Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Poesia de cordel e cultura popular brasileira

  • Be the first to comment

Poesia de cordel e cultura popular brasileira

  1. 1. POESIA DE CORDEL ECULTURA POPULARBRASILEIRAA PERFEIÇÃO DO TEXTO DECORDEL E A SIMPLICIDADEDO POVO NORDESTINO
  2. 2. XILOGRAVURA E ARTEAS IMAGENS QUE ENCONTRAMOSEM LIVROS DE CORDEL SÃOFEITAS COM MOLDES DEXILOGRAVURA, UMA ESPÉCIE DE“CARIMBO” TALHADO NA MADEIRAPOR ATISTAS POPULARES.NORMALMENTE, OS DESENHOSARTESANAIS REDUZEM-SE ÀSCAPAS DAS PUBLICAÇÕES.
  3. 3. MODELOS DE XILOGRAVURAS
  4. 4. MÉTRICA DO CORDELApesar de serem textos de origempopular, a poesia de cordel apresentauma métrica bastante rígida:Versos com oito ou sete sílabaspoéticas;Estrofes com seis versos (sextetos);Rimas bem trabalhadas, em versosintercalados.Entenda melhor essa estrutura:
  5. 5. SÍLABAS POÉTICAS!?Os versos de alguns poemas apresentam umamétrica, isto é, podem ser “medidos” pelaquantidade de sílabas poéticas que apresentam.Para se contar as sílabas poéticas de um verso,pode-se seguir a mesma regra de divisão silábica,com algumas exceções:Sempre que a última vogal de uma palavracoincidir com a primeira vogal da palavraseguinte, deve-se contar como uma só letra.Se a última vogal da palavra anterior e a primeiravogal da palavra seguinte formarem um ditongo,devem permanecer na mesma sílaba.As sílabas poéticas só são contadas até a sílabatônica da última palavra do verso. As sílabas quevierem depois dela são ignoradas na métrica,apesar de serem pronunciadas.
  6. 6. EXEMPLO DE MÉTRICAESTADOS UNIDOS EM CHAMAS(UM AVISO PARA O MUNDO)Autor: Guaipuan VieiraA/ for/ça/ do/ mal/ a/ta/ caOu / tra/ vez/ es/ te/ pla/ne/ taA/ cha/ ma/ da/ vi/ o/ lên/ ciaTraz/ u/ ma/ luz/ vi/ o/ le/ taQue/ se a/ pa/ ga a/ ca/ da ins/ tan/ tePe/ lo/ som/ ho/ rri/ pi/ lan/ teSur/ gi/ da/ du/ ma/ cor/ ne/ ta7 SÍLABAS POÉTICAS
  7. 7. FAÇA VOCÊ AGORA A MÉTRICADOS TRECHOS DE CORDÉISA luz expressa tristezaNuma amarga solidãoA corneta é turbulênciaDe nação contra naçãoA paz sendo ameaçadaPela vingança marcadaDa dor que não diz perdão
  8. 8. Patativa do AssaréAutor: Francisco Ferreira Filho DinizJoão Pessoa-PB, 09 de julho de2002Hoje o céu está mais felizPor Jesus de Nazaré,Pelo brilho das estrelas,Pela beleza da féE por ter acenado da portaPatativa do Assaré.

×