Canto orfeônico by Delziene Perdoncini

394 views

Published on

Trabalho sobre canto orfeônico para curso educação musical by Delziene Perdoncini 2014

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
394
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Canto orfeônico by Delziene Perdoncini

  1. 1. Campo grande, 13 de maio de 2014. Cursista: Delziene da Silva de Jesús Perdoncini Ministrante: Prof. Marlon Nantes TRABALHO SOBRE CANTO ORFEÔNICO Considera-se o canto orfeônico a luz do conceito de criação de uma simbologia que permite a invenção da identidade nacional como algo que se renova e se transforma constantemente. O projeto orfeônico brasileiro representa um episódio extremamente significativo na carreira do compositor Heitor Villa-Lobos e na história da educação musical do Brasil. Iniciou-se ainda em fins do século XIX. O ideal do canto orfeônico tem suas raízes na França. Essa experiência inicial teve lugar em São Paulo, na capital, com os professores João Gomes Júnior e Carlos Alberto Gomes Cardim, em Piracicaba, com os irmãos Lázaro e Fabiano Lozano. Villa-Lobos, só começou suas experiências com o canto orfeônico no Brasil em 1930. Villa-Lobos era uma tradicionalista e estava preocupado com a elevação artístico-musical do povo brasileiro. Ele acreditava que se todos estudassem música nas escolas estaria contribuindo para transformá-la numa vivência cotidiana e formando um público sensibilizado às manifestações artísticas. O canto orfeônico tem características próprias que o distinguem do canto coral dos conjuntos eruditos. Trata-se de uma prática da coletividade em que se organizam conjuntos heterogêneos de vozes e tamanho muito variável. Nesses grupos não se exige conhecimento musical ou treinamento vocal dos seus participantes. O canto orfeônico incrementou a valorização do folclore nacional como maneira de apropriar-se da cultura popular no intuito de construir uma identidade capaz de representar o espírito nacional onde se fez necessário devido á mudanças no plano político, social e econômico trazidos pela imigração europeia e a industrialização do governo Getulista.
  2. 2. Por isso Heitor Villa-Lobos tem lugar de renome internacional e nacional na produção musical brasileira. Cuja suas obras são classificadas em sua “brasilidade”. É considerado o maior compositor brasileiro, “musica nacional e de valor”. BIBLIOGRAFIA VILLA-LOBOS, Heitor, "Educação Musical". Boletim Latino Americano de Música, abril de 1946. ArtCultura, Uberlândia, v. 13, n. 23, p. 85-94, jul.-dez. 2011. Campo grande, 13 de maio de 2014.
  3. 3. Cursista: Delziene da Silva de Jesús Perdoncini Ministrante: Prof. Marlon Nantes TRABALHO SOBRE TROPICÁLIA Movimento avesso á Bossa Nova, onde revolucionou o status da música popular brasileira. Participaram ativamente os compositores Caetano Veloso, Gilberto Gil e Tom Zé, os letristas Torquato Neto e Capinam, o maestro e arranjador Rogério Duprat, o trio Mutante e as cantoras Gal Costa e Nara Leão. A Tropicália não pretendia sintetizar um estilo musical, mas sim instaurar uma nova atitude: sua intervenção na cena cultural do país foi, antes de tudo, crítica. Pretendiam chegar mais próximo dos jovens que gostavam do pop e rock da jovem guarda e sentiam-se sufocados pelas elites e preconceitos de cunhos nacionalistas que dominavam as chamadas MPB. As músicas Alegria, Alegria de Caetano e Domingo no Parque de Gil, embora, polêmicas conquistaram o III Festival da Música Popular Brasileira da TV Record em outubro de 1967. Mas o movimento só passou a ser chamado de tropicalista a partir de 5 de fevereiro de 1968, dia em que Nelson Motta publicou no jornal Última Hora um artigo intitulado "A Cruzada Tropicalista". Anunciando que um grupo de músicos, cineastas e intelectuais brasileiros fundara um movimento cultural com a ambição de alcance internacional. Indicava o procedimento tropicalista de enfatizar a cafonice, o aspecto kitsch da cultura brasileira. Afinados com a contracultura da geração hippie, os tropicalistas também questionaram os padrões tradicionais da chamada boa aparência, trocando-a por cabelos compridos e roupas extravagantes. Nessa época, com o endurecimento do regime militar no país, as interferências do Departamento de Censura Federal já havia se tornadas costumeiras; canções tinham versos cortados, ou eram mesmo vetadas integralmente. A decretação do Ato Institucional nº 5, em 13 de dezembro de 1968, oficializou de vez a repressão política a ativistas e intelectuais. As
  4. 4. detenções de Caetano e Gil, em 27 de dezembro, precipitaram o enterro da Tropicália, embora sua morte simbólica já tivesse sido anunciada, nos eventos do grupo. BIBLIOGRAFIA http://cliquemusic.uol.com.br/generos/ver/tropicalismo http://tropicaliadiscos.com.br/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Tropic%C3%A1lia#Carmen_Miranda

×