17 slide share artigo logística enxuta

359 views

Published on

Esse artigo mostra como os Processos de Produção Logístico Lean podem interagir com objetivo de minimizar o lead time e custos Operacionais em toda Cadeia.

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
359
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

17 slide share artigo logística enxuta

  1. 1. A Logística é a parte do Processo da Cadeia de Suprimentos que planeja, implementa e controla de forma eficiente e efetiva o fluxo e a armazenagem, de bens, serviços e informações relacionadas, entre o ponto de origem e o ponto de consumo buscando o atendimento das exigências do consumidor. A Logística Lean ou Enxuta(LE) é uma iniciativa de longo prazo. A base para a Logística Enxuta é o KAIZEN (melhoria contínua) que por sua vez tem o ciclo PDCA (ciclo de Deming) como ponto de partida. A Logística Enxuta é uma abordagem prática. Então se deve começar; nada de Planejamentos intermináveis (por que o Operacional não toma conhecimento), que normalmente não são executados.. Se começa por identificar o VALOR para o Cliente. Depois identifica-se as perdas e tratar de eliminá-las.
  2. 2. As empresas em geral estão divididas em departamentos (Marketing, Vendas, Pós-Vendas, Produção e Distribuição) e que as informações não fluem agilmente entre eles. Ao começar a procurar internamente o que o Cliente valoriza e quais são os problemas, sempre se é surpreendido com as informações que aparecem. Fazendo uma análise de valor agregado aos clientes, descobriu-se com os motoristas que a maioria dos clientes gostaria que estes fizessem sugestões de reposição, desde que se mantivesse um limite mínimo de estoques. A implantação simplificou os controles, diminuiu as faltas de estoques e aumentou as vendas para estes clientes. Depois de avaliar as informações sobre os clientes, visita-se o cliente. Não se limite ao pessoal da área comercial, leve a engenharia, operações, logística, produção, customer service, etc. Reclamações e sugestões de clientes é um TESOURO. Podem surgir grandes oportunidades no desenvolvimento de novos produtos, pedidos e redução na falha de entrega.
  3. 3. Exemplos de PERDAS (MUDA) que Não Agregam Valor nos DPA-Depósito de Produto Acabado:  Os pedidos são processados em lote;  Os produtos chegam em paletes sem padrão, são descarregados e repaletizados; (DEMORA e ESFORÇO DESNECESSÁRIO);  Separadores de pedidos esperam reabastecimento do “picking” para retirar produtos; (FALTA DE ESPAÇO)  Embarque aguardando item faltante para o pedido ser completado; (PERDA TEMPO E ESPAÇO)  Produtos aguardando conferência para dar entrada no estoque; (PERDA TEMPO, ESFORÇO e ESPAÇO)  Contagens de produtos por causa da falta de contentores padronizados; (ESFORÇO DESNECESSÁRIO e PERDA TEMPO);  Descoberta da falta de produtos na ocasião da retirada; (PERDA TEMPO e ESFORÇO). Quando há PERDAS, os fluxos de materiais tendem a ser interrompidos, tem um comportamento irregular e acumulo de estoque. Podemos entender isto com o nível d’água no rio. Quanto maior for o nível do rio, o seu estoque também estará encoberto ou seja não identificamos os nosso problemas de fluxo.
  4. 4. A partir do momento em que diminuímos o nível do rio ou nível do estoque, começarão a aparecer as pedras que são os nossos obstáculos ou Perdas que devem ser eliminados. A solução será eliminar as Perdas e abaixar o nível do estoque e fluir normalmente. Para entender e eliminar as Perdas, temos que identificar os três tipos de atividades: a) Atividades que Agregam Valor: Transporte de produtos ao cliente; b) Atividades que Não Agregam Valor e são necessárias: Estocagem de produtos de alta movimentação e demanda regular em Porta Paletes para posterior retirada e abastecimento na área de picking; c) Atividades que Não Agregam Valor: Separador confere as quantidades quando entrega para a expedição e a expedição e confere novamente.
  5. 5. Acompanhe o fluxo do pedido desde a entrada até o recebimento dos produtos pelos clientes finais juntamente com todas as áreas envolvidas. Identifique as Perdas de acordo com as atividades envolvidas e elimine as que Não Agregam Valor imediatamente. Estoques excessivos são perdas para a Logística Enxuta. Até um certo nível, o estoque agrega valor ao serviço do cliente, na forma de disponibilidade de produtos. Acima deste limite, o estoque é puro desperdício (PERDA).
  6. 6. Exemplos de 7 PERDAS (MUDA) da Logística Enxuta: 1) Super oferta por quantidade: Lotes maiores que a real necessidade; 2) Super oferta por antecipação: São derivados da lógica de “empurrar’; materiais solicitados pela produção muito antes da utilização; 3) Perdas por espera: Kits sendo montados esperando por peças, materiais na área de estocagem esperando para ser movimentados até área de picking; 4) Perdas por defeitos: Quebra de equipamentos; 5) Perdas por movimentação e manuseio: Produtos de alto giro na área de estocagem são colocados e retirados múltiplas vezes das posições Porta-Paletes; 6) Perdas por processamento: embalagens intermediárias, notas fiscais erradas, quantidades erradas; 7) Perdas P: A previsão de demanda é considerada e alterações frequentes causam alternadamente ociosidade e falhas no atendimento.
  7. 7. As perdas P são as mais difíceis de enxergar:  Comece reduzindo os lead times e persista;  Não confunda plano com previsão. A previsão pode mudar sem que seja necessário alterar os planos;  Reduza os lead times sem gerar estoques em outros pontos do fluxo logístico;  Reduzindo os lead times, a dependência das previsões é menor;  Meça a acuracidade da previsão;  Melhore a acuracidade de previsão (utilize as técnicas adequadas);  Examine os custos logísticos globalmente.
  8. 8. Benefícios do LEAN Menos esforço humano na distribuição de produtos; As Perdas/Desperdícios/ Falhas são menores; Pode-se fazer mais com menos recursos; Os prazos de entrega são menores; O uso da tecnologia é seletivo: são necessários menos ativos e espaço; Aumenta a taxa de agregação de valor ao cliente; Os estoque são menores, embora o atendimento ao cliente melhore; As margens de lucro são maiores a longo prazo; Os principais indicadores financeiros melhoram, retorno sobre investimento, lucratividade, fluxo de caixa e custos.
  9. 9. Fluxo de valor é a expressão que melhor define o que é “Lean”. Os clientes querem ser atendidos em suas necessidades mesmo quando não conseguem expressá-las claramente. Clientes fiéis são provavelmente, aqueles atendidos na qualidade certa e no local desejado, pagando o preço justo e com a percepção do valor obtido com o produto. Juntamente com os produtos, os valores desejados estão fluindo para os clientes. Entretanto estas falhas prejudicam o fluxo de valor e influem nos indicadores financeiros. Perdas como esperas, defeitos e movimentações desnecessárias prejudicam o fluxo de produtos. Para eliminar estas perdas e agregar valor ao cliente, a Logística Enxuta tem uma série de técnicas que estão baseados nos conceitos Lean.
  10. 10. VALOR - É criado quando as necessidades e os desejos dos clientes são perfeitamente entendidos e os processos lhes atendem; ELIMINAÇÃO DAS PERDAS – Eliminar o que não agrega valor: esperas, atrasos, estoques excessivos, movimentações desnecessárias. As perdas prejudicam o fluxo; FLUXO DE VALOR – Na Logística o valor é entregue através do fluxo de produtos em direção ao cliente (somente a quantidade desejada, na qualidade desejada, no momento exato, sem ruptura e sem perdas); SIMPLES, MAS NÃO SIMPLÓRIA – Fazer o simples primeiro. Não quer dizer fácil, nem instantaneamente. A Logística enxuta torna-se simples à medida que conhecimento Lean é adquirido para aplicá-lo e transformá-lo em resultados;
  11. 11. PUXAR – O cliente puxa a demanda. Antecipar-se à demanda (empurrar) é perda. Produzir antecipadamente gera estoques que incorrem no risco de não serem vendidos. Se somente a quantidade que o cliente que é movimentada, no momento exato – Just in Time – a necessidade é atendida sem excesso de estoque; PRÁTICA - Vá ver. Vá ao local onde o valor é criado (no cliente, no armazém, na doca, na produção, no planejamento). É lá que estão as oportunidades de criar valor e reduzir as perdas. Visite os processos, fale com as pessoas. Depois aja. TRANSFORMAÇÃO ENXUTA – É o ponto mais difícil. Não confunda com aplicar ferramentas. A mudança física é acompanhada pela transformação das pessoas. Gerar comprometimento tem sido um desafio difícil para os gerentes e colaboradores. Acordos tácitos mantêm as pessoas na zona de conforto para evitar ameaças presumidas (descobrir falhas, perda de controle, perda de status, “menos estoque é risco”, não estar “ocupado”, etc.) Transformação enxuta é um processo de Liderança.
  12. 12. A Logística Enxuta envolve a prática, desde que o nível de conhecimento sobre o Lean seja suficiente. Não é possível estabelecer o Just In Time num sistema instável. A perfeição em puxar, vender um, produzir um e embarcar um não admite falhas. Se somente uma unidade do produto for programada para entrega e for perdida, o fluxo interromper-se-á com prejuízo para o cliente e para a empresa. Também na produção o fluxo unitário só é possível quando não há perdas, pois a interrupção do fluxo, por conta das paradas de máquinas será muito frequente. Primeiro é preciso, então estabilizar os processos para iniciar a implementação do sistema enxuto. Responder a demandas altamente variáveis pode custar caro. Se dentro de uma mesma semana a demanda num certo dia é próxima de zero e noutro é acima da capacidade da operação haverá ociosidade nos períodos de baixa demanda e sobrecarga nos períodos de pico. Por isso em segundo lugar, depois de estabilizar é preciso nivelar o fluxo. ?
  13. 13. Terceiro: quando os processos logísticos estiverem estabilizados e o fluxo de produtos estiver nivelado é possível tornar o fluxo contínuo. Mesmo que não seja ainda possível conectar perfeitamente os fluxos internos com a demanda do cliente, haverá grandes benefícios em termos de custos e atendimento ao cliente quando o mix de produtos é combinado para fornecer um fluxo sem interrupções. Quarto: quando há estabilidade, nivelamento e fluxo contínuo, é possível fazer a movimentação dos produtos e materiais a partir de um sinal de puxada do cliente. Tentar puxar antes do estabilizar-nivelar-fluxo contínuo, provavelmente resultará em fracasso, pois haverá frequentes rupturas ou altos estoques.
  14. 14. Finalmente o principio da perfeição deve estar presente todo o tempo. Para puxar e fazer o fluxo contínuo é preciso que se façam melhorias contínuas (Kaizen). Sequenciamento: Estabilizar: eliminar as perdas e melhorar os problemas da má qualidade até um ponto onde seja possível vender-produzir-embarcar pequenas quantidades; Nivelar: diminuir as oscilações do sistema. Picos de necessidade de produtos e variações bruscas no mix independem o fluxo continuo dos produtos e materiais; Fluxo contínuo: um ambiente estabilizado e nivelado permite que os materiais possam fluir continuamente, com poucas interrupções; Puxar: embarcar, produzir, movimentar o produto somente quando há uma necessidade real, não antes. A necessidade real não é obrigatoriamente a quantidade pedida pelo cliente; Perfeição: a ideia de melhoria contínua é que suporta a eliminação de perdas e falhas. Á perseguição de melhorias deve estar presente sempre. Fonte: Logística IMAM

×