Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Religião afro brasileiras

4,276 views

Published on

Espiritual, religião afro brasileira, BABAÇUÊ, BATUQUE, CABULA, CANDOMBLÉ, CULTO AOS EGUNGUN, CULTO DE IFÁ, ENCANTARIA, OMOLOKO, PAJELANÇA,QUIMBANDA, TAMBOR-DE-MINA,
TERECÔ, UMBANDA, XAMBÁ, XANGÔ DO NORDESTE.

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

Religião afro brasileiras

  1. 1. ESTUDO APROFUNDADO DA DOUTRINA ESPÍRITA RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS
  2. 2. 1. Religiões Afro- brasileiras 2. Orixás 3. Umbanda RELIGIÕES
  3. 3. (...) as tradições afro não são uma religião só, mas vários cultos, oriundos de diversos povos africanos, que foram trazidos para o Brasil. Reginaldo Prandi (7) RELIGIÕESAFRO-BRASILEIRAS
  4. 4. MAPADAROTADOTRÁFICODEESCRAVOS
  5. 5. RELIGIÕESAFRO-BRASILEIRAS São todas as religiões que tiveram origem nas Religiões tradicionais africanas, que foram trazidas para o Brasil pelos negros africanos, na condição de escravos. Ou religiões que absorveram ou adotaram costumes e rituais africanos. (10)
  6. 6. • BABAÇUÊ - Maranhão, Pará • BATUQUE - Rio Grande do Sul • CABULA - Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina. • CANDOMBLÉ - Em todos estados do Brasil • CULTO AOS EGUNGUN - Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo • CULTO DE IFÁ - Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo • ENCANTARIA - Maranhão, Piauí, Pará, Amazonas • OMOLOKO - Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo • PAJELANÇA - Piauí, Maranhão, Pará, Amazonas • QUIMBANDA - Em todos estados do Brasil • TAMBOR-DE-MINA - Maranhão • TERECÔ - Maranhão • UMBANDA - Em todos estados do Brasil • XAMBÁ - Alagoas, Pernambuco • XANGÔ DO NORDESTE – Pernambuco (10) RELIGIÕESAFRO-BRASILEIRAS
  7. 7. A noção básica do candomblé é a de que cada indivíduo vem de um orixá específico e que é possível cultuá- lo, ideia esta muito diferente da concepção ocidental cristã de que temos todos nós uma mesma origem. Prandi, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo. CANDOMBLÉ
  8. 8. • A identificação com um ou mais ancestrais míticos é talvez o ponto mais central do candomblé. • Ninguém é apenas um e só um eu. (8) CANDOMBLÉ
  9. 9. • O homem não é apenas filho ou protegido espiritual do orixá — é parte dele, e dele carrega qualidades e defeitos. (8) Mãe de santo do terreiro do Ilê Maroiá Láji (9) MÃE DE SANTO CANDOMBLÉ
  10. 10. A primeira coisa que se faz num candomblé é descobrir, através do oráculo, qual é o santo da pessoa; não só o orixá principal, mas também outros que tomam parte no destino desse indivíduo.(8)Mãe Menininha do Gantois JOGODEBÚZIOS
  11. 11. O candomblé é uma religião centrada em torno da mãe ou do pai de santo e toda e qualquer decisão dependerá unicamente dela ou dele, pois ritualmente é a pessoa que tem a prerrogativa de consultar o oráculo.(8) CANDOMBLÉ
  12. 12. Essa leitura é a primeira e decisiva ponte lançada para se chegar à identidade de cada um, desvendando forças e fraquezas, vantagens e fardos, talentos e misérias.(8) Prandi, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo. JOGODEBÚZIOS
  13. 13. (...) até os procedimentos rituais cotidianos, passando, evidentemente, pelo diagnóstico dos problemas de toda ordem que afetam a vida do consulente e pela prescrição dos sacrifícios necessários à solução de problemas apontados no jogo. (...) A importância do oráculo do jogo de búzios é um dos divisores de água entre candomblé e umbanda. (8) Prandi, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo. JOGODEBÚZIOS
  14. 14. No candomblé, só o pai ou mãe-de-santo pode atender clientes, e o faz sem estar em transe. Isto é muito diferente da umbanda, em que o cliente pode escolher a entidade com quem se consultará, contando com variada gama de entidades que se mostram no transe: caboclos, pretos-velhos, exus, espíritos de criança, ciganas etc. Este é outro traço importante de distinção entre essas religiões. (8) Prandi, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo. CANDOMBLÉ
  15. 15. • Para os IORUBÁS tradicionais e os seguidores de sua religião nas Américas, os orixás são deuses que receberam de OLODUMARE (também chamados de Olorum ou Olofim) o SER SUPREMO, a incumbência de criar e governar o mundo, ficando cada um deles responsável por alguns aspectos da natureza e certas dimensões da vida em sociedade e da condição humana. (Prandi, Reginaldo. Mitologia dos Orixás) OXUMARÉ ORIXÁS
  16. 16. São um dos maiores grupo étnico na África Ocidental. Deixaram uma presença importante no Brasil, e particularmente muito significativa no estado brasileiro da Bahia: "Os nagôs – IORUBÁS - são ainda hoje os africanos mais numerosos e influentes neste estado (Bahia). ( Prandi, Reginaldo. Mitologia dos Orixás.) IORUBÁS OXUMARÊ
  17. 17. • Para os iorubas antigos , nada é novidade, tudo o que acontece já teria acontecido antes. • Identificar no passado mítico o acontecimento que ocorre no presente é a chave da decifração oracular. • (...) a maioria dos orixás merece culto limitado a determinada cidade ou região. ( Prandi, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia da Letras, 2000, p. 18) ORIXÁS
  18. 18. • É um culto afro- brasileiro, derivado da Umbanda, que tem como linha principal a devoção aos Exus e Pomba giras, consideradas entidades inferiores pelos umbandistas. • Adota suas próprias práticas, como o sacrifício rituais de animais e a utilização de vodus. (3) QUIMBANDA EXU
  19. 19. • É uma das religiões afro-brasileiras praticada principalmente no Brasil mas também em países adjacentes como Uruguai, Argentina e Venezuela. (3) CANDOMBLÉ OXALÁ
  20. 20. • A religião foi desenvolvida no Brasil com o conhecimento dos sacerdotes africanos que foram escravizados e trazidos da África para o Brasil, juntamente com seus Orixás, sua cultura, e seus dialetos, entre 1549 e 1888.(3) OGUM CANDOMBLÉ
  21. 21. • Embora confinado originalmente à população de escravos, proibido pela igreja Católica, e criminalizado por alguns governos, o Candomblé prosperou nos quatro séculos, e expandiu consideravelmente desde o fim da escravatura em 1888. CANDOMBLÉ IEMANJÁ
  22. 22. • Candomblé pode ser considerada uma religião monoteísta, onde a palavra de Deus é traduzida nas várias línguas utilizadas em seus rituais. (3) CANDOMBLÉ OIÁ
  23. 23. • Os Orixás, Voduns e Inkices não são considerados deuses e nem são comparados à Deus, também é considerado uma forma de espiritualismo por cultuarem outros espíritos, derivados das religiões africanos. (3) OGUM CANDOMBLÉ
  24. 24. • Os Orixás da Mitologia YORUBÁ, foram criados por um Deus supremo, OLORUM dos Yorubá. • Os Voduns da Mitologia Fon ou Mitologia Ewe, foram criados por MAWU o Deus supremo dos Fon. • Os Inkices da Mitologia Bantu, foram criados por Zambi, Zanbiapongo Deus supremo e criador. (3) CANDOMBLÉ OXUM
  25. 25. REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS 1 – Pau Brasil : Artista Aurilda Sanches 2 - Osun Eyin, Pai Cido. Candomblé. A panela do segredo. Editora Arx, 2000. ISBN 8535402160 http://ocandomble.wordpress.com/os-orixas/ em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Orix%C3%A1, 17/01/2013 - 21h13 3. Prefeitura Municipal de PortoAlegre – SMED. http://websmed.portoalegre.rs.gov.br/escolas/montecristo/04raca/index.htm. 4. – http://jornalistain-formacao.blogspot.com.br/2012/10/umbanda.html, 18/01/2013 -16h 5 - VERGER, Pierre. 1987. Fluxo e Refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos. Salvador: Currupio, 1987. EM: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tambor_de_Mina, 18/01/2013 - 16h41. 6 – Prandi, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia da Letras, 2000 7 - http://tvilebrasil.blogspot.com.br, 28/01/2013 – 21h31 - Entrevista com Reginaldo Prandi autor de Mitologia dos Orixás. 8 - Prandi, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo : a velha magia na metrópole nova / Reginaldo Prandi. -- São Paulo : HUCITEC : Editora da Universidade de São Paulo, 1991. 9- Fotografia: http://g1.globo.com/bahia/noticia/2012/09/familia-de-olga-do-alaketo-faz-missa-de-7- anos-de-falecimento-da-yalorixa.html 10. http://pt.wikipedia.org/wiki/Religi%C3%B5es_afro-brasileiras 11 – Mapa da África: trafico de escravos. Ilustração do livro "A escravidão do Brasil" do historiador Júlio Quevedo, da PUC-RS. Em http://olharparaver.blogspot.com.br/2010_11_01_archive.html - 25/02/2013 às 14:25
  26. 26. Saravá Muito obrigada! deni.aguiar.silva@gmail.com Florianópolis - 2013

×