possuem maior adesividade.
  5. 5. LUBRIFICAÇÃO Espessantes •argilas •sabão, ou mistura de sabões •cálcio, •hidróxido de sódio • lítio.•sabões complexos •negro de fumo •poliuréias •materiais orgânicos •Bentonita •Hectorita
  6. 6. LUBRIFICAÇÃO Principais espessantes utilizados na formulação das graxas: Sabão de cálcio: resistente ao ataque da umidade (insolúveis em água); baixo custo; não devem ser utilizadas em locais em que a temperatura exceda 60°C; recomendado para a lubrificação de mancais de buchas, chassis de veículos e bombas d’água. Sabão de sódio: resistentes às altas temperaturas (90 a 120°C); solúvel em água; indicadas para a lubrificação de mancais de rolamentos e juntas universais. Sabão de lítio: insolúveis em água; utilizadas em locais com altas temperaturas (até 150°C); muito utilizada em máquinas agrícola.
  7. 7. LUBRIFICAÇÃO Tipo de Resistência à Resistência à Bombea- Custo Espessante ação da água ação do calor bilidade Cálcio Alta Baixa Média Baixo Sódio Baixa Alta Ruim Baixo Lítio Alta Alta Ótima Médio Bentonita Média Alta Média Alto Complexos Alta Alta Ótimo Alto
  8. 8. LUBRIFICAÇÃO As graxas podem ser subdivididas em:  graxas de sabão metálico,  graxas sintéticas,  graxas á base de argila,  graxas betuminosas  graxas para processo.
  9. 9. LUBRIFICAÇÃO Graxas de sabão metálico São as mais comumente utilizadas. São constituídas de óleos minerais puros e sabões metálicos, que são a mistura de um óleo graxo e um metal (cálcio, sódio, lítio, etc.). Como os óleos, estas graxas podem ser aditivadas para se alcançarem determinadas características.
  10. 10. LUBRIFICAÇÃO Graxas sintéticas São as mais modernas. Tanto o óleo mineral, como o sabão, podem ser substituídos por óleos e sabões sintéticos. Como os óleos sintéticos, devido ao seu elevado custo, estas graxas têm sua aplicação limitada aos locais onde os tipos convencionais não podem ser utilizados. Exemplo: Graxa de Silicone para altas temperaturas. Principais aplicações Onde se requer graxa sem ponto de gota e todas aquelas aplicações onde as graxas comuns falham pelas condições de alta temperatura.
  11. 11. LUBRIFICAÇÃO Graxas á base de argila São constituídas de óleos minerais puros e argilas especiais de granulação finíssima. São graxas especiais, de elevado custo, que resistem a temperaturas elevadíssimas. Graxas betuminosas São formuladas à base de asfalto e óleos minerais puros, são lubrificantes de grande adesividade. Algumas, devido à sua alta viscosidade, devem ser aquecidas para serem aplicadas. Outras, são diluídas em solventes que se evaporam após sua aplicação. Graxas para processo São graxas especiais, fabricadas para atenderem a processos industriais como a estampagem, a moldagem etc. Algumas contêm materiais sólidos como aditivos.
  12. 12. LUBRIFICAÇÃO Principais características das graxas: Consistência (mole/dura)  padronizada pela NLGI (National Lubricating Grease Institute). Bombeabilidade  facilidade ou dificuldade em fluir quando bombeada. Ponto de gota  Tº em que começa a haver separação entre o sabão e o óleo. Aditivos para graxas: EP = Mancais que suportam carga elevada. Adesividade = para locais que com vibrações ou sujeitos a força centrífuga. Anticorrosivo = neutralizam ácidos da oxidação. Antiferrugem = inibem a ação corrosiva da água.
  13. 13. LUBRIFICAÇÃO Consistência Resistência da graxa a penetração. Quanto mais fácil de ser penetrada, menor é a consistência. Para classificação das graxas segundo sua consistência, temos: Penetração não trabalhada – a graxa é retirada do recipiente onde se encontra e submetida, tal como se apresenta, ao teste de consistência devendo sua temperatura ser previamente ajustada a 25ºC. Penetração trabalhada – a graxa é trabalhada em um batedor de graxa, adquirindo uma consistência menor que a não trabalhada.
  14. 14. LUBRIFICAÇÃO PENETRÔMETRO
  15. 15. LUBRIFICAÇÃO Classificação de consistência NLGI para graxas Baseado nos valores de penetração trabalhada, o NLGI (National Lubricating Grease Institute), estabeleceu uma classificação das graxas, que é aceita mundialmente. Grau NLGI Aspecto da Graxa 000 Fluida 00 Quase fluida 0 Extremamente mole 1 Muito mole 2 Mole 3 Média 4 Consistente 5 Muito consistente 6 Extremamente dura
  16. 16. LUBRIFICAÇÃO Ponto de gota (ASTM D566-42) Denomina-se “ponto de gota”de uma graxa lubrificante, a temperatura na qual o produto torna-se suficientemente fluido, sendo capaz de gotejar através do orifício de um dispositivo especial, sendo obedecidas rigorosamente as condições do ensaio. Abaixo o ponto de gota de algumas graxas mais usuais. Ponto de Gota Graxa de sabão de Lítio 191ºC Graxa de Cálcio 82ºC Graxa de Sódio 171ºC Graxa de Alumínio 77ºC Graxa de Bário 188ºC Graxa Sintética Acima de 249ºC
  17. 17. LUBRIFICAÇÃO Procedimento de ensaio de ponto de gota Consiste em se untar internamente com graxa um copo de metal com um pequeno orifício no fundo.  O copo é fixado dentro de um tubo de vidro. Apoiado no tubo de vidro é instalado um termômetro que medirá a temperatura dentro do copo metálico.  O conjunto é montado dentro de um banho de óleo, com temperatura controlada.  Aquecendo-se o banho observa-se o momento que a graxa começa a pingar pelo orifício no fundo do copo metálico. Neste momento anota-se as temperaturas marcada nos dois termômetros. O ponto de gota da graxa que está sendo testada é a média das duas temperaturas.
  18. 18. LUBRIFICAÇÃO Aparelho para ensaio de ponto de gota
  19. 19. LUBRIFICAÇÃO Resistência a água e estabilidade ao trabalho das graxas Alguns tipos de graxa tem que exercer a sua tarefa de lubrificação na presença de água e, por isso, necessitam, como propriedade essencial, de uma certa resistência contra a água. Graxas à base de cálcio e lítio não se dissolvem na água como as bases de sódio. Certas graxas conservam sua consistência original quando são colocadas em mancais, ou seja, elas são estáveis. Em mancais do tipo rolamento, essas graxas permanecem proporcionando, por longo tempo, uma boa lubrificação.
  20. 20. LUBRIFICAÇÃO
  21. 21. LUBRIFICAÇÃO Como o lubrificante trabalha? Entra limpo, claro e, ao ser drenado, sai sujo, contendo impurezas, mas satisfeito pelo cumprimento do dever. Se engana quem pensar que o óleo no período de troca deve sair como entrou, isto é, limpo. A função do lubrificante é de sacrifício, pois ele deve arrastar todas as impurezas, evitando que as mesmas se depositem no motor ou equipamento. Entre os diversos tipos de contaminantes, podem citar três grupos: os abrasivos (poeiras, partículas de metais); os produtos provenientes da combustão (água, ácidos e fuligem); os produtos provenientes da oxidação do óleo (verniz).
  22. 22. LUBRIFICAÇÃO Em resumo, o óleo lubrificante, para sair vencedor neste vasto campo de combate, tem que possuir pelo menos as seguintes qualidades: reduzir a resistência por fricção; proteger contra a corrosão e desgaste; ajudar a vedação; ajudar no esfriamento; contribuir para a eliminação de produtos indesejáveis. Para isso, o óleo lubrificante recorreu a presença de aditivos.  Ao aditivos permitem aos óleos atenderem a estas especificações.
  23. 23. LUBRIFICAÇÃO Quando congela? – baixo ponto de fluxão Saúde e segurança baixo nocividade Boa fluidez a baixas temperaturas Limpidez - os óleos base devem ser límpidos & brilhantes - isentos de partículas de ceras, água etc... BA IL BP LUBRICATOR Qualidade assegurada e verificada no transporte Baixa inflamibilidade= Elevado ponto de inflamação Baixa volatilidade Pequena diferença na viscosidade a diferentes temperaturas = Elevado Índice de viscosidade Qualidade do óleo base
  24. 24. LUBRIFICAÇÃO Devem ser compatíveis -entre eles -com a aplicação Os aditivos permitem adaptar o óleo : -às suas condições defuncionamento -à sua aplicação Uma formulação equilibradaOsegredo: Papel dos aditivos
  25. 25. LUBRIFICAÇÃO  Óleos Industriais.....................................................: 0,01%  Óleos Hidráulicos /Engrenagens...........................: 5 %  Óleos deMotor........................................................: 15%  Óleos Solúveis.........................................................: 30% Desde 0,01%até mais de 30 % Proporção de aditivos em óleos minerais
  26. 26. LUBRIFICAÇÃO Exigências dos aditivos Devem ser completamente solúveis nos óleos básicos a que serão adicionados. Devem possuir solubilidade preferencial pelo óleo e não pela água. Não devem ser voláteis a ponto de se separarem do lubrificante. Devem ser quimicamente estáveis, não reagindo com outros componentes do óleo ou da máquina. Não devem apresentar efeitos nocivos às pessoas ou materiais que entrem em contato. Não devem alcançar seus objetivos acarretando prejuízo ou diminuição a outras características desejáveis.
  27. 27. LUBRIFICAÇÃO Aditivos
  28. 28. LUBRIFICAÇÃO Aumentador de índice de viscosidade O indice de viscosidade caracteriza a variação da viscosidade em função da variação da temperatura. Índice de viscosidade menor Índice de viscosidade maior Viscosidade cinemática (Log) Temperatura
  29. 29. LUBRIFICAÇÃO Lubrificante com elevado I.V. garante Isto traduz-se em: Prevenção contra o desgaste Baixo consumo de óleo Melhor fluidez a baixa temperatura - Adequada película de óleo em qualquer condição de serviço - Os aumentadores de índice de viscosidade possuem, em geral, uma propriedade muito importante, a adesividade, que torna seu uso na indústria cada vez mais difundido.
  30. 30. LUBRIFICAÇÃO Viscosidade - Efeitos da escolha incorreta do lubrificante para motores. Viscosidade superior à adequada Dificulta o arranque a frio Aumenta a temperatura do motor Reduz a potência disponível Aumenta o desgaste interno do motor Aumenta o consumo de combustível Viscosidade inferior à adequada Aumenta o desgaste interno do motor Aumenta o consumo de lubrificante Aumenta as fugas pelos vedantes Aumenta o ruído de funcionamento
  31. 31. LUBRIFICAÇÃO Abaixador de ponto de fluidez Ao se usar o aditivo abaixador do ponto de fluidez, modifica a forma de cristalização de parafina, permitindo que o lubrificante possa ser usado a menores temperaturas, sem prejuízo na sua viscosidade. Tem pouca aplicação em óleos industriais, exceto naqueles casos em que a baixa temperatura obriga o seu uso. É de emprego obrigatório em óleos automotivos.  viscosidade  Temperatura de um óleo
  32. 32. LUBRIFICAÇÃO Detergentes Tem a função de limpar, mantendo partes internas de maquinários, isentas de impregnações. Exemplo: Neutralizar as matérias que dão origem a depósitos nas peças de um motor de combustão interna. Estas substâncias são formadas devido à combustão a alta temperatura e como resultado da queima de combustíveis com alto teor de enxofre.
  33. 33. LUBRIFICAÇÃO Dispersante Mantêm em suspensão, finamente dividida, todas as impurezas formadas no interior do sistema ou que nele penetrem e potencialmente possam formar depósitos, até serem eliminados por ocasião da troca. Se não houver a ação de dispersância no óleo para motor, ocorrerão depósitos nas sedes de válvulas e anéis. A mudança gradual da cor do óleo é sinal que o aditivo está agindo.
  34. 34. LUBRIFICAÇÃO Inibidores de oxidação Os anti-oxidantes são usados em quase todos os tipos e óleos industriais e automotivos. Os inibidores de oxidação não são, realmente, inibidores da oxidação, mas sim, retardadores. Protegem o lubrificante de uma oxidação, retardando seu envelhecimento. Quanto maior a temperatura de trabalho do equipamento maior a necessidade de aditivo antioxidante. A oxidação do óleo provoca: Compostos ácidos, solúveis no óleo   viscosidade Origem a borras insolúveis no óleo  Formação de depósitos
  35. 35. LUBRIFICAÇÃO Anti-espumante Pela redução da tensão superficial do óleo, permitem que as bolhas de ar , já em tamanho maior, rompam-se mais rapidamente . Isso impede a formação de espuma estável. Impede com grande eficiência a formação de espuma, mesmo quando causada por vigorosa agitação e aeração nos equipamentos de alta velocidade. É um aditivo de uso obrigatório em óleos hidráulicos.
  36. 36. LUBRIFICAÇÃO Inibidores de ferrugem Por interação física ou química na superfície do metal, forma-se uma película continua e muito tenaz, que não permite o contato ou penetração da água ou umidade. Exemplo  funcionando a frio água condensa-se FERRUGEM
  37. 37. LUBRIFICAÇÃO Inibidores de corrosão São compostos químicos alcalinos. Protegem as partes metálicas de uma corrosão. Muitos inibidores de oxidação também são inibidores de corrosão. Empregados:  Motores  Sistemas hidráulicos  Mancais em geral
  38. 38. LUBRIFICAÇÃO Agentes anti-desgaste Atuam em condições de lubrificação limite. Podemos considerar dois tipos de aditivos anti-desgaste: Aditivo anti-desgaste propriamente dito  forma película de lubrificante mais resistente ao rompimento.  permite duplicar ou mesmo triplicar as cargas que poderiam ser normalmente suportadas pelo lubrificante mineral (sem aditivos). Usado praticamente em todos os óleos industriais e na totalidade dos óleos automotivos. Aditivo extrema pressão (EP)
  39. 39. LUBRIFICAÇÃO Extrema pressão Aditivos que conferem aos lubrificantes uma maior capacidade de suportar altas cargas. Na lubrificação por camada limítrofe, esses aditivos reagem com as superfícies metálicas em atrito (alta temperatura e pressão), formando um composto lubrificante que evita a gripagem. São formulações que normalmente contém combinações de enxofre, fósforo e cloro, sendo que podem ter sua ação prejudicada pela presença de inibidores de corrosão. São usualmente aplicados em óleos para engrenagens (principalmente os sistemas com engrenagens hipóidais).
  40. 40. LUBRIFICAÇÃO Agente de oleosidade Seu mecanismo de ação é mais importante nos casos de lubrificação limítrofe. São, habitualmente, aditivos de ação física (oleosidades, propriamente dita) e química (ação EP). São empregados em quase todos os lubrificantes de engrenagens industriais, óleos solúveis, óleos de extrusão, de laminação, graxas, etc. Controladores de odor Um mecanismo possível seria mascarar um odor desagradável por meio de perfumes sintéticos. Outro modo seria a reação química do aditivo com o composto mal cheiroso. Novamente os anti-oxidantes, às vezes, são também controladores de odor e, como produto específico, podemos citar o nitrobenzeno. Repelentes de água Compostos organo-silícicos e outros polímeros estão nesta classe, assim como aminas alifáticas, hidroxiácidas e ácidos graxos. Em larga aplicação em locais onde há condensação de água, ou onde a água possa penetrar.
  41. 41. LUBRIFICAÇÃO
  42. 42. LUBRIFICAÇÃO
  43. 43. LUBRIFICAÇÃO Componentes Problemas Típicos Funções Aditivos Sistema Hidráulico Temperatura Contaminação Ar Condensação Água Resistência à Oxidação Anti-Espuma Demulsibilidade Engrenagens Cargas Elevadas Temperatura Contaminação por Água Anti-Desgaste & propriedades EP Resistência à Oxidação Anti-Ferrugem Motores Cargas Elevadas Formação de Depósitos Arranque a Frio Viscosidade a Alta Tempª Anti-Desgaste & propriedades EP . Prop. Dispersantes/Detergentes Abaixadores Ponto Fusão Melhoradores Ind.Viscosidade Funções dos aditivos em alguns componentes:

×